Blog de Alfabetização

Troque experiências e boas práticas sobre o processo de aquisição da língua escrita.

Alfabetização: Práticas de produção textual no ensino remoto

Veja a sugestão da professora Mara Mansani para trabalhar o tema com o apoio das famílias

POR:
Mara Mansani
Foto: Getty Image

Em sala de aula uma das práticas que fazem parte da rotina na alfabetização é a produção textual. Ela deve começar desde cedo com os pequenos ainda na Educação Infantil, mas ainda há quem acredite, por incrível que pareça, que as crianças só devem escrever textos depois de estarem alfabetizadas. Isso é uma grande contradição, afinal são nas práticas de leitura e escrita, que elas refletem sobre o funcionamento do sistema alfabético, na interação entre os pares e objeto de conhecimento. No uso da língua se apropriam de habilidades que as levam a avançar na aprendizagem e, consequentemente, em seu processo de alfabetização.

Na produção textual, as crianças começam contando, recontando e criando histórias oralmente, em outras situações o professor é o escriba dessas narrativas. Depois passam as escritas com o apoio do colega e professor até chegar a escrita com mais autonomia.

Mas em tempos de ensino remoto, como propor práticas de produção textual na alfabetização?
Não é possível propor atividades muito complexas nesse sentido, mas penso que podemos propor atividades que os pais sejam capazes de acompanhar orientando seus filhos nessa escrita.

Compartilho com vocês uma proposta de escrita para o ensino remoto, no contexto familiar, que envolvem dois gêneros textuais.

Nas duas a proposta é de escrita de um texto que será compartilhado com os colegas da turma com a intermediação do professor, via WhatsApp ou outro canal de comunicação, e com acompanhamento e orientação de algum familiar com o objetivo de se criar uma produção coletiva.

A atividade é dividida em três partes: apresentação de um texto de referência, orientação aos responsáveis e a atividade.

A família recebe um pacote virtual com os seguintes conteúdos: orientação aos pais sobre o desenvolvimento, a atividade e um texto de referência.

O movimento para a realização é assim (para que todos os alunos participem):

1. O professor envia a atividade de produção a uma família

2. A família recebe, realiza a atividade e devolve a produção ao professor

3. O professor também faz sua participação incluindo um elo, escrevendo um trecho de acordo com a escrita da criança e depois encaminha essa escrita para outra família. Dessa forma, todos vão contribuindo na produção. E assim esse movimento vai se repetindo sucessivamente, até passar todos os alunos, e o texto ficar pronto.

Para compreender melhor a proposta como um todo, veja abaixo na íntegra:

Proposta: Escrita de texto coletivo na alfabetização

Objetivo: criar no contexto familiar uma situação de aprendizagem, produção colaborativa de produção textual, explorando a linguagem escrita, leitura e oralidade

Orientação aos pais:
Pais e ou responsável, vamos juntos desenvolver com sua criança uma atividade de escrita que irá contribuir na sua alfabetização? Para isso, apresente a ela os textos que serão encaminhadas a vocês via WhatsApp, que são:

> Uma parlenda que faz parte das brincadeiras infantis: Cadê o toicinho que estava aqui
> Duas histórias são de acumulação, que são aquelas onde há repetições de uma ação que é realizada por vários personagens tentando resolver um problema, um conflito. São histórias que as crianças gostam muito, memorizam e antecipam os acontecimentos por conta de suas repetições: O grande rabanete (em forma musicada para assistir com a criança) e A Casa que Pedro fez.

São textos que servirão de modelo para ajudar na escrita da criança. Depois disso, leia para sua criança o pedaço de texto que você recebeu e que deverá ser continuado por ela. Para isso, em uma folha de papel oriente e acompanhe sua escrita. A escrita será curta, de apenas uma linha. Primeiro deixe que ela dê sua ideia de continuidade do texto. Todas as ideias são válidas, deixe que ela crie livremente, ou seja o que ela falar pode ser escrito.

Na escrita, procure fazer perguntas para que ela pense como escrever, por exemplo: Como começa essa palavra? Com qual letra? Qual o som desse pedaço de palavra? Que outra palavra tem esse mesmo som?

Ela pode também ver o alfabeto ou outro texto para ajudá-la na escrita e você também pode dar dicas. Vá ajudando, pedindo que ela veja o que está escrevendo. Faça com elas os ajustes necessários, de forma que o texto fique bem escrito.

Fotografe a escrita da criança e envie para o professor. Esse texto, formado pelo pedaço enviado pela professora e a continuação escrita pela criança, será enviado a outra criança, que irá também dar sua contribuição escrevendo seu pedaço e assim todos criarão o texto de forma colaborativa com a orientação dos pais e apoio do professor.

Ao final, o texto pronto será compartilhado com todos no grupo do WhatsApp. Dê o seu melhor na orientação a sua criança e conte com o professor para esclarecer dúvidas e ajudá-los. Será muito bom fazermos juntos!

Atividade enviada para o grupo

Escolha qual é o texto mais indicado para sua turma:

História de acumulação
Complete a história:
ESSE É O GATO
QUE________________________________

ou

Parlenda
Complete o texto:
CADÊ A BANANA QUE ESTAVA AQUI?
____________________________________

Professor, veja alguns exemplos do que pode acontecer:
Na história de acumulação
Se a criança completar, por exemplo:
ESSE É O GATO
QUE BEBEU O LEITE DA CAIXINHA (possível escrita da criança)

2ª FAMILIA
ESSE É O GATO
QUE BEBEU O LEITE DA CAIXINHA
QUE ESTAVA EM CIMA DA MESA (possível contribuição do professor)
DA ______________________________________ (possível escrita criança 2ª família)

Parlenda
CADÊ A BANANA QUE ESTAVA AQUI?
O MACACO COMEU TUDO (possível escrita da criança)

2ª FAMILIA
CADÊ A BANANA QUE ESTAVA AQUI?
O MACACO COMEU TUDO (possível escrita da criança)
CADÊ O MACACO? (possível contribuição do professor)
______________________________________

O professor copia a parte acrescentada pela família, coloca sua contribuição para enviar a próxima família e ao final compartilha com o grupo.

Textos de referências

>> O grande rabanete de Tatiana Belinky, mas em sua versão musicada. Confira aqui

>> A história de domínio público: A casa que Pedro fez

A CASA QUE PEDRO CONSTRUIU
ESTA É A CASA QUE O JOÃO CONSTRUIU.
ESTE É O QUEIJO QUE ESTAVA NA CASA QUE O JOÃO CONSTRUIU.
ESTE É O RATO QUE COMEU O QUEIJO QUE ESTAVA NA CASA QUE O JOÃO CONSTRUIU.
ESTE É O GATO QUE COMEU O RATO QUE COMEU O QUEIJO QUE ESTAVA NA CASA QUE O JOÃO CONSTRUIU.
ESTE É O CÃO QUE PERSEGUIU O GATO QUE COMEU O RATO QUE COMEU O QUEIJO QUE ESTAVA NA CASA QUE O JOÃO CONSTRUIU.
ESTA É A VACA DO CORNO TORCIDO QUE DEU UMA PATADA NO CÃO QUE PERSEGUIU O GATO QUE COMEU O RATO QUE COMEU O QUEIJO QUE ESTAVA NA CAS A QUE O JOÃO CONSTRUIU.
ESTE É O AGRICULTOR AMIGO QUE ORDENHOU A VACA DO CORNO TORCIDO QUE DEU UMA PATADA NO CÃO QUE PERSEGUIU O GATO QUE COMEU O RATO QUE COMEU O QUEIJO QUE ESTAVA NA CASA QUE O JOÃO CONSTRUIU.

>> A parlenda: Cadê o toucinho?

CADÊ O TOUCINHO
QUE ESTAVA AQUI?
O GATO COMEU
CADÊ O GATO?
FUGIU PRO MATO
CADÊ O MATO?
O FOGO QUEIMOU
CADÊ O FOGO
A ÁGUA APAGOU
CADÊ A ÁGUA?
O BOI BEBEU
CADÊ O BOI?
FOI AMASSAR O TRIGO
CADÊ O TRIGO?
FOI FAZER O PÃO
CADÊ O PÃO?
O PADRE PEGOU
CADÊ O PADRE?
FOI REZAR A MISSA
CADÊ A MISSA?
JÁ SE ACABOU.

Como você pode ver, são escritas de texto possíveis dos pais orientarem e que podem contribuir no processo de alfabetização das crianças. Pode ser realizado toda semana, pelo menos duas vezes. Dessa forma criamos uma rotina de escrita de textos para as crianças, que podem ser intercaladas com outras atividades de escrita, de leitura ou outras que fazem parte da alfabetização.

Além de muita aprendizagem, se bem conduzida, será um prazer para todos participarem e uma grande surpresa ao verem a produção no final.

Mas e vocês, queridos professores? Que praticas de escrita estão conseguindo fazer com seus alunos, no contexto do ensino remoto? Conte aqui nos comentários.

Um grande abraço a todos e até a próxima!

Mara

Mara Mansani é professora há quase 30 anos, lecionou em vários segmentos, da Educação Infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental, passando também pela Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em 2006, teve dois projetos de Educação Ambiental para o Ensino Básico publicados pela ONG WWF, no livro “Muda o Mundo, Raimundo”. Em 2014, recebeu o Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita, na área de Alfabetização, com o projeto Escrevendo com Lengalenga.

Tags

Guias