17693
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Plano de aula - O comércio de pessoas e o funcionamento do tráfico de escravizados

Plano de aula de História com atividades para 7º ano do EF sobre O comércio de pessoas e o funcionamento do tráfico de escravizados

Plano 05 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Ruhama Ariella Sabião Batista

 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI16, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cartolina, canetas hidrográficas ou giz de cera, lápis ou caneta.

Material complementar:

Transcrição da fonte 1 - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JTNQC6jwTDWVhmUVfKU9fHcPQHwQavSHG6XmJZweQWJf6RJaTbnSjSxuTdWV/his7-16un05-transcricao-da-fonte-2.pdf

Contexto - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YxbFujXHt5dT6R3zbjZ5JyzQH4UaNP2f363y6V4qjF3mzFQkCwT7RFCbfmty/his7-16un05-contexto.pdf

Fonte 1 - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/9J6xKVqXeGP6zXwUd6EttGESbqGy7TWGKJN3eWsQgjUz4JVsnPQK7kDFsdGw/his7-16un05-fonte-1.pdf

Fonte 2 - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/hxQFqGBDkY3mffzvnHeTeM4Z23P3b84YQfzRSaU3NKVQWAs5RqgsJfKUve3Q/his7-16un05-fonte-2.pdf

Fonte:

Alencar, Rivadavia Pereira de. Recibo passado por Rivadavia Pereira de Alencar, em nome de Antônio da França Alencar, pela venda de um escravo de nação crioulo pela quantia de duzentos e cinqüenta mil réis. Acervo da Biblioteca Digital Luso-Brasileira, 1851. Disponível em: <http://bdlb.bn.gov.br/acervo/handle/20.500.12156.3/16686>. Acesso em: 22 abr. 19.

Para você saber mais:

BRASIL. Saiba como ajudar a combater o tráfico de pessoas. Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 10 de dezembro de 2012. Disponível em: <http://cnj.jus.br/noticias/cnj/59615-saiba-como-ajudar-a-combater-o-trafico-de-pessoas>. Acesso em: 16 abr. 19.

DIAS, Elainne Cristina Jorge. Retrato falado: o perfil dos escravos nos anúncios de jornais da Paraíba (1850-1888). 2013. 167 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Paraí­ba, João Pessoa, 2013. Disponível em: < https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/5992>.
Acesso em: 22 abr. 19.

ONU BRASIL. Agência da ONU apresenta campanhas para impulsionar combate ao tráfico de pessoas. ONU BRASIL, 28 de agosto de 2018. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia-da-onu-apresenta-campanhas-para-impulsionar-combate-ao-trafico-de-pessoas/>. Acesso em: 16 abr. 19.

PORTAL GELEDÉS. Anúncios de escravos: os classificados da época. Portal Geledés, 12 de maio de 2015. Disponível em: < https://www.geledes.org.br/anuncios-de-escravos-os-classificados-da-epoca/>. Acesso em: 22 abr. 19.

ALENCASTRO, Luiz Felipe. História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SANTOS, Ynaê Lopes dos. História da África e do Brasil afrodescendente. Rio de Janeiro: Editora Pallas, 2017.

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Apesar de a palavra tráfico ser tratada na História sempre ligada à escravização dos povos africanos e ao comércio transatlântico, também é utilizada para tratar de todo comércio ilícito, de armas, de animais, de pessoas, e poder ser observado até a atualidade. Há projetos de combate ao tráfico nas suas mais variadas formas, mas principalmente ao tráfico de pessoas. O objetivo deste plano de aula é compreender os aspectos comerciais que envolviam o tráfico de escravizados dos séculos XVI ao XIX em contraponto com o tráfico hoje.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slide e ao subsequente.

Orientações: O Contexto traz à reflexão o assunto do tráfico de pessoas, mas abordado em um contexto mais atual. Desta forma, as questões direcionadas aos estudantes estão no próximo slide e só podem ser respondidas com base na descrição da fonte e no que ela representa.

Descrição da fonte:

A fonte em questão se trata de uma campanha, realizada pelo governo do Estado de Mato Grosso, em ação do Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de pessoas (CETRAP) e a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (SEJUDH) contra o tráfico de pessoas. A fala apresentada “Mãe, um moço me achou linda. Disse que eu posso ser uma modelo internacional” faz alusão a uma das práticas de tráfico de pessoas da atualidade, em que falsos convites são feitos a meninas e meninos com a proposta de ser modelos em outro país, mas na verdade é para trabalho escravo ou ilegal. Ademais, a campanha traz a frase de efeito “Liberdade não se vende. Dignidade não se compra”, que pode ser destacada com os estudantes, para utilizar não somente neste plano, mas para outros momentos da História que os mesmos estudam, e até mesmo para suas vidas.

Fonte:

MATO GROSSO. Combate ao tráfico de pessoas. Governo de Mato Grosso, 25 de novembro de 2015. Disponível em: <http://www.mt.gov.br/-/combate-ao-trafico-de-pessoas>. Acesso em: 16 abr. 19.

Para você saber mais:

BRASIL. Saiba como ajudar a combater o tráfico de pessoas. Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 10 de dezembro de 2012. Disponível em: <http://cnj.jus.br/noticias/cnj/59615-saiba-como-ajudar-a-combater-o-trafico-de-pessoas>. Acesso em: 16 abr. 19.

ONU BRASIL. Agência da ONU apresenta campanhas para impulsionar combate ao tráfico de pessoas. ONU BRASIL, 28 de agosto de 2018. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia-da-onu-apresenta-campanhas-para-impulsionar-combate-ao-trafico-de-pessoas/>. Acesso em: 16 abr. 19.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Orientações: De acordo com a fonte e a descrição apresentadas anteriormente, pode-se perceber que ainda hoje existe o tráfico de pessoas, mesmo que por motivações e envolvendo sujeitos diferentes do que em outros tempos. As pessoas podem ser traficadas por diferentes motivos, por exemplo: por ser vítimas da ilusão de uma proposta de vida melhor; por não ter outras opções ou oportunidades durante a vida; por ter sido forçadas ou ameaçadas. É importante que os estudantes reflitam sobre a ideia do tráfico de pessoas, no tratamento de pessoas como mercadorias, para que

assim, durante a Problematização, consigam entender o tráfico de escravizados e como funcionava este tipo de comércio.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slides e aos dois subsequentes.

Orientações: As questões a ser realizadas com os estudantes estão no terceiro slide da Problematização.

Descrição da fonte:

A fonte em questão trata-se de um anúncio de venda de escravizados, especificamente, de uma mulher, no século XIX. Destacam-se as atribuições

dadas à mulher “bem desembaraçada para o serviço doméstico e muito sadia”. Por que estas características poderiam chamar a atenção em uma venda? Nota-se também que uma propaganda logo remete a um produto, e, neste caso, o produto é uma pessoa escravizada. Ao realizar as perguntas aos estudantes é preciso atentar para isso.

Fonte:

SÃO PAULO ANTIGA. Os repugnantes anúncios de escravos em jornais do Século 19. São Paulo Antiga, 5 de julho de 2013. Disponível em: <http://www.saopauloantiga.com.br/anuncios-de-escravos/>. Acesso em: 16 abr. 19.

Para você saber mais:

DIAS, Elainne Cristina Jorge. Retrato falado: o perfil dos escravos nos anúncios de jornais da Paraíba (1850-1888). 2013. 167 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Paraí­ba, João Pessoa, 2013. Disponível em: < https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/5992>.

Acesso em: 22 abr. 19.

PORTAL GELEDÉS. Anúncios de escravos: os classificados da época. Portal Geledés, 12 de maio de 2015. Disponível em: < https://www.geledes.org.br/anuncios-de-escravos-os-classificados-da-epoca/>. Acesso em: 22 abr. 19.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

A fonte é de 1851, da cidade do Rio de Janeiro, e trata-se de um recibo de venda de um escravizado. Os dizeres salientam que a origem do escravizado é “criolo”, ou seja, apaga-se uma memória de qual seria sua composição étnica, e ainda o coloca como uma mercadoria, atribuindo suas características e um valor por sua venda. O tratamento de pessoas como mercadorias é o que deve ser ressaltado nas perguntas relacionadas a esta fonte que estarão no próximo slide.

Transcrição da fonte:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JTNQC6jwTDWVhmUVfKU9fHcPQHwQavSHG6XmJZweQWJf6RJaTbnSjSxuTdWV/his7-16un05-transcricao-da-fonte-2.pdf

Fonte:

ALENCAR, Rivadavia Pereira de. Recibo passado por Rivadavia Pereira de Alencar, em nome de Antônio da França Alencar pela venda de um escravo de nação crioulo pela quantia de duzentos e cinqüenta mil réis. Acervo da Biblioteca Digital Luso-Brasileira, 1851. Disponível em: <http://bdlb.bn.gov.br/acervo/handle/20.500.12156.3/16686>. Acesso em: 22 abr. 19.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Após a análise conjunta das duas fontes referenciadas, os estudantes deverão ser instigados a pensar na funcionalidade das mesmas no seu dia a dia, em como elas eram utilizadas no contexto em que estavam inseridas, qual seja, o século XIX. Para isso, é preciso instigar os estudantes a lembrar de anúncios que os mesmos já tenham visto na internet, na televisão, ou até mesmo em revistas e jornais, o que é mais raro na atualidade.
Com base nos anúncios que eles levantaram, o docente deve levá-los a pensar no que estes anúncios vendem, quais características apresentam sobre o produto, entre outros aspectos que os próprios estudantes podem levantar. O objetivo é comparar estes anúncios conhecidos por eles com o apresentado na Fonte 1, e da mesma forma com o recibo de venda, em que ambos demonstram seres humanos tratados como mercadorias com fins comerciais. Estas fontes se relacionam com o tráfico, pois estes escravizados vendidos e anunciados eram trazidos pelo navio negreiro, do tráfico transatlântico. E relaciona-se com o tráfico na atualidade, pois pessoas ainda são vendidas e traficadas, ainda que ilegalmente.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 17 minutos.

Orientações: Nesta etapa, os estudantes deverão se dividir em duplas para criar, com base na percepção deles, um anúncio contra o tráfico de pessoas. Pode ser criado tanto em cartazes (de preferência) quanto em papel sulfite, desde que atinja o objetivo de realizar uma ação em prol de uma causa com base no que foi aprendido na aula de História, ou seja, direcionando as ações do presente, pelo entendimento sobre o passado e com perspectivas no futuro.

Os estudantes não precisam seguir um modelo proposto pelo educador, pelo contrário, devem deixar sua própria criatividade tomar corpo neste momento.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI16, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Cartolina, canetas hidrográficas ou giz de cera, lápis ou caneta.

Material complementar:

Transcrição da fonte 1 - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JTNQC6jwTDWVhmUVfKU9fHcPQHwQavSHG6XmJZweQWJf6RJaTbnSjSxuTdWV/his7-16un05-transcricao-da-fonte-2.pdf

Contexto - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YxbFujXHt5dT6R3zbjZ5JyzQH4UaNP2f363y6V4qjF3mzFQkCwT7RFCbfmty/his7-16un05-contexto.pdf

Fonte 1 - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/9J6xKVqXeGP6zXwUd6EttGESbqGy7TWGKJN3eWsQgjUz4JVsnPQK7kDFsdGw/his7-16un05-fonte-1.pdf

Fonte 2 - https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/hxQFqGBDkY3mffzvnHeTeM4Z23P3b84YQfzRSaU3NKVQWAs5RqgsJfKUve3Q/his7-16un05-fonte-2.pdf

Fonte:

Alencar, Rivadavia Pereira de. Recibo passado por Rivadavia Pereira de Alencar, em nome de Antônio da França Alencar, pela venda de um escravo de nação crioulo pela quantia de duzentos e cinqüenta mil réis. Acervo da Biblioteca Digital Luso-Brasileira, 1851. Disponível em: <http://bdlb.bn.gov.br/acervo/handle/20.500.12156.3/16686>. Acesso em: 22 abr. 19.

Para você saber mais:

BRASIL. Saiba como ajudar a combater o tráfico de pessoas. Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 10 de dezembro de 2012. Disponível em: <http://cnj.jus.br/noticias/cnj/59615-saiba-como-ajudar-a-combater-o-trafico-de-pessoas>. Acesso em: 16 abr. 19.

DIAS, Elainne Cristina Jorge. Retrato falado: o perfil dos escravos nos anúncios de jornais da Paraíba (1850-1888). 2013. 167 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Paraí­ba, João Pessoa, 2013. Disponível em: < https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/5992>.
Acesso em: 22 abr. 19.

ONU BRASIL. Agência da ONU apresenta campanhas para impulsionar combate ao tráfico de pessoas. ONU BRASIL, 28 de agosto de 2018. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia-da-onu-apresenta-campanhas-para-impulsionar-combate-ao-trafico-de-pessoas/>. Acesso em: 16 abr. 19.

PORTAL GELEDÉS. Anúncios de escravos: os classificados da época. Portal Geledés, 12 de maio de 2015. Disponível em: < https://www.geledes.org.br/anuncios-de-escravos-os-classificados-da-epoca/>. Acesso em: 22 abr. 19.

ALENCASTRO, Luiz Felipe. História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SANTOS, Ynaê Lopes dos. História da África e do Brasil afrodescendente. Rio de Janeiro: Editora Pallas, 2017.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Apesar de a palavra tráfico ser tratada na História sempre ligada à escravização dos povos africanos e ao comércio transatlântico, também é utilizada para tratar de todo comércio ilícito, de armas, de animais, de pessoas, e poder ser observado até a atualidade. Há projetos de combate ao tráfico nas suas mais variadas formas, mas principalmente ao tráfico de pessoas. O objetivo deste plano de aula é compreender os aspectos comerciais que envolviam o tráfico de escravizados dos séculos XVI ao XIX em contraponto com o tráfico hoje.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slide e ao subsequente.

Orientações: O Contexto traz à reflexão o assunto do tráfico de pessoas, mas abordado em um contexto mais atual. Desta forma, as questões direcionadas aos estudantes estão no próximo slide e só podem ser respondidas com base na descrição da fonte e no que ela representa.

Descrição da fonte:

A fonte em questão se trata de uma campanha, realizada pelo governo do Estado de Mato Grosso, em ação do Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de pessoas (CETRAP) e a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (SEJUDH) contra o tráfico de pessoas. A fala apresentada “Mãe, um moço me achou linda. Disse que eu posso ser uma modelo internacional” faz alusão a uma das práticas de tráfico de pessoas da atualidade, em que falsos convites são feitos a meninas e meninos com a proposta de ser modelos em outro país, mas na verdade é para trabalho escravo ou ilegal. Ademais, a campanha traz a frase de efeito “Liberdade não se vende. Dignidade não se compra”, que pode ser destacada com os estudantes, para utilizar não somente neste plano, mas para outros momentos da História que os mesmos estudam, e até mesmo para suas vidas.

Fonte:

MATO GROSSO. Combate ao tráfico de pessoas. Governo de Mato Grosso, 25 de novembro de 2015. Disponível em: <http://www.mt.gov.br/-/combate-ao-trafico-de-pessoas>. Acesso em: 16 abr. 19.

Para você saber mais:

BRASIL. Saiba como ajudar a combater o tráfico de pessoas. Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 10 de dezembro de 2012. Disponível em: <http://cnj.jus.br/noticias/cnj/59615-saiba-como-ajudar-a-combater-o-trafico-de-pessoas>. Acesso em: 16 abr. 19.

ONU BRASIL. Agência da ONU apresenta campanhas para impulsionar combate ao tráfico de pessoas. ONU BRASIL, 28 de agosto de 2018. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia-da-onu-apresenta-campanhas-para-impulsionar-combate-ao-trafico-de-pessoas/>. Acesso em: 16 abr. 19.

Slide Plano Aula

Orientações: De acordo com a fonte e a descrição apresentadas anteriormente, pode-se perceber que ainda hoje existe o tráfico de pessoas, mesmo que por motivações e envolvendo sujeitos diferentes do que em outros tempos. As pessoas podem ser traficadas por diferentes motivos, por exemplo: por ser vítimas da ilusão de uma proposta de vida melhor; por não ter outras opções ou oportunidades durante a vida; por ter sido forçadas ou ameaçadas. É importante que os estudantes reflitam sobre a ideia do tráfico de pessoas, no tratamento de pessoas como mercadorias, para que

assim, durante a Problematização, consigam entender o tráfico de escravizados e como funcionava este tipo de comércio.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

O tempo sugerido refere-se a este slides e aos dois subsequentes.

Orientações: As questões a ser realizadas com os estudantes estão no terceiro slide da Problematização.

Descrição da fonte:

A fonte em questão trata-se de um anúncio de venda de escravizados, especificamente, de uma mulher, no século XIX. Destacam-se as atribuições

dadas à mulher “bem desembaraçada para o serviço doméstico e muito sadia”. Por que estas características poderiam chamar a atenção em uma venda? Nota-se também que uma propaganda logo remete a um produto, e, neste caso, o produto é uma pessoa escravizada. Ao realizar as perguntas aos estudantes é preciso atentar para isso.

Fonte:

SÃO PAULO ANTIGA. Os repugnantes anúncios de escravos em jornais do Século 19. São Paulo Antiga, 5 de julho de 2013. Disponível em: <http://www.saopauloantiga.com.br/anuncios-de-escravos/>. Acesso em: 16 abr. 19.

Para você saber mais:

DIAS, Elainne Cristina Jorge. Retrato falado: o perfil dos escravos nos anúncios de jornais da Paraíba (1850-1888). 2013. 167 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal da Paraí­ba, João Pessoa, 2013. Disponível em: < https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/5992>.

Acesso em: 22 abr. 19.

PORTAL GELEDÉS. Anúncios de escravos: os classificados da época. Portal Geledés, 12 de maio de 2015. Disponível em: < https://www.geledes.org.br/anuncios-de-escravos-os-classificados-da-epoca/>. Acesso em: 22 abr. 19.

Slide Plano Aula

Orientações:

Descrição da fonte:

A fonte é de 1851, da cidade do Rio de Janeiro, e trata-se de um recibo de venda de um escravizado. Os dizeres salientam que a origem do escravizado é “criolo”, ou seja, apaga-se uma memória de qual seria sua composição étnica, e ainda o coloca como uma mercadoria, atribuindo suas características e um valor por sua venda. O tratamento de pessoas como mercadorias é o que deve ser ressaltado nas perguntas relacionadas a esta fonte que estarão no próximo slide.

Transcrição da fonte:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JTNQC6jwTDWVhmUVfKU9fHcPQHwQavSHG6XmJZweQWJf6RJaTbnSjSxuTdWV/his7-16un05-transcricao-da-fonte-2.pdf

Fonte:

ALENCAR, Rivadavia Pereira de. Recibo passado por Rivadavia Pereira de Alencar, em nome de Antônio da França Alencar pela venda de um escravo de nação crioulo pela quantia de duzentos e cinqüenta mil réis. Acervo da Biblioteca Digital Luso-Brasileira, 1851. Disponível em: <http://bdlb.bn.gov.br/acervo/handle/20.500.12156.3/16686>. Acesso em: 22 abr. 19.

Slide Plano Aula

Orientações: Após a análise conjunta das duas fontes referenciadas, os estudantes deverão ser instigados a pensar na funcionalidade das mesmas no seu dia a dia, em como elas eram utilizadas no contexto em que estavam inseridas, qual seja, o século XIX. Para isso, é preciso instigar os estudantes a lembrar de anúncios que os mesmos já tenham visto na internet, na televisão, ou até mesmo em revistas e jornais, o que é mais raro na atualidade.
Com base nos anúncios que eles levantaram, o docente deve levá-los a pensar no que estes anúncios vendem, quais características apresentam sobre o produto, entre outros aspectos que os próprios estudantes podem levantar. O objetivo é comparar estes anúncios conhecidos por eles com o apresentado na Fonte 1, e da mesma forma com o recibo de venda, em que ambos demonstram seres humanos tratados como mercadorias com fins comerciais. Estas fontes se relacionam com o tráfico, pois estes escravizados vendidos e anunciados eram trazidos pelo navio negreiro, do tráfico transatlântico. E relaciona-se com o tráfico na atualidade, pois pessoas ainda são vendidas e traficadas, ainda que ilegalmente.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 17 minutos.

Orientações: Nesta etapa, os estudantes deverão se dividir em duplas para criar, com base na percepção deles, um anúncio contra o tráfico de pessoas. Pode ser criado tanto em cartazes (de preferência) quanto em papel sulfite, desde que atinja o objetivo de realizar uma ação em prol de uma causa com base no que foi aprendido na aula de História, ou seja, direcionando as ações do presente, pelo entendimento sobre o passado e com perspectivas no futuro.

Os estudantes não precisam seguir um modelo proposto pelo educador, pelo contrário, devem deixar sua própria criatividade tomar corpo neste momento.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Lógicas comerciais e mercantis da modernidade do 7º ano :

MAIS AULAS DE História do 7º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF07HI16 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano