Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Câncer de Lula: cinco perguntas e respostas

O câncer de laringe, doença que acomete o ex-presidente, pode gerar dúvidas em seus alunos. Entenda cinco pontos essenciais sobre ela para abordá-la em sala

POR:
Camila Monroe

 

 

1- O que é o câncer de laringe?

Para explicar essa questão à turma, comece pelo básico: esclareça o que é câncer, aproveitando para "traduzir" os termos médicos mais associados ao problema. Câncer é nome dado genericamente a qualquer tumor maligno. Um tumor é o aumento anormal dos tecidos (conjunto de células). Um tumor maligno tem duas características principais: ele pode voltar a crescer após ser retirado (o que os médicos chamam de recidiva) e também invadir tecidos diferentes dos que se originou, atingindo outros órgãos (o que se conhece como metástase).

Com essas informações preliminares, você já pode falar sobre o câncer de laringe. Dentro do sistema respiratório, a laringe é a principal responsável pela reprodução da voz, pela passagem de ar e pelo bloqueio da entrada de alimentos no pulmão. A laringe é vizinha da faringe, mas ambas tem funções bastante diferentes.

"Enquanto a laringe controla a entrada de ar nos pulmões, a faringe controla a entrada de alimentos. São duas vias diferentes, que se dividem logo após a língua", afirma explica José Guilherme Vartanian, cirurgião de cabeça e pescoço do Hospital A. C. Camargo, especialista no tratamento de câncer. O médico explica ainda que, por estarem tão próximas, faringe e laringe podem ser atingidas caso o câncer em uma das regiões não seja tratado rapidamente.

2- Quais as possíveis causas? 

Como na maioria dos tumores, uma reunião de fatores costuma causar a doença. "Para o câncer de laringe, o fumo é o principal vilão, pois o cigarro libera diversas substâncias que atingem diretamente o órgão", diz Vartanian. Lula, como se sabe, é ex-fumante. Mas muitas pessoas fumam e não são atingidas pela doença. Por quê? "Aí entra o fator hereditário, a predisposição genética", diz o médico. Por isso, quem já tem casos da doença na família - caso, novamente, do ex-presidente - deve abrir o olho.

3- Como a doença se manifesta? 

O sintoma mais comum é a rouquidão persistente e progressiva, além de dificuldades para engolir alimentos ou até de respirar. "São sintomas semelhantes aos da dor de garganta. Se depois que o paciente for medicado com antiinflamatório os sintomas persistirem por período superior a dois dias, deve-se procurar um médico especialista em pescoço e garganta", recomenda Vartanian. O médico explica que o tumor dificilmente é visto a olho nu, e somente exames específicos, feitos por especialistas, podem diagnosticar com precisão o câncer nas vias respiratórias.

4- Quais os tratamentos disponíveis?

Hora de explicar à classe o que é a quimioterapia.
Trata-se de um tratamento que tem como base diversas sessões de aplicação de um coquetel de medicamentos chamados de quimioterápicos. Estes medicamentos se misturam com o sangue e são levados a todas as partes do corpo, destruindo as células que estão formam o tumor. O inconveniente é que os quimioterápicos possuem um efeito tóxico. Ou seja, atacam também células sadias que formam outras estruturas do corpo, como os pelos. Como outros pacientes que passam pelo tratamento, o ex-presidente Lula deverá ficar careca e perder, por alguns meses, a barba que cultiva desde a juventude.

Em muitos casos, a quimioterapia, sozinha, não consegue tratar um câncer. Ela serve principalmente para evitar que o tumor se espalhe para outros órgãos, mas precisa de uma complementação para a cura. Para Lula, será a radioterapia, um método que utiliza doses controladas de radiação (raios X, gama ou beta) aplicadas na parte do corpo que tem o tumor. Ao interagir com os tecidos do organismo, a radiação gera reações químicas que afetam as células atingidas - no caso ideal, as células tumorais morrem, enquanto as sadias conseguem tolerar os efeitos. Também na radioterapia há efeitos colaterais, como feridas na área irradiada.

5- Qual a chance de cura do tratamento?

Depende do estágio em que se encontra o tumor. "Se diagnosticado nas fases iniciais, a chance de cura pode chegar a 90%. No estado intermediário, as chances são superiores a 60%. Já pacientes com tumores diagnosticados tardiamente têm menos de 50% de chances de sobreviver", explica Vartanian. 

A região onde o tumor se encontra também influi nas chances de cura. "Em pacientes com tumores restritos à laringe, a chance de sobrevivência é de cerca de 75%. Mas em tumores que se espalham para outras regiões do pescoço, a chance de cura cai para 40%", diz o médico Renato Capuzzo, do Departamento de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital do Câncer de Barretos.

E no caso de Lula? Em entrevista coletiva, a junta médica que trata o ex-presidente preferiu não falar em porcentagem de sucesso. Mas os médicos se mostraram confiantes na cura, que só pode ser declarada após cinco anos de ausência total dos sintomas.

 

 

Compartilhe este conteúdo:

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias

Tags

Guias