14238
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Atividade - Brincando com os colegas

POR: Roselaine Pontes de Almeida 30/11/2018
Código: EDI2_13UND05

2º ano / Educação Infantil

Atividade alinhada à BNCC:

(EI02CG03) Explorar formas de deslocamento no espaço (pular, saltar, dançar), combinando movimentos e seguindo orientações.

(EI02CG01) Apropriar-se de gestos e movimentos de sua cultura no cuidado de si e nos jogos e brincadeiras.

Plano de atividade de Educação Infantil com atividades para Crianças bem Pequenas sobre a criatividade e construção de brinquedos

Resumo

ilustracao

Nesta atividade, as crianças irão compartilhar brinquedos construídos por elas mesmas em um momento anterior.

O que fazer antes?

Contextos prévios:

Este plano faz parte de uma sequência de cinco, por isso, para realizar esta atividade, é importante ter realizado a proposta EDI2_13UND04. Os planos desta sequência são:

Brincadeiras com diferentes elementos da natureza (link)

Brincadeiras de outras culturas (link)

Brincadeiras de outras épocas (link)

Construido o próprio brinquedo (link)

Brincando com os colegas (link)

Materiais:

Brinquedos diversos que tenham sido construídos pelas próprias crianças. É importante garantir variedade de tipos, formatos e materiais, de forma a enriquecer a experiência das interações e do brincar.

Espaços:

Esta atividade pode ser realizada em ambiente interno (sala do grupo) ou externo (quintal, jardim, quadra). Inicialmente, todo o grupo de crianças será organizado em roda. Depois, elas naturalmente se organizarão em pequenos grupos, conforme as escolhas pessoais.

Tempo sugerido:

Aproximadamente 45 minutos.

Perguntas para guiar suas observações:

1. Quais brincadeiras as crianças realizam com os brinquedos disponíveis? Como utilizam o corpo nessa experiência?

2. Quais sentimentos a experiência de partilhar o brinquedo provoca nas crianças? Como é possível perceber isso?

3. As crianças exploram diferentes espaços durante a brincadeira? Elas combinam movimentos e seguem orientações que enriquecem o brincar? De que modo é possível perceber isso?


Para incluir todos:

Identifique barreiras físicas, comunicacionais ou relacionais que podem impedir que uma criança ou o grupo participe e aprenda. Reflita e proponha apoios para atender às necessidades e às diferenças de cada criança ou do grupo. Ajude quem demonstra dificuldade em partilhar o brinquedo ou quem não interage com outras crianças. Respeite as preferências das crianças na escolha dos parceiros de brincadeira.

O que fazer durante?

1

Peça para as crianças pegarem os brinquedos e convide todo o grupo para se sentar em roda com você. Relembre a atividade de confecção dos brinquedos e solicite que cada criança mostre seu brinquedo. Incentive-as a contar como foi construir esse brinquedo e o que ele significa para ela. Peça para que mostrem como ele é, o que faz ou como funciona. Em seguida, conte como será a atividade de hoje.


2

Comunique às crianças que chegou a hora de brincar e diga que, para isso, elas podem se dividir em pequenos grupos. Conte que elas poderão brincar de forma livre e escolher com quais colegas querem brincar. Oriente para a possibilidade de as crianças conhecerem novos brinquedos e sobre a importância de cuidar daquilo que não é delas. Incentive-as a partilhar os brinquedos.


3

Conforme as crianças forem brincando, observe se elas partilham os brinquedos e se constroem brincadeiras coletivas. Registre as ações das crianças por meio de anotações, vídeos e fotografias. Alguma delas pode apresentar dificuldade de partilhar o brinquedo porque talvez ele funcione como um objeto transicional (algo que ela tem apego e construiu um laço afetivo, pois a deixa segura quando está com ele). Respeite e acolha a criança.

Possíveis ações do professor neste momento: Ao observar que uma criança apresenta dificuldade em partilhar o brinquedo, acolha a criança e respeite sua escolha. Caso seja convidado por alguma criança, você pode brincar junto, mostrando o quanto pode ser prazeroso compartilhar um mesmo brinquedo e construir brincadeiras coletivas.


4

Conforme as crianças forem brincando, observe se elas percebem que suas atitudes têm consequências (se eu empresto meu brinquedo, pode ser que o outro também me empreste o dele, se não empresto, é provável que meu colega não me deixe pegar emprestado), se demonstram atitudes de cuidado com os colegas e com os brinquedos deles.

Possíveis ações das crianças neste momento: Alguma criança pode mudar de ideia ao ver que seu colega fez cara triste quando ele não quis emprestar seu brinquedo. Outra criança pode sorrir quando perceber que seu colega ficou animado em poder brincar com seu brinquedo, manifestando de diferentes formas a percepção de que as atitudes têm consequências.


5

Chame a atenção das crianças para o fato de que as pessoas têm características diversas, por isso, podem querer brincar de formas diferentes. Uns podem preferir brincadeiras que combinem movimentos, outros podem gostar de explorar formas de deslocamento no espaço, outros podem apreciar mais o jogo simbólico. Valorize a diversidade de características presentes nos grupos de alunos, orientando para que percebam como cada brincadeira pode ser divertida, quando há respeito e partilha.


6

Durante a atividade, é possível que algumas crianças não demonstrem envolvimento com a proposta e outras podem ficar cansadas e não querer mais brincar, buscando parar a atividade antes da sua finalização. Nesse caso, respeite o sentimento da criança e permita que ela possa se afastar do grupo com o qual estava brincando. Solicite que observe a brincadeira dos colegas e verifique se tudo bem ela deixar o brinquedo com os colegas. Incentive-a a fazer isso. Como a proposta é a brincadeira coletiva, não é interessante que a criança saia do grupo e vá brincar sozinha.


Para finalizar:

Conforme o tempo da atividade for acabando, avise a todos que em cinco minutos vocês se reunirão em roda, por isso, precisam finalizar o que estão fazendo. Se alguma criança apresentar resistência em finalizar a brincadeira, esclareça que não ela precisa ainda guardar o brinquedo e que poderá segurá-lo durante a conversa. Reúna todo o grupo de crianças em roda e peça para as crianças contem como foi a experiência: quais brincadeiras inventaram, como se sentiram ao dividir seu brinquedo, o que sentiram quando um amigo partilhou o brinquedo com elas. Depois, peça para que guardem os brinquedos.

Desdobramentos

O reencontro com a mesma proposta é fundamental, como garantia da continuidade das ações exploratórias. Proponha a outros professores o agrupamento de turmas para a execução da mesma atividade, assim, as crianças terão oportunidade de interagir com colegas de diferentes turmas e idades, podendo trocar suas experiências e repertórios.

Engajando as famílias

Compartilhe alguns registros da atividade com as famílias. Você pode montar um mural na própria escola, para que os familiares vejam fotos e outras notícias relacionadas às propostas trabalhadas ou criar um “correio para famílias”, deixando na porta da sala do grupo um portfólio (caderno, pasta) com registros das atividades (Para se inspirar, assista ao vídeo “Visita à creche inspirada em Reggio Emilia”, disponível em Também é possível utilizar a tecnologia para enviar fotos e vídeos. A ideia é comunicar sobre a atividade e sobre as diferentes reações e construções de brincadeiras entre as crianças observadas a partir da partilha de brinquedos.


Este plano de atividade foi elaborado pelo Time de Autores NOVA ESCOLA

Autora:  Roselaine Pontes de Almeida

Mentora: Vládia Maria Eulálio Raposo Freire Pires

Especialista do subgrupo etário: Karina Rizek

Sugestão de idade: 3 anos

Campos de Experiência:  Corpo, gestos e movimentos.

Objetivos e códigos da Base:

(EI02CG01) Apropriar-se de gestos e movimentos de sua cultura no cuidado de si e nos jogos e brincadeiras.

(EI02CG03) Explorar formas de deslocamento no espaço (pular, saltar, dançar), combinando movimentos e seguindo orientações.

Abordagem didática: A brincadeira é uma estratégia utilizada pelas crianças para conhecer o mundo e dar significado a ele. Por isso, atividades que envolvam, além da brincadeira propriamente dita, conversas, pesquisas e interações sobre o tema podem gerar aprendizagens de diferentes campos de experiências e ampliar os conhecimentos sobre os brinquedos e as brincadeiras de culturas diferentes. Essas propostas podem integrar momentos mais dirigidos, com outros de livre escolha.

Apoiador Técnico


Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

ATIVIDADES DESSA UNIDADE:

ATIVIDADES DESSA DISCIPLINA:

ATIVIDADES RELACIONADAS:

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes