14832
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Língua Portuguesa > 5º ano > Análise linguística/Semiótica

Plano de aula - Discurso direto e indireto nos contos

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 5º ano do Fundamental sobre discurso direto e indireto nos contos

Plano 08 de 15 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Fabiana Júlia de Araújo Tenório

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: esta é oitava aula de uma sequência de 15 planos de aula com foco no gênero conto popular afro-brasileiro e no campo de atuação Artístico-literário / Vida cotidiana / Todos os campos. A aula faz parte do módulo de Análise linguística e Semiótica e trabalha com um conto brasileiro. Este módulo contém três aulas: a aula anterior utiliza um conto popular afro-brasileiro e essa utiliza um conto brasileiro. A opção por mesclar os gêneros conto (nesta aula), contos populares (aula 4) e conto popular afro-brasileiro (que permeia toda sequência) se dá na intenção de aproximar esses gêneros para que o aluno perceba as semelhanças e especificidades entre eles. Aula anterior - Módulo Análise Linguística/Semiótica: LP05_02SQA07

Materiais necessários: Envelopes com o texto fragmentado para cada dupla formada, folhas em branco, cola ou fita adesiva.

Informações sobre o gênero: Os contos populares são textos narrativos carregados do imaginário popular. Através deles, cada comunidade transmite valores, crenças e saberes. O conto, como experiência literária, mantém uma certa fidelidade aos contos populares, mas é aberto às inovações dos autores. Constitui-se como histórias curtas, tendo como característica a concisão. (MARIA, 2004) Já os contos afro-brasileiros têm, além dessas, características próprias da literatura afro-brasileira e não podem prescindir da afrodescendência através de uma voz autoral, um tema, uma linguagem, um público-alvo e um lugar de enunciação (DUARTE, 2010). Esses elementos compõem um gênero de importância ideológica, histórica e literária.

Dificuldades antecipadas: A formação de duplas pode gerar desconforto nos alunos mais tímidos que precisam de auxílio para interagir.

Referências sobre o assunto:

DUARTE, E. de A. Por um conceito de Literatura Afro-brasileira. Terceira Margem. Rio de Janeiro, n. 23, p. 113-138, julho/dezembro 2010. Disponível em https://revistas.ufrj.br/index.php/tm/article/view/10953/8012 Acesso em 05/12/2018.

FUNDAÇÃO CECIERJ. A narração: os elementos linguísticos e os tipos de discurso. Módulo 1. Unidade 7. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://cejarj.cecierj.edu.br/pdf/Unidade7_LC.pdf

GANCHO, C. V. Como analisar narrativas. Ed. Ática. São Paulo, 2002. Disponível em: http://files.letrasunip2010.webnode.com.br/200000008-989c398f4e/Como%20Analisar%20Narrativas.pdf. Acesso em 05/12/2018.

MARIA, L. de. O que é conto? 1ª reimpressão. Brasiliense. São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.netmundi.org/home/wp-content/uploads/2017/04/Cole%C3%A7%C3%A3o-Primeiros-Passos-O-Que-%C3%A9-Conto.pdf. Acesso em 05/12/2018.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente a proposta da aula: em dupla, os alunos deverão montar um texto fragmentado. É importante, professor, ressaltar que essa aula é a segunda de um módulo de três aulas. Esse módulo trata dos efeitos de sentido provocados pelo tipo de discurso (direto ou indireto) escolhido pelo autor e sua intenção é trabalhar com contos, contos populares e contos populares afro-brasileiros (objeto dessa sequência de atividade); nesta aula, o texto a ser trabalhado é um conto. Faz-se necessário explicar aos alunos que observem as duas formas de discurso: direto e indireto. Devem observar os sinais gráficos que caracterizam o discurso direto e os verbos dicendi que antecipam ou retomam a ação que o personagem acabou de fazer. É essa observação que ajudará a montar o texto de maneira coerente.

Introdução select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos

Orientações:

  • Forme as duplas que irão trabalhar na realização da atividade.
  • Entregue o envelope com o texto fragmentado e uma folha em branco para a montagem do texto. Utilize fita dupla face para colocar em cada pedaço do texto (isso facilita na hora da atividade, pois os alunos apenas retirarão a proteção da fita para colar o texto) ou dê aos alunos cola, cola bastão ou fita adesiva. Esse texto já foi utilizado no plano 4 dessa sequência, em que trabalhamos tipos de narrador e o ponto de vista da narração.

Materiais complementares:

Acesse o texto fragmentado.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 35 minutos

Orientações:

  • Esta etapa da aula deve ser desenvolvida da seguinte forma: 15 minutos para a realização da atividade orientada em dupla; 20 minutos para a correção e reflexão contida no slide 4 e 5.
  • Determine 15 minutos para que as duplas montem o texto de maneira correta.
  • Apresente, em seguida, a correção da atividade, procedendo à seguinte reflexão:

a) A primeira parte termina com um verbo dicendi “Diz”. Esses verbos de dizer podem anunciar a fala da personagem, como nesse exemplo. Pergunte aos alunos: “O que virá depois desse verbo?” Aguarde a resposta (uma fala da personagem Dona Cotinha). “Como podemos reconhecer a fala da personagem?” Aguarde a resposta (através do travessão).

b) “Na parte 3 não temos o verbo dicendi. Esse discurso é direto ou indireto?” (indireto) “Além de não ter verbo dicendi, o que também não aparece no trecho que me leva a achar que ele é discurso indireto?” (a ausência de travessões).

c) “O verbo dicendi só aparece na parte 4. Qual é ele?” (o verbo “disse”). No final dessa parte, há outro verbo dicendi. Qual é? (o verbo “perguntou”).

d) “O que eu preciso procurar na parte 5 para combinar com esse verbo dicendi?” (uma fala com travessão no início e uma interrogação no final).

É importante, professor, que os alunos saibam que o uso de travessões, dois pontos, interrogação e pontos de exclamação são sinais gráficos essenciais na construção do discurso direto. Entretanto, não são apenas marcadores da transcrição de fala. Eles contribuem para articular as partes do texto, como foi nesse exemplo em que procuramos por uma pergunta para encaixar os parágrafos, e ainda promovem os sentidos que o autor quer apresentar na história - seja ele de dúvida, de surpresa, de medo etc. (CECIERJ, 2016).

  • Continue com a reflexão: “Vamos pensar um pouco, observando a parte 4: Se a fala de Dona Cotinha não fosse direta e o narrador contasse a sua ação, teria o mesmo sentido?”

Aguarde um pouco e interfira. “Vejamos. Se fosse assim: Dona Cotinha pediu para que Tom abrisse o portão. Será que tínhamos a mesma forma de pedir? O que faltaria?” (leve-os a perceber que nem o “bom dia” e a forma de pedir gentilmente seriam retratadas). “Quem fala no discurso direto é a própria personagem, no indireto é o narrador. Em qual dos dois discursos temos a expressão do pensamento real das personagens?” (no direto) “Será que o narrador poderia alterar a ação da maneira como ele achasse melhor contar a história?” (sim). Termine dizendo que no discurso indireto o ponto de vista é do narrador, que orienta o leitor da maneira como ele vê a história e as personagens. “A preocupação do narrador não é apresentar como o personagem disse as coisas, mas apenas o que foi dito. Nesse caso, o vocabulário próprio do personagem, suas emoções ficam de fora” (CECIERJ, 2016, p. 109).

Materiais complementares:

FUNDAÇÃO CECIERJ. A narração: os elementos linguísticos e os tipos de discurso. Módulo 1. Unidade 7. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://cejarj.cecierj.edu.br/pdf/Unidade7_LC.pdf

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • Esta etapa da aula deve ser desenvolvida da seguinte forma: 15 minutos para a realização da atividade orientada em dupla e 20 minutos para a correção e reflexão contida no slide 4 e 5.
  • Continue refletindo com eles:

e) “Na parte 6, o diálogo continua. Vamos observar: Em todas as falas da parte 5 e 6 temos verbo dicendi antes ou depois das falas?” (não) “O que temos é uma outra maneira de mostrar o discurso direto, seguindo uma a uma as falas das personagens. Isso nos mostra que o discurso direto pode vir também sem verbos dicendi. Mas, como eu sei que é a fala da personagem e não do narrador?” Aguarde até que os alunos deem a resposta (o uso dos sinais de pontuação, como dois pontos e travessão). Para Gancho (2002), essa é uma variante da forma convencional do discurso direto. Nela, as falas se sucedem mesmo sem a indicação do narrador. Só acompanhamos quem fala pela mudança de linha e pela presença do novo travessão.

f) “No final da parte 6, temos o verbo “continuou”. Quem irá continuar a fala? (Dona Cotinha). “Temos então a fala de Dona Cotinha na parte 7.”

g) “Volta o narrador na parte 8. Quem é mesmo o narrador? Quem está contando a história? (o gato Joca). E quem são as personagens que falam no conto?” (Dona Cotinha e Tom). “Na parte 9, segue o diálogo de Tom e Dona Cotinha. Qual o verbo dicendi que antecipa a fala de Tom?” (perguntou).

h) “O final da história, a parte 10, volta a ser contado pelo narrador. Como eu posso afirmar isso?” (não há travessão e nem verbo dicendi. Não há fala de personagens) “Então, na parte 10 tenho discurso direto ou indireto?” (indireto). “O final do conto é bem poético. Fala dos livros como um ambiente mágico, cheio de seres fantásticos. Esse olhar, esse ponto de vista, é de quem? É do personagem Tom ou é do Gato Joca que narra a história?” (do Gato Joca). Conclua, dizendo que no discurso indireto o narrador é quem se expressa e coloca sua maneira de ver o mundo.

Fechamento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações:

  • Explique que os contos podem ter partes com discurso direto, partes com discurso apenas indireto e partes com discursos direto e indireto, em que ora a personagem fala e ora o narrador conta a ação que foi desenvolvida pela personagem.
  • Sistematize o que exercitaram na aula, retomando quais partes do texto estão caracterizadas como discurso direto e indireto. 1, 3, 8 e 10 devem ser marcado como discurso indireto. 2, 5, 7 e 9 devem ser classificados em discurso direto. E 4 e 6 como misto, pois possui discurso direto e discurso indireto.
  • Convide os alunos para, na próxima aula, aplicarem o que aprenderam na atividade que será proposta a partir de contos populares afro-brasileiros.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: esta é oitava aula de uma sequência de 15 planos de aula com foco no gênero conto popular afro-brasileiro e no campo de atuação Artístico-literário / Vida cotidiana / Todos os campos. A aula faz parte do módulo de Análise linguística e Semiótica e trabalha com um conto brasileiro. Este módulo contém três aulas: a aula anterior utiliza um conto popular afro-brasileiro e essa utiliza um conto brasileiro. A opção por mesclar os gêneros conto (nesta aula), contos populares (aula 4) e conto popular afro-brasileiro (que permeia toda sequência) se dá na intenção de aproximar esses gêneros para que o aluno perceba as semelhanças e especificidades entre eles. Aula anterior - Módulo Análise Linguística/Semiótica: LP05_02SQA07

Materiais necessários: Envelopes com o texto fragmentado para cada dupla formada, folhas em branco, cola ou fita adesiva.

Informações sobre o gênero: Os contos populares são textos narrativos carregados do imaginário popular. Através deles, cada comunidade transmite valores, crenças e saberes. O conto, como experiência literária, mantém uma certa fidelidade aos contos populares, mas é aberto às inovações dos autores. Constitui-se como histórias curtas, tendo como característica a concisão. (MARIA, 2004) Já os contos afro-brasileiros têm, além dessas, características próprias da literatura afro-brasileira e não podem prescindir da afrodescendência através de uma voz autoral, um tema, uma linguagem, um público-alvo e um lugar de enunciação (DUARTE, 2010). Esses elementos compõem um gênero de importância ideológica, histórica e literária.

Dificuldades antecipadas: A formação de duplas pode gerar desconforto nos alunos mais tímidos que precisam de auxílio para interagir.

Referências sobre o assunto:

DUARTE, E. de A. Por um conceito de Literatura Afro-brasileira. Terceira Margem. Rio de Janeiro, n. 23, p. 113-138, julho/dezembro 2010. Disponível em https://revistas.ufrj.br/index.php/tm/article/view/10953/8012 Acesso em 05/12/2018.

FUNDAÇÃO CECIERJ. A narração: os elementos linguísticos e os tipos de discurso. Módulo 1. Unidade 7. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://cejarj.cecierj.edu.br/pdf/Unidade7_LC.pdf

GANCHO, C. V. Como analisar narrativas. Ed. Ática. São Paulo, 2002. Disponível em: http://files.letrasunip2010.webnode.com.br/200000008-989c398f4e/Como%20Analisar%20Narrativas.pdf. Acesso em 05/12/2018.

MARIA, L. de. O que é conto? 1ª reimpressão. Brasiliense. São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.netmundi.org/home/wp-content/uploads/2017/04/Cole%C3%A7%C3%A3o-Primeiros-Passos-O-Que-%C3%A9-Conto.pdf. Acesso em 05/12/2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente a proposta da aula: em dupla, os alunos deverão montar um texto fragmentado. É importante, professor, ressaltar que essa aula é a segunda de um módulo de três aulas. Esse módulo trata dos efeitos de sentido provocados pelo tipo de discurso (direto ou indireto) escolhido pelo autor e sua intenção é trabalhar com contos, contos populares e contos populares afro-brasileiros (objeto dessa sequência de atividade); nesta aula, o texto a ser trabalhado é um conto. Faz-se necessário explicar aos alunos que observem as duas formas de discurso: direto e indireto. Devem observar os sinais gráficos que caracterizam o discurso direto e os verbos dicendi que antecipam ou retomam a ação que o personagem acabou de fazer. É essa observação que ajudará a montar o texto de maneira coerente.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos

Orientações:

  • Forme as duplas que irão trabalhar na realização da atividade.
  • Entregue o envelope com o texto fragmentado e uma folha em branco para a montagem do texto. Utilize fita dupla face para colocar em cada pedaço do texto (isso facilita na hora da atividade, pois os alunos apenas retirarão a proteção da fita para colar o texto) ou dê aos alunos cola, cola bastão ou fita adesiva. Esse texto já foi utilizado no plano 4 dessa sequência, em que trabalhamos tipos de narrador e o ponto de vista da narração.

Materiais complementares:

Acesse o texto fragmentado.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 35 minutos

Orientações:

  • Esta etapa da aula deve ser desenvolvida da seguinte forma: 15 minutos para a realização da atividade orientada em dupla; 20 minutos para a correção e reflexão contida no slide 4 e 5.
  • Determine 15 minutos para que as duplas montem o texto de maneira correta.
  • Apresente, em seguida, a correção da atividade, procedendo à seguinte reflexão:

a) A primeira parte termina com um verbo dicendi “Diz”. Esses verbos de dizer podem anunciar a fala da personagem, como nesse exemplo. Pergunte aos alunos: “O que virá depois desse verbo?” Aguarde a resposta (uma fala da personagem Dona Cotinha). “Como podemos reconhecer a fala da personagem?” Aguarde a resposta (através do travessão).

b) “Na parte 3 não temos o verbo dicendi. Esse discurso é direto ou indireto?” (indireto) “Além de não ter verbo dicendi, o que também não aparece no trecho que me leva a achar que ele é discurso indireto?” (a ausência de travessões).

c) “O verbo dicendi só aparece na parte 4. Qual é ele?” (o verbo “disse”). No final dessa parte, há outro verbo dicendi. Qual é? (o verbo “perguntou”).

d) “O que eu preciso procurar na parte 5 para combinar com esse verbo dicendi?” (uma fala com travessão no início e uma interrogação no final).

É importante, professor, que os alunos saibam que o uso de travessões, dois pontos, interrogação e pontos de exclamação são sinais gráficos essenciais na construção do discurso direto. Entretanto, não são apenas marcadores da transcrição de fala. Eles contribuem para articular as partes do texto, como foi nesse exemplo em que procuramos por uma pergunta para encaixar os parágrafos, e ainda promovem os sentidos que o autor quer apresentar na história - seja ele de dúvida, de surpresa, de medo etc. (CECIERJ, 2016).

  • Continue com a reflexão: “Vamos pensar um pouco, observando a parte 4: Se a fala de Dona Cotinha não fosse direta e o narrador contasse a sua ação, teria o mesmo sentido?”

Aguarde um pouco e interfira. “Vejamos. Se fosse assim: Dona Cotinha pediu para que Tom abrisse o portão. Será que tínhamos a mesma forma de pedir? O que faltaria?” (leve-os a perceber que nem o “bom dia” e a forma de pedir gentilmente seriam retratadas). “Quem fala no discurso direto é a própria personagem, no indireto é o narrador. Em qual dos dois discursos temos a expressão do pensamento real das personagens?” (no direto) “Será que o narrador poderia alterar a ação da maneira como ele achasse melhor contar a história?” (sim). Termine dizendo que no discurso indireto o ponto de vista é do narrador, que orienta o leitor da maneira como ele vê a história e as personagens. “A preocupação do narrador não é apresentar como o personagem disse as coisas, mas apenas o que foi dito. Nesse caso, o vocabulário próprio do personagem, suas emoções ficam de fora” (CECIERJ, 2016, p. 109).

Materiais complementares:

FUNDAÇÃO CECIERJ. A narração: os elementos linguísticos e os tipos de discurso. Módulo 1. Unidade 7. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://cejarj.cecierj.edu.br/pdf/Unidade7_LC.pdf

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • Esta etapa da aula deve ser desenvolvida da seguinte forma: 15 minutos para a realização da atividade orientada em dupla e 20 minutos para a correção e reflexão contida no slide 4 e 5.
  • Continue refletindo com eles:

e) “Na parte 6, o diálogo continua. Vamos observar: Em todas as falas da parte 5 e 6 temos verbo dicendi antes ou depois das falas?” (não) “O que temos é uma outra maneira de mostrar o discurso direto, seguindo uma a uma as falas das personagens. Isso nos mostra que o discurso direto pode vir também sem verbos dicendi. Mas, como eu sei que é a fala da personagem e não do narrador?” Aguarde até que os alunos deem a resposta (o uso dos sinais de pontuação, como dois pontos e travessão). Para Gancho (2002), essa é uma variante da forma convencional do discurso direto. Nela, as falas se sucedem mesmo sem a indicação do narrador. Só acompanhamos quem fala pela mudança de linha e pela presença do novo travessão.

f) “No final da parte 6, temos o verbo “continuou”. Quem irá continuar a fala? (Dona Cotinha). “Temos então a fala de Dona Cotinha na parte 7.”

g) “Volta o narrador na parte 8. Quem é mesmo o narrador? Quem está contando a história? (o gato Joca). E quem são as personagens que falam no conto?” (Dona Cotinha e Tom). “Na parte 9, segue o diálogo de Tom e Dona Cotinha. Qual o verbo dicendi que antecipa a fala de Tom?” (perguntou).

h) “O final da história, a parte 10, volta a ser contado pelo narrador. Como eu posso afirmar isso?” (não há travessão e nem verbo dicendi. Não há fala de personagens) “Então, na parte 10 tenho discurso direto ou indireto?” (indireto). “O final do conto é bem poético. Fala dos livros como um ambiente mágico, cheio de seres fantásticos. Esse olhar, esse ponto de vista, é de quem? É do personagem Tom ou é do Gato Joca que narra a história?” (do Gato Joca). Conclua, dizendo que no discurso indireto o narrador é quem se expressa e coloca sua maneira de ver o mundo.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações:

  • Explique que os contos podem ter partes com discurso direto, partes com discurso apenas indireto e partes com discursos direto e indireto, em que ora a personagem fala e ora o narrador conta a ação que foi desenvolvida pela personagem.
  • Sistematize o que exercitaram na aula, retomando quais partes do texto estão caracterizadas como discurso direto e indireto. 1, 3, 8 e 10 devem ser marcado como discurso indireto. 2, 5, 7 e 9 devem ser classificados em discurso direto. E 4 e 6 como misto, pois possui discurso direto e discurso indireto.
  • Convide os alunos para, na próxima aula, aplicarem o que aprenderam na atividade que será proposta a partir de contos populares afro-brasileiros.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Análise linguística/Semiótica do 5º ano :

MAIS AULAS DE Língua Portuguesa do 5º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF35LP30 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Língua Portuguesa

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano