10528
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Plano de aula - Explorando objetos em diferentes pontos de vista

POR: Sonia Antunes Caregnato 17/07/2018
Código: MAT2_14GEO01

2º ano / Matemática / Geometria

Plano de aula alinhado à BNCC:

(EF02MA13) Esboçar roteiros a ser seguidos ou plantas de ambientes familiares, assinalando entradas, saídas e alguns pontos de referência.

Plano de aula de Matemática com atividades para 2º ano do Fundamental sobre Escalas e vistas

 

Resumo da aula

download Baixar plano

Tempo sugerido: 2 minutos.

Orientação: Projete e/ou leia o objetivo para a turma.

Propósito: Compartilhar o objetivo da aula.


Este plano de aula foi elaborado pelo Time de Autores NOVA ESCOLA

Autor: Sonia Antunes Caregnato

Mentor: Cibele Diogo Kimura

Especialista de área: Pricilla Cristina Mendes Cerqueira

Habilidade da BNCC

(EF02MA13) Esboçar roteiros a ser seguidos ou plantas de ambientes familiares, assinalando entradas, saídas e alguns pontos de referência.

Objetivos específicos

Perceber e localizar objetos fazendo a representação em diferentes pontos de vista, com enfoque na visão vertical.

Conceito-chave

Escalas e vistas.

Recursos necessários

  • Folha de papel A4 branca;
  • 4 (quatro) caixas de papelão de tamanhos diferentes;
  • Atividades impressas em folhas, coladas no caderno ou não.

Tempo sugerido: 4 minutos.

Orientação: O livro “Não é uma caixa” é uma estratégia muito interessante para abordar de forma simples a observação de um objeto, além de aguçar a imaginação e a criatividade. Partindo deste pressuposto, a sugestão é que o professor traga para a sala quatro caixas de papelão com tamanhos diferentes. Para o primeiro momento da aula, solicite que olhem para as caixas, analisem os tamanhos e posições que ocupam. Explique que nesta aula de geometria vão aprender a representar objetos por meio de diferentes pontos de vista, a qual chamamos de planta baixa.

Propósito: Levar o aluno a fazer comparações percebendo sentidos, posições e tamanhos de objetos.

Discuta com a turma:

  • As caixas possuem tamanhos iguais?
  • Quais as diferenças ou semelhanças entre elas?
  • É possível representá-las numa folha de sulfite? Como?

Materiais Complementares:

A sugestão do livro “Não é uma caixa” é para que a ludicidade seja aproveitada nesta faixa etária, na qual o personagem embarca em gostosas aventuras utilizando uma simples caixa de papelão. Caso não seja possível apresentar o livro, o professor pode conhecer a obra para que possa trabalhar com seus alunos.

Referências:

PORTIS, Antoinette. Não é uma caixa. Título original: Not a Box. Tradução: MACHADO, Cassiano Elek. 2ed. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

Tempo sugerido: 26 minutos.

Orientação: Solicite que façam individualmente os desenhos das caixas numa folha de sulfite. Oriente que os desenhos serão expostos para que apreciem as produções dos colegas e façam comparações. É muito importante que o professor circule pela sala observando os desenhos para analisar como cada um interpreta e faz a extração de vistas de uma figura geométrica espacial. Concluída esta etapa, o trabalho seguinte será de analisar juntamente com os alunos como eles reproduziram os desenhos. Ou seja, será que usaram perspectivas diferentes, considerando a localização de cada um na sala, ou utilizaram o mesmo ponto de vista?

Propósito: Utilizar noções de escala e de vistas na representação de objetos.

Discuta com a turma:

  • Conseguiu desenhar as quatro caixas? Compare o seu desenho com as caixas? Como ficou?
  • Olhem para os desenhos dos colegas, o que mudou?
  • Conseguiu ver as caixa da mesma forma que as desenhou? Será que o lugar que cada um ocupa pode mudar a visão dos objetos para fazer o desenho?

Materiais Complementares:

Guia de intervenção

Resolução da atividade

Outros materiais que auxiliam muito o trabalho com Geometria, especialmente ao introduzir o conteúdo sobre plantas baixas, são o “Caderno PNAIC - Geometria” e o livro “Primeiros Mapas - como entender e construir”.

Referências:

Brasil. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Geometria / Ministério da Educação. – Brasília: MEC/SEB, 2014.

SIMIELLl, Maria Elena. Primeiros mapas. São Paulo: Anglo, 2011.

Tempo sugerido: 26 minutos.

Orientação: Divida a sala em 4 grupos e explique que cada um deles deverá observar bem as caixas e desenhar apenas conforme a orientação:

  • Grupo 1: de frente
  • Grupo 2: de cima
  • Grupo 3: do lado direito
  • Grupo 4: do lado esquerdo

Entregue apenas uma folha de sulfite a cada grupo e acompanhe as discussões, interferindo e até mesmo indagando-os se perceber a necessidade de mediação. Solicite que escrevam no verso da folha qual foi a orientação dada ao grupo. Ao final, recolha as folhas e converse com a turma sobre o objetivo da atividade. Desta forma, o professor mostra para a turma folha por folha, para que identifiquem qual é a visão do desenho, ou melhor, qual é vista dos objetos (cima, frente, lado direito ou lado esquerdo). Depois de conversar sobre as representações, explique que podemos representar um objeto sob diferentes vistas, mas para fazer uma planta baixa, a visão é sempre de cima. Por fim, faça a exposição dos desenhos intitulando cada uma das folhas para que analisem e comparem cada uma das formas representadas.

(Caso tenha tempo ou consiga aplicar, sugere-se entregar uma caixa de papelão a cada grupo para que utilizem a criatividade para transformá-la, assim como na história citada “Não é uma caixa”, podendo usar apenas a imaginação ou acrescentando materiais alternativos, apresentando aos demais a sua criação. Depois, pode fazer uma produção de texto envolvendo a geometria na história.)

Propósito: Desenvolver a observação na representação de objetos sob diferentes pontos de vista.

Discuta com a turma:

  • O que mudou da primeira representação que fez comparando com esta?
  • Consegue perceber as diferentes vistas de um objeto e sua representação?
  • Compreendeu a importância de um desenho visto de cima? Lembra de algum desenho já feito desta forma? Comente.

Tempo sugerido: 6 minutos.

Orientação: Este momento é de muito aprendizado, onde os alunos demonstram as observações feitas e conseguem aprimorar as noções geométricas. Assim, o professor aproveita as dúvidas ou questionamentos para ampliar o conteúdo sobre mapas, especificamente plantas baixas. Se ainda não perceberam, deve ressaltar que embora não temos o hábito de olhar de cima, é assim que as representações são feitas em mapas ou plantas de casas, apartamentos, ruas, entre outros. Faça-os comparar os desenhos com as caixas, mostre a necessidade do uso de escala nestas representações.

Propósito: Apresentar desenhos que representem diferentes vistas de objetos associando à planta baixa.

Discuta com a turma:

  • O que mudou da vista dos lados direito e esquerdo?
  • Como ficou a vista de frente comparando com o seu primeiro desenho?
  • O que achou da vista de cima? Costuma desenhar objetos assim?
  • Compreendeu a expressão “planta baixa”? Já viu alguns desenhos assim?

Materiais Complementares:

Tempo sugerido: 4 minutos.

Orientação: Encerre a atividade fazendo-os perceber que quando representamos objetos em forma de planta baixa é preciso fazê-los como se estivesse vendo-os de cima.

Propósito: Reconhecer a vista vertical como representação em planta baixa.

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientação: Feche a atividade lendo ou deixando que os alunos leiam a aprendizagem da aula e a importância em perceber que quando representamos objetos em forma de planta baixa é preciso fazê-los como se estivesse vendo-os de cima.

Propósito: Desenvolver a noção geométrica, aprimorando a percepção de objetos em diferentes modos de representação e reconhecer a vista vertical como importante forma de representação em planta baixa.

Tempo sugerido: 5 minutos.

Orientação: Nesta atividade, os alunos devem ler e procurar resolver individualmente as questões. O professor circula pela sala observando se apresentam dificuldades em resolver, anotando comentários ou auxiliando, caso necessário. O raio x é um momento para avaliar se os alunos compreenderam o conteúdo proposto, conseguindo êxito na resolução deste plano conceitual, representando os objetos de forma vertical, para poder ampliar e avançar nos conceitos sobre plantas baixas.

Propósito: Interpretar desenhos de plantas baixas simples.

Discuta com a turma:

  • O que mudou de um desenho para outro?
  • Conseguiu identificar o esboço da caixa vista de cima? Mostre a sua resposta.
  • Você acha que precisa ir até o lixeiro para observá-lo. Acha mais fácil ou consegue representá-lo sem precisar se deslocar na sala?

Materiais Complementares:

Raio X para impressão

Resolução do Raio X

Atividade complementar

Resolução da Atividade complementar

Este plano de aula foi elaborado pelo Time de Autores NOVA ESCOLA

Autor: Sonia Antunes Caregnato

Mentor: Cibele Diogo Kimura

Especialista de área: Pricilla Cristina Mendes Cerqueira

Habilidade da BNCC

(EF02MA13) Esboçar roteiros a ser seguidos ou plantas de ambientes familiares, assinalando entradas, saídas e alguns pontos de referência.

Objetivos específicos

Perceber e localizar objetos fazendo a representação em diferentes pontos de vista, com enfoque na visão vertical.

Conceito-chave

Escalas e vistas.

Recursos necessários

  • Folha de papel A4 branca;
  • 4 (quatro) caixas de papelão de tamanhos diferentes;
  • Atividades impressas em folhas, coladas no caderno ou não.

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

AULAS DESSA UNIDADE:

AULA 01

Explorando objetos em diferentes pontos de vista

VOCÊ ESTÁ AQUI

AULAS DESSA DISCIPLINA:

AULAS RELACIONADAS:

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Resolução de Problemas em Matemática com Esforço Produtivo

Neste curso, Kátia Smole ensina como estimular o raciocínio matemático dos alunos, por meio de sugestões de atividade, textos com dicas e a realização de uma prática de sala de aula.

Ver mais detalhes