Como corrigir os erros dos alunos com o objetivo de ajudá-los a avançar

Uma boa correção de provas é aquela em que o professor trabalha os resultados da classe para orientar a melhor forma de superar as dificuldades

POR:
Beatriz Santomauro

Você aplica uma prova, estabelece critérios para a correção, soma o valor de cada questão, atribui uma nota final, comunica o resultado à turma e... O que vem depois? Se a opção for seguir adiante com novos conteúdos, a avaliação não terá cumprido boa parte de seu papel. A riqueza de informações obtidas com base nas provas permite ao professor entender em que estágio de desenvolvimento o grupo se encontra. Para os estudantes, é um bom momento para rever os erros e avançar naquilo que ainda não foi, de fato, aprendido. "Faz toda a diferença analisar as dimensões dos equívocos. Isso auxilia na indicação daquilo em que cada um precisa evoluir e como trabalhar para alcançar melhoras", explica Jussara Hoffmann, consultora de avaliação e professora aposentada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Para aproveitar essa oportunidade ao máximo, o primeiro passo é organizar as informações a serem interpretadas. Anote num diário os dados sobre o desempenho de cada aluno, tomando o cuidado de dividir os erros por categorias (leia na página seguinte o exemplo dos tipos mais comuns em Matemática). Ao fazer isso, você conseguirá um panorama dos problemas mais recorrentes. Já é possível começar a planejar a ação.

Alguns erros, mesmo que sejam individuais, interessam a todos

A forma de atuar depende do número de estudantes com dificuldade e do tipo de equívoco. Se 90% da sala não conseguir resolver uma das questões, por exemplo, você provavelmente vai precisar retomá-la com toda a turma. Algumas vezes, entretanto, mesmo um deslize cometido só por um aluno também pode ser debatido. Levá-lo ao quadro é a chance de trocar opiniões não apenas para mostrar onde ele ocorre mas também para iluminar alguns aspectos do conteúdo que, no momento da explicação original, podem não ter sido mencionados. Essa abordagem costuma ser muito produtiva quando se consideram os chamados "erros construtivos", aqueles que revelam hipóteses de resolução. É o que ocorre, por exemplo, quando os pequenos escrevem 1004 para registrar o número 104 (o que indica que se apoiam na fala - "cento e quatro" - para cumprir a tarefa) ou colocam na sequência os números 1, 2, 3 e 4 para mostrar que possuem quatro objetos (o que aponta a necessidade de recorrer a uma marca para cada objeto).

Atenção aos erros genericamente designados como de desinteresse: eles podem indicar que o aluno não sabe o que fazer diante das tarefas apresentadas. Uma prova em branco, por exemplo, pode tanto significar que o estudante "não está nem aí" para o que foi tratado como indicar a incompreensão da proposta feita. Para diferenciar um do outro, o caminho é uma conversa direta sobre as razões que levaram àquela situação. Entendê-las norteia o encaminhamento que deve ser realizado: debater estratégias para que o aluno não se desconcentre ou propor novos exercícios e situações-problema para reforçar a compreensão.

O que os erros revelam
Três respostas para a mesma questão, o que elas mostram sobre o raciocínio do aluno e como avançar

Resolva o seguinte problema:
Um artesão consegue produzir 15 ovos de Páscoa de 1 quilo e 20 ovos de 500 gramas por dia. Ele recebeu a encomenda de uma loja e vai ter que fazer 1.620 ovos de 1 quilo. Em quantos dias ele consegue fazer essa entrega?

Resolução 1
Tipo de erro
Interpretação do enunciado
O problema tem muitos dados e o aluno consegue selecionar quais deve usar e quais deve descartar. A dificuldade ocorre na hora de traduzir o que pede o problema para a linguagem própria da Matemática: ele usa a multiplicação em vez da divisão.

resolução 1

Encaminhamento
Analise o contexto do enunciado: o que o artesão deve fazer? Se produzir um pouco a cada dia, como saber o total? E, se souber o total e a produção diária, como descobrir o número de dias necessários para atender ao pedido?

Resolução 2
Tipo de erro
Desconhecimento do conteúdo
A criança não seleciona os dados que levam à resposta nem utiliza a operação correta. Em vez disso, relaciona todas as informações numéricas do enunciado com o procedimento que, provavelmente, lhe parece mais familiar (a soma).

resolução 2

Encaminhamento
Não vale a pena expor o aluno e dividir com toda a turma uma resolução tão equivocada. É melhor agir individualmente com uma recuperação paralela para repassar o conteúdo. Comece com enunciados menos complexos e que utilizem números menores.

Resolução 3
Tipo de erro
Falha em uma etapa do procedimento

Os dados são selecionados corretamente e a operação (a divisão) também. O equívoco está nas etapas do algoritmo: o aluno divide 16 por 15, com resultado 1 e resto 1. Depois, abaixa o 2, vê que 12 não é divisível por 15 e prossegue sem colocar o zero no quociente.

resolução 3

Encaminhamento
Proponha que a classe explique onde está o erro - dividir partes do dividendo (16 por 15, 12 por 15 etc.) e não ele todo. Quando se tenta dividir 16 por 15, a multiplicação por 100 fica escondida (pois 1.600 = 16 X 100) e não pode ser desconsiderada no resultado.

Quer saber mais?

CONTATO
Jussara Hoffmann

BIBLIOGRAFIA
Jogo do Contrário em Avaliação
, Jussara Hoffmann, 192 págs., Ed. Mediação, tel. (51) 3330-8105, 37 reais

Compartilhe este conteúdo: