13346
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Atividade - Danças, balanços e acalantos

POR: Tamira Paula Torres Martins 30/11/2018
Código: EDI1_09UND01

1º ano / Educação Infantil

Atividade alinhada à BNCC:

(EI01TS03) Explorar diferentes fontes sonoras e materiais para acompanhar brincadeiras cantadas, canções, músicas e melodias.

(EI01EO05) Reconhecer seu corpo e expressar suas sensações em momentos de alimentação, higiene, brincadeira e descanso.

(EI01CG01) Movimentar as partes do corpo para exprimir corporalmente emoções, necessidades e desejos.

Plano de atividade de Educação Infantil com atividades para Bebês sobre Exploração de diferentes fontes sonoras e reconhecimento de seu corpo

Resumo

ilustracao

Diferentes sons, provocados pelo professor ou pelos bebês, levam todos dançar, cada um do seu jeito.

O que fazer antes?

Contextos prévios:

Para esta atividade é importante realizar uma pesquisa junto às famílias dos bebês sobre os acalantos que os embalam nos diversos momentos do cotidiano. Para isso, elabore um impresso compartilhando a ideia desta proposta que, neste caso, é propiciar no contexto escolar momentos prazerosos com a dança e com a música que remetam à vivência cultural familiar. Veja sugestão do impresso de pesquisa para ser enviado às famílias clicando aqui.

Materiais:

Impresso de pesquisa enviado às famílias; algum instrumento de percussão ou objeto sonoro para marcar tempos e ritmos dos acalantos; tapetes; almofadas; mantas; cobertores; fraldinhas de panos; materiais que tragam significados aos acalantos previamente selecionados e ainda objetos de transição carregados de afeto das crianças (paninhos, pelúcias, dentre outros).

Espaços:

Crie um cenário de acalanto com os materiais listados acima no ambiente de sala ou no espaço externo, por exemplo, embaixo de uma árvore frondosa ou em outro espaço acolhedor e aconchegante.

Tempo sugerido:

Aproximadamente 50 minutos.

Perguntas para guiar suas observações:

1.Quais são as impressões e as reações dos bebês ao ouvir uma música familiar?

2. Os bebês procuram imitar o movimento do adulto ou dos colegas durante as danças, promovidas pelos balanços dos acalantos?

3.Os bebês demonstraram preferência ou satisfação em alguma situação pontual da atividade de dança?


Para incluir todos:

Identifique barreiras físicas, comunicacionais ou relacionais que podem impedir que uma criança ou o grupo participe e aprenda. Reflita e proponha apoios para atender às necessidades e às diferenças de cada criança ou do grupo. Organize para que todas tenham condições de participar. Nesse contexto, cuide para que os bebês muito pequenos e que não sentam com autonomia tenham o apoio necessário e estejam dispostos como grande grupo. Garanta um espaço seguro para quem senta com autonomia e espaço de mobilidade para aqueles que engatinham ou andam, com ou sem autonomia.

O que fazer durante?

1

Compartilhe com os bebês a atividade que será realizada, dizendo que vocês irão até a área externa para cantar músicas que os adultos que convivem com eles em casa com cantam. Chame a atenção tocando suavemente um pandeirinho, chocalho ou outro objeto sonoro que lembre percussão. Priorize falar baixinho, suave, porém, animadamente, convidando as crianças. Estimule a participação de todos e antecipe algumas situações para atender aos interesses dos bebês, de forma que tenham seus tempos e espaços respeitados. Como sugestão, leve para o local da atividade um cesto com objetos preferidos das crianças.


2

Inicie o trajeto com um acalanto previamente selecionado dentre as contribuições das famílias, caminhe cantando e dançando com as crianças, conduzindo-as, preferencialmente, em pequenos grupos, ao local onde a atividade será realizada. É imprescindível que o ambiente esteja organizado conforme sugerido anteriormente. A medida que forem chegando, posicione os bebês que não se locomovem com autonomia e permita que aqueles que têm autonomia explorem os materiais dispostos no espaço. Deixe que eles escolham onde querem se aconchegar, quais objetos querem e com quem preferem interagir. Favoreça aos bebês que não têm autonomia o acesso aos materiais, deixando-os ao seu alcance por meio de móbiles, caixas e cestos. Cante a música “Nana neném” inicialmente apenas com o recurso da voz. Caso você não conheça esta canção, faça uma pesquisa na internet. Observe atentamente quem se aproxima dos paninhos e chame atenção dos demais bebês, partindo dessa exploração deles.

Possíveis falas do professor neste momento: Olhem, crianças, o paninho que o colega pegou! Que cheirinho gostoso! Hum, dá vontade de “nanar”. Quem quer um paninho para nanar?


3

Agora que as crianças estão familiarizadas com o ambiente e já estão inseridas dentro de uma proposta musical, é interessante que você siga cantando “Nana neném” e introduza elementos que favoreçam os embalos da canção. Para isso, improvise com paninho um saquinho de bebê, fazendo de conta que tem um neném ali dentro, embalando-o. A ideia é que, por meio deste gesto de balançar, os bebês sejam sutilmente convidados a embalar e balançar-se, fazendo uso do recurso da imitação. Embale os bebês, iniciando pelos menores, para que se sintam acolhidos e desfrutem do balanço dos acalantos. Você pode fazer isso, assim como os demais adultos presentes, se houver. No decorrer desta etapa, uma sugestão é que você troque o cantar por cantarolar respeitando o ritmo e balanço do acalanto: “mmmmmm” ou “lalalalá”.

Possíveis falas do professor neste momento: Vejam, nosso bebê está balançando! Vamos balançar, sentir nosso corpo balançar junto com o bebê? Como balançamos nosso corpo?


4

Nesta etapa, vamos agregar mais um elemento à nossa atividade. Para isso, utilize os objetos sonoros presentes no ambiente para marcar os ritmos e os tempos da canção, atribuindo significado a esses objetos junto aos bebês. Use, por exemplo, chocalhos (potes ou garrafinhas com grãos e outros elementos), tambores (latas de diversos tamanhos, com ou sem tampa, com bexiga, tecido etc;), entre outros, de diversos tamanhos e timbres. Apresente os objetos aos bebês e convide-os a explorar os materiais, balançando-os, enquanto cantam e tocam. Instigue os bebês a se movimentar em diferentes ritmos (lentos e rápidos) e a cantar em timbres variados, como agudos e graves. É relevante que você utilize os objetos de forma ritmada e que seus gestos acompanhem o andamento das canções, para que inspire os bebês a fazer o mesmo. Assim eles vão adquirir experiência com diferentes balanços e ritmos.

Possíveis falas do professor neste momento: Agora vamos cantar forte (cante grave) . Agora bem fininho (cante agudo). Gente, o neném está com pressa, vamos acompanhar? (cante rápido). Como podemos dançar quando cantamos acelerados? Ufa! Cansei, vamos descansar? (cante lento). E agora, que movimentos podemos fazer quando cantamos assim, mais lento?

5

Agora que os bebês estão familiarizados com as propostas, apresente os outros acalantos trazidos pelas famílias, replicando as estratégias anteriores. Compartilhe com as crianças, contando para elas o familiar de quem que enviou a música. Sinalize que irão cantar música que um adulto canta na hora do banho, na hora de dormir, dentre outros momentos. Desta maneira você vai encadeando as canções enviadas pelas famílias até a finalização da atividade.


Para finalizar:

Para encerrar a atividade, avise os bebês que em dez minutos vocês irão começar a guardar as coisas e compartilhe com eles a próxima proposta, diga o quanto foi bom dançar e cantar com eles. Peça ajuda para que dentro de suas competências cada qual possa organizar os objetos no lugar (cestos ou caixas, se for o caso) e que voltem para a sala cantando.

Desdobramentos

Esta atividade pode ser realizada em contexto de interação com outras faixas etárias, uma vez que as crianças um pouco maiores tendem a se considerar grandes e demonstram prazer em cuidar e interagir com os menores. Seria uma oportunidade ímpar de todos os bebês se sentirem embalados, acalentados e, acima de tudo, de interagir com o outro.

Engajando as famílias

Envie um convite antecipado às famílias para que participem dessa atividade, explicando que na oportunidade irão cantar e embalar todos os bebês, ampliando suas experiências e contribuindo para o desenvolvimento e a aprendizagem de todos. Clique aqui e veja sugestão de convite.

Este plano de atividade foi elaborado pelo Time de Autores NOVA ESCOLA

Autor:  Tamira Paula Torres Martins de Souza

Mentor: Keli Luca

Especialista do subgrupo etário: Ana Teresa Gavião

Campos de Experiência:  O eu, o outro e o nós; corpo, gesto e movimento; traços, sons, cores e formas; espaços, tempos, quantidades, relações e transformações.

Objetivos e códigos da Base
Centrais:

(EI01CG01) Movimentar as partes do corpo para exprimir corporalmente emoções, necessidades e desejos.

(EI01TS03) Explorar diferentes fontes sonoras e materiais para acompanhar brincadeiras cantadas, canções, músicas e melodias.

Transversal:

(EI01EO05) Reconhecer seu corpo e expressar suas sensações em momentos de alimentação, higiene, brincadeira e descanso.

Abordagem didática:  A dança é uma manifestação cultural tão antiga quanto a história da civilização humana. Ao planejar espaços e tempos para a prática, é importante garantir uma diversidade de danças, ritmos e instrumentos, considerando opções regionais, populares, clássicas etc. Afinal, ampliar o repertório ajuda na construção de um olhar atento e respeitoso quanto às diferenças. Além de aprendizado, dançar provoca prazer. É interessante convidar os bebês para dançar entre eles, com os adultos ou mesmo com objetos. Aos poucos, eles percebem a relação do corpo com a música e a potência dos seus gestos e movimentos.

Apoiador Técnico


Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

ATIVIDADES DESSA UNIDADE:

ATIVIDADE 01

Danças, balanços e acalantos

VOCÊ ESTÁ AQUI

ATIVIDADES DESSA DISCIPLINA:

ATIVIDADES RELACIONADAS:

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes