16611
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Geografia > 7º ano > O sujeito e seu lugar no mundo

Plano de aula - As paisagens físico-naturais do Brasil nas mídias

Plano de aula de Geografia com atividades para 7º ano do Fundamental sobre analisar ideias e concepções sobre as paisagens físico-naturais brasileiras propagadas pelos meios de comunicação

Plano 05 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Jéssica Da Silva Rodrigues Cecim

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07GE01 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Esta habilidade está relacionada com a formação territorial do Brasil em uma perspectiva que aborde, sobretudo, os imaginários estereotipados dos alunos em relação à formação do território e às paisagens brasileiras. Trata-se do aluno compreender, por meio de imagens, vídeos, músicas, mapas, literatura, dialogia, dentre outros recursos, os processos de formação territorial do Brasil e de suas regionalizações ao longo do tempo. Neste plano, especificamente, o objetivo é analisar ideias de concepções que são construídas sobre as paisagens brasileiras com foco em seus aspectos físico-naturais. O foco está em analisar como as mídias podem reiterar concepções e estereótipos sobre as paisagens naturais do Brasil. Neste sentido, a aula compreende uma etapa de exposição de material veiculado pela mídia com posterior discussão e exercício individual.

Materiais necessários:

  • Quadro
  • Projetor (caso não seja possível a utilização do projetor é possível imprimir as imagens ou buscar imagens semelhantes em mídia impressa)
  • Lápis grafite e borracha

Material complementar:

Imagens utilizadas nas etapas de Contextualização e Problematização:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/2jw5Dth6MFRZgmsNKAPua98zAss6EGBCcKPZ5XFMutKtsKzAyXxTejyanDVM/geo7-01und05-imagens-utilizadas-nas-etapas-de-contextualizacao-e-problematizacao.pdf

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

BUARQUE, Daniel. Imaginário sobre o Brasil no exterior permanece marcado por estereótipos. Folha de São Paulo, 05 de dezembro de 2017. Disponível em:

<https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/02/1855524-imaginario-sobre-o-brasil-no-exterior-permance-marcado-por-estereotipos.shtml>. Acesso em: 16 jan. 2019.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PAGANOTTI, Ivan. Imagens e estereótipos do Brasil em reportagens de correspondentes internacionais. Rumores, v. 1, n. 1, 25 dez. 2007. Disponível em:

<http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/51102/55172>. Acesso em: 17 jan. 2019.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente o slide ou escreva no quadro o tema da aula. Diga aos alunos que nesta aula vocês discutirão sobre as imagens das paisagens físico-naturais que geralmente são propagadas pelos meios de comunicação e, desta forma, esta aula se trata de pensarem, juntos, sobre os estereótipos que vão sendo criados e divulgados sobre o território brasileiro.

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações: Comece esta etapa perguntando aos alunos o que eles entendem por paisagem, se podem dar um exemplo de uma paisagem que tenham em mente. Juntamente com eles, construa a noção de que a paisagem se refere a como nós percebemos o mundo, o que nos faz, na maioria das vezes, associar paisagem àquilo que vemos, mas que a paisagem está além daquilo que os olhos podem enxergar; pode ser um cheiro, um som, uma sensação do/sobre um lugar. Esta é uma possibilidade de entendimento sobre o conceito de paisagem e, desta forma, indica-se que, se necessário, outras alternativas de conceituação sejam pesquisadas.

Apresente as imagens das reportagens aos alunos lendo com eles os enunciados. As notícias são referentes ao jornal “Diário de Notícias” de Portugal e ao britânico “The Guardian”. Pergunte aos alunos se eles compreenderam o assunto central das duas reportagens. Ao complementar as colocações dos alunos, explique, sucintamente, que o primeiro diz respeito ao desmatamento da Amazônia e a preocupação da mídia internacional com esse acontecimento e a segunda apresenta caráter mais turístico ao falar sobre Fernando de Noronha, que faz parte do estado de Pernambuco. Questione se os alunos já ouviram falar sobre o desmatamento na Amazônia em algum lugar e se conhecem/ouviram falar de lugares turísticos no Brasil que envolvam praias, cachoeiras e afins (neste momento é importante incitá-los a trazer as imagens das paisagens turísticas de caráter físico-naturais).

Em seguida, apresente a imagem da animação “Rio”, questionando se os alunos conhecem esta animação. Solicite que descrevem a imagem, prestando atenção aos elementos da paisagem observados pela arara: qual cidade brasileira é esta? Há elementos físico-naturais? Quais são eles? Espera-se que apontem o Rio de Janeiro, a praia, o morro e a vegetação. Peça para que, brevemente, um dos alunos conte o enredo do filme. A partir do que for relatado pelos alunos, prossiga complementando sobre algumas ideias centrais da animação. Caso a maioria dos alunos, ou até mesmo nenhum deles, não a tenha assistido, conte, sucintamente, que a animação é sobre uma arara azul macho que é capturada no Rio de Janeiro e adotada por uma norte-americana. Certo dia, um pesquisador brasileiro vai até os Estados Unidos com a intenção de levar a arara de volta ao Brasil para acasalar com uma fêmea, pois é o último macho de sua espécie. Na animação podemos perceber imagens bastante caricatas do Brasil, com foco na cidade do Rio de Janeiro e, sobretudo, na presença da floresta em meio à cidade. Dentre outros aspectos, o filme destaca a exuberância da floresta, ao mesmo tempo em que aponta para o desmatamento e descuidado para com a fauna e a flora. O longa-metragem aborda outros temas estereotipados, como o tráfico, o carnaval e as “vestimentas brasileiras”, no entanto, recomenda-se que estes tópicos sejam melhor trabalhados em outra aula, ou em uma aula com tempo mais extenso, se atentando, neste momento, ao recorte temático deste plano (as paisagens físico-naturais).

Fonte das manchetes:

A Amazónia aproxima-se perigosamente de um ponto de "não retorno". Diário de Notícias, 22 fev. 2018. Disponível em:

<https://www.dn.pt/sociedade/interior/floresta-da-amazonia-aproxima-se-perigosamente-de-um-ponto-de-nao-retorno-onu-9136012.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

HODGKINSON, Mike. Testing the turquoise waters of paradise. The Guardian. 10 de setembro de 2008. Disponível em: <https://www.theguardian.com/travel/2008/sep/10/brazil.wildlifeholidays>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

Shangri-la é uma expressão utilizada para descrever um lugar paradisíaco que poucos conhecem. A expressão é oriunda da obra Horizonte Perdido de James Hilton.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RAUB, Kevin. A perfect day in Brazil's aquatic Eden. CNN Travel, 4 de janeiro de 2018. Disponível em:

<https://edition.cnn.com/travel/article/fernando-de-noronha-brazil/index.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Rio - Official Trailer|HQ. 2010 (2min46s). Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2019.

SHANGRI-LA. Oxford Dictionary. Disponível em:

<https://en.oxforddictionaries.com/definition/shangri-la>. Acesso em: 18 jan. 2019.

WATTS, Jonathan. Brazil abolishes huge Amazon reserve in 'biggest attack' in 50 years. The Guardian, 24 de agosto de 2017. Disponível em: <https://www.theguardian.com/environment/2017/aug/24/brazil-abolishes-huge-amazon-reserve-in-biggest-attack-in-50-years>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Comece esta etapa perguntando aos alunos o que eles entendem por paisagem, se podem dar um exemplo de uma paisagem que tenham em mente. Juntamente com eles, construa a noção de que a paisagem se refere a como nós percebemos o mundo, o que nos faz, na maioria das vezes, associar paisagem àquilo que vemos, mas que a paisagem está além daquilo que os olhos podem enxergar; pode ser um cheiro, um som, uma sensação do/sobre um lugar. Esta é uma possibilidade de entendimento sobre o conceito de paisagem e, desta forma, indica-se que, se necessário, outras alternativas de conceituação sejam pesquisadas.

Apresente as imagens das reportagens aos alunos lendo com eles os enunciados. As notícias são referentes ao jornal “Diário de Notícias” de Portugal e ao britânico “The Guardian”. Pergunte aos alunos se eles compreenderam o assunto central das duas reportagens. Ao complementar as colocações dos alunos, explique, sucintamente, que o primeiro diz respeito ao desmatamento da Amazônia e a preocupação da mídia internacional com esse acontecimento e a segunda apresenta caráter mais turístico ao falar sobre Fernando de Noronha, que faz parte do estado de Pernambuco. Questione se os alunos já ouviram falar sobre o desmatamento na Amazônia em algum lugar e se conhecem/ouviram falar de lugares turísticos no Brasil que envolvam praias, cachoeiras e afins (neste momento é importante incitá-los a trazer as imagens das paisagens turísticas de caráter físico-naturais).

Em seguida, apresente a imagem da animação “Rio”, questionando se os alunos conhecem esta animação. Solicite que descrevem a imagem, prestando atenção aos elementos da paisagem observados pela arara: qual cidade brasileira é esta? Há elementos físico-naturais? Quais são eles? Espera-se que apontem o Rio de Janeiro, a praia, o morro e a vegetação. Peça para que, brevemente, um dos alunos conte o enredo do filme. A partir do que for relatado pelos alunos, prossiga complementando sobre algumas ideias centrais da animação. Caso a maioria dos alunos, ou até mesmo nenhum deles, não a tenha assistido, conte, sucintamente, que a animação é sobre uma arara azul macho que é capturada no Rio de Janeiro e adotada por uma norte-americana. Certo dia, um pesquisador brasileiro vai até os Estados Unidos com a intenção de levar a arara de volta ao Brasil para acasalar com uma fêmea, pois é o último macho de sua espécie. Na animação podemos perceber imagens bastante caricatas do Brasil, com foco na cidade do Rio de Janeiro e, sobretudo, na presença da floresta em meio à cidade. Dentre outros aspectos, o filme destaca a exuberância da floresta, ao mesmo tempo em que aponta para o desmatamento e descuidado para com a fauna e a flora. O longa-metragem aborda outros temas estereotipados, como o tráfico, o carnaval e as “vestimentas brasileiras”, no entanto, recomenda-se que estes tópicos sejam melhor trabalhados em outra aula, ou em uma aula com tempo mais extenso, se atentando, neste momento, ao recorte temático deste plano (as paisagens físico-naturais).

Fonte das manchetes:

A Amazónia aproxima-se perigosamente de um ponto de "não retorno". Diário de Notícias, 22 fev. 2018. Disponível em:

<https://www.dn.pt/sociedade/interior/floresta-da-amazonia-aproxima-se-perigosamente-de-um-ponto-de-nao-retorno-onu-9136012.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

HODGKINSON, Mike. Testing the turquoise waters of paradise. The Guardian. 10 de setembro de 2008. Disponível em: <https://www.theguardian.com/travel/2008/sep/10/brazil.wildlifeholidays>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

Shangri-la é uma expressão utilizada para descrever um lugar paradisíaco que poucos conhecem. A expressão é oriunda da obra Horizonte Perdido de James Hilton.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RAUB, Kevin. A perfect day in Brazil's aquatic Eden. CNN Travel, 4 de janeiro de 2018. Disponível em:

<https://edition.cnn.com/travel/article/fernando-de-noronha-brazil/index.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Rio - Official Trailer|HQ. 2010 (2min46s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=P1GRO31ve5Q>. Acesso em: 18 jan. 2019.

SHANGRI-LA. Oxford Dictionary. Disponível em:

<https://en.oxforddictionaries.com/definition/shangri-la>. Acesso em: 18 jan. 2019.

WATTS, Jonathan. Brazil abolishes huge Amazon reserve in 'biggest attack' in 50 years. The Guardian, 24 de agosto de 2017. Disponível em: <https://www.theguardian.com/environment/2017/aug/24/brazil-abolishes-huge-amazon-reserve-in-biggest-attack-in-50-years>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos

Orientações: Leia com os alunos o título desta etapa da aula “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza”, questionando se os alunos conhecem essa música e sobre qual é o tema principal da letra (o Brasil).

Trata-se da música “País Tropical” de Jorge Ben Jor. Este é um momento de familiarização e, assim, não há necessidade de que seja prolongado.

Em seguida, leia com os alunos o trecho d’A Carta escrita em 1500. Pergunte se sabem do que se trata e explique, caso nenhum dos alunos aponte, que se refere à carta escrita por Pero Vaz de Caminha (um escrivão) a Dom Miguel I relatando suas impressões sobre o local que viria a ser chamado de Brasil. Peça para que se atentem aos trechos destacados, os quais fazem referência aos aspectos físico-naturais da paisagem percebidos por Pero Vaz de Caminha e relatados ao rei de Portugal.

Na sequência, apresente a obra de Rugendas e peça para que os alunos a descrevam. O que ela retrata? Existem elementos humanos presentes na pintura? Em qual século essa obra foi criada? Espera-se que descrevam a exuberância da floresta e a presença um grupo indígena. O ano, 1830, aponta para uma obra do século XIX. Explique que muitas representações das paisagens brasileiras nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, assim como essa, focaram nas paisagens físico-naturais e na exuberância das florestas brasileiras.

Questione aos alunos: “Se você fosse um estrangeiro que nunca tivesse vindo ao Brasil e baseasse sua opinião sobre o país em pinturas como esta e descrições como as de Caminha, como acharia que é o Brasil? E se você lesse reportagens falando das paisagens paradisíacas do país?” Espera-se que, neste momento, os alunos tragam enunciados que apresentem uma concepção de Brasil baseada nas florestas e nas paisagens físico-naturais paradisíacas, na associação do território nacional com praias, cachoeiras, chapadas e elementos do gênero.

Prossiga questionando: “E se você baseasse sua opinião em animações como “Rio”, em que o protagonista é uma arara azul lutando contra a extinção nas florestas brasileiras, como pensaria que as pessoas tratam as florestas no Brasil? E se você lesse reportagens dizendo que as florestas estão sendo desmatadas?” Neste ponto, é esperado que os alunos indiquem uma carência na preservação dos elementos físico-naturais brasileiros.

Nesta etapa é importante que os alunos reflitam sobre as imagens que vão sendo criadas sobre o Brasil no exterior, e mesmo dentro do próprio país, sobre dois pontos principais:

1) a associação do país com lugares paradisíacos voltados ao turismo e

2) à falta de cuidado com as florestas localizadas no território brasileiro.

Por fim, apresente a imagem retirada do Wikipedia norte-americano em 2019 com o intuito de reiterar essa linha de raciocínio e chamar a atenção em como determinados estereótipos são atuais. Leia com eles a tradução para o português com especial atenção às palavras destacadas, que dizem respeito aos aspectos físico-naturais das paisagens brasileiras e de lugares que mais atraem turistas no Brasil, como o Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu, assim como destaque para a Bacia Amazônica. Problematize que de todas as coisas que poderiam ser ditas sobre o Brasil nesse resumo, optou-se por destacar seus elementos físico-naturais.

Retorne rapidamente à pergunta: “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza?” e aponte sua relação com a imagem construída pelas mídias sobre o Brasil que, por diversas vezes, foca em suas paisagens físico-naturais.

Para você saber mais:

Para realizar uma pesquisa sobre o Brasil do Google norte-americano é necessário digitar no navegador >www.google.com/ncr< e então digitar “Brazil” na barra de pesquisa.

CAMINHA, Pero Vaz de. A Carta (1500). Portal Domínio Público. Universidade da Amazônia, s/d. Disponível em:

<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000283.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2019.

JOR, Jorge Ben. País Tropical. Canal Jorge Ben Jor. 23 de julho de 2015 (06min05s) Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=JzByVhWju88>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RUGENDAS, Johann Moritz (1830). Paisagem na selva tropical brasileira. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra2988/paisagem-na-selva-tropical-brasileira>. Acesso em: 18 jan. 2019

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Leia com os alunos o título desta etapa da aula “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza”, questionando se os alunos conhecem essa música e sobre qual é o tema principal da letra (o Brasil).

Trata-se da música “País Tropical” de Jorge Ben Jor. Este é um momento de familiarização e, assim, não há necessidade de que seja prolongado.

Em seguida, leia com os alunos o trecho d’A Carta escrita em 1500. Pergunte se sabem do que se trata e explique, caso nenhum dos alunos aponte, que se refere à carta escrita por Pero Vaz de Caminha (um escrivão) a Dom Miguel I relatando suas impressões sobre o local que viria a ser chamado de Brasil. Peça para que se atentem aos trechos destacados, os quais fazem referência aos aspectos físico-naturais da paisagem percebidos por Pero Vaz de Caminha e relatados ao rei de Portugal.

Na sequência, apresente a obra de Rugendas e peça para que os alunos a descrevam. O que ela retrata? Existem elementos humanos presentes na pintura? Em qual século essa obra foi criada? Espera-se que descrevam a exuberância da floresta e a presença um grupo indígena. O ano, 1830, aponta para uma obra do século XIX. Explique que muitas representações das paisagens brasileiras nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, assim como essa, focaram nas paisagens físico-naturais e na exuberância das florestas brasileiras.

Questione aos alunos: “Se você fosse um estrangeiro que nunca tivesse vindo ao Brasil e baseasse sua opinião sobre o país em pinturas como esta e descrições como as de Caminha, como acharia que é o Brasil? E se você lesse reportagens falando das paisagens paradisíacas do país?” Espera-se que, neste momento, os alunos tragam enunciados que apresentem uma concepção de Brasil baseada nas florestas e nas paisagens físico-naturais paradisíacas, na associação do território nacional com praias, cachoeiras, chapadas e elementos do gênero.

Prossiga questionando: “E se você baseasse sua opinião em animações como “Rio”, em que o protagonista é uma arara azul lutando contra a extinção nas florestas brasileiras, como pensaria que as pessoas tratam as florestas no Brasil? E se você lesse reportagens dizendo que as florestas estão sendo desmatadas?” Neste ponto, é esperado que os alunos indiquem uma carência na preservação dos elementos físico-naturais brasileiros.

Nesta etapa é importante que os alunos reflitam sobre as imagens que vão sendo criadas sobre o Brasil no exterior, e mesmo dentro do próprio país, sobre dois pontos principais:

1) a associação do país com lugares paradisíacos voltados ao turismo e

2) à falta de cuidado com as florestas localizadas no território brasileiro.

Por fim, apresente a imagem retirada do Wikipedia norte-americano em 2019 com o intuito de reiterar essa linha de raciocínio e chamar a atenção em como determinados estereótipos são atuais. Leia com eles a tradução para o português com especial atenção às palavras destacadas, que dizem respeito aos aspectos físico-naturais das paisagens brasileiras e de lugares que mais atraem turistas no Brasil, como o Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu, assim como destaque para a Bacia Amazônica. Problematize que de todas as coisas que poderiam ser ditas sobre o Brasil nesse resumo, optou-se por destacar seus elementos físico-naturais.

Retorne rapidamente à pergunta: “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza?” e aponte sua relação com a imagem construída pelas mídias sobre o Brasil que, por diversas vezes, foca em suas paisagens físico-naturais.

Para você saber mais:

Para realizar uma pesquisa sobre o Brasil do Google norte-americano é necessário digitar no navegador >www.google.com/ncr< e então digitar “Brazil” na barra de pesquisa.

CAMINHA, Pero Vaz de. A Carta (1500). Portal Domínio Público. Universidade da Amazônia, s/d. Disponível em:

<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000283.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2019.

JOR, Jorge Ben. País Tropical. Canal Jorge Ben Jor. 23 de julho de 2015 (06min05s) Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=JzByVhWju88>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RUGENDAS, Johann Moritz (1830). Paisagem na selva tropical brasileira. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra2988/paisagem-na-selva-tropical-brasileira>. Acesso em: 18 jan. 2019

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Leia com os alunos o título desta etapa da aula “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza”, questionando se os alunos conhecem essa música e sobre qual é o tema principal da letra (o Brasil).

Trata-se da música “País Tropical” de Jorge Ben Jor. Este é um momento de familiarização e, assim, não há necessidade de que seja prolongado.

Em seguida, leia com os alunos o trecho d’A Carta escrita em 1500. Pergunte se sabem do que se trata e explique, caso nenhum dos alunos aponte, que se refere à carta escrita por Pero Vaz de Caminha (um escrivão) a Dom Miguel I relatando suas impressões sobre o local que viria a ser chamado de Brasil. Peça para que se atentem aos trechos destacados, os quais fazem referência aos aspectos físico-naturais da paisagem percebidos por Pero Vaz de Caminha e relatados ao rei de Portugal.

Na sequência, apresente a obra de Rugendas e peça para que os alunos a descrevam. O que ela retrata? Existem elementos humanos presentes na pintura? Em qual século essa obra foi criada? Espera-se que descrevam a exuberância da floresta e a presença um grupo indígena. O ano, 1830, aponta para uma obra do século XIX. Explique que muitas representações das paisagens brasileiras nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, assim como essa, focaram nas paisagens físico-naturais e na exuberância das florestas brasileiras.

Questione aos alunos: “Se você fosse um estrangeiro que nunca tivesse vindo ao Brasil e baseasse sua opinião sobre o país em pinturas como esta e descrições como as de Caminha, como acharia que é o Brasil? E se você lesse reportagens falando das paisagens paradisíacas do país?” Espera-se que, neste momento, os alunos tragam enunciados que apresentem uma concepção de Brasil baseada nas florestas e nas paisagens físico-naturais paradisíacas, na associação do território nacional com praias, cachoeiras, chapadas e elementos do gênero.

Prossiga questionando: “E se você baseasse sua opinião em animações como “Rio”, em que o protagonista é uma arara azul lutando contra a extinção nas florestas brasileiras, como pensaria que as pessoas tratam as florestas no Brasil? E se você lesse reportagens dizendo que as florestas estão sendo desmatadas?” Neste ponto, é esperado que os alunos indiquem uma carência na preservação dos elementos físico-naturais brasileiros.

Nesta etapa é importante que os alunos reflitam sobre as imagens que vão sendo criadas sobre o Brasil no exterior, e mesmo dentro do próprio país, sobre dois pontos principais:

1) a associação do país com lugares paradisíacos voltados ao turismo e

2) à falta de cuidado com as florestas localizadas no território brasileiro.

Por fim, apresente a imagem retirada do Wikipedia norte-americano em 2019 com o intuito de reiterar essa linha de raciocínio e chamar a atenção em como determinados estereótipos são atuais. Leia com eles a tradução para o português com especial atenção às palavras destacadas, que dizem respeito aos aspectos físico-naturais das paisagens brasileiras e de lugares que mais atraem turistas no Brasil, como o Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu, assim como destaque para a Bacia Amazônica. Problematize que de todas as coisas que poderiam ser ditas sobre o Brasil nesse resumo, optou-se por destacar seus elementos físico-naturais.

Retorne rapidamente à pergunta: “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza?” e aponte sua relação com a imagem construída pelas mídias sobre o Brasil que, por diversas vezes, foca em suas paisagens físico-naturais.

Para você saber mais:

Para realizar uma pesquisa sobre o Brasil do Google norte-americano é necessário digitar no navegador >www.google.com/ncr< e então digitar “Brazil” na barra de pesquisa.

CAMINHA, Pero Vaz de. A Carta (1500). Portal Domínio Público. Universidade da Amazônia, s/d. Disponível em:

<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000283.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2019.

JOR, Jorge Ben. País Tropical. Canal Jorge Ben Jor. 23 de julho de 2015 (06min05s) Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=JzByVhWju88>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RUGENDAS, Johann Moritz (1830). Paisagem na selva tropical brasileira. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra2988/paisagem-na-selva-tropical-brasileira>. Acesso em: 18 jan. 2019

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações: Solicite que os alunos escrevem em seus cadernos resumos de cinco a dez linhas sobre o Brasil como o exemplo extraído do Wikipedia norte-americano. Enfatize que eles deverão buscar fugir dos estereótipos físico-naturais discutidos em sala de aula. Enquanto os alunos escrevem, circule pela sala e vá observando o que estão produzindo, pois esta observação servirá de subsídio para a etapa de Sistematização.

É provável que, ao tentar fugir dos estereótipos físico-naturais, os alunos caminhem por outros estereótipos nacionais, como por exemplo as festividades, a música e o futebol. É possível ainda que alguns alunos, com este mesmo intento de fuga, recorram aos lugares que conhecem e, assim, suas descrições se desloquem do imaginário na escala do nacional para escalas regionais e locais. Nenhuma dessas possibilidades é problemática e todas devem ser tratadas como igualmente legítimas. Na etapa posterior a esta, ambas serão ricas para a discussão final da aula.

Como adequar à sua realidade: Uma aula como esta pode ser utilizada no intento de compreender estereótipos relacionados às paisagens do município ou região no qual a escola se localiza. Trata-se de levantar situações que possam ter contribuído para a construção dos estereótipos que se escolha trabalhar, discutindo qual é a imagem deste lugar que é mais amplamente divulgada pelos meios de comunicação e como esta imagem podem ter sido construída e reiterada ao longo do tempo.

Para você saber mais: A Wikipédia é uma enciclopédia livre na qual todos, voluntariamente, podem editar sobre qualquer assunto de forma colaborativa. É um projeto que tem o objetivo de oferecer conteúdos livres e que possam ser verificados, de modo que as informações nela contidas apresentem referências bibliográficas, como toda e qualquer pesquisa que se pretende legítima. Apesar do cuidado e seriedade do trabalho dos desenvolvedores e colaboradores do projeto, recomenda-se discutir com os alunos a sua utilização como ferramenta para consultas de caráter mais superficial, sempre procurando aprofundar as pesquisas em outras fontes.

Wikipédia - a enciclopédia livre. Disponível em:

<https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos

Orientações: Escolha algumas descrições dos alunos (duas ou três a depender do tempo disponível para a aula) e discuta as características que os alunos escolheram destacar. É importante tratar todas as colocações como legítimas, desde que desprovidas de preconceitos nítidos.

Pergunte se tiveram dificuldade de descrever o Brasil sem que pudessem mencionar as paisagens físico-naturais. Caso a resposta seja positiva, fale sobre a empenho de procurar fugir de algumas ideias que vão sendo concebidas sobre os lugares no decorrer do tempo, apontando para o caso brasileiro, no qual as paisagens físico-naturais têm tido destaque desde à chegada dos portugueses há mais de quinhentos anos. Caso os alunos tenham se utilizado de características mais locais para descrever o Brasil, destaque que ao tentar fugir de estereótipos e concepções mais gerais sobre qualquer assunto, somos levados a falar daquilo que conhecemos um pouco mais, o que nos indica que para desconstruir estereótipos é importante que busquemos sempre pesquisar sobre o assunto de interesse.

Por fim, construa uma reflexão no sentido de discutir como os estereótipos podem reduzir e simplificar nossas ideias e concepções sobre os lugares (e/ou situações, pessoas, grupos sociais), de modo a nos levar a acreditar que um lugar é sempre apenas uma coisa determinada ou um pequeno conjunto de características. Questione, sem esperar por suas respostas, mas de modo a levá-los à reflexão, se nós não fazemos isso em relação a outros lugares, como outros países e até mesmo em relação ao Brasil, seus estados e seus municípios.

O objetivo desta aula não é afirmar a inexistência dessas paisagens físico-naturais, tampouco negar relações que são construídas com elas, como a questão do turismo e do desmatamento das florestas, que são acontecimentos marcantes no território brasileiro. Trata-se de refletir sobre como é possível construir um estereótipo sobre o território de determinado país, região, estado ou município ao longo do tempo e que as tentativas de compreensão do estereótipo e, ainda, o intento de sua desconstrução, implica a realização de estudos e pesquisas sobre os lugares de modo a não reduzi-los a apenas um conjunto de aspectos.

Para você saber mais:

Estereótipos se referem a generalizações; pressupostos criados sobre características de grupos sociais, lugares ou situações, funcionando como "rótulos" que supõe padrões sociais que são esperados de indivíduos que compõem esses grupos ou um conjunto reduzidos de características que definem um lugar. Na maioria das situações os estereótipos carregam características negativas e reducionistas em relação à pessoa, grupo ou local representado, o que pode levar à construção de concepções preconceituosas.

ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma única história. IN: TED, Ideas worth spreading. TED Global. Oxford, Reino Unido, 2009 (18min46s). Disponível em:

<https://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript?language=pt-br>. Acesso em: 08 jan. 2019.

BACCEGA, Maria Aparecida. O estereótipos e as diversidades. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 13, 1998. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36820/39542>. Acesso em: 12 jan. 2019.

GUERRA, Luiz Antonio. Estereótipos. InfoEscola. Disponível em:

<https://www.infoescola.com/sociologia/estereotipo/>. Acesso em: 08 jan. 2019.

Preconceito e Estereótipos. 2014 (04min14seg). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?time_continue=235&v=7m-yuzFljpc>. Acesso em: 08 jan. 2019.

TORREÃO, Christiano. TED - O perigo de uma história única - Chimamanda Adichie - Dublado em português, 2014 (18min46s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=qDovHZVdyVQ>. Acesso em: 08 jan. 2019.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07GE01 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Esta habilidade está relacionada com a formação territorial do Brasil em uma perspectiva que aborde, sobretudo, os imaginários estereotipados dos alunos em relação à formação do território e às paisagens brasileiras. Trata-se do aluno compreender, por meio de imagens, vídeos, músicas, mapas, literatura, dialogia, dentre outros recursos, os processos de formação territorial do Brasil e de suas regionalizações ao longo do tempo. Neste plano, especificamente, o objetivo é analisar ideias de concepções que são construídas sobre as paisagens brasileiras com foco em seus aspectos físico-naturais. O foco está em analisar como as mídias podem reiterar concepções e estereótipos sobre as paisagens naturais do Brasil. Neste sentido, a aula compreende uma etapa de exposição de material veiculado pela mídia com posterior discussão e exercício individual.

Materiais necessários:

  • Quadro
  • Projetor (caso não seja possível a utilização do projetor é possível imprimir as imagens ou buscar imagens semelhantes em mídia impressa)
  • Lápis grafite e borracha

Material complementar:

Imagens utilizadas nas etapas de Contextualização e Problematização:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/2jw5Dth6MFRZgmsNKAPua98zAss6EGBCcKPZ5XFMutKtsKzAyXxTejyanDVM/geo7-01und05-imagens-utilizadas-nas-etapas-de-contextualizacao-e-problematizacao.pdf

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

BUARQUE, Daniel. Imaginário sobre o Brasil no exterior permanece marcado por estereótipos. Folha de São Paulo, 05 de dezembro de 2017. Disponível em:

<https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/02/1855524-imaginario-sobre-o-brasil-no-exterior-permance-marcado-por-estereotipos.shtml>. Acesso em: 16 jan. 2019.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PAGANOTTI, Ivan. Imagens e estereótipos do Brasil em reportagens de correspondentes internacionais. Rumores, v. 1, n. 1, 25 dez. 2007. Disponível em:

<http://www.revistas.usp.br/Rumores/article/view/51102/55172>. Acesso em: 17 jan. 2019.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente o slide ou escreva no quadro o tema da aula. Diga aos alunos que nesta aula vocês discutirão sobre as imagens das paisagens físico-naturais que geralmente são propagadas pelos meios de comunicação e, desta forma, esta aula se trata de pensarem, juntos, sobre os estereótipos que vão sendo criados e divulgados sobre o território brasileiro.

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações: Comece esta etapa perguntando aos alunos o que eles entendem por paisagem, se podem dar um exemplo de uma paisagem que tenham em mente. Juntamente com eles, construa a noção de que a paisagem se refere a como nós percebemos o mundo, o que nos faz, na maioria das vezes, associar paisagem àquilo que vemos, mas que a paisagem está além daquilo que os olhos podem enxergar; pode ser um cheiro, um som, uma sensação do/sobre um lugar. Esta é uma possibilidade de entendimento sobre o conceito de paisagem e, desta forma, indica-se que, se necessário, outras alternativas de conceituação sejam pesquisadas.

Apresente as imagens das reportagens aos alunos lendo com eles os enunciados. As notícias são referentes ao jornal “Diário de Notícias” de Portugal e ao britânico “The Guardian”. Pergunte aos alunos se eles compreenderam o assunto central das duas reportagens. Ao complementar as colocações dos alunos, explique, sucintamente, que o primeiro diz respeito ao desmatamento da Amazônia e a preocupação da mídia internacional com esse acontecimento e a segunda apresenta caráter mais turístico ao falar sobre Fernando de Noronha, que faz parte do estado de Pernambuco. Questione se os alunos já ouviram falar sobre o desmatamento na Amazônia em algum lugar e se conhecem/ouviram falar de lugares turísticos no Brasil que envolvam praias, cachoeiras e afins (neste momento é importante incitá-los a trazer as imagens das paisagens turísticas de caráter físico-naturais).

Em seguida, apresente a imagem da animação “Rio”, questionando se os alunos conhecem esta animação. Solicite que descrevem a imagem, prestando atenção aos elementos da paisagem observados pela arara: qual cidade brasileira é esta? Há elementos físico-naturais? Quais são eles? Espera-se que apontem o Rio de Janeiro, a praia, o morro e a vegetação. Peça para que, brevemente, um dos alunos conte o enredo do filme. A partir do que for relatado pelos alunos, prossiga complementando sobre algumas ideias centrais da animação. Caso a maioria dos alunos, ou até mesmo nenhum deles, não a tenha assistido, conte, sucintamente, que a animação é sobre uma arara azul macho que é capturada no Rio de Janeiro e adotada por uma norte-americana. Certo dia, um pesquisador brasileiro vai até os Estados Unidos com a intenção de levar a arara de volta ao Brasil para acasalar com uma fêmea, pois é o último macho de sua espécie. Na animação podemos perceber imagens bastante caricatas do Brasil, com foco na cidade do Rio de Janeiro e, sobretudo, na presença da floresta em meio à cidade. Dentre outros aspectos, o filme destaca a exuberância da floresta, ao mesmo tempo em que aponta para o desmatamento e descuidado para com a fauna e a flora. O longa-metragem aborda outros temas estereotipados, como o tráfico, o carnaval e as “vestimentas brasileiras”, no entanto, recomenda-se que estes tópicos sejam melhor trabalhados em outra aula, ou em uma aula com tempo mais extenso, se atentando, neste momento, ao recorte temático deste plano (as paisagens físico-naturais).

Fonte das manchetes:

A Amazónia aproxima-se perigosamente de um ponto de "não retorno". Diário de Notícias, 22 fev. 2018. Disponível em:

<https://www.dn.pt/sociedade/interior/floresta-da-amazonia-aproxima-se-perigosamente-de-um-ponto-de-nao-retorno-onu-9136012.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

HODGKINSON, Mike. Testing the turquoise waters of paradise. The Guardian. 10 de setembro de 2008. Disponível em: <https://www.theguardian.com/travel/2008/sep/10/brazil.wildlifeholidays>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

Shangri-la é uma expressão utilizada para descrever um lugar paradisíaco que poucos conhecem. A expressão é oriunda da obra Horizonte Perdido de James Hilton.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RAUB, Kevin. A perfect day in Brazil's aquatic Eden. CNN Travel, 4 de janeiro de 2018. Disponível em:

<https://edition.cnn.com/travel/article/fernando-de-noronha-brazil/index.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Rio - Official Trailer|HQ. 2010 (2min46s). Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2019.

SHANGRI-LA. Oxford Dictionary. Disponível em:

<https://en.oxforddictionaries.com/definition/shangri-la>. Acesso em: 18 jan. 2019.

WATTS, Jonathan. Brazil abolishes huge Amazon reserve in 'biggest attack' in 50 years. The Guardian, 24 de agosto de 2017. Disponível em: <https://www.theguardian.com/environment/2017/aug/24/brazil-abolishes-huge-amazon-reserve-in-biggest-attack-in-50-years>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Comece esta etapa perguntando aos alunos o que eles entendem por paisagem, se podem dar um exemplo de uma paisagem que tenham em mente. Juntamente com eles, construa a noção de que a paisagem se refere a como nós percebemos o mundo, o que nos faz, na maioria das vezes, associar paisagem àquilo que vemos, mas que a paisagem está além daquilo que os olhos podem enxergar; pode ser um cheiro, um som, uma sensação do/sobre um lugar. Esta é uma possibilidade de entendimento sobre o conceito de paisagem e, desta forma, indica-se que, se necessário, outras alternativas de conceituação sejam pesquisadas.

Apresente as imagens das reportagens aos alunos lendo com eles os enunciados. As notícias são referentes ao jornal “Diário de Notícias” de Portugal e ao britânico “The Guardian”. Pergunte aos alunos se eles compreenderam o assunto central das duas reportagens. Ao complementar as colocações dos alunos, explique, sucintamente, que o primeiro diz respeito ao desmatamento da Amazônia e a preocupação da mídia internacional com esse acontecimento e a segunda apresenta caráter mais turístico ao falar sobre Fernando de Noronha, que faz parte do estado de Pernambuco. Questione se os alunos já ouviram falar sobre o desmatamento na Amazônia em algum lugar e se conhecem/ouviram falar de lugares turísticos no Brasil que envolvam praias, cachoeiras e afins (neste momento é importante incitá-los a trazer as imagens das paisagens turísticas de caráter físico-naturais).

Em seguida, apresente a imagem da animação “Rio”, questionando se os alunos conhecem esta animação. Solicite que descrevem a imagem, prestando atenção aos elementos da paisagem observados pela arara: qual cidade brasileira é esta? Há elementos físico-naturais? Quais são eles? Espera-se que apontem o Rio de Janeiro, a praia, o morro e a vegetação. Peça para que, brevemente, um dos alunos conte o enredo do filme. A partir do que for relatado pelos alunos, prossiga complementando sobre algumas ideias centrais da animação. Caso a maioria dos alunos, ou até mesmo nenhum deles, não a tenha assistido, conte, sucintamente, que a animação é sobre uma arara azul macho que é capturada no Rio de Janeiro e adotada por uma norte-americana. Certo dia, um pesquisador brasileiro vai até os Estados Unidos com a intenção de levar a arara de volta ao Brasil para acasalar com uma fêmea, pois é o último macho de sua espécie. Na animação podemos perceber imagens bastante caricatas do Brasil, com foco na cidade do Rio de Janeiro e, sobretudo, na presença da floresta em meio à cidade. Dentre outros aspectos, o filme destaca a exuberância da floresta, ao mesmo tempo em que aponta para o desmatamento e descuidado para com a fauna e a flora. O longa-metragem aborda outros temas estereotipados, como o tráfico, o carnaval e as “vestimentas brasileiras”, no entanto, recomenda-se que estes tópicos sejam melhor trabalhados em outra aula, ou em uma aula com tempo mais extenso, se atentando, neste momento, ao recorte temático deste plano (as paisagens físico-naturais).

Fonte das manchetes:

A Amazónia aproxima-se perigosamente de um ponto de "não retorno". Diário de Notícias, 22 fev. 2018. Disponível em:

<https://www.dn.pt/sociedade/interior/floresta-da-amazonia-aproxima-se-perigosamente-de-um-ponto-de-nao-retorno-onu-9136012.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

HODGKINSON, Mike. Testing the turquoise waters of paradise. The Guardian. 10 de setembro de 2008. Disponível em: <https://www.theguardian.com/travel/2008/sep/10/brazil.wildlifeholidays>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Para você saber mais: A paisagem é uma categoria que se relaciona com a percepção do mundo; trata-se da maneira como percebemos as feições físicas e culturais do presente e do passado que compõem o espaço geográfico. Ao analisar as paisagens é importante que se esteja atento ao que é por elas evidenciado e intencionalidades que nem sempre estão explícitas na forma como elas se apresentam. O que percebemos das paisagens varia a depender das informações nelas contidas e da perspectiva de quem a percebe. Desta forma, segundo a abordagem da professora Lana Cavalcanti, a partir do professor Milton Santos, a paisagem se encontra na dimensão da percepção - um processo de apreensão que é seletivo - e se refere a um instante da sociedade que foi materializado. Para a professora Helena Callai, é sempre preciso “ver além da aparência” ao se tratar das paisagens, analisando os aspectos e origens e tais paisagens.

Shangri-la é uma expressão utilizada para descrever um lugar paradisíaco que poucos conhecem. A expressão é oriunda da obra Horizonte Perdido de James Hilton.

CALLAI, Helena. Estudar a Paisagem para aprender Geografia. In: PEREIRA, Marcelo Garrido.(Comp.). La opacidad del Paisaje imagens e tempos educativos. Porto Alegre. Imprensa Livre, 2013. pp. 37-55.

CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

PENA, Rodolfo F. Alves. Conceito de Paisagem. Mundo Educação. Disponível em:

<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/conceito-paisagem.htm>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RAUB, Kevin. A perfect day in Brazil's aquatic Eden. CNN Travel, 4 de janeiro de 2018. Disponível em:

<https://edition.cnn.com/travel/article/fernando-de-noronha-brazil/index.html>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Rio - Official Trailer|HQ. 2010 (2min46s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=P1GRO31ve5Q>. Acesso em: 18 jan. 2019.

SHANGRI-LA. Oxford Dictionary. Disponível em:

<https://en.oxforddictionaries.com/definition/shangri-la>. Acesso em: 18 jan. 2019.

WATTS, Jonathan. Brazil abolishes huge Amazon reserve in 'biggest attack' in 50 years. The Guardian, 24 de agosto de 2017. Disponível em: <https://www.theguardian.com/environment/2017/aug/24/brazil-abolishes-huge-amazon-reserve-in-biggest-attack-in-50-years>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos

Orientações: Leia com os alunos o título desta etapa da aula “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza”, questionando se os alunos conhecem essa música e sobre qual é o tema principal da letra (o Brasil).

Trata-se da música “País Tropical” de Jorge Ben Jor. Este é um momento de familiarização e, assim, não há necessidade de que seja prolongado.

Em seguida, leia com os alunos o trecho d’A Carta escrita em 1500. Pergunte se sabem do que se trata e explique, caso nenhum dos alunos aponte, que se refere à carta escrita por Pero Vaz de Caminha (um escrivão) a Dom Miguel I relatando suas impressões sobre o local que viria a ser chamado de Brasil. Peça para que se atentem aos trechos destacados, os quais fazem referência aos aspectos físico-naturais da paisagem percebidos por Pero Vaz de Caminha e relatados ao rei de Portugal.

Na sequência, apresente a obra de Rugendas e peça para que os alunos a descrevam. O que ela retrata? Existem elementos humanos presentes na pintura? Em qual século essa obra foi criada? Espera-se que descrevam a exuberância da floresta e a presença um grupo indígena. O ano, 1830, aponta para uma obra do século XIX. Explique que muitas representações das paisagens brasileiras nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, assim como essa, focaram nas paisagens físico-naturais e na exuberância das florestas brasileiras.

Questione aos alunos: “Se você fosse um estrangeiro que nunca tivesse vindo ao Brasil e baseasse sua opinião sobre o país em pinturas como esta e descrições como as de Caminha, como acharia que é o Brasil? E se você lesse reportagens falando das paisagens paradisíacas do país?” Espera-se que, neste momento, os alunos tragam enunciados que apresentem uma concepção de Brasil baseada nas florestas e nas paisagens físico-naturais paradisíacas, na associação do território nacional com praias, cachoeiras, chapadas e elementos do gênero.

Prossiga questionando: “E se você baseasse sua opinião em animações como “Rio”, em que o protagonista é uma arara azul lutando contra a extinção nas florestas brasileiras, como pensaria que as pessoas tratam as florestas no Brasil? E se você lesse reportagens dizendo que as florestas estão sendo desmatadas?” Neste ponto, é esperado que os alunos indiquem uma carência na preservação dos elementos físico-naturais brasileiros.

Nesta etapa é importante que os alunos reflitam sobre as imagens que vão sendo criadas sobre o Brasil no exterior, e mesmo dentro do próprio país, sobre dois pontos principais:

1) a associação do país com lugares paradisíacos voltados ao turismo e

2) à falta de cuidado com as florestas localizadas no território brasileiro.

Por fim, apresente a imagem retirada do Wikipedia norte-americano em 2019 com o intuito de reiterar essa linha de raciocínio e chamar a atenção em como determinados estereótipos são atuais. Leia com eles a tradução para o português com especial atenção às palavras destacadas, que dizem respeito aos aspectos físico-naturais das paisagens brasileiras e de lugares que mais atraem turistas no Brasil, como o Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu, assim como destaque para a Bacia Amazônica. Problematize que de todas as coisas que poderiam ser ditas sobre o Brasil nesse resumo, optou-se por destacar seus elementos físico-naturais.

Retorne rapidamente à pergunta: “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza?” e aponte sua relação com a imagem construída pelas mídias sobre o Brasil que, por diversas vezes, foca em suas paisagens físico-naturais.

Para você saber mais:

Para realizar uma pesquisa sobre o Brasil do Google norte-americano é necessário digitar no navegador >www.google.com/ncr< e então digitar “Brazil” na barra de pesquisa.

CAMINHA, Pero Vaz de. A Carta (1500). Portal Domínio Público. Universidade da Amazônia, s/d. Disponível em:

<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000283.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2019.

JOR, Jorge Ben. País Tropical. Canal Jorge Ben Jor. 23 de julho de 2015 (06min05s) Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=JzByVhWju88>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RUGENDAS, Johann Moritz (1830). Paisagem na selva tropical brasileira. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra2988/paisagem-na-selva-tropical-brasileira>. Acesso em: 18 jan. 2019

Slide Plano Aula

Orientações: Leia com os alunos o título desta etapa da aula “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza”, questionando se os alunos conhecem essa música e sobre qual é o tema principal da letra (o Brasil).

Trata-se da música “País Tropical” de Jorge Ben Jor. Este é um momento de familiarização e, assim, não há necessidade de que seja prolongado.

Em seguida, leia com os alunos o trecho d’A Carta escrita em 1500. Pergunte se sabem do que se trata e explique, caso nenhum dos alunos aponte, que se refere à carta escrita por Pero Vaz de Caminha (um escrivão) a Dom Miguel I relatando suas impressões sobre o local que viria a ser chamado de Brasil. Peça para que se atentem aos trechos destacados, os quais fazem referência aos aspectos físico-naturais da paisagem percebidos por Pero Vaz de Caminha e relatados ao rei de Portugal.

Na sequência, apresente a obra de Rugendas e peça para que os alunos a descrevam. O que ela retrata? Existem elementos humanos presentes na pintura? Em qual século essa obra foi criada? Espera-se que descrevam a exuberância da floresta e a presença um grupo indígena. O ano, 1830, aponta para uma obra do século XIX. Explique que muitas representações das paisagens brasileiras nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, assim como essa, focaram nas paisagens físico-naturais e na exuberância das florestas brasileiras.

Questione aos alunos: “Se você fosse um estrangeiro que nunca tivesse vindo ao Brasil e baseasse sua opinião sobre o país em pinturas como esta e descrições como as de Caminha, como acharia que é o Brasil? E se você lesse reportagens falando das paisagens paradisíacas do país?” Espera-se que, neste momento, os alunos tragam enunciados que apresentem uma concepção de Brasil baseada nas florestas e nas paisagens físico-naturais paradisíacas, na associação do território nacional com praias, cachoeiras, chapadas e elementos do gênero.

Prossiga questionando: “E se você baseasse sua opinião em animações como “Rio”, em que o protagonista é uma arara azul lutando contra a extinção nas florestas brasileiras, como pensaria que as pessoas tratam as florestas no Brasil? E se você lesse reportagens dizendo que as florestas estão sendo desmatadas?” Neste ponto, é esperado que os alunos indiquem uma carência na preservação dos elementos físico-naturais brasileiros.

Nesta etapa é importante que os alunos reflitam sobre as imagens que vão sendo criadas sobre o Brasil no exterior, e mesmo dentro do próprio país, sobre dois pontos principais:

1) a associação do país com lugares paradisíacos voltados ao turismo e

2) à falta de cuidado com as florestas localizadas no território brasileiro.

Por fim, apresente a imagem retirada do Wikipedia norte-americano em 2019 com o intuito de reiterar essa linha de raciocínio e chamar a atenção em como determinados estereótipos são atuais. Leia com eles a tradução para o português com especial atenção às palavras destacadas, que dizem respeito aos aspectos físico-naturais das paisagens brasileiras e de lugares que mais atraem turistas no Brasil, como o Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu, assim como destaque para a Bacia Amazônica. Problematize que de todas as coisas que poderiam ser ditas sobre o Brasil nesse resumo, optou-se por destacar seus elementos físico-naturais.

Retorne rapidamente à pergunta: “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza?” e aponte sua relação com a imagem construída pelas mídias sobre o Brasil que, por diversas vezes, foca em suas paisagens físico-naturais.

Para você saber mais:

Para realizar uma pesquisa sobre o Brasil do Google norte-americano é necessário digitar no navegador >www.google.com/ncr< e então digitar “Brazil” na barra de pesquisa.

CAMINHA, Pero Vaz de. A Carta (1500). Portal Domínio Público. Universidade da Amazônia, s/d. Disponível em:

<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000283.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2019.

JOR, Jorge Ben. País Tropical. Canal Jorge Ben Jor. 23 de julho de 2015 (06min05s) Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=JzByVhWju88>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RUGENDAS, Johann Moritz (1830). Paisagem na selva tropical brasileira. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra2988/paisagem-na-selva-tropical-brasileira>. Acesso em: 18 jan. 2019

Slide Plano Aula

Orientações: Leia com os alunos o título desta etapa da aula “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza”, questionando se os alunos conhecem essa música e sobre qual é o tema principal da letra (o Brasil).

Trata-se da música “País Tropical” de Jorge Ben Jor. Este é um momento de familiarização e, assim, não há necessidade de que seja prolongado.

Em seguida, leia com os alunos o trecho d’A Carta escrita em 1500. Pergunte se sabem do que se trata e explique, caso nenhum dos alunos aponte, que se refere à carta escrita por Pero Vaz de Caminha (um escrivão) a Dom Miguel I relatando suas impressões sobre o local que viria a ser chamado de Brasil. Peça para que se atentem aos trechos destacados, os quais fazem referência aos aspectos físico-naturais da paisagem percebidos por Pero Vaz de Caminha e relatados ao rei de Portugal.

Na sequência, apresente a obra de Rugendas e peça para que os alunos a descrevam. O que ela retrata? Existem elementos humanos presentes na pintura? Em qual século essa obra foi criada? Espera-se que descrevam a exuberância da floresta e a presença um grupo indígena. O ano, 1830, aponta para uma obra do século XIX. Explique que muitas representações das paisagens brasileiras nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, assim como essa, focaram nas paisagens físico-naturais e na exuberância das florestas brasileiras.

Questione aos alunos: “Se você fosse um estrangeiro que nunca tivesse vindo ao Brasil e baseasse sua opinião sobre o país em pinturas como esta e descrições como as de Caminha, como acharia que é o Brasil? E se você lesse reportagens falando das paisagens paradisíacas do país?” Espera-se que, neste momento, os alunos tragam enunciados que apresentem uma concepção de Brasil baseada nas florestas e nas paisagens físico-naturais paradisíacas, na associação do território nacional com praias, cachoeiras, chapadas e elementos do gênero.

Prossiga questionando: “E se você baseasse sua opinião em animações como “Rio”, em que o protagonista é uma arara azul lutando contra a extinção nas florestas brasileiras, como pensaria que as pessoas tratam as florestas no Brasil? E se você lesse reportagens dizendo que as florestas estão sendo desmatadas?” Neste ponto, é esperado que os alunos indiquem uma carência na preservação dos elementos físico-naturais brasileiros.

Nesta etapa é importante que os alunos reflitam sobre as imagens que vão sendo criadas sobre o Brasil no exterior, e mesmo dentro do próprio país, sobre dois pontos principais:

1) a associação do país com lugares paradisíacos voltados ao turismo e

2) à falta de cuidado com as florestas localizadas no território brasileiro.

Por fim, apresente a imagem retirada do Wikipedia norte-americano em 2019 com o intuito de reiterar essa linha de raciocínio e chamar a atenção em como determinados estereótipos são atuais. Leia com eles a tradução para o português com especial atenção às palavras destacadas, que dizem respeito aos aspectos físico-naturais das paisagens brasileiras e de lugares que mais atraem turistas no Brasil, como o Rio de Janeiro e as Cataratas do Iguaçu, assim como destaque para a Bacia Amazônica. Problematize que de todas as coisas que poderiam ser ditas sobre o Brasil nesse resumo, optou-se por destacar seus elementos físico-naturais.

Retorne rapidamente à pergunta: “Brasil: um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza?” e aponte sua relação com a imagem construída pelas mídias sobre o Brasil que, por diversas vezes, foca em suas paisagens físico-naturais.

Para você saber mais:

Para realizar uma pesquisa sobre o Brasil do Google norte-americano é necessário digitar no navegador >www.google.com/ncr< e então digitar “Brazil” na barra de pesquisa.

CAMINHA, Pero Vaz de. A Carta (1500). Portal Domínio Público. Universidade da Amazônia, s/d. Disponível em:

<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua000283.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2019.

JOR, Jorge Ben. País Tropical. Canal Jorge Ben Jor. 23 de julho de 2015 (06min05s) Disponível em:

<https://www.youtube.com/watch?v=JzByVhWju88>. Acesso em: 17 jan. 2019.

RUGENDAS, Johann Moritz (1830). Paisagem na selva tropical brasileira. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra2988/paisagem-na-selva-tropical-brasileira>. Acesso em: 18 jan. 2019

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações: Solicite que os alunos escrevem em seus cadernos resumos de cinco a dez linhas sobre o Brasil como o exemplo extraído do Wikipedia norte-americano. Enfatize que eles deverão buscar fugir dos estereótipos físico-naturais discutidos em sala de aula. Enquanto os alunos escrevem, circule pela sala e vá observando o que estão produzindo, pois esta observação servirá de subsídio para a etapa de Sistematização.

É provável que, ao tentar fugir dos estereótipos físico-naturais, os alunos caminhem por outros estereótipos nacionais, como por exemplo as festividades, a música e o futebol. É possível ainda que alguns alunos, com este mesmo intento de fuga, recorram aos lugares que conhecem e, assim, suas descrições se desloquem do imaginário na escala do nacional para escalas regionais e locais. Nenhuma dessas possibilidades é problemática e todas devem ser tratadas como igualmente legítimas. Na etapa posterior a esta, ambas serão ricas para a discussão final da aula.

Como adequar à sua realidade: Uma aula como esta pode ser utilizada no intento de compreender estereótipos relacionados às paisagens do município ou região no qual a escola se localiza. Trata-se de levantar situações que possam ter contribuído para a construção dos estereótipos que se escolha trabalhar, discutindo qual é a imagem deste lugar que é mais amplamente divulgada pelos meios de comunicação e como esta imagem podem ter sido construída e reiterada ao longo do tempo.

Para você saber mais: A Wikipédia é uma enciclopédia livre na qual todos, voluntariamente, podem editar sobre qualquer assunto de forma colaborativa. É um projeto que tem o objetivo de oferecer conteúdos livres e que possam ser verificados, de modo que as informações nela contidas apresentem referências bibliográficas, como toda e qualquer pesquisa que se pretende legítima. Apesar do cuidado e seriedade do trabalho dos desenvolvedores e colaboradores do projeto, recomenda-se discutir com os alunos a sua utilização como ferramenta para consultas de caráter mais superficial, sempre procurando aprofundar as pesquisas em outras fontes.

Wikipédia - a enciclopédia livre. Disponível em:

<https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos

Orientações: Escolha algumas descrições dos alunos (duas ou três a depender do tempo disponível para a aula) e discuta as características que os alunos escolheram destacar. É importante tratar todas as colocações como legítimas, desde que desprovidas de preconceitos nítidos.

Pergunte se tiveram dificuldade de descrever o Brasil sem que pudessem mencionar as paisagens físico-naturais. Caso a resposta seja positiva, fale sobre a empenho de procurar fugir de algumas ideias que vão sendo concebidas sobre os lugares no decorrer do tempo, apontando para o caso brasileiro, no qual as paisagens físico-naturais têm tido destaque desde à chegada dos portugueses há mais de quinhentos anos. Caso os alunos tenham se utilizado de características mais locais para descrever o Brasil, destaque que ao tentar fugir de estereótipos e concepções mais gerais sobre qualquer assunto, somos levados a falar daquilo que conhecemos um pouco mais, o que nos indica que para desconstruir estereótipos é importante que busquemos sempre pesquisar sobre o assunto de interesse.

Por fim, construa uma reflexão no sentido de discutir como os estereótipos podem reduzir e simplificar nossas ideias e concepções sobre os lugares (e/ou situações, pessoas, grupos sociais), de modo a nos levar a acreditar que um lugar é sempre apenas uma coisa determinada ou um pequeno conjunto de características. Questione, sem esperar por suas respostas, mas de modo a levá-los à reflexão, se nós não fazemos isso em relação a outros lugares, como outros países e até mesmo em relação ao Brasil, seus estados e seus municípios.

O objetivo desta aula não é afirmar a inexistência dessas paisagens físico-naturais, tampouco negar relações que são construídas com elas, como a questão do turismo e do desmatamento das florestas, que são acontecimentos marcantes no território brasileiro. Trata-se de refletir sobre como é possível construir um estereótipo sobre o território de determinado país, região, estado ou município ao longo do tempo e que as tentativas de compreensão do estereótipo e, ainda, o intento de sua desconstrução, implica a realização de estudos e pesquisas sobre os lugares de modo a não reduzi-los a apenas um conjunto de aspectos.

Para você saber mais:

Estereótipos se referem a generalizações; pressupostos criados sobre características de grupos sociais, lugares ou situações, funcionando como "rótulos" que supõe padrões sociais que são esperados de indivíduos que compõem esses grupos ou um conjunto reduzidos de características que definem um lugar. Na maioria das situações os estereótipos carregam características negativas e reducionistas em relação à pessoa, grupo ou local representado, o que pode levar à construção de concepções preconceituosas.

ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma única história. IN: TED, Ideas worth spreading. TED Global. Oxford, Reino Unido, 2009 (18min46s). Disponível em:

<https://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript?language=pt-br>. Acesso em: 08 jan. 2019.

BACCEGA, Maria Aparecida. O estereótipos e as diversidades. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 13, 1998. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36820/39542>. Acesso em: 12 jan. 2019.

GUERRA, Luiz Antonio. Estereótipos. InfoEscola. Disponível em:

<https://www.infoescola.com/sociologia/estereotipo/>. Acesso em: 08 jan. 2019.

Preconceito e Estereótipos. 2014 (04min14seg). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?time_continue=235&v=7m-yuzFljpc>. Acesso em: 08 jan. 2019.

TORREÃO, Christiano. TED - O perigo de uma história única - Chimamanda Adichie - Dublado em português, 2014 (18min46s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=qDovHZVdyVQ>. Acesso em: 08 jan. 2019.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE O sujeito e seu lugar no mundo do 7º ano :

MAIS AULAS DE Geografia do 7º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF07GE01 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Geografia

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano