Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Abrir mão da letra cursiva e da legibilidade

Assim não dá!

POR:
NOVA ESCOLA, Tatiana Pinheiro, Bruna Nicolielo

Muitos professores, cansados de se esforçar para entender a letra de alguns alunos, sobretudo a cursiva, acabam por pedir que a turma escreva com letra de fôrma. O problema da falta de legibilidade pode começar a ser atacado já no fim do 1º ano do Ensino Fundamental. Nessa fase, vários alunos já são alfabéticos e podem aprender a escrever com a letra de mão, com a qual não estão familiarizados. Um dos caminhos é começar pela escrita do nome e do sobrenome do aluno. Vale organizar também atividades que envolvam a redação de cartas, afinal escrevê-las pressupõe a existência de um leitor que deverá entender o texto. 

O importante nesse aprendizado, que segue pelo 3º e 4º ano, não é só a conquista de uma letra legível mas também a aquisição de rapidez na escrita. O objetivo - e isso deve ser exposto aos pequenos - é aprender outra forma de escrever para ganhar agilidade nas anotações. Além disso, a letra cursiva tem lugar fora da escola. Mas alguns estudantes precisam de ajuda para grafar determinadas letras e suas junções na forma cursiva, como é o caso do do "vr" e do "h". Eles deverão se exercitar, mas esse treino não precisa tomar a página toda de um caderno, seja ele de caligrafia ou não. 

Essa habilidade não é inata e, às vezes, o professor deverá mostrar como se faz. Assim que as crianças conquistam a escrita alfabética, passam a querer escrever com a letra cursiva. Com algum treino, em pouco tempo, todas aprendem o traçado.


Consultoria Marisa Garcia, doutora em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) e consultora da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias