16541
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Geografia > 8º ano > Natureza, ambientes e qualidade de vida

Plano de aula - Recursos minerais na América Latina

Plano de aula de Geografia com atividades para 8º ano do Fundamental sobre identificar as principais reservas minerais da América Latina e a importância desses recursos para a economia dos países

Plano 01 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Fabiana Machado Leal

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08GE22 de Geografia, que consta na BNCC.

Esta habilidade diz respeito à identificação dos principais recursos naturais dos países da América Latina, analisando seu uso para a produção de matéria-prima e energia e sua relevância para a cooperação entre os países do Mercosul. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários:

  • Cópia do gráfico América Latina, Caribe e grandes países exportadores de minerais: evolução das exportações de minerais em estado primário (1962-2010) para cada aluno;
  • Cópia do gráfico Distribuição dos orçamentos mundiais para a exploração mineral (2010) para cada aluno;
  • Cópia das Atividades da Ação Propositiva para cada trio;
  • Cópia do mapa Recursos Minerais para cada integrante do trio;
  • Cópia com o texto A América Latina e o comércio mundial de recursos minerais para cada integrante do trio;
  • Cópia com a Tabela Giro de Ideias para cada integrante do trio;
  • Folha de sulfite A4 ou A3, se possível;
  • Borracha, lápis preto, caneta e canetas hidrocor;
  • Atlas Geográfico Escolar;
  • Equipamento multimídia para reprodução dos slides.

Material complementar:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YTmWny9dh5UEq8GkrH4W3YfvZ3TbA4K7pR5uQSEVA7fZRURsJCXweASMujfQ/geo8-22und01-grafico-orcamentos-para-a-exploracao-mineral-problematizacao.pdf

  • Atividades da Ação Propositiva, disponível no arquivo GEO8_22UND01 - Atividades (Ação Propositiva):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

  • Tabela Giro de Ideias está disponível em GEO8_22UND01 - Tabela Giro de Ideias (Ação Propositiva):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/7fNAgkNynykNW8RHJ4zpFrRRghtEBk7AbX6pyTnmJFG7KqKMaVct7qBZv6Mp/geo8-22und01-tabela-giro-de-ideias-acao-propositiva.pdf

Link para os mapas:

  • Mapa Recursos Minerais, disponível no arquivo GEO8_22UND01 - Mapa Recursos Minerais (Ação Propositiva):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/shrdFf3EQTQZaH4mZpWJBVEb5t9vb7YsNbM7jzxKgDmFeuKQyuUdWVTqSmjr/geo8-22und01-mapa-recursos-minerais-acao-propositiva.pdf

Para você saber mais:

LAGOS, Gustavo; PETERS, David. O setor mineiro na América do Sul. Plataforma Democrática. Disponível em: <http://www.plataformademocratica.org/Arquivos/O%20sector%20mineiro%20na%20america%20do%20sul.pdf>. Acesso em: 24 jan. 2019.

ONU, CEPAL. Recursos naturais na União das Nações Sul-americanas (UNASUL): Situação e tendências para uma agenda de desenvolvimento regional. Disponível em: <https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/3118-recursos-naturais-uniao-nacoes-sul-americanas-unasul-situacao-tendencias-agenda>, Acesso em: 24 jan. 2019.

____________. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe 2018: as tensões comerciais exigem uma maior integração regional. Disponível em: <https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/44198/4/S1800876_pt.pdf>. Acesso em: 27 jan. 2019.

VALLS, Robert. O “vício” da América Latina pelas matérias-primas. El País. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2014/01/09/economia/1389224757_577203.html>. Acesso em: 24 jan. 2019.

Contextos prévios: Interpretação de gráficos e mapas.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles irão conhecer os principais recursos minerais da América Latina e a importância deles para a economia dos países da região, a partir da interpretação de informações textuais, representações gráficas e cartográficas.

Para você saber mais:

Os minerais são compostos formados naturalmente no interior da crosta terrestre ou próximos à superfície a partir de diferentes processos físico-químicos. A maioria dos minerais estão estado sólido e, quando agrupados, formam as rochas.

Os minerais que apresentam interesse econômico são chamados de minérios. As jazidas constituem-se enquanto uma grande concentração de minérios viáveis para a extração e comercialização.

Costuma-se classificar os minerais em metálicos (como o ferro, o manganês e o cobre) e não metálicos (como o diamante e a argila). Além desses, também se identifica os minerais de origem fóssil, como o gás natural, o petróleo e o carvão natural. Os minerais são considerados recursos naturais não renováveis.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: As imagens apresentadas nos slides mostram áreas de mineração em diferentes épocas e países da América Latina. Apresente-as aos alunos e leia as informações dos títulos. Verifique se eles relacionam que elas, de certa forma, revelam como as atividades extrativistas foram, e ainda são, importantes para a região.

A imagem do slide é uma obra do pintor alemão Johann Moritz Rugendas (1802 – 1858) que viajou pelo Rio de Janeiro e Minas Gerais entre os anos de 1822 e 1825.

A obra representa a extração de ouro no Pico do Itacolomi, entre os municípios de Mariana e Ouro Preto, em Minas Gerais. Essa região foi uma das principais áreas de mineração do Brasil durante o Ciclo do Ouro, ocorrido no período colonial em meados do século XVIII.

Ainda hoje, o Brasil é um dos grandes produtores e exportadores de minérios do mundo, com destaque para o ferro, manganês e bauxita (minério de alumínio). Os estados de Minas Gerais e Pará se destacam nas atividades de extrativismo mineral, respondendo por aproximadamente ? da produção mineral do Brasil.

Fonte da Imagem: Rugendas - Lavage du Mineral d'Or - pres de la Montagne Itacolumi. Wikimedia commons. Disponível em: <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Rugendas_-_Lavage_du_Mineral_d%27Or_-_pres_de_la_Montagne_Itacolumi.jpg>, Acesso em: 24 jan 2019.

Após apresentar as imagens, discuta com os alunos que a exploração de recursos minerais sempre teve grande importância econômica para a América Latina. Antes mesmo da chegada dos europeus, os povos pré-colombianos (especialmente os incas e os astecas) já exploravam recursos como ouro e prata. Com a colonização, Portugal e, sobretudo a Espanha, realizaram uma intensa atividade de exploração mineral, chegando ao esgotamento de inúmeras jazidas.

Mesmo após a independência, a importância das atividades extrativistas minerais permaneceu, sendo fundamentais para as agendas de exportação de muitos países.

Caso julgue necessário, para esse momento de Contextualização, você pode utilizar as informações apresentadas no tópico “Para você saber mais” e anotar as discussões com os alunos no quadro.

Para você saber mais:

A colonização dos territórios da América por portugueses e espanhóis, no contexto da Expansão Marítima e Comercial, vivenciou um capítulo de fundamental importância para o enriquecimento das metrópoles e o desenvolvimento da economia capitalista: a exploração mineral.

Por vastas extensões dos territórios sob domínio espanhol foram encontradas minas de ouro, prata e outros metais preciosos de interesse econômico para a Europa. Foi por conta da atividade mineradora que os espanhóis passaram a exercer um controle mais rígido sob seus domínios na América e exploraram a mão de obra dos povos indígenas que ocupavam as áreas onde estavam esses recursos. Vale lembrar que muitos desses povos, como os incas e os astecas, já dominavam as técnicas para a exploração de prata e ouro, por exemplo.

Na América portuguesa, a exploração da atividade mineradora iniciou-se somente no final do século XVII, quando a economia açucareira já se encontrava em declínio. O chamado “ciclo do ouro” teve seu auge em meados do século XVIII com a exploração de ouro e outras pedras preciosas em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

A exploração da atividade mineradora no Brasil foi tão lucrativa para a Coroa portuguesa que acarretou na transferência político-administrativa da capital colonial de Salvador para o Rio de Janeiro, com a finalidade de aumentar a fiscalização e exercer um rígido controle dessa atividade. Tal como já ocorria no “ciclo da cana-de-açúcar”, a escravidão da mão de obra africana (e dos descendentes nascidos no Brasil) também foi a principal forma de exploração do trabalho nas minas.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens apresentadas nos slides mostram áreas de mineração em diferentes épocas e países da América Latina. Apresente-as aos alunos e leia as informações dos títulos. Verifique se eles relacionam que elas, de certa forma, revelam como as atividades extrativistas foram, e ainda são, importantes para a região.

A imagem do slide mostra mineradores no “Cerro Rico” (Morro Rico, em espanhol), na cidade Potosí, na Bolívia.

Potosí, fundada em 1546, localiza-se aos pés do Cerro Rico, famoso pela exploração de prata. Já no início do século XVII, a região se tornou uma importante fonte de lucro para economia espanhola, chegando a ser a principal área de exploração de prata de toda a coroa. Com o esgotamento das reservas, no século XIX, os mineradores passaram a explorar outros recursos, como o estanho. A cidade de Potosí se encontra na Cordilheira dos Andes, há quase 4 mil metros de altitude.

Além do Cerro Rico, a Bolívia conta com inúmeras reservas de minerais metálicos como prata, ouro, estanho, zinco e cobre.

Fonte da imagem: MENEBOUEF, Christoph. Miners at Work Potosi. Wikimedia commons. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/File:Miners_at_Work_Potosi_(pixinn.net).jpg>, Acesso em: 24 jan. 2019.

Após apresentar as imagens, discuta com os alunos que a exploração de recursos minerais sempre teve grande importância econômica para a América Latina. Antes mesmo da chegada dos europeus, os povos pré-colombianos (especialmente os incas e os astecas) já exploravam recursos como ouro e prata. Com a colonização, Portugal e, sobretudo a Espanha, realizaram uma intensa atividade de exploração mineral, chegando ao esgotamento de inúmeras jazidas.

Mesmo após a independência, a importância das atividades extrativistas minerais permaneceu, sendo fundamentais para as agendas de exportação de muitos países.

Caso julgue necessário, para esse momento de Contextualização, você pode utilizar as informações apresentadas no tópico “Para você saber mais” e anotar as discussões com os alunos no quadro.

Para você saber mais:

A colonização dos territórios da América por portugueses e espanhóis, no contexto da Expansão Marítima e Comercial, vivenciou um capítulo de fundamental importância para o enriquecimento das metrópoles e o desenvolvimento da economia capitalista: a exploração mineral.

Por vastas extensões dos territórios sob domínio espanhol foram encontradas minas de ouro, prata e outros metais preciosos de interesse econômico para a Europa. Foi por conta da atividade mineradora que os espanhóis passaram a exercer um controle mais rígido sob seus domínios na América e exploraram a mão de obra dos povos indígenas que ocupavam as áreas onde estavam esses recursos. Vale lembrar que muitos desses povos, como os incas e os astecas, já dominavam as técnicas para a exploração de prata e ouro, por exemplo.

Na América portuguesa, a exploração da atividade mineradora iniciou-se somente no final do século XVII, quando a economia açucareira já se encontrava em declínio. O chamado “ciclo do ouro” teve seu auge em meados do século XVIII com a exploração de ouro e outras pedras preciosas em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

A exploração da atividade mineradora no Brasil foi tão lucrativa para a Coroa portuguesa que acarretou na transferência político-administrativa da capital colonial de Salvador para o Rio de Janeiro, com a finalidade de aumentar a fiscalização e exercer um rígido controle dessa atividade. Tal como já ocorria no “ciclo da cana-de-açúcar”, a escravidão da mão de obra africana (e dos descendentes nascidos no Brasil) também foi a principal forma de exploração do trabalho nas minas.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens apresentadas nos slides mostram áreas de mineração em diferentes épocas e países da América Latina. Apresente-as aos alunos e leia as informações dos títulos. Verifique se eles relacionam que elas, de certa forma, revelam como as atividades extrativistas foram, e ainda são, importantes para a região.

A imagem do slide mostra uma das maiores minas de extração de cobre a céu aberto do mundo, no norte do Chile.

A mina de Chuquicamata localiza-se no deserto do Atacama, próximo à cidade de Calama. As escavações da mina se iniciaram no final do século XIX, com a exploração de cobre e ouro. Nessa época, Chile e Bolívia travavam disputas pela demarcação de fronteiras na região, devido à saída para o Pacífico e a existência de minérios.

Atualmente, o Chile é o maior produtor de cobre do mundo, com aproximadamente ? da produção mundial.

Fonte: JAHN, Reinhard. Miners at Work Potosi. Wikimedia commons. Disponível em: <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Chuquicamata-002.jpg>, Acesso em: 24 jan. 2019.

Após apresentar as imagens, discuta com os alunos que a exploração de recursos minerais sempre teve grande importância econômica para a América Latina. Antes mesmo da chegada dos europeus, os povos pré-colombianos (especialmente os incas e os astecas) já exploravam recursos como ouro e prata. Com a colonização, Portugal e, sobretudo a Espanha, realizaram uma intensa atividade de exploração mineral, chegando ao esgotamento de inúmeras jazidas.

Mesmo após a independência, a importância das atividades extrativistas minerais permaneceu, sendo fundamentais para as agendas de exportação de muitos países.

Caso julgue necessário, para esse momento de Contextualização, você pode utilizar as informações apresentadas no tópico “Para você saber mais” e anotar as discussões com os alunos no quadro.

Para você saber mais:

A colonização dos territórios da América por portugueses e espanhóis, no contexto da Expansão Marítima e Comercial, vivenciou um capítulo de fundamental importância para o enriquecimento das metrópoles e o desenvolvimento da economia capitalista: a exploração mineral.

Por vastas extensões dos territórios sob domínio espanhol foram encontradas minas de ouro, prata e outros metais preciosos de interesse econômico para a Europa. Foi por conta da atividade mineradora que os espanhóis passaram a exercer um controle mais rígido sob seus domínios na América e exploraram a mão de obra dos povos indígenas que ocupavam as áreas onde estavam esses recursos. Vale lembrar que muitos desses povos, como os incas e os astecas, já dominavam as técnicas para a exploração de prata e ouro, por exemplo.

Na América portuguesa, a exploração da atividade mineradora iniciou-se somente no final do século XVII, quando a economia açucareira já se encontrava em declínio. O chamado “ciclo do ouro” teve seu auge em meados do século XVIII com a exploração de ouro e outras pedras preciosas em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

A exploração da atividade mineradora no Brasil foi tão lucrativa para a Coroa portuguesa que acarretou na transferência político-administrativa da capital colonial de Salvador para o Rio de Janeiro, com a finalidade de aumentar a fiscalização e exercer um rígido controle dessa atividade. Tal como já ocorria no “ciclo da cana-de-açúcar”, a escravidão da mão de obra africana (e dos descendentes nascidos no Brasil) também foi a principal forma de exploração do trabalho nas minas.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos

Orientações: Inicie a etapa da Problematização perguntando aos alunos qual a importância das atividades de exploração mineral para a economia mundial e o papel dos países da América Latina nesse contexto. Ouça a respostas e, se necessário, anote as informações no quadro.

Na sequência, apresente o gráfico América Latina, Caribe e grandes países exportadores de minerais: evolução das exportações de minerais em estado primário (1962-2010).

Em conjunto com a turma, faça a interpretação da representação começando pelo título. Reflita que o gráfico mostra a evolução no volume de exportações (em milhões de dólares) de minerais em estado primário, entre os anos de 1962 e 2010.

Com essas informações, os alunos devem identificar que, depois dos anos 2000, o valor das exportações mundiais de minerais em estado primário aumentou significativamente, tanto nos países da América Latina e do Caribe, como também em países centrais (ou desenvolvidos), com importantes reservas de recursos, como Alemanha, Austrália e Estados Unidos.

A partir daí, eles devem identificar que, em conjunto, os países da América Latina representam o maior o volume de exportações entre os países analisados, com quase 60 milhões de dólares. Seguidos da Austrália, Estados Unidos e Alemanha.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/npPmaFY7Bd8pDACECjXDmJcMYj7s3tJAsgENk2Apq6wxBCSx6DJjTkRvmCEW/geo8-22und01-grafico-exportadores-de-minerais-problematizacao.pdf

Na sequência, apresente o gráfico Distribuição dos orçamentos mundiais para a exploração mineral (2010). Novamente, em conjunto com a turma, inicie a interpretação da representação pelo título. Reflita que o gráfico apresenta os investimentos na exploração mineral no ano de 2010. Com essas informações, os alunos devem identificar que os países da América Latina, em conjunto, representaram o principal destino desses investimentos, com 27% do orçamento mundial em exploração mineral, o que representa mais de 3 bilhões dólares. O Canadá aparece em seguida com 19% do orçamento mundial.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YTmWny9dh5UEq8GkrH4W3YfvZ3TbA4K7pR5uQSEVA7fZRURsJCXweASMujfQ/geo8-22und01-grafico-orcamentos-para-a-exploracao-mineral-problematizacao.pdf

Os gráficos fazem parte do relatório Recursos naturais na União das Nações Sul-americanas (UNASUL): situação e tendências para uma agenda de desenvolvimento regional, publicado pela CEPAL, disponível em https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/3118-recursos-naturais-uniao-nacoes-sul-americanas-unasul-situacao-tendencias-agenda, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Feita essa análise, os alunos devem compreender que, em conjunto, os países da América Latina figuram entre os principais exportadores de minerais em estado primário e também entre aqueles que mais recebem investimentos nas atividades de exploração mineral.

Para ilustrar a importância da região para as atividades mineradoras, explique para a turma que segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), os países da América Latina e do Caribe detêm 65% das reservas mundiais de lítio, 42% de prata, 38% de cobre, 33% de estanho, 21% de ferro, 18% de bauxita e 14% de níquel.

Para finalizar a etapa de Problematização, discuta com os alunos que as atividades de exploração mineral são fundamentais para a economia mundial uma vez que os minérios servem como matéria-prima para inúmeras atividades industriais, para a construção civil e para o desenvolvimento de infraestrutura. Assim, vale explicar que o aumento da demanda por recursos minerais nesse início de século XXI, em muito esteve vinculado ao processo de desenvolvimento econômico e industrial de algumas potências emergentes, como a China, que importou grandes quantidades de minérios de ferro e cobre, especialmente do Brasil e do Chile.

Por fim, vale a pena destacar que essa etapa tem a intenção de que os alunos considerem a importância da mineração para a América Latina, Nesse sentido, não há necessidade de esgotar todas as informações contidas nos gráficos. Lembre-se que a Problematização tem 7 minutos e, por isso, as informações das representações gráficas apenas servem de motivação para que os alunos compreendam que os países da América Latina mantêm a tradição de exportar recursos minerais, da mesma forma que recebem investimentos que buscam dinamizar as atividades extrativas. Daí a importância do setor para a economia de muitos desses países.

Para você saber mais:

Minerais em estado primário são aqueles que não passaram por processos de transformação pela metalurgia para serem transformados em metais; em razão disso, costumam ter menor valor agregado.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Inicie a etapa da Problematização perguntando aos alunos qual a importância das atividades de exploração mineral para a economia mundial e o papel dos países da América Latina nesse contexto. Ouça a respostas e, se necessário, anote as informações no quadro.

Na sequência, apresente o gráfico América Latina, Caribe e grandes países exportadores de minerais: evolução das exportações de minerais em estado primário (1962-2010).

Em conjunto com a turma, faça a interpretação da representação começando pelo título. Reflita que o gráfico mostra a evolução no volume de exportações (em milhões de dólares) de minerais em estado primário, entre os anos de 1962 e 2010.

Com essas informações, os alunos devem identificar que, depois dos anos 2000, o valor das exportações mundiais de minerais em estado primário aumentou significativamente, tanto nos países da América Latina e do Caribe, como também em países centrais (ou desenvolvidos), com importantes reservas de recursos, como Alemanha, Austrália e Estados Unidos.

A partir daí, eles devem identificar que, em conjunto, os países da América Latina representam o maior o volume de exportações entre os países analisados, com quase 60 milhões de dólares. Seguidos da Austrália, Estados Unidos e Alemanha.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/npPmaFY7Bd8pDACECjXDmJcMYj7s3tJAsgENk2Apq6wxBCSx6DJjTkRvmCEW/geo8-22und01-grafico-exportadores-de-minerais-problematizacao.pdf

Na sequência, apresente o gráfico Distribuição dos orçamentos mundiais para a exploração mineral (2010). Novamente, em conjunto com a turma, inicie a interpretação da representação pelo título. Reflita que o gráfico apresenta os investimentos na exploração mineral no ano de 2010. Com essas informações, os alunos devem identificar que os países da América Latina, em conjunto, representaram o principal destino desses investimentos, com 27% do orçamento mundial em exploração mineral, o que representa mais de 3 bilhões dólares. O Canadá aparece em seguida com 19% do orçamento mundial.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YTmWny9dh5UEq8GkrH4W3YfvZ3TbA4K7pR5uQSEVA7fZRURsJCXweASMujfQ/geo8-22und01-grafico-orcamentos-para-a-exploracao-mineral-problematizacao.pdf

Os gráficos fazem parte do relatório Recursos naturais na União das Nações Sul-americanas (UNASUL): situação e tendências para uma agenda de desenvolvimento regional, publicado pela CEPAL, disponível em https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/3118-recursos-naturais-uniao-nacoes-sul-americanas-unasul-situacao-tendencias-agenda, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Feita essa análise, os alunos devem compreender que, em conjunto, os países da América Latina figuram entre os principais exportadores de minerais em estado primário e também entre aqueles que mais recebem investimentos nas atividades de exploração mineral.

Para ilustrar a importância da região para as atividades mineradoras, explique para a turma que segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), os países da América Latina e do Caribe detêm 65% das reservas mundiais de lítio, 42% de prata, 38% de cobre, 33% de estanho, 21% de ferro, 18% de bauxita e 14% de níquel.

Para finalizar a etapa de Problematização, discuta com os alunos que as atividades de exploração mineral são fundamentais para a economia mundial uma vez que os minérios servem como matéria-prima para inúmeras atividades industriais, para a construção civil e para o desenvolvimento de infraestrutura. Assim, vale explicar que o aumento da demanda por recursos minerais nesse início de século XXI, em muito esteve vinculado ao processo de desenvolvimento econômico e industrial de algumas potências emergentes, como a China, que importou grandes quantidades de minérios de ferro e cobre, especialmente do Brasil e do Chile.

Por fim, vale a pena destacar que essa etapa tem a intenção de que os alunos considerem a importância da mineração para a América Latina, Nesse sentido, não há necessidade de esgotar todas as informações contidas nos gráficos. Lembre-se que a Problematização tem 7 minutos e, por isso, as informações das representações gráficas apenas servem de motivação para que os alunos compreendam que os países da América Latina mantêm a tradição de exportar recursos minerais, da mesma forma que recebem investimentos que buscam dinamizar as atividades extrativas. Daí a importância do setor para a economia de muitos desses países.

Para você saber mais:

Minerais em estado primário são aqueles que não passaram por processos de transformação pela metalurgia para serem transformados em metais; em razão disso, costumam ter menor valor agregado.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 32 minutos

Orientações: Para iniciar a Ação Propositiva, organize a turma em trios e explique que, nesta etapa, eles irão realizar a atividade “Giro de Ideias”. A atividade consiste na elaboração de uma síntese coletiva sobre o tema, baseado nas considerações individuais de cada integrante do trio.

Apresente as orientações e explique a dinâmica da atividade. Você pode apresentar as informações no slide, escrever no quadro ou imprimi-las. Vale lembrar que as orientações para essa etapa da aula estão disponíveis no arquivo https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

Distribua os materiais necessários para cada integrante dos trios e oriente que eles preencham as tabelas com os nomes dos três integrantes.

Vale lembrar que o mapa também está disponível no slide e pode ser encontrado em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Simplified_world_mining_map_2.png, acesso em 26 de janeiro de 2019.

Fonte: ONU, CEPAL. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe. Disponível em: <https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/44198/4/S1800876_pt.pd>. Acesso em: 27 jan. 2019.

Para organização dos trios e explicação das orientações, use os primeiros 5 minutos da Ação Propositiva.

Com a turma organizada, inicie a realização da atividade.

Nos primeiros 8 minutos, os alunos devem, individualmente, ler o texto, interpretar o gráfico disponível no documento e analisar as informações do mapa. Nesse momento, é importante orientar que os alunos façam anotações nos cadernos daquelas informações que consideram mais relevantes.

Feita essa análise individual, cada integrante do trio tem 3 minutos para escrever, no campo indicado com seu nome, uma ideia que considera importante e que sintetiza a temática estudada. Essa ideia pode ser uma informação retirada do texto, da análise do gráfico ou do mapa. Vale destacar que os alunos podem escrever informações sobre um determinado país ou sobre a América Latina de uma maneira geral.

Passados os 3 minutos, que devem ser cronometrados, os alunos devem girar as folhas (por exemplo, em sentido horário) e preencher a tabela do colega com uma outra informação. É importante que, neste momento, o aluno não repita a informação já apresentada pelo colega, tampouco a informação que escreveu anteriormente, no primeiro giro.

Ao término desses 3 minutos, os alunos têm mais um giro para completar o preenchimento das tabelas do trio.

Com essa dinâmica, o “Giro de Ideias” se encerra em 9 minutos. Explique que, durante a rotação das folhas, os alunos também podem complementar a ideia dos colegas (caso julguem pertinente e haja tempo para isso).

Na sequência, entregue uma folha de sulfite e canetas hidrocor para cada trio e oriente-os a ler e discutir as ideias apresentadas nas tabelas.

Nesta etapa, eles devem, em conjunto, avaliar a pertinência das informações escritas, a fim de produzir uma reflexão (com um ou dois pequenos parágrafos) que sintetiza a temática estudada sobre a exploração dos recursos minerais na América Latina.

Vale lembrar que, na ausência do sulfite formato A3, é possível colar duas folhas A4, caso deseje que os alunos escrevam em um espaço maior.

Essa etapa final da Ação Propositiva deve durar 10 minutos.

Ao término do tempo, recolha as tabelas e as folhas de sulfite com as produções dos trios.

Se possível, durante a atividade, deixe alguns Atlas Escolares à disposição dos trios. Se preferir, você pode imprimir, ou reproduzir o Planisfério Político elaborado pelo IBGE, disponível em https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_mundo/mundo_planisferio_politico_a3.pdf, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Para você saber mais:

  • Essa atividade é uma adaptação da estratégia “Brainwrinting”, disponível no livro A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo, de Fausto Camargo e Thuine Daros, publicado pela Editora Penso, em 2018. O livro faz parte da série Desafios da Educação.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Para iniciar a Ação Propositiva, organize a turma em trios e explique que, nesta etapa, eles irão realizar a atividade “Giro de Ideias”. A atividade consiste na elaboração de uma síntese coletiva sobre o tema, baseado nas considerações individuais de cada integrante do trio.

Apresente as orientações e explique a dinâmica da atividade. Você pode apresentar as informações no slide, escrever no quadro ou imprimi-las. Vale lembrar que as orientações para essa etapa da aula estão disponíveis no arquivo https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

Distribua os materiais necessários para cada integrante dos trios e oriente que eles preencham as tabelas com os nomes dos três integrantes.

Vale lembrar que o mapa também está disponível no slide e pode ser encontrado em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Simplified_world_mining_map_2.png, acesso em 26 de janeiro de 2019.

Fonte: ONU, CEPAL. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2019.

Para organização dos trios e explicação das orientações, use os primeiros 5 minutos da Ação Propositiva.

Com a turma organizada, inicie a realização da atividade.

Nos primeiros 8 minutos, os alunos devem, individualmente, ler o texto, interpretar o gráfico disponível no documento e analisar as informações do mapa. Nesse momento, é importante orientar que os alunos façam anotações nos cadernos daquelas informações que consideram mais relevantes.

Feita essa análise individual, cada integrante do trio tem 3 minutos para escrever, no campo indicado com seu nome, uma ideia que considera importante e que sintetiza a temática estudada. Essa ideia pode ser uma informação retirada do texto, da análise do gráfico ou do mapa. Vale destacar que os alunos podem escrever informações sobre um determinado país ou sobre a América Latina de uma maneira geral.

Passados os 3 minutos, que devem ser cronometrados, os alunos devem girar as folhas (por exemplo, em sentido horário) e preencher a tabela do colega com uma outra informação. É importante que, neste momento, o aluno não repita a informação já apresentada pelo colega, tampouco a informação que escreveu anteriormente, no primeiro giro.

Ao término desses 3 minutos, os alunos têm mais um giro para completar o preenchimento das tabelas do trio.

Com essa dinâmica, o “Giro de Ideias” se encerra em 9 minutos. Explique que, durante a rotação das folhas, os alunos também podem complementar a ideia dos colegas (caso julguem pertinente e haja tempo para isso).

Na sequência, entregue uma folha de sulfite e canetas hidrocor para cada trio e oriente-os a ler e discutir as ideias apresentadas nas tabelas.

Nesta etapa, eles devem, em conjunto, avaliar a pertinência das informações escritas, a fim de produzir uma reflexão (com um ou dois pequenos parágrafos) que sintetiza a temática estudada sobre a exploração dos recursos minerais na América Latina.

Vale lembrar que, na ausência do sulfite formato A3, é possível colar duas folhas A4, caso deseje que os alunos escrevam em um espaço maior.

Essa etapa final da Ação Propositiva deve durar 10 minutos.

Ao término do tempo, recolha as tabelas e as folhas de sulfite com as produções dos trios.

Se possível, durante a atividade, deixe alguns Atlas Escolares à disposição dos trios. Se preferir, você pode imprimir, ou reproduzir o Planisfério Político elaborado pelo IBGE, disponível em https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_mundo/mundo_planisferio_politico_a3.pdf, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Para você saber mais:

  • Essa atividade é uma adaptação da estratégia “Brainwrinting”, disponível no livro A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo, de Fausto Camargo e Thuine Daros, publicado pela Editora Penso, em 2018. O livro faz parte da série Desafios da Educação.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Para iniciar a Ação Propositiva, organize a turma em trios e explique que, nesta etapa, eles irão realizar a atividade “Giro de Ideias”. A atividade consiste na elaboração de uma síntese coletiva sobre o tema, baseado nas considerações individuais de cada integrante do trio.

Apresente as orientações e explique a dinâmica da atividade. Você pode apresentar as informações no slide, escrever no quadro ou imprimi-las. Vale lembrar que as orientações para essa etapa da aula estão disponíveis no arquivo https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

Distribua os materiais necessários para cada integrante dos trios e oriente que eles preencham as tabelas com os nomes dos três integrantes.

Vale lembrar que o mapa também está disponível no slide e pode ser encontrado em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Simplified_world_mining_map_2.png, acesso em 26 de janeiro de 2019.

Fonte: ONU, CEPAL. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe. Disponível em: <https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/44198/4/S1800876_pt.pd>. Acesso em: 27 jan. 2019.

Para organização dos trios e explicação das orientações, use os primeiros 5 minutos da Ação Propositiva.

Com a turma organizada, inicie a realização da atividade.

Nos primeiros 8 minutos, os alunos devem, individualmente, ler o texto, interpretar o gráfico disponível no documento e analisar as informações do mapa. Nesse momento, é importante orientar que os alunos façam anotações nos cadernos daquelas informações que consideram mais relevantes.

Feita essa análise individual, cada integrante do trio tem 3 minutos para escrever, no campo indicado com seu nome, uma ideia que considera importante e que sintetiza a temática estudada. Essa ideia pode ser uma informação retirada do texto, da análise do gráfico ou do mapa. Vale destacar que os alunos podem escrever informações sobre um determinado país ou sobre a América Latina de uma maneira geral.

Passados os 3 minutos, que devem ser cronometrados, os alunos devem girar as folhas (por exemplo, em sentido horário) e preencher a tabela do colega com uma outra informação. É importante que, neste momento, o aluno não repita a informação já apresentada pelo colega, tampouco a informação que escreveu anteriormente, no primeiro giro.

Ao término desses 3 minutos, os alunos têm mais um giro para completar o preenchimento das tabelas do trio.

Com essa dinâmica, o “Giro de Ideias” se encerra em 9 minutos. Explique que, durante a rotação das folhas, os alunos também podem complementar a ideia dos colegas (caso julguem pertinente e haja tempo para isso).

Na sequência, entregue uma folha de sulfite e canetas hidrocor para cada trio e oriente-os a ler e discutir as ideias apresentadas nas tabelas.

Nesta etapa, eles devem, em conjunto, avaliar a pertinência das informações escritas, a fim de produzir uma reflexão (com um ou dois pequenos parágrafos) que sintetiza a temática estudada sobre a exploração dos recursos minerais na América Latina.

Vale lembrar que, na ausência do sulfite formato A3, é possível colar duas folhas A4, caso deseje que os alunos escrevam em um espaço maior.

Essa etapa final da Ação Propositiva deve durar 10 minutos.

Ao término do tempo, recolha as tabelas e as folhas de sulfite com as produções dos trios.

Se possível, durante a atividade, deixe alguns Atlas Escolares à disposição dos trios. Se preferir, você pode imprimir, ou reproduzir o Planisfério Político elaborado pelo IBGE, disponível em https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_mundo/mundo_planisferio_politico_a3.pdf, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Para você saber mais:

  • Essa atividade é uma adaptação da estratégia “Brainwrinting”, disponível no livro A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo, de Fausto Camargo e Thuine Daros, publicado pela Editora Penso, em 2018. O livro faz parte da série Desafios da Educação.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 4 minutos

Orientações: Após a realização da atividade da Ação Propositiva, utilize o momento da Sistematização para perguntar à turma sobre a experiência de realizar a atividade “Giro de Ideias”. Você pode selecionar alguns alunos para que comentem sobre as principais ideias discutidas pelos trios à respeito dos recursos minerais na América Latina.

Caso julgue pertinente, comente que apesar da importância que as atividades mineradoras possuem para os países (pois estão na base do desenvolvimento de inúmeras atividades econômicas), constantemente elas motivam debates, tendo em vista que provocam inúmeros impactos ambientais e sociais na áreas onde estão os recursos. Dentre os impactos, você pode citar, por exemplo, conflitos entre povos indígenas e garimpeiros. Em relação aos impactos ambientais, você pode retomar os acidentes nas barragens de empresas mineradoras, nos municípios de Mariana (em novembro de 2015) e Brumadinho (em janeiro de 2019).

Comente com a turma que as tabelas e as produções dos trios serão devolvidas nas próximas aulas como os seus comentários. Com isso, você pode dar sequência e aprofundar esse plano, pesquisando sobre outros dados, informações e representações cartográficas que apresentam informações sobre os recursos minerais da América Latina.

As informações destacadas pelos pelos trios na síntese do “Giro de Ideias” podem servir de motivação para suas próximas aulas, ajudando a turma a desenvolver a temática e os objetivos de aprendizagem.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08GE22 de Geografia, que consta na BNCC.

Esta habilidade diz respeito à identificação dos principais recursos naturais dos países da América Latina, analisando seu uso para a produção de matéria-prima e energia e sua relevância para a cooperação entre os países do Mercosul. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários:

  • Cópia do gráfico América Latina, Caribe e grandes países exportadores de minerais: evolução das exportações de minerais em estado primário (1962-2010) para cada aluno;
  • Cópia do gráfico Distribuição dos orçamentos mundiais para a exploração mineral (2010) para cada aluno;
  • Cópia das Atividades da Ação Propositiva para cada trio;
  • Cópia do mapa Recursos Minerais para cada integrante do trio;
  • Cópia com o texto A América Latina e o comércio mundial de recursos minerais para cada integrante do trio;
  • Cópia com a Tabela Giro de Ideias para cada integrante do trio;
  • Folha de sulfite A4 ou A3, se possível;
  • Borracha, lápis preto, caneta e canetas hidrocor;
  • Atlas Geográfico Escolar;
  • Equipamento multimídia para reprodução dos slides.

Material complementar:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YTmWny9dh5UEq8GkrH4W3YfvZ3TbA4K7pR5uQSEVA7fZRURsJCXweASMujfQ/geo8-22und01-grafico-orcamentos-para-a-exploracao-mineral-problematizacao.pdf

  • Atividades da Ação Propositiva, disponível no arquivo GEO8_22UND01 - Atividades (Ação Propositiva):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

  • Tabela Giro de Ideias está disponível em GEO8_22UND01 - Tabela Giro de Ideias (Ação Propositiva):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/7fNAgkNynykNW8RHJ4zpFrRRghtEBk7AbX6pyTnmJFG7KqKMaVct7qBZv6Mp/geo8-22und01-tabela-giro-de-ideias-acao-propositiva.pdf

Link para os mapas:

  • Mapa Recursos Minerais, disponível no arquivo GEO8_22UND01 - Mapa Recursos Minerais (Ação Propositiva):

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/shrdFf3EQTQZaH4mZpWJBVEb5t9vb7YsNbM7jzxKgDmFeuKQyuUdWVTqSmjr/geo8-22und01-mapa-recursos-minerais-acao-propositiva.pdf

Para você saber mais:

LAGOS, Gustavo; PETERS, David. O setor mineiro na América do Sul. Plataforma Democrática. Disponível em: <http://www.plataformademocratica.org/Arquivos/O%20sector%20mineiro%20na%20america%20do%20sul.pdf>. Acesso em: 24 jan. 2019.

ONU, CEPAL. Recursos naturais na União das Nações Sul-americanas (UNASUL): Situação e tendências para uma agenda de desenvolvimento regional. Disponível em: <https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/3118-recursos-naturais-uniao-nacoes-sul-americanas-unasul-situacao-tendencias-agenda>, Acesso em: 24 jan. 2019.

____________. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe 2018: as tensões comerciais exigem uma maior integração regional. Disponível em: <https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/44198/4/S1800876_pt.pdf>. Acesso em: 27 jan. 2019.

VALLS, Robert. O “vício” da América Latina pelas matérias-primas. El País. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2014/01/09/economia/1389224757_577203.html>. Acesso em: 24 jan. 2019.

Contextos prévios: Interpretação de gráficos e mapas.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles irão conhecer os principais recursos minerais da América Latina e a importância deles para a economia dos países da região, a partir da interpretação de informações textuais, representações gráficas e cartográficas.

Para você saber mais:

Os minerais são compostos formados naturalmente no interior da crosta terrestre ou próximos à superfície a partir de diferentes processos físico-químicos. A maioria dos minerais estão estado sólido e, quando agrupados, formam as rochas.

Os minerais que apresentam interesse econômico são chamados de minérios. As jazidas constituem-se enquanto uma grande concentração de minérios viáveis para a extração e comercialização.

Costuma-se classificar os minerais em metálicos (como o ferro, o manganês e o cobre) e não metálicos (como o diamante e a argila). Além desses, também se identifica os minerais de origem fóssil, como o gás natural, o petróleo e o carvão natural. Os minerais são considerados recursos naturais não renováveis.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: As imagens apresentadas nos slides mostram áreas de mineração em diferentes épocas e países da América Latina. Apresente-as aos alunos e leia as informações dos títulos. Verifique se eles relacionam que elas, de certa forma, revelam como as atividades extrativistas foram, e ainda são, importantes para a região.

A imagem do slide é uma obra do pintor alemão Johann Moritz Rugendas (1802 – 1858) que viajou pelo Rio de Janeiro e Minas Gerais entre os anos de 1822 e 1825.

A obra representa a extração de ouro no Pico do Itacolomi, entre os municípios de Mariana e Ouro Preto, em Minas Gerais. Essa região foi uma das principais áreas de mineração do Brasil durante o Ciclo do Ouro, ocorrido no período colonial em meados do século XVIII.

Ainda hoje, o Brasil é um dos grandes produtores e exportadores de minérios do mundo, com destaque para o ferro, manganês e bauxita (minério de alumínio). Os estados de Minas Gerais e Pará se destacam nas atividades de extrativismo mineral, respondendo por aproximadamente ? da produção mineral do Brasil.

Fonte da Imagem: Rugendas - Lavage du Mineral d'Or - pres de la Montagne Itacolumi. Wikimedia commons. Disponível em: <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Rugendas_-_Lavage_du_Mineral_d%27Or_-_pres_de_la_Montagne_Itacolumi.jpg>, Acesso em: 24 jan 2019.

Após apresentar as imagens, discuta com os alunos que a exploração de recursos minerais sempre teve grande importância econômica para a América Latina. Antes mesmo da chegada dos europeus, os povos pré-colombianos (especialmente os incas e os astecas) já exploravam recursos como ouro e prata. Com a colonização, Portugal e, sobretudo a Espanha, realizaram uma intensa atividade de exploração mineral, chegando ao esgotamento de inúmeras jazidas.

Mesmo após a independência, a importância das atividades extrativistas minerais permaneceu, sendo fundamentais para as agendas de exportação de muitos países.

Caso julgue necessário, para esse momento de Contextualização, você pode utilizar as informações apresentadas no tópico “Para você saber mais” e anotar as discussões com os alunos no quadro.

Para você saber mais:

A colonização dos territórios da América por portugueses e espanhóis, no contexto da Expansão Marítima e Comercial, vivenciou um capítulo de fundamental importância para o enriquecimento das metrópoles e o desenvolvimento da economia capitalista: a exploração mineral.

Por vastas extensões dos territórios sob domínio espanhol foram encontradas minas de ouro, prata e outros metais preciosos de interesse econômico para a Europa. Foi por conta da atividade mineradora que os espanhóis passaram a exercer um controle mais rígido sob seus domínios na América e exploraram a mão de obra dos povos indígenas que ocupavam as áreas onde estavam esses recursos. Vale lembrar que muitos desses povos, como os incas e os astecas, já dominavam as técnicas para a exploração de prata e ouro, por exemplo.

Na América portuguesa, a exploração da atividade mineradora iniciou-se somente no final do século XVII, quando a economia açucareira já se encontrava em declínio. O chamado “ciclo do ouro” teve seu auge em meados do século XVIII com a exploração de ouro e outras pedras preciosas em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

A exploração da atividade mineradora no Brasil foi tão lucrativa para a Coroa portuguesa que acarretou na transferência político-administrativa da capital colonial de Salvador para o Rio de Janeiro, com a finalidade de aumentar a fiscalização e exercer um rígido controle dessa atividade. Tal como já ocorria no “ciclo da cana-de-açúcar”, a escravidão da mão de obra africana (e dos descendentes nascidos no Brasil) também foi a principal forma de exploração do trabalho nas minas.

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens apresentadas nos slides mostram áreas de mineração em diferentes épocas e países da América Latina. Apresente-as aos alunos e leia as informações dos títulos. Verifique se eles relacionam que elas, de certa forma, revelam como as atividades extrativistas foram, e ainda são, importantes para a região.

A imagem do slide mostra mineradores no “Cerro Rico” (Morro Rico, em espanhol), na cidade Potosí, na Bolívia.

Potosí, fundada em 1546, localiza-se aos pés do Cerro Rico, famoso pela exploração de prata. Já no início do século XVII, a região se tornou uma importante fonte de lucro para economia espanhola, chegando a ser a principal área de exploração de prata de toda a coroa. Com o esgotamento das reservas, no século XIX, os mineradores passaram a explorar outros recursos, como o estanho. A cidade de Potosí se encontra na Cordilheira dos Andes, há quase 4 mil metros de altitude.

Além do Cerro Rico, a Bolívia conta com inúmeras reservas de minerais metálicos como prata, ouro, estanho, zinco e cobre.

Fonte da imagem: MENEBOUEF, Christoph. Miners at Work Potosi. Wikimedia commons. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/File:Miners_at_Work_Potosi_(pixinn.net).jpg>, Acesso em: 24 jan. 2019.

Após apresentar as imagens, discuta com os alunos que a exploração de recursos minerais sempre teve grande importância econômica para a América Latina. Antes mesmo da chegada dos europeus, os povos pré-colombianos (especialmente os incas e os astecas) já exploravam recursos como ouro e prata. Com a colonização, Portugal e, sobretudo a Espanha, realizaram uma intensa atividade de exploração mineral, chegando ao esgotamento de inúmeras jazidas.

Mesmo após a independência, a importância das atividades extrativistas minerais permaneceu, sendo fundamentais para as agendas de exportação de muitos países.

Caso julgue necessário, para esse momento de Contextualização, você pode utilizar as informações apresentadas no tópico “Para você saber mais” e anotar as discussões com os alunos no quadro.

Para você saber mais:

A colonização dos territórios da América por portugueses e espanhóis, no contexto da Expansão Marítima e Comercial, vivenciou um capítulo de fundamental importância para o enriquecimento das metrópoles e o desenvolvimento da economia capitalista: a exploração mineral.

Por vastas extensões dos territórios sob domínio espanhol foram encontradas minas de ouro, prata e outros metais preciosos de interesse econômico para a Europa. Foi por conta da atividade mineradora que os espanhóis passaram a exercer um controle mais rígido sob seus domínios na América e exploraram a mão de obra dos povos indígenas que ocupavam as áreas onde estavam esses recursos. Vale lembrar que muitos desses povos, como os incas e os astecas, já dominavam as técnicas para a exploração de prata e ouro, por exemplo.

Na América portuguesa, a exploração da atividade mineradora iniciou-se somente no final do século XVII, quando a economia açucareira já se encontrava em declínio. O chamado “ciclo do ouro” teve seu auge em meados do século XVIII com a exploração de ouro e outras pedras preciosas em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

A exploração da atividade mineradora no Brasil foi tão lucrativa para a Coroa portuguesa que acarretou na transferência político-administrativa da capital colonial de Salvador para o Rio de Janeiro, com a finalidade de aumentar a fiscalização e exercer um rígido controle dessa atividade. Tal como já ocorria no “ciclo da cana-de-açúcar”, a escravidão da mão de obra africana (e dos descendentes nascidos no Brasil) também foi a principal forma de exploração do trabalho nas minas.

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens apresentadas nos slides mostram áreas de mineração em diferentes épocas e países da América Latina. Apresente-as aos alunos e leia as informações dos títulos. Verifique se eles relacionam que elas, de certa forma, revelam como as atividades extrativistas foram, e ainda são, importantes para a região.

A imagem do slide mostra uma das maiores minas de extração de cobre a céu aberto do mundo, no norte do Chile.

A mina de Chuquicamata localiza-se no deserto do Atacama, próximo à cidade de Calama. As escavações da mina se iniciaram no final do século XIX, com a exploração de cobre e ouro. Nessa época, Chile e Bolívia travavam disputas pela demarcação de fronteiras na região, devido à saída para o Pacífico e a existência de minérios.

Atualmente, o Chile é o maior produtor de cobre do mundo, com aproximadamente ? da produção mundial.

Fonte: JAHN, Reinhard. Miners at Work Potosi. Wikimedia commons. Disponível em: <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Chuquicamata-002.jpg>, Acesso em: 24 jan. 2019.

Após apresentar as imagens, discuta com os alunos que a exploração de recursos minerais sempre teve grande importância econômica para a América Latina. Antes mesmo da chegada dos europeus, os povos pré-colombianos (especialmente os incas e os astecas) já exploravam recursos como ouro e prata. Com a colonização, Portugal e, sobretudo a Espanha, realizaram uma intensa atividade de exploração mineral, chegando ao esgotamento de inúmeras jazidas.

Mesmo após a independência, a importância das atividades extrativistas minerais permaneceu, sendo fundamentais para as agendas de exportação de muitos países.

Caso julgue necessário, para esse momento de Contextualização, você pode utilizar as informações apresentadas no tópico “Para você saber mais” e anotar as discussões com os alunos no quadro.

Para você saber mais:

A colonização dos territórios da América por portugueses e espanhóis, no contexto da Expansão Marítima e Comercial, vivenciou um capítulo de fundamental importância para o enriquecimento das metrópoles e o desenvolvimento da economia capitalista: a exploração mineral.

Por vastas extensões dos territórios sob domínio espanhol foram encontradas minas de ouro, prata e outros metais preciosos de interesse econômico para a Europa. Foi por conta da atividade mineradora que os espanhóis passaram a exercer um controle mais rígido sob seus domínios na América e exploraram a mão de obra dos povos indígenas que ocupavam as áreas onde estavam esses recursos. Vale lembrar que muitos desses povos, como os incas e os astecas, já dominavam as técnicas para a exploração de prata e ouro, por exemplo.

Na América portuguesa, a exploração da atividade mineradora iniciou-se somente no final do século XVII, quando a economia açucareira já se encontrava em declínio. O chamado “ciclo do ouro” teve seu auge em meados do século XVIII com a exploração de ouro e outras pedras preciosas em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

A exploração da atividade mineradora no Brasil foi tão lucrativa para a Coroa portuguesa que acarretou na transferência político-administrativa da capital colonial de Salvador para o Rio de Janeiro, com a finalidade de aumentar a fiscalização e exercer um rígido controle dessa atividade. Tal como já ocorria no “ciclo da cana-de-açúcar”, a escravidão da mão de obra africana (e dos descendentes nascidos no Brasil) também foi a principal forma de exploração do trabalho nas minas.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos

Orientações: Inicie a etapa da Problematização perguntando aos alunos qual a importância das atividades de exploração mineral para a economia mundial e o papel dos países da América Latina nesse contexto. Ouça a respostas e, se necessário, anote as informações no quadro.

Na sequência, apresente o gráfico América Latina, Caribe e grandes países exportadores de minerais: evolução das exportações de minerais em estado primário (1962-2010).

Em conjunto com a turma, faça a interpretação da representação começando pelo título. Reflita que o gráfico mostra a evolução no volume de exportações (em milhões de dólares) de minerais em estado primário, entre os anos de 1962 e 2010.

Com essas informações, os alunos devem identificar que, depois dos anos 2000, o valor das exportações mundiais de minerais em estado primário aumentou significativamente, tanto nos países da América Latina e do Caribe, como também em países centrais (ou desenvolvidos), com importantes reservas de recursos, como Alemanha, Austrália e Estados Unidos.

A partir daí, eles devem identificar que, em conjunto, os países da América Latina representam o maior o volume de exportações entre os países analisados, com quase 60 milhões de dólares. Seguidos da Austrália, Estados Unidos e Alemanha.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/npPmaFY7Bd8pDACECjXDmJcMYj7s3tJAsgENk2Apq6wxBCSx6DJjTkRvmCEW/geo8-22und01-grafico-exportadores-de-minerais-problematizacao.pdf

Na sequência, apresente o gráfico Distribuição dos orçamentos mundiais para a exploração mineral (2010). Novamente, em conjunto com a turma, inicie a interpretação da representação pelo título. Reflita que o gráfico apresenta os investimentos na exploração mineral no ano de 2010. Com essas informações, os alunos devem identificar que os países da América Latina, em conjunto, representaram o principal destino desses investimentos, com 27% do orçamento mundial em exploração mineral, o que representa mais de 3 bilhões dólares. O Canadá aparece em seguida com 19% do orçamento mundial.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YTmWny9dh5UEq8GkrH4W3YfvZ3TbA4K7pR5uQSEVA7fZRURsJCXweASMujfQ/geo8-22und01-grafico-orcamentos-para-a-exploracao-mineral-problematizacao.pdf

Os gráficos fazem parte do relatório Recursos naturais na União das Nações Sul-americanas (UNASUL): situação e tendências para uma agenda de desenvolvimento regional, publicado pela CEPAL, disponível em https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/3118-recursos-naturais-uniao-nacoes-sul-americanas-unasul-situacao-tendencias-agenda, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Feita essa análise, os alunos devem compreender que, em conjunto, os países da América Latina figuram entre os principais exportadores de minerais em estado primário e também entre aqueles que mais recebem investimentos nas atividades de exploração mineral.

Para ilustrar a importância da região para as atividades mineradoras, explique para a turma que segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), os países da América Latina e do Caribe detêm 65% das reservas mundiais de lítio, 42% de prata, 38% de cobre, 33% de estanho, 21% de ferro, 18% de bauxita e 14% de níquel.

Para finalizar a etapa de Problematização, discuta com os alunos que as atividades de exploração mineral são fundamentais para a economia mundial uma vez que os minérios servem como matéria-prima para inúmeras atividades industriais, para a construção civil e para o desenvolvimento de infraestrutura. Assim, vale explicar que o aumento da demanda por recursos minerais nesse início de século XXI, em muito esteve vinculado ao processo de desenvolvimento econômico e industrial de algumas potências emergentes, como a China, que importou grandes quantidades de minérios de ferro e cobre, especialmente do Brasil e do Chile.

Por fim, vale a pena destacar que essa etapa tem a intenção de que os alunos considerem a importância da mineração para a América Latina, Nesse sentido, não há necessidade de esgotar todas as informações contidas nos gráficos. Lembre-se que a Problematização tem 7 minutos e, por isso, as informações das representações gráficas apenas servem de motivação para que os alunos compreendam que os países da América Latina mantêm a tradição de exportar recursos minerais, da mesma forma que recebem investimentos que buscam dinamizar as atividades extrativas. Daí a importância do setor para a economia de muitos desses países.

Para você saber mais:

Minerais em estado primário são aqueles que não passaram por processos de transformação pela metalurgia para serem transformados em metais; em razão disso, costumam ter menor valor agregado.

Slide Plano Aula

Orientações: Inicie a etapa da Problematização perguntando aos alunos qual a importância das atividades de exploração mineral para a economia mundial e o papel dos países da América Latina nesse contexto. Ouça a respostas e, se necessário, anote as informações no quadro.

Na sequência, apresente o gráfico América Latina, Caribe e grandes países exportadores de minerais: evolução das exportações de minerais em estado primário (1962-2010).

Em conjunto com a turma, faça a interpretação da representação começando pelo título. Reflita que o gráfico mostra a evolução no volume de exportações (em milhões de dólares) de minerais em estado primário, entre os anos de 1962 e 2010.

Com essas informações, os alunos devem identificar que, depois dos anos 2000, o valor das exportações mundiais de minerais em estado primário aumentou significativamente, tanto nos países da América Latina e do Caribe, como também em países centrais (ou desenvolvidos), com importantes reservas de recursos, como Alemanha, Austrália e Estados Unidos.

A partir daí, eles devem identificar que, em conjunto, os países da América Latina representam o maior o volume de exportações entre os países analisados, com quase 60 milhões de dólares. Seguidos da Austrália, Estados Unidos e Alemanha.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/npPmaFY7Bd8pDACECjXDmJcMYj7s3tJAsgENk2Apq6wxBCSx6DJjTkRvmCEW/geo8-22und01-grafico-exportadores-de-minerais-problematizacao.pdf

Na sequência, apresente o gráfico Distribuição dos orçamentos mundiais para a exploração mineral (2010). Novamente, em conjunto com a turma, inicie a interpretação da representação pelo título. Reflita que o gráfico apresenta os investimentos na exploração mineral no ano de 2010. Com essas informações, os alunos devem identificar que os países da América Latina, em conjunto, representaram o principal destino desses investimentos, com 27% do orçamento mundial em exploração mineral, o que representa mais de 3 bilhões dólares. O Canadá aparece em seguida com 19% do orçamento mundial.

Se desejar, você pode fazer cópias do gráfico para os alunos. O arquivo para impressão está disponível em https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YTmWny9dh5UEq8GkrH4W3YfvZ3TbA4K7pR5uQSEVA7fZRURsJCXweASMujfQ/geo8-22und01-grafico-orcamentos-para-a-exploracao-mineral-problematizacao.pdf

Os gráficos fazem parte do relatório Recursos naturais na União das Nações Sul-americanas (UNASUL): situação e tendências para uma agenda de desenvolvimento regional, publicado pela CEPAL, disponível em https://www.cepal.org/pt-br/publicaciones/3118-recursos-naturais-uniao-nacoes-sul-americanas-unasul-situacao-tendencias-agenda, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Feita essa análise, os alunos devem compreender que, em conjunto, os países da América Latina figuram entre os principais exportadores de minerais em estado primário e também entre aqueles que mais recebem investimentos nas atividades de exploração mineral.

Para ilustrar a importância da região para as atividades mineradoras, explique para a turma que segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), os países da América Latina e do Caribe detêm 65% das reservas mundiais de lítio, 42% de prata, 38% de cobre, 33% de estanho, 21% de ferro, 18% de bauxita e 14% de níquel.

Para finalizar a etapa de Problematização, discuta com os alunos que as atividades de exploração mineral são fundamentais para a economia mundial uma vez que os minérios servem como matéria-prima para inúmeras atividades industriais, para a construção civil e para o desenvolvimento de infraestrutura. Assim, vale explicar que o aumento da demanda por recursos minerais nesse início de século XXI, em muito esteve vinculado ao processo de desenvolvimento econômico e industrial de algumas potências emergentes, como a China, que importou grandes quantidades de minérios de ferro e cobre, especialmente do Brasil e do Chile.

Por fim, vale a pena destacar que essa etapa tem a intenção de que os alunos considerem a importância da mineração para a América Latina, Nesse sentido, não há necessidade de esgotar todas as informações contidas nos gráficos. Lembre-se que a Problematização tem 7 minutos e, por isso, as informações das representações gráficas apenas servem de motivação para que os alunos compreendam que os países da América Latina mantêm a tradição de exportar recursos minerais, da mesma forma que recebem investimentos que buscam dinamizar as atividades extrativas. Daí a importância do setor para a economia de muitos desses países.

Para você saber mais:

Minerais em estado primário são aqueles que não passaram por processos de transformação pela metalurgia para serem transformados em metais; em razão disso, costumam ter menor valor agregado.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 32 minutos

Orientações: Para iniciar a Ação Propositiva, organize a turma em trios e explique que, nesta etapa, eles irão realizar a atividade “Giro de Ideias”. A atividade consiste na elaboração de uma síntese coletiva sobre o tema, baseado nas considerações individuais de cada integrante do trio.

Apresente as orientações e explique a dinâmica da atividade. Você pode apresentar as informações no slide, escrever no quadro ou imprimi-las. Vale lembrar que as orientações para essa etapa da aula estão disponíveis no arquivo https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

Distribua os materiais necessários para cada integrante dos trios e oriente que eles preencham as tabelas com os nomes dos três integrantes.

Vale lembrar que o mapa também está disponível no slide e pode ser encontrado em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Simplified_world_mining_map_2.png, acesso em 26 de janeiro de 2019.

Fonte: ONU, CEPAL. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe. Disponível em: <https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/44198/4/S1800876_pt.pd>. Acesso em: 27 jan. 2019.

Para organização dos trios e explicação das orientações, use os primeiros 5 minutos da Ação Propositiva.

Com a turma organizada, inicie a realização da atividade.

Nos primeiros 8 minutos, os alunos devem, individualmente, ler o texto, interpretar o gráfico disponível no documento e analisar as informações do mapa. Nesse momento, é importante orientar que os alunos façam anotações nos cadernos daquelas informações que consideram mais relevantes.

Feita essa análise individual, cada integrante do trio tem 3 minutos para escrever, no campo indicado com seu nome, uma ideia que considera importante e que sintetiza a temática estudada. Essa ideia pode ser uma informação retirada do texto, da análise do gráfico ou do mapa. Vale destacar que os alunos podem escrever informações sobre um determinado país ou sobre a América Latina de uma maneira geral.

Passados os 3 minutos, que devem ser cronometrados, os alunos devem girar as folhas (por exemplo, em sentido horário) e preencher a tabela do colega com uma outra informação. É importante que, neste momento, o aluno não repita a informação já apresentada pelo colega, tampouco a informação que escreveu anteriormente, no primeiro giro.

Ao término desses 3 minutos, os alunos têm mais um giro para completar o preenchimento das tabelas do trio.

Com essa dinâmica, o “Giro de Ideias” se encerra em 9 minutos. Explique que, durante a rotação das folhas, os alunos também podem complementar a ideia dos colegas (caso julguem pertinente e haja tempo para isso).

Na sequência, entregue uma folha de sulfite e canetas hidrocor para cada trio e oriente-os a ler e discutir as ideias apresentadas nas tabelas.

Nesta etapa, eles devem, em conjunto, avaliar a pertinência das informações escritas, a fim de produzir uma reflexão (com um ou dois pequenos parágrafos) que sintetiza a temática estudada sobre a exploração dos recursos minerais na América Latina.

Vale lembrar que, na ausência do sulfite formato A3, é possível colar duas folhas A4, caso deseje que os alunos escrevam em um espaço maior.

Essa etapa final da Ação Propositiva deve durar 10 minutos.

Ao término do tempo, recolha as tabelas e as folhas de sulfite com as produções dos trios.

Se possível, durante a atividade, deixe alguns Atlas Escolares à disposição dos trios. Se preferir, você pode imprimir, ou reproduzir o Planisfério Político elaborado pelo IBGE, disponível em https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_mundo/mundo_planisferio_politico_a3.pdf, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Para você saber mais:

  • Essa atividade é uma adaptação da estratégia “Brainwrinting”, disponível no livro A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo, de Fausto Camargo e Thuine Daros, publicado pela Editora Penso, em 2018. O livro faz parte da série Desafios da Educação.
Slide Plano Aula

Orientações: Para iniciar a Ação Propositiva, organize a turma em trios e explique que, nesta etapa, eles irão realizar a atividade “Giro de Ideias”. A atividade consiste na elaboração de uma síntese coletiva sobre o tema, baseado nas considerações individuais de cada integrante do trio.

Apresente as orientações e explique a dinâmica da atividade. Você pode apresentar as informações no slide, escrever no quadro ou imprimi-las. Vale lembrar que as orientações para essa etapa da aula estão disponíveis no arquivo https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

Distribua os materiais necessários para cada integrante dos trios e oriente que eles preencham as tabelas com os nomes dos três integrantes.

Vale lembrar que o mapa também está disponível no slide e pode ser encontrado em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Simplified_world_mining_map_2.png, acesso em 26 de janeiro de 2019.

Fonte: ONU, CEPAL. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2019.

Para organização dos trios e explicação das orientações, use os primeiros 5 minutos da Ação Propositiva.

Com a turma organizada, inicie a realização da atividade.

Nos primeiros 8 minutos, os alunos devem, individualmente, ler o texto, interpretar o gráfico disponível no documento e analisar as informações do mapa. Nesse momento, é importante orientar que os alunos façam anotações nos cadernos daquelas informações que consideram mais relevantes.

Feita essa análise individual, cada integrante do trio tem 3 minutos para escrever, no campo indicado com seu nome, uma ideia que considera importante e que sintetiza a temática estudada. Essa ideia pode ser uma informação retirada do texto, da análise do gráfico ou do mapa. Vale destacar que os alunos podem escrever informações sobre um determinado país ou sobre a América Latina de uma maneira geral.

Passados os 3 minutos, que devem ser cronometrados, os alunos devem girar as folhas (por exemplo, em sentido horário) e preencher a tabela do colega com uma outra informação. É importante que, neste momento, o aluno não repita a informação já apresentada pelo colega, tampouco a informação que escreveu anteriormente, no primeiro giro.

Ao término desses 3 minutos, os alunos têm mais um giro para completar o preenchimento das tabelas do trio.

Com essa dinâmica, o “Giro de Ideias” se encerra em 9 minutos. Explique que, durante a rotação das folhas, os alunos também podem complementar a ideia dos colegas (caso julguem pertinente e haja tempo para isso).

Na sequência, entregue uma folha de sulfite e canetas hidrocor para cada trio e oriente-os a ler e discutir as ideias apresentadas nas tabelas.

Nesta etapa, eles devem, em conjunto, avaliar a pertinência das informações escritas, a fim de produzir uma reflexão (com um ou dois pequenos parágrafos) que sintetiza a temática estudada sobre a exploração dos recursos minerais na América Latina.

Vale lembrar que, na ausência do sulfite formato A3, é possível colar duas folhas A4, caso deseje que os alunos escrevam em um espaço maior.

Essa etapa final da Ação Propositiva deve durar 10 minutos.

Ao término do tempo, recolha as tabelas e as folhas de sulfite com as produções dos trios.

Se possível, durante a atividade, deixe alguns Atlas Escolares à disposição dos trios. Se preferir, você pode imprimir, ou reproduzir o Planisfério Político elaborado pelo IBGE, disponível em https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_mundo/mundo_planisferio_politico_a3.pdf, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Para você saber mais:

  • Essa atividade é uma adaptação da estratégia “Brainwrinting”, disponível no livro A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo, de Fausto Camargo e Thuine Daros, publicado pela Editora Penso, em 2018. O livro faz parte da série Desafios da Educação.
Slide Plano Aula

Orientações: Para iniciar a Ação Propositiva, organize a turma em trios e explique que, nesta etapa, eles irão realizar a atividade “Giro de Ideias”. A atividade consiste na elaboração de uma síntese coletiva sobre o tema, baseado nas considerações individuais de cada integrante do trio.

Apresente as orientações e explique a dinâmica da atividade. Você pode apresentar as informações no slide, escrever no quadro ou imprimi-las. Vale lembrar que as orientações para essa etapa da aula estão disponíveis no arquivo https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ChrU4F3WamefksXq7tkYFaM5JUNeuU3cdpezwcPDGJwD8P9SgQtZuQtYqXjd/geo8-22und01-atividades-acao-propositiva.pdf

Distribua os materiais necessários para cada integrante dos trios e oriente que eles preencham as tabelas com os nomes dos três integrantes.

Vale lembrar que o mapa também está disponível no slide e pode ser encontrado em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Simplified_world_mining_map_2.png, acesso em 26 de janeiro de 2019.

Fonte: ONU, CEPAL. Perspectivas do Comércio Internacional da América Latina e do Caribe. Disponível em: <https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/44198/4/S1800876_pt.pd>. Acesso em: 27 jan. 2019.

Para organização dos trios e explicação das orientações, use os primeiros 5 minutos da Ação Propositiva.

Com a turma organizada, inicie a realização da atividade.

Nos primeiros 8 minutos, os alunos devem, individualmente, ler o texto, interpretar o gráfico disponível no documento e analisar as informações do mapa. Nesse momento, é importante orientar que os alunos façam anotações nos cadernos daquelas informações que consideram mais relevantes.

Feita essa análise individual, cada integrante do trio tem 3 minutos para escrever, no campo indicado com seu nome, uma ideia que considera importante e que sintetiza a temática estudada. Essa ideia pode ser uma informação retirada do texto, da análise do gráfico ou do mapa. Vale destacar que os alunos podem escrever informações sobre um determinado país ou sobre a América Latina de uma maneira geral.

Passados os 3 minutos, que devem ser cronometrados, os alunos devem girar as folhas (por exemplo, em sentido horário) e preencher a tabela do colega com uma outra informação. É importante que, neste momento, o aluno não repita a informação já apresentada pelo colega, tampouco a informação que escreveu anteriormente, no primeiro giro.

Ao término desses 3 minutos, os alunos têm mais um giro para completar o preenchimento das tabelas do trio.

Com essa dinâmica, o “Giro de Ideias” se encerra em 9 minutos. Explique que, durante a rotação das folhas, os alunos também podem complementar a ideia dos colegas (caso julguem pertinente e haja tempo para isso).

Na sequência, entregue uma folha de sulfite e canetas hidrocor para cada trio e oriente-os a ler e discutir as ideias apresentadas nas tabelas.

Nesta etapa, eles devem, em conjunto, avaliar a pertinência das informações escritas, a fim de produzir uma reflexão (com um ou dois pequenos parágrafos) que sintetiza a temática estudada sobre a exploração dos recursos minerais na América Latina.

Vale lembrar que, na ausência do sulfite formato A3, é possível colar duas folhas A4, caso deseje que os alunos escrevam em um espaço maior.

Essa etapa final da Ação Propositiva deve durar 10 minutos.

Ao término do tempo, recolha as tabelas e as folhas de sulfite com as produções dos trios.

Se possível, durante a atividade, deixe alguns Atlas Escolares à disposição dos trios. Se preferir, você pode imprimir, ou reproduzir o Planisfério Político elaborado pelo IBGE, disponível em https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_mundo/mundo_planisferio_politico_a3.pdf, acesso em 24 de janeiro de 2019.

Para você saber mais:

  • Essa atividade é uma adaptação da estratégia “Brainwrinting”, disponível no livro A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo, de Fausto Camargo e Thuine Daros, publicado pela Editora Penso, em 2018. O livro faz parte da série Desafios da Educação.
Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 4 minutos

Orientações: Após a realização da atividade da Ação Propositiva, utilize o momento da Sistematização para perguntar à turma sobre a experiência de realizar a atividade “Giro de Ideias”. Você pode selecionar alguns alunos para que comentem sobre as principais ideias discutidas pelos trios à respeito dos recursos minerais na América Latina.

Caso julgue pertinente, comente que apesar da importância que as atividades mineradoras possuem para os países (pois estão na base do desenvolvimento de inúmeras atividades econômicas), constantemente elas motivam debates, tendo em vista que provocam inúmeros impactos ambientais e sociais na áreas onde estão os recursos. Dentre os impactos, você pode citar, por exemplo, conflitos entre povos indígenas e garimpeiros. Em relação aos impactos ambientais, você pode retomar os acidentes nas barragens de empresas mineradoras, nos municípios de Mariana (em novembro de 2015) e Brumadinho (em janeiro de 2019).

Comente com a turma que as tabelas e as produções dos trios serão devolvidas nas próximas aulas como os seus comentários. Com isso, você pode dar sequência e aprofundar esse plano, pesquisando sobre outros dados, informações e representações cartográficas que apresentam informações sobre os recursos minerais da América Latina.

As informações destacadas pelos pelos trios na síntese do “Giro de Ideias” podem servir de motivação para suas próximas aulas, ajudando a turma a desenvolver a temática e os objetivos de aprendizagem.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Natureza, ambientes e qualidade de vida do 8º ano :

MAIS AULAS DE Geografia do 8º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF08GE22 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Geografia

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano