Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias
01 de Dezembro de 2001 Imprimir
5 4 3 2 1

Estudar o bairro pode mudar o planeta

Grandes questões, levadas à sala de aula, ajudam os estudantes a compreender o meio em que vivem e a procurar transformá-lo

Por: Denise Pellegrini
Sandra vai com os alunos à duna próxima à escola: estudo do meio Foto: Canindé Soares
Sandra vai com os alunos à duna próxima à escola: estudo do meio 
Foto: Canindé Soares

"O professor de Ciências Naturais é privilegiado." A opinião é de Sonia Muhringer, consultora em Educação Ambiental do Ministério da Educação. A razão, diz ela, é simples e tem tudo a ver com o momento de planejar. "A disciplina permite abordagens interdisciplinares e os temas de que trata permeiam o cotidiano do aluno e da comunidade." Essa situação, segundo ela, permite montar aulas significativas. "Um bom planejamento tem de se basear nas habilidades que os estudantes devem desenvolver, principalmente as de observar e pesquisar", complementa a consultora Dalva Maria Rossi Tavares, especialista em formação continuada.

Dentro das Ciências, há várias disciplinas, como Física, Química, Biologia, Geociências, Astronomia. "O ideal é articular os conteúdos em blocos", ensina Sonia. "Assim, as aulas não se tornam pedacinhos espalhados, mas um todo num contexto." A consultora vai mais longe e afirma que o planejamento deve contemplar questões que instiguem a turma a querer saber mais.

Ela dá um exemplo: muitos professores dão uma aula sobre fotossíntese e, mais tarde, outra sobre digestão, quando poderiam utilizar os dois temas para ensinar o conceito de energia. "Por que não chegar na classe e perguntar de onde vem a energia das plantas e dos seres humanos?", ela desafia. Dessa maneira, o estudante vai em busca de explicações para diferentes fenômenos. "Em cima do tema problematizado, são encaixados os conteúdos do programa, sempre fazendo uma relação com o cotidiano", ensina.

Parece difícil? A professora Sandra Bezerril e Silva, da Fundação Bradesco, em Natal, experimentou esse tipo de planejamento com a turma de 8a série e ficou satisfeita. "Os estudantes se envolvem mais", garante. Para dar conta da tarefa, Sandra estudou muito. "Recorri ao serviço de orientação da escola, troquei idéias com colegas e pesquisei em revistas, livros e sites."

Estrutura básica

Ela começou o trabalho elaborando um esqueleto de planejamento. "Não fechei nada antes de conhecer as expectativas dos alunos", lembra. Nas duas primeiras semanas de aula ela explicou os módulos que deveriam ser estudados: Universo, com destaque para a Terra no primeiro bimestre; os ambientes da Terra no segundo; Ecossistemas do Brasil no terceiro; e alterações ambientais no quarto. "Com base nas sugestões da classe, moldei o modelo definitivo de plano", comenta.

Sonia avisa que o docente não pode esperar a participação espontânea dos alunos. "Ele acaba não planejando. É preciso induzir as discussões e depois adaptar as opiniões ao que havia sido elaborado previamente", diz. Sandra seguiu caminho semelhante e perguntou para a turma: vocês acham que vivem num ambiente equilibrado? Nessa questão estão incluídos temas como consumo, energia, água e poluição, que já constavam do projeto original. "Ao conversar com eles, tomei conhecimento de uma situação terrível: a presença de rejeitos de abatedouros nas dunas", conta. Para entender melhor esse problema, típico da região em que a escola está localizada, o item foi incluído no planejamento e o lugar, cartão postal da cidade, estudado pela garotada.

Além das dunas, outros ecossistemas foram objeto de estudo: mata atlântica, caatinga, mangue e tabuleiros litorâneos. "Meus alunos aprenderam a diferença entre crustáceos, vertebrados e invertebrados pesquisando os animais que vivem próximos a eles, e não com girafas e rinocerontes citados por livros didáticos", destaca. "Não adianta aprender zoologia com uma lista aleatória de animais separados em filos", reforça Sonia.

Aulas diferentes

Sandra previu várias metodologias de aula, como estudos do meio, seminários, mesas-redondas, tribunas livres, produções textuais e atividades experimentais. "É impossível fazer um planejamento sem saber o que trabalhar no laboratório, quantas aulas serão necessárias ou quais materiais usar", ensina Dalva.

A consultora Sonia emenda que as atividades devem envolver a utilização de textos, vídeos ou notícias de jornal. "Apresentado o tema, o professor verifica a concepção que o aluno tem sobre ele", diz. Só então propõe as tarefas. "Depois de fazer uma visita ao mangue, bastante poluído, fomos ao laboratório para analisar a qualidade da água ali coletada", lembra Sandra.

E não se esqueça: é no planejamento inicial que tem início a organização das tradicionais mostras de Ciências, com tudo o que precisa ser feito para que elas se concretizem, no fim do ano. Nem sempre tudo o que foi sonhado vira realidade, mas o importante é que se atinjam os objetivos. No caso de Sandra, um deles era dar à turma condições de participar da sociedade, tornando os jovens capazes de analisar e intervir no meio para modificá-lo. "Hoje, meus alunos mudaram a idéia que tinham sobre o bairro, antes visto como marginalizado e sem valor", conta. "Eles sabem que a área é ecologicamente rica, responsável pela captação de boa parte da água que abastece a cidade e que, também por isso, precisa ser preservada."

 

As Ciências são importantes porque 

? levam o aluno a desenvolver a capacidade de observação e pesquisa e o raciocínio científico

? despertam a consciência sobre a importância da preservação do meio ambiente e do respeito à natureza

? mostram o homem como parte do universo e como indivíduo

? permitem o estudo da vida, o desenvolvimento da auto-estima e o respeito ao próprio corpo e ao dos outros

? contribuem para a compreensão e a valorização dos modos de intervir na natureza e de utilizar seus recursos e para a compreensão dos recursos tecnológicos que realizam essas mediações

? auxiliam no entendimento da saúde como um valor pessoal e social e na compreensão da sexualidade humana sem preconceitos

? propiciam a reflexão sobre questões éticas implícitas nas relações entre ciência, sociedade e tecnologia

Quer saber mais?

Fundação Bradesco, Av. Prof. Antônio Trigueiro, 500, CEP 59074-100, Natal, RN, tel. (84) 205-8179

BBLIOGRAFIA
Metodologia do Ensino de Ciências,
Demétrio Delizoicov e José André Angolti, 207 págs., Ed. Cortez, tel. (11) 3864-0111, 23 reais

Ciências: Fácil ou Difícil?, Nélio Bizzo, 144 págs., Ed. Ática, tel. (11) 3346-3000, 15,90 reais

Questões Atuais no Ensino de Ciências, Roberto Nardi (org.), 106 págs., Ed. Escrituras, tel. (0_ _11) 5082-4190, 15 reais

Ciências no Ensino Fundamental O Conhecimento Físico, Ana Maria Pessoa de Carvalho e colaboradores, 200 págs., Ed. Scipione, tel. (11) 239-2255, 24,60 reais 

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar