Opinião embasada: resenhas críticas em Inglês

Ao trabalhar com resenhas críticas em inglês, os alunos aprendem como apresentar informações e expor seus pontos de vista

POR:
Paula Takada
Fotos: Paulo Wolfgang
MOVIE REVIEWS A turma do Colégio Estadual Nossa Senhora de Lourdes organizou um mural de resenhas. Fotos: Paulo Wolfgang

É na seção de cultura de jornais, revistas e sites que encontramos resenhas críticas, um gênero textual que nos ajuda a escolher que obras valem a pena ser consumidas. Umas mais elogiosas, outras mais ácidas, elas reúnem um resumo do material (mas não revelam o desfecho da história no caso de livros, filmes e peças teatrais), informações extras (como dados biográficos do autor) e opiniões de quem as escreve.

Analisar e produzir esse tipo de texto em inglês ajuda a turma a explorar os tempos verbais simple present e simple past, o vocabulário descritivo e expressões opinativas, como I like, I dislike, I agree e I disagree (leia o projeto didático). Por causa de todos esses requisitos e pelas características já descritas, as resenhas devem ser abordadas preferencialmente com turmas das séries finais do Ensino Fundamental, que dominam vários conteúdos do idioma e podem usá-los ao mesmo tempo. "Para escrever uma boa resenha, é preciso saber resumir, parafraseando o autor original, consultar vários textos e articular o que eles revelam, além de consolidar uma opinião e justificá-la", diz Vera Cristovão, pesquisadora na área de Linguística Aplicada e professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

As mesmas competências são colocadas em jogo quando se estuda um texto publicado. Aliás, esse é o primeiro passo para inserir os estudantes no desafio de resenhar, como fez Maristela da Silva, professora do 8º ano do Colégio Estadual Nossa Senhora de Lourdes, em Londrina, a 379 quilômetros de Curitiba. Ela propôs que produzissem resenhas de filmes (movie reviews, em inglês), que seriam lidas pela comunidade escolar. Para que todos entrassem em contato com o gênero, apresentou modelos. Depois da leitura, organizou uma discussão sobre os elementos que os textos continham (como título, informações sobre a obra e momentos descritivo-narrativos) e do modo como estavam organizados, compondo a estrutura. A educadora também chamou a atenção para os mecanismos linguísticos que asseguram a coesão.

Na hora de escrever as próprias resenhas, cada um teve de escolher um filme. "Esse processo envolveu etapas de planejamento, revisão e reescrita", explica Maristela. Assim, ela garantiu que todos produzissem resenhas de qualidade e cheias de personalidade.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias