17178
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Plano de aula - A servidão medieval e a escravidão moderna

Plano de aula de História com atividades para 7º ano do EF sobre A servidão medieval e a escravidão moderna

Plano 02 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Ruhama Ariella Sabião Batista

 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI15, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Caderno ou folha sulfite, lápis, caneta, giz de cera, canetas hidrográficas.

Material complementar:

Contexto:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gTPhUSbzFdp7eccDh9G6hJTHfJfjUafZy8trV8zFpeaVafb7cGC24ktUgR2Z/his7-15un02-contexto.pdf

Fonte 1:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/eyAfDXJFCyXYGnPbE97gYrHZ6gTM4RZfMbhRz378sUpcrGmNdpHb4NU2sBvs/his7-15un02-fonte-1.pdf

Fonte 2:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/A3RPJTpkEJW4BHsQ7MH6vWhrxxzymsBqwKbtZxcv8TXCYkU8TN5jvQRMHwJc/his7-15un02-fonte-2.pdf

Glossário para professores:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/UeYSHDZU7eMhreV54r9Cjk2ZRUc63V9wfJxuNdvzdyM2k7kttEuc7xUkuM5W/his07-15un02-glossario-professores.pdf

Glossário para alunos:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rZb5Atg5gsSktpbf3R4qV3pJu83tMVgMUecunPdkneKap4xajzYETjju9aPz/his07-15un02-glossario-alunos.pdf

Para você saber mais:

CASTRO, Armando. Natureza e variabilidade dos tipos de trabalho compulsório na Antiguidade e na época medieval. Rev. Dept. de História, n. 7, p. 34-44, set., 1988. Disponível em: <https://static1.squarespace.com/static/561937b1e4b0ae8c3b97a702/t/5727657acf80a1643d2a8480/1462199677886/4_Castro%2C+Armando.pdf>.
Acesso em: 25 mar. 19.

DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage pittoresque et historique au Brésil [...] (Volume 2). Paris : Firmin Didot Frères, 1835. Disponível em: <https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/3802>. Acesso em: 25 mar. 19.

GELEDÉS. Darwinismo social, racismo e dominação - uma visão geral. Portal Geledés, 24 de março de 2014. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/darwinismo-social-racismo-e-dominacao-uma-visao-geral/>. Acesso em: 29 abr.19.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. UMA CIDADE SENSÍVEL SOB O OLHAR DO “OUTRO”: JEAN-BAPTISTE DEBRET E O RIO DE JANEIRO (1816-1831). Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, v. 4, n. 4, pp. 1-18, out./dez., 2007. Disponível em: <http://www.revistafenix.pro.br/PDF13/DOSSIE_%20ARTIGO_01-Sandra_Jatahy_Pesavento.pdf>. Acesso em: 25 mar. 19.

RUBANO, Denise Rosana; MOROZ, Melania. Relações de servidão: Europa medieval ocidental. In: ANDERY, Maria Amália. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 15. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2006. cap. 5, p. 134- 140. Disponível em: <https://ria.ufrn.br/123456789/876>. Acesso em: 25 mar. 19.

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Reúna os estudantes em grupos de até quatro pessoas. Faça a leitura coletiva ou projete o slide, se for possível. O objetivo deste plano é realizar uma diferenciação conceitual a respeito da servidão medieval, partindo da análise do trabalho cotidiano de ambos os sujeitos. Sendo assim, os estudantes deverão formar com base em suas análises e com a intervenção do professor, a ideia de diferenciação entre a servidão medieval e a escravidão moderna.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos.

Orientações: Inicialmente, faça a leitura com os alunos, e deixe-os se perguntando o que significaria esta definição, esperando que os mesmos acreditem que o conceito de escravidão, quando na verdade é o conceito de “servidão”. É necessário voltar a todo momento durante a aula às diferenças entre os dois conceitos, pois até então, o educando do 7º ano só teve acesso ao conceito de “servidão”, que associa ao de “escravidão”, mesmo sendo distintos. A servidão, então, seria a situação de dependência, submissão ou sujeição, semelhante ao que acontece na escravidão moderna, excluindo-se os castigos físicos e a questão do ser humano tratado como mercadoria.

Para você saber mais:

DICIONÁRIO MICHAELIS. Definição da palavra “servidão”. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/busca?id=b9ZXX>. Acesso em: 25 mar. 19.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

O tempo refere-se a este slide e aos dois subsequentes.

Orientações:

Descrição da fonte:

A fonte apresentada refere-se a uma ilustração medieval, provavelmente presente em algum manuscrito, que representa servos ou camponeses medievais trabalhando na colheita do trigo, representando o mês de agosto naquele período. Observa-se que são pessoas brancas, inclinadas para colher o trigo com uma foice, instrumento muito utilizado no período. Segundo Castro (1988, p. 38), “O trabalhador servil nessas condições era materialmente compelido a manter-se nas terras que laborava ou sob o poder pessoal do seu senhor, segundo um estatuto que transmitia de geração para geração. Embora numa subordinação já mais ligeira que a do escravo, visto a entidade dominante não poder dispor de sua vida e haver de reconhecer a existência pessoal de alguns bens do servo, esta contrição material física directa em ordem a obter o excedente do auto-consumo histórico mínimo do próprio produtor e de sua família foi-se porém adoçando aos poucos”. Esta condição de servo não considerado propriedade do senhor, mas devendo a ele tributos e não podendo sair de seus domínios, marca as principais características da servidão medieval.

Fonte:

WIKICOMMONS. Ilustração medieval de homens colhendo trigo com anzóis, em uma página de calendário para agosto, 1310. Wiki Commons, 12 de maio de 2010. Disponível em: <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Reeve_and_Serfs.jpg>. Acesso em: 25 mar. 19.

Para você saber mais:

CASTRO, Armando. Natureza e variabilidade dos tipos de trabalho compulsório na Antiguidade e na época medieval. Rev. Dept. de História, n. 7, p. 34-44, set., 1988. Disponível em: <https://static1.squarespace.com/static/561937b1e4b0ae8c3b97a702/t/5727657acf80a1643d2a8480/1462199677886/4_Castro%2C+Armando.pdf>.
Acesso em: 25 mar. 19.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de uma gravura feita por Debret, presente em seu livro Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, em que ele retrata o cotidiano dos escravizados e ressalta aspectos como: a cultura, os castigos, e o trabalho. A gravura também traz aspectos da paisagem do Brasil neste período, provavelmente no início do trabalho de Debret, ressaltando as árvores, as colinas e o rio, em que as pessoas estão lavando roupas e alimentos. Algo que diferencia a servidão medieval da escravidão moderna é o servo não ser uma mercadoria do seu senhor, apesar de a ele dever satisfação, porém as formas de trabalho se assemelhavam, visto não haver uma jornada mínima de trabalho, condições adequadas, e garantia de direitos básicos como alimentação, saúde, e liberdade. A escravidão moderna, e principalmente no Brasil, é caracterizada pelo tráfico, que gerava um mercado lucrativo aos envolvidos, pelos
castigos físicos atribuídos aos escravizados, e também à questão racial, que colocava os negros escravizados como inferiores.

Fonte:

BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL. Gravura de Jean-Baptiste Debret Lavadeiras no rio, livro Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - 1835. Disponível em: <http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon326377/icon326377_127.jpg>. Acesso em: 25 mar. 19.

Para você saber mais:

PESAVENTO, Sandra Jatahy. UMA CIDADE SENSÍVEL SOB O OLHAR DO “OUTRO”: JEAN-BAPTISTE DEBRET E O RIO DE JANEIRO (1816-1831). Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, v. 4, n. 4, pp. 1-18, out./dez., 2007. Disponível em: <http://www.revistafenix.pro.br/PDF13/DOSSIE_%20ARTIGO_01-Sandra_Jatahy_Pesavento.pdf>. Acesso em: 25 mar. 19.

DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage pittoresque et historique au Brésil [...] (Volume 2). Paris : Firmin Didot Frères, 1835. Disponível em: <https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/3802>. Acesso em: 25 mar. 19.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Para problematizar estas fontes, então, é necessário trabalhar as questões já levantadas anteriormente nas descrições das fontes, como: a representação do trabalho das pessoas, as atividades que estão exercendo e quais instrumentos estão sendo utilizados, de que forma elas possibilitam compreender os períodos a que são atribuídas, e principalmente, trabalhar com os alunos o que as diferencia apesar das semelhanças encontradas.

Apesar de a servidão e a escravidão ser semelhantes, principalmente pelas duras jornadas e condições de trabalho e tratamento inferior dispensado aos servos e escravos, na servidão o sujeito não era uma mercadoria, que poderia ser trocado, vendido, ou doado a outros senhores. Além disso, os servos/camponeses pagavam tributos aos senhores, mas também podiam ter parte de sua produção, ainda que em número reduzido. Na escravidão, os escravizados produziam para os seus donos, variando conforme os locais de trabalho, se no engenho, na casa, no comércio, nas fazendas, e o agravante no caso da escravidão transatlântica dos séculos XVI a XIX foi a questão étnico-racial que legitimava que determinadas pessoas poderiam ser escravizadas, principalmente no século XIX com a questão do darwinismo social (Ver item “Para você saber mais” - GELEDÉS, 2014).

Fonte:

BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL. Gravura de Jean-Baptiste Debret Lavadeiras no rio, livro Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - 1835. Disponível em: <http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon326377/icon326377_127.jpg>. Acesso em: 25 mar. 19.

GELEDÉS. Darwinismo social, racismo e dominação - uma visão geral. Portal Geledés, 24 de março de 2014. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/darwinismo-social-racismo-e-dominacao-uma-visao-geral/>. Acesso em: 29 abr.19.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Em grupos de até quatro pessoas, os educandos deverão criar um Glossário que organize os conhecimentos dos mesmos acerca da aula. Alguns elementos são importantes, como: período histórico que representa, as semelhanças e as diferenças, as formas de trabalho, e de que forma este conceito esteve presente nos períodos a qual pertencem. As representações deverão estar de acordo com a definição que os educandos colocarem. O Glossário é interativo porque, depois de criarem dentro dos grupos, os educandos criarão um Glossário conjunto para que seja fixado na sala de aula.

Modelo do Glossário (professores): https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/UeYSHDZU7eMhreV54r9Cjk2ZRUc63V9wfJxuNdvzdyM2k7kttEuc7xUkuM5W/his07-15un02-glossario-professores.pdf

Modelo do Glossário (alunos):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rZb5Atg5gsSktpbf3R4qV3pJu83tMVgMUecunPdkneKap4xajzYETjju9aPz/his07-15un02-glossario-alunos.pdf

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI15, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Caderno ou folha sulfite, lápis, caneta, giz de cera, canetas hidrográficas.

Material complementar:

Contexto:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gTPhUSbzFdp7eccDh9G6hJTHfJfjUafZy8trV8zFpeaVafb7cGC24ktUgR2Z/his7-15un02-contexto.pdf

Fonte 1:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/eyAfDXJFCyXYGnPbE97gYrHZ6gTM4RZfMbhRz378sUpcrGmNdpHb4NU2sBvs/his7-15un02-fonte-1.pdf

Fonte 2:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/A3RPJTpkEJW4BHsQ7MH6vWhrxxzymsBqwKbtZxcv8TXCYkU8TN5jvQRMHwJc/his7-15un02-fonte-2.pdf

Glossário para professores:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/UeYSHDZU7eMhreV54r9Cjk2ZRUc63V9wfJxuNdvzdyM2k7kttEuc7xUkuM5W/his07-15un02-glossario-professores.pdf

Glossário para alunos:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rZb5Atg5gsSktpbf3R4qV3pJu83tMVgMUecunPdkneKap4xajzYETjju9aPz/his07-15un02-glossario-alunos.pdf

Para você saber mais:

CASTRO, Armando. Natureza e variabilidade dos tipos de trabalho compulsório na Antiguidade e na época medieval. Rev. Dept. de História, n. 7, p. 34-44, set., 1988. Disponível em: <https://static1.squarespace.com/static/561937b1e4b0ae8c3b97a702/t/5727657acf80a1643d2a8480/1462199677886/4_Castro%2C+Armando.pdf>.
Acesso em: 25 mar. 19.

DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage pittoresque et historique au Brésil [...] (Volume 2). Paris : Firmin Didot Frères, 1835. Disponível em: <https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/3802>. Acesso em: 25 mar. 19.

GELEDÉS. Darwinismo social, racismo e dominação - uma visão geral. Portal Geledés, 24 de março de 2014. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/darwinismo-social-racismo-e-dominacao-uma-visao-geral/>. Acesso em: 29 abr.19.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. UMA CIDADE SENSÍVEL SOB O OLHAR DO “OUTRO”: JEAN-BAPTISTE DEBRET E O RIO DE JANEIRO (1816-1831). Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, v. 4, n. 4, pp. 1-18, out./dez., 2007. Disponível em: <http://www.revistafenix.pro.br/PDF13/DOSSIE_%20ARTIGO_01-Sandra_Jatahy_Pesavento.pdf>. Acesso em: 25 mar. 19.

RUBANO, Denise Rosana; MOROZ, Melania. Relações de servidão: Europa medieval ocidental. In: ANDERY, Maria Amália. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 15. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2006. cap. 5, p. 134- 140. Disponível em: <https://ria.ufrn.br/123456789/876>. Acesso em: 25 mar. 19.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Reúna os estudantes em grupos de até quatro pessoas. Faça a leitura coletiva ou projete o slide, se for possível. O objetivo deste plano é realizar uma diferenciação conceitual a respeito da servidão medieval, partindo da análise do trabalho cotidiano de ambos os sujeitos. Sendo assim, os estudantes deverão formar com base em suas análises e com a intervenção do professor, a ideia de diferenciação entre a servidão medieval e a escravidão moderna.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos.

Orientações: Inicialmente, faça a leitura com os alunos, e deixe-os se perguntando o que significaria esta definição, esperando que os mesmos acreditem que o conceito de escravidão, quando na verdade é o conceito de “servidão”. É necessário voltar a todo momento durante a aula às diferenças entre os dois conceitos, pois até então, o educando do 7º ano só teve acesso ao conceito de “servidão”, que associa ao de “escravidão”, mesmo sendo distintos. A servidão, então, seria a situação de dependência, submissão ou sujeição, semelhante ao que acontece na escravidão moderna, excluindo-se os castigos físicos e a questão do ser humano tratado como mercadoria.

Para você saber mais:

DICIONÁRIO MICHAELIS. Definição da palavra “servidão”. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/busca?id=b9ZXX>. Acesso em: 25 mar. 19.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

O tempo refere-se a este slide e aos dois subsequentes.

Orientações:

Descrição da fonte:

A fonte apresentada refere-se a uma ilustração medieval, provavelmente presente em algum manuscrito, que representa servos ou camponeses medievais trabalhando na colheita do trigo, representando o mês de agosto naquele período. Observa-se que são pessoas brancas, inclinadas para colher o trigo com uma foice, instrumento muito utilizado no período. Segundo Castro (1988, p. 38), “O trabalhador servil nessas condições era materialmente compelido a manter-se nas terras que laborava ou sob o poder pessoal do seu senhor, segundo um estatuto que transmitia de geração para geração. Embora numa subordinação já mais ligeira que a do escravo, visto a entidade dominante não poder dispor de sua vida e haver de reconhecer a existência pessoal de alguns bens do servo, esta contrição material física directa em ordem a obter o excedente do auto-consumo histórico mínimo do próprio produtor e de sua família foi-se porém adoçando aos poucos”. Esta condição de servo não considerado propriedade do senhor, mas devendo a ele tributos e não podendo sair de seus domínios, marca as principais características da servidão medieval.

Fonte:

WIKICOMMONS. Ilustração medieval de homens colhendo trigo com anzóis, em uma página de calendário para agosto, 1310. Wiki Commons, 12 de maio de 2010. Disponível em: <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Reeve_and_Serfs.jpg>. Acesso em: 25 mar. 19.

Para você saber mais:

CASTRO, Armando. Natureza e variabilidade dos tipos de trabalho compulsório na Antiguidade e na época medieval. Rev. Dept. de História, n. 7, p. 34-44, set., 1988. Disponível em: <https://static1.squarespace.com/static/561937b1e4b0ae8c3b97a702/t/5727657acf80a1643d2a8480/1462199677886/4_Castro%2C+Armando.pdf>.
Acesso em: 25 mar. 19.

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

Trata-se de uma gravura feita por Debret, presente em seu livro Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, em que ele retrata o cotidiano dos escravizados e ressalta aspectos como: a cultura, os castigos, e o trabalho. A gravura também traz aspectos da paisagem do Brasil neste período, provavelmente no início do trabalho de Debret, ressaltando as árvores, as colinas e o rio, em que as pessoas estão lavando roupas e alimentos. Algo que diferencia a servidão medieval da escravidão moderna é o servo não ser uma mercadoria do seu senhor, apesar de a ele dever satisfação, porém as formas de trabalho se assemelhavam, visto não haver uma jornada mínima de trabalho, condições adequadas, e garantia de direitos básicos como alimentação, saúde, e liberdade. A escravidão moderna, e principalmente no Brasil, é caracterizada pelo tráfico, que gerava um mercado lucrativo aos envolvidos, pelos
castigos físicos atribuídos aos escravizados, e também à questão racial, que colocava os negros escravizados como inferiores.

Fonte:

BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL. Gravura de Jean-Baptiste Debret Lavadeiras no rio, livro Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - 1835. Disponível em: <http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon326377/icon326377_127.jpg>. Acesso em: 25 mar. 19.

Para você saber mais:

PESAVENTO, Sandra Jatahy. UMA CIDADE SENSÍVEL SOB O OLHAR DO “OUTRO”: JEAN-BAPTISTE DEBRET E O RIO DE JANEIRO (1816-1831). Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, v. 4, n. 4, pp. 1-18, out./dez., 2007. Disponível em: <http://www.revistafenix.pro.br/PDF13/DOSSIE_%20ARTIGO_01-Sandra_Jatahy_Pesavento.pdf>. Acesso em: 25 mar. 19.

DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage pittoresque et historique au Brésil [...] (Volume 2). Paris : Firmin Didot Frères, 1835. Disponível em: <https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/3802>. Acesso em: 25 mar. 19.

Slide Plano Aula

Orientações: Para problematizar estas fontes, então, é necessário trabalhar as questões já levantadas anteriormente nas descrições das fontes, como: a representação do trabalho das pessoas, as atividades que estão exercendo e quais instrumentos estão sendo utilizados, de que forma elas possibilitam compreender os períodos a que são atribuídas, e principalmente, trabalhar com os alunos o que as diferencia apesar das semelhanças encontradas.

Apesar de a servidão e a escravidão ser semelhantes, principalmente pelas duras jornadas e condições de trabalho e tratamento inferior dispensado aos servos e escravos, na servidão o sujeito não era uma mercadoria, que poderia ser trocado, vendido, ou doado a outros senhores. Além disso, os servos/camponeses pagavam tributos aos senhores, mas também podiam ter parte de sua produção, ainda que em número reduzido. Na escravidão, os escravizados produziam para os seus donos, variando conforme os locais de trabalho, se no engenho, na casa, no comércio, nas fazendas, e o agravante no caso da escravidão transatlântica dos séculos XVI a XIX foi a questão étnico-racial que legitimava que determinadas pessoas poderiam ser escravizadas, principalmente no século XIX com a questão do darwinismo social (Ver item “Para você saber mais” - GELEDÉS, 2014).

Fonte:

BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL. Gravura de Jean-Baptiste Debret Lavadeiras no rio, livro Viagem pitoresca e histórica ao Brasil - 1835. Disponível em: <http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon326377/icon326377_127.jpg>. Acesso em: 25 mar. 19.

GELEDÉS. Darwinismo social, racismo e dominação - uma visão geral. Portal Geledés, 24 de março de 2014. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/darwinismo-social-racismo-e-dominacao-uma-visao-geral/>. Acesso em: 29 abr.19.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Em grupos de até quatro pessoas, os educandos deverão criar um Glossário que organize os conhecimentos dos mesmos acerca da aula. Alguns elementos são importantes, como: período histórico que representa, as semelhanças e as diferenças, as formas de trabalho, e de que forma este conceito esteve presente nos períodos a qual pertencem. As representações deverão estar de acordo com a definição que os educandos colocarem. O Glossário é interativo porque, depois de criarem dentro dos grupos, os educandos criarão um Glossário conjunto para que seja fixado na sala de aula.

Modelo do Glossário (professores): https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/UeYSHDZU7eMhreV54r9Cjk2ZRUc63V9wfJxuNdvzdyM2k7kttEuc7xUkuM5W/his07-15un02-glossario-professores.pdf

Modelo do Glossário (alunos):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rZb5Atg5gsSktpbf3R4qV3pJu83tMVgMUecunPdkneKap4xajzYETjju9aPz/his07-15un02-glossario-alunos.pdf

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Lógicas comerciais e mercantis da modernidade do 7º ano :

MAIS AULAS DE História do 7º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF07HI15 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano