Em busca de pistas sobre a escravidão

Entrevistas e fontes diversas levaram à construção de saberes sobre esse período

POR:
Wellington Soares
A garotada entrevistou antigos moradores da região, como Jacyra da Silva Coelho, 100 anos. Raoni Maddalena A garotada entrevistou antigos moradores da região, como Jacyra da Silva Coelho, 100 anos Em exemplares de jornais antigos, a classe encontrou evidências da escravidão na cidade. Raoni Maddalena Em exemplares de jornais antigos, a classe encontrou evidências da escravidão na cidade Os alunos registravam suas descobertas no caderno, que era analisado pelo docente. Raoni Maddalena Os alunos registravam suas descobertas no caderno, que era analisado pelo docente Com a ajuda de Araújo, a turma elaborou uma pauta de perguntas para as entrevistas. Raoni Maddalena Com a ajuda de Araújo, a turma elaborou uma pauta de perguntas para as entrevistas
Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10

O festival anual de samba é um dos principais eventos do pequeno distrito de Tebas, no município de Leopoldina, a 323 quilômetros de Belo Horizonte. O ritmo, popular no local, é característico da cultura afro-brasileira presente ali, assim como as centenárias e modestas construções, as histórias sobre escravos transmitidas de pai para filho e a composição étnica da população. Filhos, netos e bisnetos dos cativos que compunham a mão de obra no século 19 fizeram do local o seu lar e foram deixando, no decorrer do tempo, vestígios de sua existência.

Apesar disso, os alunos de 6º ano da EE Justiniano Fonseca não conheciam esse passado. "Na avaliação diagnóstica, notei que eles não identificavam a presença negra em Leopoldina e tinham ideias parciais sobre a escravidão", explica o professor João Paulo Pereira de Araújo. Quando perguntados sobre o modo de vida dos negros, quase todos citaram apenas a submissão ao senhor e os castigos físicos. "Eles apanhavam quando não faziam alguma coisa direito", respondeu o aluno Marcos Paulo Barreto Araújo, 11 anos. Já Vanessa de Souza Moreira, 12 anos, disse que a vida do escravo era "sem estudo". Boa parte da classe apontava a princesa Isabel (1846-1921) como a única responsável pela abolição.

O docente decidiu, então, guiar a garotada em um processo de exploração do passado que envolveu pesquisas na internet e em jornais e entrevistas com os moradores locais. Dessa forma, ele fez com que todos revissem suas opiniões. "Esse tipo de estudo permite que as crianças entendam as origens das diferenças sociais entre as etnias no Brasil", diz Martha Abreu, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF). Tal abordagem exige um planejamento cuidadoso e uma boa curadoria das fontes que serão usadas. Antonia Terra de Calazans Fernandes, docente da Universidade de São Paulo (USP) e selecionadora do Prêmio Victor Civita Educador Nota 10, sugere que sejam analisados materiais de diferentes naturezas: cartas, obras literárias, fotos, gravuras e biografias, como as do livro Memórias do Cativeiro (Ana Lugão Rios e Hebe Mattos, 304 págs., Ed. Record, tel. 11/3286-0802, edição esgotada). O objetivo é desconstruir o senso comum e aprender, por exemplo, que muitos cativos tinham papel ativo nas decisões sobre seu futuro e nem sempre eram vistos como mercadorias. Devem ser mostradas situações do cotidiano, como as de convívio familiar, sempre convidando a turma a refletir sobre as fontes analisadas, com perguntas como "Qual era a posição social do produtor desse material?" e "Quando foi produzido?". A questão das punições precisa ser tratada com cautela. "Não podemos bombardear as crianças com imagens de sofrimento. Imagine como se sente um aluno negro diante disso", defende Antonia.

O principal recurso usado por Araújo foi uma fonte primária produzida durante o período estudado: exemplares do jornal O Leopoldinense, disponíveis na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional, onde há periódicos de todo o país. "Trabalhar com essas fontes é um exercício de olhar muito rico. O estudante compara versões e formula hipóteses", comenta Sonia Regina Miranda, docente da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

As crianças foram convidadas a procurar nos textos menções aos escravos. "Elas encontraram diversos anúncios, tanto de senhores que buscavam por negros fugidos como daqueles que queriam vender trabalhadores", afirma Araújo. Em sala, a garotada teve de analisar o material. "A escrita dos textos era diferente da de hoje. Tebas está escrito com H", diz Gina de Rezende Oliveira, 11 anos. Vitor Pinheiro Mendes, 12 anos, conta que encontrou anúncios em que os senhores buscavam por um escravo que sabia ler e escrever. "Isso significa que alguns também tinham estudo. Então não era só sofrimento a vida deles!", concluiu. Antonia recomenda também que o professor aproveite esse momento para problematizar o contexto de produção das informações analisadas. "É natural que o anunciante queira destacar só as boas características daquela mercadoria", exemplifica. Todas as conclusões eram registradas no diário de bordo, caderno que cada aluno manteve durante o trabalho. Semanalmente, o professor recolhia o material para verificar como a sala estava avançando. "Quando notava que alguém não havia entendido algo já discutido, eu retomava o assunto", explica.

Com base na descoberta de que existiram negros cativos no local, a turma passou a procurar mais pistas sobre o assunto. A pesquisa começou no laboratório de informática da escola. Araújo sugeriu que todos buscassem informações em textos e blogs de pesquisadores indicados por ele. Ali, os estudantes descobriram que o município possuía a segunda maior população de cativos em 1888, quando foi promulgada a Lei Áurea. A maioria trabalhava no plantio de café.

História, memória e narrativas orais

Se tantos escravos tinham vivido na região, era provável que a história deles ainda estivesse em circulação pelo distrito. Pensando nisso, o professor propôs que a classe fosse a campo ouvir antigos moradores. "Esse contato com os mais velhos humaniza o conhecimento histórico", explica Sonia. Antes, todos montaram coletivamente uma pauta de entrevista. "O professor ajudou em nossa preparação: fomos pensando juntos nas perguntas e ele anotava no quadro", conta Christoff da Silva Cirino, 11 anos. Quando surgia uma questão que não era adequada ao contexto, Araújo questionava: "Será que essa dúvida está relacionada ao nosso tema?". A turma repensava, então, a necessidade de incluí-la.

O professor deixou claro que os estudantes podiam reformular as perguntas no momento das conversas, que foram gravadas em vídeo. "Quando fui entrevistar a dona Jacyra da Silva Coelho, 100 anos, foi difícil fazer com que ela entendesse tudo. Então, eu repetia, mas de um jeito diferente", conta Paula Balbino Leal, 12 anos. "Também pulava perguntas de acordo com a resposta anterior. Em sala, nós tínhamos conversado que poderiam surgir outras dúvidas na hora, e foi o que aconteceu", completa. Foi nessa etapa do estudo que a meninada conheceu a história de Maria Preta, ex-escrava que no início do século passado vagava por Tebas e seus arredores. Hoje, uma capela da cidade tem o nome dela.

Ao fim do projeto, o professor constatou que as visões estereotipadas do início tinham sido desconstruídas. O negro passou a ser visto como um ser humano completo, com distrações, afetos, capacidade intelectual e desejo de ser liberto.

1 O que já sabemos Faça um diagnóstico para saber quais são os conhecimentos da garotada sobre a escravidão. Considere perguntar: "Como era a vida dos escravos no Brasil?", "Como ocorreu sua libertação?" e "Houve cativos na nossa região?".

2 Novas fontes, nova visão Leve a classe a refletir sobre fontes como biografias, cartas e imagens que tratem do país e de sua região. Questione: "Quem as produziu?", "Qual sua intenção ao fazê-lo?" e "Existem outras visões sobre esse tema?".

3 História dos mais velhos Proponha que a turma realize entrevistas com moradores mais velhos da região para descobrir vestígios da escravidão. Auxilie na montagem da pauta e oriente todos a registrar os encontros em vídeo, áudio ou texto escrito.

Vídeo com análise de fotos de escravos e homens libertos:

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias