Qual a diferença entre rei e imperador?

HISTÓRIA

POR:
Renata Costa
Réplica da coroa usada por Dom Pedro II, que fica guardada desde 1943 no Museu Imperial de Petrópolis. Foto: Divulgação
Réplica da coroa usada por D. Pedro II,
que fica guardada desde 1943 no 
Museu Imperial de Petrópolis. 
Foto: Divulgação

Em geral, o título de imperador é aplicado àquele que tem poder sobre grandes áreas, como os líderes romanos do passado. O rei, por sua vez, é o termo utilizado para aquele que governa regiões mais bem delimitadas, e seu poder é passado aos herdeiros. No entanto, nem sempre esses critérios são válidos. 

"Os conceitos e a aplicação dos termos império, imperador, reinado e rei são muito fluidos e dependem do clima ideológico de certos países em determinados tempos", explica a professora Elizabeth Parreiras, coordenadora do departamento de História da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).

A professora cita, como exemplo da flexibilidade desses termos, a Inglaterra durante o século 19 e parte do 20. "Era um vastíssimo império colonial. Dizia-se que ?o sol não se põe no império inglês? de tão vasto que ele era e, no entanto, o monarca recebia o título de rei ou rainha", diz. Na Espanha e em Portugal, no século 15, quando esses países detinham o domínio sobre boa parte do mundo, os governantes eram chamados de reis.

O Japão, por outro lado, é um país de pequenas dimensões - exceto durante a Segunda Guerra Mundial, quando se expandiu um pouco na Ásia - e o monarca recebe o título de imperador.

O Brasil também não se tornou império após a proclamação da Independência em 7 de setembro de 1822 apenas por sua extensão continental. Tornar-se império era uma forma de mostrar a Portugal que não haveria continuidade em relação ao seu governo. Se D. Pedro I fosse rei, ao título poderia estar implícita sua condição de herdeiro do trono português. Dessa maneira, D. Pedro foi proclamado o primeiro imperador do Brasil.

 

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias