16818
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > História > 8º ano > O Brasil no século XIX

Plano de aula - Redenção de Cam: imigração e branqueamento no Brasil imperial

Plano de aula de História com atividades para 8º ano do EF sobre Redenção de Cam: imigração e branqueamento no Brasil imperial

Plano 05 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Julia Bittencourt Barbosa Correa

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08HI19, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários:

  • Caderno.
  • Lápis.
  • Canetas.
  • Cartolina.
  • Borracha.

Material complementar: Para realizar a aula você irá precisar de:

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos.

Orientações: Leia o objetivo da aula para a sala, projetando o slide se assim for possível ou escrevendo no quadro. Tire as dúvidas que possam surgir e certifique-se de que toda a sala entendeu a proposta.

Para você saber mais: Para realizar a aula você irá precisar de:

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Nesta etapa você irá contextualizar a discussão a ser realizada durante a aula. Para isso, use o quadro A redenção de Cam, explicando aos alunos que a pintura foi utilizada para ilustrar um artigo sobre branqueamento do médico brasileiro e diretor do Museu Nacional, João Batista de Lacerda, no Congresso Universal das Raças, em Londres, em 1911.

Você deve projetar a imagem para a sala, se assim for possível, ou imprimir uma cópia da imagem, que está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/m8QG49QHCCk2kcqH2PpTvWTMEYNS4uMbHBxzM3nPFXDsJzxD4RDawMJ9ZdyC/his8-19und05-a-redencao-de-cam-contexto.pdf e ir passando por todos os alunos para que eles possam observar a imagem e realizar a análise.

Você deve analisar o quadro em conjunto com os alunos apontando os detalhes que mostram a exaltação à política de branqueamento implementada no Brasil durante o século XIX. Aponte para detalhes importantes do quadro como a postura da avó, negra retinta, que olha para o céus e faz um gesto de gratidão pela neta, esta já branca. É importante enfatizar também a mãe, já mestiça, bem mais clara que a avó, que mostra uma sistemática do embranquecimento da população negra ao decorrer das gerações, e o olhar do pai, este branco, orgulhoso ao ver a filha também branca, como uma sensação de “dever cumprido”.

Ressalte estes pontos para que os alunos entendam a discussão que irá se seguir daqui, de como a política de imigração do Império brasileiro também está relacionada a uma medida eugênica racista, de “purificação” da população brasileira, considerada muito “africanizada” pelos intelectuais da época.

É importante que você explique para os alunos o título do quadro, deixando clara qual a mensagem que ele queria passar: “A imagem do quadro transmite categoricamente a tese que Baptista defendia: o embranquecimento através das gerações. Brocos propõe a diluição da cor negra na sucessão de descendentes e insere nessa sucessão a ‘redenção’, a ‘absolvição’ de uma ‘raça amaldiçoada’, isto é, a descendência de Cam, filho de Noé, que, no livro do Gênesis, é amaldiçoado pelo pai. A história de Cam, a despeito de seu simbolismo bíblico, foi interpretada à revelia pelo racialismo do século XIX, no qual Brocos estava envolto. O ‘escurecimento’ dos descendentes de Cam teria desembocado na raça negra africana, que poderia ser redimida por meio da mistura com a raça branca europeia”.

(Fonte: Tese do branqueamento, por Claudio Fernandes. Disponível em: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/historiadobrasil/tese-branqueamento.htm. Acesso em: 6 de janeiro de 2019.)

Como adequar à sua realidade: Você pode pesquisar o país de origem da maioria imigrante da sua região e relacionar com a discussão realizada em sala de aula.

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Nesta etapa os alunos irão aprofundar a discussão proposta para a aula, realizando a análise de um trecho de texto sobre a política de imigração do século XIX e sua ligação com as políticas de branqueamento e as teorias científicas raciais que orientavam a intelectualidade na época. Os alunos irão analisar também um trecho do Decreto nº 528, de 28 de junho de 1890, que regulariza a política de imigração no país, indicando as ”raças” que seriam proibidas de entrar no Brasil. O objetivo é ressaltar como as discussões sobre o branqueamento da população brasileira se iniciam durante o Império e se consolidam em políticas públicas já no período republicano, com o país comandado pela mesma elite.

  • Organize os alunos em duplas e distribua para cada uma delas a coletânea de texto impresso. O link para impressão https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/EVjUkHfSkS7nrkstcRgSuPesK4zFhVD3yduUXEFkfF5CHehgfqqXjQ52mtPC/his8-19und05-texto-para-impressao-problematizacao.pdf
  • Após a distribuição das fontes, oriente os alunos a realizar a leitura dos textos. Circule pelas duplas, questione se há alguma dúvida sobre o texto e oriente para os pontos importantes.
  • Após os alunos lerem o texto, questione se algumas das duplas já possuem alguma reflexão sobre a análise e se conseguem relacionar o texto com o quadro analisado anteriormente.
  • Reforce com os alunos que a imigração europeia para o Brasil no século XIX foi uma política incentivada e facilitada pelo Império e se relacionava com uma política racista de branqueamento da população brasileira, considerada até então “muito escura”. Abra com os alunos a discussão de por que o Império não aproveitou a mão de obra negra quando ela passou a ser livre no pós-abolição e sim a substituiu por uma mão de obra branca. Mostre como este fato desvalorizou o trabalho da população negra, que então só era reconhecida enquanto escravizada. Explique, também, que para a população negra ficou o legado dos piores postos de trabalho, os mais precários, enquanto o trabalho “mais digno” ficou nas mãos dos imigrantes brancos. Faça-os refletir como isso se mostra até hoje na nossa sociedade, quanto a população negra tem menos acesso ao trabalho, tem os menores salários e ocupa os cargos mais precarizados.
  • Auxilie os alunos a perceber, no decreto analisado, que aqueles oriundos da África e os chamados “indígenas da Ásia” não eram tratados como os demais imigrantes, e são comparados no texto a “mendigos e indigentes”. A partir daí, espera-se que os alunos compreendam que não havia um problema de falta de mão de obra a ser resolvido pelo governo brasileiro, nem durante o Império nem durante a República, mas, sim, o incentivo às políticas de imigração eram específicas para migrantes brancos, de origem europeia, com o objetivo de branquear a população brasileira do fim do século XIX.

Como adequar à sua realidade: Você pode pesquisar o país de origem da maioria imigrante da sua região e relacionar com a discussão realizada em sala de aula.

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Nesta etapa os alunos irão aprofundar a discussão proposta para a aula, realizando a análise de um trecho de texto sobre a política de imigração do século XIX e sua ligação com as políticas de branqueamento e as teorias científicas raciais que orientavam a intelectualidade na época. Os alunos irão analisar também um trecho do Decreto nº 528, de 28 de junho de 1890, que regulariza a política de imigração no país, indicando as ”raças” que seriam proibidas de entrar no Brasil. O objetivo é ressaltar como as discussões sobre o branqueamento da população brasileira se iniciam durante o Império e se consolidam em políticas públicas já no período republicano, com o país comandado pela mesma elite.

  • Organize os alunos em duplas e distribua para cada uma delas a coletânea de texto e infográficos impressos. O link para impressão https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/EVjUkHfSkS7nrkstcRgSuPesK4zFhVD3yduUXEFkfF5CHehgfqqXjQ52mtPC/his8-19und05-texto-para-impressao-problematizacao.pdf
  • Após a distribuição das fontes, oriente os alunos a realizar a leitura dos textos. Circule pelas duplas, questione se há alguma dúvida sobre o texto e oriente para os pontos importantes.
  • Após os alunos lerem o texto, questione se algumas das duplas já possuem alguma reflexão sobre a análise e se conseguem relacionar o texto com o quadro analisado anteriormente.
  • Reforce com os alunos que a imigração europeia para o Brasil no século XIX foi uma política incentivada e facilitada pelo Império e se relacionava com uma política racista de branqueamento da população brasileira, considerada até então “muito escura”. Abra com os alunos a discussão de porque o Império não aproveitou a mão de obra negra quando ela passou a ser livre no pós abolição e sim a substituiu por uma mão de obra branca. Mostre como este fato desvalorizou o trabalho da população negra, que então só era reconhecida enquanto escravizada. Explique, também, que à população negra ficou o legado dos piores postos de trabalho, os mais precários, enquanto o trabalho “mais digno” ficou nas mãos dos imigrantes brancos. Faça-os refletir como isso se mostra até hoje na nossa sociedade, quanto a população negra tem menos acesso ao trabalho, tem os menores salários e ocupa os cargos mais precarizados.
  • Auxilie os alunos a perceber, no decreto analisado, que aqueles oriundos da África e os chamados “indígenas da Ásia” não eram tratados como os demais imigrantes, e são comparados no texto a “mendigos e indigentes”. A partir daí, espera-se que os alunos compreendam que não havia um problema de falta de mão de obra a ser resolvido pelo governo brasileiro, nem durante o Império nem durante a República, mas que sim, o incentivo às políticas de imigração eram específicas para migrantes brancos, de origem europeia, com o objetivo de branquear a população brasileira do fim do século XIX.

Como adequar à sua realidade: Você pode pesquisar o país de origem da maioria imigrante da sua região e relacionar com a discussão realizada em sala de aula.

Para você saber mais: Professor, se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos.

Orientações: Após as análises e discussões realizadas durante a aula, as duplas irão apresentar um painel onde exponham a conclusões que chegaram sobre o tema debatido em sala de aula e como ele se relaciona com a realidade da desigualdade racial no Brasil nos dias de hoje, respondendo a pergunta contida no slide. O painel deverá ser feito em cartolina, e os textos devem ser curtos, com no mínimo cinco e no máximo dez linhas.

Cada dupla deverá apresentar brevemente suas conclusões, e depois o professor poderá criar uma exposição com todos os painéis de todas as duplas para que toda a escola tenha acesso ao trabalho realizado pelos alunos.

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08HI19, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários:

  • Caderno.
  • Lápis.
  • Canetas.
  • Cartolina.
  • Borracha.

Material complementar: Para realizar a aula você irá precisar de:

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos.

Orientações: Leia o objetivo da aula para a sala, projetando o slide se assim for possível ou escrevendo no quadro. Tire as dúvidas que possam surgir e certifique-se de que toda a sala entendeu a proposta.

Para você saber mais: Para realizar a aula você irá precisar de:

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Nesta etapa você irá contextualizar a discussão a ser realizada durante a aula. Para isso, use o quadro A redenção de Cam, explicando aos alunos que a pintura foi utilizada para ilustrar um artigo sobre branqueamento do médico brasileiro e diretor do Museu Nacional, João Batista de Lacerda, no Congresso Universal das Raças, em Londres, em 1911.

Você deve projetar a imagem para a sala, se assim for possível, ou imprimir uma cópia da imagem, que está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/m8QG49QHCCk2kcqH2PpTvWTMEYNS4uMbHBxzM3nPFXDsJzxD4RDawMJ9ZdyC/his8-19und05-a-redencao-de-cam-contexto.pdf e ir passando por todos os alunos para que eles possam observar a imagem e realizar a análise.

Você deve analisar o quadro em conjunto com os alunos apontando os detalhes que mostram a exaltação à política de branqueamento implementada no Brasil durante o século XIX. Aponte para detalhes importantes do quadro como a postura da avó, negra retinta, que olha para o céus e faz um gesto de gratidão pela neta, esta já branca. É importante enfatizar também a mãe, já mestiça, bem mais clara que a avó, que mostra uma sistemática do embranquecimento da população negra ao decorrer das gerações, e o olhar do pai, este branco, orgulhoso ao ver a filha também branca, como uma sensação de “dever cumprido”.

Ressalte estes pontos para que os alunos entendam a discussão que irá se seguir daqui, de como a política de imigração do Império brasileiro também está relacionada a uma medida eugênica racista, de “purificação” da população brasileira, considerada muito “africanizada” pelos intelectuais da época.

É importante que você explique para os alunos o título do quadro, deixando clara qual a mensagem que ele queria passar: “A imagem do quadro transmite categoricamente a tese que Baptista defendia: o embranquecimento através das gerações. Brocos propõe a diluição da cor negra na sucessão de descendentes e insere nessa sucessão a ‘redenção’, a ‘absolvição’ de uma ‘raça amaldiçoada’, isto é, a descendência de Cam, filho de Noé, que, no livro do Gênesis, é amaldiçoado pelo pai. A história de Cam, a despeito de seu simbolismo bíblico, foi interpretada à revelia pelo racialismo do século XIX, no qual Brocos estava envolto. O ‘escurecimento’ dos descendentes de Cam teria desembocado na raça negra africana, que poderia ser redimida por meio da mistura com a raça branca europeia”.

(Fonte: Tese do branqueamento, por Claudio Fernandes. Disponível em: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/historiadobrasil/tese-branqueamento.htm. Acesso em: 6 de janeiro de 2019.)

Como adequar à sua realidade: Você pode pesquisar o país de origem da maioria imigrante da sua região e relacionar com a discussão realizada em sala de aula.

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos.

Orientações: Nesta etapa os alunos irão aprofundar a discussão proposta para a aula, realizando a análise de um trecho de texto sobre a política de imigração do século XIX e sua ligação com as políticas de branqueamento e as teorias científicas raciais que orientavam a intelectualidade na época. Os alunos irão analisar também um trecho do Decreto nº 528, de 28 de junho de 1890, que regulariza a política de imigração no país, indicando as ”raças” que seriam proibidas de entrar no Brasil. O objetivo é ressaltar como as discussões sobre o branqueamento da população brasileira se iniciam durante o Império e se consolidam em políticas públicas já no período republicano, com o país comandado pela mesma elite.

  • Organize os alunos em duplas e distribua para cada uma delas a coletânea de texto impresso. O link para impressão https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/EVjUkHfSkS7nrkstcRgSuPesK4zFhVD3yduUXEFkfF5CHehgfqqXjQ52mtPC/his8-19und05-texto-para-impressao-problematizacao.pdf
  • Após a distribuição das fontes, oriente os alunos a realizar a leitura dos textos. Circule pelas duplas, questione se há alguma dúvida sobre o texto e oriente para os pontos importantes.
  • Após os alunos lerem o texto, questione se algumas das duplas já possuem alguma reflexão sobre a análise e se conseguem relacionar o texto com o quadro analisado anteriormente.
  • Reforce com os alunos que a imigração europeia para o Brasil no século XIX foi uma política incentivada e facilitada pelo Império e se relacionava com uma política racista de branqueamento da população brasileira, considerada até então “muito escura”. Abra com os alunos a discussão de por que o Império não aproveitou a mão de obra negra quando ela passou a ser livre no pós-abolição e sim a substituiu por uma mão de obra branca. Mostre como este fato desvalorizou o trabalho da população negra, que então só era reconhecida enquanto escravizada. Explique, também, que para a população negra ficou o legado dos piores postos de trabalho, os mais precários, enquanto o trabalho “mais digno” ficou nas mãos dos imigrantes brancos. Faça-os refletir como isso se mostra até hoje na nossa sociedade, quanto a população negra tem menos acesso ao trabalho, tem os menores salários e ocupa os cargos mais precarizados.
  • Auxilie os alunos a perceber, no decreto analisado, que aqueles oriundos da África e os chamados “indígenas da Ásia” não eram tratados como os demais imigrantes, e são comparados no texto a “mendigos e indigentes”. A partir daí, espera-se que os alunos compreendam que não havia um problema de falta de mão de obra a ser resolvido pelo governo brasileiro, nem durante o Império nem durante a República, mas, sim, o incentivo às políticas de imigração eram específicas para migrantes brancos, de origem europeia, com o objetivo de branquear a população brasileira do fim do século XIX.

Como adequar à sua realidade: Você pode pesquisar o país de origem da maioria imigrante da sua região e relacionar com a discussão realizada em sala de aula.

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Slide Plano Aula

Nesta etapa os alunos irão aprofundar a discussão proposta para a aula, realizando a análise de um trecho de texto sobre a política de imigração do século XIX e sua ligação com as políticas de branqueamento e as teorias científicas raciais que orientavam a intelectualidade na época. Os alunos irão analisar também um trecho do Decreto nº 528, de 28 de junho de 1890, que regulariza a política de imigração no país, indicando as ”raças” que seriam proibidas de entrar no Brasil. O objetivo é ressaltar como as discussões sobre o branqueamento da população brasileira se iniciam durante o Império e se consolidam em políticas públicas já no período republicano, com o país comandado pela mesma elite.

  • Organize os alunos em duplas e distribua para cada uma delas a coletânea de texto e infográficos impressos. O link para impressão https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/EVjUkHfSkS7nrkstcRgSuPesK4zFhVD3yduUXEFkfF5CHehgfqqXjQ52mtPC/his8-19und05-texto-para-impressao-problematizacao.pdf
  • Após a distribuição das fontes, oriente os alunos a realizar a leitura dos textos. Circule pelas duplas, questione se há alguma dúvida sobre o texto e oriente para os pontos importantes.
  • Após os alunos lerem o texto, questione se algumas das duplas já possuem alguma reflexão sobre a análise e se conseguem relacionar o texto com o quadro analisado anteriormente.
  • Reforce com os alunos que a imigração europeia para o Brasil no século XIX foi uma política incentivada e facilitada pelo Império e se relacionava com uma política racista de branqueamento da população brasileira, considerada até então “muito escura”. Abra com os alunos a discussão de porque o Império não aproveitou a mão de obra negra quando ela passou a ser livre no pós abolição e sim a substituiu por uma mão de obra branca. Mostre como este fato desvalorizou o trabalho da população negra, que então só era reconhecida enquanto escravizada. Explique, também, que à população negra ficou o legado dos piores postos de trabalho, os mais precários, enquanto o trabalho “mais digno” ficou nas mãos dos imigrantes brancos. Faça-os refletir como isso se mostra até hoje na nossa sociedade, quanto a população negra tem menos acesso ao trabalho, tem os menores salários e ocupa os cargos mais precarizados.
  • Auxilie os alunos a perceber, no decreto analisado, que aqueles oriundos da África e os chamados “indígenas da Ásia” não eram tratados como os demais imigrantes, e são comparados no texto a “mendigos e indigentes”. A partir daí, espera-se que os alunos compreendam que não havia um problema de falta de mão de obra a ser resolvido pelo governo brasileiro, nem durante o Império nem durante a República, mas que sim, o incentivo às políticas de imigração eram específicas para migrantes brancos, de origem europeia, com o objetivo de branquear a população brasileira do fim do século XIX.

Como adequar à sua realidade: Você pode pesquisar o país de origem da maioria imigrante da sua região e relacionar com a discussão realizada em sala de aula.

Para você saber mais: Professor, se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 13 minutos.

Orientações: Após as análises e discussões realizadas durante a aula, as duplas irão apresentar um painel onde exponham a conclusões que chegaram sobre o tema debatido em sala de aula e como ele se relaciona com a realidade da desigualdade racial no Brasil nos dias de hoje, respondendo a pergunta contida no slide. O painel deverá ser feito em cartolina, e os textos devem ser curtos, com no mínimo cinco e no máximo dez linhas.

Cada dupla deverá apresentar brevemente suas conclusões, e depois o professor poderá criar uma exposição com todos os painéis de todas as duplas para que toda a escola tenha acesso ao trabalho realizado pelos alunos.

Para você saber mais: Se achar necessário aprofundar seus conhecimentos sobre o tema, alguns artigos são indicados:

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE O Brasil no século XIX do 8º ano :

MAIS AULAS DE História do 8º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF08HI19 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano