Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

134

Confira uma atividade para aula de Arte alinhada à Base

Chuva foi a inspiração de uma sequência didática que permitiu os alunos de 2º ano explorarem diversas linguagens artísticas

Autor: Rita Trevisan

Partindo de um elemento comum ao dia a dia dos alunos, a chuva, a professora de Artes Natália Lourenço da Silva conseguiu trabalhar artes visuais, dança, música e teatro com uma turma de 2º ano da EMEF Prof. Lourenço Manoel Sparapan, em um projeto já alinhado às diretrizes da BNCC. Confira as etapas de desenvolvimento da sequência, passo a passo.

Objetivos da atividade:
 Permitir aos alunos a apreciação de obras artísticas de variadas linguagens com a temática chuva, estabelecendo paralelos e diferenciações entre as propostas dos diferentes artistas.
Reconhecer e explorar alguns dos elementos das imagens (ponto e linha) e seu uso em composições, criando ritmo e movimento.
Explorar procedimentos de desenho, pintura com rolinho e pincel.
Compor painel coletivo.
Apreciar e reproduzir sons, com o corpo, com objetos e instrumentos musicais.
Criar efeitos sonoros para atividades teatrais da turma.
Planejar, improvisar e atuar em pequenas cenas teatrais com a temática abordada.
Ressignificar coreografias apresentadas em vídeo, acompanhando e criando novos movimentos corporais.
Estabelecer conexões entre as obras e experiências vivenciadas nas diferentes linguagens artísticas.

Conteúdos trabalhados:
Produções artísticas de diferentes linguagens com a temática chuva.
Elementos das artes visuais (ponto, linha, ritmo e movimento).
Sons do corpo.
Instrumentos musicais e objetos sonoros.
Planejamento, improviso e atuação teatral.
Coreografias: acompanhamento e recriação.



Desenvolvimento da sequência:

1ª Etapa Artes visuais

Apresentação do trabalho com a temática chuva, explorando quatro linguagens artísticas
A primeira proposta direcionada à turma foi a criação de um desenho que representasse o fenômeno natural. “Muitos alunos questionaram o que poderiam ou não fazer na folha, se uma nuvem, um raio etc. A orientação foi que cada criança poderia escolher o que desenhar para representar a chuva da sua própria maneira”, conta a professora. Ela convidou os alunos a mostrarem suas produções aos colegas e a observarem as soluções encontradas por cada um, como o uso de pontos, gotas largas e finas, traços rápidos ou bem marcados, o uso de cores dentro ou fora das nuvens.

Em um segundo momento, foram apresentadas e discutidas algumas obras artísticas visuais com a temática chuva. Foram selecionados trabalhos de diferentes períodos, como pinturas de Gustave Caillebotte e René Magritte, gravura de Oswaldo Goeldi, painel de grafite, instalação de Bright Ugochukwo Eke, além de poemas e tirinhas.

Veja o trabalho dos alunos:



2ª Etapa Música

Reproduzindo os sons
Os alunos foram convidados a ouvir o som da chuva e, depois, de um grupo musical simulando o som com o próprio corpo. Os alunos foram identificando, conforme ouviam, o barulho de gotas, trovões, diferenciando sons fracos e fortes. Então, a professora mostrou a imagem do grupo de pessoas que havia reproduzido os sons.

As crianças identificaram os movimentos responsáveis pela criação daqueles sons e, coletivamente, reproduziram-nos, com o próprio corpo. “Em uma das turmas em que apresentei a proposta, ocorreu uma dificuldade do grupo em criar o som da chuva pois a turma, intuitivamente, se organizava em um mesmo ritmo, não conseguindo criar sons de forma aleatória e natural”, diz a professora. Ela aproveitou a situação para explicar algumas diferenças entre os sons ditos desorganizados em uma paisagem sonora e os sons organizados em uma música. A etapa terminou com a apresentação de alguns objetos sonoros e instrumentos musicais que simulam o som da chuva e água: pau de chuva, chocalho de tampas PET, plástico acetato (raio-X) e “caixa do mar” (caixa de pizza com arroz).

3ª Etapa Teatro

Criando cenas 
As crianças foram organizadas em grupos e criaram pequenas cenas que poderiam ocorrer durante a chuva, ou em locais com água. Elas podiam utilizar móveis e objetos da sala de aula para estimular e enriquecer suas propostas. Enquanto um grupo se apresentava, os demais alunos participavam produzindo efeitos de sonoplastia da chuva com o corpo ou objetos. 

4ª Etapa Dança

Vendo, ouvindo e dançando
A turma assistiu trechos de vídeos de dança com a temática da chuva, retirados do filme Cantando na Chuva e do clipe do seriado Glee, com as músicas Singing in the Rain e Umbrella. A professora conversou com as crianças sobre as semelhanças e diferenças entre as coreografias, os figurinos, os ritmos das músicas e até as formas de usar o espaço; quantidade, gênero e necessidades especiais de alguns dançarinos etc. Depois, os alunos foram estimulados a dançar acompanhando os vídeos, imitando ou recriando as coreografias livremente.

5ª Etapa – Finalização

Houve uma conversa sobre as aprendizagens adquiridas pelos alunos e a professora apresentou a proposta de criação de um painel coletivo. Foram retomadas as discussões sobre o uso de pontos e linhas feitos pelos alunos na primeira etapa e Natália apresentou algumas obras da artista Sandra Cinto, com foco na temática da água. Individualmente, as crianças realizaram a pintura de um pedaço de cartolina com rolinho, com algum tom de azul e, posteriormente, pintaram grafismos brancos com pincel, simulando gotas de chuva e/ou ondas do mar. Por fim, as pinturas foram reunidas em um painel coletivo, criando uma instalação junto aos instrumentos musicais que simulam água, para exploração dos apreciadores. “Foi muito gratificante observar, no dia da exposição, a interação dos alunos com os pais. Eles diziam frases como: ‘Eu fiz aquela onda ali’, ‘Pode mexer’, ‘Esse foi feito com caixa de pizza’ etc.”, conta a professora.



Esta atividade trabalhou com habilidades da BNCC desenvolvidas na sequência:

 Artes visuais
- Identificar e apreciar formas distintas das artes visuais tradicionais e contemporâneas, cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade de simbolizar e o repertório imagético.
- Explorar e reconhecer elementos constitutivos das artes visuais (ponto, linha, forma, cor, espaço, movimento etc.).
- Experimentar diferentes formas de expressão artística (desenho, pintura, colagem, quadrinhos, dobradura, escultura, modelagem, instalação, vídeo, fotografia etc.), fazendo uso sustentável de materiais, instrumentos, recursos e técnicas convencionais e não convencionais.
- Dialogar sobre a sua criação e as dos colegas, para alcançar sentidos plurais.
 Dança
- Experimentar e apreciar formas distintas de manifestações da dança presentes em diferentes contextos, cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade de simbolizar e o repertório corporal.
- Criar e improvisar movimentos dançados de modo individual, coletivo e colaborativo, considerando os aspectos estruturais, dinâmicos e expressivos dos elementos constitutivos do movimento, com base nos códigos de dança.
 Música
- Identificar e apreciar criticamente diversas formas e gêneros de expressão musical, reconhecendo e analisando os usos e as funções da música em diversos contextos de circulação, em especial, aqueles da vida cotidiana.
- Explorar fontes sonoras diversas, como as existentes no próprio corpo (palmas, voz, percussão corporal), na natureza e em objetos cotidianos, reconhecendo os elementos constitutivos da música e as características de instrumentos musicais variados.
- Experimentar improvisações, composições e sonorização de histórias, entre outros, utilizando vozes, sons corporais e/ou instrumentos musicais convencionais ou não convencionais, de modo individual, coletivo e colaborativo.
 Teatro
- Experimentar o trabalho colaborativo, coletivo e autoral em improvisações teatrais e processos narrativos criativos em teatro, explorando desde a teatralidade dos gestos e das ações do cotidiano até elementos de diferentes matrizes estéticas e culturais.
- Exercitar a imitação e o faz de conta, ressignificando objetos e fatos e experimentando-se no lugar do outro, ao compor e encenar acontecimentos cênicos, por meio de músicas, imagens, textos ou outros pontos de partida, de forma intencional e reflexiva.
 Artes Integradas
As Artes integradas são uma novidade da BNCC. A ideia é que os alunos explorem as relac?o?es entre as diferentes linguagens e suas pra?ticas, permitindo que em uma mesma proposta as corporalidades, visualidades, musicalidades, espacialidades e teatralidades estejam presentes de maneira concomitante. Além de articular as diferentes linguagens e suas práticas, possibilita também o uso das novas tecnologias de informação e comunicação.