17501
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Plano de aula - A escravidão na África e o comércio de escravizados

Plano de aula de História com atividades para 7º ano do EF sobre A escravidão na África e o comércio de escravizados

Plano 05 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Ruhama Ariella Sabião Batista

 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI15, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Papel sulfite, caneta ou lápis.

Material complementar:

Contexto:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rBSMSPKSAWusNcPsz3SPwQmucZMfAz6K3F52Y5dEbwGE5Q8CxU5PN98GmzxD/his7-15un05-contexto.pdf

Fonte 1:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rhFvAsw2VR8sEe83YrrYjXYrKKEqRtUcWDmseeckg9vhKCuNdTJ9RXCeXUGs/his7-15un05-fonte-1.pdf

Fonte 2:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/XzeEftDjTBvxP9qMKxUGBrssT4JkVk9kxWXg4PJvQPgfnVrFFXRMwdCpMzH8/his7-15un05-fonte-2.pdf

Fonte 3:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/5YBVddSkWa637XWnCWArFxcRsjuCNFeG27XSmZKneGWRdK79UDV7R2CFFR4M/his7-15un05-fonte-3.pdf

Modelo de reportagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/yzVG7ZB5sxMY2QBrDBCz8jRkrVEZ3HVggRwRSGGAh8Qm4WXkFGEfsMMYtSDF/his7-15un05-modelo-de-reportagem.pdf

Para você saber mais:

CINE GROUP. Brasil: DNA África, 2014. Disponível em: <http://cinegroup.com.br/2014/07/brasil-dna-africa/>. Acesso em: 15 abr. 19.

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

THORNTON, John. África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 155.

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Inicialmente, organize a turma em grupos de até quatro pessoas, e depois leia o objetivo conjuntamente com os estudantes. É importante destacar que ainda que tenha acontecido a escravidão também no interior da África, entre os próprios africanos, esta não ocorreu sob a mesma perspectiva do comércio atlântico, que tornava os escravizados mercadorias “coisificadas” e faziam da escravidão um comércio lucrativo.

Para você saber mais:

THORNTON, John. África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 155.

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slide e ao subsequente.

Orientações: Antes da reflexão a ser proposta no Contexto, é importante que os estudantes conheçam o projeto de que se fala na reportagem, e saibam que houve a necessidade do projeto que será abaixo explicitado justamente porque os negros vindos escravizados para o Brasil eram tratados como iguais, ainda que tivessem diferentes culturas, crenças, costumes. O projeto abrangeu uma população bem restrita de negros do Brasil, mas que, ainda assim, tiveram a oportunidade de conhecer suas origens.

Descrição da fonte:

Trata-se de uma reportagem sobre um projeto chamado “Brasil: DNA África”, que coletou o DNA de negros brasileiros para investigar a qual etnia africana pertencem. Um dos participantes, Zulu Araújo, indagou ao líder africano do povo tikar por que a elite africana e o rei os haviam vendido como escravizados. Ao longo da reportagem Zulu deixa claro que passaram diferentes etnias africanas pelo Brasil, mas que, quando seus antepassados vieram como escravizados, toda essa diversidade se homogeneizou em “escravo africano”. Para entender mais sobre o projeto, acesse a referência no item

“Para você saber mais”.

Fonte:

FELLET, João. “Na África, indaguei rei da minha etnia por que nos venderam como escravos”. BBC Brasil, 14 de janeiro de 2016. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160113_dna_africano_zulu_jf_cc>. Acesso em: 15 abr. 19.

Para você saber mais:

CINE GROUP. Brasil: DNA África, 2014. Disponível em: <http://cinegroup.com.br/2014/07/brasil-dna-africa/>. Acesso em: 15 abr. 19.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações: É importante que seja explicado aos estudantes o projeto apresentado na reportagem, para que os mesmos tenham condições de fazer a reflexão proposta. No segundo questionamento, espera-se que eles levantem hipóteses sobre a questão da escravidão na África, e demonstrem suas opiniões sobre a existência, ou não, da escravidão anteriormente à vinda dos escravizados para o Brasil. Com base nestas reflexões, os estudantes

poderão analisar as fontes e perceber se houve e quais eram suas características principais que diferenciava do comércio atlântico de escravizados.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slide e aos quatro subsequentes.

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de um trecho do livro África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800, de John Thornton, em que o autor, especialista em História da África, faz menção às características da escravidão africana, as quais destacam-se: a captura de escravizados em guerras com países vizinhos ou civis; a utilização dos mesmos na economia doméstica; a troca de escravizados por mercadorias.

Fonte:

THORNTON, John. África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 155.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de uma gravura do século XVII, de autor desconhecido, presente no livro África e Brasil africano, da historiadora Marina de Mello e Souza. A imagem apresenta escravizados africanos carregando um membro da elite do Congo. Um aspecto importante a ser observado é o fato de que a questão étnico-racial não era determinante na escravização dos africanos.

Fonte:

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de um trecho do livro África e Brasil africano, da historiadora Marina de Mello e Souza, que ressalta o papel do escravizado na vida em sociedade na África. Pode-se destacar que: eles se integravam à descendência da família do seu senhor; eles poderiam acumular riquezas e conquistar privilégios; podiam possuir escravizados, mesmo sem deixar de ser escravizados também.

Fonte:

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Com base nas descrições das fontes dos slides anteriores é possível discutir com os estudantes as questões propostas neste slide. Destaca-se que as fontes apresentam como se tornavam escravizados, o espaço doméstico como um dos lugares em que poderiam estar, a igualdade étnica, e não apresenta a escravidão como forma de gerar lucro. Os estudantes podem chegar a estas reflexões com base nas seguintes observações:

  • Na fonte 1, o autor aborda a questão de os escravizados ter sido capturados em guerras com países vizinhos ou civis.
  • Nas fontes 2 e 3, os autores salientam que os escravizados poderiam compor à descendência da família, e estar no ambiente doméstico.
  • Na fonte 2 pode ser observada a igualdade de cor, o que pode significar, ou não, que sejam de etnias semelhantes, o que não aconteceria
    se comparado a uma gravura no Brasil, por exemplo.
  • Nenhuma das fontes aborda a questão do comércio de escravizados como uma fonte de lucro, bem como não aborda escravizados sendo castigados de diferentes formas, também da forma como aconteceu no Brasil.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 17 minutos.

Orientações: Como forma de Sistematização, os estudantes, divididos em grupos de até quatro pessoas, deverão assumir a posição de um jornalista, e realizar uma matéria assim como a do Contexto, esboçando algum aspecto da escravidão na África, diferenciando com o que já conhece da escravidão no Brasil, caso ainda não conheçam, devem fazer a reportagem baseada somente na escravidão na África. O modelo a ser seguido está disponibilizado abaixo.

Modelo de reportagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/yzVG7ZB5sxMY2QBrDBCz8jRkrVEZ3HVggRwRSGGAh8Qm4WXkFGEfsMMYtSDF/his7-15un05-modelo-de-reportagem.pdf

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI15, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Papel sulfite, caneta ou lápis.

Material complementar:

Contexto:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rBSMSPKSAWusNcPsz3SPwQmucZMfAz6K3F52Y5dEbwGE5Q8CxU5PN98GmzxD/his7-15un05-contexto.pdf

Fonte 1:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rhFvAsw2VR8sEe83YrrYjXYrKKEqRtUcWDmseeckg9vhKCuNdTJ9RXCeXUGs/his7-15un05-fonte-1.pdf

Fonte 2:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/XzeEftDjTBvxP9qMKxUGBrssT4JkVk9kxWXg4PJvQPgfnVrFFXRMwdCpMzH8/his7-15un05-fonte-2.pdf

Fonte 3:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/5YBVddSkWa637XWnCWArFxcRsjuCNFeG27XSmZKneGWRdK79UDV7R2CFFR4M/his7-15un05-fonte-3.pdf

Modelo de reportagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/yzVG7ZB5sxMY2QBrDBCz8jRkrVEZ3HVggRwRSGGAh8Qm4WXkFGEfsMMYtSDF/his7-15un05-modelo-de-reportagem.pdf

Para você saber mais:

CINE GROUP. Brasil: DNA África, 2014. Disponível em: <http://cinegroup.com.br/2014/07/brasil-dna-africa/>. Acesso em: 15 abr. 19.

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

THORNTON, John. África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 155.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Inicialmente, organize a turma em grupos de até quatro pessoas, e depois leia o objetivo conjuntamente com os estudantes. É importante destacar que ainda que tenha acontecido a escravidão também no interior da África, entre os próprios africanos, esta não ocorreu sob a mesma perspectiva do comércio atlântico, que tornava os escravizados mercadorias “coisificadas” e faziam da escravidão um comércio lucrativo.

Para você saber mais:

THORNTON, John. África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 155.

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slide e ao subsequente.

Orientações: Antes da reflexão a ser proposta no Contexto, é importante que os estudantes conheçam o projeto de que se fala na reportagem, e saibam que houve a necessidade do projeto que será abaixo explicitado justamente porque os negros vindos escravizados para o Brasil eram tratados como iguais, ainda que tivessem diferentes culturas, crenças, costumes. O projeto abrangeu uma população bem restrita de negros do Brasil, mas que, ainda assim, tiveram a oportunidade de conhecer suas origens.

Descrição da fonte:

Trata-se de uma reportagem sobre um projeto chamado “Brasil: DNA África”, que coletou o DNA de negros brasileiros para investigar a qual etnia africana pertencem. Um dos participantes, Zulu Araújo, indagou ao líder africano do povo tikar por que a elite africana e o rei os haviam vendido como escravizados. Ao longo da reportagem Zulu deixa claro que passaram diferentes etnias africanas pelo Brasil, mas que, quando seus antepassados vieram como escravizados, toda essa diversidade se homogeneizou em “escravo africano”. Para entender mais sobre o projeto, acesse a referência no item

“Para você saber mais”.

Fonte:

FELLET, João. “Na África, indaguei rei da minha etnia por que nos venderam como escravos”. BBC Brasil, 14 de janeiro de 2016. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160113_dna_africano_zulu_jf_cc>. Acesso em: 15 abr. 19.

Para você saber mais:

CINE GROUP. Brasil: DNA África, 2014. Disponível em: <http://cinegroup.com.br/2014/07/brasil-dna-africa/>. Acesso em: 15 abr. 19.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações: É importante que seja explicado aos estudantes o projeto apresentado na reportagem, para que os mesmos tenham condições de fazer a reflexão proposta. No segundo questionamento, espera-se que eles levantem hipóteses sobre a questão da escravidão na África, e demonstrem suas opiniões sobre a existência, ou não, da escravidão anteriormente à vinda dos escravizados para o Brasil. Com base nestas reflexões, os estudantes

poderão analisar as fontes e perceber se houve e quais eram suas características principais que diferenciava do comércio atlântico de escravizados.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slide e aos quatro subsequentes.

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de um trecho do livro África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800, de John Thornton, em que o autor, especialista em História da África, faz menção às características da escravidão africana, as quais destacam-se: a captura de escravizados em guerras com países vizinhos ou civis; a utilização dos mesmos na economia doméstica; a troca de escravizados por mercadorias.

Fonte:

THORNTON, John. África e os africanos na formação do mundo atlântico 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 155.

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de uma gravura do século XVII, de autor desconhecido, presente no livro África e Brasil africano, da historiadora Marina de Mello e Souza. A imagem apresenta escravizados africanos carregando um membro da elite do Congo. Um aspecto importante a ser observado é o fato de que a questão étnico-racial não era determinante na escravização dos africanos.

Fonte:

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de um trecho do livro África e Brasil africano, da historiadora Marina de Mello e Souza, que ressalta o papel do escravizado na vida em sociedade na África. Pode-se destacar que: eles se integravam à descendência da família do seu senhor; eles poderiam acumular riquezas e conquistar privilégios; podiam possuir escravizados, mesmo sem deixar de ser escravizados também.

Fonte:

SOUZA, Marina de Mello. África e Brasil africano. 3 ed. São Paulo: Ática, 2012. p. 48

Slide Plano Aula

Orientações:

Com base nas descrições das fontes dos slides anteriores é possível discutir com os estudantes as questões propostas neste slide. Destaca-se que as fontes apresentam como se tornavam escravizados, o espaço doméstico como um dos lugares em que poderiam estar, a igualdade étnica, e não apresenta a escravidão como forma de gerar lucro. Os estudantes podem chegar a estas reflexões com base nas seguintes observações:

  • Na fonte 1, o autor aborda a questão de os escravizados ter sido capturados em guerras com países vizinhos ou civis.
  • Nas fontes 2 e 3, os autores salientam que os escravizados poderiam compor à descendência da família, e estar no ambiente doméstico.
  • Na fonte 2 pode ser observada a igualdade de cor, o que pode significar, ou não, que sejam de etnias semelhantes, o que não aconteceria
    se comparado a uma gravura no Brasil, por exemplo.
  • Nenhuma das fontes aborda a questão do comércio de escravizados como uma fonte de lucro, bem como não aborda escravizados sendo castigados de diferentes formas, também da forma como aconteceu no Brasil.
Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 17 minutos.

Orientações: Como forma de Sistematização, os estudantes, divididos em grupos de até quatro pessoas, deverão assumir a posição de um jornalista, e realizar uma matéria assim como a do Contexto, esboçando algum aspecto da escravidão na África, diferenciando com o que já conhece da escravidão no Brasil, caso ainda não conheçam, devem fazer a reportagem baseada somente na escravidão na África. O modelo a ser seguido está disponibilizado abaixo.

Modelo de reportagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/yzVG7ZB5sxMY2QBrDBCz8jRkrVEZ3HVggRwRSGGAh8Qm4WXkFGEfsMMYtSDF/his7-15un05-modelo-de-reportagem.pdf

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Lógicas comerciais e mercantis da modernidade do 7º ano :

MAIS AULAS DE História do 7º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF07HI15 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano