16936
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > História > 8º ano > O Brasil no século XIX

Plano de aula - Os negros na Guerra do Paraguai (1864-1870)

Plano de aula de História com atividades para 8º ano do EF sobre Os negros na Guerra do Paraguai (1864-1870)

Plano 01 de 3 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: João Carlos De Melo Silva

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08H18, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários:

Para você saber mais:

SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: escravidão e cidadania na formação do Exército. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990.

CHIAVENATTO, Júlio José. Os Voluntários da Pátria e outros mitos.

SOUSA, Jorge Prata de. Escravidão ou morte: Os escravos brasileiros na Guerra do Paraguai. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 1996.

https://www.cafehistoria.com.br/comprando-soldados-guerra-do-paraguai/
http://www.esquerdadiario.com.br/O-dilema-politico-sobre-a-participacao-do-negro-na-guerra-do-Paraguai-nos-anos-1864-a-1869
https://tormentopabulum.wordpress.com/2015/09/13/zuavo-baiano/
http://www.revistanavigator.com.br/navig21/dossie/N21_dossie7.pdf
São Paulo, Editora Global, 1983.
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141995000200015

Vídeo - A Guerra do Paraguai (History Channel) https://www.youtube.com/watch?v=2lGEagENznE

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto.

Orientações: Leia o objetivo para os alunos.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

  • Divida a turma em grupos de três ou quatro alunos.
  • Escreva no quadro o verso da música acima. Explique aos alunos que este é o enredo da escola de samba carioca Mangueira para o Carnaval de 2019. A letra do enredo propõe uma reflexão sobre as personalidades históricas que não são suficientemente conhecidas pelo público brasileiro. Se o professor preferir pode reproduzir a música em sala de aula e utilizar a letra completa por este link http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/sambaenredo, mas mantendo o destaque para esta estrofe.
  • Dê 1 minuto para que os grupos leiam a estrofe e em seguida faça perguntas a cada um dos grupos.
  • Qual o significado de “tem sangue retinto pisado” na História do Brasil? Os alunos deverão saber responder que a palavra “retinto” se refere à cor da pele e que o verso é uma alusão à escravidão, exploração das pessoas negras do Brasil pelo trabalho, mas o professor pode acrescentar que nas guerras que o Brasil realizou ao longo do Império, que foram inquestionavelmente decisivas para a nossa História, contaram com participação muito grande de pessoas negras que morreram nestas batalhas.
  • Pergunte para o outro grupo: Quais seriam os “heróis emoldurados” que estão à frente do “sangue retinto pisado” referido na música?
    Os alunos deverão responder que este verso se refere aos heróis mais conhecidos, aqueles que foram emoldurados, homenageados, ganharam ruas com seu nome, estátuas e feriados. Neste momento o professor deve aproveitar para citar o nome de Duque de Caxias e mostrar o próximo slide (se não for possível projetar utilize cópias impressas das imagens em tamanho grande.) (https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/T2PMrjZ4w8gRRN478p4haTcZWfQqaRuGMHT4ZGQCBeGCSKKH9jKJ69phukxK/his8-18und01-fontes-do-contexto.pdf), que, além de ter cidades, bairros, ruas em seu nome é o patrono do Exército brasileiro, nomeação que recebeu após seu desempenho na Guerra do Paraguai. Além disso. seu nome consta no livro de Heróis da Pátria. Duque de Caxias já era bastante reconhecido pelo Império brasileiro devido à sua atuação na repressão das revoltas populares da regência (ver plano HIS8_16UND01 que se debruça sobre a Revolta da Balaiada que foi massacrada por tropas sob o comando do Duque de Caxias).
  • Pergunte para um terceiro grupo: Mulheres, tamoios e mulatos” do terceiro verso da estrofe são suficientemente representados pelos livros de História e monumentos históricos do Brasil? Provavelmente os alunos dirão que não, salvo algumas exceções. O professor poderá complementar afirmando que as demandas por mais representatividade na História são recentes e que ainda vai levar um tempo para que isso seja efetivado nas escolas do país.
  • Pergunte para o quarto grupo: O que significa querer um país que “não está no retrato” e de que formas podemos conseguir este objetivo? O grupo poderá dizer que um país que não está no retrato é um país que represente aqueles que não foram escolhidos no passado para ser homenageados, para ser a “cara” do brasil. E que isso pode mudar com um novo olhar sobre a História.

