16384
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > História > 9º ano > Modernização, ditadura civil-militar e redemocratização: o Brasil após 1946

Plano de aula - Construção de Brasília

Plano de aula de História com atividades para 9º ano do EF sobre Construção de Brasília

Plano 01 de 3 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Pablo Jeovane Santos Farias

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF09HI18 de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cópias impressas dos textos.

Material complementar:

Constituição de 1891

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/NmfGupkesfemhq6ScJMt7ujUMWHuPkQqDBuKNsVgk8NrpX4JWxcmqFs9Kqe7/his9-18und01-constituicao-de-1891.pdf

Fala de Lúcio Costa

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QwRT8DExC6KxNZBHGdUevF7ezwy7rFUsHRMCq2C56mqRR3fY3S6GHkAMRyX9/his9-18und01-fala-lucio-costa-a-revista-manchete.pdf

Candangos na construção de Brasília

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rwsQze7uSRnEjYK56maYmdEBnEFJ9NQQWXf5AVfujshBJXDBNtUdnRuxuYfj/his9-18und01-candangos-na-construcao-de-brasilia.pdf

Lei de construção de Brasília

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QQzB8gHQWuSjkAmW9VvRnjypRhxuyDwZ6V2EuY6sVdrHd4SSUjKTqT7rnCRD/his9-18und01-lei-de-construcao-de-brasilia.pdf

Para que os alunos aprendam a interpretar fontes históricas, é muito importante que você não forneça a eles as Informações básicas sobre a fonte histórica antes da leitura de cada uma delas. Não comece a aula com uma exposição sobre o contexto histórico destes documentos, pois isso os impediria de construir o contexto com base nas fontes, que é o objetivo central da aula de História.

Para você saber mais:

Brasília: A Construção de um sonho. https://www.youtube.com/watch?v=WFDUkd88XDI Acesso em: 19/02/2019.

A Construção de Brasília. https://www.youtube.com/watch?v=wxB62_csHP4 Acesso: 19/02/2019.

Construção de Brasília. http://memorialdademocracia.com.br/card/construcao-de-brasilia Acesso: 19/02/2019.

Como foi a Construção de Brasília. https://super.abril.com.br/mundo-estranho/como-foi-a-construcao-de-brasilia/ Acesso 19/02/2019.

Revista Brasília. http://www.arpdf.df.gov.br/revista-brasilia/ Acesso: 19/02/2019.

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Projete, escreva no quadro ou leia o objetivo da aula para a turma. É muito importante começar com a apresentação do objetivo para que os estudantes entendam o que farão e compreendam onde se quer chegar no fim da aula. Contudo, tome cuidado para, ao fazer isso, não antecipar respostas desde o começo. É necessário sempre garantir que os alunos construam o raciocínio por conta própria.

Para o professor:

A intenção de construir a Capital Federal no Planalto Central era antiga, tanto que a Constituição de 1891 já demonstra tal fato. Considerado para muitos como audácia, JK propõe-se a colocar o plano em prática. Urbanistas como Lúcio Costa e o arquiteto Oscar Niemeyer auxiliaram no projeto.

Porém, a construção de uma cidade em apenas alguns anos precisou de muita mão de obra, então trabalhadores do Brasil inteiro, principalmente do Nordeste, deslocaram-se buscando vagas de emprego. Daí que vemos o próprio urbanista Lúcio Costa traçar em entrevista à revista Manchete os dois lados da nova cidade, ainda comparando o ambiente daquele contexto ao próprio Brasil. Como pode ser visto no documento “Fala de Lúcio Costa à revista Manchete”: “O que ocorre em Brasília e fere nossa sensibilidade é esta coisa sem remédio, porque é o próprio Brasil. É a coexistência, lado a lado, da arquitetura e da antiarquitetura, que se alastra; da inteligência e da anti-inteligência, que não pára; é o apuro parede-meia com a vulgaridade, o desenvolvimento atolado no subdesenvolvimento; são as facilidades e o relativo bem-estar de uma parte, e as dificuldades e o crônico mal-estar da parte maior”.

Assim, existe o contraste entre o sonho de modernizar o Brasil, baseado na exploração das camadas populares, que muitas vezes são invisibilizadas nestes processos. É possível identificar nos candangos, no documento: “Candangos na Construção de Brasília”, nas suas condições de trabalho e de vida, um verdadeiro contraste.

Portanto, é demonstrada a incrível façanha de realizar uma construção tão grandiosa no interior do Brasil, mas que contrasta com o sofrimento e a desigualdade produzidas, como pode ser vista na fotografia de candangos preparando sua alimentação, tendo ao fundo edifícios grandiosos. Assim, a reflexão proposta sobre as transformações urbanas somadas às desigualdades são um dos convites aos documentos em voga.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações: Para garantir o protagonismo dos alunos, é necessário que você não vá diretamente para a razão que motivou a formulação desta atividade (identificar transformações urbanas e suas desigualdades na construção de Brasília). Por isso, faça as intervenções passo a passo, conforme descrito abaixo.

Organize a sala em trios. Diga para a turma que você irá propor uma divisão. Seu critério deve ser deixar no mesmo grupo alunos que possam se apoiar mutuamente para a realização da atividade.

Em seguida, projete ou imprima o trecho da Constituição de 1891, disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/NmfGupkesfemhq6ScJMt7ujUMWHuPkQqDBuKNsVgk8NrpX4JWxcmqFs9Kqe7/his9-18und01-constituicao-de-1891.pdf

E a Lei de Construção de Brasília, disponível aqui:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QQzB8gHQWuSjkAmW9VvRnjypRhxuyDwZ6V2EuY6sVdrHd4SSUjKTqT7rnCRD/his9-18und01-lei-de-construcao-de-brasilia.pdf

Deixe que todos leiam e solicite a cada aluno que conte aos outros dois do mesmo trio o que chamou a atenção nos textos. Os comentários devem ser registrados no caderno. Durante o trabalho em trios, caminhe pela sala e esteja disponível para auxiliar os grupos que solicitarem sua presença.

A expectativa é que o aluno fique surpreso sobre a ideia da construção de Brasília ser antiga, bem como o tempo que demorou entre a idealização de uma capital para o Brasil e sua concretização. Ao mesmo tempo o aluno irá perceber que os fatos históricos são construídos aos poucos, e não da noite para o dia. Algumas perguntas podem ser realizadas como: Por quais motivos queriam mudar a Capital? ou Quais interesses estariam envolvidos em a capital ser no Planalto Central?

É esperado que o aluno responda que era “intencionada a interiorização do país”, “interesses econômicos”, “modernização do país”, “urbanização”, “geração de renda”.

Caso os alunos não cheguem a resposta, volte ao texto e leia por partes, refazendo as perguntas.

Ainda sobre a Capital Federal, pergunte sobre a importância de uma capital, seja econômica, política, social. A expectativa é que respondam mencionando serviços oferecidos, oportunidades, e as transformações que a capital traz por meio do trabalho humano.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

Projete ou imprima os documentos abaixo.

Sem desfazer os trios, selecione dois alunos da classe para analisar, respectivamente, os dois documentos a seguir:

Trabalhadores na construção de Brasília:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rwsQze7uSRnEjYK56maYmdEBnEFJ9NQQWXf5AVfujshBJXDBNtUdnRuxuYfj/his9-18und01-candangos-na-construcao-de-brasilia.pdf

Fala de Lúcio Costa:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QwRT8DExC6KxNZBHGdUevF7ezwy7rFUsHRMCq2C56mqRR3fY3S6GHkAMRyX9/his9-18und01-fala-lucio-costa-a-revista-manchete.pdf

Nesta seção, direcionada sobretudo ao segundo documento “Candangos na Construção de Brasília”, podem ser direcionadas as seguintes perguntas:
“Quem são estas pessoas?”, “O que estão fazendo ali?”, “Quais suas condições de moradia”, “vestimenta”, “alimentação?” e “Esta foto poderia ser considerada atual?”.

É esperado que os alunos se surpreendam com o tipo de moradia, as vestimentas simples, as condições nas quais preparam sua alimentação; em contraste com as construções ao fundo em segundo plano. Ainda, eles devem perceber que todos utilizam alguma proteção em suas cabeças, o que pressupõe suas origens - maioria nordestinos - ou por passar muito tempo sob sol forte.

Candango é o nome dado aos trabalhadores que migraram de várias regiões brasileiras (sobretudo Nordeste) para buscar emprego na futura capital, Brasília. Este termo é de origem africana e significa “ordinário” ou “ruim”. Alguns africanos chamavam os portugueses de candangos.

Na parte abaixo, “Pra você saber mais”, você encontrará mais informações sobre quem eram os candangos.

Depois, sobre o documento “Fala de Lúcio Costa”, pergunte:

“Qual a visão de Lúcio Costa sobre Brasília?”, “Que elementos do texto demonstram esta visão?”.

A expectativa é que o aluno perceba trechos na fala de Lúcio Costa, documento “Fala Lúcio Costa à revista Manchete”, que se assemelham à fotografia “Candangos na construção de Brasília”, tais como: É a coexistência, lado a lado, da arquitetura e da antiarquitetura, que se alastra; da inteligência e da anti-inteligência, que não pára”. Ou, ainda, “são as facilidades e o relativo bem-estar de uma parte, e as dificuldades e o crônico mal-estar da parte maior.” Outro trecho que responde a atividade: “Brasília é, portanto, uma síntese do Brasil, com seus aspectos positivos e negativos, mas é também testemunho de nossa força viva latente.”

Solicite aos estudantes que registrem as respostas em seus cadernos.

Caso os alunos não cheguem à resposta, volte ao Documento “Fala Lúcio Costa a Revista Manchete” e cite as frases colocadas acima, e volte com os mesmos questionamentos propostos nesta parte da aula. Pode também questioná-los sobre o que é antiarquitetura, onde a expectativa é informar que “antiarquitetura” seria o lado negativo em meio a tanto concreto, tanto prédio erguido. Ou ainda o que seria o termo “anti-inteligência”? A expectativa é refletirem que, em meio a muitas coisas ditas inovadoras, não está sendo prioridade diminuir as desigualdades.

Para você saber mais:

Censo populaciona de 1959 revela quem eram os candangos http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2010-04-21/censo-populacional-de-1959-revela-quem-eram-os-candangos-que-construiram-brasilia Acesso: 19/02/2019.

Brasília segundo os candangos https://cultura.estadao.com.br/noticias/televisao,brasilia-segundo-os-candangos,70002276976 Acesso: 19/02/2019.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações:

Nos mesmos grupos anteriores e com base no que foi realizado durante a aula, solicite que os alunos componham letra de música em que demonstrem o contraste entre “moderno” e “antimoderno” no lugar onde vivem. Por exemplo: condomínio e favela, fazenda e assentamento, rua com chão de terra e asfalto.

As expressões “moderno” e antimoderno”, nesta proposta de Sistematização, foram tomadas de empréstimo da fala de Lúcio Costa sobre a construção de Brasília para retratar os contrastes entre realidades sociais distintas, que têm como uma de suas causas as desigualdades socioeconômicas. Tais contrastes expressam-se em condições precárias de moradia, trabalho, alimentação, vestimenta, (entre outros) da maior parte da população, em contraste com o projeto social de uma minoria economicamente favorecida.

A expectativa é que os alunos demonstrem conhecimentos das etapas anteriores e percebam o contraste social na construção de Brasília, expresso na foto dos candangos e na fala do urbanista. Aborde ainda os termos utilizados na aula: “inteligência” e “arquitetura” contrastando com “antiinteligência” e “antiarquitetura”. Os alunos devem notar que o contraste percebido na análise das fontes sobre a construção de Brasília ainda existe na sociedade e que se manifesta de diferentes formas e têm como causa, por exemplo, as desigualdades sociais.

Depois de concluir as letras, realizar exposição em mural confeccionados por eles. Antes de expô-los, peça que apresentem à turma. Nas apresentações, pedir que expliquem porque pensaram daquela forma, e quais conhecimentos da aula aplicaram nas letras de suas músicas.

Como adequar à sua realidade:

Caso algum aluno cante ou toque algum instrumento, pode ser proposto um sarau.

Para você saber mais:

Câmara acha recados de operários que construíram congresso http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/08/camara-acha-recados-de-operarios-que-construiram-predio-do-congresso.html Acesso: 19/02/2019.

Monumento homenageia operários da construção de Brasília http://brasilimperdivel.tur.br/dois-guerreiros-os-candangos/ Acesso: 19/02/2019.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF09HI18 de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cópias impressas dos textos.

Material complementar:

Constituição de 1891

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/NmfGupkesfemhq6ScJMt7ujUMWHuPkQqDBuKNsVgk8NrpX4JWxcmqFs9Kqe7/his9-18und01-constituicao-de-1891.pdf

Fala de Lúcio Costa

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QwRT8DExC6KxNZBHGdUevF7ezwy7rFUsHRMCq2C56mqRR3fY3S6GHkAMRyX9/his9-18und01-fala-lucio-costa-a-revista-manchete.pdf

Candangos na construção de Brasília

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rwsQze7uSRnEjYK56maYmdEBnEFJ9NQQWXf5AVfujshBJXDBNtUdnRuxuYfj/his9-18und01-candangos-na-construcao-de-brasilia.pdf

Lei de construção de Brasília

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QQzB8gHQWuSjkAmW9VvRnjypRhxuyDwZ6V2EuY6sVdrHd4SSUjKTqT7rnCRD/his9-18und01-lei-de-construcao-de-brasilia.pdf

Para que os alunos aprendam a interpretar fontes históricas, é muito importante que você não forneça a eles as Informações básicas sobre a fonte histórica antes da leitura de cada uma delas. Não comece a aula com uma exposição sobre o contexto histórico destes documentos, pois isso os impediria de construir o contexto com base nas fontes, que é o objetivo central da aula de História.

Para você saber mais:

Brasília: A Construção de um sonho. https://www.youtube.com/watch?v=WFDUkd88XDI Acesso em: 19/02/2019.

A Construção de Brasília. https://www.youtube.com/watch?v=wxB62_csHP4 Acesso: 19/02/2019.

Construção de Brasília. http://memorialdademocracia.com.br/card/construcao-de-brasilia Acesso: 19/02/2019.

Como foi a Construção de Brasília. https://super.abril.com.br/mundo-estranho/como-foi-a-construcao-de-brasilia/ Acesso 19/02/2019.

Revista Brasília. http://www.arpdf.df.gov.br/revista-brasilia/ Acesso: 19/02/2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Projete, escreva no quadro ou leia o objetivo da aula para a turma. É muito importante começar com a apresentação do objetivo para que os estudantes entendam o que farão e compreendam onde se quer chegar no fim da aula. Contudo, tome cuidado para, ao fazer isso, não antecipar respostas desde o começo. É necessário sempre garantir que os alunos construam o raciocínio por conta própria.

Para o professor:

A intenção de construir a Capital Federal no Planalto Central era antiga, tanto que a Constituição de 1891 já demonstra tal fato. Considerado para muitos como audácia, JK propõe-se a colocar o plano em prática. Urbanistas como Lúcio Costa e o arquiteto Oscar Niemeyer auxiliaram no projeto.

Porém, a construção de uma cidade em apenas alguns anos precisou de muita mão de obra, então trabalhadores do Brasil inteiro, principalmente do Nordeste, deslocaram-se buscando vagas de emprego. Daí que vemos o próprio urbanista Lúcio Costa traçar em entrevista à revista Manchete os dois lados da nova cidade, ainda comparando o ambiente daquele contexto ao próprio Brasil. Como pode ser visto no documento “Fala de Lúcio Costa à revista Manchete”: “O que ocorre em Brasília e fere nossa sensibilidade é esta coisa sem remédio, porque é o próprio Brasil. É a coexistência, lado a lado, da arquitetura e da antiarquitetura, que se alastra; da inteligência e da anti-inteligência, que não pára; é o apuro parede-meia com a vulgaridade, o desenvolvimento atolado no subdesenvolvimento; são as facilidades e o relativo bem-estar de uma parte, e as dificuldades e o crônico mal-estar da parte maior”.

Assim, existe o contraste entre o sonho de modernizar o Brasil, baseado na exploração das camadas populares, que muitas vezes são invisibilizadas nestes processos. É possível identificar nos candangos, no documento: “Candangos na Construção de Brasília”, nas suas condições de trabalho e de vida, um verdadeiro contraste.

Portanto, é demonstrada a incrível façanha de realizar uma construção tão grandiosa no interior do Brasil, mas que contrasta com o sofrimento e a desigualdade produzidas, como pode ser vista na fotografia de candangos preparando sua alimentação, tendo ao fundo edifícios grandiosos. Assim, a reflexão proposta sobre as transformações urbanas somadas às desigualdades são um dos convites aos documentos em voga.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações: Para garantir o protagonismo dos alunos, é necessário que você não vá diretamente para a razão que motivou a formulação desta atividade (identificar transformações urbanas e suas desigualdades na construção de Brasília). Por isso, faça as intervenções passo a passo, conforme descrito abaixo.

Organize a sala em trios. Diga para a turma que você irá propor uma divisão. Seu critério deve ser deixar no mesmo grupo alunos que possam se apoiar mutuamente para a realização da atividade.

Em seguida, projete ou imprima o trecho da Constituição de 1891, disponível aqui: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/NmfGupkesfemhq6ScJMt7ujUMWHuPkQqDBuKNsVgk8NrpX4JWxcmqFs9Kqe7/his9-18und01-constituicao-de-1891.pdf

E a Lei de Construção de Brasília, disponível aqui:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QQzB8gHQWuSjkAmW9VvRnjypRhxuyDwZ6V2EuY6sVdrHd4SSUjKTqT7rnCRD/his9-18und01-lei-de-construcao-de-brasilia.pdf

Deixe que todos leiam e solicite a cada aluno que conte aos outros dois do mesmo trio o que chamou a atenção nos textos. Os comentários devem ser registrados no caderno. Durante o trabalho em trios, caminhe pela sala e esteja disponível para auxiliar os grupos que solicitarem sua presença.

A expectativa é que o aluno fique surpreso sobre a ideia da construção de Brasília ser antiga, bem como o tempo que demorou entre a idealização de uma capital para o Brasil e sua concretização. Ao mesmo tempo o aluno irá perceber que os fatos históricos são construídos aos poucos, e não da noite para o dia. Algumas perguntas podem ser realizadas como: Por quais motivos queriam mudar a Capital? ou Quais interesses estariam envolvidos em a capital ser no Planalto Central?

É esperado que o aluno responda que era “intencionada a interiorização do país”, “interesses econômicos”, “modernização do país”, “urbanização”, “geração de renda”.

Caso os alunos não cheguem a resposta, volte ao texto e leia por partes, refazendo as perguntas.

Ainda sobre a Capital Federal, pergunte sobre a importância de uma capital, seja econômica, política, social. A expectativa é que respondam mencionando serviços oferecidos, oportunidades, e as transformações que a capital traz por meio do trabalho humano.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

Projete ou imprima os documentos abaixo.

Sem desfazer os trios, selecione dois alunos da classe para analisar, respectivamente, os dois documentos a seguir:

Trabalhadores na construção de Brasília:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/rwsQze7uSRnEjYK56maYmdEBnEFJ9NQQWXf5AVfujshBJXDBNtUdnRuxuYfj/his9-18und01-candangos-na-construcao-de-brasilia.pdf

Fala de Lúcio Costa:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/QwRT8DExC6KxNZBHGdUevF7ezwy7rFUsHRMCq2C56mqRR3fY3S6GHkAMRyX9/his9-18und01-fala-lucio-costa-a-revista-manchete.pdf

Nesta seção, direcionada sobretudo ao segundo documento “Candangos na Construção de Brasília”, podem ser direcionadas as seguintes perguntas:
“Quem são estas pessoas?”, “O que estão fazendo ali?”, “Quais suas condições de moradia”, “vestimenta”, “alimentação?” e “Esta foto poderia ser considerada atual?”.

É esperado que os alunos se surpreendam com o tipo de moradia, as vestimentas simples, as condições nas quais preparam sua alimentação; em contraste com as construções ao fundo em segundo plano. Ainda, eles devem perceber que todos utilizam alguma proteção em suas cabeças, o que pressupõe suas origens - maioria nordestinos - ou por passar muito tempo sob sol forte.

Candango é o nome dado aos trabalhadores que migraram de várias regiões brasileiras (sobretudo Nordeste) para buscar emprego na futura capital, Brasília. Este termo é de origem africana e significa “ordinário” ou “ruim”. Alguns africanos chamavam os portugueses de candangos.

Na parte abaixo, “Pra você saber mais”, você encontrará mais informações sobre quem eram os candangos.

Depois, sobre o documento “Fala de Lúcio Costa”, pergunte:

“Qual a visão de Lúcio Costa sobre Brasília?”, “Que elementos do texto demonstram esta visão?”.

A expectativa é que o aluno perceba trechos na fala de Lúcio Costa, documento “Fala Lúcio Costa à revista Manchete”, que se assemelham à fotografia “Candangos na construção de Brasília”, tais como: É a coexistência, lado a lado, da arquitetura e da antiarquitetura, que se alastra; da inteligência e da anti-inteligência, que não pára”. Ou, ainda, “são as facilidades e o relativo bem-estar de uma parte, e as dificuldades e o crônico mal-estar da parte maior.” Outro trecho que responde a atividade: “Brasília é, portanto, uma síntese do Brasil, com seus aspectos positivos e negativos, mas é também testemunho de nossa força viva latente.”

Solicite aos estudantes que registrem as respostas em seus cadernos.

Caso os alunos não cheguem à resposta, volte ao Documento “Fala Lúcio Costa a Revista Manchete” e cite as frases colocadas acima, e volte com os mesmos questionamentos propostos nesta parte da aula. Pode também questioná-los sobre o que é antiarquitetura, onde a expectativa é informar que “antiarquitetura” seria o lado negativo em meio a tanto concreto, tanto prédio erguido. Ou ainda o que seria o termo “anti-inteligência”? A expectativa é refletirem que, em meio a muitas coisas ditas inovadoras, não está sendo prioridade diminuir as desigualdades.

Para você saber mais:

Censo populaciona de 1959 revela quem eram os candangos http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2010-04-21/censo-populacional-de-1959-revela-quem-eram-os-candangos-que-construiram-brasilia Acesso: 19/02/2019.

Brasília segundo os candangos https://cultura.estadao.com.br/noticias/televisao,brasilia-segundo-os-candangos,70002276976 Acesso: 19/02/2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações:

Nos mesmos grupos anteriores e com base no que foi realizado durante a aula, solicite que os alunos componham letra de música em que demonstrem o contraste entre “moderno” e “antimoderno” no lugar onde vivem. Por exemplo: condomínio e favela, fazenda e assentamento, rua com chão de terra e asfalto.

As expressões “moderno” e antimoderno”, nesta proposta de Sistematização, foram tomadas de empréstimo da fala de Lúcio Costa sobre a construção de Brasília para retratar os contrastes entre realidades sociais distintas, que têm como uma de suas causas as desigualdades socioeconômicas. Tais contrastes expressam-se em condições precárias de moradia, trabalho, alimentação, vestimenta, (entre outros) da maior parte da população, em contraste com o projeto social de uma minoria economicamente favorecida.

A expectativa é que os alunos demonstrem conhecimentos das etapas anteriores e percebam o contraste social na construção de Brasília, expresso na foto dos candangos e na fala do urbanista. Aborde ainda os termos utilizados na aula: “inteligência” e “arquitetura” contrastando com “antiinteligência” e “antiarquitetura”. Os alunos devem notar que o contraste percebido na análise das fontes sobre a construção de Brasília ainda existe na sociedade e que se manifesta de diferentes formas e têm como causa, por exemplo, as desigualdades sociais.

Depois de concluir as letras, realizar exposição em mural confeccionados por eles. Antes de expô-los, peça que apresentem à turma. Nas apresentações, pedir que expliquem porque pensaram daquela forma, e quais conhecimentos da aula aplicaram nas letras de suas músicas.

Como adequar à sua realidade:

Caso algum aluno cante ou toque algum instrumento, pode ser proposto um sarau.

Para você saber mais:

Câmara acha recados de operários que construíram congresso http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/08/camara-acha-recados-de-operarios-que-construiram-predio-do-congresso.html Acesso: 19/02/2019.

Monumento homenageia operários da construção de Brasília http://brasilimperdivel.tur.br/dois-guerreiros-os-candangos/ Acesso: 19/02/2019.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Modernização, ditadura civil-militar e redemocratização: o Brasil após 1946 do 9º ano :

9º ano / História / Modernização, ditadura civil-militar e redemocratização: o Brasil após 1946

9º ano / História / Modernização, ditadura civil-militar e redemocratização: o Brasil após 1946

MAIS AULAS DE História do 9º ano:

9º ano / História / Modernização, ditadura civil-militar e redemocratização: o Brasil após 1946

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF09HI18 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano