17015
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Geografia > 7º ano > Mundo do trabalho

Plano de aula - Extrativismo e impactos socioambientais

Plano de aula de Geografia com atividades para 7º ano do Fundamental sobre analisar de que forma as atividades extrativistas podem alterar o espaço a partir de impactos socioambientais

Plano 03 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Jéssica Da Silva Rodrigues Cecim

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07GE06 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes. Esta habilidade tem por objetivo as influências da produção, circulação e consumo de mercadorias no território brasileiro, sobretudo, a partir da perspectiva ambiental e da distribuição desigual das riquezas. Trata-se de analisar as diferentes formas de ocupação e configuração do território sob as dinâmicas de produção, circulação e consumo de mercadorias.Este plano objetiva a análise dos impactos socioambientais aos quais as populações estão submetidas a partir da estrutura de determinadas atividades extrativistas no Brasil, como a vegetal - com a extração de madeira e a mineral - com a extração de minérios e petróleo.

Materiais necessários:

  • Quadro
  • Projetor (caso não seja possível utilizar o projetor recomenda-se a utilização do quadro)
  • Caderno, lápis grafite, borracha

Material complementar:

Imagens utilizadas no plano:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/swCBfyPmjtxvWzgPFa2RuuyyKGEdyFh2BsFx27SzxG5h59jXjtT3vvC9VpuD/ge07-06und03-imagens-utilizadas-no-plano.pdf

Texto da etapa de Problematização:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/6HF4NZBx8cvHkjtbK66E9GHXQjE8zqhwnFpsnaPwQR8kKJMsW6nht86JxEwp/ge07-06und03-problematizacao-texto.pdf

Para você saber mais:

OLIVEIRA, Leandro Dias. RAMÃO, Felipe de Souza. Práticas ambientais e ensino de Geografia: para além do desenvolvimento sustentável como norma. Práticas Pedagógicas. Revista Giramundo, V.2, N.4, P.73-81, Rio de Janeiro, Jul/Dez, 2015. Disponível em:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/MesxnaffFYFyYpUU7PfKYJAfU7SPwck2A9DgbTCeRZ6rVD6suX7THMxfckJB/pratica-ambientais-e-ensino-de-geografia-giramundo.pdf (Acesso em 19/02/2019)

FURLAN, Sueli. Educação ambiental e Geografia: reflexão, ensino e prática. Nova Escola, 01 de fevereiro de 2014. Disponível em:

https://novaescola.org.br/conteudo/2023/educacao-ambiental-e-geografia-reflexao-ensino-e-pratica (Acesso em 19/02/2019)

SUÇUARANA, Monik da Silveira. Poluição causada pela mineração. InfoEscola. s/d Disponível em:

https://www.infoescola.com/meio-ambiente/poluicao-causada-pela-mineracao/ (Acesso em 18/02/2019)

MENDES, Chico. A Luta dos Povos da Floresta. Terra Livre nº 7, 1990. Disponível em:

https://agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/81/80 (Acesso em 16/02/2019)

BRASIL, Meteoro. Chico Mendes: para nunca esquecer. Canal Meteoro Brasil. 15 de fev de 2019 (14min47s) Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=d_0HPhE3Dj0&fbclid=IwAR37_LRJdlOH0uEhK4vhfY5eZh0V5Ro7CzEAnEU4s5bGGDfYL9yg0PlxwZ0 (Acesso em 16/02/2019)

VICK, Mariana. O legado de Chico Mendes, 30 anos depois de sua morte. Nexo Jornal. 21 de dezembro de 2018. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/12/21/O-legado-de-Chico-Mendes-30-anos-depois-de-sua-morte (Acesso em 16/02/2019)

ANDRADE, Maria do Carmo. Seringueiros. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. (Acesso em 17/02/2019)

DUCROQUET, Simon; MARIANI, Daniel; DEMASI, Beatriz. O encolhimento da floresta amazônica: o tamanho do estrago. Nexo Jornal. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/04/29/O-encolhimento-da-floresta-amaz%C3%B4nica-o-tamanho-do-estrago?utm_campaign=Echobox&utm_medium=Social&utm_source=Facebook&fbclid=IwAR0yiPLP0-LKZUotYnuS3rtvBic3sKzI5Yd9bIFiDXAD6Sc0O-YL3873Q5M#Echobox=1550181832 (Acesso em 17/02/2019)

Contextos prévios: Recomenda-se que os alunos estejam familiarizados com discussões sobre o extrativismo no Brasil, que estão compreendidas na habilidade EF07GE06 da BNCC.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente o tema da aula aos alunos e questione se eles sabem a que se refere a palavra “extrativismo”. Espera-se que os alunos a associem com “extração”. Caso seja necessário, indique que “extrair” significa “retirar” e que nesta aula será estudado como as atividades econômicas brasileiras extrativistas podem causar impactos socioambientais. Pergunte se eles podem dizer a que o termo “socioambiental” remete. Espera-se que eles o relacionem com processos sociais e ambientais. Caso nenhum aluno faça a associação, construa com eles essa concepção.

Como adequar à sua realidade: Caso o município onde a escola se insere, ou alguma localidade próxima, passe ou tenha passado por algum dos impactos apontados durante a aula, traga a discussão para a aula com especial atenção à sensibilidade necessária a depender do contexto socioemocional a que os alunos estejam inseridos.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: Apresente a imagem da explosão da plataforma de extração de petróleo da empresa British Petroleum (BP) e pergunte aos alunos, primeiramente, se já ouviram falar de “derramamento de petróleo” no mar. Explique, ao se tentar extrair o petróleo de rochas no fundo do mar, há o risco dos fluídos vazarem no mar, invadindo o oceano e afetando todo o ecossistema marinho onde permanece a mancha. Mostre a chamada da reportagem da revista Exame e a imagem de satélite da Nasa que mostra a mancha de petróleo no Golfo do México (um local que abrange o sul dos EUA, o leste da costa mexicana e o oeste do caribe), expondo que este desastre ocorreu devido à explosão de uma das plataformas de petróleo, matando 11 pessoas, deixando 14 feridas e derramando bilhões de barris de petróleo no mar, prejudicando a fauna marinha, a pesca na região e o turismo. Em seguida, mostre a chamada da reportagem do G1 sobre um vazamento de petróleo no rio Cubatão na região de Santos que condicionou o abastecimento de água na cidade, devido à poluição dos mananciais que abastecem a cidade. Peça para que que alunos escrevam no caderno, resumidamente, o que acreditam que seja um impacto socioambiental.

Para você saber mais:

BARBOSA, Vanessa. Desastre do Golfo do México causou US$ 17,2 bi em dano ambiental. Revista Exame - Economia. 26 de abril de 2017. Disponível em:

https://exame.abril.com.br/economia/desastre-do-golfo-do-mexico-causou-us-172-bi-em-dano-ambiental/ (Acesso em 16/02/2019)

SANTOS, G1. Vazamento de petróleo atinge rio Cubatão; produção de água é reduzida. G1-Globo, 23 de março de 2016. Disponível em:

http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2016/03/vazamento-de-petroleo-atinge-rio-cubatao-producao-de-agua-e-reduzida.html (Acesso em 17/02/2019)

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente a imagem da explosão da plataforma de extração de petróleo da empresa British Petroleum (BP) e pergunte aos alunos, primeiramente, se já ouviram falar de “derramamento de petróleo” no mar. Explique, ao se tentar extrair o petróleo de rochas no fundo do mar, há o risco dos fluídos vazarem no mar, invadindo o oceano e afetando todo o ecossistema marinho onde permanece a mancha. Mostre a chamada da reportagem da revista Exame, dizendo que o Golfo do México abrange o sul dos EUA, o leste da costa mexicana e o oeste do caribe e expondo que este desastre ocorreu devido à explosão de uma das plataformas de petróleo, matando 11 pessoas, deixando 14 feridas e derramando bilhões de barris de petróleo no mar, prejudicando a fauna marinha, a pesca na região e o turismo. Em seguida, mostre a chamada da reportagem do G1 sobre um vazamento de petróleo no rio Cubatão na região de Santos que condicionou o abastecimento de água na cidade, devido à poluição dos mananciais que abastecem a cidade. Peça para que que alunos escrevam no caderno, resumidamente, o que acreditam que seja um impacto socioambiental.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações: Leia com os alunos o trecho da fala do seringueiro Chico Mendes proferida em junho de 1988 em uma palestra organizada pelo curso de Geografia da USP. Após a leitura do trecho, pergunte têm alguma dúvida em relação a palavras e termos contidos no texto e, na sequência, se alguém sabe quem foi Chico Mendes. Traga, juntamente com as falas dos alunos, as informações sobre seu trabalho como seringueiro, ativista, sindicalista e ambientalista acreano. Seu nome é utilizado no ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade) como forma de homenagem. Explique, caso não saibam, o que é um seringueiro e quem são os povos da floresta. Questione qual é o sentido geral que puderam apreender a partir do trecho de sua palestra. Desta forma, levante perguntas como: “A quem ele acha que a luta pela preservação da Amazônia interessa?” “Qual é a proposta dele para a Amazônia?”. Caso haja dificuldade por parte dos alunos em estabelecer este diálogo, retorne ao texto e releia com os alunos os trechos que auxiliam na construção dessas respostas. Por fim, questione: “É possível conciliar o extrativismo e com a conservação do meio-ambiente? Como?”. A principal prerrogativa do texto de Chico Mendes é a de pensar o extrativismo de uma maneira sustentável, ou seja, de modo em que não haja uma exploração predatória da floresta a partir da criação de reservas extrativistas, neste caso específico. As concepções que o seringueiro e ativista trouxe a partir do fragmento é importante nesta aula para se pensar o extrativismo de modo geral (animal, mineral, vegetal). Não se trata de uma negação do desenvolvimento de atividades extrativistas, mas de se considerar a preservação dos recursos naturais, a população que devido à sua localização é afetada, direta ou indiretamente, por essas atividades e o bem-estar da população que depende das extrações, seja como sua forma de se relacionar com o espaço (territorialidade) em função de sua sobrevivência baseada no extrativismo, seja ainda na sua dependência dos produtos por ele gerados. Desta forma, a principal questão que atravessa este plano “Como pensar uma relação entre o extrativismo e os impactos ambientais” vai ao encontro do trecho destacado ao considerar a necessidade de realização das atividades extrativistas, mas também a indispensabilidade de se pensar em possibilidades de formas de realização destas atividades com o mínimo possível de impacto ambiental e social, o que é dificultado pela nossa estrutura social baseada no modo capitalista de produção.

Caso não seja possível projetar este fragmento é possível imprimi-lo para grupos de alunos (os mesmo grupos que farão a atividade da Ação Propositiva).

Material complementar

Texto para impressão: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/6HF4NZBx8cvHkjtbK66E9GHXQjE8zqhwnFpsnaPwQR8kKJMsW6nht86JxEwp/ge07-06und03-problematizacao-texto.pdf

Para você saber mais:

Os seringueiro são trabalhadores responsável por extrair o látex das seringueiras, que serve de matéria-prima para a produção da borracha, sendo o Acre um dos estados com a maior produção de borracha do país. Seringalistas são os proprietários dos seringais. Os seringueiros seguem na reivindicação pelo reconhecimento de reservas extrativistas e por melhores condições de trabalho e de vida. Os povos da floresta, por sua vez, são os habitantes tradicionais da floresta Amazônica (castanheiros, indígenas, seringueiros, dentre outros povos) que vivem da extração de produtos da floresta, praticando a agricultura familiar e pesca e caça não predatórias.

MENDES, Chico. A Luta dos Povos da Floresta. Terra Livre nº 7, 1990. Disponível em:

https://agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/81/80 (Acesso em 16/02/2019)

BRASIL, Meteoro. Chico Mendes: para nunca esquecer. Canal Meteoro Brasil. 15 de fev de 2019 (14min47s) Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=d_0HPhE3Dj0&fbclid=IwAR37_LRJdlOH0uEhK4vhfY5eZh0V5Ro7CzEAnEU4s5bGGDfYL9yg0PlxwZ0 (Acesso em 16/02/2019)

VICK, Mariana. O legado de Chico Mendes, 30 anos depois de sua morte. Nexo Jornal. 21 de dezembro de 2018. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/12/21/O-legado-de-Chico-Mendes-30-anos-depois-de-sua-morte (Acesso em 16/02/2019)

ANDRADE, Maria do Carmo. Seringueiros. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. (Acesso em 17/02/2019)

DUCROQUET, Simon; MARIANI, Daniel; DEMASI, Beatriz. O encolhimento da floresta amazônica: o tamanho do estrago. Nexo Jornal. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/04/29/O-encolhimento-da-floresta-amaz%C3%B4nica-o-tamanho-do-estrago?utm_campaign=Echobox&utm_medium=Social&utm_source=Facebook&fbclid=IwAR0yiPLP0-LKZUotYnuS3rtvBic3sKzI5Yd9bIFiDXAD6Sc0O-YL3873Q5M#Echobox=1550181832 (Acesso em 17/02/2019)

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Leia com os alunos o trecho da fala do seringueiro Chico Mendes proferida em junho de 1988 em uma palestra organizada pelo curso de Geografia da USP. Após a leitura do trecho, pergunte têm alguma dúvida em relação a palavras e termos contidos no texto e, na sequência, se alguém sabe quem foi Chico Mendes. Traga, juntamente com as falas dos alunos, as informações sobre seu trabalho como seringueiro, ativista, sindicalista e ambientalista acreano. Seu nome é utilizado no ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade) como forma de homenagem. Explique, caso não saibam, o que é um seringueiro e quem são os povos da floresta. Questione qual é o sentido geral que puderam apreender a partir do trecho de sua palestra. Desta forma, levante perguntas como: “A quem ele acha que a luta pela preservação da Amazônia interessa?” “Qual é a proposta dele para a Amazônia?”. Caso haja dificuldade por parte dos alunos em estabelecer este diálogo, retorne ao texto e releia com os alunos os trechos que auxiliam na construção dessas respostas. Por fim, questione: “É possível conciliar o extrativismo e com a conservação do meio-ambiente? Como?”. A principal prerrogativa do texto de Chico Mendes é a de pensar o extrativismo de uma maneira sustentável, ou seja, de modo em que não haja uma exploração predatória da floresta a partir da criação de reservas extrativistas, neste caso específico. As concepções que o seringueiro e ativista trouxe a partir do fragmento é importante nesta aula para se pensar o extrativismo de modo geral (animal, mineral, vegetal). Não se trata de uma negação do desenvolvimento de atividades extrativistas, mas de se considerar a preservação dos recursos naturais, a população que devido à sua localização é afetada, direta ou indiretamente, por essas atividades e o bem-estar da população que depende das extrações, seja como sua forma de se relacionar com o espaço (territorialidade) em função de sua sobrevivência baseada no extrativismo, seja ainda na sua dependência dos produtos por ele gerados. Desta forma, a principal questão que atravessa este plano “Como pensar uma relação entre o extrativismo e os impactos ambientais” vai ao encontro do trecho destacado ao considerar a necessidade de realização das atividades extrativistas, mas também a indispensabilidade de se pensar em possibilidades de formas de realização destas atividades com o mínimo possível de impacto ambiental e social, o que é dificultado pela nossa estrutura social baseada no modo capitalista de produção.

Caso não seja possível projetar este fragmento é possível imprimi-lo para grupos de alunos (os mesmo grupos que farão a atividade da Ação Propositiva).

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Como adequar à sua realidade: Caso o município onde a escola se insira, ou alguma localidade próxima, passe ou tenha passado por algum dos impactos apontados durante a aula, traga a discussão para a aula com especial atenção à sensibilidade necessária a depender do contexto socioemocial a que os alunos estejam inseridos, principalmente no que tange aos eventos mais recentes, como de Brumadinho (MG). Sobretudo nos eventos de Mariana e Brumadinho, que envolveram a perda de vidas humanas, recomenda-se a sensibilidade em sala de aula em detrimento do sensacionalismo, respeitando a história e contexto de vida da comunidade escolar.

Para você saber mais:

OLIVEIRA, Leandro Dias. RAMÃO, Felipe de Souza. Práticas ambientais e ensino de Geografia: para além do desenvolvimento sustentável como norma. Práticas Pedagógicas. Revista Giramundo, V.2, N.4, P.73-81, Rio de Janeiro, Jul/Dez, 2015. Disponível em:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/MesxnaffFYFyYpUU7PfKYJAfU7SPwck2A9DgbTCeRZ6rVD6suX7THMxfckJB/pratica-ambientais-e-ensino-de-geografia-giramundo.pdf (Acesso em 19/02/2019)

FURLAN, Sueli. Educação ambiental e Geografia: reflexão, ensino e prática. Nova Escola, 01 de fevereiro de 2014. Disponível em:

https://novaescola.org.br/conteudo/2023/educacao-ambiental-e-geografia-reflexao-ensino-e-pratica (Acesso em 19/02/2019)

PINA, Rute. Vazamento de óleo contamina a Baía de Todos os Santos (BA), denunciam quilombolas. Brasil de Fato. 12 de junho de 2018. Disponível em:

https://www.brasildefato.com.br/2018/06/12/vazamento-de-oleo-contamina-a-baia-de-todos-os-santos-ba-denunciam-quilombolas/ (Acesso em 18/02/2019)

SUÇUARANA, Monik da Silveira. Poluição causada pela mineração. InfoEscola. s/d Disponível em:

https://www.infoescola.com/meio-ambiente/poluicao-causada-pela-mineracao/ (Acesso em 18?02/2019)

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos

Orientações: Solicite que os grupos digam os impactos que levantaram. Enquanto os alunos apresentam suas produções vá realizando comparações entre os grupos no sentido de analisar quais impactos se repetiram e quais não, complementando suas falas com as discussões levantadas durante o transcorrer da aula. Peça para que retomem o pequeno texto que construíram na etapa de Contextualização (“O que acreditam que seja um impacto socioambiental”) e solicite que, a partir de todo desenvolvimento da aula, digam se manteriam suas definições ou se as modificariam e o porquê das alterações. Auxilie-os na construção de uma concepção que englobe as ações humanas na modificação do espaço, no caso deste plano, voltado às atividades econômicas e em como essas ações têm impactos em diversos âmbitos, como o social em si, o econômico, o ambiental e que todos eles se relacionam entre si e, sobretudo, com o âmbito político a partir da legislação que permite, inibe e/ou fiscaliza as etapas extrativistas no país. Por fim, atente para o modo de produção capitalista que demanda grandes produções voltadas à uma economia global a partir da atuação de empresas multinacionais sobre o território coexistindo com formas de produção tradicionais e de menor impacto voltadas, principalmente, à subsistência e utilização não predatória da fauna e da flora.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07GE06 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes. Esta habilidade tem por objetivo as influências da produção, circulação e consumo de mercadorias no território brasileiro, sobretudo, a partir da perspectiva ambiental e da distribuição desigual das riquezas. Trata-se de analisar as diferentes formas de ocupação e configuração do território sob as dinâmicas de produção, circulação e consumo de mercadorias.Este plano objetiva a análise dos impactos socioambientais aos quais as populações estão submetidas a partir da estrutura de determinadas atividades extrativistas no Brasil, como a vegetal - com a extração de madeira e a mineral - com a extração de minérios e petróleo.

Materiais necessários:

  • Quadro
  • Projetor (caso não seja possível utilizar o projetor recomenda-se a utilização do quadro)
  • Caderno, lápis grafite, borracha

Material complementar:

Imagens utilizadas no plano:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/swCBfyPmjtxvWzgPFa2RuuyyKGEdyFh2BsFx27SzxG5h59jXjtT3vvC9VpuD/ge07-06und03-imagens-utilizadas-no-plano.pdf

Texto da etapa de Problematização:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/6HF4NZBx8cvHkjtbK66E9GHXQjE8zqhwnFpsnaPwQR8kKJMsW6nht86JxEwp/ge07-06und03-problematizacao-texto.pdf

Para você saber mais:

OLIVEIRA, Leandro Dias. RAMÃO, Felipe de Souza. Práticas ambientais e ensino de Geografia: para além do desenvolvimento sustentável como norma. Práticas Pedagógicas. Revista Giramundo, V.2, N.4, P.73-81, Rio de Janeiro, Jul/Dez, 2015. Disponível em:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/MesxnaffFYFyYpUU7PfKYJAfU7SPwck2A9DgbTCeRZ6rVD6suX7THMxfckJB/pratica-ambientais-e-ensino-de-geografia-giramundo.pdf (Acesso em 19/02/2019)

FURLAN, Sueli. Educação ambiental e Geografia: reflexão, ensino e prática. Nova Escola, 01 de fevereiro de 2014. Disponível em:

https://novaescola.org.br/conteudo/2023/educacao-ambiental-e-geografia-reflexao-ensino-e-pratica (Acesso em 19/02/2019)

SUÇUARANA, Monik da Silveira. Poluição causada pela mineração. InfoEscola. s/d Disponível em:

https://www.infoescola.com/meio-ambiente/poluicao-causada-pela-mineracao/ (Acesso em 18/02/2019)

MENDES, Chico. A Luta dos Povos da Floresta. Terra Livre nº 7, 1990. Disponível em:

https://agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/81/80 (Acesso em 16/02/2019)

BRASIL, Meteoro. Chico Mendes: para nunca esquecer. Canal Meteoro Brasil. 15 de fev de 2019 (14min47s) Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=d_0HPhE3Dj0&fbclid=IwAR37_LRJdlOH0uEhK4vhfY5eZh0V5Ro7CzEAnEU4s5bGGDfYL9yg0PlxwZ0 (Acesso em 16/02/2019)

VICK, Mariana. O legado de Chico Mendes, 30 anos depois de sua morte. Nexo Jornal. 21 de dezembro de 2018. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/12/21/O-legado-de-Chico-Mendes-30-anos-depois-de-sua-morte (Acesso em 16/02/2019)

ANDRADE, Maria do Carmo. Seringueiros. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. (Acesso em 17/02/2019)

DUCROQUET, Simon; MARIANI, Daniel; DEMASI, Beatriz. O encolhimento da floresta amazônica: o tamanho do estrago. Nexo Jornal. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/04/29/O-encolhimento-da-floresta-amaz%C3%B4nica-o-tamanho-do-estrago?utm_campaign=Echobox&utm_medium=Social&utm_source=Facebook&fbclid=IwAR0yiPLP0-LKZUotYnuS3rtvBic3sKzI5Yd9bIFiDXAD6Sc0O-YL3873Q5M#Echobox=1550181832 (Acesso em 17/02/2019)

Contextos prévios: Recomenda-se que os alunos estejam familiarizados com discussões sobre o extrativismo no Brasil, que estão compreendidas na habilidade EF07GE06 da BNCC.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente o tema da aula aos alunos e questione se eles sabem a que se refere a palavra “extrativismo”. Espera-se que os alunos a associem com “extração”. Caso seja necessário, indique que “extrair” significa “retirar” e que nesta aula será estudado como as atividades econômicas brasileiras extrativistas podem causar impactos socioambientais. Pergunte se eles podem dizer a que o termo “socioambiental” remete. Espera-se que eles o relacionem com processos sociais e ambientais. Caso nenhum aluno faça a associação, construa com eles essa concepção.

Como adequar à sua realidade: Caso o município onde a escola se insere, ou alguma localidade próxima, passe ou tenha passado por algum dos impactos apontados durante a aula, traga a discussão para a aula com especial atenção à sensibilidade necessária a depender do contexto socioemocional a que os alunos estejam inseridos.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: Apresente a imagem da explosão da plataforma de extração de petróleo da empresa British Petroleum (BP) e pergunte aos alunos, primeiramente, se já ouviram falar de “derramamento de petróleo” no mar. Explique, ao se tentar extrair o petróleo de rochas no fundo do mar, há o risco dos fluídos vazarem no mar, invadindo o oceano e afetando todo o ecossistema marinho onde permanece a mancha. Mostre a chamada da reportagem da revista Exame e a imagem de satélite da Nasa que mostra a mancha de petróleo no Golfo do México (um local que abrange o sul dos EUA, o leste da costa mexicana e o oeste do caribe), expondo que este desastre ocorreu devido à explosão de uma das plataformas de petróleo, matando 11 pessoas, deixando 14 feridas e derramando bilhões de barris de petróleo no mar, prejudicando a fauna marinha, a pesca na região e o turismo. Em seguida, mostre a chamada da reportagem do G1 sobre um vazamento de petróleo no rio Cubatão na região de Santos que condicionou o abastecimento de água na cidade, devido à poluição dos mananciais que abastecem a cidade. Peça para que que alunos escrevam no caderno, resumidamente, o que acreditam que seja um impacto socioambiental.

Para você saber mais:

BARBOSA, Vanessa. Desastre do Golfo do México causou US$ 17,2 bi em dano ambiental. Revista Exame - Economia. 26 de abril de 2017. Disponível em:

https://exame.abril.com.br/economia/desastre-do-golfo-do-mexico-causou-us-172-bi-em-dano-ambiental/ (Acesso em 16/02/2019)

SANTOS, G1. Vazamento de petróleo atinge rio Cubatão; produção de água é reduzida. G1-Globo, 23 de março de 2016. Disponível em:

http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2016/03/vazamento-de-petroleo-atinge-rio-cubatao-producao-de-agua-e-reduzida.html (Acesso em 17/02/2019)

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente a imagem da explosão da plataforma de extração de petróleo da empresa British Petroleum (BP) e pergunte aos alunos, primeiramente, se já ouviram falar de “derramamento de petróleo” no mar. Explique, ao se tentar extrair o petróleo de rochas no fundo do mar, há o risco dos fluídos vazarem no mar, invadindo o oceano e afetando todo o ecossistema marinho onde permanece a mancha. Mostre a chamada da reportagem da revista Exame, dizendo que o Golfo do México abrange o sul dos EUA, o leste da costa mexicana e o oeste do caribe e expondo que este desastre ocorreu devido à explosão de uma das plataformas de petróleo, matando 11 pessoas, deixando 14 feridas e derramando bilhões de barris de petróleo no mar, prejudicando a fauna marinha, a pesca na região e o turismo. Em seguida, mostre a chamada da reportagem do G1 sobre um vazamento de petróleo no rio Cubatão na região de Santos que condicionou o abastecimento de água na cidade, devido à poluição dos mananciais que abastecem a cidade. Peça para que que alunos escrevam no caderno, resumidamente, o que acreditam que seja um impacto socioambiental.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações: Leia com os alunos o trecho da fala do seringueiro Chico Mendes proferida em junho de 1988 em uma palestra organizada pelo curso de Geografia da USP. Após a leitura do trecho, pergunte têm alguma dúvida em relação a palavras e termos contidos no texto e, na sequência, se alguém sabe quem foi Chico Mendes. Traga, juntamente com as falas dos alunos, as informações sobre seu trabalho como seringueiro, ativista, sindicalista e ambientalista acreano. Seu nome é utilizado no ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade) como forma de homenagem. Explique, caso não saibam, o que é um seringueiro e quem são os povos da floresta. Questione qual é o sentido geral que puderam apreender a partir do trecho de sua palestra. Desta forma, levante perguntas como: “A quem ele acha que a luta pela preservação da Amazônia interessa?” “Qual é a proposta dele para a Amazônia?”. Caso haja dificuldade por parte dos alunos em estabelecer este diálogo, retorne ao texto e releia com os alunos os trechos que auxiliam na construção dessas respostas. Por fim, questione: “É possível conciliar o extrativismo e com a conservação do meio-ambiente? Como?”. A principal prerrogativa do texto de Chico Mendes é a de pensar o extrativismo de uma maneira sustentável, ou seja, de modo em que não haja uma exploração predatória da floresta a partir da criação de reservas extrativistas, neste caso específico. As concepções que o seringueiro e ativista trouxe a partir do fragmento é importante nesta aula para se pensar o extrativismo de modo geral (animal, mineral, vegetal). Não se trata de uma negação do desenvolvimento de atividades extrativistas, mas de se considerar a preservação dos recursos naturais, a população que devido à sua localização é afetada, direta ou indiretamente, por essas atividades e o bem-estar da população que depende das extrações, seja como sua forma de se relacionar com o espaço (territorialidade) em função de sua sobrevivência baseada no extrativismo, seja ainda na sua dependência dos produtos por ele gerados. Desta forma, a principal questão que atravessa este plano “Como pensar uma relação entre o extrativismo e os impactos ambientais” vai ao encontro do trecho destacado ao considerar a necessidade de realização das atividades extrativistas, mas também a indispensabilidade de se pensar em possibilidades de formas de realização destas atividades com o mínimo possível de impacto ambiental e social, o que é dificultado pela nossa estrutura social baseada no modo capitalista de produção.

Caso não seja possível projetar este fragmento é possível imprimi-lo para grupos de alunos (os mesmo grupos que farão a atividade da Ação Propositiva).

Material complementar

Texto para impressão: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/6HF4NZBx8cvHkjtbK66E9GHXQjE8zqhwnFpsnaPwQR8kKJMsW6nht86JxEwp/ge07-06und03-problematizacao-texto.pdf

Para você saber mais:

Os seringueiro são trabalhadores responsável por extrair o látex das seringueiras, que serve de matéria-prima para a produção da borracha, sendo o Acre um dos estados com a maior produção de borracha do país. Seringalistas são os proprietários dos seringais. Os seringueiros seguem na reivindicação pelo reconhecimento de reservas extrativistas e por melhores condições de trabalho e de vida. Os povos da floresta, por sua vez, são os habitantes tradicionais da floresta Amazônica (castanheiros, indígenas, seringueiros, dentre outros povos) que vivem da extração de produtos da floresta, praticando a agricultura familiar e pesca e caça não predatórias.

MENDES, Chico. A Luta dos Povos da Floresta. Terra Livre nº 7, 1990. Disponível em:

https://agb.org.br/publicacoes/index.php/terralivre/article/view/81/80 (Acesso em 16/02/2019)

BRASIL, Meteoro. Chico Mendes: para nunca esquecer. Canal Meteoro Brasil. 15 de fev de 2019 (14min47s) Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=d_0HPhE3Dj0&fbclid=IwAR37_LRJdlOH0uEhK4vhfY5eZh0V5Ro7CzEAnEU4s5bGGDfYL9yg0PlxwZ0 (Acesso em 16/02/2019)

VICK, Mariana. O legado de Chico Mendes, 30 anos depois de sua morte. Nexo Jornal. 21 de dezembro de 2018. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/12/21/O-legado-de-Chico-Mendes-30-anos-depois-de-sua-morte (Acesso em 16/02/2019)

ANDRADE, Maria do Carmo. Seringueiros. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/. (Acesso em 17/02/2019)

DUCROQUET, Simon; MARIANI, Daniel; DEMASI, Beatriz. O encolhimento da floresta amazônica: o tamanho do estrago. Nexo Jornal. Disponível em:

https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/04/29/O-encolhimento-da-floresta-amaz%C3%B4nica-o-tamanho-do-estrago?utm_campaign=Echobox&utm_medium=Social&utm_source=Facebook&fbclid=IwAR0yiPLP0-LKZUotYnuS3rtvBic3sKzI5Yd9bIFiDXAD6Sc0O-YL3873Q5M#Echobox=1550181832 (Acesso em 17/02/2019)

Slide Plano Aula

Orientações: Leia com os alunos o trecho da fala do seringueiro Chico Mendes proferida em junho de 1988 em uma palestra organizada pelo curso de Geografia da USP. Após a leitura do trecho, pergunte têm alguma dúvida em relação a palavras e termos contidos no texto e, na sequência, se alguém sabe quem foi Chico Mendes. Traga, juntamente com as falas dos alunos, as informações sobre seu trabalho como seringueiro, ativista, sindicalista e ambientalista acreano. Seu nome é utilizado no ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade) como forma de homenagem. Explique, caso não saibam, o que é um seringueiro e quem são os povos da floresta. Questione qual é o sentido geral que puderam apreender a partir do trecho de sua palestra. Desta forma, levante perguntas como: “A quem ele acha que a luta pela preservação da Amazônia interessa?” “Qual é a proposta dele para a Amazônia?”. Caso haja dificuldade por parte dos alunos em estabelecer este diálogo, retorne ao texto e releia com os alunos os trechos que auxiliam na construção dessas respostas. Por fim, questione: “É possível conciliar o extrativismo e com a conservação do meio-ambiente? Como?”. A principal prerrogativa do texto de Chico Mendes é a de pensar o extrativismo de uma maneira sustentável, ou seja, de modo em que não haja uma exploração predatória da floresta a partir da criação de reservas extrativistas, neste caso específico. As concepções que o seringueiro e ativista trouxe a partir do fragmento é importante nesta aula para se pensar o extrativismo de modo geral (animal, mineral, vegetal). Não se trata de uma negação do desenvolvimento de atividades extrativistas, mas de se considerar a preservação dos recursos naturais, a população que devido à sua localização é afetada, direta ou indiretamente, por essas atividades e o bem-estar da população que depende das extrações, seja como sua forma de se relacionar com o espaço (territorialidade) em função de sua sobrevivência baseada no extrativismo, seja ainda na sua dependência dos produtos por ele gerados. Desta forma, a principal questão que atravessa este plano “Como pensar uma relação entre o extrativismo e os impactos ambientais” vai ao encontro do trecho destacado ao considerar a necessidade de realização das atividades extrativistas, mas também a indispensabilidade de se pensar em possibilidades de formas de realização destas atividades com o mínimo possível de impacto ambiental e social, o que é dificultado pela nossa estrutura social baseada no modo capitalista de produção.

Caso não seja possível projetar este fragmento é possível imprimi-lo para grupos de alunos (os mesmo grupos que farão a atividade da Ação Propositiva).

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Como adequar à sua realidade: Caso o município onde a escola se insira, ou alguma localidade próxima, passe ou tenha passado por algum dos impactos apontados durante a aula, traga a discussão para a aula com especial atenção à sensibilidade necessária a depender do contexto socioemocial a que os alunos estejam inseridos, principalmente no que tange aos eventos mais recentes, como de Brumadinho (MG). Sobretudo nos eventos de Mariana e Brumadinho, que envolveram a perda de vidas humanas, recomenda-se a sensibilidade em sala de aula em detrimento do sensacionalismo, respeitando a história e contexto de vida da comunidade escolar.

Para você saber mais:

OLIVEIRA, Leandro Dias. RAMÃO, Felipe de Souza. Práticas ambientais e ensino de Geografia: para além do desenvolvimento sustentável como norma. Práticas Pedagógicas. Revista Giramundo, V.2, N.4, P.73-81, Rio de Janeiro, Jul/Dez, 2015. Disponível em:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/MesxnaffFYFyYpUU7PfKYJAfU7SPwck2A9DgbTCeRZ6rVD6suX7THMxfckJB/pratica-ambientais-e-ensino-de-geografia-giramundo.pdf (Acesso em 19/02/2019)

FURLAN, Sueli. Educação ambiental e Geografia: reflexão, ensino e prática. Nova Escola, 01 de fevereiro de 2014. Disponível em:

https://novaescola.org.br/conteudo/2023/educacao-ambiental-e-geografia-reflexao-ensino-e-pratica (Acesso em 19/02/2019)

PINA, Rute. Vazamento de óleo contamina a Baía de Todos os Santos (BA), denunciam quilombolas. Brasil de Fato. 12 de junho de 2018. Disponível em:

https://www.brasildefato.com.br/2018/06/12/vazamento-de-oleo-contamina-a-baia-de-todos-os-santos-ba-denunciam-quilombolas/ (Acesso em 18/02/2019)

SUÇUARANA, Monik da Silveira. Poluição causada pela mineração. InfoEscola. s/d Disponível em:

https://www.infoescola.com/meio-ambiente/poluicao-causada-pela-mineracao/ (Acesso em 18?02/2019)

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Slide Plano Aula

Orientações: Apresente as imagens de satélite do antes e depois do rompimento da barragem da Samarco (administrada pelas empresas Vale e BHP Billiton), destacando as áreas afetadas pela lama de rejeitos. Para facilitar a visualização, tome como referência o distrito de Bento Rodrigues no centro da imagem. Indique as diferenças nos tons de marrom nas duas imagens. Indique a escala da imagem (1cm = 2km) para que eles tenham dimensão da extensão percorrida pelos dejetos. Apresente as imagens disponibilizadas pela Nasa do antes e depois da região de Brumadinho em relação ao rompimento da barragem também controlada pela empresa multinacional Vale S/A. Destaque a área atingida pela lama indicando a porção mais a leste nas imagens e a diferença da coloração do rio. Exponha que há divergências entre especialistas sobre os rejeitos poderem chegar até o Rio São Francisco, o que aumentaria ainda mais a extensão do desastre. Desta forma, levante questionamentos que os ajudarão a preencher a tabela de impactos, como por exemplo: “Como este evento pode afetar a vida das pessoas que ali viviam?” “Como este evento influencia na fauna terrestre e aquática (vida animal) e flora (vida vegetal) da região?” “Será que este evento impacta apenas a região onde ocorreu ou impacta outras também?” (pensando, no caso de Mariana que os rejeitos atingiram o Rio Doce e chegaram até o mar, afetando seu ecossistema). Levante questionamentos que permitirão que os alunos associem estes eventos à categorização de âmbitos impactos pela atividade mineradora. Exponha que este dois eventos são acontecimentos atípicos e que, teoricamente, não deveriam acontecer. No entanto, existem outros impactos relacionados à mineração que não são categorizados como “desastres”, sendo, portanto, mais comuns no processo de extrativismo mineral. Explique que para extrair os minerais é preciso alguns elemento químicos que são tóxicos e que estes elementos fazem parte dessa lama de rejeitos. Esta lama que fica presa pelas barragens corre o risco de contaminar o solo e a águas em subsolo. Além disso, pergunte: “Como será que esse material sólido, que é a rocha, é quebrado?”. Neste ponto, é feita uma referência à utilização de explosivos, que causam poluição sonora e provocam ondas que podem interferir nas construções da região. Diga que essas explosões levantam muita poeira, que outro tipo de poluição seria essa? (poluição do ar). Questione também: “Como será que ocorre em lugares que têm minérios, mas também têm vegetação?”, apontando, dessa maneira, para o desmatamento com consequente erosão do solo, o que pode causar assoreamento de rios nas proximidades da área minerada.

No que se refere à extração de madeira, exponha que, apesar de existirem leis sobre essa atividade extrativista vegetal, há muita extração de madeira ilegal, principalmente na Floresta Amazônica. Assim, questione: “Que impacto pode ser gerado a partir dessa extração da madeira?”. Espera-se que os alunos apontem para o desmatamento e, desta forma, conduza-os a pensar o quanto essa extração ilegal pode afetar a fauna da região, bem como os modos de vida dos povos da floresta, retomando a etapa de Problematização com a fala do seringueiro Chico Mendes.

Por fim, introduza a chamada da reportagem sobre o derramamento de óleo na Baía-de-Todos-os-Santos, no estado da Bahia. Dialogue com os alunos acerca dos impactos causados a partir da poluição do Rio São Paulo e toda extensão de manguezal que ele abarca (se necessário, explique sucintamente aos alunos do que se trata um manguezal), afetando a fauna aquática e os modos de vida da comunidade quilombola que vive da pesca neste rio.

Após as discussões levantadas nesta etapa do plano, reúna os alunos em grupos de até quatro pessoas e peça para que o alunos construam uma tabela com as principais atividades trazidas durante a aula, ou outras que não constam no plano mas que julgue relevantes, categorizando os tipos de impactos em “sociais, ambientais e econômico”. Explique que, apesar dessa diferenciação, todos esses impactos se atravessam e influenciam uns aos outros. Destaque também que as atividades extrativistas são importantes para a estrutura de sociedade na qual vivemos atualmente e que a grande questão não é deixar de ou continuar a se utilizar do extrativismo, mas sim, repensar a forma como algumas dessas atividades vem ocorrendo e nos impactos que elas geram para toda a sociedade.

Caso não seja possível projetar as imagens, tampouco imprimi-las, traga reportagens sobre os acontecimentos ou ainda escreva sobre eles no quadro e incite a discussão como sugerido para esta etapa.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos

Orientações: Solicite que os grupos digam os impactos que levantaram. Enquanto os alunos apresentam suas produções vá realizando comparações entre os grupos no sentido de analisar quais impactos se repetiram e quais não, complementando suas falas com as discussões levantadas durante o transcorrer da aula. Peça para que retomem o pequeno texto que construíram na etapa de Contextualização (“O que acreditam que seja um impacto socioambiental”) e solicite que, a partir de todo desenvolvimento da aula, digam se manteriam suas definições ou se as modificariam e o porquê das alterações. Auxilie-os na construção de uma concepção que englobe as ações humanas na modificação do espaço, no caso deste plano, voltado às atividades econômicas e em como essas ações têm impactos em diversos âmbitos, como o social em si, o econômico, o ambiental e que todos eles se relacionam entre si e, sobretudo, com o âmbito político a partir da legislação que permite, inibe e/ou fiscaliza as etapas extrativistas no país. Por fim, atente para o modo de produção capitalista que demanda grandes produções voltadas à uma economia global a partir da atuação de empresas multinacionais sobre o território coexistindo com formas de produção tradicionais e de menor impacto voltadas, principalmente, à subsistência e utilização não predatória da fauna e da flora.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Mundo do trabalho do 7º ano :

MAIS AULAS DE Geografia do 7º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF07GE06 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Geografia

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano