14677
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Língua Portuguesa > 1º ano > Análise linguística/Semiótica

Plano de aula - Parlendas e rimas para brincar

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 1º ano do Fundamental sobre parlendas e rimas lúdicas

Plano 01 de 3 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Michele Andrade De Lima Rabelo

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é 1ª aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística e semiótica. A finalidade desse conjunto de planos é relacionar elementos sonoros (sílabas, fonemas, partes de palavras) com sua representação escrita. Comparar palavras, identificando semelhanças e diferenças entre sons de sílabas iniciais, mediais e finais. Recitar parlendas com entonação adequada e observando as rimas.

Materiais necessários:

  • Recursos para projetar telas
  • Recursos para projetar vídeo
  • Recursos para imprimir atividades e painéis ou para copiá-los a mão.

Dificuldades antecipadas:

Algumas crianças podem ter dificuldades em encontrar estratégias para desenvolver a leitura, por ainda não conseguirem relacionar sons a letras. Nestes casos, as suas intervenções serão fundamentais para que as crianças percebam o quanto já sabem a respeito do nosso sistema de escrita. Ajude-as a utilizar as palavras estáveis para servirem de referência para a leitura. Clique aqui e entenda mais sobre a importância de trabalho com listas na alfabetização. Quando a criança percebe que o PA de Paulo é o mesmo PA de parede, ela começa a desenvolver estratégias para ler, ainda que não leia convencionalmente. Nos slides, desafio a desafio estão sugeridas intervenções que podem tornar o seu trabalho mais produtivo, resultando no avanço da aprendizagem.

Por outro lado, algumas crianças podem encontrar facilidade nos desafios neste plano de descoberta por já conseguirem ler com autonomia. Nestes casos, desafie-os a ir além de ler e localizar palavras, mas incentive-os a criar novas rimas e versões para as parlendas.

Referências sobre o assunto:
Livros:

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LERNER, Delia. Ler e Escrever na Escola: O Real, o Possível e o Necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MORAIS, A. G. de. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Guia prático de alfabetização. São Paulo: Contexto, 2012.

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e aprendizagem. São Paulo: Ática, 2000.

NOBREGA, M. J. Salada, saladinha: parlendas. São Paulo: Moderna, 2005.

PRIETO, Heloisa. O Jogo da parlenda. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2005.

https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1360/a-funcao-das-listas-na-alfabetizacao. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.portaltrilhas.org.br/download/biblioteca/caderno-de-orientacoes-parlendas-20150212161811.pdf. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/43/alfabetizacao-e-consciencia-fonologica-como-trabalha-las. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/conteudo/2489/diagnostico-na-alfabetizacao-para-conhecer-a-nova-turma. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/conteudo/2491/por-que-as-criancas-devem-aprender-a-escrever-com-letra-de-forma-para-depois-passar-para-a-cursiva. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/conteudo/2486/leitura-feita-pelo-aluno-antes-de-saber-ler-convencionalmente. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.google.com/url?q=https://novaescola.org.br/conteudo/5330/grandes-obras-de-escritores-para-alfabetizar-os-pequenos&sa=D&ust=1538937682313000&usg=AFQjCNG_W93WdoUJDk6gub0Sk1VJtOCUyg. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.google.com/url?q=https://novaescola.org.br/conteudo/2498/ler-rima-com-prazer&sa=D&ust=1538937682313000&usg=AFQjCNFH0o2TtxG3GqIFFd2f66pQQUCULw. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.google.com/url?q=https://novaescola.org.br/conteudo/4734/blog-de-alfabetizacao-conheca-um-jeito-diferente-de-alfabetizar-com-poesia&sa=D&ust=1538937682313000&usg=AFQjCNEYqKiWOGcYT0mf2LUyLY2DsrSWVA. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.youtube.com/watch?v=Xd592hgXImM. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.youtube.com/watch?v=cqp4N_Hqxvs. Acesso em 3 de outubro de 2018.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações:

  • Projete o slide e leia-o.
  • Cuide da entonação da voz ao realizar as perguntas, a fim de provocar a participação das crianças, buscando o que já sabem sobre parlendas. Espera-se que as crianças entendam que parlendas são textos orais que servem para brincar e se divertir. Clique aqui e acesse o material orientador a respeito do valor do trabalho com parlendas na alfabetização.
  • Brinque com a parlenda “Uni duni tê” e escolha as crianças que irão dizer o que sabem sobre parlendas a partir desta brincadeira. Clique aqui e acesse um vídeo da brincadeira caso não conheça o ritmo.
  • Observe com as crianças que você utilizou uma parlenda naquele momento. Pergunte se eles já a conheciam.
  • Pergunte para que serve esta parlenda. Espera-se que as crianças percebam que esta parlenda é usada para escolher uma pessoa para realizar uma brincadeira.

Introdução select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações:

  • Diga que você fará uma brincadeira e que você quer ver quem consegue brincar também.
  • Projete e leia o slide, ele servirá de mobilizador para este segundo momento da aula.
  • Pergunte: esta menina é a Ana. O que combina com Ana? Ana banana, Ana laranja, Ana limão ou Ana uva?
  • Permita que as crianças respondam e justifiquem suas respostas.
  • Espera-se que as crianças cheguem à conclusão de que Ana combina com banana porque terminam iguais, têm sons finais parecidos, rimam.
  • Faça rimas com os nomes das crianças. Seguem alguns exemplos:
  • A Joana gosta de banana;
  • A Alice se parece com a Clarice;
  • O Cauã subiu no pé de maçã;
  • A Rafaela comeu na panela, etc.
  • É muito provável que algumas crianças percebam que você está brincando com os sons das palavras, que as palavras combinam, que você está criando rimas. No entanto, também é muito comum que algumas crianças demorem um pouco mais para perceberem o mecanismo da brincadeira. Quanto mais vocês brincarem, maior as chances de que todos compreendam.
  • Pergunte se elas também conseguem criar alguma rima.
  • Anote no quadro a criação das crianças. Grife os finais das palavras que possuem sons parecidos, que rimam para que as crianças possam visualizar o porque das rimas. Assim: A SOPHIA VEIO DA BAHIA.
  • Caso alguma sugestão das crianças não rime, anote no quadro e mostre porque não rimou. Por exemplo, se alguma criança disser: O JOÃO COMPROU UM CARRINHO. Você grifa os sons finais das palavras ÃO e INHO e repete os sons perguntando à turma se esses sons combinam. Como não rimam, você apaga o final da frase e aguarda a criação de uma nova rima para escrevê-la.
  • Então pergunte qual palavra seria boa para rimar com JOÃO. Qual palavra termina com ÃO.
  • Continue com a brincadeira até que várias rimas tenham sido criadas.
  • Prepare-os para a próxima etapa: diga que você conhece uma outra brincadeira que usa rimas e que vai apresentar a eles, e quem souber pode recitar junto.
  • Projete o vídeo da “Palavra Cantada” (para isso, clique aqui), que apresenta o recitar de várias parlendas com ilustrações ricas e foco na oralidade, visto que não apresenta o texto escrito.
  • Reapresente novamente, agora incentivando as crianças a recitarem as parlendas também.
  • Fixe no quadro o painel da parlenda “Meio dia macaca Sofia”. Clique aqui para fazer a impressão, caso não possa imprimir, copie-a no quadro:
  • Desafie as crianças a localizarem as palavras que rimam.
  • Incentive-os a ler ajustando o falado ao escrito.
  • Selecione algumas crianças para irem até o painel e colocar o dedinho embaixo de onde estão lendo. Este procedimento ajuda a criança a refletir sobre a escrita, e quanto mais reflexão, mais estratégias de leitura ela desenvolve.
  • Problematize dizendo, por exemplo: Você leu “macaca Sofia”, mas apontou para esta palavra “macaca”, como que começa a palavra Sofia? Nesta palavra que você apontou tem o “SO”? Então onde será que está escrito Sofia? Comece novamente a leitura…
  • Faça isto uma vez com cada criança, para que a criança não se desmotive de ler. Ao contrário, esta situação em que a criança realmente acredita estar lendo, deve ser um momento de alegria e comemoração.
  • Pergunte a elas como sabem que essas palavras rimam.
  • Grife as letras que fazem com que as palavras rimem.
  • Clique aqui para ler a respeito da concepção da centralidade do texto como contexto para estudos linguísticos.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

  • Separe as crianças em duplas ou trios, dependendo do número de crianças. Separe-as em um agrupamento produtivo na perspectiva da hipótese de escrita de cada criança. Devem trabalhar juntas crianças que possuam hipóteses próximas, para que, por exemplo, aquela que é mais familiarizada com a escrita não realize a atividade sozinha. E ainda espera-se que, com hipóteses de escrita próximas, possa haver maior troca e debate a respeito de suas hipóteses em relação à leitura.
  • Lembrando que as hipóteses são: pré silábica, silábica sem valor sonoro, silábica com valor sonoro, silábica alfabética e alfabética. Clique aqui para saber mais.
  • Agrupe, por exemplo, crianças com hipótese alfabética com aquelas que possuam hipótese silábica alfabética. Ou ainda, alunos com hipótese silábica com valor sonoro com aqueles que têm a hipótese silábica sem valor sonoro. Um outro modelo de agrupamento é estudantes com hipótese silábica sem valor sonoro com aqueles com hipótese pré silábica.
  • Recite a parlenda “Um, dois feijão com arroz” com as crianças.
  • Diga a eles que agora você tem um grande desafio e precisa da ajuda da turma porque uma bruxa maluca recortou o painel da parlenda “Um, dois feijão com arroz” e os versos ficaram misturados.
  • Distribua uma fatia do texto para cada grupo de crianças (dupla ou trio). Clique aqui e imprima.
  • Pergunte à turma qual é o primeiro verso da parlenda. E qual grupo está com ele.
  • Aparecendo o verso correto, cole-o num suporte que possa ficar exposto na sala de aula por um período, para que as crianças tenham fácil acesso e possam lê-lo sozinhas, ainda que de forma não convencional. Ajustar aquilo que está falando ao que está escrito é uma estratégia de leitura que faz com que a criança avance em sua compreensão do nosso sistema de escrita.
  • Peça que a turma confirme se de fato aquele é o verso correto. Provoque-os a refletir:
  • Peça para uma criança que não concorda que aquele seja o verso correto para justificar sua resposta. Pergunte: Por que você acredita que aqui não está escrito “Um, dois”?
  • Da mesma, forma peça para uma criança que concorda que aquele é o verso correto que justifique sua resposta. Pergunte a ela: como você sabe que aqui está escrito “Um, dois”?
  • Permita que as crianças possam conversar e debater. Cuide que suas respostas sejam dadas para a turma e não para você. Assim, estará desenvolvendo a capacidade de argumentar, de defender suas perspectivas.
  • Continue até que toda a parlenda tenha sido construída.
  • Recite a parlenda com as crianças.
  • Recite novamente, agora acompanhando com o painel. Aponte para as palavras conforme forem recitadas.
  • Desafie as crianças a localizarem as palavras que rimam na parlenda e grife-as.
  • Leia os dois primeiros versos e peça que localizem as suas rimas (dois e arroz).
  • Escreva essas duas palavras no quadro e pergunte quais são as letras que fazem as palavras rimarem. Grife-as para que seja evidenciado que as semelhanças entre as letras é que produzem os sons semelhantes, portanto, as rimas.
  • Continue com este processo nos outros versos, até que todas as rimas tenham sido identificadas.
  • Rimas são coincidências de sons, e não de letras. Assim, algumas rimas tem as letras exatamente iguais, mas em outras rimas não. Os sons são parecidos. Evidencie isto da seguinte forma:
  • Observe com as crianças que há rimas em que as letras são exatamente iguais, como em OITO e BISCOITO. Grife as letras das rimas.
  • Mas em outros casos as letras não são exatamente iguais, mas os sons sim, por exemplo: DOIS e ARROZ. Grife as letras das rimas.
  • Conte às crianças que em uma outra turma você teve algumas crianças que confundiam e achavam que era a primeira sílaba da palavra que fazia a palavra rimar. Então, algumas crianças queriam rimar “pato” e “palhaço” pois começam com “pa”. Escreva essas duas palavras no quadro e grife as primeiras sílabas. Pergunte às crianças o motivo destas palavras não rimarem.
  • Evidencie com esta conversa que é a última parte da palavra que a faz rimar com outra.

Materiais complementares:

  • Atividade para impressão ou, se preferir, o texto pode ser escrito à mão em letra de forma maiúscula. Clique aqui e entenda o motivo pelo qual as crianças devem ser alfabetizadas com letra de forma maiúscula.

Fechamento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações:

  • Proponha uma atividade na qual as crianças, individualmente, terão que completar a parlenda (Um, dois feijão com arroz) a partir de um banco de palavras. Clique aqui e imprima. As crianças podem recortar e colar, ou copiar as palavras.
  • Se você perceber que está muito fácil para as crianças que já possuem a hipótese alfabética, siga a mesma proposta, porém com uma nova parlenda que por não ter sido usado trabalhada anteriormente em detalhe, pode trazer maiores desafios às crianças.
  • Clique aqui e imprima a parlenda “Corre cutia”. As crianças podem recortar e colar, ou copiar as palavras.
  • Recite as parlendas novamente com as crianças. Esclareça que algumas crianças farão a atividade com a parlenda “Um, dois feijão com arroz” e outras com “Corre, cutia” - se você tiver optado fazer assim.
  • Se preciso, coloque novamente o vídeo do início da aula.
  • Lembre às crianças que os versos que rimam ficam juntos na parlenda para que o texto tenha melodia e fique “gostoso” de recitar. Então elas devem prestar atenção às palavras que rimam.
  • Circule pelos grupos observando suas discussões. Se necessário, faça intervenções de forma que as crianças conquistem, cada vez mais, sua autonomia em buscar as informações que precisam. Por exemplo:
  • Leia o que vocês já conseguiram fazer até agora.
  • Coloque o dedo embaixo do que está lendo. Como começa a palavra “tia”? Aí está o “TI”? Se esta palavra não começa com “TI” então não é “tia”. Será que esta palavra é boa para este verso?
  • Cipó começa com qual sílaba? Tem alguma amiga aqui na sala que o seu nome começa desta forma? Procure no painel dos nomes o nome da “Cibele”. Você já consegue localizar a palavra “cipó” sozinho?
  • Clique aqui para saber mais a respeito destas estratégias de leitura quando ainda não se sabe ler convencionalmente.
  • Para desenvolver ainda mais a consciência fonológica faça intervenções com foco nas relações entre todos os fonemas e grafemas e não apenas nas rimas, por exemplo:
  • Dentro da palavra “biscoito” tem uma palavra. Alguém sabe qual é? É muito provável que além da palavra “oito” as crianças também percebam a palavra “bis”.
  • Em outro ano, uma aluna minha escreveu “um, dois feijão com milho”. Vocês acham que esta é uma boa palavra para este verso? Espera-se que as crianças digam não, visto que feijão e milho não rimam.
  • Na parlenda “Um, dois feijão com arroz” há a palavra “prato”, se eu tirar o “to” e colocar o “ta”, que palavra forma?
  • Observe a participação de todas as crianças. Caso alguma esteja passiva demais no grupo, provoque-a com perguntas a respeito da próxima palavra. Ou ainda peça para ela justificar o motivo da última escolha.
  • Os grupos cujas crianças tenham hipóteses pré silábica e silábicas sem valor sonoro podem apresentar maiores dificuldades e precisarem de maior apoio.
  • Pergunte qual é o verso que estão trabalhando.
  • Qual é a palavra que está faltando.
  • Pergunte como começa aquela palavra.
  • Se necessário, forneça pistas auditivas falando pausadamente a palavra, para que possam associar som e grafia, e assim, localizar a palavra.
  • Após completado o verso, peça para que leiam o verso colocando o dedinho embaixo do que estão lendo. Esse movimento de ajustar o oral ao escrito faz com que reflitam a respeito da escrita.
  • Os grupos nos quais as crianças já estão com hipótese alfabética podem achar fácil, e um maior desafio seria:
  • Proponha que elas encontrem outras palavras que rimam com as da parlenda. Por exemplo, mão e coração rimam. O que mais rimam com essas palavras?
  • Para encerrar, crie uma lista coletiva com as parlendas que as crianças conhecem, inclusive as que aprenderam hoje.
  • Você é o escriba.
  • As crianças ditam e você escreve. Utilize o quadro inicialmente para que possam modificar a escrita.
  • Faça intervenções perguntando quais letras deveremos usar para escrever o que estão pedindo.
  • Se estiver faltando alguma letra ou houver uma letra invertida, escreva e leia pausadamente apontando o dedo para a sílaba que você está pronunciando, e devolva a pergunta para a turma: está correto? É assim que pronunciamos esta palavra? Então, o que precisamos mudar?
  • Permaneça com estas intervenções até que a lista seja concluída e todos os nomes de parlendas estejam escritos corretamente.
  • Quando a turma estiver satisfeita, diga que passará a limpo a lista em um painel para que todos possam usá-la quando quiserem.
  • Disponibilize a lista na sala de aula para que as crianças possam lê-la.

Materiais complementares:

  • Material a ser impresso, ou se preferir é possível copiá-lo a mão.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é 1ª aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística e semiótica. A finalidade desse conjunto de planos é relacionar elementos sonoros (sílabas, fonemas, partes de palavras) com sua representação escrita. Comparar palavras, identificando semelhanças e diferenças entre sons de sílabas iniciais, mediais e finais. Recitar parlendas com entonação adequada e observando as rimas.

Materiais necessários:

  • Recursos para projetar telas
  • Recursos para projetar vídeo
  • Recursos para imprimir atividades e painéis ou para copiá-los a mão.

Dificuldades antecipadas:

Algumas crianças podem ter dificuldades em encontrar estratégias para desenvolver a leitura, por ainda não conseguirem relacionar sons a letras. Nestes casos, as suas intervenções serão fundamentais para que as crianças percebam o quanto já sabem a respeito do nosso sistema de escrita. Ajude-as a utilizar as palavras estáveis para servirem de referência para a leitura. Clique aqui e entenda mais sobre a importância de trabalho com listas na alfabetização. Quando a criança percebe que o PA de Paulo é o mesmo PA de parede, ela começa a desenvolver estratégias para ler, ainda que não leia convencionalmente. Nos slides, desafio a desafio estão sugeridas intervenções que podem tornar o seu trabalho mais produtivo, resultando no avanço da aprendizagem.

Por outro lado, algumas crianças podem encontrar facilidade nos desafios neste plano de descoberta por já conseguirem ler com autonomia. Nestes casos, desafie-os a ir além de ler e localizar palavras, mas incentive-os a criar novas rimas e versões para as parlendas.

Referências sobre o assunto:
Livros:

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LERNER, Delia. Ler e Escrever na Escola: O Real, o Possível e o Necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MORAIS, A. G. de. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Guia prático de alfabetização. São Paulo: Contexto, 2012.

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e aprendizagem. São Paulo: Ática, 2000.

NOBREGA, M. J. Salada, saladinha: parlendas. São Paulo: Moderna, 2005.

PRIETO, Heloisa. O Jogo da parlenda. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2005.

https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1360/a-funcao-das-listas-na-alfabetizacao. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.portaltrilhas.org.br/download/biblioteca/caderno-de-orientacoes-parlendas-20150212161811.pdf. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/43/alfabetizacao-e-consciencia-fonologica-como-trabalha-las. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/conteudo/2489/diagnostico-na-alfabetizacao-para-conhecer-a-nova-turma. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/conteudo/2491/por-que-as-criancas-devem-aprender-a-escrever-com-letra-de-forma-para-depois-passar-para-a-cursiva. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://novaescola.org.br/conteudo/2486/leitura-feita-pelo-aluno-antes-de-saber-ler-convencionalmente. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.google.com/url?q=https://novaescola.org.br/conteudo/5330/grandes-obras-de-escritores-para-alfabetizar-os-pequenos&sa=D&ust=1538937682313000&usg=AFQjCNG_W93WdoUJDk6gub0Sk1VJtOCUyg. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.google.com/url?q=https://novaescola.org.br/conteudo/2498/ler-rima-com-prazer&sa=D&ust=1538937682313000&usg=AFQjCNFH0o2TtxG3GqIFFd2f66pQQUCULw. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.google.com/url?q=https://novaescola.org.br/conteudo/4734/blog-de-alfabetizacao-conheca-um-jeito-diferente-de-alfabetizar-com-poesia&sa=D&ust=1538937682313000&usg=AFQjCNEYqKiWOGcYT0mf2LUyLY2DsrSWVA. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.youtube.com/watch?v=Xd592hgXImM. Acesso em 3 de outubro de 2018.

https://www.youtube.com/watch?v=cqp4N_Hqxvs. Acesso em 3 de outubro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações:

  • Projete o slide e leia-o.
  • Cuide da entonação da voz ao realizar as perguntas, a fim de provocar a participação das crianças, buscando o que já sabem sobre parlendas. Espera-se que as crianças entendam que parlendas são textos orais que servem para brincar e se divertir. Clique aqui e acesse o material orientador a respeito do valor do trabalho com parlendas na alfabetização.
  • Brinque com a parlenda “Uni duni tê” e escolha as crianças que irão dizer o que sabem sobre parlendas a partir desta brincadeira. Clique aqui e acesse um vídeo da brincadeira caso não conheça o ritmo.
  • Observe com as crianças que você utilizou uma parlenda naquele momento. Pergunte se eles já a conheciam.
  • Pergunte para que serve esta parlenda. Espera-se que as crianças percebam que esta parlenda é usada para escolher uma pessoa para realizar uma brincadeira.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações:

  • Diga que você fará uma brincadeira e que você quer ver quem consegue brincar também.
  • Projete e leia o slide, ele servirá de mobilizador para este segundo momento da aula.
  • Pergunte: esta menina é a Ana. O que combina com Ana? Ana banana, Ana laranja, Ana limão ou Ana uva?
  • Permita que as crianças respondam e justifiquem suas respostas.
  • Espera-se que as crianças cheguem à conclusão de que Ana combina com banana porque terminam iguais, têm sons finais parecidos, rimam.
  • Faça rimas com os nomes das crianças. Seguem alguns exemplos:
  • A Joana gosta de banana;
  • A Alice se parece com a Clarice;
  • O Cauã subiu no pé de maçã;
  • A Rafaela comeu na panela, etc.
  • É muito provável que algumas crianças percebam que você está brincando com os sons das palavras, que as palavras combinam, que você está criando rimas. No entanto, também é muito comum que algumas crianças demorem um pouco mais para perceberem o mecanismo da brincadeira. Quanto mais vocês brincarem, maior as chances de que todos compreendam.
  • Pergunte se elas também conseguem criar alguma rima.
  • Anote no quadro a criação das crianças. Grife os finais das palavras que possuem sons parecidos, que rimam para que as crianças possam visualizar o porque das rimas. Assim: A SOPHIA VEIO DA BAHIA.
  • Caso alguma sugestão das crianças não rime, anote no quadro e mostre porque não rimou. Por exemplo, se alguma criança disser: O JOÃO COMPROU UM CARRINHO. Você grifa os sons finais das palavras ÃO e INHO e repete os sons perguntando à turma se esses sons combinam. Como não rimam, você apaga o final da frase e aguarda a criação de uma nova rima para escrevê-la.
  • Então pergunte qual palavra seria boa para rimar com JOÃO. Qual palavra termina com ÃO.
  • Continue com a brincadeira até que várias rimas tenham sido criadas.
  • Prepare-os para a próxima etapa: diga que você conhece uma outra brincadeira que usa rimas e que vai apresentar a eles, e quem souber pode recitar junto.
  • Projete o vídeo da “Palavra Cantada” (para isso, clique aqui), que apresenta o recitar de várias parlendas com ilustrações ricas e foco na oralidade, visto que não apresenta o texto escrito.
  • Reapresente novamente, agora incentivando as crianças a recitarem as parlendas também.
  • Fixe no quadro o painel da parlenda “Meio dia macaca Sofia”. Clique aqui para fazer a impressão, caso não possa imprimir, copie-a no quadro:
  • Desafie as crianças a localizarem as palavras que rimam.
  • Incentive-os a ler ajustando o falado ao escrito.
  • Selecione algumas crianças para irem até o painel e colocar o dedinho embaixo de onde estão lendo. Este procedimento ajuda a criança a refletir sobre a escrita, e quanto mais reflexão, mais estratégias de leitura ela desenvolve.
  • Problematize dizendo, por exemplo: Você leu “macaca Sofia”, mas apontou para esta palavra “macaca”, como que começa a palavra Sofia? Nesta palavra que você apontou tem o “SO”? Então onde será que está escrito Sofia? Comece novamente a leitura…
  • Faça isto uma vez com cada criança, para que a criança não se desmotive de ler. Ao contrário, esta situação em que a criança realmente acredita estar lendo, deve ser um momento de alegria e comemoração.
  • Pergunte a elas como sabem que essas palavras rimam.
  • Grife as letras que fazem com que as palavras rimem.
  • Clique aqui para ler a respeito da concepção da centralidade do texto como contexto para estudos linguísticos.
Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

  • Separe as crianças em duplas ou trios, dependendo do número de crianças. Separe-as em um agrupamento produtivo na perspectiva da hipótese de escrita de cada criança. Devem trabalhar juntas crianças que possuam hipóteses próximas, para que, por exemplo, aquela que é mais familiarizada com a escrita não realize a atividade sozinha. E ainda espera-se que, com hipóteses de escrita próximas, possa haver maior troca e debate a respeito de suas hipóteses em relação à leitura.
  • Lembrando que as hipóteses são: pré silábica, silábica sem valor sonoro, silábica com valor sonoro, silábica alfabética e alfabética. Clique aqui para saber mais.
  • Agrupe, por exemplo, crianças com hipótese alfabética com aquelas que possuam hipótese silábica alfabética. Ou ainda, alunos com hipótese silábica com valor sonoro com aqueles que têm a hipótese silábica sem valor sonoro. Um outro modelo de agrupamento é estudantes com hipótese silábica sem valor sonoro com aqueles com hipótese pré silábica.
  • Recite a parlenda “Um, dois feijão com arroz” com as crianças.
  • Diga a eles que agora você tem um grande desafio e precisa da ajuda da turma porque uma bruxa maluca recortou o painel da parlenda “Um, dois feijão com arroz” e os versos ficaram misturados.
  • Distribua uma fatia do texto para cada grupo de crianças (dupla ou trio). Clique aqui e imprima.
  • Pergunte à turma qual é o primeiro verso da parlenda. E qual grupo está com ele.
  • Aparecendo o verso correto, cole-o num suporte que possa ficar exposto na sala de aula por um período, para que as crianças tenham fácil acesso e possam lê-lo sozinhas, ainda que de forma não convencional. Ajustar aquilo que está falando ao que está escrito é uma estratégia de leitura que faz com que a criança avance em sua compreensão do nosso sistema de escrita.
  • Peça que a turma confirme se de fato aquele é o verso correto. Provoque-os a refletir:
  • Peça para uma criança que não concorda que aquele seja o verso correto para justificar sua resposta. Pergunte: Por que você acredita que aqui não está escrito “Um, dois”?
  • Da mesma, forma peça para uma criança que concorda que aquele é o verso correto que justifique sua resposta. Pergunte a ela: como você sabe que aqui está escrito “Um, dois”?
  • Permita que as crianças possam conversar e debater. Cuide que suas respostas sejam dadas para a turma e não para você. Assim, estará desenvolvendo a capacidade de argumentar, de defender suas perspectivas.
  • Continue até que toda a parlenda tenha sido construída.
  • Recite a parlenda com as crianças.
  • Recite novamente, agora acompanhando com o painel. Aponte para as palavras conforme forem recitadas.
  • Desafie as crianças a localizarem as palavras que rimam na parlenda e grife-as.
  • Leia os dois primeiros versos e peça que localizem as suas rimas (dois e arroz).
  • Escreva essas duas palavras no quadro e pergunte quais são as letras que fazem as palavras rimarem. Grife-as para que seja evidenciado que as semelhanças entre as letras é que produzem os sons semelhantes, portanto, as rimas.
  • Continue com este processo nos outros versos, até que todas as rimas tenham sido identificadas.
  • Rimas são coincidências de sons, e não de letras. Assim, algumas rimas tem as letras exatamente iguais, mas em outras rimas não. Os sons são parecidos. Evidencie isto da seguinte forma:
  • Observe com as crianças que há rimas em que as letras são exatamente iguais, como em OITO e BISCOITO. Grife as letras das rimas.
  • Mas em outros casos as letras não são exatamente iguais, mas os sons sim, por exemplo: DOIS e ARROZ. Grife as letras das rimas.
  • Conte às crianças que em uma outra turma você teve algumas crianças que confundiam e achavam que era a primeira sílaba da palavra que fazia a palavra rimar. Então, algumas crianças queriam rimar “pato” e “palhaço” pois começam com “pa”. Escreva essas duas palavras no quadro e grife as primeiras sílabas. Pergunte às crianças o motivo destas palavras não rimarem.
  • Evidencie com esta conversa que é a última parte da palavra que a faz rimar com outra.

Materiais complementares:

  • Atividade para impressão ou, se preferir, o texto pode ser escrito à mão em letra de forma maiúscula. Clique aqui e entenda o motivo pelo qual as crianças devem ser alfabetizadas com letra de forma maiúscula.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações:

  • Proponha uma atividade na qual as crianças, individualmente, terão que completar a parlenda (Um, dois feijão com arroz) a partir de um banco de palavras. Clique aqui e imprima. As crianças podem recortar e colar, ou copiar as palavras.
  • Se você perceber que está muito fácil para as crianças que já possuem a hipótese alfabética, siga a mesma proposta, porém com uma nova parlenda que por não ter sido usado trabalhada anteriormente em detalhe, pode trazer maiores desafios às crianças.
  • Clique aqui e imprima a parlenda “Corre cutia”. As crianças podem recortar e colar, ou copiar as palavras.
  • Recite as parlendas novamente com as crianças. Esclareça que algumas crianças farão a atividade com a parlenda “Um, dois feijão com arroz” e outras com “Corre, cutia” - se você tiver optado fazer assim.
  • Se preciso, coloque novamente o vídeo do início da aula.
  • Lembre às crianças que os versos que rimam ficam juntos na parlenda para que o texto tenha melodia e fique “gostoso” de recitar. Então elas devem prestar atenção às palavras que rimam.
  • Circule pelos grupos observando suas discussões. Se necessário, faça intervenções de forma que as crianças conquistem, cada vez mais, sua autonomia em buscar as informações que precisam. Por exemplo:
  • Leia o que vocês já conseguiram fazer até agora.
  • Coloque o dedo embaixo do que está lendo. Como começa a palavra “tia”? Aí está o “TI”? Se esta palavra não começa com “TI” então não é “tia”. Será que esta palavra é boa para este verso?
  • Cipó começa com qual sílaba? Tem alguma amiga aqui na sala que o seu nome começa desta forma? Procure no painel dos nomes o nome da “Cibele”. Você já consegue localizar a palavra “cipó” sozinho?
  • Clique aqui para saber mais a respeito destas estratégias de leitura quando ainda não se sabe ler convencionalmente.
  • Para desenvolver ainda mais a consciência fonológica faça intervenções com foco nas relações entre todos os fonemas e grafemas e não apenas nas rimas, por exemplo:
  • Dentro da palavra “biscoito” tem uma palavra. Alguém sabe qual é? É muito provável que além da palavra “oito” as crianças também percebam a palavra “bis”.
  • Em outro ano, uma aluna minha escreveu “um, dois feijão com milho”. Vocês acham que esta é uma boa palavra para este verso? Espera-se que as crianças digam não, visto que feijão e milho não rimam.
  • Na parlenda “Um, dois feijão com arroz” há a palavra “prato”, se eu tirar o “to” e colocar o “ta”, que palavra forma?
  • Observe a participação de todas as crianças. Caso alguma esteja passiva demais no grupo, provoque-a com perguntas a respeito da próxima palavra. Ou ainda peça para ela justificar o motivo da última escolha.
  • Os grupos cujas crianças tenham hipóteses pré silábica e silábicas sem valor sonoro podem apresentar maiores dificuldades e precisarem de maior apoio.
  • Pergunte qual é o verso que estão trabalhando.
  • Qual é a palavra que está faltando.
  • Pergunte como começa aquela palavra.
  • Se necessário, forneça pistas auditivas falando pausadamente a palavra, para que possam associar som e grafia, e assim, localizar a palavra.
  • Após completado o verso, peça para que leiam o verso colocando o dedinho embaixo do que estão lendo. Esse movimento de ajustar o oral ao escrito faz com que reflitam a respeito da escrita.
  • Os grupos nos quais as crianças já estão com hipótese alfabética podem achar fácil, e um maior desafio seria:
  • Proponha que elas encontrem outras palavras que rimam com as da parlenda. Por exemplo, mão e coração rimam. O que mais rimam com essas palavras?
  • Para encerrar, crie uma lista coletiva com as parlendas que as crianças conhecem, inclusive as que aprenderam hoje.
  • Você é o escriba.
  • As crianças ditam e você escreve. Utilize o quadro inicialmente para que possam modificar a escrita.
  • Faça intervenções perguntando quais letras deveremos usar para escrever o que estão pedindo.
  • Se estiver faltando alguma letra ou houver uma letra invertida, escreva e leia pausadamente apontando o dedo para a sílaba que você está pronunciando, e devolva a pergunta para a turma: está correto? É assim que pronunciamos esta palavra? Então, o que precisamos mudar?
  • Permaneça com estas intervenções até que a lista seja concluída e todos os nomes de parlendas estejam escritos corretamente.
  • Quando a turma estiver satisfeita, diga que passará a limpo a lista em um painel para que todos possam usá-la quando quiserem.
  • Disponibilize a lista na sala de aula para que as crianças possam lê-la.

Materiais complementares:

  • Material a ser impresso, ou se preferir é possível copiá-lo a mão.
Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Análise linguística/Semiótica do 1º ano :

MAIS AULAS DE Língua Portuguesa do 1º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF01LP19 da BNCC

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF01LP08 da BNCC

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF01LP09 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Língua Portuguesa

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano