15143
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Língua Portuguesa > 5º ano > Oralidade

Plano de aula - Realizar, gravar e expor uma entrevista oral

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 5º ano do EF sobre Realizar, gravar e expor uma entrevista oral

Plano 12 de 15 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Isabel Cossalter

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é décima segunda aula de uma sequência de 15 planos de aula com foco no gênero Reportagem e no campo de atuação Vida pública / Vida cotidiana / Estudo e Pesquisa. A aula faz parte do módulo de oralidade.

Materiais necessários: Computador com mídia, celular, gravador ou máquina fotográfica, lápis, borracha, caderno, quadro com giz (ou caneta), folhas com linhas para escrever as entrevistas, painel para montagem do jornal mural, tachinhas ou fita adesiva para fixação das entrevistas e fotos.

Informações sobre o gênero:

Cada vez mais valorizada no mundo atual, a expressão oral tem sido também considerada um critério de seleção na escolha de profissionais das mais variadas áreas de atuação. No entanto, sabemos que a desenvoltura na expressão oral espontânea não garante, necessariamente, o desenvolvimento de habilidades que favoreçam a atuação dos alunos em situações que contemplem as diversas práticas sociais e culturais de uso da fala. Desse modo, cabe à escola oferecer-lhes vivências que os ajudem a conhecer e se apropriar de gêneros orais que possuem estrutura, regras e procedimentos próprios, como por exemplo, a entrevista.

É importante salientar aqui algumas questões sobre o trabalho com gêneros orais em sala de aula:

- A primeira se refere à necessidade de desenvolver um olhar despido de preconceitos para as variações linguísticas, próprias de determinados grupos ou regiões. Não se trata de abrir mão de ensinar as formas típicas da oralidade “formal ou culta”, mas de valorizar e inserir no contexto da aprendizagem a língua falada na comunidade na qual o trabalho será desenvolvido.

- A segunda questão diz respeito à importância de ser ter clareza em relação às diferenças existentes entre uma entrevista oral e uma conversa coloquial. Uma entrevista exige preparação, tanto em relação ao conhecimento prévio sobre o assunto ou pessoa a ser a ser entrevistada, quanto ao fazer a escolha das palavras, de forma que as perguntas estejam de acordo com o objetivo pretendido, sejam coerentes e façam sentido. Além disso, a entrevista deve acontecer dentro de um tempo determinado, ao contrário da conversa coloquial, que não demanda planejamento de assunto ou linguagem, nem limitação de horário.

- A terceira refere-se às relações entre oralidade e escrita. É fato que a produção de uma entrevista oral tem sempre como apoio o texto escrito (um roteiro de perguntas e anotações durante as respostas do entrevistado), mas é importante levar em conta que a linguagem oral e a linguagem escrita estão em constante relação, sendo que há interferência dos elementos da oralidade, tanto na elaboração quanto na compreensão do texto escrito. Em outras palavras, para produzir e interpretar um texto escrito, a criança busca referências e significados na sua experiências de comunicação oral. Assim, cabe também à escola a função de integrar textos orais e escritos no ensino da língua.

Para finalizar, um último aspecto bastante significativo, levando-se em consideração que este plano de aula propõe a que gravação da entrevista planejada no plano de aula 11: a divulgação das declarações do entrevistado precisam ser autorizadas por ele, logo, é fundamental orientar os alunos em relação à responsabilidade do entrevistador quanto aos direitos do entrevistado na divulgação do conteúdo de uma entrevista.

Dificuldades antecipadas: As crianças que apresentam timidez em situações de exposição oral ou dificuldade de expressão podem, eventualmente, necessitar de apoio nas aulas propostas neste módulo, que aborda a oralidade. Algumas estratégias podem ser eficientes no planejamento das aulas, como por exemplo:

  • Pensar equipes de trabalho que contem com uma boa interação entre os alunos e onde as crianças que apresentam dificuldades possam ser acolhidas.
  • Estimular a participação oral dessas crianças e ajudá-las a elaborar suas ideias.
  • Valorizar as habilidades individuais na construção do trabalho coletivo, fortalecendo a autoestima e a união dos alunos.

Referências sobre o assunto:

DIONISIO, A. P.; MARCUSCHI, L. A. Fala e escrita. São Paulo: Autêntica, 2005. Disponível em: http://www.serdigital.com.br/gerenciador/clientes/ceel/arquivos/29.pdf. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Entrevistar para conhecer melhor, Rosangela Veliago. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/6019/entrevistar-para-conhecer-melhor. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Comunicação oral: gênero entrevista, Claudio Bazzoni. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=IopYU9RQID4. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Produção de textos orais, Cecília M.A. Goulart. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/producao-de-textos-orais. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Interação verbal, Luiz Carlos Travaglia. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/interacao-verbal. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos

Orientações:

  • Garanta que todos os alunos tenham providenciado os materiais para gravação da entrevista (celular, câmera fotográfica ou gravador, o roteiro com as perguntas para a entrevista, bloco de anotações, lápis ou caneta) antes de dar início à aula.
  • Solicite às crianças que, previamente, organizem-se nas duplas, de acordo com o entrevistado definido anteriormente.
  • Peça a um dos alunos que leia em voz alta o título da aula.
  • Converse com a turma sobre os objetivos do trabalho (realizar e gravar a entrevista, expor um pequeno trecho escrito da mesma em um jornal mural) e esclareça dúvidas.

A seleção dos entrevistados foi feita a partir do tema “Quem faz a sua escola” e a ideia é que o jornal mural funcione como uma maneira de apresentação, reconhecimento e valorização dessas pessoas, favorecendo a integração entre os alunos e a comunidade escolar. Igualmente importante, essa atividade objetiva que o trabalho produzido em sala de aula esteja inserido no dia a dia da escola como fonte de informação e possa gerar interesse pela leitura e por conhecer as pessoas que integram a instituição. Com relação à escolha do local onde será montado o jornal mural, dê preferência a um lugar que tenha visibilidade e onde ocorra a circulação do maior número possível de pessoas.

Além da exposição dos textos e fotos no jornal mural, você pode (com as devidas autorizações dos entrevistados):

  • Montar um arquivo com as entrevistas gravadas e disponibilizá-lo para consultas na biblioteca da escola.
  • Publicar as entrevistas no site ou outro meio informativo da escola.
  • Publicar as entrevistas no youtube.

Materiais complementares:

Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande. Disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Introdução select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos

Orientações:

  • Peça às duplas que se preparem para ir ao encontro do entrevistado:
  • Organizem seus materiais para a entrevista (perguntas, bloco para anotações, caneta ou lápis, celular, câmera ou gravador).
  • Façam ou revejam os combinados (quem irá gravar e/ou tirar fotos e quem fará o papel de entrevistador).
  • Testem o(s) equipamento(s) rapidamente para ter certeza de que tudo está funcionando bem.
  • Lembre os alunos de consultar o roteiro de perguntas sempre que necessário, falar com calma e se mostrarem gentis ao abordar o entrevistado.
  • Combine o horário de retorno à classe.
  • Estabeleça um tempo médio de 5 minutos de duração para a gravação de cada entrevista. Caso seja necessário, oriente os alunos a reduzirem a quantidade de perguntas, de forma que fique adequada ao tempo disponível.
  • Solicite às crianças que releiam as anotações feitas na tabela usada para avaliação da entrevista oral e peça que façam um novo ensaio, considerando os aspectos que precisam ser ajustados ou modificados.
  • Circule pela sala e auxilie a turma na revisão e finalização dos ensaios.

Materiais complementares:

Fonte: Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande, disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos (organizados da seguinte forma: 10 minutos para a realização e gravação da entrevista, 20 minutos para o registro de uma das perguntas da entrevista e montagem do jornal mural).

Orientações:

  • Relembre às crianças o horário combinado para o retorno à classe e acompanhe o trabalho, fazendo-se presente nos espaços onde estão sendo realizadas as entrevistas.
  • Passados 10 minutos, reúna os alunos novamente na sala de aula. É possível que estejam mais agitados neste momento, afinal, desta vez não foi mais um ensaio, mas a gravação da entrevista.

Caso considere oportuno, para retomar o clima de tranquilidade necessário à sequência das atividades, use algumas estratégias que costumam ser eficientes, como por exemplo: abordá-los em tom de voz descendente enquanto se movimenta pela sala, pedir que fechem os olhos por alguns minutos e propor um exercício de respiração.

  • Reorganize a classe de acordo com a duplas de trabalho.
  • Estabeleça com a turma quais critérios serão aplicados para a escolha do trecho da entrevista que será transcrito para compor o jornal mural.

Em relação à transcrição (retextualização) da entrevista, tenha em mente que, por ser uma atividade complexa, é importante planejar com antecedência quais critérios irão orientar a seleção do trecho a ser transcrito no jornal mural de modo a que o mesmo atenda aos objetivos estabelecidos para o seu trabalho (por exemplo, destacar as variações linguísticas presentes nas falas dos entrevistados ou estudar as diferenças entre a linguagem coloquial e a norma culta).

Nas palavras de Telma Ferraz Leal e Ana Gabriela Seal, a retextualização “é um tipo de intervenção didática muito profícua para o desenvolvimento de estratégias de compreensão de textos escritos (identificação de diferentes pontos de vista em textos escritos) e para a reflexão sobre a importância dos textos orais para a composição desses textos. Além disso, um trabalho muito rico pode ser exatamente o de desenvolver projetos ou sequências didáticas em que os estudantes tenham de escrever reportagens e notícias e, para isso, sejam desafiados a realizar entrevistas para coletar informações e selecionar trechos para inserir em suas matérias. Planejar as entrevistas, tendo os objetivos citados em mente, entrevistar as pessoas, analisar as entrevistas e usar dados coletados por meio de entrevistas no texto escrito são habilidades complexas que podem ajudar os estudantes a desenvolver muitas habilidades de leitura, escrita e oralidade”. (Leal & Seal apud Ferraz, T; Góis, S, 2012: 79)

Entregue uma folha para rascunho e uma folha com linhas para cada dupla e peça às crianças que escolham apenas uma das perguntas (com a respectiva resposta da entrevista) para integrar o jornal mural. Oriente-as a selecionarem a pergunta que esteja voltada para a ideia de conhecer e valorizar o entrevistado e que acreditam que irá despertar maior interesse nos leitores. Para imprimir as orientações, clique aqui.

  • Oriente os alunos durante a retomada da gravação da entrevista para a seleção do trecho a compor o jornal mural, esclarecendo dúvidas e instigando a reflexão dos alunos a respeito dos aspectos a serem observados.

Conforme o texto de Telma Ferraz Leal e Ana Gabriela Seal, “a tarefa de transformar uma entrevista oral em entrevista escrita é sem dúvida complexa. É preciso decidir quais aspectos da oralidade serão mantidos e quais serão alterados. Por exemplo, podemos optar por utilizar convenções gramaticais formais de marcação da concordância em trechos em que o entrevistado não pronunciou determinada flexão verbal. Tal decisão pode ser tomada por concebermos que tal modo de falar é típico do grupo social ao qual o entrevistado pertence e que os textos escritos, em geral, não reproduzem essa nuances de outros entrevistados, de outros grupos sociais. Além disso, podemos perceber que tal marcação não acrescentaria nada em relação aos efeitos de sentido a serem resgatados da entrevista. Por outro lado, podemos querer manter determinadas expressões ou hesitações, por marcarem momentos tensos da entrevista, ou podemos querer marcar um tom de voz mais suave, na tentativa de mostrar a sensibilidade do entrevistado para determinado tema tratado. Para tal, usaremos recursos gráficos diversos ou mesmo intercalaremos o texto do entrevistado com comentários do entrevistador. Em suma, alguns fenômenos da oralidade são mantidos e outros são apagados (...)” (Leal & Seal apud Ferraz, T; Góis, S, 2012: p. 82 e 83).

  • Na medida em que as duplas forem finalizando os textos, comece a montagem coletiva do jornal mural, auxiliando na diagramação do mesmo. Caso tenha havido registro fotográfico, oriente a melhor forma de dispor as fotografias junto aos textos.
  • Reserve um espaço do painel para comentários dos leitores sobre os conteúdos do jornal mural; essa é uma maneira de estimular a participação das pessoas, gerar interesse e envolvê-las em outros projetos futuros de leitura.
  • Deixe um espaço também também para a inserção de um breve texto coletivo a ser elaborado no fechamento desta aula.

Materiais complementares:

Retextualização, Maria Flor de Maio Barbosa Benfica. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/retextualizacao. Acesso em 20 de novembro de 2018.

Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande. Disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Fechamento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações:

  • Converse com os alunos sobre a experiência de entrevistar:
  • Ter as perguntas à mão facilitou a realização da entrevista? Vocês as consultaram? Conseguiram falar sem ler? Resposta pessoal.
  • Vocês fizeram anotações durante a entrevista? De que modo elas foram úteis? Resposta pessoal.
  • O que vocês aprenderam com este trabalho? Resposta pessoal.

2. Estimule as crianças a comentarem as suas experiências e elabore com elas um pequeno texto coletivo para ser colocado no jornal mural.

Materiais complementares:

Fonte: Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande, disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é décima segunda aula de uma sequência de 15 planos de aula com foco no gênero Reportagem e no campo de atuação Vida pública / Vida cotidiana / Estudo e Pesquisa. A aula faz parte do módulo de oralidade.

Materiais necessários: Computador com mídia, celular, gravador ou máquina fotográfica, lápis, borracha, caderno, quadro com giz (ou caneta), folhas com linhas para escrever as entrevistas, painel para montagem do jornal mural, tachinhas ou fita adesiva para fixação das entrevistas e fotos.

Informações sobre o gênero:

Cada vez mais valorizada no mundo atual, a expressão oral tem sido também considerada um critério de seleção na escolha de profissionais das mais variadas áreas de atuação. No entanto, sabemos que a desenvoltura na expressão oral espontânea não garante, necessariamente, o desenvolvimento de habilidades que favoreçam a atuação dos alunos em situações que contemplem as diversas práticas sociais e culturais de uso da fala. Desse modo, cabe à escola oferecer-lhes vivências que os ajudem a conhecer e se apropriar de gêneros orais que possuem estrutura, regras e procedimentos próprios, como por exemplo, a entrevista.

É importante salientar aqui algumas questões sobre o trabalho com gêneros orais em sala de aula:

- A primeira se refere à necessidade de desenvolver um olhar despido de preconceitos para as variações linguísticas, próprias de determinados grupos ou regiões. Não se trata de abrir mão de ensinar as formas típicas da oralidade “formal ou culta”, mas de valorizar e inserir no contexto da aprendizagem a língua falada na comunidade na qual o trabalho será desenvolvido.

- A segunda questão diz respeito à importância de ser ter clareza em relação às diferenças existentes entre uma entrevista oral e uma conversa coloquial. Uma entrevista exige preparação, tanto em relação ao conhecimento prévio sobre o assunto ou pessoa a ser a ser entrevistada, quanto ao fazer a escolha das palavras, de forma que as perguntas estejam de acordo com o objetivo pretendido, sejam coerentes e façam sentido. Além disso, a entrevista deve acontecer dentro de um tempo determinado, ao contrário da conversa coloquial, que não demanda planejamento de assunto ou linguagem, nem limitação de horário.

- A terceira refere-se às relações entre oralidade e escrita. É fato que a produção de uma entrevista oral tem sempre como apoio o texto escrito (um roteiro de perguntas e anotações durante as respostas do entrevistado), mas é importante levar em conta que a linguagem oral e a linguagem escrita estão em constante relação, sendo que há interferência dos elementos da oralidade, tanto na elaboração quanto na compreensão do texto escrito. Em outras palavras, para produzir e interpretar um texto escrito, a criança busca referências e significados na sua experiências de comunicação oral. Assim, cabe também à escola a função de integrar textos orais e escritos no ensino da língua.

Para finalizar, um último aspecto bastante significativo, levando-se em consideração que este plano de aula propõe a que gravação da entrevista planejada no plano de aula 11: a divulgação das declarações do entrevistado precisam ser autorizadas por ele, logo, é fundamental orientar os alunos em relação à responsabilidade do entrevistador quanto aos direitos do entrevistado na divulgação do conteúdo de uma entrevista.

Dificuldades antecipadas: As crianças que apresentam timidez em situações de exposição oral ou dificuldade de expressão podem, eventualmente, necessitar de apoio nas aulas propostas neste módulo, que aborda a oralidade. Algumas estratégias podem ser eficientes no planejamento das aulas, como por exemplo:

  • Pensar equipes de trabalho que contem com uma boa interação entre os alunos e onde as crianças que apresentam dificuldades possam ser acolhidas.
  • Estimular a participação oral dessas crianças e ajudá-las a elaborar suas ideias.
  • Valorizar as habilidades individuais na construção do trabalho coletivo, fortalecendo a autoestima e a união dos alunos.

Referências sobre o assunto:

DIONISIO, A. P.; MARCUSCHI, L. A. Fala e escrita. São Paulo: Autêntica, 2005. Disponível em: http://www.serdigital.com.br/gerenciador/clientes/ceel/arquivos/29.pdf. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Entrevistar para conhecer melhor, Rosangela Veliago. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/6019/entrevistar-para-conhecer-melhor. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Comunicação oral: gênero entrevista, Claudio Bazzoni. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=IopYU9RQID4. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Produção de textos orais, Cecília M.A. Goulart. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/producao-de-textos-orais. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Interação verbal, Luiz Carlos Travaglia. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/interacao-verbal. Acesso em 15 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos

Orientações:

  • Garanta que todos os alunos tenham providenciado os materiais para gravação da entrevista (celular, câmera fotográfica ou gravador, o roteiro com as perguntas para a entrevista, bloco de anotações, lápis ou caneta) antes de dar início à aula.
  • Solicite às crianças que, previamente, organizem-se nas duplas, de acordo com o entrevistado definido anteriormente.
  • Peça a um dos alunos que leia em voz alta o título da aula.
  • Converse com a turma sobre os objetivos do trabalho (realizar e gravar a entrevista, expor um pequeno trecho escrito da mesma em um jornal mural) e esclareça dúvidas.

A seleção dos entrevistados foi feita a partir do tema “Quem faz a sua escola” e a ideia é que o jornal mural funcione como uma maneira de apresentação, reconhecimento e valorização dessas pessoas, favorecendo a integração entre os alunos e a comunidade escolar. Igualmente importante, essa atividade objetiva que o trabalho produzido em sala de aula esteja inserido no dia a dia da escola como fonte de informação e possa gerar interesse pela leitura e por conhecer as pessoas que integram a instituição. Com relação à escolha do local onde será montado o jornal mural, dê preferência a um lugar que tenha visibilidade e onde ocorra a circulação do maior número possível de pessoas.

Além da exposição dos textos e fotos no jornal mural, você pode (com as devidas autorizações dos entrevistados):

  • Montar um arquivo com as entrevistas gravadas e disponibilizá-lo para consultas na biblioteca da escola.
  • Publicar as entrevistas no site ou outro meio informativo da escola.
  • Publicar as entrevistas no youtube.

Materiais complementares:

Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande. Disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos

Orientações:

  • Peça às duplas que se preparem para ir ao encontro do entrevistado:
  • Organizem seus materiais para a entrevista (perguntas, bloco para anotações, caneta ou lápis, celular, câmera ou gravador).
  • Façam ou revejam os combinados (quem irá gravar e/ou tirar fotos e quem fará o papel de entrevistador).
  • Testem o(s) equipamento(s) rapidamente para ter certeza de que tudo está funcionando bem.
  • Lembre os alunos de consultar o roteiro de perguntas sempre que necessário, falar com calma e se mostrarem gentis ao abordar o entrevistado.
  • Combine o horário de retorno à classe.
  • Estabeleça um tempo médio de 5 minutos de duração para a gravação de cada entrevista. Caso seja necessário, oriente os alunos a reduzirem a quantidade de perguntas, de forma que fique adequada ao tempo disponível.
  • Solicite às crianças que releiam as anotações feitas na tabela usada para avaliação da entrevista oral e peça que façam um novo ensaio, considerando os aspectos que precisam ser ajustados ou modificados.
  • Circule pela sala e auxilie a turma na revisão e finalização dos ensaios.

Materiais complementares:

Fonte: Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande, disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos (organizados da seguinte forma: 10 minutos para a realização e gravação da entrevista, 20 minutos para o registro de uma das perguntas da entrevista e montagem do jornal mural).

Orientações:

  • Relembre às crianças o horário combinado para o retorno à classe e acompanhe o trabalho, fazendo-se presente nos espaços onde estão sendo realizadas as entrevistas.
  • Passados 10 minutos, reúna os alunos novamente na sala de aula. É possível que estejam mais agitados neste momento, afinal, desta vez não foi mais um ensaio, mas a gravação da entrevista.

Caso considere oportuno, para retomar o clima de tranquilidade necessário à sequência das atividades, use algumas estratégias que costumam ser eficientes, como por exemplo: abordá-los em tom de voz descendente enquanto se movimenta pela sala, pedir que fechem os olhos por alguns minutos e propor um exercício de respiração.

  • Reorganize a classe de acordo com a duplas de trabalho.
  • Estabeleça com a turma quais critérios serão aplicados para a escolha do trecho da entrevista que será transcrito para compor o jornal mural.

Em relação à transcrição (retextualização) da entrevista, tenha em mente que, por ser uma atividade complexa, é importante planejar com antecedência quais critérios irão orientar a seleção do trecho a ser transcrito no jornal mural de modo a que o mesmo atenda aos objetivos estabelecidos para o seu trabalho (por exemplo, destacar as variações linguísticas presentes nas falas dos entrevistados ou estudar as diferenças entre a linguagem coloquial e a norma culta).

Nas palavras de Telma Ferraz Leal e Ana Gabriela Seal, a retextualização “é um tipo de intervenção didática muito profícua para o desenvolvimento de estratégias de compreensão de textos escritos (identificação de diferentes pontos de vista em textos escritos) e para a reflexão sobre a importância dos textos orais para a composição desses textos. Além disso, um trabalho muito rico pode ser exatamente o de desenvolver projetos ou sequências didáticas em que os estudantes tenham de escrever reportagens e notícias e, para isso, sejam desafiados a realizar entrevistas para coletar informações e selecionar trechos para inserir em suas matérias. Planejar as entrevistas, tendo os objetivos citados em mente, entrevistar as pessoas, analisar as entrevistas e usar dados coletados por meio de entrevistas no texto escrito são habilidades complexas que podem ajudar os estudantes a desenvolver muitas habilidades de leitura, escrita e oralidade”. (Leal & Seal apud Ferraz, T; Góis, S, 2012: 79)

Entregue uma folha para rascunho e uma folha com linhas para cada dupla e peça às crianças que escolham apenas uma das perguntas (com a respectiva resposta da entrevista) para integrar o jornal mural. Oriente-as a selecionarem a pergunta que esteja voltada para a ideia de conhecer e valorizar o entrevistado e que acreditam que irá despertar maior interesse nos leitores. Para imprimir as orientações, clique aqui.

  • Oriente os alunos durante a retomada da gravação da entrevista para a seleção do trecho a compor o jornal mural, esclarecendo dúvidas e instigando a reflexão dos alunos a respeito dos aspectos a serem observados.

Conforme o texto de Telma Ferraz Leal e Ana Gabriela Seal, “a tarefa de transformar uma entrevista oral em entrevista escrita é sem dúvida complexa. É preciso decidir quais aspectos da oralidade serão mantidos e quais serão alterados. Por exemplo, podemos optar por utilizar convenções gramaticais formais de marcação da concordância em trechos em que o entrevistado não pronunciou determinada flexão verbal. Tal decisão pode ser tomada por concebermos que tal modo de falar é típico do grupo social ao qual o entrevistado pertence e que os textos escritos, em geral, não reproduzem essa nuances de outros entrevistados, de outros grupos sociais. Além disso, podemos perceber que tal marcação não acrescentaria nada em relação aos efeitos de sentido a serem resgatados da entrevista. Por outro lado, podemos querer manter determinadas expressões ou hesitações, por marcarem momentos tensos da entrevista, ou podemos querer marcar um tom de voz mais suave, na tentativa de mostrar a sensibilidade do entrevistado para determinado tema tratado. Para tal, usaremos recursos gráficos diversos ou mesmo intercalaremos o texto do entrevistado com comentários do entrevistador. Em suma, alguns fenômenos da oralidade são mantidos e outros são apagados (...)” (Leal & Seal apud Ferraz, T; Góis, S, 2012: p. 82 e 83).

  • Na medida em que as duplas forem finalizando os textos, comece a montagem coletiva do jornal mural, auxiliando na diagramação do mesmo. Caso tenha havido registro fotográfico, oriente a melhor forma de dispor as fotografias junto aos textos.
  • Reserve um espaço do painel para comentários dos leitores sobre os conteúdos do jornal mural; essa é uma maneira de estimular a participação das pessoas, gerar interesse e envolvê-las em outros projetos futuros de leitura.
  • Deixe um espaço também também para a inserção de um breve texto coletivo a ser elaborado no fechamento desta aula.

Materiais complementares:

Retextualização, Maria Flor de Maio Barbosa Benfica. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/retextualizacao. Acesso em 20 de novembro de 2018.

Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande. Disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações:

  • Converse com os alunos sobre a experiência de entrevistar:
  • Ter as perguntas à mão facilitou a realização da entrevista? Vocês as consultaram? Conseguiram falar sem ler? Resposta pessoal.
  • Vocês fizeram anotações durante a entrevista? De que modo elas foram úteis? Resposta pessoal.
  • O que vocês aprenderam com este trabalho? Resposta pessoal.

2. Estimule as crianças a comentarem as suas experiências e elabore com elas um pequeno texto coletivo para ser colocado no jornal mural.

Materiais complementares:

Fonte: Experimente fazer um jornal mural, Paula Baracat de Grande, disponível em: http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/406/fazer-um-jornal-mural.html?pagina=1. Acesso em 11 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Oralidade do 5º ano :

MAIS AULAS DE Língua Portuguesa do 5º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF05LP15 da BNCC

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF35LP10 da BNCC

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF15LP13 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Língua Portuguesa

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano