15887
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Plano de aula - Planejando a escrita de poemas

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 2º ano do EF sobre Planejando a escrita de poemas

Plano 13 de 15 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Isabella Patrícia Oliveira Madeira Da Silva

 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é a décima terceira aula de uma sequência de 15 planos de aula com foco no gênero poema e no campo de atuação artístico-literário. A aula faz parte do módulo de produção textual e o seu foco é a produção de um texto poético.

Materiais necessários: Atividade para impressão “Planejamento da produção”, disponível aqui. Texto para impressão “Lista de coisas diferentes” para apoio do professor, disponível aqui. Texto para impressão “Lista de rimas” para consulta, disponível aqui. Acompanhamento da produção, etapa “Planejamento”, disponível aqui.

Dificuldades antecipadas: Organizar o pensamento na elaboração dos versos. Estruturar o texto de acordo com o gênero. Utilizar os efeitos sonoros aprendidos, rimas e aliterações, na elaboração do poema.

Referências sobre o assunto:

MACHADO,I.L. A Paródia, um gênero "transgressivo". In: MACHADO e MELLO,R. (orgs). Gêneros: reflexões e análise do discurso. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004. PP.75-86.

MENDONÇA, M. Diversidade textual - proposta para sala de aula. Língua Portuguesa - Estudo e Ensino. Brasília: MEC/CEEL.

NÓBREGA, M.J. Redigindo textos, assimilando a palavra do outro. Revista Acadêmica de Educação do ISE Vera Cruz, v.1, n.1, 2011. Disponível em: <http://site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/3/2>. Acesso em: 04 dez 2018.

SANT'ANNA, A.R. Paródia, paráfrase & cia. São Paulo: Ática, 2003.

SOUZA, I.M.P. Poesia em práticas de alfabetização. In: Leitura e produção de textos na alfabetização. BRANDÃO,A.C.; ROSA,E.C.S. (org). Belo Horizonte: Autêntica,2005.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto

Orientações:

  • Leia o tema para as crianças e explique que na aula de hoje as crianças vão começar a planejar a escrita de um poema com um tema bem interessante.

Introdução select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 14 minutos

Orientações:

  • É importante relembrar o que já foi trabalhado com a turma nas aulas anteriores. É provável que você tenha percebido que todas as aulas estão divididas em módulos. A sequência de planos se inicia com a aula de abertura, logo depois são apresentadas as aulas de leitura seguidas de aulas de análise do estilo e construção composicional dos textos poéticos trabalhando com as aliterações e rimas, se desdobrando sobre a oralidade e, por fim, chegando ao módulo de produção de texto que iniciamos com esta aula.
  • É importante, para que este módulo seja produtivo, que as crianças tenham sido bem repertoriadas em aulas anteriores. Portanto, se não estiver trabalhando com a sequência de aulas, é aconselhável que navegue pelos planos anteriores, selecione algumas ideias e materiais para que as crianças se apropriem dos principais elementos e conceitos que envolvem a elaboração dos textos poéticos, como: a composição em versos e estrofes com rimas e aliterações que trazem efeitos como ritmo e musicalidade; os temas e estilos diversos presentes nestes textos que permitem expressividade, criatividade e liberdade do uso da linguagem pelo autor que trabalha sempre com uma intencionalidade (alegrar, ironizar, emocionar, sensibilizar, etc). Além de tudo isso, é importante que as crianças entrem em contato com diversos textos poéticos como canções, cantigas, trovinhas e poemas, para que possam compreender amplamente a ludicidade e a forma destes, não só para analisar, mas também tê-los como modelos, e poderem perceber os efeitos discursivos do gênero.
  • A produção já foi abordada de forma processual e gradativa com as crianças. Na aula 5, por exemplo, as crianças tiveram que criar, em grupo, uma versão da cantiga Corre Cutia selecionando palavras dadas em uma cartela, trabalhando aliteração. Na aula 9, cada criança construiu uma pequena estrofe com rimas, utilizando-se da técnica denominada pastiche para criar uma nova versão do poema Você Troca, da autora Eva Furnari. Este é um adendo para justificar que todas as orientações a seguir serão feitas com a premissa de que os alunos já foram bem repertoriados e precisarão apenas relembrar conceitos já apreendidos e organizá-los em suas próprias produções.
  • Relembre com turma o que já aprenderam sobre os textos poéticos. Foram feitos cartazes, atividades de análise que devem estar coladas no caderno, sistematização do que aprenderam escritas com suas próprias palavras e até foi sugerido na aula 07 a criação de um varal para deixar expostas algumas dessas produções que podem ser revisitadas neste momento.
  • Você pode pedir que as crianças formem, inicialmente, grupos produtivos (crianças em níveis de escrita diferentes), com 4 alunos, para que conversem rapidamente entre si, compartilhando algumas dessas produções e como foi o processo de escolha. Depois, formalize essas memórias no quadro, pedindo que as crianças falem alguns dos elementos estudados.
  • Pessoal, vamos relembrar os itens que compõem a estrutura de um poema. Como ele geralmente é escrito? Ele tem uma forma mais comum? Como são suas linhas? Alguém se lembra como chamamos cada linha de um poema ou canção? É esperado que as crianças relembrem que os textos poéticos são escritos em versos dentro de estrofes. Mesmo que não saibam nomeá-las, é importante que falem que não preenchem uma linha até o final, que são colocadas poucas palavras em cada linha, até porque esses textos têm um ritmo de leitura diferente de outros tipos de textos.
  • E as palavras que um poeta ou compositor escolhe para seus textos, o que elas têm de especial? O que pode haver no começo das palavras e no final delas? - É esperado que as crianças se lembrem que pode-se usar a aliteração, que é a repetição de um som no início das palavras, ou a rima, que é a repetição de letras e sons nos finais das palavras, principalmente nas últimas palavras dos versos.
  • E as rimas e aliterações estão sempre presentes em todos os versos e todas as palavras, são sempre as mesmas repetições, ou é da escolha de quem escreve? - As crianças devem lembrar que em um texto pode haver diversas aliterações e rimas, que essas rimas podem ser intercaladas, ter mais de um par de rimas em uma estrofe, podem ser conseguidas com apenas uma letra ou várias e que o autor tem a liberdade para usar a língua, mas faz as escolhas sempre pensando no efeito que conseguirá trazer para o texto.
  • Você pode ir apontando para alguns exemplos que estejam expostos na sala ou escrever rapidamente algum exemplo no quadro como “O Pato” de Vinícius de Moraes, em que é possível encontrar várias aliterações e rimas e que tem três ou quatro palavras em cada verso. Este poema já foi trabalhado com as crianças em uma das aulas sobre aliteração e provavelmente há um registro dele com as crianças.
  • Analisando este texto, você pode questionar as crianças quanto ao tema da canção, pedindo que citem dois ou três personagens (pato, cavalo, marreco), lugares (poleiro, poço), levando-os a compreenderem que este texto remete ao cotidiano do interior, da roça, em que os animais ficam soltos (o pato está sempre aqui e acolá, zanzando por vários lugares, há galinha, cavalo, poço de onde tiram a água) e que, pelo fato do pato ser muito travesso (pintou o caneco, aprontou várias coisas), vive se metendo em confusão. Este poema tem a intenção de divertir.
  • Não deixe de registrar no quadro os elementos de estilo e forma: a escrita é em versos e estrofes, têm ritmo diferente, usa aliteração, rima, repetição de palavras, explora o imaginário, etc.
  • Explique para as crianças que estão revisitando o que aprenderam sobre poemas e analisaram rapidamente alguns conceitos, pois usarão essas informações para criarem, em duplas, sua própria versão de um poema e que você dará a sugestão de um assunto muito especial para que componham textos diferentes e únicos. Saliente que toda criação é feita em etapas, antes que um texto seja publicado, e nesta aula farão um planejamento para que pensem em todos os detalhes e elementos que vão compor seus poemas.
  • Diga à turma que a criação desses textos poéticos terá uma finalidade, que seus poemas serão apresentados em uma exposição com sarau na escola. É importante que previamente você converse com outros docentes e a gestão da escola para ver a possibilidade de público que esse sarau poderá abranger: se durante o período regular ou em outro horário; se todas as turmas, apenas algumas salas ou toda a comunidade escolar, incluindo a população do bairro. Assim, quando você for explicar para a turma para quem esses textos serão apresentados, as crianças poderão ter uma noção maior do que vão querer falar e apresentar, de acordo com seu público.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • Leia para a turma o poema: “Pessoas são diferentes” da Ruth Rocha. Se for possível, você pode escrevê-lo no quadro, projetá-lo ou levá-lo escrito em cartolina. Ao terminar a leitura, pergunte se as crianças compreenderam sobre o que é tratado no poema: diferenças.
  • Bem pessoal, falar sobre diferenças nos dá muitas opções, o que pode garantir que cada poema seja único. Porque é isso que as diferenças nos permitem, que sejamos únicos. O texto fala de duas crianças que são lindas, mas são muito diferentes, o que quer dizer que não são lindas do mesmo jeito, mas lindas de maneiras diferentes.
  • Eu falei, há pouco, que vocês vão escrever um poema com um tema interessante, que é bem vasto e pode ser abordado de muitas maneiras: para emocionar as pessoas, para ser leve e divertido, para trazer alguma reflexão importante, aguçando a curiosidade, etc. Lembrem-se que vocês vão poder escolher sobre o que vão falar, dentro do tema relacionado às diferenças, com que palavras querem trabalhar, levando em consideração o que vocês já sabem sobre como um poema deve e pode ser, e também gostaria que vocês levassem em consideração o público que vocês vão alcançar: quem são, que mensagem vocês gostariam que chegasse a eles, de que maneira vocês querem que eles se sintam ao ouvir ou ler seus poemas: vocês querem causar estranheza? Querem que eles se identifiquem? Querem emocionar? Diverti-los? Fazê-los pensar com mais interesse sobre o tema? Lembrem-se disso quando estiverem planificando suas ideias, pois é muito importante pensar no público de vocês. (Relembre as pessoas que serão convidadas para a exposição, já mencionadas no último item da etapa da introdução, salientando algumas características - adultos, crianças, alfabetizados, onde vivem, como é a comunidade em que vivem, alguns problemas conhecidos que enfrentam, etc.)
  • Pense na quantidade de coisas que podem ser diferentes e, ainda assim, interessantes, divertidas, valorosas, importantes. As diferenças são características que distinguem as coisas, como: gelado e quente, grande e pequeno, longo e curto, pouco e muito, alto e baixo. Vou reler novamente o poema para que vocês vejam se no texto há algumas coisas assim.

  • Releia o texto novamente e peça para que as crianças tentem destacar algumas dessas coisas, como “desdentada e cheia de dentes” e “gelado e quente”. Você pode ler para a turma outro poema com o mesmo tema e que também é bem elucidativo. Outro poema sugerido para ser lido, que pode ampliar o tema sobre diferenças, é “Diversidade - Tatiana Belinky” (link para leitura disponibilizado nos materiais complementares).
  • Peça para que as crianças tentem se lembrar de algumas coisas que podem ser diferentes. Vá escrevendo o que forem dizendo, de preferência, organizando em listas, como: tipos de pessoas, tipos de seres vivos, tipos de emoções, tipos de lugares, tipos de moradia, tipos de meios de transporte, tipos de meio de comunicação, tipos de objetos com funções parecidas ou diferentes, etc. Para isso, você pode primeiramente ouvir algumas opções dadas pelas crianças e ir sugerindo algumas formas de organizar essas diferenças e levar as crianças a ampliarem essa percepção. Há uma lista, nos materiais complementares, que pode ser usada como referência e você pode deixá-la mais completa ou detalhada.
  • Pessoas podem ser diferentes? E de que maneiras? (Espera-se que as crianças possam elencar algumas características que nos diferenciam das outras pessoas, sejam elas físicas ou de personalidade)
  • E o que pode ser diferente das pessoas? (As crianças podem dizer: animais, árvores, objetos, etc.)
  • E lugares? Que lugares podem ser diferentes, ou ter coisas diferentes? (As crianças podem falar de lugares que conhecem como escola, casa, igreja, parque, shopping, etc)
  • Que meios de transporte podemos usar para ir de um lugar para o outro? (As crianças podem falar carro, ônibus, trem, cavalo, bicicleta, etc)
  • O que encontramos no mundo imaginário que é diferente do mundo real? (Aqui, pode-se pedir para que as crianças comparem o que já elencaram com o que pode haver em mundos mágicos como bruxas, carruagens, castelos, dragões)
  • Quando tiver uma lista variada de coisas que podem ser diferentes escrita no quadro para consulta das crianças, explique que dentro dos grupos, trabalharão agora em duplas, pois os poemas serão escritos em duplas e vão iniciar o planejamento no papel. Se achar interessante, você pode disponibilizar uma cópia da lista de coisas diferentes para cada quarteto consultar, compartilhar e até complementar com suas próprias ideias, como um material de pesquisa.

Materiais complementares: Atividade para impressão “Planejamento da produção”, disponível aqui.

Texto para impressão “Lista de coisas diferentes” para apoio do professor, disponível aqui.

BELINKY, Tatiana. Diversidade. Disponível em: <https://poesiaspreferidas.wordpress.com/2013/06/24/diversidade-tatiana-belinky/>. Acesso em: 30 nov 2018.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

  • Entregue uma cópia da atividade para cada dupla. Dê alguns minutos para que as crianças leiam novamente o poema, em silêncio. Você pode pedir para que as duplas circulem as palavras que rimem dentro do poema para analisá-lo mais atentamente.
  • Explique que ao lado do poema está o espaço para que escrevam a 1º versão do poema delas, mas que isso não será feito nessa aula, apenas na aula seguinte, e que, abaixo, há duas tabelas que poderão usar para planejar, nesta aula, quem serão suas personagens e suas características.
  • Repasse com as crianças algumas informações quanto à criação de poemas, norteando-os com diretrizes.
  • Pessoal, hoje nós vamos pensar sobre o que vocês gostariam de falar nos poemas, sobre os elementos e acontecimentos que poderão ser colocados no texto.
  • Cada dupla vai escolher coisas diferentes para falar em seus poemas, assim como no poema da Ruth Rocha. Nós já vimos que ela escreveu sobre duas crianças que eram lindas, mas diferentes. Diferentes não significam que uma é melhor que a outra, mas que são apenas diferentes. Não podemos nos esquecer disso, mesmo que vocês escolham escrever um poema bem engraçado.
  • Nós já vimos, em outros poemas e canções, que podemos falar sobre brincadeiras, seres mágicos, animais, coisas do imaginário, vida real, família, amigos, trabalho, momentos, enfim, podemos falar sobre tudo o que está na lista e qualquer outra coisa que pensarem.
  • Além do assunto, não podemos nos esquecer do estilo e da forma que nós já vimos que os textos poéticos têm. Eles são escritos em versos, têm ritmo, podem ter rimas, aliterações, musicalidades, podem ter alguns efeitos e palavras engraçadas que representam sons, sentimentos, falar de coisas absurdas, que não existem, que são impossíveis, etc.
  • Este momento de planejamento, será um momento de conversa e escolhas feitas com o par de vocês. Se precisarem usar o caderno além da folha de atividade, fiquem à vontade, mas não deixem de anotar todas as ideias. Pensem primeiro sobre o que querem falar, lembrando das diferenças. Pensem sobre quem ou quantas coisas querem falar, se vai ser sobre dois ou mais elementos.
  • Depois, comecem a elencar o que esses elementos podem ter de diferente. Olhem para os exemplos que já estão escritos na tabela. No exemplo está posto que o poema vai falar de uma princesa e uma bruxa. Elas serão as personagens. Na tabela da esquerda, estão escritas algumas características que elas terão de diferente, uma gosta de quente e a outra? A outra gosta de frio. São duas coisas opostas, bem diferentes, não é mesmo?
  • Mas aí, na linha debaixo já está colocada outra característica, alguém pode ler para mim? Isso mesmo, uma nada no rio. O que seria diferente de nadar no rio que poderia ser colocado na coluna em branco ao lado dessa já preenchida? - Aqui as crianças podem sugerir outros lugares em que se pode nadar: mar, piscina, bacia, e você pode sugerir alguns lugares absurdos como: lama, lava do vulcão, gosma verde, nadar em ouro derretido, notas de dinheiro, pétalas de rosa, etc., para deixar bem claro para as crianças que há muitas possibilidades e, neste caso em que estão falando sobre personagens “de um mundo mágico”, elas poderiam abusar da criatividade.
  • Qual é a ligação da palavra de cima com a debaixo? - Espera-se que as crianças percebam que elas rimam.
  • É interessante que vocês já vão pensando nas palavras que podem rimar, não precisam ser todas, mas é ideal que as que ficarem nessa segunda coluna rimem, pois no poema da Ruth Rocha, e em tantos outros que elas já leram, há muitas rimas.
  • Lembre-as de que o que já está na tabela é apenas um exemplo e que não precisa e nem deve ser usado, pois o ideal é que as crianças escolham os elementos que estarão em seus poemas com o seu par.
  • Agora, por favor, comecem a conversar, registrar as ideias de vocês nessas tabelas ou no caderno, pensando nas personagens, nas características, nas palavras que podem rimar, não aleatoriamente, mas pensando no que pode fazer sentido para o que vocês estão planejando.
  • Se precisarem de ajuda, podem conversar rapidamente com a dupla da frente ou me chamar.
  • Vá passeando entre os grupos, verificando suas ideias, seus planejamentos, sanando dúvidas, ajudando-os com dicas, caso peçam, e se certificando de que estão otimizando o tempo da aula com conversas produtivas.
  • É muito comum que as pessoas pesquisem bastante enquanto criam algo, procurando palavras, rimas, expressões, etc. Se estiver utilizando o varal, diga que as crianças podem consultá-lo, assim como os textos no caderno, e você também pode disponibilizar dicionários ilustrados, livros de poesia e até a lista de rimas, disponível nos materiais complementares, para cada grupo consultar se quiser. É importante que as crianças saibam planejar e tenham as ferramentas necessárias para a produção textual, que sempre envolve pesquisa e leitura.
  • Relembre-os que é importante registrar todas as ideias, para não esquecê-las, mesmo que decidam por não usá-las todas na próxima aula.

Materiais complementares: Texto para impressão “Lista de rimas” para consulta, disponível aqui.

Fechamento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações:

  • Quando estiver findando o tempo, converse com os grupos, perguntando como se saíram nesta 1ª etapa.
  • Como foram? Conseguiram planejar sobre o que vão falar? - É esperado que as crianças tenham escolhido as personagens e registrado algumas diferenças entre elas nas tabelas.
  • Alguém quer compartilhar com a turma quem serão suas personagens? - Deixe que algumas crianças falem sobre o tema de seus poemas.
  • E as rimas, conseguiram achar algumas que poderão encaixar no poema de vocês, que vão deixá-lo interessante? Quem conseguiu encontrar pelo menos um par de palavras que rimam? - Enquanto as crianças conversavam e analisavam todo o material que tinham sobre o tema, é esperado que todas as duplas tenham conseguido escolher algumas palavras pensando em rimas, ou que tenham solicitado ajuda durante a elaboração.
  • Acham que tiveram muitas ideias interessantes? No início da aula seguinte vocês vão ter um tempinho para analisarem suas escolhas e fazer alterações se for preciso.
  • Tiveram alguma dificuldade? - Anote todas as dificuldades que as crianças falarem, se forem relacionadas às rimas, pergunte sobre o que essas duplas pretendem escrever e busque ajudá-las a encontrar palavras que poderiam ser usadas por elas, podendo fazer uma pesquisa, por exemplo, de outros poemas que falem sobre o mesmo assunto, levando mais textos para que elas analisem.
  • Peça para que as crianças coloquem seus nomes nas atividades e as recolha para analisar como se saíram no planejamento. Elas devem ter conseguido selecionar suas personagens e pensar em algumas diferenças entre elas. Se preciso, você pode fazer anotações específicas com dicas para ajudar as duplas que apresentaram alguma dificuldade. Há, nos materiais complementares, uma tabela que pode ajudar no acompanhamento das produções para garantir que nenhuma dupla fique sem conseguir concluir a produção e que você possa fazer boas intervenções, com todos os grupos, a cada etapa.

Materiais complementares: Acompanhamento da produção, etapa “Planejamento”, disponível aqui.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é a décima terceira aula de uma sequência de 15 planos de aula com foco no gênero poema e no campo de atuação artístico-literário. A aula faz parte do módulo de produção textual e o seu foco é a produção de um texto poético.

Materiais necessários: Atividade para impressão “Planejamento da produção”, disponível aqui. Texto para impressão “Lista de coisas diferentes” para apoio do professor, disponível aqui. Texto para impressão “Lista de rimas” para consulta, disponível aqui. Acompanhamento da produção, etapa “Planejamento”, disponível aqui.

Dificuldades antecipadas: Organizar o pensamento na elaboração dos versos. Estruturar o texto de acordo com o gênero. Utilizar os efeitos sonoros aprendidos, rimas e aliterações, na elaboração do poema.

Referências sobre o assunto:

MACHADO,I.L. A Paródia, um gênero "transgressivo". In: MACHADO e MELLO,R. (orgs). Gêneros: reflexões e análise do discurso. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004. PP.75-86.

MENDONÇA, M. Diversidade textual - proposta para sala de aula. Língua Portuguesa - Estudo e Ensino. Brasília: MEC/CEEL.

NÓBREGA, M.J. Redigindo textos, assimilando a palavra do outro. Revista Acadêmica de Educação do ISE Vera Cruz, v.1, n.1, 2011. Disponível em: <http://site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/3/2>. Acesso em: 04 dez 2018.

SANT'ANNA, A.R. Paródia, paráfrase & cia. São Paulo: Ática, 2003.

SOUZA, I.M.P. Poesia em práticas de alfabetização. In: Leitura e produção de textos na alfabetização. BRANDÃO,A.C.; ROSA,E.C.S. (org). Belo Horizonte: Autêntica,2005.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto

Orientações:

  • Leia o tema para as crianças e explique que na aula de hoje as crianças vão começar a planejar a escrita de um poema com um tema bem interessante.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 14 minutos

Orientações:

  • É importante relembrar o que já foi trabalhado com a turma nas aulas anteriores. É provável que você tenha percebido que todas as aulas estão divididas em módulos. A sequência de planos se inicia com a aula de abertura, logo depois são apresentadas as aulas de leitura seguidas de aulas de análise do estilo e construção composicional dos textos poéticos trabalhando com as aliterações e rimas, se desdobrando sobre a oralidade e, por fim, chegando ao módulo de produção de texto que iniciamos com esta aula.
  • É importante, para que este módulo seja produtivo, que as crianças tenham sido bem repertoriadas em aulas anteriores. Portanto, se não estiver trabalhando com a sequência de aulas, é aconselhável que navegue pelos planos anteriores, selecione algumas ideias e materiais para que as crianças se apropriem dos principais elementos e conceitos que envolvem a elaboração dos textos poéticos, como: a composição em versos e estrofes com rimas e aliterações que trazem efeitos como ritmo e musicalidade; os temas e estilos diversos presentes nestes textos que permitem expressividade, criatividade e liberdade do uso da linguagem pelo autor que trabalha sempre com uma intencionalidade (alegrar, ironizar, emocionar, sensibilizar, etc). Além de tudo isso, é importante que as crianças entrem em contato com diversos textos poéticos como canções, cantigas, trovinhas e poemas, para que possam compreender amplamente a ludicidade e a forma destes, não só para analisar, mas também tê-los como modelos, e poderem perceber os efeitos discursivos do gênero.
  • A produção já foi abordada de forma processual e gradativa com as crianças. Na aula 5, por exemplo, as crianças tiveram que criar, em grupo, uma versão da cantiga Corre Cutia selecionando palavras dadas em uma cartela, trabalhando aliteração. Na aula 9, cada criança construiu uma pequena estrofe com rimas, utilizando-se da técnica denominada pastiche para criar uma nova versão do poema Você Troca, da autora Eva Furnari. Este é um adendo para justificar que todas as orientações a seguir serão feitas com a premissa de que os alunos já foram bem repertoriados e precisarão apenas relembrar conceitos já apreendidos e organizá-los em suas próprias produções.
  • Relembre com turma o que já aprenderam sobre os textos poéticos. Foram feitos cartazes, atividades de análise que devem estar coladas no caderno, sistematização do que aprenderam escritas com suas próprias palavras e até foi sugerido na aula 07 a criação de um varal para deixar expostas algumas dessas produções que podem ser revisitadas neste momento.
  • Você pode pedir que as crianças formem, inicialmente, grupos produtivos (crianças em níveis de escrita diferentes), com 4 alunos, para que conversem rapidamente entre si, compartilhando algumas dessas produções e como foi o processo de escolha. Depois, formalize essas memórias no quadro, pedindo que as crianças falem alguns dos elementos estudados.
  • Pessoal, vamos relembrar os itens que compõem a estrutura de um poema. Como ele geralmente é escrito? Ele tem uma forma mais comum? Como são suas linhas? Alguém se lembra como chamamos cada linha de um poema ou canção? É esperado que as crianças relembrem que os textos poéticos são escritos em versos dentro de estrofes. Mesmo que não saibam nomeá-las, é importante que falem que não preenchem uma linha até o final, que são colocadas poucas palavras em cada linha, até porque esses textos têm um ritmo de leitura diferente de outros tipos de textos.
  • E as palavras que um poeta ou compositor escolhe para seus textos, o que elas têm de especial? O que pode haver no começo das palavras e no final delas? - É esperado que as crianças se lembrem que pode-se usar a aliteração, que é a repetição de um som no início das palavras, ou a rima, que é a repetição de letras e sons nos finais das palavras, principalmente nas últimas palavras dos versos.
  • E as rimas e aliterações estão sempre presentes em todos os versos e todas as palavras, são sempre as mesmas repetições, ou é da escolha de quem escreve? - As crianças devem lembrar que em um texto pode haver diversas aliterações e rimas, que essas rimas podem ser intercaladas, ter mais de um par de rimas em uma estrofe, podem ser conseguidas com apenas uma letra ou várias e que o autor tem a liberdade para usar a língua, mas faz as escolhas sempre pensando no efeito que conseguirá trazer para o texto.
  • Você pode ir apontando para alguns exemplos que estejam expostos na sala ou escrever rapidamente algum exemplo no quadro como “O Pato” de Vinícius de Moraes, em que é possível encontrar várias aliterações e rimas e que tem três ou quatro palavras em cada verso. Este poema já foi trabalhado com as crianças em uma das aulas sobre aliteração e provavelmente há um registro dele com as crianças.
  • Analisando este texto, você pode questionar as crianças quanto ao tema da canção, pedindo que citem dois ou três personagens (pato, cavalo, marreco), lugares (poleiro, poço), levando-os a compreenderem que este texto remete ao cotidiano do interior, da roça, em que os animais ficam soltos (o pato está sempre aqui e acolá, zanzando por vários lugares, há galinha, cavalo, poço de onde tiram a água) e que, pelo fato do pato ser muito travesso (pintou o caneco, aprontou várias coisas), vive se metendo em confusão. Este poema tem a intenção de divertir.
  • Não deixe de registrar no quadro os elementos de estilo e forma: a escrita é em versos e estrofes, têm ritmo diferente, usa aliteração, rima, repetição de palavras, explora o imaginário, etc.
  • Explique para as crianças que estão revisitando o que aprenderam sobre poemas e analisaram rapidamente alguns conceitos, pois usarão essas informações para criarem, em duplas, sua própria versão de um poema e que você dará a sugestão de um assunto muito especial para que componham textos diferentes e únicos. Saliente que toda criação é feita em etapas, antes que um texto seja publicado, e nesta aula farão um planejamento para que pensem em todos os detalhes e elementos que vão compor seus poemas.
  • Diga à turma que a criação desses textos poéticos terá uma finalidade, que seus poemas serão apresentados em uma exposição com sarau na escola. É importante que previamente você converse com outros docentes e a gestão da escola para ver a possibilidade de público que esse sarau poderá abranger: se durante o período regular ou em outro horário; se todas as turmas, apenas algumas salas ou toda a comunidade escolar, incluindo a população do bairro. Assim, quando você for explicar para a turma para quem esses textos serão apresentados, as crianças poderão ter uma noção maior do que vão querer falar e apresentar, de acordo com seu público.
Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • Leia para a turma o poema: “Pessoas são diferentes” da Ruth Rocha. Se for possível, você pode escrevê-lo no quadro, projetá-lo ou levá-lo escrito em cartolina. Ao terminar a leitura, pergunte se as crianças compreenderam sobre o que é tratado no poema: diferenças.
  • Bem pessoal, falar sobre diferenças nos dá muitas opções, o que pode garantir que cada poema seja único. Porque é isso que as diferenças nos permitem, que sejamos únicos. O texto fala de duas crianças que são lindas, mas são muito diferentes, o que quer dizer que não são lindas do mesmo jeito, mas lindas de maneiras diferentes.
  • Eu falei, há pouco, que vocês vão escrever um poema com um tema interessante, que é bem vasto e pode ser abordado de muitas maneiras: para emocionar as pessoas, para ser leve e divertido, para trazer alguma reflexão importante, aguçando a curiosidade, etc. Lembrem-se que vocês vão poder escolher sobre o que vão falar, dentro do tema relacionado às diferenças, com que palavras querem trabalhar, levando em consideração o que vocês já sabem sobre como um poema deve e pode ser, e também gostaria que vocês levassem em consideração o público que vocês vão alcançar: quem são, que mensagem vocês gostariam que chegasse a eles, de que maneira vocês querem que eles se sintam ao ouvir ou ler seus poemas: vocês querem causar estranheza? Querem que eles se identifiquem? Querem emocionar? Diverti-los? Fazê-los pensar com mais interesse sobre o tema? Lembrem-se disso quando estiverem planificando suas ideias, pois é muito importante pensar no público de vocês. (Relembre as pessoas que serão convidadas para a exposição, já mencionadas no último item da etapa da introdução, salientando algumas características - adultos, crianças, alfabetizados, onde vivem, como é a comunidade em que vivem, alguns problemas conhecidos que enfrentam, etc.)
  • Pense na quantidade de coisas que podem ser diferentes e, ainda assim, interessantes, divertidas, valorosas, importantes. As diferenças são características que distinguem as coisas, como: gelado e quente, grande e pequeno, longo e curto, pouco e muito, alto e baixo. Vou reler novamente o poema para que vocês vejam se no texto há algumas coisas assim.

  • Releia o texto novamente e peça para que as crianças tentem destacar algumas dessas coisas, como “desdentada e cheia de dentes” e “gelado e quente”. Você pode ler para a turma outro poema com o mesmo tema e que também é bem elucidativo. Outro poema sugerido para ser lido, que pode ampliar o tema sobre diferenças, é “Diversidade - Tatiana Belinky” (link para leitura disponibilizado nos materiais complementares).
  • Peça para que as crianças tentem se lembrar de algumas coisas que podem ser diferentes. Vá escrevendo o que forem dizendo, de preferência, organizando em listas, como: tipos de pessoas, tipos de seres vivos, tipos de emoções, tipos de lugares, tipos de moradia, tipos de meios de transporte, tipos de meio de comunicação, tipos de objetos com funções parecidas ou diferentes, etc. Para isso, você pode primeiramente ouvir algumas opções dadas pelas crianças e ir sugerindo algumas formas de organizar essas diferenças e levar as crianças a ampliarem essa percepção. Há uma lista, nos materiais complementares, que pode ser usada como referência e você pode deixá-la mais completa ou detalhada.
  • Pessoas podem ser diferentes? E de que maneiras? (Espera-se que as crianças possam elencar algumas características que nos diferenciam das outras pessoas, sejam elas físicas ou de personalidade)
  • E o que pode ser diferente das pessoas? (As crianças podem dizer: animais, árvores, objetos, etc.)
  • E lugares? Que lugares podem ser diferentes, ou ter coisas diferentes? (As crianças podem falar de lugares que conhecem como escola, casa, igreja, parque, shopping, etc)
  • Que meios de transporte podemos usar para ir de um lugar para o outro? (As crianças podem falar carro, ônibus, trem, cavalo, bicicleta, etc)
  • O que encontramos no mundo imaginário que é diferente do mundo real? (Aqui, pode-se pedir para que as crianças comparem o que já elencaram com o que pode haver em mundos mágicos como bruxas, carruagens, castelos, dragões)
  • Quando tiver uma lista variada de coisas que podem ser diferentes escrita no quadro para consulta das crianças, explique que dentro dos grupos, trabalharão agora em duplas, pois os poemas serão escritos em duplas e vão iniciar o planejamento no papel. Se achar interessante, você pode disponibilizar uma cópia da lista de coisas diferentes para cada quarteto consultar, compartilhar e até complementar com suas próprias ideias, como um material de pesquisa.

Materiais complementares: Atividade para impressão “Planejamento da produção”, disponível aqui.

Texto para impressão “Lista de coisas diferentes” para apoio do professor, disponível aqui.

BELINKY, Tatiana. Diversidade. Disponível em: <https://poesiaspreferidas.wordpress.com/2013/06/24/diversidade-tatiana-belinky/>. Acesso em: 30 nov 2018.

Slide Plano Aula

Orientações:

  • Entregue uma cópia da atividade para cada dupla. Dê alguns minutos para que as crianças leiam novamente o poema, em silêncio. Você pode pedir para que as duplas circulem as palavras que rimem dentro do poema para analisá-lo mais atentamente.
  • Explique que ao lado do poema está o espaço para que escrevam a 1º versão do poema delas, mas que isso não será feito nessa aula, apenas na aula seguinte, e que, abaixo, há duas tabelas que poderão usar para planejar, nesta aula, quem serão suas personagens e suas características.
  • Repasse com as crianças algumas informações quanto à criação de poemas, norteando-os com diretrizes.
  • Pessoal, hoje nós vamos pensar sobre o que vocês gostariam de falar nos poemas, sobre os elementos e acontecimentos que poderão ser colocados no texto.
  • Cada dupla vai escolher coisas diferentes para falar em seus poemas, assim como no poema da Ruth Rocha. Nós já vimos que ela escreveu sobre duas crianças que eram lindas, mas diferentes. Diferentes não significam que uma é melhor que a outra, mas que são apenas diferentes. Não podemos nos esquecer disso, mesmo que vocês escolham escrever um poema bem engraçado.
  • Nós já vimos, em outros poemas e canções, que podemos falar sobre brincadeiras, seres mágicos, animais, coisas do imaginário, vida real, família, amigos, trabalho, momentos, enfim, podemos falar sobre tudo o que está na lista e qualquer outra coisa que pensarem.
  • Além do assunto, não podemos nos esquecer do estilo e da forma que nós já vimos que os textos poéticos têm. Eles são escritos em versos, têm ritmo, podem ter rimas, aliterações, musicalidades, podem ter alguns efeitos e palavras engraçadas que representam sons, sentimentos, falar de coisas absurdas, que não existem, que são impossíveis, etc.
  • Este momento de planejamento, será um momento de conversa e escolhas feitas com o par de vocês. Se precisarem usar o caderno além da folha de atividade, fiquem à vontade, mas não deixem de anotar todas as ideias. Pensem primeiro sobre o que querem falar, lembrando das diferenças. Pensem sobre quem ou quantas coisas querem falar, se vai ser sobre dois ou mais elementos.
  • Depois, comecem a elencar o que esses elementos podem ter de diferente. Olhem para os exemplos que já estão escritos na tabela. No exemplo está posto que o poema vai falar de uma princesa e uma bruxa. Elas serão as personagens. Na tabela da esquerda, estão escritas algumas características que elas terão de diferente, uma gosta de quente e a outra? A outra gosta de frio. São duas coisas opostas, bem diferentes, não é mesmo?
  • Mas aí, na linha debaixo já está colocada outra característica, alguém pode ler para mim? Isso mesmo, uma nada no rio. O que seria diferente de nadar no rio que poderia ser colocado na coluna em branco ao lado dessa já preenchida? - Aqui as crianças podem sugerir outros lugares em que se pode nadar: mar, piscina, bacia, e você pode sugerir alguns lugares absurdos como: lama, lava do vulcão, gosma verde, nadar em ouro derretido, notas de dinheiro, pétalas de rosa, etc., para deixar bem claro para as crianças que há muitas possibilidades e, neste caso em que estão falando sobre personagens “de um mundo mágico”, elas poderiam abusar da criatividade.
  • Qual é a ligação da palavra de cima com a debaixo? - Espera-se que as crianças percebam que elas rimam.
  • É interessante que vocês já vão pensando nas palavras que podem rimar, não precisam ser todas, mas é ideal que as que ficarem nessa segunda coluna rimem, pois no poema da Ruth Rocha, e em tantos outros que elas já leram, há muitas rimas.
  • Lembre-as de que o que já está na tabela é apenas um exemplo e que não precisa e nem deve ser usado, pois o ideal é que as crianças escolham os elementos que estarão em seus poemas com o seu par.
  • Agora, por favor, comecem a conversar, registrar as ideias de vocês nessas tabelas ou no caderno, pensando nas personagens, nas características, nas palavras que podem rimar, não aleatoriamente, mas pensando no que pode fazer sentido para o que vocês estão planejando.
  • Se precisarem de ajuda, podem conversar rapidamente com a dupla da frente ou me chamar.
  • Vá passeando entre os grupos, verificando suas ideias, seus planejamentos, sanando dúvidas, ajudando-os com dicas, caso peçam, e se certificando de que estão otimizando o tempo da aula com conversas produtivas.
  • É muito comum que as pessoas pesquisem bastante enquanto criam algo, procurando palavras, rimas, expressões, etc. Se estiver utilizando o varal, diga que as crianças podem consultá-lo, assim como os textos no caderno, e você também pode disponibilizar dicionários ilustrados, livros de poesia e até a lista de rimas, disponível nos materiais complementares, para cada grupo consultar se quiser. É importante que as crianças saibam planejar e tenham as ferramentas necessárias para a produção textual, que sempre envolve pesquisa e leitura.
  • Relembre-os que é importante registrar todas as ideias, para não esquecê-las, mesmo que decidam por não usá-las todas na próxima aula.

Materiais complementares: Texto para impressão “Lista de rimas” para consulta, disponível aqui.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações:

  • Quando estiver findando o tempo, converse com os grupos, perguntando como se saíram nesta 1ª etapa.
  • Como foram? Conseguiram planejar sobre o que vão falar? - É esperado que as crianças tenham escolhido as personagens e registrado algumas diferenças entre elas nas tabelas.
  • Alguém quer compartilhar com a turma quem serão suas personagens? - Deixe que algumas crianças falem sobre o tema de seus poemas.
  • E as rimas, conseguiram achar algumas que poderão encaixar no poema de vocês, que vão deixá-lo interessante? Quem conseguiu encontrar pelo menos um par de palavras que rimam? - Enquanto as crianças conversavam e analisavam todo o material que tinham sobre o tema, é esperado que todas as duplas tenham conseguido escolher algumas palavras pensando em rimas, ou que tenham solicitado ajuda durante a elaboração.
  • Acham que tiveram muitas ideias interessantes? No início da aula seguinte vocês vão ter um tempinho para analisarem suas escolhas e fazer alterações se for preciso.
  • Tiveram alguma dificuldade? - Anote todas as dificuldades que as crianças falarem, se forem relacionadas às rimas, pergunte sobre o que essas duplas pretendem escrever e busque ajudá-las a encontrar palavras que poderiam ser usadas por elas, podendo fazer uma pesquisa, por exemplo, de outros poemas que falem sobre o mesmo assunto, levando mais textos para que elas analisem.
  • Peça para que as crianças coloquem seus nomes nas atividades e as recolha para analisar como se saíram no planejamento. Elas devem ter conseguido selecionar suas personagens e pensar em algumas diferenças entre elas. Se preciso, você pode fazer anotações específicas com dicas para ajudar as duplas que apresentaram alguma dificuldade. Há, nos materiais complementares, uma tabela que pode ajudar no acompanhamento das produções para garantir que nenhuma dupla fique sem conseguir concluir a produção e que você possa fazer boas intervenções, com todos os grupos, a cada etapa.

Materiais complementares: Acompanhamento da produção, etapa “Planejamento”, disponível aqui.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Produção de textos do 2º ano :

MAIS AULAS DE Língua Portuguesa do 2º ano:

2º ano / Língua Portuguesa / Análise linguística/Semiótica

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF12LP05 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Língua Portuguesa

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano