13959
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Plano de aula - Aliteração na composição de cantigas

POR: Isabella Patrícia Oliveira Madeira Da Silva 28/11/2018
Código: LPO2_05SQA04

2º ano / Língua Portuguesa / Sequência de Atividades

Plano de aula alinhado à BNCC:

(EF12LP07) Identificar e (re)produzir, em cantiga, quadras, quadrinhas, parlendas, trava-línguas e canções, rimas, aliterações, assonâncias, o ritmo de fala relacionado ao ritmo e à melodia das músicas e seus efeitos de sentido.

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 2º ano do EF sobre Aliteração na composição de cantigas

 

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: esta é quarta aula de uma sequência de 15 planos de aula com foco no gênero poema e no campo de atuação artístico-literário. A aula faz parte do módulo de Análise Linguística e Semiótica e o seu foco é aliteração na composição de cantigas.

Materiais necessários: Material de apoio para o (a) professor(a) disponível aqui. Cópias da cantiga O Pato de Vinícius de Moraes, disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/livros/arca-de-noe. Acesso em: 09 de setembro de 2018. Caderno de produção textual, lápis, borracha e quadro do professor.

Dificuldades antecipadas: Perceber os fonemas que constituem a aliteração na cantiga. Reconhecer a forma de composição da cantiga como elemento fundamental no sentido do mesmo.

Referências sobre o assunto:

MACHADO,I.L. A Paródia, um gênero "transgressivo". In: MACHADO e MELLO,R. (orgs). Gêneros: reflexões e análise do discurso. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004. PP.75-86.

MENDONÇA, M. Diversidade textual - proposta para sala de aula. Língua Portuguesa - Estudo e Ensino. Brasília: MEC/CEEL.

SANT'ANNA, A.R. Paródia, paráfrase & cia. São Paulo: Ática, 2003.

SOUZA, I.M.P. Poesia em práticas de alfabetização. In: Leitura e produção de textos na alfabetização. BRANDÃO,A.C.; ROSA,E.C.S. (org). Belo Horizonte: Autêntica,2005.

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações:

  • Explique para as crianças que, nesta aula, vão analisar um elemento que aparece muito na composição de diversos textos e que está relacionado aos sons que percebemos neles. O texto do slide de apresentação do tema é bem sugestivo, trazendo aliteração na composição. Você pode chamar a atenção das crianças para isso, ou não; Neste momento ou posterior à descoberta. Sem contudo, claro, ser muito evidente nesse momento inicial.

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações:

  • Forme 2 rodas com as crianças e explique que, neste primeiro momento da aula, haverá um desafio: uma brincadeira com palavras que servirão de pistas para ajudá-los depois, quando tiverem de descobrir o que estudarão na atividade principal da aula.

  • Escreva em duas colunas, ou em dois espaços distintos do quadro, dois trava-línguas, diga para cada roda com qual deles cada uma vai brincar e vá preenchendo aleatoriamente os dois, conforme for ouvindo a brincadeira desenrolar. Há um material de apoio com os trava-línguas e o poema que poderão ser utilizados, disponível nos materiais complementares.

  • Explique rapidamente que o objetivo é continuar a brincadeira usando palavras que comecem com o mesmo fonema (som) que as palavras que já estão na brincadeira, mesmo que não seja algo que eles colocariam realmente numa mala ou num carrinho de compras, que a brincadeira pode ficar mais interessante e divertida se surgirem alguns itens estranhos.

  • Se necessário, explique que um som pode ser representado por mais de uma letra, como no caso do /k/, pois as letras C e Q são usadas para conseguir este som como em CAVALO e QUERIDO.

  • Peça para que cada criança tente recordar as palavras que falaram, pois no final da brincadeira vão tentar preencher a lista no quadro. Se alguma criança não conseguir se lembrar de alguma palavra com o fonema da roda, os outros poderão ajudar. Diga que devem ser bastante criativos, mas que devem se atentar para o som inicial, que deve ser o mesmo.

  • Para a roda 1: “No meu carrinho de compras eu coloquei um caqui”. Seguindo a sequência da roda, cada criança deverá repetir a palavra anterior e dizer mais uma que comece com o mesmo fonema.

  • Exemplo: No meu carrinho de compras eu coloquei caqui e coco. (caderno, corda, cuscuz, cogumelo, carambola, caçarola, cachorro, cama, cana, coruja, colher, queijo, cueca, calça, caixa, corneta, quindim, quiabo, etc) - Você pode dar dicas para ajudar as crianças a se lembrarem dessas palavras, se necessário.

  • Na roda 2: “Vou viajar e na minha mala vou levar uma vassoura voadora” (violão, vara, vaca, vaso, vela, ventilador, vestido, véu, video game, vuvuzela, vitrola, volante, vovó, vovô, vinte reais)- Você pode dar dicas para ajudar as crianças a se lembrarem dessas palavras, se necessário.

  • Tente dividir sua atenção, durante a brincadeira, entre os dois grupos, preenchendo aleatoriamente os dois trava-línguas com palavras que for ouvindo. Caso a realidade de sua turma permita, fica mais interessante pedir para que duas crianças que já estão alfabéticas sirvam de escriba para os grupos, e você os auxiliará, podendo dividir sua atenção para auxiliar as crianças na roda também. Não é necessário que essas crianças consigam escrever todas as palavras, apenas as que conseguirem.

  • Quando as crianças tiverem terminado, peça para que leiam o que já foi colocado no quadro e falem algumas das palavras que surgiram e que não estão na lista.
  • Alguém se lembra de mais algum trava-língua?

  • Espera-se que as crianças se lembrem de alguns mais comuns como: Três pratos de trigo, o rato roeu a roupa do rei, o peito do pé do Pedro, etc. Você pode escrever um ou dois no quadro com a ajuda das crianças e fazer a leitura em grupo. Escreva os trava-línguas em prosa, ou seja, utilizando-se de toda a extensão da linha, um parágrafo comum. Certifique-se de que a forma de composição esteja bem evidente, para que possa ser confrontada com a forma em verso apresentada na atividade.

  • Forme grupos de quatro crianças, mas que devem trabalhar em duplas produtivas (crianças com hipóteses de escrita diferentes, mas próximas), confrontando suas ideias com as da dupla que está sentada de frente com elas. Se achar pertinente, deixe uma lista previamente organizada com nomes dos alunos que você acredita que seria interessante juntar. Isso pode otimizar seu trabalho.

  • Lance o desafio sobre o que vem a seguir.
  • Muito bem, pessoal. Nesse primeiro momento da aula, brincamos com os trava-línguas. Na próxima atividade não teremos um trava-língua, mas eu quero que vocês tentem descobrir se há algo parecido no texto que receberão.

Materiais complementares: Material de apoio para o(a) professor(a) com sugestões de parlendas e poema, disponível aqui.

Tempo sugerido: 30-33 minutos

Orientações:

  • Explique que você entregará uma cópia do texto (link para acesso disponível nos materiais complementares) para cada aluno e que dará aproximadamente 5 minutos para que leiam silenciosamente ou em duplas e formulem uma hipótese sobre a relação da brincadeira inicial com a composição do texto.

  • Peça para que as crianças compartilhem suas ideias com a dupla que está sentada de frente com eles, confronte as ideias e registrem a hipótese na própria folha, abaixo do texto, ou no caderno de produção textual, o que achar melhor; escrevam inicialmente com suas próprias palavras e, se precisarem, podem grifar o texto.

  • Caso seja necessário, o tempo pode ser adaptado em um combinado com os próprios alunos.

  • Quando todos os grupos tiverem concluído a atividade, levante questionamentos:
  • Que texto é esse? É uma história, uma conversa, uma cantiga, o que é?

Como é uma cantiga muito conhecida, é provável que a maioria das crianças saibam. Deixe que compartilhem.

  • Peça para que os grupos compartilhem em voz alta as hipóteses. Como eles deveriam trabalhar pelo menos em dupla, no máximo deve haver 2 hipóteses diferentes em cada grupo. Se houver mais de 2 por falta de consenso, peça para que conversem e decidam qual é a hipótese que manterão e que será compartilhada.

  • Neste momento da aula, pode ser que algumas crianças não tenham conseguido fazer a descoberta sozinhas.

  • Caso ache interessante, pode ir registrando as hipóteses no quadro (apenas as que forem bem diferentes uma das outras). Tente memorizar as crianças que levantaram as hipóteses mais distantes da ideia central, pois você poderá levá-las a refletir melhor na próxima etapa de descobertas, participando ativamente do processo.

  • É esperado que alguns grupos tenham conseguido relacionar a repetição de fonemas (sons parecidos) na canção, pois essa atividade de repetição de fonemas semelhantes ficou bem explícita na brincadeira dos trava-línguas.

  • Caso isso não tenha acontecido, pergunte:
  • O que vocês tinham de fazer nos trava-línguas? Sons parecidos deveriam ser repetidos ou poderiam escolher palavras começadas com quaisquer letras, independente do som delas? Isso mesmo, eram palavras que começavam com o mesmo som.
  • E nós fizemos isso somente com uma letra? Ou cada grupo fez com um som diferente? Qual era o som do grupo do mercado? E o da viagem? Espera-se que as crianças percebam que no primeiro era o som /k/ e no segundo o som /v/.
  • E no trava-língua que nós lembramos e escrevemos no quadro? Reveja com os alunos qual ou quais fonemas se repetem no trava-língua registrado.
  • Agora, olhando para a atividade, me digam: Nesta cantiga, há algo assim? Há palavras que começam com o mesmo som?

  • Quando as crianças confirmarem que sim, aproveite para direcionar perguntas para os grupos que não conseguiram identificar a regularidade somente com a leitura em grupo:
  • Nem todas as palavras começam com a mesma letra, não é mesmo? Mas esse grupo conseguiria encontrar para mim pelo menos 3 palavras que começam com a mesma letra? Podem ler e conversar antes de me darem a resposta.

Dê um tempo para que leiam novamente e respondam. Neste momento, podem surgir palavras com P ou C. O mais provável é o P que é mais evidente.

  • Interessante. Parece que nessa cantiga tem mesmo muitas palavras que começam com essa letra e, portanto, tem o som inicial parecido. Agora que vocês já perceberam isso, vou lançar mais um desafio: Grifem as palavras que começam com esse som com um lápis de cor, pode ser o verde.

  • Neste momento, circule entre os grupos para garantir que todas as crianças estão participando da atividade.

  • Quando terminarem, peça para que compartilhem com a turma todas as descobertas, para ver se todo mundo conseguiu encontrar todas as palavras. Garanta a participação de todos os grupos e escreva as palavras no quadro.

  • Agora, peça para que voltem a olhar o texto todo, para as palavras que não foram grifadas.
  • Há mais alguma repetição de letra no início de palavras?

Espera-se que notem que foi feito o uso da repetição de algumas palavras iniciadas em C também. Caso não percebam, pergunte agora para um dos outros grupos que não identificaram a regularidade no início:

  • Vocês conseguem encontrar 3 palavras que comecem com a mesma letra?

Dê tempo para que leiam e conversem. Se mesmo assim apresentarem dificuldade, estimule:

  • Qual outra palavra começa com a mesma letra que Caneco? Isso mesmo. O que acham de grifarem com lápis laranja todas as palavras que vocês encontrarem que começam com a letra C ou que tem som de /k/? A letra Q também tem som de /k/ não é mesmo? Se houver alguma palavra com Q vocês também podem grifá-la da mesma cor.
  • Podem ir ditando que eu vou escrevendo no quadro.

  • Esses são os dois fonemas mais presentes na canção. Leve as crianças a refletirem sobre isso.
  • Bem, esses são os sons que mais estão presentes nos começos das palavras da cantiga, não é mesmo?
  • Vocês acham que o autor da cantiga, Vinícius de Moraes, fez isso intencionalmente quando escreveu, ou foi sem querer? Ouça as hipóteses das crianças.
  • Vocês acham que no trava-línguas se repete também os sons intencionalmente ou isso é sem querer? Isso deixa a brincadeira mais legal?
  • E a música? Fica também mais interessante? Mais bonita de ver ou ouvir? O que acha de cantarmos todos juntos a cantiga?

  • Cantem a cantiga. É interessante levar um vídeo ou arquivo de som com a música gravada.
  • Perceberam como fica legal quando cantamos?
  • Estou muito contente que vocês conseguiram perceber as semelhanças entre o que vimos nos trava-línguas e o que vimos nessa cantiga, sabe por quê? Isso que nós descobrimos, é algo que foi criado há muito tempo para deixar canções, cantigas, poemas e brincadeiras mais bonitas, inteligentes e interessantes seja ouvindo ou lendo.

Materiais complementares:

MORAES, Vinícius. O pato. Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/poesias-avulsas/o-pato. Acesso em: 09 de setembro de 2018.

Orientações:

  • Peça para as crianças olharem os trava-línguas e a cantiga. Caso esteja projetando os slides, mais uma opção de cada será projetada. Questione:
  • Vou fazer mais uma pergunta: Poemas e cantigas são escritos iguais a um texto em um livro, como o trava-língua escrito no quadro, ou têm um jeito próprio de serem colocados no papel?
  • Quando escrevi o trava-língua, fui até o final da linha. Acontece o mesmo na cantiga? Por que vocês acham que fazemos essas pausas e falamos algumas sílabas mais forte?

  • Leve a turma a analisar o ritmo na leitura ou ao cantar e as pausas feitas entre os versos. Quando as crianças analisarem e forem percebendo que as frases são menores, que não preenchem toda a linha, confirme suas ideias:
  • Cantigas, canções e poemas são escritos assim, em frases curtinhas chamadas de versos. Essa é outra característica que podemos encontrar sempre nesse tipo de texto.
  • São escritos assim para marcar o ritmo, para ficar mais interessante e bonito. Para despertar sentimentos, sensações. Músicas, poemas, cantigas, trava-línguas, todos esses tipos de textos brincam com as palavras de diversas maneiras e de propósito.
  • Por isso, o uso de palavras que começam com o mesmo som não é por acaso, mas é algo que compõem esses tipos de textos para que fiquem mais interessantes para nós que os ouvimos e lemos.
  • Essa repetição de som no começo das palavras tem até um nome, vou escrever no quadro, mas vocês não precisam memorizar. É apenas para que vocês conheçam.
  • Se chama aliteração. Aliteração é a repetição de sons semelhantes em versos ou frases, uma brincadeira com as palavras para mudar o nosso ritmo normal da fala. Desafia nossa mente e nosso corpo a acompanhar esse ritmo, nos estimula, não é mesmo?
  • Não ficamos com vontade de repetir os trava-línguas e a cantar as cantigas?

  • Trabalhe com a aliteração na oralidade, para aguçar a atenção dos alunos na identificação do fonema repetido.
  • Será que vocês conseguiriam identificar isso em um poema, sem vê-lo, se eu apenas o ler para vocês? Vamos tentar? Esse poema foi escrito há 600 anos, então pode ser que nele tenham palavras que vocês nem conheçam.
  • Mas o objetivo do desafio é ver se vocês conseguem identificar um som que se repete bastante nesses versinhos do poema e eu sei que vocês vão conseguir.

Proclame a trova do poeta Álvaro de Brito Pestana (1432-1500) escrita no século 15, presente na obra: Cancioneiro Geral, de Garcia de Resende. Essa trova faz parte de um acróstico com o nome FERNANDO. Se atente ao seu ritmo e entonação de voz. Pense que esse poema foi feito para ser proclamado para um rei, para exaltar suas qualidades.

“Forte, fiel, façanhoso,
fazendo feitos famosos,
florescente, frutuoso,
fundando fins frutuosos.
Fama, fé fortalecendo,
famosamente floresce,
fidalguias favorece,
francas franquezas firmando.”

  • Quando terminar de ler, pergunte:
  • Conseguiram identificar alguma repetição de som? E é o som de que letra que se repete?
  • Muito bem, é o som da letra F. Sabia que vocês conseguiriam!

Materiais complementares: O poema integral de Álvaro de Brito Pestana, você encontra neste link LITERATURA PORTUGUESA. Textos literários em meio eletrônico, Cancioneiro Geral, de Garcia de Resende, p.73. Último acesso em 20 de outubro de 2018.

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações:

  • Para concluir, façam o registro do que aprenderam na aula no caderno de produção textual. Com a ajuda dos alunos, reveja as principais descobertas e peça para que formulem frases com suas próprias palavras para fazerem o registro. Essas frases podem ser compartilhadas oralmente. As crianças podem confrontar com a hipótese inicial e refletirem sobre tudo o que aprenderam desde o início da aula.

  • Algumas sugestões para compartilhar com a turma:
  • Hoje descobrimos que em poemas, trava-línguas e em cantigas podemos encontrar muitas palavras que começam com o mesmo som. Isso é feito de propósito, para que fique mais bonito, interessante, às vezes usa-se para marcar um som, como de um animal ou o barulho de um objeto, como um relógio, um trem, uma máquina, etc. Isso dá um ritmo especial para esses textos.
  • Hoje descobrimos que colocar muitas palavras que começam com o mesmo som em cantigas e outros textos, podem deixá-los mais interessantes. O ritmo faz a gente querer ler ou cantar, ficar repetindo, a gente aprende e memoriza mais fácil.
Este plano de aula foi produzido pelo Time de Autores NOVA ESCOLA
Professor-autor: Isabella Patrícia Oliveira Madeira da Silva
Mentor: Gislaine Magnabosco
Especialista: Tânia Rios
Título da aula: Aliteração na composição de cantigas
Finalidade da aula: Reconhecer a composição de uma cantiga e os fonemas utilizados para dar efeito sonoro nas aliterações presentes no texto.
Ano: 2º ano do Ensino Fundamental
Gênero: Poema
Objeto(s) do conhecimento: Forma de composição de textos poéticos
Prática de linguagem: Análise Linguística e Semiótica
Habilidade(s) da BNCC: EF12LP07
Esta é a quarta aula de uma sequência de 15 planos de aula. Recomendamos o uso desse plano em sequência.

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

AULAS DESSA UNIDADE:

AULAS DESSA DISCIPLINA:

1º Ano / Língua Portuguesa / Atividade de Sistematização

2º Ano / Língua Portuguesa / Atividade de Sistematização

AULAS RELACIONADAS:

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes