17699
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > História > 8º ano > O Brasil no século XIX

Plano de aula - Uma Lei Áurea? Os significados da Abolição da escravidão

Plano de aula de História com atividades para 8º ano do EF sobre Uma Lei Áurea? Os significados da Abolição da escravidão

Plano 05 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Gabriel Amato Bruno De Lima

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08HI15, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cópias impressas das do texto e das imagens. Material para a produção de uma capa de jornal (papel ou molde, caneta,

lápis de cor etc.).

Material complementar:

Fontes relativas ao samba-enredo “Em nome do pai, do filho e dos santos, a Vila canta a cidade de Pedro”, da escola de samba Unidos de Vila Isabel (2019) https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/teWAGMjxJWRNhKs5j232NAmSAb5rC7SNRksJEUrqduPu3b8Sw2SkbrXex69y/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-vila-isabel-2019.pdf

Fontes relativas ao samba-enredo “História para ninar gente grande”, da escola de samba Mangueira (2019) https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/Gj2wNhyjhdrYBRSFy9Q2EsMPBt3stgNvXfDUGY73j4yJrGEP9AQZQgWKf529/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-mangueira-2019.pdf

Capa do jornal Gazeta de Notícias em 14 de maio de 1888 https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/W3s7TfS5p5bJg6WRa5ZTyUHMNXXAs2DPwyf9Unye66U4YYSCbbSgzFbDXT9N/his8-15und05--capa-do-jornal-gazeta-de-noticias-em-14-de-maio-de-1888.pdf

Crônica de Machado de Assis, publicada no jornal Gazeta de Notícias em 19 de maio de 1888

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/5qzTy7Hbuv4zKg3M7ZAvyhT56xWujhvB6XHZ8cnSm6wY7e7bPNm5QtuBgFUw/his8-15und05--cronica-de-machado-de-assis.pdf

Para você saber mais:

PIMENTEL, Matheus. Escolas de samba: de ícone da cultura à crise de identidade. Nexo, 8 de fevereiro de 2018. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/explicado/2018/02/08/Escolas-de-samba-de-%C3%ADcone-da-cultura-à-crise-de-identidade>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Por que não comemoramos o dia da Consciência Negra em 13 de maio? Nova Escola, 30 de julho de 2017. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/4963/por-que-nao-comemoramos-o-dia-da-consciencia-negra-em-13-de-maio>. Acesso em: 17 abr. 2019.

ROCHA, Camilo. 5 momentos do Carnaval político do Rio de Janeiro. Nexo, 5 de março de 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/03/05/5-momentos-do-Carnaval-pol%C3%ADtico-do-Rio-de-Janeiro>. Acesso em: 17 abr. 2019.

SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura. Fundação Casa de Rui Barbosa. Disponível em: <http://187.0.209.89/bitstream/20.500.11997/881/1/SILVA%2C%20E.%20-%20As%20camelias%20do%20Leblon%20e%20a%20abolicao%20da%20escravatura.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Entre cantos e chibatas – conversa com Lilia Schwarcz. Blog do IMS, 17/5/2011. Disponível em: <https://blogdoims.com.br/entre-cantos-e-chibatas-conversa-com-lilia-schwarcz/>. Acesso em: 17 abr. 2019.

MASSUCATO, Muriele e MAYRINK, Eduarda Diniz. Leitura em voz alta pelo professor: por que e como fazer? Gestão Escolar, 21 de março de 2013.
Disponível em: <https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1306/leitura-em-voz-alta-pelo-professor-por-que-e-como-fazer?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=Conteúdo_Site_seguidores_ge&utm_content=leitura-em-voz-alta&fbclid=IwAR3Bwx1O4smNVWlal29jf9cgXK-9jKdQ3TrPHsc_pv6y74tRuPslmtgzz8A>. Acesso em: 22 abr. 2019.

TRÍPOLI, Mailde J. Machado de Assis e a escravidão. Jornal da Unicamp, Campinas, 8 a 14 de setembro de 2008, p. 2. Disponível em: <http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/setembro2008/ju408pdf/Pag02.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

PEREIRA, Lupércio Antônio. A escravidão e o trabalho livre em Machado de Assis. Diálogos: Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História, vol. 14, nº 3, 2010, p. 491-516. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/3055/305526882003.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Apresente o objetivo aos alunos, escrevendo-o no quadro ou lendo-o para a turma. Se estiver fazendo uso de projetor, apresente este slide e faça uma leitura coletiva. Lembre-se de não antecipar as reflexões da aula neste momento, pois a intenção é que os estudantes construam o raciocínio apenas com a sua mediação.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações: Apresente para a turma, projetando com um data show ou distribuindo cópias impressas, o trecho do samba-enredo “Em nome do pai, do filho e dos santos, a Vila canta a cidade de Pedro”, da escola de samba Unidos de Vila Isabel (2019), e o trecho do samba-enredo “História para ninar gente grande”, da escola de samba Mangueira (2019). Apresente também as fontes relativas às referências usadas nos dois samba-enredos: o print da página inicial da escola de samba Unidos de Vila Isabel; o retrato da princesa Isabel; a fotografia do Palácio de Cristal, em Petrópolis; o print de um post do Instagram oficial da escola de samba Mangueira; e a capa da Revista Illustrada de 1884 em que há uma ilustração do “Dragão do mar”. Todo o material
está disponível nos links: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/teWAGMjxJWRNhKs5j232NAmSAb5rC7SNRksJEUrqduPu3b8Sw2SkbrXex69y/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-vila-isabel-2019.pdf e https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/Gj2wNhyjhdrYBRSFy9Q2EsMPBt3stgNvXfDUGY73j4yJrGEP9AQZQgWKf529/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-mangueira-2019.pdf

Peça a um aluno que leia o trecho do samba-enredo da Vila Isabel e a outro que leia o trecho do samba-enredo da Mangueira. Após a leitura, peça à turma que identifique os dados de produção das fontes: seus títulos, temas, anos de produção, escolas de samba que os produziram. Espera-se que os alunos sejam capazes de identificar que ambas fontes foram produzidas em 2019 e que seus temas são a cidade de Petrópolis, no caso da letra da Unidos de Vila Isabel, e os heróis esquecidos da História do Brasil, no caso da letra do samba da Mangueira.

Como adequar à sua realidade: Em algumas cidades do Brasil, o dia 20 de novembro é um feriado municipal que marca o Dia da Consciência Negra.
A criação da data é resultado de demandas dos movimentos negros, que demarcam uma diferença entre a data oficial (o 13 de maio, dia da assinatura da Lei Áurea pela princesa Isabel) e uma data ligada à resistência negra na História do país (o 20 de maio, dia em que se lembra a morte do líder quilombola Zumbi dos Palmares). Na discussão sobre as disputas em torno do significado da Abolição, você pode trazer informações sobre esta questão com o objetivo de detalhar melhor o debate em torno do tema. Veja a lista completa de municípios em que a data é feriado no link: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/confira-lista-de-municipios-que-aderiram-ao-feriado-de-20-de-novembro,587fa2e3158f4e83da99849151448e71y6tme92q.html

Para você saber mais:

PIMENTEL, Matheus. Escolas de samba: de ícone da cultura à crise de identidade. Nexo, 8 de fevereiro de 2018. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/explicado/2018/02/08/Escolas-de-samba-de-%C3%ADcone-da-cultura-à-crise-de-identidade>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Por que não comemoramos o dia da Consciência Negra em 13 de maio? Nova Escola, 30 de julho de 2017. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/4963/por-que-nao-comemoramos-o-dia-da-consciencia-negra-em-13-de-maio>. Acesso em: 17 abr. 2019.

ROCHA, Camilo. 5 momentos do Carnaval político do Rio de Janeiro. Nexo, 5 de março de 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/03/05/5-momentos-do-Carnaval-pol%C3%ADtico-do-Rio-de-Janeiro>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Neste segundo momento, peça a dois alunos que leiam e/ou descrevam as fontes de referência de cada um dos samba-enredos. Depois, peça à turma para relacionar a letra dos samba-enredos com as outras fontes, que serviram de referência. Espera-se que os estudantes sejam capazes de reconhecer que, na letra da Unidos de Vila Isabel, a personagem principal é a Princesa Isabel, que aparece no retrato de Insley Pacheco, e que o espaço retratado na fotografia é o Palácio do Cristal, onde aconteceu o baile citado pela letra. Esta personagem e este espaço estão conectados pela cidade de Petrópolis, tema central do samba-enredo. No caso da letra da Mangueira, espera-se que os alunos consigam perceber que há um questionamento à centralidade da princesa Isabel na História da abolição. Ao contrário, o personagem que aparece é o “Dragão do Mar”, um militante do movimento abolicionista no Brasil do século XIX.

Por fim, pergunte para a turma: Como o fim da escravidão aparece nestas letras de samba-enredo do Carnaval de 2019? As duas fontes concordam ou discordam com relação a este tema? Espera-se que os estudantes consigam perceber que as letras apresentem visões diferentes sobre o fim da escravidão no Brasil do século XIX: enquanto a primeira letra atribui este processo à princesa Isabel, a segunda chama a atenção para a luta dos negros para a conquista da liberdade. Para facilitar esta percepção, você pode fazer um quadro comparativo entre as duas fontes no quadro e ir adicionando as informações na medida em que os alunos forem respondendo aos questionamentos.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 25 minutos.

Orientações: Apresente para a turma a capa do jornal Gazeta de Notícias em 14 de maio de 1888. Ela está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/W3s7TfS5p5bJg6WRa5ZTyUHMNXXAs2DPwyf9Unye66U4YYSCbbSgzFbDXT9N/his8-15und05--capa-do-jornal-gazeta-de-noticias-em-14-de-maio-de-1888.pdf

Peça a um aluno que identifique e leia para a turma as informações de produção da fonte: o jornal (Gazeta de Notícias), a data de publicação (14 de maio de 1888, uma segunda-feira), o local em que foi publicado (Rio de Janeiro), a tiragem (24.000 exemplares). Em seguinte, peça a outro estudante que leia a notícia principal da capa: “Brazil livre”. O objetivo, neste momento, é levar os estudantes a discutir como a declaração oficial do fim da escravidão por meio da Lei Áurea aparece na grande imprensa do século XIX logo após a publicação do decreto. Para isso, faça perguntas como:

A Gazeta de Notícias noticia o fim da escravidão de uma maneira positiva ou negativa?

Quais são os personagens envolvidos no fim da escravidão, segundo a reportagem?

– Segundo a lei de 1888, como ficariam os escravizados agora livres (onde poderiam morar, trabalhar etc.)?

Espera-se que os alunos identifiquem que a Gazeta de Notícias noticia o fim da escravidão como um ato de governo e de maneira positiva, dedicando sua capa ao assunto e usando a expressão “Brazil livre” para caracterizá-la. Na notícia, os personagens envolvidos são todas da esfera oficial: a princesa Isabel
e seus ministros. Por fim, espera-se que os alunos identifiquem a ausência de menções a reparações ou a uma política de inserção dos ex-escravizados no pós-Abolição, o que resultou na persistente exclusão social da população negra no Brasil ainda que eles tenham se tornado cidadãos do Império com o fim do regime escravista.

Para você saber mais:

SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura. Fundação Casa de Rui Barbosa. Disponível em: <http://187.0.209.89/bitstream/20.500.11997/881/1/SILVA%2C%20E.%20-%20As%20camelias%20do%20Leblon%20e%20a%20abolicao%20da%20escravatura.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Entre cantos e chibatas – conversa com Lilia Schwarcz. Blog do IMS, 17/5/2011. Disponível em: <https://blogdoims.com.br/entre-cantos-e-chibatas-conversa-com-lilia-schwarcz/>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Distribua cópias impressas ou projete com um data show a crônica de Machado de Assis publicada no jornal Gazeta de Notícias em 19 de maio de 1888. Ela está disponível no link:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/5qzTy7Hbuv4zKg3M7ZAvyhT56xWujhvB6XHZ8cnSm6wY7e7bPNm5QtuBgFUw/his8-15und05--cronica-de-machado-de-assis.pdf

Leia a crônica, em voz alta e com entonação apropriada, para a turma. Na medida em que a leitura for acontecendo, solucione dúvidas de vocabulário que possam surgir e chama a atenção para o tom irônico usado pelo autor. Há a possibilidade de trabalho conjunto com o professor de Literatura, chamando a atenção para a trajetória de Machado de Assis como um escritor brasileiro do século XIX e para a sua produção literária realista.

Após a leitura, a intenção é levar os estudantes a perceber que, já à época, havia críticas com relação às limitações da abolição da escravidão e às formas comos os escravocratas lidaram com o novo contexto. Para isso, faça perguntas como:

Qual a ironia presente na expressão "depois do gato morto”, usada pelo autor para descrever a relação do personagem principal da crônica com a Abolição?

Por que podemos afirmar que Machado de Assis aponta na crônica as limitações do fim da escravidão para os trabalhadores recém-libertos?

– Quais as continuidades em termos de privilégios dos ex-senhores de escravizados apontadas na crônica?

Espera-se que os alunos compreendam que Machado de Assis ironiza aqueles que eram senhores de pessoas escravizadas até o dia 13 de maio, escrevendo um texto em que um deles se diz a favor da Abolição e afirma ter libertado um de seus escravizados “depois do gato morto”, ou seja, quando a escravidão já havia acabado. Com relação às limitações da abolição, Machado de Assis aponta para a persistência da relação de dependência dos libertos e dos castigos físicos. Em especial, no trecho: “Êle continuava livre, eu de mau humor; eram dois estados naturais, quase divinos”. Por fim, espera-se que os alunos consigam perceber que pouca coisa havia mudado para a elite brasileira: o ex-senhor de escravizados da crônica continua com as mesmas ambições, querendo iniciar uma vida política e se tornar deputado.

Para você saber mais:

MASSUCATO, Muriele e MAYRINK, Eduarda Diniz. Leitura em voz alta pelo professor: por que e como fazer? Gestão Escolar, 21 de março de 2013.
Disponível em: <https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1306/leitura-em-voz-alta-pelo-professor-por-que-e-como-fazer?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=Conteúdo_Site_seguidores_ge&utm_content=leitura-em-voz-alta&fbclid=IwAR3Bwx1O4smNVWlal29jf9cgXK-9jKdQ3TrPHsc_pv6y74tRuPslmtgzz8A>. Acesso em 22 abr. 2019.

TRÍPOLI, Mailde J. Machado de Assis e a escravidão. Jornal da Unicamp, Campinas, 8 a 14 de setembro de 2008, p. 2. Disponível em: <http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/setembro2008/ju408pdf/Pag02.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

PEREIRA, Lupércio Antônio. A escravidão e o trabalho livre em Machado de Assis. Diálogos: Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História, vol. 14, nº 3, 2010, p. 491-516. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/3055/305526882003.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações: Peça aos alunos para se organizar em pequenos grupos (sugestão: três integrantes cada) e distribua a eles o material para que produzam uma capa de jornal (papel, lápis, caneta etc.). De maneira alternativa, distribua o molde que está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/UgrVmqnEB8NZAsa866gNd9SkDa3TdZFAFaY2reymvUDwndFGQkS4nYqevWHZ/his8-15und05--molde-para-a-producao-da-capa-de-um-jornal.pdf

Diga para a turma que eles deverão criar a capa de um jornal de grande circulação sobre os significados da lei do dia 13 de maio, que acabou oficialmente com a escravidão no Brasil Império. Eles podem usar o nome de um jornal existente – como o Gazeta de Notícias, usado como fonte na aula – ou criar um novo. Diga a eles também que os grupos deverão incorporar as fontes e debates realizados durante a aula, problematizando os sentidos desta data com base nas referências contexto do século XIX.

Chame a atenção dos alunos para as características deste tipo de produção textual, em que há elementos como a manchete (título da reportagem em destaque, com letras grandes), o lide (primeira parte da notícia, colocada em destaque e que chama a atenção do leitor para o seu conteúdo), as imagens (que podem ser desenhadas por eles). Além disso, peça a eles que coloquem as informações sobre a publicação do jornal – data e cidade, por exemplo.
Há a possibilidade de trabalho conjunto com o professor de Língua Portuguesa, o que possibilitaria o trabalho com os aspectos formais do gênero textual notícia.

Na medida em que os trios foram finalizando o trabalho, peça a alguns deles para apresentar o resultado para a turma. Se possível, faça uma pequena exposição das capas de jornal para a turma.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08HI15, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cópias impressas das do texto e das imagens. Material para a produção de uma capa de jornal (papel ou molde, caneta,

lápis de cor etc.).

Material complementar:

Fontes relativas ao samba-enredo “Em nome do pai, do filho e dos santos, a Vila canta a cidade de Pedro”, da escola de samba Unidos de Vila Isabel (2019) https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/teWAGMjxJWRNhKs5j232NAmSAb5rC7SNRksJEUrqduPu3b8Sw2SkbrXex69y/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-vila-isabel-2019.pdf

Fontes relativas ao samba-enredo “História para ninar gente grande”, da escola de samba Mangueira (2019) https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/Gj2wNhyjhdrYBRSFy9Q2EsMPBt3stgNvXfDUGY73j4yJrGEP9AQZQgWKf529/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-mangueira-2019.pdf

Capa do jornal Gazeta de Notícias em 14 de maio de 1888 https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/W3s7TfS5p5bJg6WRa5ZTyUHMNXXAs2DPwyf9Unye66U4YYSCbbSgzFbDXT9N/his8-15und05--capa-do-jornal-gazeta-de-noticias-em-14-de-maio-de-1888.pdf

Crônica de Machado de Assis, publicada no jornal Gazeta de Notícias em 19 de maio de 1888

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/5qzTy7Hbuv4zKg3M7ZAvyhT56xWujhvB6XHZ8cnSm6wY7e7bPNm5QtuBgFUw/his8-15und05--cronica-de-machado-de-assis.pdf

Para você saber mais:

PIMENTEL, Matheus. Escolas de samba: de ícone da cultura à crise de identidade. Nexo, 8 de fevereiro de 2018. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/explicado/2018/02/08/Escolas-de-samba-de-%C3%ADcone-da-cultura-à-crise-de-identidade>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Por que não comemoramos o dia da Consciência Negra em 13 de maio? Nova Escola, 30 de julho de 2017. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/4963/por-que-nao-comemoramos-o-dia-da-consciencia-negra-em-13-de-maio>. Acesso em: 17 abr. 2019.

ROCHA, Camilo. 5 momentos do Carnaval político do Rio de Janeiro. Nexo, 5 de março de 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/03/05/5-momentos-do-Carnaval-pol%C3%ADtico-do-Rio-de-Janeiro>. Acesso em: 17 abr. 2019.

SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura. Fundação Casa de Rui Barbosa. Disponível em: <http://187.0.209.89/bitstream/20.500.11997/881/1/SILVA%2C%20E.%20-%20As%20camelias%20do%20Leblon%20e%20a%20abolicao%20da%20escravatura.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Entre cantos e chibatas – conversa com Lilia Schwarcz. Blog do IMS, 17/5/2011. Disponível em: <https://blogdoims.com.br/entre-cantos-e-chibatas-conversa-com-lilia-schwarcz/>. Acesso em: 17 abr. 2019.

MASSUCATO, Muriele e MAYRINK, Eduarda Diniz. Leitura em voz alta pelo professor: por que e como fazer? Gestão Escolar, 21 de março de 2013.
Disponível em: <https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1306/leitura-em-voz-alta-pelo-professor-por-que-e-como-fazer?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=Conteúdo_Site_seguidores_ge&utm_content=leitura-em-voz-alta&fbclid=IwAR3Bwx1O4smNVWlal29jf9cgXK-9jKdQ3TrPHsc_pv6y74tRuPslmtgzz8A>. Acesso em: 22 abr. 2019.

TRÍPOLI, Mailde J. Machado de Assis e a escravidão. Jornal da Unicamp, Campinas, 8 a 14 de setembro de 2008, p. 2. Disponível em: <http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/setembro2008/ju408pdf/Pag02.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

PEREIRA, Lupércio Antônio. A escravidão e o trabalho livre em Machado de Assis. Diálogos: Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História, vol. 14, nº 3, 2010, p. 491-516. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/3055/305526882003.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Apresente o objetivo aos alunos, escrevendo-o no quadro ou lendo-o para a turma. Se estiver fazendo uso de projetor, apresente este slide e faça uma leitura coletiva. Lembre-se de não antecipar as reflexões da aula neste momento, pois a intenção é que os estudantes construam o raciocínio apenas com a sua mediação.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações: Apresente para a turma, projetando com um data show ou distribuindo cópias impressas, o trecho do samba-enredo “Em nome do pai, do filho e dos santos, a Vila canta a cidade de Pedro”, da escola de samba Unidos de Vila Isabel (2019), e o trecho do samba-enredo “História para ninar gente grande”, da escola de samba Mangueira (2019). Apresente também as fontes relativas às referências usadas nos dois samba-enredos: o print da página inicial da escola de samba Unidos de Vila Isabel; o retrato da princesa Isabel; a fotografia do Palácio de Cristal, em Petrópolis; o print de um post do Instagram oficial da escola de samba Mangueira; e a capa da Revista Illustrada de 1884 em que há uma ilustração do “Dragão do mar”. Todo o material
está disponível nos links: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/teWAGMjxJWRNhKs5j232NAmSAb5rC7SNRksJEUrqduPu3b8Sw2SkbrXex69y/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-vila-isabel-2019.pdf e https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/Gj2wNhyjhdrYBRSFy9Q2EsMPBt3stgNvXfDUGY73j4yJrGEP9AQZQgWKf529/his8-15und05--trecho-do-samba-enredo-da-mangueira-2019.pdf

Peça a um aluno que leia o trecho do samba-enredo da Vila Isabel e a outro que leia o trecho do samba-enredo da Mangueira. Após a leitura, peça à turma que identifique os dados de produção das fontes: seus títulos, temas, anos de produção, escolas de samba que os produziram. Espera-se que os alunos sejam capazes de identificar que ambas fontes foram produzidas em 2019 e que seus temas são a cidade de Petrópolis, no caso da letra da Unidos de Vila Isabel, e os heróis esquecidos da História do Brasil, no caso da letra do samba da Mangueira.

Como adequar à sua realidade: Em algumas cidades do Brasil, o dia 20 de novembro é um feriado municipal que marca o Dia da Consciência Negra.
A criação da data é resultado de demandas dos movimentos negros, que demarcam uma diferença entre a data oficial (o 13 de maio, dia da assinatura da Lei Áurea pela princesa Isabel) e uma data ligada à resistência negra na História do país (o 20 de maio, dia em que se lembra a morte do líder quilombola Zumbi dos Palmares). Na discussão sobre as disputas em torno do significado da Abolição, você pode trazer informações sobre esta questão com o objetivo de detalhar melhor o debate em torno do tema. Veja a lista completa de municípios em que a data é feriado no link: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/confira-lista-de-municipios-que-aderiram-ao-feriado-de-20-de-novembro,587fa2e3158f4e83da99849151448e71y6tme92q.html

Para você saber mais:

PIMENTEL, Matheus. Escolas de samba: de ícone da cultura à crise de identidade. Nexo, 8 de fevereiro de 2018. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/explicado/2018/02/08/Escolas-de-samba-de-%C3%ADcone-da-cultura-à-crise-de-identidade>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Por que não comemoramos o dia da Consciência Negra em 13 de maio? Nova Escola, 30 de julho de 2017. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/4963/por-que-nao-comemoramos-o-dia-da-consciencia-negra-em-13-de-maio>. Acesso em: 17 abr. 2019.

ROCHA, Camilo. 5 momentos do Carnaval político do Rio de Janeiro. Nexo, 5 de março de 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/03/05/5-momentos-do-Carnaval-pol%C3%ADtico-do-Rio-de-Janeiro>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Neste segundo momento, peça a dois alunos que leiam e/ou descrevam as fontes de referência de cada um dos samba-enredos. Depois, peça à turma para relacionar a letra dos samba-enredos com as outras fontes, que serviram de referência. Espera-se que os estudantes sejam capazes de reconhecer que, na letra da Unidos de Vila Isabel, a personagem principal é a Princesa Isabel, que aparece no retrato de Insley Pacheco, e que o espaço retratado na fotografia é o Palácio do Cristal, onde aconteceu o baile citado pela letra. Esta personagem e este espaço estão conectados pela cidade de Petrópolis, tema central do samba-enredo. No caso da letra da Mangueira, espera-se que os alunos consigam perceber que há um questionamento à centralidade da princesa Isabel na História da abolição. Ao contrário, o personagem que aparece é o “Dragão do Mar”, um militante do movimento abolicionista no Brasil do século XIX.

Por fim, pergunte para a turma: Como o fim da escravidão aparece nestas letras de samba-enredo do Carnaval de 2019? As duas fontes concordam ou discordam com relação a este tema? Espera-se que os estudantes consigam perceber que as letras apresentem visões diferentes sobre o fim da escravidão no Brasil do século XIX: enquanto a primeira letra atribui este processo à princesa Isabel, a segunda chama a atenção para a luta dos negros para a conquista da liberdade. Para facilitar esta percepção, você pode fazer um quadro comparativo entre as duas fontes no quadro e ir adicionando as informações na medida em que os alunos forem respondendo aos questionamentos.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 25 minutos.

Orientações: Apresente para a turma a capa do jornal Gazeta de Notícias em 14 de maio de 1888. Ela está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/W3s7TfS5p5bJg6WRa5ZTyUHMNXXAs2DPwyf9Unye66U4YYSCbbSgzFbDXT9N/his8-15und05--capa-do-jornal-gazeta-de-noticias-em-14-de-maio-de-1888.pdf

Peça a um aluno que identifique e leia para a turma as informações de produção da fonte: o jornal (Gazeta de Notícias), a data de publicação (14 de maio de 1888, uma segunda-feira), o local em que foi publicado (Rio de Janeiro), a tiragem (24.000 exemplares). Em seguinte, peça a outro estudante que leia a notícia principal da capa: “Brazil livre”. O objetivo, neste momento, é levar os estudantes a discutir como a declaração oficial do fim da escravidão por meio da Lei Áurea aparece na grande imprensa do século XIX logo após a publicação do decreto. Para isso, faça perguntas como:

A Gazeta de Notícias noticia o fim da escravidão de uma maneira positiva ou negativa?

Quais são os personagens envolvidos no fim da escravidão, segundo a reportagem?

– Segundo a lei de 1888, como ficariam os escravizados agora livres (onde poderiam morar, trabalhar etc.)?

Espera-se que os alunos identifiquem que a Gazeta de Notícias noticia o fim da escravidão como um ato de governo e de maneira positiva, dedicando sua capa ao assunto e usando a expressão “Brazil livre” para caracterizá-la. Na notícia, os personagens envolvidos são todas da esfera oficial: a princesa Isabel
e seus ministros. Por fim, espera-se que os alunos identifiquem a ausência de menções a reparações ou a uma política de inserção dos ex-escravizados no pós-Abolição, o que resultou na persistente exclusão social da população negra no Brasil ainda que eles tenham se tornado cidadãos do Império com o fim do regime escravista.

Para você saber mais:

SILVA, Eduardo. As camélias do Leblon e a abolição da escravatura. Fundação Casa de Rui Barbosa. Disponível em: <http://187.0.209.89/bitstream/20.500.11997/881/1/SILVA%2C%20E.%20-%20As%20camelias%20do%20Leblon%20e%20a%20abolicao%20da%20escravatura.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Entre cantos e chibatas – conversa com Lilia Schwarcz. Blog do IMS, 17/5/2011. Disponível em: <https://blogdoims.com.br/entre-cantos-e-chibatas-conversa-com-lilia-schwarcz/>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Distribua cópias impressas ou projete com um data show a crônica de Machado de Assis publicada no jornal Gazeta de Notícias em 19 de maio de 1888. Ela está disponível no link:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/5qzTy7Hbuv4zKg3M7ZAvyhT56xWujhvB6XHZ8cnSm6wY7e7bPNm5QtuBgFUw/his8-15und05--cronica-de-machado-de-assis.pdf

Leia a crônica, em voz alta e com entonação apropriada, para a turma. Na medida em que a leitura for acontecendo, solucione dúvidas de vocabulário que possam surgir e chama a atenção para o tom irônico usado pelo autor. Há a possibilidade de trabalho conjunto com o professor de Literatura, chamando a atenção para a trajetória de Machado de Assis como um escritor brasileiro do século XIX e para a sua produção literária realista.

Após a leitura, a intenção é levar os estudantes a perceber que, já à época, havia críticas com relação às limitações da abolição da escravidão e às formas comos os escravocratas lidaram com o novo contexto. Para isso, faça perguntas como:

Qual a ironia presente na expressão "depois do gato morto”, usada pelo autor para descrever a relação do personagem principal da crônica com a Abolição?

Por que podemos afirmar que Machado de Assis aponta na crônica as limitações do fim da escravidão para os trabalhadores recém-libertos?

– Quais as continuidades em termos de privilégios dos ex-senhores de escravizados apontadas na crônica?

Espera-se que os alunos compreendam que Machado de Assis ironiza aqueles que eram senhores de pessoas escravizadas até o dia 13 de maio, escrevendo um texto em que um deles se diz a favor da Abolição e afirma ter libertado um de seus escravizados “depois do gato morto”, ou seja, quando a escravidão já havia acabado. Com relação às limitações da abolição, Machado de Assis aponta para a persistência da relação de dependência dos libertos e dos castigos físicos. Em especial, no trecho: “Êle continuava livre, eu de mau humor; eram dois estados naturais, quase divinos”. Por fim, espera-se que os alunos consigam perceber que pouca coisa havia mudado para a elite brasileira: o ex-senhor de escravizados da crônica continua com as mesmas ambições, querendo iniciar uma vida política e se tornar deputado.

Para você saber mais:

MASSUCATO, Muriele e MAYRINK, Eduarda Diniz. Leitura em voz alta pelo professor: por que e como fazer? Gestão Escolar, 21 de março de 2013.
Disponível em: <https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1306/leitura-em-voz-alta-pelo-professor-por-que-e-como-fazer?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=Conteúdo_Site_seguidores_ge&utm_content=leitura-em-voz-alta&fbclid=IwAR3Bwx1O4smNVWlal29jf9cgXK-9jKdQ3TrPHsc_pv6y74tRuPslmtgzz8A>. Acesso em 22 abr. 2019.

TRÍPOLI, Mailde J. Machado de Assis e a escravidão. Jornal da Unicamp, Campinas, 8 a 14 de setembro de 2008, p. 2. Disponível em: <http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/setembro2008/ju408pdf/Pag02.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

PEREIRA, Lupércio Antônio. A escravidão e o trabalho livre em Machado de Assis. Diálogos: Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História, vol. 14, nº 3, 2010, p. 491-516. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/3055/305526882003.pdf>. Acesso em: 17 abr. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações: Peça aos alunos para se organizar em pequenos grupos (sugestão: três integrantes cada) e distribua a eles o material para que produzam uma capa de jornal (papel, lápis, caneta etc.). De maneira alternativa, distribua o molde que está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/UgrVmqnEB8NZAsa866gNd9SkDa3TdZFAFaY2reymvUDwndFGQkS4nYqevWHZ/his8-15und05--molde-para-a-producao-da-capa-de-um-jornal.pdf

Diga para a turma que eles deverão criar a capa de um jornal de grande circulação sobre os significados da lei do dia 13 de maio, que acabou oficialmente com a escravidão no Brasil Império. Eles podem usar o nome de um jornal existente – como o Gazeta de Notícias, usado como fonte na aula – ou criar um novo. Diga a eles também que os grupos deverão incorporar as fontes e debates realizados durante a aula, problematizando os sentidos desta data com base nas referências contexto do século XIX.

Chame a atenção dos alunos para as características deste tipo de produção textual, em que há elementos como a manchete (título da reportagem em destaque, com letras grandes), o lide (primeira parte da notícia, colocada em destaque e que chama a atenção do leitor para o seu conteúdo), as imagens (que podem ser desenhadas por eles). Além disso, peça a eles que coloquem as informações sobre a publicação do jornal – data e cidade, por exemplo.
Há a possibilidade de trabalho conjunto com o professor de Língua Portuguesa, o que possibilitaria o trabalho com os aspectos formais do gênero textual notícia.

Na medida em que os trios foram finalizando o trabalho, peça a alguns deles para apresentar o resultado para a turma. Se possível, faça uma pequena exposição das capas de jornal para a turma.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE O Brasil no século XIX do 8º ano :

MAIS AULAS DE História do 8º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF08HI15 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano