17378
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Geografia > 8º ano > Conexões e escalas

Plano de aula - A descolonização da África e o neocolonialismo

Plano de aula de Geografia com atividades para 8° ano do Fundamental sobre Explicar o processo de independência e os impactos socioeconômicos nas nações africanas decorrentes do passado colonial.

Plano 06 de 10 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Viviane Lousada Cracel

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08GE05 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes. Pretende-se com esta aula discutir fatores que contribuíram com o processo de independência das colônias africanas compreendendo que, apesar da descolonização e independência política, a maioria dos países africanos iniciou uma nova fase de dependência econômica conhecida como neocolonialismo. Esses aspectos históricos são importantes para a compreensão das raízes das dificuldades de muitos países africanos.

Materiais necessários: Projeção dos slides ou impressão das imagens e mapas.

Material complementar:

Imagem da Contextualização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/mdq2u4Bshcjmpq5mSEPACKQttCzjVYSUdDsjWymv3cCjjC8ZQN6EsQPZBZvS/geo8-05und06-imagem-contextualizacao.pdf

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Para você saber mais:

A charge é um gênero textual, muito comum em jornais, que se utiliza da imagem e do humor para expressar uma crítica e satirizar algum acontecimento da realidade. É bastante comum também as charges apresentarem conteúdo de cunho político, envolvendo ações e disputas políticas. É uma forma de expressar graficamente a opinião do autor sobre a política ou alguma situação cotidiana.

Neocolonialismo: corresponde ao segundo momento da exploração econômica do continente africano pelos europeus, agora para a exploração de matérias-primas necessárias ao desenvolvimento da Revolução Industrial. Período marcado pelo predomínio econômico, político e cultural das potências capitalistas européias sobre a África e Ásia no final do século XIX e ao longo do século XX. Esses países passaram a participar da Divisão Internacional do Trabalho (DIT) como fornecedores de matérias-primas aos países industrializados e dependentes dos gêneros industrializados produzidos pelos países desenvolvidos.

Contextos prévios: É interessante que os alunos conheçam o contexto e as características da Segunda Revolução Industrial e neocolonialismo.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos.

Orientações: Projete o tema da aula ou, caso não seja possível, escreva no quadro ou apenas fale o tema para os alunos. Comente que nesta aula vocês irão discutir alguns fatores que contribuíram com o processo de independência das colônias africanas compreendendo que, apesar da descolonização e independência política, a maioria dos países africanos iniciou uma nova fase de dependência econômica conhecida como neocolonialismo. Esses aspectos históricos são importantes para a compreensão das raízes das dificuldades de muitos países africanos.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos.

Orientações: Projete ou imprima o slide para os alunos. Caso não possa projetar ou imprimir, selecione no livro didático ou em outros materiais outra charge ou imagem que retrate o neocolonialismo na África. Peça para que observem a imagem. Trata-se de uma charge e, por isso é interessante iniciar perguntando se os alunos sabem o que é uma charge. Caso não saibam ou tenham dúvidas, explique que a charge é um gênero textual, comum em jornais, que se utiliza da imagem e do humor para expressar uma crítica e satirizar algum acontecimento. É bastante comum apresentarem conteúdos de cunho político e econômico. É, portanto, uma forma de expressar graficamente a opinião do autor sobre um acontecimento ou alguma situação cotidiana. Em seguida, questione-os:

  • Quais críticas podemos observar na charge?
  • A qual momento podemos relacioná-la?

Permita que os alunos expressem suas leituras e interpretações, pois este é o momento dedicado ao levantamento de ideias prévias dos alunos sobre o conteúdo a ser abordado. Espera-se que eles comentem que ela representa a divisão do continente africano entre as potências europeias, feita de forma arbitrária e visando a exploração econômica do continente, que comprometeu a situação econômica e de dependência do continente. A crítica está nesta arbitrariedade da partilha. Explique sobre o neocolonialismo aos alunos, momento em que as potências européias, na segunda metade do século XIX, estavam em um rápido processo de industrialização, necessitando, portanto, de matérias-primas para as indústrias e de novos mercados consumidores para seus produtos.

Outra possibilidade de abordagem, caso prefira deixar mais marcada a exploração econômica do continente nesta etapa, é o uso da charge disponível em <https://polyp.webarch4.co.uk/cartoons/wealth/polyp_cartoon_africa_unfair_trade_mining_minerals_gold.jpg> Acesso em 23 jan. 2019.

Imagem da Contextualização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/mdq2u4Bshcjmpq5mSEPACKQttCzjVYSUdDsjWymv3cCjjC8ZQN6EsQPZBZvS/geo8-05und06-imagem-contextualizacao.pdf

Para você saber mais:

A charge é um gênero textual, muito comum em jornais, que se utiliza da imagem e do humor para expressar uma crítica e satirizar algum acontecimento da realidade. É bastante comum também as charges apresentarem conteúdo de cunho político, envolvendo ações e disputas políticas. É uma forma de expressar graficamente a opinião do autor sobre a política ou alguma situação cotidiana.

- Neocolonialismo: corresponde ao segundo momento da exploração econômica do continente africano pelos europeus, agora para a exploração de matérias-primas necessárias ao desenvolvimento da Revolução Industrial. Período marcado pelo predomínio econômico, político e cultural das potências capitalistas européias sobre a África e Ásia no final do século XIX e ao longo do século XX. Esses países passaram a participar da Divisão Internacional do Trabalho (DIT) como fornecedores de matérias-primas aos países industrializados e dependente dos gêneros industrializados produzidos pelos países desenvolvidos.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 23 minutos.

Orientações: Projete o slide ou escreva no quadro as orientações para o debate. Em seguida, divida a sala em dois grupos. Essa divisão poderá ser feita de forma aleatória, porém, é interessante que os grupos sejam heterogêneos em níveis de aprendizado, pois isso potencializará as discussões e argumentos. Procure criar na sala de aula um ambiente favorável ao debate, arrumando as carteiras de forma que os grupos possam se olhar. Posicione sua cadeira em uma das pontas e entre os dois grupos, exercendo o papel de mediador nesse processo. Organizado os grupos, lance a questão inicial do debate:

  • O que significou, na prática, a independência dos países africanos?

Cada grupo irá argumentar a partir de um viés diferente, buscando responder a essa questão central. Um grupo discutirá sobre o que significou tornar-se independente político-administrativamente e o outro a partir do viés econômico (que na prática não ocorreu, visto a dependência externa e as dívidas que ainda existem). Neste momento poderá ocorrer um sorteio para ver qual grupo inicia com a discussão. Trata-se de um debate de opiniões e, por isso, não é necessário chegar a um consenso. O objetivo principal é a troca de ideias e o aprofundamento do tema em questão. Espera-se neste momento que os alunos retomem pontos discutidos na problematização, ou seja, que houve a independência dos países em relação à metrópole, porém, ainda permanecem dependentes economicamente, fruto de um passado colonial. Durante o debate, o professor poderá problematizar aspectos como a interferência de potências globais na economia desses países e do fato de algumas nações, em alguns países, dominarem outras. Garanta que todos os alunos participem minimamente. Caso surjam novas questões, elas poderão ser debatidas, cuidando apenas para não fugir do tema central.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Neste momento, encerrado o debate, discuta com os alunos que muito sobre o assunto ainda poderia ser falado e que a proposta não era esgotar o tema, mas sim, trocar ideias e exercitar a argumentação. Retome os pontos de vista e argumentos levantados, sintetizando o que foi debatido. Comente que as nações africanas, em sua maioria, já nasceram dependentes economicamente de suas metrópoles e que a independência foi apenas política, mas não na prática de fato, visto que continuam importando praticamente tudo que necessitam e exportando matérias-primas como no período colonial.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08GE05 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes. Pretende-se com esta aula discutir fatores que contribuíram com o processo de independência das colônias africanas compreendendo que, apesar da descolonização e independência política, a maioria dos países africanos iniciou uma nova fase de dependência econômica conhecida como neocolonialismo. Esses aspectos históricos são importantes para a compreensão das raízes das dificuldades de muitos países africanos.

Materiais necessários: Projeção dos slides ou impressão das imagens e mapas.

Material complementar:

Imagem da Contextualização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/mdq2u4Bshcjmpq5mSEPACKQttCzjVYSUdDsjWymv3cCjjC8ZQN6EsQPZBZvS/geo8-05und06-imagem-contextualizacao.pdf

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Para você saber mais:

A charge é um gênero textual, muito comum em jornais, que se utiliza da imagem e do humor para expressar uma crítica e satirizar algum acontecimento da realidade. É bastante comum também as charges apresentarem conteúdo de cunho político, envolvendo ações e disputas políticas. É uma forma de expressar graficamente a opinião do autor sobre a política ou alguma situação cotidiana.

Neocolonialismo: corresponde ao segundo momento da exploração econômica do continente africano pelos europeus, agora para a exploração de matérias-primas necessárias ao desenvolvimento da Revolução Industrial. Período marcado pelo predomínio econômico, político e cultural das potências capitalistas européias sobre a África e Ásia no final do século XIX e ao longo do século XX. Esses países passaram a participar da Divisão Internacional do Trabalho (DIT) como fornecedores de matérias-primas aos países industrializados e dependentes dos gêneros industrializados produzidos pelos países desenvolvidos.

Contextos prévios: É interessante que os alunos conheçam o contexto e as características da Segunda Revolução Industrial e neocolonialismo.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos.

Orientações: Projete o tema da aula ou, caso não seja possível, escreva no quadro ou apenas fale o tema para os alunos. Comente que nesta aula vocês irão discutir alguns fatores que contribuíram com o processo de independência das colônias africanas compreendendo que, apesar da descolonização e independência política, a maioria dos países africanos iniciou uma nova fase de dependência econômica conhecida como neocolonialismo. Esses aspectos históricos são importantes para a compreensão das raízes das dificuldades de muitos países africanos.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos.

Orientações: Projete ou imprima o slide para os alunos. Caso não possa projetar ou imprimir, selecione no livro didático ou em outros materiais outra charge ou imagem que retrate o neocolonialismo na África. Peça para que observem a imagem. Trata-se de uma charge e, por isso é interessante iniciar perguntando se os alunos sabem o que é uma charge. Caso não saibam ou tenham dúvidas, explique que a charge é um gênero textual, comum em jornais, que se utiliza da imagem e do humor para expressar uma crítica e satirizar algum acontecimento. É bastante comum apresentarem conteúdos de cunho político e econômico. É, portanto, uma forma de expressar graficamente a opinião do autor sobre um acontecimento ou alguma situação cotidiana. Em seguida, questione-os:

  • Quais críticas podemos observar na charge?
  • A qual momento podemos relacioná-la?

Permita que os alunos expressem suas leituras e interpretações, pois este é o momento dedicado ao levantamento de ideias prévias dos alunos sobre o conteúdo a ser abordado. Espera-se que eles comentem que ela representa a divisão do continente africano entre as potências europeias, feita de forma arbitrária e visando a exploração econômica do continente, que comprometeu a situação econômica e de dependência do continente. A crítica está nesta arbitrariedade da partilha. Explique sobre o neocolonialismo aos alunos, momento em que as potências européias, na segunda metade do século XIX, estavam em um rápido processo de industrialização, necessitando, portanto, de matérias-primas para as indústrias e de novos mercados consumidores para seus produtos.

Outra possibilidade de abordagem, caso prefira deixar mais marcada a exploração econômica do continente nesta etapa, é o uso da charge disponível em <https://polyp.webarch4.co.uk/cartoons/wealth/polyp_cartoon_africa_unfair_trade_mining_minerals_gold.jpg> Acesso em 23 jan. 2019.

Imagem da Contextualização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/mdq2u4Bshcjmpq5mSEPACKQttCzjVYSUdDsjWymv3cCjjC8ZQN6EsQPZBZvS/geo8-05und06-imagem-contextualizacao.pdf

Para você saber mais:

A charge é um gênero textual, muito comum em jornais, que se utiliza da imagem e do humor para expressar uma crítica e satirizar algum acontecimento da realidade. É bastante comum também as charges apresentarem conteúdo de cunho político, envolvendo ações e disputas políticas. É uma forma de expressar graficamente a opinião do autor sobre a política ou alguma situação cotidiana.

- Neocolonialismo: corresponde ao segundo momento da exploração econômica do continente africano pelos europeus, agora para a exploração de matérias-primas necessárias ao desenvolvimento da Revolução Industrial. Período marcado pelo predomínio econômico, político e cultural das potências capitalistas européias sobre a África e Ásia no final do século XIX e ao longo do século XX. Esses países passaram a participar da Divisão Internacional do Trabalho (DIT) como fornecedores de matérias-primas aos países industrializados e dependente dos gêneros industrializados produzidos pelos países desenvolvidos.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 12 minutos.

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Slide Plano Aula

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Slide Plano Aula

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Slide Plano Aula

Orientações: Nos próximos slides será apresentada uma sequência de mapas e imagem que se relacionam ao processo de descolonização da África e um dos impactos do neocolonialismo. Projete ou imprima os slides para os alunos. Caso não seja possível, procure por mapas e imagens semelhantes no livro didático ou em outro material que tiver acesso. É importante apenas que elas estejam relacionadas a esse momento histórico do continente.

Peça para os alunos observarem inicialmente o primeiro mapa "Descolonização da África" e a imagem subsequente e discorrerem sobre o que observam e qual seria a relação entre eles. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra as décadas em que os países africanos se tornaram independentes (fato considerado recente) e que a imagem representa como foi parte desse processo.

É interessante explicar que a descolonização teve início a partir do enfraquecimento das metrópoles após o término da Segunda Guerra Mundial e do surgimento de movimentos pela independência nas colônias européias na África. Além disso, pontuar que ela não foi um processo homogêneo, ou seja, ocorreu tanto de forma pacífica quanto violenta. No primeiro caso, houve movimentos pela emancipação com a mobilização da população, protestos e greves e a independência político-administrativa foi alcançada aos poucos, porém, ainda com uma forte influência econômica sobre o novo país criando, dessa forma, um novo tipo de dependência. Esse foi o caso da maioria das colônias inglesas por exemplo. Já as independências conquistadas por meio da violência, derivaram da intransigência das metrópoles em conceder autonomia às colônias, gerando lutas e guerras civis, como foi o caso das ex-colônias portuguesas. É isso que a ilustração representa.

A independência dos países africanos acabou mostrando a fragilidade desses novos Estados diante da economia e da geopolítica mundial. Estavam desestruturados politicamente e a economia baseada no abastecimento do mercado externo não favoreceu o desenvolvimento desses países, que tiveram dificuldade de inserção no comércio internacional. O passado colonial, os conflitos para estabilização das fronteiras e a luta política interna resultaram em um quadro econômico desfavorável, que é o que mostra o último mapa "África: dívida externa em relação ao PIB - 2017". Projete ou imprima-o para os alunos. Peça que o observem e comentem quais são as informações que ele apresenta e qual a relação com seu passado colonial. Espera-se que os alunos comentem que o mapa mostra o endividamento externo dos países africanos e o percentual que isso representa sobre o PIB. Espera-se ainda, que apontem que em mais da metade dos países a dívida externa representa de 25,1% e 50% do PIB.

Caso os alunos não se recordem, explique o que significa PIB - Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos em um país em um determinado período. Conduza os alunos a discutirem que a origem da dívida externa remonta ao período colonial em que algumas potências europeias forneceram empréstimos a juros altos para o desenvolvimento africano. Contudo, como as economias desses países africanos dependem dos credores para exportar seus produtos, acabam em desvantagem, pois estes conseguem determinar o preço das matérias-primas que compram.

Por fim, projete ou escreva no quadro a questão "Os países africanos estão de fato independentes?". Espera-se que respondam, a partir da discussão, que apesar da independência política, muitos países africanos ainda se encontram dependentes economicamente dos países europeus, reforçando a presença secundária do continente no mundo globalizado, aparecendo como fornecedores de matéria-prima a exemplo do período colonial.

Atividade Problematização: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/gYE5S2ZT2WFwbhXaSA9TdJSM8Mtx3JshhHzhh8PdgzZVZ2kcyxXNkA2PEnvn/geo8-05und06-atividade-problematizacao.pdf

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 23 minutos.

Orientações: Projete o slide ou escreva no quadro as orientações para o debate. Em seguida, divida a sala em dois grupos. Essa divisão poderá ser feita de forma aleatória, porém, é interessante que os grupos sejam heterogêneos em níveis de aprendizado, pois isso potencializará as discussões e argumentos. Procure criar na sala de aula um ambiente favorável ao debate, arrumando as carteiras de forma que os grupos possam se olhar. Posicione sua cadeira em uma das pontas e entre os dois grupos, exercendo o papel de mediador nesse processo. Organizado os grupos, lance a questão inicial do debate:

  • O que significou, na prática, a independência dos países africanos?

Cada grupo irá argumentar a partir de um viés diferente, buscando responder a essa questão central. Um grupo discutirá sobre o que significou tornar-se independente político-administrativamente e o outro a partir do viés econômico (que na prática não ocorreu, visto a dependência externa e as dívidas que ainda existem). Neste momento poderá ocorrer um sorteio para ver qual grupo inicia com a discussão. Trata-se de um debate de opiniões e, por isso, não é necessário chegar a um consenso. O objetivo principal é a troca de ideias e o aprofundamento do tema em questão. Espera-se neste momento que os alunos retomem pontos discutidos na problematização, ou seja, que houve a independência dos países em relação à metrópole, porém, ainda permanecem dependentes economicamente, fruto de um passado colonial. Durante o debate, o professor poderá problematizar aspectos como a interferência de potências globais na economia desses países e do fato de algumas nações, em alguns países, dominarem outras. Garanta que todos os alunos participem minimamente. Caso surjam novas questões, elas poderão ser debatidas, cuidando apenas para não fugir do tema central.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Neste momento, encerrado o debate, discuta com os alunos que muito sobre o assunto ainda poderia ser falado e que a proposta não era esgotar o tema, mas sim, trocar ideias e exercitar a argumentação. Retome os pontos de vista e argumentos levantados, sintetizando o que foi debatido. Comente que as nações africanas, em sua maioria, já nasceram dependentes economicamente de suas metrópoles e que a independência foi apenas política, mas não na prática de fato, visto que continuam importando praticamente tudo que necessitam e exportando matérias-primas como no período colonial.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Conexões e escalas do 8º ano :

MAIS AULAS DE Geografia do 8º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF08GE05 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Geografia

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano