17275
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > História > 7º ano > A organização do poder e as dinâmicas do mundo colonial americano

Plano de aula - Reivindicações atuais de identidades de povos indígenas da era pré-conquista

Plano de aula de História com atividades para 7º ano do EF sobre Reivindicações atuais de identidades de povos indígenas da era pré-conquista

Plano 10 de 9 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Felipe Asbahr Pedoneze

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI08, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: É interessante utilizar um projetor, entretanto, não é obrigatório. O projetor é importante para deixar as perguntas e as imagens sempre presentes enquanto os alunos analisam os documentos, mas você pode imprimir todos os slides e entregar aos grupos, ou até escrever no quadro as perguntas. Seria interessante se você levasse lápis grafite e folhas em branco para a atividade final, também seria legal ter em mãos lápis de cor para os alunos.

Material complementar:

Trecho 1: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YSXkHUr4vTcbrRpYMbvr4tw25bZz2eNJUnppyZvAN8TpjGBS3Nj8qkyScw7y/reportagem-1.pdf

Reportagem 1 - Extermínio dos primeiros povos americanos é explicado pelo DNA

Trecho 2: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/8d5WnpBfZGKAEHWp4FPVCvtAtvnmtZuf62KsdgXP2EawRvmXXyvmRWcnUDMM/reportagem-2.pdf

Reportagem 2 - Cientistas buscam origem dos incas em marcas genéticas

Trecho 3: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ZmpysR2fFqUB7QfVHDBtkD8FU9pfxGyj2dJd28pMhbUjt88wFBNd285kR75Z/reportagem-3.pdf

Reportagem 3 - Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos

Vídeo 1: https://www.youtube.com/watch?v=vN38qs8DaOk

Conheça descendentes dos Incas que mantêm uma tradição antiga em SP, equatorianos, seus cabelos, suas artes e o preconceito

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto.

Orientações: Projete, escreva ou leia o objetivo da aula para os alunos. É extremamente importante os alunos estejam inteirados sobre aonde vão chegar na aula. Tome cuidado para não acabar por tirar dúvidas que os alunos poderão ter posteriormente que vão ajudá-los a criar o raciocínio proposto pela aula. Compreender a atual relação dos povos que hoje habitam o espaço geográfico onde antigamente hospedava as civilizações ameríndias e a relação de descendência que hoje são reivindicadas. A intenção do plano é fazer com que os alunos pensem nas formas que podem herdar traços, não somente biológicos, de outras civilizações, inclusive as consideradas “extintas”.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: No início desta aula, indague aos alunos sobre as origens das suas famílias: De onde elas vieram? Estes lugares ainda existem? Como vieram parar aqui, no Brasil? E como eles sabem disso?

A intenção aqui é que os alunos se perguntem de onde eles vêm, se sabem sobre as origens das suas famílias. Você pode auxiliá-los perguntando sobre seus sobrenomes, que geralmente remetem a uma descendência geográfica e/ou cultural específica.

Como adequar à sua realidade: Caso você viva em uma cidade fronteiriça do Brasil, você poderá perguntar se há alguns alunos que vieram do país vizinho. Ou, se você morar em uma grande capital do Brasil, onde houve muita imigração, você também pode focar nas que você conhece, e que são mais presentes, por exemplo, se morar em São Paulo pode perguntar de imigrações japonesas, italianas, portuguesas etc.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Agora, com os alunos sabendo um pouco mais uns sobre os outros, pergunte a eles sobre estes povos antigos, se algum deles é familiar com eles e se acredita ser possível, nos dias de hoje, haver descendentes diretos destas populações. Como seria isso possível? Como será que essa descendência foi mantida, e como se sabe sobre isso?

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Sobre o trecho da reportagem, ele foi recortado da reportagem original, https://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/31/ciencia/1459446271_454060.html, do jornal El País. Ela é extensa demais para ser colocada nos slides, mas você pode abri-la e ler junto com os alunos na aula. A intenção é mostrar aos alunos que foram feitas pesquisas com material genético com populações indígenas atuais em comparação com as múmias da época antes da colonização, demonstrando que não há traços diretos entre os dois povos mais. Contudo, a questão é indagar os alunos sobre a descendência que é pontuada ai. Será que ela remonta há todos os que hoje vivem nessa região? E as múmias, será que se tivessem mais exemplares seria possível encontrar alguns descendentes diretos? E, em relação a isso, será que só seria possível ser descendente, ou seja, trazer traços dessas populações até hoje, somente por via do DNA ou também outros aspectos podem ser relevantes para isso?

Trecho 1: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YSXkHUr4vTcbrRpYMbvr4tw25bZz2eNJUnppyZvAN8TpjGBS3Nj8qkyScw7y/reportagem-1.pdf

Reportagem 1 - Extermínio dos primeiros povos americanos é explicado pelo DNA

NUNO, D. Extermínio dos primeiros povos americanos é explicado pelo DNA. El Pais, São Paulo, 2 de abril de 2016. Genética. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/31/ciencia/1459446271_454060.html>. Acesso em: 29/4/2019.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Continue a investigação com os alunos, indague: Mesmo depois destes testes, seria possível, ou até válido, dizer que há ainda descendentes dessas populações? Peça que atentem para os próximos slides.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Este recorte foi retirado da reportagem da revista Exame sobre uma pesquisa genética que tentou traçar descendências diretas das famílias incas. A reportagem completa se encontra aqui: https://exame.abril.com.br/ciencia/cientistas-buscam-origem-dos-incas-em-marcas-geneticas/

Assim como a reportagem anterior, ela é muito comprida para ser colocada no plano, entretanto, nesta você também pode acessar e ler com os alunos em sala. A intenção é mostrar aos alunos que, no caso dos incas, ainda hoje existem descendentes diretos deles, apesar de poucos. Entretanto, pergunte aos alunos: Como seriam estas pessoas? Elas seriam fisicamente diferentes das outras que moram na mesma região ou não? E seus costumes, será que elas mantêm os costumes dos incas que são descendentes ou seria somente o DNA? E em sua região, será que alguns costumes são mantidos? É claro que estas respostas não serão respondidas sem uma pesquisa, mas a intenção aqui é demonstrar que não necessariamente PRECISAM ser respondidas para entender que a descendência não depende somente de DNA, mas que também pode ser cultural.

Trecho 2: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/8d5WnpBfZGKAEHWp4FPVCvtAtvnmtZuf62KsdgXP2EawRvmXXyvmRWcnUDMM/reportagem-2.pdf

Reportagem 2 - Cientistas buscam origem dos incas em marcas genéticas

AFP. Cientistas buscam origem dos incas em marcas genéticas. Revista Exame, São Paulo: Abril. 22 de maio de 2018. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/ciencia/cientistas-buscam-origem-dos-incas-em-marcas-geneticas/>. Acesso em: 29/4/2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Este recorte foi retirado de uma reportagem disponível no site do G1, chamado “Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos, que pode ser encontrada na íntegra aqui: http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/12/tradicao-maia-se-populariza-mas-descendentes-estao-esquecidos.html

Assim como a reportagem anterior, ela é muito comprida para ser colocada no plano, entretanto, nesta você também pode acessar e ler com os alunos em sala. A intenção desta reportagem é destacar, além do fato de que os indígenas que se consideram descendentes dos maias estarem em situação marginal na Guatemala, o fato de que nesta reportagem nenhuma pesquisa genética foi feita, entretanto, os indígenas locais se consideram descendentes do povo Maia. Apesar de não marcar uma pesquisa genética, essa reportagem trata de um evento específico dessa população antiga, a demarcação do tempo pelo calendário Solar desses povos. Pergunte aos seus alunos: Como eles são descendentes se não têm certeza da origem do seu DNA e se tem ligação direta com estes povos? Como eles saberiam? Apesar de não falar da descendência de sangue, o que eles fazem que remete ao povo Maia? São muitas pessoas ou seriam somente algumas que estariam considerando essa marcação de tempo cultural da época dos maias? Assim, então, o que eles dizem exatamente que dá a eles a capacidade de se reivindicar como descendentes dos maias?

Trecho 3: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ZmpysR2fFqUB7QfVHDBtkD8FU9pfxGyj2dJd28pMhbUjt88wFBNd285kR75Z/reportagem-3.pdf

Reportagem 3 - Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos

Globo Natureza. Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos. G1, São Paulo. 22 de fevereiro de 2012. Disponível em: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/12/tradicao-maia-se-populariza-mas-descendentes-estao-esquecidos.html>. Acesso em: 29/4/2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Esta reportagem, diferentemente das outras, contém um vídeo, curto, mas de extrema importância. A reportagem é de um canal chamado “Cenas das cidades” e mostra uma entrevista com um grupo de pessoas de origem equatoriana, em São Paulo, que reivindica a descendência do povo inca. Pergunte aos alunos: Vocês fizeram um exame de DNA para saber se são descendentes dos incas ou não? O que, então, eles dizem que têm em comum com esse povo para que se considerem descendentes deles?

A intenção desta reportagem, assim como as anteriores, é mostrar que não é necessário somente um exame de DNA para se reivindicar a descendência de um povo, ou cultura, mas que também outros aspectos podem ser relevantes.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 21 minutos.

Orientações: Para esta atividade peça aos alunos que montem uma tabela. Pequena, com duas colunas. Uma delas é com as origens de sangue deles, de DNA, que eles têm da família, de onde essa família veio e etc. A outra, eles irão marcar que traços culturais, seja nas roupas, na língua, músicas e outros aspectos que eles acreditam ser de outros povos, mas não são necessariamente de sangue. Você também pode participar, e com isso ajudar eles a identificar mais aspectos que podem ser descendentes de outros povos e que não vieram de origem sanguínea, pelo DNA.

É interessante no final desta atividade que os alunos entendam que, apesar de não terem uma ligação sanguínea com outros povos, eles carregam traços herdados que são de descendência cultural que podem ser relacionados com as reivindicações daqueles grupos destacados nas reportagem que buscam suas origens, de sua cultura e etc, em povos antigos. Também é legal pontuar que a maioria destes povos foi colonizada, e que muitos destes traços só se mantêm vivos exatamente porque hoje são reivindicados como descendência por estes grupos atuais, como uma maneira de se resistir ao tempo e ao espaço com sua cultura.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07HI08, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: É interessante utilizar um projetor, entretanto, não é obrigatório. O projetor é importante para deixar as perguntas e as imagens sempre presentes enquanto os alunos analisam os documentos, mas você pode imprimir todos os slides e entregar aos grupos, ou até escrever no quadro as perguntas. Seria interessante se você levasse lápis grafite e folhas em branco para a atividade final, também seria legal ter em mãos lápis de cor para os alunos.

Material complementar:

Trecho 1: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YSXkHUr4vTcbrRpYMbvr4tw25bZz2eNJUnppyZvAN8TpjGBS3Nj8qkyScw7y/reportagem-1.pdf

Reportagem 1 - Extermínio dos primeiros povos americanos é explicado pelo DNA

Trecho 2: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/8d5WnpBfZGKAEHWp4FPVCvtAtvnmtZuf62KsdgXP2EawRvmXXyvmRWcnUDMM/reportagem-2.pdf

Reportagem 2 - Cientistas buscam origem dos incas em marcas genéticas

Trecho 3: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ZmpysR2fFqUB7QfVHDBtkD8FU9pfxGyj2dJd28pMhbUjt88wFBNd285kR75Z/reportagem-3.pdf

Reportagem 3 - Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos

Vídeo 1: https://www.youtube.com/watch?v=vN38qs8DaOk

Conheça descendentes dos Incas que mantêm uma tradição antiga em SP, equatorianos, seus cabelos, suas artes e o preconceito

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto.

Orientações: Projete, escreva ou leia o objetivo da aula para os alunos. É extremamente importante os alunos estejam inteirados sobre aonde vão chegar na aula. Tome cuidado para não acabar por tirar dúvidas que os alunos poderão ter posteriormente que vão ajudá-los a criar o raciocínio proposto pela aula. Compreender a atual relação dos povos que hoje habitam o espaço geográfico onde antigamente hospedava as civilizações ameríndias e a relação de descendência que hoje são reivindicadas. A intenção do plano é fazer com que os alunos pensem nas formas que podem herdar traços, não somente biológicos, de outras civilizações, inclusive as consideradas “extintas”.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: No início desta aula, indague aos alunos sobre as origens das suas famílias: De onde elas vieram? Estes lugares ainda existem? Como vieram parar aqui, no Brasil? E como eles sabem disso?

A intenção aqui é que os alunos se perguntem de onde eles vêm, se sabem sobre as origens das suas famílias. Você pode auxiliá-los perguntando sobre seus sobrenomes, que geralmente remetem a uma descendência geográfica e/ou cultural específica.

Como adequar à sua realidade: Caso você viva em uma cidade fronteiriça do Brasil, você poderá perguntar se há alguns alunos que vieram do país vizinho. Ou, se você morar em uma grande capital do Brasil, onde houve muita imigração, você também pode focar nas que você conhece, e que são mais presentes, por exemplo, se morar em São Paulo pode perguntar de imigrações japonesas, italianas, portuguesas etc.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Agora, com os alunos sabendo um pouco mais uns sobre os outros, pergunte a eles sobre estes povos antigos, se algum deles é familiar com eles e se acredita ser possível, nos dias de hoje, haver descendentes diretos destas populações. Como seria isso possível? Como será que essa descendência foi mantida, e como se sabe sobre isso?

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Sobre o trecho da reportagem, ele foi recortado da reportagem original, https://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/31/ciencia/1459446271_454060.html, do jornal El País. Ela é extensa demais para ser colocada nos slides, mas você pode abri-la e ler junto com os alunos na aula. A intenção é mostrar aos alunos que foram feitas pesquisas com material genético com populações indígenas atuais em comparação com as múmias da época antes da colonização, demonstrando que não há traços diretos entre os dois povos mais. Contudo, a questão é indagar os alunos sobre a descendência que é pontuada ai. Será que ela remonta há todos os que hoje vivem nessa região? E as múmias, será que se tivessem mais exemplares seria possível encontrar alguns descendentes diretos? E, em relação a isso, será que só seria possível ser descendente, ou seja, trazer traços dessas populações até hoje, somente por via do DNA ou também outros aspectos podem ser relevantes para isso?

Trecho 1: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/YSXkHUr4vTcbrRpYMbvr4tw25bZz2eNJUnppyZvAN8TpjGBS3Nj8qkyScw7y/reportagem-1.pdf

Reportagem 1 - Extermínio dos primeiros povos americanos é explicado pelo DNA

NUNO, D. Extermínio dos primeiros povos americanos é explicado pelo DNA. El Pais, São Paulo, 2 de abril de 2016. Genética. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/31/ciencia/1459446271_454060.html>. Acesso em: 29/4/2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos.

Orientações: Continue a investigação com os alunos, indague: Mesmo depois destes testes, seria possível, ou até válido, dizer que há ainda descendentes dessas populações? Peça que atentem para os próximos slides.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Este recorte foi retirado da reportagem da revista Exame sobre uma pesquisa genética que tentou traçar descendências diretas das famílias incas. A reportagem completa se encontra aqui: https://exame.abril.com.br/ciencia/cientistas-buscam-origem-dos-incas-em-marcas-geneticas/

Assim como a reportagem anterior, ela é muito comprida para ser colocada no plano, entretanto, nesta você também pode acessar e ler com os alunos em sala. A intenção é mostrar aos alunos que, no caso dos incas, ainda hoje existem descendentes diretos deles, apesar de poucos. Entretanto, pergunte aos alunos: Como seriam estas pessoas? Elas seriam fisicamente diferentes das outras que moram na mesma região ou não? E seus costumes, será que elas mantêm os costumes dos incas que são descendentes ou seria somente o DNA? E em sua região, será que alguns costumes são mantidos? É claro que estas respostas não serão respondidas sem uma pesquisa, mas a intenção aqui é demonstrar que não necessariamente PRECISAM ser respondidas para entender que a descendência não depende somente de DNA, mas que também pode ser cultural.

Trecho 2: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/8d5WnpBfZGKAEHWp4FPVCvtAtvnmtZuf62KsdgXP2EawRvmXXyvmRWcnUDMM/reportagem-2.pdf

Reportagem 2 - Cientistas buscam origem dos incas em marcas genéticas

AFP. Cientistas buscam origem dos incas em marcas genéticas. Revista Exame, São Paulo: Abril. 22 de maio de 2018. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/ciencia/cientistas-buscam-origem-dos-incas-em-marcas-geneticas/>. Acesso em: 29/4/2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Este recorte foi retirado de uma reportagem disponível no site do G1, chamado “Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos, que pode ser encontrada na íntegra aqui: http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/12/tradicao-maia-se-populariza-mas-descendentes-estao-esquecidos.html

Assim como a reportagem anterior, ela é muito comprida para ser colocada no plano, entretanto, nesta você também pode acessar e ler com os alunos em sala. A intenção desta reportagem é destacar, além do fato de que os indígenas que se consideram descendentes dos maias estarem em situação marginal na Guatemala, o fato de que nesta reportagem nenhuma pesquisa genética foi feita, entretanto, os indígenas locais se consideram descendentes do povo Maia. Apesar de não marcar uma pesquisa genética, essa reportagem trata de um evento específico dessa população antiga, a demarcação do tempo pelo calendário Solar desses povos. Pergunte aos seus alunos: Como eles são descendentes se não têm certeza da origem do seu DNA e se tem ligação direta com estes povos? Como eles saberiam? Apesar de não falar da descendência de sangue, o que eles fazem que remete ao povo Maia? São muitas pessoas ou seriam somente algumas que estariam considerando essa marcação de tempo cultural da época dos maias? Assim, então, o que eles dizem exatamente que dá a eles a capacidade de se reivindicar como descendentes dos maias?

Trecho 3: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/ZmpysR2fFqUB7QfVHDBtkD8FU9pfxGyj2dJd28pMhbUjt88wFBNd285kR75Z/reportagem-3.pdf

Reportagem 3 - Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos

Globo Natureza. Tradição maia se populariza, mas descendentes estão esquecidos. G1, São Paulo. 22 de fevereiro de 2012. Disponível em: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/12/tradicao-maia-se-populariza-mas-descendentes-estao-esquecidos.html>. Acesso em: 29/4/2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Esta reportagem, diferentemente das outras, contém um vídeo, curto, mas de extrema importância. A reportagem é de um canal chamado “Cenas das cidades” e mostra uma entrevista com um grupo de pessoas de origem equatoriana, em São Paulo, que reivindica a descendência do povo inca. Pergunte aos alunos: Vocês fizeram um exame de DNA para saber se são descendentes dos incas ou não? O que, então, eles dizem que têm em comum com esse povo para que se considerem descendentes deles?

A intenção desta reportagem, assim como as anteriores, é mostrar que não é necessário somente um exame de DNA para se reivindicar a descendência de um povo, ou cultura, mas que também outros aspectos podem ser relevantes.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 21 minutos.

Orientações: Para esta atividade peça aos alunos que montem uma tabela. Pequena, com duas colunas. Uma delas é com as origens de sangue deles, de DNA, que eles têm da família, de onde essa família veio e etc. A outra, eles irão marcar que traços culturais, seja nas roupas, na língua, músicas e outros aspectos que eles acreditam ser de outros povos, mas não são necessariamente de sangue. Você também pode participar, e com isso ajudar eles a identificar mais aspectos que podem ser descendentes de outros povos e que não vieram de origem sanguínea, pelo DNA.

É interessante no final desta atividade que os alunos entendam que, apesar de não terem uma ligação sanguínea com outros povos, eles carregam traços herdados que são de descendência cultural que podem ser relacionados com as reivindicações daqueles grupos destacados nas reportagem que buscam suas origens, de sua cultura e etc, em povos antigos. Também é legal pontuar que a maioria destes povos foi colonizada, e que muitos destes traços só se mantêm vivos exatamente porque hoje são reivindicados como descendência por estes grupos atuais, como uma maneira de se resistir ao tempo e ao espaço com sua cultura.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE A organização do poder e as dinâmicas do mundo colonial americano do 7º ano :

MAIS AULAS DE História do 7º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF07HI08 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano