Atividade 2: Leve as danças da cultura brasileira para casa

Não é porque não tem festa na quarentena que as crianças têm que ficar paradas. O lar também é lugar de dançar

POR:
Nairim Bernardo
Nessa atividade, os pequenos podem conhecer e experimentar diferentes ritmos. Ilustração: Nathalia Takeyama/NOVA ESCOLA

Dançar é uma atividade muito presente em diversas culturas. Devido ao isolamento causado pela pandemia de Covid-19 e a proibição de eventos sociais, é fácil se esquecer de que é possível dançar e se divertir muito dentro da própria casa. “Trabalhar com danças é importante na Educação Infantil porque as crianças se expressam muito através do movimento, que é essencial para o desenvolvimento infantil. Agora, na quarentena, essa pode ser também uma importante forma de descarregar energias e emoções”, comenta Roselaine Pontes de Almeida, do Time de Autores NOVA ESCOLA e propositora da sequência didática sobre danças. 

É importante lembrar os pais que o convite da escola não é para que as crianças dancem sozinhas, mas para que a família também se envolva ativamente nesse momento. Como o objetivo é mostrar danças que tenham uma conotação cultural forte (indígenas, folclóricas, afrobrasileiras etc), um ponto de atenção é não estabelecer juízo de valor ao assistir à cada uma delas.  “A discussão é que existem pessoas, sons e formas de dançar diferentes e isso é natural. Oriente as famílias de que não é preciso julgar se é feio, bonito ou estranho”, alerta Roselaine.



ATIVIDADE: DANÇAR EM CASA

Momentos para se movimentar e se divertir em família


Indicado para: Crianças bem pequenas (1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses)

Materiais: Aparelho celular ou computador para exibir vídeos e ouvir músicas, brinquedos e acessórios que a criança se sinta à vontade para dançar (opcional)

Espaço: local amplo e seguro (verifique a existência de quinas, chão escorregadio ou outros fatores que possam levar a acidentes)

Na BNCC: EI02EF05, EI02EO05, EI02CG02


PASSO A PASSO

1. Conversa inicial sobre danças: Pergunte para as crianças que tipos de danças elas conhecem, se elas se lembram de alguma ocasião em que tenham dançado ou visto pessoas dançando e como eram os movimentos. 

2. Exiba vídeos: Os responsáveis devem selecionar previamente vídeos de diferentes danças brasileiras e convidar a criança para assistí-lo. É importante dizer qual o nome da dança antes de exibir cada vídeo. Ela precisa se sentir à vontade para dançar caso queira.

Abaixo, separamos algumas sugestões de vídeos: 

Congada de São Benedito

Guarani Mbyá -- Música e Dança

Crianças dançando Carimbó

3. Conversa sobre os vídeos: Pergunte o que ela observou em cada vídeo, o que achou e como se sentiu dançando. Conversem sobre as danças serem de culturas diferentes e pergunte se criança percebeu isso e de que forma foi possível chegar a essa ideia. Mesmo que a família não tenha essas referências em seu repertório, está convidada para investigar e refletir sobre diversidade junto com as crianças. 

4. Dancem juntos: Pergunte para a criança qual dança ela deseja repetir, agora com seus familiares. O adulto pode propor momentos em que todos imitam os gestos do vídeo, em que todos imitam os gestos da criança e momentos livres. 

5. Inclua as músicas na rotina: A dança e a escuta podem acontecer em diversos momentos da rotina. Coloque apenas a música de fundo enquanto as crianças participam de outra atividade para que, aos poucos, se familiarizem com diferentes ritmos. 

6. Grave um trecho da dança: Caso a crianças se sinta à vontade, os pais ou responsáveis podem gravar um vídeo curto em que ela apareça dançando sozinha ou com familiares. Se o adulto notar que o pequeno gostou mais de uma dança específica, pode convidá-lo inclusive a montar uma pequena coreografia. Por fim, peça que a família compartilhe o vídeo com você.



Esta sugestão de atividade foi adaptada da sequência Danças, com cinco planos de atividade criados por Roselaine Pontes de Almeida, professora-autora do Time de Autores NOVA ESCOLA. Para conferir a sequência na íntegra, clique aqui

Tags

Guias