Obs: Se os alunos não responderem aos questionamentos como esperado, o professor complementa suas respostas. O ideal é não perder mais de 10 minutos nesta etapa da aula.

Para você saber mais:

Nessa página do site oficial da Mangueira tem uma explicação do enredo pelos próprios criadores. Pode ser útil como leitura prévia para incrementar na discussão http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/enredo

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

  • Divida a turma em grupos de três ou quatro alunos.
  • Escreva no quadro o verso da música acima. Explique aos alunos que este é o enredo da escola de samba carioca Mangueira para o Carnaval de 2019. A letra do enredo propõe uma reflexão sobre as personalidades históricas que não são suficientemente conhecidas pelo público brasileiro. Se o professor preferir pode reproduzir a música em sala de aula e utilizar a letra completa por este link http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/sambaenredo , mas mantendo o destaque para esta estrofe.
  • Dê 1 minuto para que os grupos leiam a estrofe e em seguida faça perguntas a cada um dos grupos.
  • Qual o significado de “tem sangue retinto pisado” na História do Brasil? Os alunos deverão saber responder que a palavra “retinto” se refere à cor da pele e que o verso é uma alusão à escravidão, exploração das pessoas negras do Brasil pelo trabalho, mas o professor pode acrescentar que nas guerras que o Brasil realizou ao longo do Império, que foram inquestionavelmente decisivas para a nossa História, contaram com participação muito grande de pessoas negras que morreram nestas batalhas.
  • Pergunte a outro grupo: Quais seriam os “heróis emoldurados” que estão a frente do “sangue retinto pisado” referido na música? Os alunos deverão responder que este verso de refere aos heróis mais conhecidos, aqueles que foram emoldurados, homenageados, ganharam ruas com seu nome, estátuas e feriados. Neste momento o professor deve aproveitar para citar o nome de Duque de Caxias e mostrar o próximo slide (se não for possível projetar utilize cópias impressas das imagens em tamanho grande) (https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/T2PMrjZ4w8gRRN478p4haTcZWfQqaRuGMHT4ZGQCBeGCSKKH9jKJ69phukxK/his8-18und01-fontes-do-contexto.pdf) , que, além de ter cidades, bairros, ruas em seu nome é o patrono do Exército Brasileiro, nomeação que recebeu após seu desempenho na Guerra do Paraguai. Além disso. seu nome consta no livro de Heróis da Pátria. Duque de Caxias já era bastante reconhecido pelo Império brasileiro devido à sua atuação na repressão das revoltas populares da regência (ver plano HIS8_16UND01 que se debruça sobre a Revolta da Balaiada que foi massacrada por tropas sob o comando do Duque de Caxias.)
  • Pergunte para um terceiro grupo: Mulheres, tamoios e mulatos” do terceiro verso da estrofe são suficientemente representados pelos livros de História e monumentos históricos do Brasil? Provavelmente os alunos dirão que não, salvo algumas exceções. O professor poderá complementar afirmando que as demandas por mais representatividade na História são recentes e que ainda vai levar um tempo para que isso seja efetivado nas escolas do país.
  • Pergunte para o quarto grupo: O que significa querer um país que “não está no retrato” e de que formas podemos conseguir este objetivo?
    O grupo poderá dizer que um país que não está no retrato é um país que represente aqueles que não foram escolhidos no passado para ser homenageados, para ser a “cara” do brasil. E que isso pode mudar com um novo olhar sobre a História.

Obs: Se os alunos não responderem aos questionamentos como esperado o professor deve complementar suas respostas.
O ideal é não perder mais de 10 minutos nesta etapa da aula.

Para você saber mais:

Nesta página do site oficial da Mangueira tem uma explicação do enredo pelos próprios criadores. Pode ser útil como leitura prévia para incrementar a discussão http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/enredo

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente ao trecho do artigo e ao decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866 e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As pergunta são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de que estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente o trecho do artigo e do decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866
    e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As pergunta são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de que estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o Império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera
    que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente ao trecho do artigo e ao decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866
    e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As perguntas são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de que estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o Império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera
    que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente ao trecho do artigo e ao decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866 e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As pergunta são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por
    ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera
    que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

  • Oriente os grupos a desenhar uma charge sobre a participação de negros na Guerra do Paraguai.
  • Estimule os alunos a utilizar as fontes para a criação. É interessante também que eles tentem criticar o apagamento histórico dos negros e a consagração de heróis oficiais que não representam os interesses da maioria da população.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08H18, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários:

Para você saber mais:

SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: escravidão e cidadania na formação do Exército. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990.

CHIAVENATTO, Júlio José. Os Voluntários da Pátria e outros mitos.

SOUSA, Jorge Prata de. Escravidão ou morte: Os escravos brasileiros na Guerra do Paraguai. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 1996.

https://www.cafehistoria.com.br/comprando-soldados-guerra-do-paraguai/
http://www.esquerdadiario.com.br/O-dilema-politico-sobre-a-participacao-do-negro-na-guerra-do-Paraguai-nos-anos-1864-a-1869
https://tormentopabulum.wordpress.com/2015/09/13/zuavo-baiano/
http://www.revistanavigator.com.br/navig21/dossie/N21_dossie7.pdf
São Paulo, Editora Global, 1983.
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141995000200015

Vídeo - A Guerra do Paraguai (History Channel) https://www.youtube.com/watch?v=2lGEagENznE

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 1 minuto.

Orientações: Leia o objetivo para os alunos.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

  • Divida a turma em grupos de três ou quatro alunos.
  • Escreva no quadro o verso da música acima. Explique aos alunos que este é o enredo da escola de samba carioca Mangueira para o Carnaval de 2019. A letra do enredo propõe uma reflexão sobre as personalidades históricas que não são suficientemente conhecidas pelo público brasileiro. Se o professor preferir pode reproduzir a música em sala de aula e utilizar a letra completa por este link http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/sambaenredo, mas mantendo o destaque para esta estrofe.
  • Dê 1 minuto para que os grupos leiam a estrofe e em seguida faça perguntas a cada um dos grupos.
  • Qual o significado de “tem sangue retinto pisado” na História do Brasil? Os alunos deverão saber responder que a palavra “retinto” se refere à cor da pele e que o verso é uma alusão à escravidão, exploração das pessoas negras do Brasil pelo trabalho, mas o professor pode acrescentar que nas guerras que o Brasil realizou ao longo do Império, que foram inquestionavelmente decisivas para a nossa História, contaram com participação muito grande de pessoas negras que morreram nestas batalhas.
  • Pergunte para o outro grupo: Quais seriam os “heróis emoldurados” que estão à frente do “sangue retinto pisado” referido na música?
    Os alunos deverão responder que este verso se refere aos heróis mais conhecidos, aqueles que foram emoldurados, homenageados, ganharam ruas com seu nome, estátuas e feriados. Neste momento o professor deve aproveitar para citar o nome de Duque de Caxias e mostrar o próximo slide (se não for possível projetar utilize cópias impressas das imagens em tamanho grande.) (https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/T2PMrjZ4w8gRRN478p4haTcZWfQqaRuGMHT4ZGQCBeGCSKKH9jKJ69phukxK/his8-18und01-fontes-do-contexto.pdf), que, além de ter cidades, bairros, ruas em seu nome é o patrono do Exército brasileiro, nomeação que recebeu após seu desempenho na Guerra do Paraguai. Além disso. seu nome consta no livro de Heróis da Pátria. Duque de Caxias já era bastante reconhecido pelo Império brasileiro devido à sua atuação na repressão das revoltas populares da regência (ver plano HIS8_16UND01 que se debruça sobre a Revolta da Balaiada que foi massacrada por tropas sob o comando do Duque de Caxias).
  • Pergunte para um terceiro grupo: Mulheres, tamoios e mulatos” do terceiro verso da estrofe são suficientemente representados pelos livros de História e monumentos históricos do Brasil? Provavelmente os alunos dirão que não, salvo algumas exceções. O professor poderá complementar afirmando que as demandas por mais representatividade na História são recentes e que ainda vai levar um tempo para que isso seja efetivado nas escolas do país.
  • Pergunte para o quarto grupo: O que significa querer um país que “não está no retrato” e de que formas podemos conseguir este objetivo? O grupo poderá dizer que um país que não está no retrato é um país que represente aqueles que não foram escolhidos no passado para ser homenageados, para ser a “cara” do brasil. E que isso pode mudar com um novo olhar sobre a História.

Obs: Se os alunos não responderem aos questionamentos como esperado, o professor complementa suas respostas. O ideal é não perder mais de 10 minutos nesta etapa da aula.

Para você saber mais:

Nessa página do site oficial da Mangueira tem uma explicação do enredo pelos próprios criadores. Pode ser útil como leitura prévia para incrementar na discussão http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/enredo

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos.

Orientações:

  • Divida a turma em grupos de três ou quatro alunos.
  • Escreva no quadro o verso da música acima. Explique aos alunos que este é o enredo da escola de samba carioca Mangueira para o Carnaval de 2019. A letra do enredo propõe uma reflexão sobre as personalidades históricas que não são suficientemente conhecidas pelo público brasileiro. Se o professor preferir pode reproduzir a música em sala de aula e utilizar a letra completa por este link http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/sambaenredo , mas mantendo o destaque para esta estrofe.
  • Dê 1 minuto para que os grupos leiam a estrofe e em seguida faça perguntas a cada um dos grupos.
  • Qual o significado de “tem sangue retinto pisado” na História do Brasil? Os alunos deverão saber responder que a palavra “retinto” se refere à cor da pele e que o verso é uma alusão à escravidão, exploração das pessoas negras do Brasil pelo trabalho, mas o professor pode acrescentar que nas guerras que o Brasil realizou ao longo do Império, que foram inquestionavelmente decisivas para a nossa História, contaram com participação muito grande de pessoas negras que morreram nestas batalhas.
  • Pergunte a outro grupo: Quais seriam os “heróis emoldurados” que estão a frente do “sangue retinto pisado” referido na música? Os alunos deverão responder que este verso de refere aos heróis mais conhecidos, aqueles que foram emoldurados, homenageados, ganharam ruas com seu nome, estátuas e feriados. Neste momento o professor deve aproveitar para citar o nome de Duque de Caxias e mostrar o próximo slide (se não for possível projetar utilize cópias impressas das imagens em tamanho grande) (https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/T2PMrjZ4w8gRRN478p4haTcZWfQqaRuGMHT4ZGQCBeGCSKKH9jKJ69phukxK/his8-18und01-fontes-do-contexto.pdf) , que, além de ter cidades, bairros, ruas em seu nome é o patrono do Exército Brasileiro, nomeação que recebeu após seu desempenho na Guerra do Paraguai. Além disso. seu nome consta no livro de Heróis da Pátria. Duque de Caxias já era bastante reconhecido pelo Império brasileiro devido à sua atuação na repressão das revoltas populares da regência (ver plano HIS8_16UND01 que se debruça sobre a Revolta da Balaiada que foi massacrada por tropas sob o comando do Duque de Caxias.)
  • Pergunte para um terceiro grupo: Mulheres, tamoios e mulatos” do terceiro verso da estrofe são suficientemente representados pelos livros de História e monumentos históricos do Brasil? Provavelmente os alunos dirão que não, salvo algumas exceções. O professor poderá complementar afirmando que as demandas por mais representatividade na História são recentes e que ainda vai levar um tempo para que isso seja efetivado nas escolas do país.
  • Pergunte para o quarto grupo: O que significa querer um país que “não está no retrato” e de que formas podemos conseguir este objetivo?
    O grupo poderá dizer que um país que não está no retrato é um país que represente aqueles que não foram escolhidos no passado para ser homenageados, para ser a “cara” do brasil. E que isso pode mudar com um novo olhar sobre a História.

Obs: Se os alunos não responderem aos questionamentos como esperado o professor deve complementar suas respostas.
O ideal é não perder mais de 10 minutos nesta etapa da aula.

Para você saber mais:

Nesta página do site oficial da Mangueira tem uma explicação do enredo pelos próprios criadores. Pode ser útil como leitura prévia para incrementar a discussão http://www.mangueira.com.br/carnaval-2019/enredo

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente ao trecho do artigo e ao decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866 e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As pergunta são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de que estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Slide Plano Aula

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente o trecho do artigo e do decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866
    e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As pergunta são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de que estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o Império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera
    que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Slide Plano Aula

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente ao trecho do artigo e ao decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866
    e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As perguntas são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de que estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o Império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera
    que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Slide Plano Aula

Orientações:

Orientações para a fonte 1:

  • Passe nos grupos e peça para que eles leiam atentamente ao trecho do artigo e ao decreto imperial.
  • Peça para que eles respondam as perguntas abaixo das fontes. Na pergunta 1 eles deverão perceber que no artigo 1 do decreto está explícito que todo o corpo de Voluntários da Pátria é formado por cidadãos.
  • Na pergunta 2 eles deverão perceber pela leitura do trecho que a prática de enviar pessoas escravizadas ou parentes para substituir o cidadão era relativamente comum, o que levou milhares de negros escravizados a lutar em uma guerra que não era deles.

Orientações para a fonte 2:

  • Oriente os alunos a ler a legenda da charge e a referência da fonte. Desta forma, eles deverão perceber que a charge foi publicada em 1866 e que ela fala sobre uma situação no qual o senhor envia um homem escravizado para a guerra. Explique aos alunos que esta guerra à qual ele se referia era a Guerra do Paraguai, que durou de 1864 a 1870.
  • Os alunos agora deverão responder por escrito no caderno a pergunta que está na fonte. As pergunta são: a) Que tipo de situação está sendo retratada na charge? Eles deverão responder que a charge retrata o ato de um senhor de escravo que mandou um homem escravizado por
    ele para lutar na guerra em seu lugar. b) É possível afirmar que a charge contém ironia? Os alunos deverão responder que a charge usa a linguagem irônica para condenar a atitude dos senhores de escravo de forma dissimulada, fazendo parecer ser um elogio.

Orientações para a fonte 3:

  • Explique aos alunos que o termo negro liberto se refere a pessoas que já foram escravizadas.
  • Faça a ressalva de estes números vêm do relatório do Ministério da Guerra de 1868, e que segundo o historiador Ricardo Salles é seguro afirmar que o número de negros libertos que foram realmente para os campos de batalha é superior ao que foi documentado nesta fonte.
  • Peça que cada grupo responda as perguntas que estão na folha da fonte por escrito. Na pergunta 1 eles deverão responder que a maioria destas pessoas foi enviada pelos seus donos para substituí-los ou como forma de doação para o império. Na pergunta 2 eles deverão responder que sim, pois a análise das fontes indica que cerca de 20% dos negros enviados para o front estavam substituindo seus senhores. Outros foram cedidos ou vendidos por estes.

Orientações para a fonte 4:

  • Explique ao grupo que estes trechos foram retirados de livros de História que se dedicaram a analisar a Guerra do Paraguai.
  • Oriente os alunos a responder as perguntas no caderno. A expectativa de resposta da pergunta 1 é pessoal de cada grupo, mas se espera
    que eles escolham palavras que expressem a quantidade majoritária de negros nos campos de batalha. Palavras como: maioria, protagonistas, soldados, guerreiros etc. Na pergunta 2 os alunos deverão responder que sim, uma vez que a maior parcela das tropas era formada por negros, portanto eles foram os mais atingidos pelas mortes.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações:

  • Oriente os grupos a desenhar uma charge sobre a participação de negros na Guerra do Paraguai.
  • Estimule os alunos a utilizar as fontes para a criação. É interessante também que eles tentem criticar o apagamento histórico dos negros e a consagração de heróis oficiais que não representam os interesses da maioria da população.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE O Brasil no século XIX do 8º ano :

MAIS AULAS DE História do 8º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF08HI18 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano