14669
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Plano de aula - Leitura e escrita de nomes próprios

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 1º ano do Fundamental sobre leitura e escrita de nomes próprios

Plano 01 de 3 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Anna Kelly Real Scarfoni Carvalho

 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é 1ª aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística, semiótica e escrita compartilhada. A finalidade desse conjunto de planos é ampliar conhecimentos sobre as letras do alfabeto através da escrita dos próprios nomes reconhecendo e identificando suas respectivas letras (grafemas) e seus sons (fonemas), favorecendo aos alunos evolução nas estratégias do SEA.

Materiais necessários: Alfabeto móvel, cartolinas, caneta hidrocor, papel pardo.

Dificuldades antecipadas: Como as crianças encontram-se no início do ciclo de alfabetização apresentando níveis de hipóteses de escritas diversificadas como pré-silábicos, silábicos sem valor sonoro ou com valor sonoro, podem apresentar dificuldades para identificar o conjunto de letras do alfabeto, saber nomeá-las e estabelecer relações entre letra e som.

Referências sobre o assunto:

FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1985.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

KATO, Mary A. (org.) A concepção da escrita pela criança. Campinas: Pontes, 1988.

Título da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto.

Orientações: Relate para a turma a proposta da aula: ler e escrever seu próprio nome e o nome dos colegas.

Introdução select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

1- A atividade será introduzida por meio de um levantamento dos conhecimentos prévios acerca da escrita do nome próprio e do nome dos colegas da classe, inicialmente trabalhe apenas com o primeiro nome de cada aluno.

2- Organize a classe em um círculo. Inicie a aula apresentando o slide com a quadrinha popular e a imagem do menino.

SENTADO NUMA CADEIRINHA

SEU LINDO NOME ESCREVI

LEMBRANDO LETRA POR LETRA

SUSPIRANDO ADORMECI.

(Quadrinha Popular)”

3- Leia para os alunos a quadrinha demarcando as palavras que estão sendo lidas.

4- Explore, através de conversas, o que o menino fala que vai escrever.

5- Chegue a conclusão com os alunos que a quadrinha fala sobre a escrita do nome. Cada um tem nome, ele é nossa identidade pessoal, nos identifica quando estamos em grupos.

6- Observem a ilustração ao lado da quadrinha. O menino pensou na escrita de um nome.

Alguém consegue ler o nome que está escrito?

Quantas letras aparecem nesse nome?

Alguém tem o nome parecido com esse?

Qual é a primeira letra desse nome?

Qual a última letra desse nome?

Aqui tem alguém que também começa o nome com essa letra?

7- Agora cada um pense em seu nome.

Quem sabe a primeira letra do seu próprio nome? (Nesse momento, os alunos que conseguirem irão levantando suas hipóteses sobre a letra inicial do seu próprio nome). Já estamos levantando os conhecimentos prévios que os alunos têm acerca do próprio nome, bem como estamos realizando reflexões e comparações.

8- Agora, iremos conversar sobre nosso nome.

  • Quem já consegue escrever seu próprio nome?

As situações de escrita do nome diferenciam-se de outras em que as crianças escrevem de acordo com suas hipóteses de escrita (as situações de escrita espontânea). No que se refere à escrita do próprio nome, espera-se, que, quanto antes, os alunos dominem de memória a escrita convencional, o que lhes permitirá utilizar tal palavra em contextos em que a escrita correta se faz necessária: para personalizar suas atividades, desenhos, para identificar objetos que lhe pertence, etc.

  • E quem já consegue escrever o nome dos colegas?

9- Após o levantamento dos conhecimentos prévios, organize os alunos em duplas de modo que se formem grupos produtivos, ou seja, que apresentam saberes acerca do sistema alfabético de escrita próximo, porém diferentes. Por exemplo: sugere-se a formação de grupos entre alunos pré-silábicos e os silábicos sem valor sonoro e com valor sonoro. E também os silábicos podem se agrupar com os silábico-alfabético, que por sua vez também funcionam bem com os alfabéticos.

10- Disponibilize para cada dupla um alfabeto móvel e uma tira retangular de papel, onde cada aluno construirá seu nome com o alfabeto móvel mostrando ao colega as letras que são necessárias.

11- Após a construção dos nomes com as letras móveis, cada aluno copiará seu nome na tira retangular.

12- Solicite que cada aluno retorne na roda com seu respectivo nome escrito na tira.

Material complementar: Letras para impressão do alfabeto móvel clique aqui.

Folha para impressão com as tiras para escrita dos nomes clique aqui.

Observações:

  • Caso você encontre alunos que não saibam escrever seus respectivos nomes, disponibilize crachá, ficha com os nomes dos alunos para terem uma referência. Sendo assim, será necessário auxiliá-lo na construção do mesmo mostrando letra a letra, fazendo com que o aluno levante hipóteses de quais letras utiliza para escrever seu nome. Exemplo: O aluno chama-se PEDRO.
  • Qual é a primeira letra do seu nome?
  • Você sabe o nome desta letra? Ela chama-se P.
  • Seu nome também tem outras letras. Encontre a letra E para formarmos a sílaba PE.
  • Agora, procure a letra D. Encontre também a letra R e a letra O.
  • Vamos montar seu nome e a agora vamos contar quantas letras tem e quais são essas letras? Auxilie o aluno nessa construção. Depois peça que ele escreva o seu nome na tira.

2. Para melhor fundamentação teórica sobre os benefícios de trabalhar com os nomes dos alunos sugerimos que acesse os links: clique aqui e clique aqui.

Observações: O nome é parte da identidade de cada um e, como tal, tem valor intrínseco. Por isso, ler e escrever o próprio nome e o dos colegas são aprendizagens que carregam um significado emocional importante. Além disso, os nomes assumem grande valor para a aprendizagem do sistema alfabético, pois, a partir de situações em que é preciso ler ou escrever seu próprio nome ou o do colega, colocam-se problemas interessantes que contribuem para ampliar os conhecimentos dos alunos sobre a organização do sistema de escrita alfabético.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

1- Confeccione antecipadamente a lista com os nomes dos alunos em papel pardo ou outro papel para expor e explorar juntamente com os alunos as escritas dos nomes.

2- Para a confecção da lista algumas considerações são importantes:

- Cada nome deve constar em uma linha;

- Todos os nomes devem estar alinhados à esquerda (pois isso facilita a comparação entre a quantidade de letras de cada nome);

O tamanho da letra utilizada deve ser grande o suficiente para facilitar a consulta (a letra de fôrma maiúscula é a mais indicada); apenas os nomes escritos devem constar na lista, nessa fase evite o uso de fotos e desenhos.

Converse com os alunos fazendo um levantamento prévio sobre a importância de ter uma lista com os nomes dos alunos da classe; qual a melhor forma de organizar a lista com os nomes (é interessante que cheguem à conclusão de que a melhor forma seja a ordem alfabética);

3- A tira que foi confeccionada pelos alunos ficará com os mesmos durante a conversa sobre os nomes na lista, pois assim os alunos poderão observá-los e utilizá-los durante as reflexões.

Atenção, professor:

As listas de palavras são modelos estáveis de escrita e, por isso, servem para que as crianças sempre recorram a elas quando necessário. Na alfabetização, a escrita é vista como algo muito maior do que um código. Ela não serve só para ser decifrada, mas também para permitir que as pessoas se comuniquem. Para que isso aconteça, o processo de alfabetização deve se preocupar em ensinar o sistema de escrita e também da linguagem em seus usos sociais.

Diante disso, cabe à escola proporcionar às crianças atividades significativas para que enxerguem sentido em aprender a ler e a escrever. As listas de palavras e de nomes são adequadas para o início do processo de aquisição da base alfabética o qual estamos inseridos.

Em nossa rotina, escrevemos e lemos listas. Entre elas, estão a de compras do mercado, de convidados para um aniversário ou de atividades que temos programadas para o dia. Portanto, se apropriar desse recurso de elencar conteúdos é significativo para as crianças, porque ele tem uma função social.

Mas o que significa trabalhar com os próprios nomes das crianças em forma de lista? Muita coisa! O nome é pessoal, então, faz sentido aprender a ler e a escrevê-lo logo de início, fazendo com que essa lista seja a primeira a ser construída no ano. Utilizar a lista de nomes é uma valiosa fonte de informação para a criança, pois elas indicam que, para a escrita de determinado nome, é preciso um conjunto de letras específico; ao considerar o conjunto de nomes dos colegas, as crianças observam que todos eles são escritos somente com as letras do alfabeto, não há grafismo inventados para cada nome; é possível observar que as letras não são partes exclusivas de um único nome, as mesmas podem estar presentes em diferentes nomes de colegas; os nomes também tornam explícito que a ordem das letras nas palavras não é aleatória e que existe um sentido convencional para leitura; a leitura e escrita de nomes ajudam a compreender, também, o valor sonoro convencional das letras, sua forma gráfica e sua ordem no alfabeto.

Sugestão:

Realize reflexões de forma que os alunos possam perceber semelhanças e as diferenças (quantidades de letras, quais as letras, quais os sons, etc).

Com a lista dos nomes de todos os alunos da classe, pergunte:

Pergunte um a um onde está seu nome na lista, deixando-os irem até a lista sinalizar.

Todos os nomes começam com as mesmas letras?

Qual é o primeiro nome da lista?

Exemplo: AMANDA

Por que ele é o primeiro?

Com qual letra ele inicia?

Que nomes começam com a letra B?

Exemplo: BRUNO e BEATRIZ.

Quantas letras tem cada um desse nomes? Vamos contar?

BRUNO

BEATRIZ

Alguém sabe me dizer porque na lista aparece BEATRIZ antes do nome do BRUNO?

Levante reflexões acerca da importância da ordem alfabética para escrever a lista de nomes.

Quantos alunos começam seus nomes com a letra P. Vamos ler: PATRÍCIA, PAULO, PEDRO, PIETRO.

Todos os nomes começam com a letra P.

O que precisamos observar na escrita dos nomes para colocá-los na ordem alfabética?

E quando o nome tem a mesma sílaba inicial como PATRíCIA e PAULO que letra precisamos observar para colocar na ordem alfabética?

E as letras finais dos nomes, vamos observá-las?

Todos os nome terminam com a mesma letra?

Chame um aluno e pergunte para ele se consegue encontrar o nome da colega. Exemplo do nome: MARIANA

Procure na lista onde está escrito o nome da MARIANA? Se o aluno conseguiu descobrir pergunte: Como você conseguiu adivinhar?

Que letra aparece no início deste nome?

Quantas letras tem esse nome?

Qual é a última letra?

Vamos falar esse nome para descobrir quantas sílabas tem? Coloque um dedinho na boca para cada som. MA – RI – A – NA

Teremos também situações de encontrarmos nomes semelhantes.

Exemplo: MARIA e MARIANA

Chame a atenção dos alunos para observarem:

Quantas letras têm no nome de MARIA?

Vejam só o nome da MARIA e MARIANA começam com as mesmas letras e terminam com as mesmas letras, mas porque não são iguais? Alguém consegue me explicar?

Que letras se repetem nos nomes da MARIA e MARIANA?

Qual é a sílaba que deixa o nome da MARIANA diferente?

Podemos também nos deparar com os nomes MARIA CLARA e MARIA LUÍSA. Nesse caso iremos realizar as mesmas intervenções, refletindo sobre as quantidades de letras, as semelhanças e diferenças nas escritas. Mas também será importante problematizar, situações que os alunos percebam que há necessidade de registrar o segundo nome. Exemplo:

E agora, temos dois nomes que começam iguais. Quais são eles?

MARIA CLARA e MARIA LUÍSA

Quem consegue descobrir as diferenças entre eles?

Como faço para diferenciar um nome do outro?

O que vamos precisar observar?

Que nome escrevemos primeiro na lista MARIA CLARA ou MARIA LUÍSA?

Se estamos organizando nossa lista de nomes em ordem alfabética, o que será necessário observar para colocar os nomes das meninas na sequência correta do alfabeto?

Precisaremos observar o segundo nome CLARA e LUÍSA? Ou apenas o primeiro nome?

Que letra aparece primeiro no alfabeto C ou L?

Fechamento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

1-Exponha a lista em um lugar visível na classe. Realize a leitura coletivamente de cada nome.

Atenção: A criança compreende o sistema alfabético na prática de leitura, sendo assim, você precisa ensiná-la a ler e dar-lhe condições de resolver problemas que permitam que ela avance como leitora e escritora, confrontando-se com as escritas desde o início da alfabetização. É o contato com o texto que permite ao aluno refletir sobre o funcionamento do sistema de escrita.

Tais estratégias são postas em prática pelas crianças sempre que tentam "ler", mesmo sem saber ler. "Elas antecipam o que pode estar escrito. Como ainda não dominam o sistema, estão o tempo todo usando informações sobre a escrita do próprio nome, do nome dos colegas ou outros que trazem da própria experiência. A criança compara as palavras, seleciona, olha para todas as pistas e só então verifica o que está escrito.

As atividades de leitura deve considerar os diferentes níveis de compreensão dos alunos e uma mesma atividade pode-se propor desafios diferentes para cada um. Dessa forma, todos os alunos encontram problemas a resolver na atividade uns ocupam-se em encontrar pistas para descobrir as palavras solicitadas, utilizando estratégias de leitura e o conhecimento do valor sonoro convencional de algumas letras.

Como as crianças ainda não sabem decodificar completamente os textos escritos, utilizam estratégias antecipatórias de leitura para descobrir o que está escrito, como as letras iniciais, finais ou mediais das palavras.

Decodificação e seleção são duas estratégias de leitura, mas ainda existem outras: a antecipação, a inferência e a verificação.

As crianças sabem qual é a palavra que devem procurar, e algumas a identificam no meio das outras da lista. Porém, não conseguem justificar sua escolha, ou seja, não conseguem passar do plano da ação para o plano do discurso. Por isso o professor deve ajustar o desafio às possibilidades de aprendizagem do grupo. As crianças só avançam na compreensão sobre o funcionamento do sistema de escrita se tiverem bons problemas para pensar, para refletir e rever suas hipóteses. Um bom desafio deve estar entre o possível e o difícil. Organizar a situação didática de tal forma que provoque a reflexão que os levará a descobrir o que está escrito.

2-Chame um aluno por vez aleatoriamente e solicite que leia o nome da lista seguindo a ordem alfabética, demarcando com o dedo onde está lendo, realizando assim procedimentos de leitura de ajuste.

Exemplo:

Procure na lista onde aparece o nome da AMANDA.

Com qual letra começa esse nome?

Com qual letra termina esse nome? Quantas letras tem?

Outro aluno:

Leia o nome que aparece abaixo do nome da Amanda?

Com qual letra ele começa?

De quem você acha que é esse nome?

Quantas letras tem esse nome?

Outro aluno:

Depois do nome do BRUNO, qual é o outro nome que aparece?

Quantas letras tem esse nome?

A primeira letra é consoante ou vogal?

E a última letra qual é? É uma vogal ou consoante?

Com a letra L no início aparecem quatro nomes.

Alguém sabe explicar como foram organizados esses nomes que iniciam com a letra L na lista?

Quais desses nomes tem mais letras?

No nome da LUCIANA, aparecem escritos outros nomes, alguém consegue adivinhar quais são esses nomes?

3- As tiras que foram escritas no início da aula pelos alunos com seus respectivos nomes podem ser guardadas em uma caixa, para que sirva de modelo nas situações de escritas, ou até mesmo ser utilizada em outras dinâmicas.

4- Para fundamentar e aprofundar o procedimento da leitura de ajuste, o qual foi citado no fechamento do plano, clique aqui. Assista também os vídeos Como ler sem saber ler? clique aqui (vídeo 1) e clique aqui (vídeo 2).

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é 1ª aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística, semiótica e escrita compartilhada. A finalidade desse conjunto de planos é ampliar conhecimentos sobre as letras do alfabeto através da escrita dos próprios nomes reconhecendo e identificando suas respectivas letras (grafemas) e seus sons (fonemas), favorecendo aos alunos evolução nas estratégias do SEA.

Materiais necessários: Alfabeto móvel, cartolinas, caneta hidrocor, papel pardo.

Dificuldades antecipadas: Como as crianças encontram-se no início do ciclo de alfabetização apresentando níveis de hipóteses de escritas diversificadas como pré-silábicos, silábicos sem valor sonoro ou com valor sonoro, podem apresentar dificuldades para identificar o conjunto de letras do alfabeto, saber nomeá-las e estabelecer relações entre letra e som.

Referências sobre o assunto:

FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1985.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

KATO, Mary A. (org.) A concepção da escrita pela criança. Campinas: Pontes, 1988.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto.

Orientações: Relate para a turma a proposta da aula: ler e escrever seu próprio nome e o nome dos colegas.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

1- A atividade será introduzida por meio de um levantamento dos conhecimentos prévios acerca da escrita do nome próprio e do nome dos colegas da classe, inicialmente trabalhe apenas com o primeiro nome de cada aluno.

2- Organize a classe em um círculo. Inicie a aula apresentando o slide com a quadrinha popular e a imagem do menino.

SENTADO NUMA CADEIRINHA

SEU LINDO NOME ESCREVI

LEMBRANDO LETRA POR LETRA

SUSPIRANDO ADORMECI.

(Quadrinha Popular)”

3- Leia para os alunos a quadrinha demarcando as palavras que estão sendo lidas.

4- Explore, através de conversas, o que o menino fala que vai escrever.

5- Chegue a conclusão com os alunos que a quadrinha fala sobre a escrita do nome. Cada um tem nome, ele é nossa identidade pessoal, nos identifica quando estamos em grupos.

6- Observem a ilustração ao lado da quadrinha. O menino pensou na escrita de um nome.

Alguém consegue ler o nome que está escrito?

Quantas letras aparecem nesse nome?

Alguém tem o nome parecido com esse?

Qual é a primeira letra desse nome?

Qual a última letra desse nome?

Aqui tem alguém que também começa o nome com essa letra?

7- Agora cada um pense em seu nome.

Quem sabe a primeira letra do seu próprio nome? (Nesse momento, os alunos que conseguirem irão levantando suas hipóteses sobre a letra inicial do seu próprio nome). Já estamos levantando os conhecimentos prévios que os alunos têm acerca do próprio nome, bem como estamos realizando reflexões e comparações.

8- Agora, iremos conversar sobre nosso nome.

  • Quem já consegue escrever seu próprio nome?

As situações de escrita do nome diferenciam-se de outras em que as crianças escrevem de acordo com suas hipóteses de escrita (as situações de escrita espontânea). No que se refere à escrita do próprio nome, espera-se, que, quanto antes, os alunos dominem de memória a escrita convencional, o que lhes permitirá utilizar tal palavra em contextos em que a escrita correta se faz necessária: para personalizar suas atividades, desenhos, para identificar objetos que lhe pertence, etc.

  • E quem já consegue escrever o nome dos colegas?

9- Após o levantamento dos conhecimentos prévios, organize os alunos em duplas de modo que se formem grupos produtivos, ou seja, que apresentam saberes acerca do sistema alfabético de escrita próximo, porém diferentes. Por exemplo: sugere-se a formação de grupos entre alunos pré-silábicos e os silábicos sem valor sonoro e com valor sonoro. E também os silábicos podem se agrupar com os silábico-alfabético, que por sua vez também funcionam bem com os alfabéticos.

10- Disponibilize para cada dupla um alfabeto móvel e uma tira retangular de papel, onde cada aluno construirá seu nome com o alfabeto móvel mostrando ao colega as letras que são necessárias.

11- Após a construção dos nomes com as letras móveis, cada aluno copiará seu nome na tira retangular.

12- Solicite que cada aluno retorne na roda com seu respectivo nome escrito na tira.

Material complementar: Letras para impressão do alfabeto móvel clique aqui.

Folha para impressão com as tiras para escrita dos nomes clique aqui.

Observações:

  • Caso você encontre alunos que não saibam escrever seus respectivos nomes, disponibilize crachá, ficha com os nomes dos alunos para terem uma referência. Sendo assim, será necessário auxiliá-lo na construção do mesmo mostrando letra a letra, fazendo com que o aluno levante hipóteses de quais letras utiliza para escrever seu nome. Exemplo: O aluno chama-se PEDRO.
  • Qual é a primeira letra do seu nome?
  • Você sabe o nome desta letra? Ela chama-se P.
  • Seu nome também tem outras letras. Encontre a letra E para formarmos a sílaba PE.
  • Agora, procure a letra D. Encontre também a letra R e a letra O.
  • Vamos montar seu nome e a agora vamos contar quantas letras tem e quais são essas letras? Auxilie o aluno nessa construção. Depois peça que ele escreva o seu nome na tira.

2. Para melhor fundamentação teórica sobre os benefícios de trabalhar com os nomes dos alunos sugerimos que acesse os links: clique aqui e clique aqui.

Observações: O nome é parte da identidade de cada um e, como tal, tem valor intrínseco. Por isso, ler e escrever o próprio nome e o dos colegas são aprendizagens que carregam um significado emocional importante. Além disso, os nomes assumem grande valor para a aprendizagem do sistema alfabético, pois, a partir de situações em que é preciso ler ou escrever seu próprio nome ou o do colega, colocam-se problemas interessantes que contribuem para ampliar os conhecimentos dos alunos sobre a organização do sistema de escrita alfabético.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

1- Confeccione antecipadamente a lista com os nomes dos alunos em papel pardo ou outro papel para expor e explorar juntamente com os alunos as escritas dos nomes.

2- Para a confecção da lista algumas considerações são importantes:

- Cada nome deve constar em uma linha;

- Todos os nomes devem estar alinhados à esquerda (pois isso facilita a comparação entre a quantidade de letras de cada nome);

O tamanho da letra utilizada deve ser grande o suficiente para facilitar a consulta (a letra de fôrma maiúscula é a mais indicada); apenas os nomes escritos devem constar na lista, nessa fase evite o uso de fotos e desenhos.

Converse com os alunos fazendo um levantamento prévio sobre a importância de ter uma lista com os nomes dos alunos da classe; qual a melhor forma de organizar a lista com os nomes (é interessante que cheguem à conclusão de que a melhor forma seja a ordem alfabética);

3- A tira que foi confeccionada pelos alunos ficará com os mesmos durante a conversa sobre os nomes na lista, pois assim os alunos poderão observá-los e utilizá-los durante as reflexões.

Atenção, professor:

As listas de palavras são modelos estáveis de escrita e, por isso, servem para que as crianças sempre recorram a elas quando necessário. Na alfabetização, a escrita é vista como algo muito maior do que um código. Ela não serve só para ser decifrada, mas também para permitir que as pessoas se comuniquem. Para que isso aconteça, o processo de alfabetização deve se preocupar em ensinar o sistema de escrita e também da linguagem em seus usos sociais.

Diante disso, cabe à escola proporcionar às crianças atividades significativas para que enxerguem sentido em aprender a ler e a escrever. As listas de palavras e de nomes são adequadas para o início do processo de aquisição da base alfabética o qual estamos inseridos.

Em nossa rotina, escrevemos e lemos listas. Entre elas, estão a de compras do mercado, de convidados para um aniversário ou de atividades que temos programadas para o dia. Portanto, se apropriar desse recurso de elencar conteúdos é significativo para as crianças, porque ele tem uma função social.

Mas o que significa trabalhar com os próprios nomes das crianças em forma de lista? Muita coisa! O nome é pessoal, então, faz sentido aprender a ler e a escrevê-lo logo de início, fazendo com que essa lista seja a primeira a ser construída no ano. Utilizar a lista de nomes é uma valiosa fonte de informação para a criança, pois elas indicam que, para a escrita de determinado nome, é preciso um conjunto de letras específico; ao considerar o conjunto de nomes dos colegas, as crianças observam que todos eles são escritos somente com as letras do alfabeto, não há grafismo inventados para cada nome; é possível observar que as letras não são partes exclusivas de um único nome, as mesmas podem estar presentes em diferentes nomes de colegas; os nomes também tornam explícito que a ordem das letras nas palavras não é aleatória e que existe um sentido convencional para leitura; a leitura e escrita de nomes ajudam a compreender, também, o valor sonoro convencional das letras, sua forma gráfica e sua ordem no alfabeto.

Sugestão:

Realize reflexões de forma que os alunos possam perceber semelhanças e as diferenças (quantidades de letras, quais as letras, quais os sons, etc).

Com a lista dos nomes de todos os alunos da classe, pergunte:

Pergunte um a um onde está seu nome na lista, deixando-os irem até a lista sinalizar.

Todos os nomes começam com as mesmas letras?

Qual é o primeiro nome da lista?

Exemplo: AMANDA

Por que ele é o primeiro?

Com qual letra ele inicia?

Que nomes começam com a letra B?

Exemplo: BRUNO e BEATRIZ.

Quantas letras tem cada um desse nomes? Vamos contar?

BRUNO

BEATRIZ

Alguém sabe me dizer porque na lista aparece BEATRIZ antes do nome do BRUNO?

Levante reflexões acerca da importância da ordem alfabética para escrever a lista de nomes.

Quantos alunos começam seus nomes com a letra P. Vamos ler: PATRÍCIA, PAULO, PEDRO, PIETRO.

Todos os nomes começam com a letra P.

O que precisamos observar na escrita dos nomes para colocá-los na ordem alfabética?

E quando o nome tem a mesma sílaba inicial como PATRíCIA e PAULO que letra precisamos observar para colocar na ordem alfabética?

E as letras finais dos nomes, vamos observá-las?

Todos os nome terminam com a mesma letra?

Chame um aluno e pergunte para ele se consegue encontrar o nome da colega. Exemplo do nome: MARIANA

Procure na lista onde está escrito o nome da MARIANA? Se o aluno conseguiu descobrir pergunte: Como você conseguiu adivinhar?

Que letra aparece no início deste nome?

Quantas letras tem esse nome?

Qual é a última letra?

Vamos falar esse nome para descobrir quantas sílabas tem? Coloque um dedinho na boca para cada som. MA – RI – A – NA

Teremos também situações de encontrarmos nomes semelhantes.

Exemplo: MARIA e MARIANA

Chame a atenção dos alunos para observarem:

Quantas letras têm no nome de MARIA?

Vejam só o nome da MARIA e MARIANA começam com as mesmas letras e terminam com as mesmas letras, mas porque não são iguais? Alguém consegue me explicar?

Que letras se repetem nos nomes da MARIA e MARIANA?

Qual é a sílaba que deixa o nome da MARIANA diferente?

Podemos também nos deparar com os nomes MARIA CLARA e MARIA LUÍSA. Nesse caso iremos realizar as mesmas intervenções, refletindo sobre as quantidades de letras, as semelhanças e diferenças nas escritas. Mas também será importante problematizar, situações que os alunos percebam que há necessidade de registrar o segundo nome. Exemplo:

E agora, temos dois nomes que começam iguais. Quais são eles?

MARIA CLARA e MARIA LUÍSA

Quem consegue descobrir as diferenças entre eles?

Como faço para diferenciar um nome do outro?

O que vamos precisar observar?

Que nome escrevemos primeiro na lista MARIA CLARA ou MARIA LUÍSA?

Se estamos organizando nossa lista de nomes em ordem alfabética, o que será necessário observar para colocar os nomes das meninas na sequência correta do alfabeto?

Precisaremos observar o segundo nome CLARA e LUÍSA? Ou apenas o primeiro nome?

Que letra aparece primeiro no alfabeto C ou L?

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

1-Exponha a lista em um lugar visível na classe. Realize a leitura coletivamente de cada nome.

Atenção: A criança compreende o sistema alfabético na prática de leitura, sendo assim, você precisa ensiná-la a ler e dar-lhe condições de resolver problemas que permitam que ela avance como leitora e escritora, confrontando-se com as escritas desde o início da alfabetização. É o contato com o texto que permite ao aluno refletir sobre o funcionamento do sistema de escrita.

Tais estratégias são postas em prática pelas crianças sempre que tentam "ler", mesmo sem saber ler. "Elas antecipam o que pode estar escrito. Como ainda não dominam o sistema, estão o tempo todo usando informações sobre a escrita do próprio nome, do nome dos colegas ou outros que trazem da própria experiência. A criança compara as palavras, seleciona, olha para todas as pistas e só então verifica o que está escrito.

As atividades de leitura deve considerar os diferentes níveis de compreensão dos alunos e uma mesma atividade pode-se propor desafios diferentes para cada um. Dessa forma, todos os alunos encontram problemas a resolver na atividade uns ocupam-se em encontrar pistas para descobrir as palavras solicitadas, utilizando estratégias de leitura e o conhecimento do valor sonoro convencional de algumas letras.

Como as crianças ainda não sabem decodificar completamente os textos escritos, utilizam estratégias antecipatórias de leitura para descobrir o que está escrito, como as letras iniciais, finais ou mediais das palavras.

Decodificação e seleção são duas estratégias de leitura, mas ainda existem outras: a antecipação, a inferência e a verificação.

As crianças sabem qual é a palavra que devem procurar, e algumas a identificam no meio das outras da lista. Porém, não conseguem justificar sua escolha, ou seja, não conseguem passar do plano da ação para o plano do discurso. Por isso o professor deve ajustar o desafio às possibilidades de aprendizagem do grupo. As crianças só avançam na compreensão sobre o funcionamento do sistema de escrita se tiverem bons problemas para pensar, para refletir e rever suas hipóteses. Um bom desafio deve estar entre o possível e o difícil. Organizar a situação didática de tal forma que provoque a reflexão que os levará a descobrir o que está escrito.

2-Chame um aluno por vez aleatoriamente e solicite que leia o nome da lista seguindo a ordem alfabética, demarcando com o dedo onde está lendo, realizando assim procedimentos de leitura de ajuste.

Exemplo:

Procure na lista onde aparece o nome da AMANDA.

Com qual letra começa esse nome?

Com qual letra termina esse nome? Quantas letras tem?

Outro aluno:

Leia o nome que aparece abaixo do nome da Amanda?

Com qual letra ele começa?

De quem você acha que é esse nome?

Quantas letras tem esse nome?

Outro aluno:

Depois do nome do BRUNO, qual é o outro nome que aparece?

Quantas letras tem esse nome?

A primeira letra é consoante ou vogal?

E a última letra qual é? É uma vogal ou consoante?

Com a letra L no início aparecem quatro nomes.

Alguém sabe explicar como foram organizados esses nomes que iniciam com a letra L na lista?

Quais desses nomes tem mais letras?

No nome da LUCIANA, aparecem escritos outros nomes, alguém consegue adivinhar quais são esses nomes?

3- As tiras que foram escritas no início da aula pelos alunos com seus respectivos nomes podem ser guardadas em uma caixa, para que sirva de modelo nas situações de escritas, ou até mesmo ser utilizada em outras dinâmicas.

4- Para fundamentar e aprofundar o procedimento da leitura de ajuste, o qual foi citado no fechamento do plano, clique aqui. Assista também os vídeos Como ler sem saber ler? clique aqui (vídeo 1) e clique aqui (vídeo 2).

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Análise linguística/Semiótica do 1º ano :

MAIS AULAS DE Língua Portuguesa do 1º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF01LP05 da BNCC

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF01LP07 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Língua Portuguesa

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano