17172
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > História > 6º ano > A invenção do mundo clássico e o contraponto com outras sociedades

Plano de aula - O conceito de clássico e suas ressignificações na História

Plano de aula de História com atividades para 6º ano do EF sobre O conceito de clássico e suas ressignificações na História

Plano 01 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Maiko Menassa 

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF06HI09, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cópias impressas dos textos, da tabela e das placas, projetor.

Material complementar:

Placas dos clássicos:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf

Tempestade de ideias (brainstorming):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf

Trechos de textos para análise do clássico:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf

Trecho do artigo: “Uma morfologia da História”:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf

Checklist da aula:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YBDB5ZxhhfcCk6HrxkhQtXCunxRp3vgjZ7a5hBawTQYmrpUagGbZ2agX6gev/his6-09und01-checklist-da-aula.pdf

O conceito de clássico, bem como o de História antiga, vem sendo revisto com frequência por estudiosos do assunto, embora a realidade do ensino de História na escolas ainda seja bastante tradicionalista nestas questões. Sabemos que a visão eurocêntrica para explicar estes fenômenos da historiografia pouco a pouco vem sendo superada por uma perspectiva mais alinhada às características de nossa sociedade. Este plano de aula foi elaborado de forma a contribuir com o entendimento destes conceitos pelos alunos, que se perceberão sujeitos da História ao se sentir parte da ressignificação destes conceitos na contemporaneidade. Portanto, evite antecipar informações aos alunos. Permita que, pouco a pouco, os estudantes desenvolvam ideias e questionamentos acerca do assunto.

Para você saber mais:

Sobre aspectos políticos na Antiguidade Clássica:

GUARINELLO, Norberto Luiz. Cidades-Estado na Antiguidade Clássica. In: PINSKY, Jaime e PINSKY, Carla Bassanezi (orgs.) História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2013. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=8dZnAwAAQBAJ&pg=PT31&lpg=PT31&dq=antiguidade+cl%C3%A1ssica+norberto+luiz+artigo&source=bl&ots=wda8-PK8DD&sig=ACfU3U0P7sj2wpD3bH6THmYYn3bpVNZ1qg&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwiVvo_pw4fhAhWZJbkGHWs-C-Q4HhDoATAAegQIBRAB#v=onepage&q=antiguidade%20cl%C3%A1ssica%20norberto%20luiz%20artigo&f=false. Acesso em: 16 mar. 2019.

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Resenha do livro História Antiga, de Norberto Luiz Guarinello:

COSTA, Alex Aparecido. Revisando a História Antiga: identidade, integração e outras abordagens contemporâneas. Disponível em: https://docplayer.com.br/70218417-Com-este-livro-norberto-luiz-guarinello-apresenta-um-panorama-da-historia-antiga.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de Antiguidade e sobre a História Antiga como disciplina:

BONFÁ, Douglas Cerdeira. Antiguidade, Identidade e os usos do passado. Disponível para baixar em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/download/2676/2090. Acesso em: 16 mar. 2019.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric e RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. p. 9-23. Disponível em: http://www.janduarte.com.br/textos/teoria/invencao_tradicoes.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

Infográfico sobre o Império Romano: início, apogeu e declínio:

Império Romano: de principio a fin. Disponível em: https://talleresquinto2013.files.wordpress.com/2013/10/roma.jpg. Acesso em: 16 mar. 2019.

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos.

Orientações: Projete, escreva no quadro ou leia o objetivo para a turma. É importante que você destaque que, no fim da aula, espera que os alunos tenham compreendido as transformações do conceito de clássico em diferentes tempos: desde a Antiguidade até a contemporaneidade.

Para você saber mais:

Sobre aspectos políticos na Antiguidade Clássica:

GUARINELLO, Norberto Luiz. Cidades-Estado na Antiguidade Clássica. In: PINSKY, Jaime e PINSKY, Carla Bassanezi (orgs.) História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2013. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=8dZnAwAAQBAJ&pg=PT31&lpg=PT31&dq=antiguidade+cl%C3%A1ssica+norberto+luiz+artigo&source=bl&ots=wda8-PK8DD&sig=ACfU3U0P7sj2wpD3bH6THmYYn3bpVNZ1qg&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwiVvo_pw4fhAhWZJbkGHWs-C-Q4HhDoATAAegQIBRAB#v=onepage&q=antiguidade%20cl%C3%A1ssica%20norberto%20luiz%20artigo&f=false. Acesso em: 16 mar. 2019.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem para a turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um flme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem à turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem para a turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem para a turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, peça para que leiam um trecho do artigo: “Uma morfologia da História”. O texto está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf. Em seguida, solicite que conversem entre si e procurem elaborar respostas para três questões que serão propostas, registrando suas resoluções no caderno. A expectativa para a primeira questão é que os alunos percebam que o “capítulo” da História humana, denominado História Antiga, tal como a conhecemos na narrativa tradicional, reflete as percepções de passado dos europeus renascentistas e não aquelas da nossa sociedade, e que, por isso, não representa com plenitude a História Antiga do mundo, nem a do Brasil. Para auxiliar o desenvolvimento desta ideia entre os alunos pergunte sobre quais povos da História Antiga já ouviram falar ou tiveram contato em livros, filmes etc. Caso os alunos mencionem aspectos do antigo mundo greco-romano, pergunte se já ouviram falar do antigo povo Shang, que habitou a China antiga; do antigo reino Kush da África ou mesmo das sociedades indígenas que habitavam o Brasil há dois mil anos. Questione-os em seguida, se apenas a cultura greco-romana representa a História antiga dos descendentes destes povos.

Durante a segunda questão, a expectativa é que os alunos consigam retomar a discussão sobre o conceito de “clássico”, unindo os estudos do presente texto com as reflexões da etapa anterior da aula e consigam compreender que o conceito sofreu metamorfoses ao longo da História, adquirindo significados diversos na contemporaneidade em relação ao contexto europeu da época do Renascimento. Para estimular o pensamento dos alunos nesta reflexão, pergunte se as características do “clássico” que os europeus renascentistas atribuíram para a Antiguidade greco-romana seria a mesma característica do “clássico” que o sanduíche X-Montanha ganhou, conforme estudamos na etapa anterior da aula. Questione-os se o fato de vivermos em
um contexto diferente muda a forma como entendemos um mesmo conceito.

Para a terceira questão, espera-se um bom nível de abstração por parte dos alunos, pois o desafio será estabelecer uma opinião, com base em todas as reflexões anteriores, sobre como seria uma Antiguidade Clássica voltada para fatos e conceitos mais próximos da nossa realidade, sem, contudo, desconsiderar a influência de aspectos da cultura greco-romana e de outros povos para a formação da nossa sociedade. Caso os alunos manifestem dificuldades em estabelecer uma opinião, pergunte se conhecem palavras, comidas ou tradições indígenas que estão incorporadas em nosso cotidiano. Questione-os se as sociedades indígenas que habitaram o Brasil há alguns milênios não deixaram legados importantes para a nossa sociedade, apesar de terem sido subjugados pelos conquistadores europeus. Questione-os, também, acerca de outros povos mediterrânicos que influenciaram e interagiram com o antigo mundo greco-romano e que, consequentemente, nos legaram aspectos de sua cultura.

Por fim, escolha três alunos de diferentes grupos para que, respectivamente, apresentem à turma suas resoluções para as três questões propostas.

Para você saber mais:

Resenha do livro História Antiga, de Norberto Luiz Guarinello:

COSTA, Alex Aparecido. Revisando a História Antiga: identidade, integração e outras abordagens contemporâneas. Disponível em: https://docplayer.com.br/70218417-Com-este-livro-norberto-luiz-guarinello-apresenta-um-panorama-da-historia-antiga.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de Antiguidade e sobre a História Antiga como disciplina:

BONFÁ, Douglas Cerdeira. Antiguidade, identidade e os usos do passado. Disponível para baixar em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/download/2676/2090. Acesso em: 16 mar. 2019.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric e RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. p. 9-23. Disponível em: http://www.janduarte.com.br/textos/teoria/invencao_tradicoes.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

Infográfico sobre o Império Romano: início, apogeu e declínio:

Imperio Romano: de principio a fin. Disponível em: https://talleresquinto2013.files.wordpress.com/2013/10/roma.jpg. Acesso em: 16 mar. 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, peça para que leiam um trecho do artigo: “Uma morfologia da História”. O texto está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf. Em seguida, solicite que conversem entre si e procurem elaborar respostas para três questões que serão propostas, registrando suas resoluções no caderno. A expectativa para a primeira questão é que os alunos percebam que o “capítulo” da História humana, denominado História Antiga, tal como a conhecemos na narrativa tradicional, reflete as percepções de passado dos europeus renascentistas e não aquelas da nossa sociedade e que, por isso, não representa com plenitude a História Antiga do mundo nem a do Brasil. Para auxiliar o desenvolvimento desta ideia entre os alunos pergunte sobre quais povos da História antiga já ouviram falar ou tiveram contato em livros, filmes etc. Caso os alunos mencionem aspectos do antigo mundo greco-romano, pergunte se já ouviram falar do antigo povo Shang, que habitou a China antiga; do antigo reino Kush da África ou mesmo das sociedades indígenas que habitavam o Brasil há dois mil anos. Questione-os em seguida, se apenas a cultura greco-romana representa a História Antiga dos descendentes destes povos.

Durante a segunda questão, a expectativa é que os alunos consigam retomar a discussão sobre o conceito de “clássico”, unindo os estudos do presente texto com as reflexões da etapa anterior da aula, e consigam compreender que o conceito sofreu metamorfoses ao longo da História, adquirindo significados diversos na contemporaneidade em relação ao contexto europeu da época do Renascimento. Para estimular o pensamento dos alunos nesta reflexão, pergunte se as características do “clássico” que os europeus renascentistas atribuíram para a Antiguidade greco-romana seria a mesma característica do “clássico” que o sanduíche X-Montanha ganhou, conforme estudamos na etapa anterior da aula. Questione-os se o fato de vivermos
em um contexto diferente muda a forma como entendemos um mesmo conceito.

Para a terceira questão, espera-se um bom nível de abstração por parte dos alunos, pois o desafio será estabelecer uma opinião, com base em todas as reflexões anteriores, sobre como seria uma Antiguidade Clássica voltada para fatos e conceitos mais próximos da nossa realidade, sem, contudo, desconsiderar a influência de aspectos da cultura greco-romana e de outros povos para a formação da nossa sociedade. Caso os alunos manifestem dificuldades em estabelecer uma opinião, pergunte se conhecem palavras, comidas ou tradições indígenas que estão incorporadas a nosso cotidiano. Questione-os se as sociedades indígenas que habitaram o Brasil há alguns milênios não deixaram legados importantes para a nossa sociedade, apesar de terem sido subjugados pelos conquistadores europeus. Questione-os, também, acerca de outros povos mediterrânicos que influenciaram e interagiram com o antigo mundo greco-romano e que, consequentemente, nos legaram aspectos de sua cultura.

Por fim, escolha três alunos de diferentes grupos para que, respectivamente, apresentem à turma suas resoluções para as três questões propostas.

Para você saber mais:

Resenha do livro História Antiga, de Norberto Luiz Guarinello:

COSTA, Alex Aparecido. Revisando a História Antiga: identidade, integração e outras abordagens contemporâneas. Disponível em: https://docplayer.com.br/70218417-Com-este-livro-norberto-luiz-guarinello-apresenta-um-panorama-da-historia-antiga.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de antiguidade e sobre a História Antiga como disciplina:

BONFÁ, Douglas Cerdeira. Antiguidade, identidade e os usos do passado. Disponível para baixar em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/download/2676/2090. Acesso em: 16 mar. 2019.

HOBSBAWM Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric e RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. p. 9-23. Disponível em: http://www.janduarte.com.br/textos/teoria/invencao_tradicoes.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

Infográfico sobre o Império Romano: início, apogeu e declínio:

Imperio Romano: de principio a fin. Disponível em: https://talleresquinto2013.files.wordpress.com/2013/10/roma.jpg. Acesso em: 16 mar. 2019.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos.

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, distribua aos grupos a Checklist da aula para que possam discutir e analisar os itens. A Checklist está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf. Oriente os alunos a ler com atenção cada item da tabela a fim de verificar o próprio conhecimento. Peça para que expliquem cada frase da lista aos colegas do grupo, ouvindo suas opiniões a respeito dos itens. Em seguida, oriente-os a ticar os itens discutidos que consideram compreendidos pelo grupo e a registrarem considerações coletivas nos cadernos.

Durante as discussões é importante que você circule pelos grupos para verificar se algum item da Checklist não foi compreendido pelos alunos. Pergunte se restaram dúvidas sobre o uso do conceito de clássico na contemporaneidade; se compreenderam as diferentes concepções a respeito de História Antiga, considerando-se as questões de tempo/espaço; e se conseguiram entender que as tradições mudam e com elas mudam preferências, entendimentos, valores e outras coisas que podem ser consideradas clássicas em determinado contexto.

No fim das discussões, escolha alguns alunos de diferentes grupos para ler um dos itens da checklist e explicar à turma o que compreenderam a respeito.

Para saber mais:

Nesta etapa da aula é importante que você conheça bem a definição do termo “invenção de tradição”. Segundo Hobsbawm e Ranger “Inventar tradições,
isto é assumido aqui, é essencialmente um processo de formalização e ritualização, caracterizado pela referência ao passado [...] [ressalte-se] para todas
as tradições inventadas, é importante notar que, tanto quanto seja possível, elas usam a história como legitimadora de ações e cimento da coesão grupal”. HOBSBAWM, Eric ; RANGER, Terence. The invention of tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 1983, p.12.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, distribua aos grupos a Checklist da aula para que possam discutir e analisar os itens. A Checklist está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YBDB5ZxhhfcCk6HrxkhQtXCunxRp3vgjZ7a5hBawTQYmrpUagGbZ2agX6gev/his6-09und01-checklist-da-aula.pdf. Oriente os alunos a ler com atenção cada item da tabela a fim de verificar o próprio conhecimento. Peça para que expliquem cada frase da lista aos colegas do grupo, ouvindo suas opiniões a respeito dos itens. Em seguida, oriente-os a ticar os itens discutidos que consideram compreendidos pelo grupo e a registrarem considerações coletivas nos cadernos.

Durante as discussões é importante que você circule pelos grupos para verificar se algum item da Checklist não foi compreendido pelos alunos. Pergunte
se restaram dúvidas sobre o uso do conceito de clássico na contemporaneidade; se compreenderam as diferentes concepções a respeito de História Antiga, considerando-se as questões de tempo/espaço; e se conseguiram entender que as tradições mudam e com elas mudam preferências, entendimentos, valores e outras coisas que podem ser consideradas clássicas em determinado contexto.

No fim das discussões, escolha alguns alunos de diferentes grupos para ler um dos itens da checklist e explicar para a turma o que compreenderam a respeito.

Para saber mais:

Nesta etapa da aula é importante que você conheça bem a definição do termo “invenção de tradição”. Segundo Hobsbawm e Ranger “Inventar tradições,
isto é assumido aqui, é essencialmente um processo de formalização e ritualização, caracterizado pela referência ao passado [...] [ressalte-se] para todas as tradições inventadas, é importante notar que, tanto quanto seja possível, elas usam a história como legitimadora de ações e cimento da coesão grupal”. HOBSBAWM, Eric ; RANGER, Terence. The invention of tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 1983, p.12.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF06HI09, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cópias impressas dos textos, da tabela e das placas, projetor.

Material complementar:

Placas dos clássicos:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf

Tempestade de ideias (brainstorming):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf

Trechos de textos para análise do clássico:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf

Trecho do artigo: “Uma morfologia da História”:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf

Checklist da aula:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YBDB5ZxhhfcCk6HrxkhQtXCunxRp3vgjZ7a5hBawTQYmrpUagGbZ2agX6gev/his6-09und01-checklist-da-aula.pdf

O conceito de clássico, bem como o de História antiga, vem sendo revisto com frequência por estudiosos do assunto, embora a realidade do ensino de História na escolas ainda seja bastante tradicionalista nestas questões. Sabemos que a visão eurocêntrica para explicar estes fenômenos da historiografia pouco a pouco vem sendo superada por uma perspectiva mais alinhada às características de nossa sociedade. Este plano de aula foi elaborado de forma a contribuir com o entendimento destes conceitos pelos alunos, que se perceberão sujeitos da História ao se sentir parte da ressignificação destes conceitos na contemporaneidade. Portanto, evite antecipar informações aos alunos. Permita que, pouco a pouco, os estudantes desenvolvam ideias e questionamentos acerca do assunto.

Para você saber mais:

Sobre aspectos políticos na Antiguidade Clássica:

GUARINELLO, Norberto Luiz. Cidades-Estado na Antiguidade Clássica. In: PINSKY, Jaime e PINSKY, Carla Bassanezi (orgs.) História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2013. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=8dZnAwAAQBAJ&pg=PT31&lpg=PT31&dq=antiguidade+cl%C3%A1ssica+norberto+luiz+artigo&source=bl&ots=wda8-PK8DD&sig=ACfU3U0P7sj2wpD3bH6THmYYn3bpVNZ1qg&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwiVvo_pw4fhAhWZJbkGHWs-C-Q4HhDoATAAegQIBRAB#v=onepage&q=antiguidade%20cl%C3%A1ssica%20norberto%20luiz%20artigo&f=false. Acesso em: 16 mar. 2019.

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Resenha do livro História Antiga, de Norberto Luiz Guarinello:

COSTA, Alex Aparecido. Revisando a História Antiga: identidade, integração e outras abordagens contemporâneas. Disponível em: https://docplayer.com.br/70218417-Com-este-livro-norberto-luiz-guarinello-apresenta-um-panorama-da-historia-antiga.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de Antiguidade e sobre a História Antiga como disciplina:

BONFÁ, Douglas Cerdeira. Antiguidade, Identidade e os usos do passado. Disponível para baixar em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/download/2676/2090. Acesso em: 16 mar. 2019.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric e RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. p. 9-23. Disponível em: http://www.janduarte.com.br/textos/teoria/invencao_tradicoes.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

Infográfico sobre o Império Romano: início, apogeu e declínio:

Império Romano: de principio a fin. Disponível em: https://talleresquinto2013.files.wordpress.com/2013/10/roma.jpg. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos.

Orientações: Projete, escreva no quadro ou leia o objetivo para a turma. É importante que você destaque que, no fim da aula, espera que os alunos tenham compreendido as transformações do conceito de clássico em diferentes tempos: desde a Antiguidade até a contemporaneidade.

Para você saber mais:

Sobre aspectos políticos na Antiguidade Clássica:

GUARINELLO, Norberto Luiz. Cidades-Estado na Antiguidade Clássica. In: PINSKY, Jaime e PINSKY, Carla Bassanezi (orgs.) História da cidadania. São Paulo: Contexto, 2013. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=8dZnAwAAQBAJ&pg=PT31&lpg=PT31&dq=antiguidade+cl%C3%A1ssica+norberto+luiz+artigo&source=bl&ots=wda8-PK8DD&sig=ACfU3U0P7sj2wpD3bH6THmYYn3bpVNZ1qg&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwiVvo_pw4fhAhWZJbkGHWs-C-Q4HhDoATAAegQIBRAB#v=onepage&q=antiguidade%20cl%C3%A1ssica%20norberto%20luiz%20artigo&f=false. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem para a turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um flme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem à turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem para a turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Para começar, solicite que os alunos se reúnam em trios. Para iniciar o envolvimento dos alunos na temática da aula, projete ou imprima para a turma as Placas dos clássicos. Caso prefira imprimir, as placas estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/k8zjSbzqePQf4Tm83DXZauwTG9BpmFAzx2huGK8945byh59mStaDxc95yFwf/his6-09und01-placas-dos-classicos.pdf. Apresente para a turma as placas, uma de cada vez, e proponha para que pensem se já ouviram falar a respeito daqueles termos: “clássicos de futebol”, “música clássica”, “clássico do cinema” e “arquitetura clássica”. Em seguida, pergunte o que aquelas palavras têm em comum. A expectativa é que rapidamente os alunos identifiquem o termo “clássico” como fator comum. Em seguida, pergunte se conhecem outras palavras que são comumente acompanhadas daquele termo. Na sequência, a fim de levantar conhecimentos prévios, proponha uma Tempestade de ideias (brainstorming) a respeito do conceito de clássico. Desenhe, projete ou imprima uma forma com a palavra “clássico” no centro e solicite aos alunos para que falem tudo o que consideram pertinente àquela palavra. Caso prefira imprimir a forma para a Tempestade de ideias, clique aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vFVdTEN4vpQcUFCtyGfcjb7hU5g2PBmPfZyJJfzp8BRxY9weXzHWb9mFybam/his6-09und01-tempestade-de-ideias.pdf. Após os registros das ideias dos alunos, mantenha as palavras em um local visível para que os alunos percebam sua evolução no decorrer da aula.

Proponha aos alunos a leitura dos Trechos de textos para análise do clássico. Os textos estão disponíveis aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/PP2PgbC6ptgvykv7DWczDZjYWzUcAQWCsZXkk3dPFSQWjDX9fqVfkkTh8YxJ/his6-09und01-textos-para-analise-do-classico.pdf. Em seguida, proponha aos alunos que conversem entre si e procurem elaborar uma resposta coletiva no caderno para duas questões. A expectativa para a primeira questão é que os alunos consigam estabelecer uma diferença entre o conceito de clássico definido para a Grécia e Roma Antiga e o conceito de clássico utilizado para diversos elementos do nosso tempo. Caso os alunos tenham dificuldades na questão, pergunte acreditam que quem atribuiu muita importância para aspectos da cultura greco-romana atribuiria o mesmo valor para um jogo de futebol ou uma música, que hoje são chamados de clássicos. A expectativa para a segunda questão é que os alunos consigam compreender o caráter efêmero do conceito de clássico na atualidade, ligando-o às tradições e costumes que, com o tempo, podem sofrer transformações. Caso os alunos tenham dificuldades nesta questão, pergunte se as pessoas deixam de gostar de certas coisas do cotidiano: comidas, roupas, perfumes, gêneros de filmes etc., que são considerados clássicos. Ofereça um exemplo, citando o sanduíche “X-Montanha” mencionado no Texto 2. Pergunte se ele ainda seria considerado um clássico se a empresa que o produz o substituísse por um alimento mais interessante, gostoso ou atraente.

Em seguida, escolha dois alunos de diferentes trios para que, respectivamente, apresentem para a turma suas resoluções para as duas questões propostas.

Para você saber mais:

Breve definição sobre música clássica:

COLARUSSO, Osvaldo. Música clássica música erudita? Qual termo é o mais correto? Gazeta do Povo. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/musica-classica-musica-erudita-qual-termo-e-o-mais-correto/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de clássico na cinematografia:

FENO, Dani e FERLA, Natasha. O que faz um filme ser um clássico. Capitolina. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/o-que-faz-um-filme-ser-um-classico/. Acesso em: 16 mar. 2019.

Artigo sobre o classicismo e o neoclassicismo na arquitetura:

MEDEIROS, Adriana. Fragmentos da arte clássica no espelho do século XIX: uma alusão à arquitetura. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/viewFile/7684/5548. Acesso em: 16 mar. 2019.

Exemplos de clássicos do futebol motivados por questões políticas e históricas:

Futebol: rivalidade em alguns clássicos do esporte. Curiosidade. O Povo online. Disponível em: https://www20.opovo.com.br/app/revistas/social/2018/09/24/notrsocial,3681477/rivalidades-no-futebol.shtml. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, peça para que leiam um trecho do artigo: “Uma morfologia da História”. O texto está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf. Em seguida, solicite que conversem entre si e procurem elaborar respostas para três questões que serão propostas, registrando suas resoluções no caderno. A expectativa para a primeira questão é que os alunos percebam que o “capítulo” da História humana, denominado História Antiga, tal como a conhecemos na narrativa tradicional, reflete as percepções de passado dos europeus renascentistas e não aquelas da nossa sociedade, e que, por isso, não representa com plenitude a História Antiga do mundo, nem a do Brasil. Para auxiliar o desenvolvimento desta ideia entre os alunos pergunte sobre quais povos da História Antiga já ouviram falar ou tiveram contato em livros, filmes etc. Caso os alunos mencionem aspectos do antigo mundo greco-romano, pergunte se já ouviram falar do antigo povo Shang, que habitou a China antiga; do antigo reino Kush da África ou mesmo das sociedades indígenas que habitavam o Brasil há dois mil anos. Questione-os em seguida, se apenas a cultura greco-romana representa a História antiga dos descendentes destes povos.

Durante a segunda questão, a expectativa é que os alunos consigam retomar a discussão sobre o conceito de “clássico”, unindo os estudos do presente texto com as reflexões da etapa anterior da aula e consigam compreender que o conceito sofreu metamorfoses ao longo da História, adquirindo significados diversos na contemporaneidade em relação ao contexto europeu da época do Renascimento. Para estimular o pensamento dos alunos nesta reflexão, pergunte se as características do “clássico” que os europeus renascentistas atribuíram para a Antiguidade greco-romana seria a mesma característica do “clássico” que o sanduíche X-Montanha ganhou, conforme estudamos na etapa anterior da aula. Questione-os se o fato de vivermos em
um contexto diferente muda a forma como entendemos um mesmo conceito.

Para a terceira questão, espera-se um bom nível de abstração por parte dos alunos, pois o desafio será estabelecer uma opinião, com base em todas as reflexões anteriores, sobre como seria uma Antiguidade Clássica voltada para fatos e conceitos mais próximos da nossa realidade, sem, contudo, desconsiderar a influência de aspectos da cultura greco-romana e de outros povos para a formação da nossa sociedade. Caso os alunos manifestem dificuldades em estabelecer uma opinião, pergunte se conhecem palavras, comidas ou tradições indígenas que estão incorporadas em nosso cotidiano. Questione-os se as sociedades indígenas que habitaram o Brasil há alguns milênios não deixaram legados importantes para a nossa sociedade, apesar de terem sido subjugados pelos conquistadores europeus. Questione-os, também, acerca de outros povos mediterrânicos que influenciaram e interagiram com o antigo mundo greco-romano e que, consequentemente, nos legaram aspectos de sua cultura.

Por fim, escolha três alunos de diferentes grupos para que, respectivamente, apresentem à turma suas resoluções para as três questões propostas.

Para você saber mais:

Resenha do livro História Antiga, de Norberto Luiz Guarinello:

COSTA, Alex Aparecido. Revisando a História Antiga: identidade, integração e outras abordagens contemporâneas. Disponível em: https://docplayer.com.br/70218417-Com-este-livro-norberto-luiz-guarinello-apresenta-um-panorama-da-historia-antiga.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de Antiguidade e sobre a História Antiga como disciplina:

BONFÁ, Douglas Cerdeira. Antiguidade, identidade e os usos do passado. Disponível para baixar em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/download/2676/2090. Acesso em: 16 mar. 2019.

HOBSBAWM, Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric e RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. p. 9-23. Disponível em: http://www.janduarte.com.br/textos/teoria/invencao_tradicoes.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

Infográfico sobre o Império Romano: início, apogeu e declínio:

Imperio Romano: de principio a fin. Disponível em: https://talleresquinto2013.files.wordpress.com/2013/10/roma.jpg. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, peça para que leiam um trecho do artigo: “Uma morfologia da História”. O texto está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf. Em seguida, solicite que conversem entre si e procurem elaborar respostas para três questões que serão propostas, registrando suas resoluções no caderno. A expectativa para a primeira questão é que os alunos percebam que o “capítulo” da História humana, denominado História Antiga, tal como a conhecemos na narrativa tradicional, reflete as percepções de passado dos europeus renascentistas e não aquelas da nossa sociedade e que, por isso, não representa com plenitude a História Antiga do mundo nem a do Brasil. Para auxiliar o desenvolvimento desta ideia entre os alunos pergunte sobre quais povos da História antiga já ouviram falar ou tiveram contato em livros, filmes etc. Caso os alunos mencionem aspectos do antigo mundo greco-romano, pergunte se já ouviram falar do antigo povo Shang, que habitou a China antiga; do antigo reino Kush da África ou mesmo das sociedades indígenas que habitavam o Brasil há dois mil anos. Questione-os em seguida, se apenas a cultura greco-romana representa a História Antiga dos descendentes destes povos.

Durante a segunda questão, a expectativa é que os alunos consigam retomar a discussão sobre o conceito de “clássico”, unindo os estudos do presente texto com as reflexões da etapa anterior da aula, e consigam compreender que o conceito sofreu metamorfoses ao longo da História, adquirindo significados diversos na contemporaneidade em relação ao contexto europeu da época do Renascimento. Para estimular o pensamento dos alunos nesta reflexão, pergunte se as características do “clássico” que os europeus renascentistas atribuíram para a Antiguidade greco-romana seria a mesma característica do “clássico” que o sanduíche X-Montanha ganhou, conforme estudamos na etapa anterior da aula. Questione-os se o fato de vivermos
em um contexto diferente muda a forma como entendemos um mesmo conceito.

Para a terceira questão, espera-se um bom nível de abstração por parte dos alunos, pois o desafio será estabelecer uma opinião, com base em todas as reflexões anteriores, sobre como seria uma Antiguidade Clássica voltada para fatos e conceitos mais próximos da nossa realidade, sem, contudo, desconsiderar a influência de aspectos da cultura greco-romana e de outros povos para a formação da nossa sociedade. Caso os alunos manifestem dificuldades em estabelecer uma opinião, pergunte se conhecem palavras, comidas ou tradições indígenas que estão incorporadas a nosso cotidiano. Questione-os se as sociedades indígenas que habitaram o Brasil há alguns milênios não deixaram legados importantes para a nossa sociedade, apesar de terem sido subjugados pelos conquistadores europeus. Questione-os, também, acerca de outros povos mediterrânicos que influenciaram e interagiram com o antigo mundo greco-romano e que, consequentemente, nos legaram aspectos de sua cultura.

Por fim, escolha três alunos de diferentes grupos para que, respectivamente, apresentem à turma suas resoluções para as três questões propostas.

Para você saber mais:

Resenha do livro História Antiga, de Norberto Luiz Guarinello:

COSTA, Alex Aparecido. Revisando a História Antiga: identidade, integração e outras abordagens contemporâneas. Disponível em: https://docplayer.com.br/70218417-Com-este-livro-norberto-luiz-guarinello-apresenta-um-panorama-da-historia-antiga.html. Acesso em: 16 mar. 2019.

Análise sobre o conceito de antiguidade e sobre a História Antiga como disciplina:

BONFÁ, Douglas Cerdeira. Antiguidade, identidade e os usos do passado. Disponível para baixar em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/download/2676/2090. Acesso em: 16 mar. 2019.

HOBSBAWM Eric. Introdução: A invenção das tradições. In: HOBSBAWM, Eric e RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. p. 9-23. Disponível em: http://www.janduarte.com.br/textos/teoria/invencao_tradicoes.pdf. Acesso em: 16 mar. 2019.

Infográfico sobre o Império Romano: início, apogeu e declínio:

Imperio Romano: de principio a fin. Disponível em: https://talleresquinto2013.files.wordpress.com/2013/10/roma.jpg. Acesso em: 16 mar. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos.

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, distribua aos grupos a Checklist da aula para que possam discutir e analisar os itens. A Checklist está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vBftxAGXev9NaMSAm5q3mgDAWGSjMzYEsKsX2GDGmc8HgktUNY5WwqVtES2X/his6-09und01-trecho-do-artigo-uma-morfologia-da-historia.pdf. Oriente os alunos a ler com atenção cada item da tabela a fim de verificar o próprio conhecimento. Peça para que expliquem cada frase da lista aos colegas do grupo, ouvindo suas opiniões a respeito dos itens. Em seguida, oriente-os a ticar os itens discutidos que consideram compreendidos pelo grupo e a registrarem considerações coletivas nos cadernos.

Durante as discussões é importante que você circule pelos grupos para verificar se algum item da Checklist não foi compreendido pelos alunos. Pergunte se restaram dúvidas sobre o uso do conceito de clássico na contemporaneidade; se compreenderam as diferentes concepções a respeito de História Antiga, considerando-se as questões de tempo/espaço; e se conseguiram entender que as tradições mudam e com elas mudam preferências, entendimentos, valores e outras coisas que podem ser consideradas clássicas em determinado contexto.

No fim das discussões, escolha alguns alunos de diferentes grupos para ler um dos itens da checklist e explicar à turma o que compreenderam a respeito.

Para saber mais:

Nesta etapa da aula é importante que você conheça bem a definição do termo “invenção de tradição”. Segundo Hobsbawm e Ranger “Inventar tradições,
isto é assumido aqui, é essencialmente um processo de formalização e ritualização, caracterizado pela referência ao passado [...] [ressalte-se] para todas
as tradições inventadas, é importante notar que, tanto quanto seja possível, elas usam a história como legitimadora de ações e cimento da coesão grupal”. HOBSBAWM, Eric ; RANGER, Terence. The invention of tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 1983, p.12.

Slide Plano Aula

Orientações: Com os alunos ainda reunidos em trios, distribua aos grupos a Checklist da aula para que possam discutir e analisar os itens. A Checklist está disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YBDB5ZxhhfcCk6HrxkhQtXCunxRp3vgjZ7a5hBawTQYmrpUagGbZ2agX6gev/his6-09und01-checklist-da-aula.pdf. Oriente os alunos a ler com atenção cada item da tabela a fim de verificar o próprio conhecimento. Peça para que expliquem cada frase da lista aos colegas do grupo, ouvindo suas opiniões a respeito dos itens. Em seguida, oriente-os a ticar os itens discutidos que consideram compreendidos pelo grupo e a registrarem considerações coletivas nos cadernos.

Durante as discussões é importante que você circule pelos grupos para verificar se algum item da Checklist não foi compreendido pelos alunos. Pergunte
se restaram dúvidas sobre o uso do conceito de clássico na contemporaneidade; se compreenderam as diferentes concepções a respeito de História Antiga, considerando-se as questões de tempo/espaço; e se conseguiram entender que as tradições mudam e com elas mudam preferências, entendimentos, valores e outras coisas que podem ser consideradas clássicas em determinado contexto.

No fim das discussões, escolha alguns alunos de diferentes grupos para ler um dos itens da checklist e explicar para a turma o que compreenderam a respeito.

Para saber mais:

Nesta etapa da aula é importante que você conheça bem a definição do termo “invenção de tradição”. Segundo Hobsbawm e Ranger “Inventar tradições,
isto é assumido aqui, é essencialmente um processo de formalização e ritualização, caracterizado pela referência ao passado [...] [ressalte-se] para todas as tradições inventadas, é importante notar que, tanto quanto seja possível, elas usam a história como legitimadora de ações e cimento da coesão grupal”. HOBSBAWM, Eric ; RANGER, Terence. The invention of tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 1983, p.12.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE A invenção do mundo clássico e o contraponto com outras sociedades do 6º ano :

6º ano / História / A invenção do mundo clássico e o contraponto com outras sociedades

6º ano / História / A invenção do mundo clássico e o contraponto com outras sociedades

6º ano / História / A invenção do mundo clássico e o contraponto com outras sociedades

6º ano / História / A invenção do mundo clássico e o contraponto com outras sociedades

MAIS AULAS DE História do 6º ano:

6º ano / História / História: tempo, espaço e formas de registros

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF06HI09 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano