16616
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Geografia > 6º ano > Unidade

Plano de aula - Área de Preservação Permanente (APP) e qualidade ambiental

Plano de aula de Geografia com atividades para 6º ano do Fundamental sobre compreender a importância das APPs para a preservação dos recursos hídricos, biodiversidade, proteção do solo e bem-estar das populações humanas.

Plano 06 de 10 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Regina Luiza Gouvea

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF06GE10 de Geografia, que consta na BNCC. Esta habilidade permite que os alunos compreendam a importância das Áreas de Preservação Permanente (APPs) para a preservação dos recursos hídricos, biodiversidade, proteção do solo e bem-estar das populações humanas. Para tal, os alunos deverão conhecer as normas sobre Áreas de Preservação Permanente (Lei 12.651, de 25 de maio de 2012), também conhecida como novo "Código Florestal", especificamente as resoluções e diretrizes que determinam APPs de corpos d´água. Após conhecer as normativas, em equipe, os alunos deverão associar as descrições sobre faixas marginais de corpos d’água da atividade da Ação Propositiva com as normas que regem as APPs, de corpos d’água.

As dimensões mínimas de margens de corpos d’água da normativa servirão de referência para que as equipes indiquem se estas áreas estão conservadas ou degradadas na folha de atividade da Ação Propositiva. As caixas de textos com cada uma das descrições dos cursos d’água devem ser recortadas para a realização da Sistematização. Nesta, as equipes devem encontrar a correspondência entre as situações hipotéticas com as características da área, conforme normativa do Código Florestal. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Datashow, lápis ou caneta para anotações, tesoura, cola e imagens impressas (caso não seja possível projetar as imagens).

Material complementar:

Atividade da Ação propositiva:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/bTrUJ9j7QmurBSFx9Q4rZrQrDetgS5a4UDdh3j9DfZqcTDttTKZ8kuVXmEc2/geo6-10und06-atividade-da-acao-propositiva.pdf

Atividade da Sistematização:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/jYUyG6AsaBrZ5xmdb3AZYx4yk5RZb8pDGBhw3wFHAcFbjRWqb9wfvrG4HczK/geo6-10und06-atividade-da-sistematizacao.pdf

Para você saber mais:

Para conhecer sobre a adequação da ocupação do solo em áreas de APPs, leia o artigo:

SANTOS, Juliano Boeck (et. al). Avaliação da adequação da ocupação do solo em áreas de preservação permanente (APPs). Irriga, vol. 19, n.2, 2014. Disponível em: <http://200.145.140.50/index.php/irriga/article/view/964>. Acesso em: 25 fev 2019.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos

Orientações: Projete, escreva no quadro ou fale para os alunos que a aula abordará questões relacionadas a Área de Preservação Permanente (APP) e qualidade ambiental. Comente com a turma que para garantir o volume e qualidade da água e da biodiversidade de um determinado local é importante avaliar e adequar a ocupação e uso do solo em Áreas de Preservação Permanente, as APPs.

Para você saber mais:

Área de Preservação Permanente (APP): a Lei n. 12.651/2012 define Área de Preservação Permanente como uma área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com o papel ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, promover o fluxo de fauna e flora, proteger o solo e garantir o bem-estar das populações humanas.

Área de Preservação Permanente. EMBRAPA. Disponível em: <https://www.embrapa.br/codigo-florestal/entenda-o-codigo-florestal/area-de-preservacao-permanente>. Acesso em: 05 fev 2019.

Bacia Hidrográfica é a área ou região de drenagem de um rio principal e seus afluentes.

Unidades de Planejamento Hídrico são subdivisões de bacias maiores caracterizadas por uma homogeneidade de fatores que permitem fazer o aproveitamento dos recursos hídricos ali existentes.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles analisarão situações hipotéticas de APPs. Apesar de as APPs serem definidas como áreas protegidas, existem APPs degradadas, desmatadas, e/ou indevidamente ocupadas. Esta é uma realidade e uma situação que compromete a qualidade e quantidade de água dos cursos d’água de muitas localidades.

Mas, de que forma garantir a qualidade e quantidade de água nos cursos d’água? Atualmente, bacia hidrográficas têm sido adotadas como áreas preferenciais para o planejamento dos recursos hídricos, ou seja, elas se configuram como Unidades de Planejamento Hídrico. Contudo, o comportamento de uma bacia hidrográfica pode ser alterado por fatores de ordem natural ou antropogênicos, em que as atividades humanas intervêm de forma direta ou indireta no funcionamento da bacia.

As normas gerais sobre a Proteção da Vegetação Nativa, incluindo Áreas de Preservação Permanente se encontram na Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, também conhecida como novo "Código Florestal". As resoluções e diretrizes desse Código, determinam APPs para redes hidrográficas, nascentes, corpos d´água e áreas com declividades superiores a 45º, buscando preservar da qualidade da água do curso d’água através da manutenção das APPs. A Lei 12.651/2012 institui que nas Áreas de Preservação Permanente é permitida a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de 2008.

Entretanto, é importante destacar que a continuidade de tais atividades em uma APP, como de uso consolidado, está condicionada à adoção de boas práticas de conservação de solo e água.

Existem dimensões mínimas a serem observadas com a finalidade de garantir a oferta de serviços ecossistêmicos associados às APPs. A aplicação de tais regras leva em consideração o tamanho da propriedade e às características associadas às APPs, como, por exemplo a largura do curso d'água; área da superfície do espelho d'água. Há diferentes faixas marginais de preservação de cursos d’água, lagos e lagoas naturais, em áreas rurais ou urbanas, que devem ser observadas. Estas faixas dependem da largura dos cursos d’água e da área de lagos e lagoas naturais.

Pergunte aos alunos se já ouviram falar em Áreas de Preservação Permanente. Se disserem que sim, pergunte-os se conhecem as faixas mínimas de preservação de rios e lagos. Retome as imagens e pergunte a eles o que acontece quando a largura dos cursos d’água aumentam. Questione-os como percebem as faixas marginais de rios e córregos da sua localidade.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Para você saber mais:

Agrossilvipastoril: sistema que integra lavoura, pecuária e floresta.

Serviços ambientais ou serviços ecossistêmicos: trata-se dos benefícios que obtemos da natureza de forma direta ou indireta.

Fonte das imagens: Localização e limites das APPs. Disponível em: <http://www.ciflorestas.com.br/cartilha/APP-localizacao-e-limites_protecao-conservacao-dos-recursos-hidricos-dos-ecossistemas-aquaticos.html>. Acesso em: 26 jan 2019.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles analisarão situações hipotéticas de APPs. Apesar de as APPs serem definidas como áreas protegidas, existem APPs degradadas, desmatadas, e/ou indevidamente ocupadas. Esta é uma realidade e uma situação que compromete a qualidade e quantidade de água dos cursos d’água de muitas localidades.

Mas, de que forma garantir a qualidade e quantidade de água nos cursos d’água? Atualmente, bacia hidrográficas têm sido adotadas como áreas preferenciais para o planejamento dos recursos hídricos, ou seja, elas se configuram como Unidades de Planejamento Hídrico. Contudo, o comportamento de uma bacia hidrográfica pode ser alterado por fatores de ordem natural ou antropogênicos, em que as atividades humanas intervêm de forma direta ou indireta no funcionamento da bacia.

As normas gerais sobre a Proteção da Vegetação Nativa, incluindo Áreas de Preservação Permanente se encontram na Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, também conhecida como novo "Código Florestal". As resoluções e diretrizes desse Código, determinam APPs para redes hidrográficas, nascentes, corpos d´água e áreas com declividades superiores a 45º, buscando preservar da qualidade da água do curso d’água através da manutenção das APPs. A Lei 12.651/2012 institui que nas Áreas de Preservação Permanente é permitida a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de 2008.

Entretanto, é importante destacar que a continuidade de tais atividades em uma APP, como de uso consolidado, está condicionada à adoção de boas práticas de conservação de solo e água.

Existem dimensões mínimas a serem observadas com a finalidade de garantir a oferta de serviços ecossistêmicos associados às APPs. A aplicação de tais regras leva em consideração o tamanho da propriedade e às características associadas às APPs, como, por exemplo a largura do curso d'água; área da superfície do espelho d'água. Há diferentes faixas marginais de preservação de cursos d’água, lagos e lagoas naturais, em áreas rurais ou urbanas, que devem ser observadas. Estas faixas dependem da largura dos cursos d’água e da área de lagos e lagoas naturais.

Pergunte aos alunos se já ouviram falar em Áreas de Preservação Permanente. Se disserem que sim, pergunte-os se conhecem as faixas mínimas de preservação de rios e lagos. Retome as imagens e pergunte a eles o que acontece quando a largura dos cursos d’água aumentam. Questione-os como percebem as faixas marginais de rios e córregos da sua localidade.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Para você saber mais:

Agrossilvipastoril: sistema que integra lavoura, pecuária e floresta.

Serviços ambientais ou serviços ecossistêmicos: trata-se dos benefícios que obtemos da natureza de forma direta ou indireta.

Fonte das imagens: Localização e limites das APPs. Disponível em: <http://www.ciflorestas.com.br/cartilha/APP-localizacao-e-limites_protecao-conservacao-dos-recursos-hidricos-dos-ecossistemas-aquaticos.html>. Acesso em: 26 jan 2019.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles analisarão situações hipotéticas de APPs. Apesar de as APPs serem definidas como áreas protegidas, existem APPs degradadas, desmatadas, e/ou indevidamente ocupadas. Esta é uma realidade e uma situação que compromete a qualidade e quantidade de água dos cursos d’água de muitas localidades.

Mas, de que forma garantir a qualidade e quantidade de água nos cursos d’água? Atualmente, bacia hidrográficas têm sido adotadas como áreas preferenciais para o planejamento dos recursos hídricos, ou seja, elas se configuram como Unidades de Planejamento Hídrico. Contudo, o comportamento de uma bacia hidrográfica pode ser alterado por fatores de ordem natural ou antropogênicos, em que as atividades humanas intervêm de forma direta ou indireta no funcionamento da bacia.

As normas gerais sobre a Proteção da Vegetação Nativa, incluindo Áreas de Preservação Permanente se encontram na Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, também conhecida como novo "Código Florestal". As resoluções e diretrizes desse Código, determinam APPs para redes hidrográficas, nascentes, corpos d´água e áreas com declividades superiores a 45º, buscando preservar da qualidade da água do curso d’água através da manutenção das APPs. A Lei 12.651/2012 institui que nas Áreas de Preservação Permanente é permitida a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de 2008.

Entretanto, é importante destacar que a continuidade de tais atividades em uma APP, como de uso consolidado, está condicionada à adoção de boas práticas de conservação de solo e água.

Existem dimensões mínimas a serem observadas com a finalidade de garantir a oferta de serviços ecossistêmicos associados às APPs. A aplicação de tais regras leva em consideração o tamanho da propriedade e às características associadas às APPs, como, por exemplo a largura do curso d'água; área da superfície do espelho d'água. Há diferentes faixas marginais de preservação de cursos d’água, lagos e lagoas naturais, em áreas rurais ou urbanas, que devem ser observadas. Estas faixas dependem da largura dos cursos d’água e da área de lagos e lagoas naturais.

Pergunte aos alunos se já ouviram falar em Áreas de Preservação Permanente. Se disserem que sim, pergunte-os se conhecem as faixas mínimas de preservação de rios e lagos. Retome as imagens e pergunte a eles o que acontece quando a largura dos cursos d’água aumentam. Questione-os como percebem as faixas marginais de rios e córregos da sua localidade.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Para você saber mais:

Agrossilvipastoril: sistema que integra lavoura, pecuária e floresta.

Serviços ambientais ou serviços ecossistêmicos: trata-se dos benefícios que obtemos da natureza de forma direta ou indireta.

Fonte das imagens: Localização e limites das APPs. Disponível em: <http://www.ciflorestas.com.br/cartilha/APP-localizacao-e-limites_protecao-conservacao-dos-recursos-hidricos-dos-ecossistemas-aquaticos.html>. Acesso em: 26 jan 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Rio Paraopeba na divisa dos municípios de Betim e São Joaquim de Bicas em Minas Gerais.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Rio Paraopeba na divisa dos municípios de Betim e São Joaquim de Bicas em Minas Gerais.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Rio Paraopeba na divisa dos municípios de Betim e São Joaquim de Bicas em Minas Gerais.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Cânions no Rio São Francisco, na cidade de Canindé de São Francisco, Sergipe.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte: Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:Canind%C3%A9_de_S%C3%A3o_Francisco-002.jpg. Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos

Orientações: Imprima a folha de atividades disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/bTrUJ9j7QmurBSFx9Q4rZrQrDetgS5a4UDdh3j9DfZqcTDttTKZ8kuVXmEc2/geo6-10und06-atividade-da-acao-propositiva.pdf

Entregue para a turma o Art. 4º do CAPÍTULO II do Código Florestal que trata da delimitação das Áreas de Preservação Permanente. A resolução da atividade está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/BNE2huyvEm6vzsYVuKPnUyfKHTHapDX2gwrnpVjd3KrxQw9NWR3dZDqPUQfn/geo6-10und06-resolucao-da-atividade-da-acao-propositiva.pdf

Conceda um tempo de 5 minutos para que os alunos possam ler as diretrizes do Código Florestal disponível na folha 1 da atividade (Atividade 1). Recolha a folha ao término do tempo determinado e entregue para as equipes a folha de atividades com as situações hipotéticas, disponível na folha 2 da atividade (Atividade 2). Peça que eles recortem as caixas de textos com as situações hipotéticas, após responder se as APPs atendem ou não as normativas do Código Florestal. As caixas de textos recordadas devem ser usadas na atividade da Sistematização.

Para você saber mais:

Para os efeitos da Lei 12.651/2012, considera-se Área de Preservação Permanente, em zonas rurais ou urbanas:

I - as faixas marginais de qualquer curso d’água natural perene e intermitente, excluídos os efêmeros, desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima de:

a) 30 (trinta) metros, para os cursos d’água de menos de 10 (dez) metros de largura;

b) 50 (cinquenta) metros, para os cursos d’água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinquenta) metros de largura;

c) 100 (cem) metros, para os cursos d’água que tenham de 50 (cinquenta) a 200 (duzentos) metros de largura;

d) 200 (duzentos) metros, para os cursos d’água que tenham de 200 (duzentos) a 600 (seiscentos) metros de largura;

e) 500 (quinhentos) metros, para os cursos d’água que tenham largura superior a 600 (seiscentos) metros;

II - as áreas no entorno dos lagos e lagoas naturais, em faixa com largura mínima de:

a) 100 (cem) metros, em zonas rurais, exceto para o corpo d’água com até 20 (vinte) hectares de superfície, cuja faixa marginal será de 50 (cinquenta) metros;

b) 30 (trinta) metros, em zonas urbanas;

Fonte da imagem: Reserva Legal. FREPESP. Disponível em: <http://frepesp.org.br/frepesp-16-anos-entrevista-zeze-zakia/reserva-legal-2/>. Acesso em: 02 fev 2019.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 22 minutos

Orientações: Devolva a folha com as normativas para as equipes. Na folha de atividade disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/jYUyG6AsaBrZ5xmdb3AZYx4yk5RZb8pDGBhw3wFHAcFbjRWqb9wfvrG4HczK/geo6-10und06-atividade-da-sistematizacao.pdf

As equipes devem associar as situações hipotéticas com as normativas, buscando uma correspondência entre elas. Se consideram que se trata de uma APP conservada, e que portanto devem manter a área conservada, então devem colar a caixa de texto abaixo do ícone “curtir”; se consideram que a APP está degradada, portanto, é necessário recuperar a área, devem colar a caixa de texto abaixo do ícone “não curtir”. Ao finalizar, retomar as normativas e apresentar para a turma as razões pelas quais as APPs analisadas devem ser mantidas conservadas ou recuperadas.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Fonte da imagem: Divulgados os resultados do projeto de preservação e recuperação da mata ciliar do rio São Francisco. Últimas Notícias. Disponível em: <https://www.ultimasnoticias.inf.br/noticia/divulgado-os-resultados-do-projeto-de-preservacao-e-recuperacao-da-mata-ciliar-do-rio-sao-francisco/>. Acesso em: 03 fev 2019.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF06GE10 de Geografia, que consta na BNCC. Esta habilidade permite que os alunos compreendam a importância das Áreas de Preservação Permanente (APPs) para a preservação dos recursos hídricos, biodiversidade, proteção do solo e bem-estar das populações humanas. Para tal, os alunos deverão conhecer as normas sobre Áreas de Preservação Permanente (Lei 12.651, de 25 de maio de 2012), também conhecida como novo "Código Florestal", especificamente as resoluções e diretrizes que determinam APPs de corpos d´água. Após conhecer as normativas, em equipe, os alunos deverão associar as descrições sobre faixas marginais de corpos d’água da atividade da Ação Propositiva com as normas que regem as APPs, de corpos d’água.

As dimensões mínimas de margens de corpos d’água da normativa servirão de referência para que as equipes indiquem se estas áreas estão conservadas ou degradadas na folha de atividade da Ação Propositiva. As caixas de textos com cada uma das descrições dos cursos d’água devem ser recortadas para a realização da Sistematização. Nesta, as equipes devem encontrar a correspondência entre as situações hipotéticas com as características da área, conforme normativa do Código Florestal. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Datashow, lápis ou caneta para anotações, tesoura, cola e imagens impressas (caso não seja possível projetar as imagens).

Material complementar:

Atividade da Ação propositiva:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/bTrUJ9j7QmurBSFx9Q4rZrQrDetgS5a4UDdh3j9DfZqcTDttTKZ8kuVXmEc2/geo6-10und06-atividade-da-acao-propositiva.pdf

Atividade da Sistematização:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/jYUyG6AsaBrZ5xmdb3AZYx4yk5RZb8pDGBhw3wFHAcFbjRWqb9wfvrG4HczK/geo6-10und06-atividade-da-sistematizacao.pdf

Para você saber mais:

Para conhecer sobre a adequação da ocupação do solo em áreas de APPs, leia o artigo:

SANTOS, Juliano Boeck (et. al). Avaliação da adequação da ocupação do solo em áreas de preservação permanente (APPs). Irriga, vol. 19, n.2, 2014. Disponível em: <http://200.145.140.50/index.php/irriga/article/view/964>. Acesso em: 25 fev 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos

Orientações: Projete, escreva no quadro ou fale para os alunos que a aula abordará questões relacionadas a Área de Preservação Permanente (APP) e qualidade ambiental. Comente com a turma que para garantir o volume e qualidade da água e da biodiversidade de um determinado local é importante avaliar e adequar a ocupação e uso do solo em Áreas de Preservação Permanente, as APPs.

Para você saber mais:

Área de Preservação Permanente (APP): a Lei n. 12.651/2012 define Área de Preservação Permanente como uma área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com o papel ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, promover o fluxo de fauna e flora, proteger o solo e garantir o bem-estar das populações humanas.

Área de Preservação Permanente. EMBRAPA. Disponível em: <https://www.embrapa.br/codigo-florestal/entenda-o-codigo-florestal/area-de-preservacao-permanente>. Acesso em: 05 fev 2019.

Bacia Hidrográfica é a área ou região de drenagem de um rio principal e seus afluentes.

Unidades de Planejamento Hídrico são subdivisões de bacias maiores caracterizadas por uma homogeneidade de fatores que permitem fazer o aproveitamento dos recursos hídricos ali existentes.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles analisarão situações hipotéticas de APPs. Apesar de as APPs serem definidas como áreas protegidas, existem APPs degradadas, desmatadas, e/ou indevidamente ocupadas. Esta é uma realidade e uma situação que compromete a qualidade e quantidade de água dos cursos d’água de muitas localidades.

Mas, de que forma garantir a qualidade e quantidade de água nos cursos d’água? Atualmente, bacia hidrográficas têm sido adotadas como áreas preferenciais para o planejamento dos recursos hídricos, ou seja, elas se configuram como Unidades de Planejamento Hídrico. Contudo, o comportamento de uma bacia hidrográfica pode ser alterado por fatores de ordem natural ou antropogênicos, em que as atividades humanas intervêm de forma direta ou indireta no funcionamento da bacia.

As normas gerais sobre a Proteção da Vegetação Nativa, incluindo Áreas de Preservação Permanente se encontram na Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, também conhecida como novo "Código Florestal". As resoluções e diretrizes desse Código, determinam APPs para redes hidrográficas, nascentes, corpos d´água e áreas com declividades superiores a 45º, buscando preservar da qualidade da água do curso d’água através da manutenção das APPs. A Lei 12.651/2012 institui que nas Áreas de Preservação Permanente é permitida a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de 2008.

Entretanto, é importante destacar que a continuidade de tais atividades em uma APP, como de uso consolidado, está condicionada à adoção de boas práticas de conservação de solo e água.

Existem dimensões mínimas a serem observadas com a finalidade de garantir a oferta de serviços ecossistêmicos associados às APPs. A aplicação de tais regras leva em consideração o tamanho da propriedade e às características associadas às APPs, como, por exemplo a largura do curso d'água; área da superfície do espelho d'água. Há diferentes faixas marginais de preservação de cursos d’água, lagos e lagoas naturais, em áreas rurais ou urbanas, que devem ser observadas. Estas faixas dependem da largura dos cursos d’água e da área de lagos e lagoas naturais.

Pergunte aos alunos se já ouviram falar em Áreas de Preservação Permanente. Se disserem que sim, pergunte-os se conhecem as faixas mínimas de preservação de rios e lagos. Retome as imagens e pergunte a eles o que acontece quando a largura dos cursos d’água aumentam. Questione-os como percebem as faixas marginais de rios e córregos da sua localidade.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Para você saber mais:

Agrossilvipastoril: sistema que integra lavoura, pecuária e floresta.

Serviços ambientais ou serviços ecossistêmicos: trata-se dos benefícios que obtemos da natureza de forma direta ou indireta.

Fonte das imagens: Localização e limites das APPs. Disponível em: <http://www.ciflorestas.com.br/cartilha/APP-localizacao-e-limites_protecao-conservacao-dos-recursos-hidricos-dos-ecossistemas-aquaticos.html>. Acesso em: 26 jan 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles analisarão situações hipotéticas de APPs. Apesar de as APPs serem definidas como áreas protegidas, existem APPs degradadas, desmatadas, e/ou indevidamente ocupadas. Esta é uma realidade e uma situação que compromete a qualidade e quantidade de água dos cursos d’água de muitas localidades.

Mas, de que forma garantir a qualidade e quantidade de água nos cursos d’água? Atualmente, bacia hidrográficas têm sido adotadas como áreas preferenciais para o planejamento dos recursos hídricos, ou seja, elas se configuram como Unidades de Planejamento Hídrico. Contudo, o comportamento de uma bacia hidrográfica pode ser alterado por fatores de ordem natural ou antropogênicos, em que as atividades humanas intervêm de forma direta ou indireta no funcionamento da bacia.

As normas gerais sobre a Proteção da Vegetação Nativa, incluindo Áreas de Preservação Permanente se encontram na Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, também conhecida como novo "Código Florestal". As resoluções e diretrizes desse Código, determinam APPs para redes hidrográficas, nascentes, corpos d´água e áreas com declividades superiores a 45º, buscando preservar da qualidade da água do curso d’água através da manutenção das APPs. A Lei 12.651/2012 institui que nas Áreas de Preservação Permanente é permitida a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de 2008.

Entretanto, é importante destacar que a continuidade de tais atividades em uma APP, como de uso consolidado, está condicionada à adoção de boas práticas de conservação de solo e água.

Existem dimensões mínimas a serem observadas com a finalidade de garantir a oferta de serviços ecossistêmicos associados às APPs. A aplicação de tais regras leva em consideração o tamanho da propriedade e às características associadas às APPs, como, por exemplo a largura do curso d'água; área da superfície do espelho d'água. Há diferentes faixas marginais de preservação de cursos d’água, lagos e lagoas naturais, em áreas rurais ou urbanas, que devem ser observadas. Estas faixas dependem da largura dos cursos d’água e da área de lagos e lagoas naturais.

Pergunte aos alunos se já ouviram falar em Áreas de Preservação Permanente. Se disserem que sim, pergunte-os se conhecem as faixas mínimas de preservação de rios e lagos. Retome as imagens e pergunte a eles o que acontece quando a largura dos cursos d’água aumentam. Questione-os como percebem as faixas marginais de rios e córregos da sua localidade.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Para você saber mais:

Agrossilvipastoril: sistema que integra lavoura, pecuária e floresta.

Serviços ambientais ou serviços ecossistêmicos: trata-se dos benefícios que obtemos da natureza de forma direta ou indireta.

Fonte das imagens: Localização e limites das APPs. Disponível em: <http://www.ciflorestas.com.br/cartilha/APP-localizacao-e-limites_protecao-conservacao-dos-recursos-hidricos-dos-ecossistemas-aquaticos.html>. Acesso em: 26 jan 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: Comente com os alunos que nesta aula eles analisarão situações hipotéticas de APPs. Apesar de as APPs serem definidas como áreas protegidas, existem APPs degradadas, desmatadas, e/ou indevidamente ocupadas. Esta é uma realidade e uma situação que compromete a qualidade e quantidade de água dos cursos d’água de muitas localidades.

Mas, de que forma garantir a qualidade e quantidade de água nos cursos d’água? Atualmente, bacia hidrográficas têm sido adotadas como áreas preferenciais para o planejamento dos recursos hídricos, ou seja, elas se configuram como Unidades de Planejamento Hídrico. Contudo, o comportamento de uma bacia hidrográfica pode ser alterado por fatores de ordem natural ou antropogênicos, em que as atividades humanas intervêm de forma direta ou indireta no funcionamento da bacia.

As normas gerais sobre a Proteção da Vegetação Nativa, incluindo Áreas de Preservação Permanente se encontram na Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, também conhecida como novo "Código Florestal". As resoluções e diretrizes desse Código, determinam APPs para redes hidrográficas, nascentes, corpos d´água e áreas com declividades superiores a 45º, buscando preservar da qualidade da água do curso d’água através da manutenção das APPs. A Lei 12.651/2012 institui que nas Áreas de Preservação Permanente é permitida a continuidade das atividades agrossilvipastoris, de ecoturismo e de turismo rural em áreas rurais consolidadas até 22 de julho de 2008.

Entretanto, é importante destacar que a continuidade de tais atividades em uma APP, como de uso consolidado, está condicionada à adoção de boas práticas de conservação de solo e água.

Existem dimensões mínimas a serem observadas com a finalidade de garantir a oferta de serviços ecossistêmicos associados às APPs. A aplicação de tais regras leva em consideração o tamanho da propriedade e às características associadas às APPs, como, por exemplo a largura do curso d'água; área da superfície do espelho d'água. Há diferentes faixas marginais de preservação de cursos d’água, lagos e lagoas naturais, em áreas rurais ou urbanas, que devem ser observadas. Estas faixas dependem da largura dos cursos d’água e da área de lagos e lagoas naturais.

Pergunte aos alunos se já ouviram falar em Áreas de Preservação Permanente. Se disserem que sim, pergunte-os se conhecem as faixas mínimas de preservação de rios e lagos. Retome as imagens e pergunte a eles o que acontece quando a largura dos cursos d’água aumentam. Questione-os como percebem as faixas marginais de rios e córregos da sua localidade.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Para você saber mais:

Agrossilvipastoril: sistema que integra lavoura, pecuária e floresta.

Serviços ambientais ou serviços ecossistêmicos: trata-se dos benefícios que obtemos da natureza de forma direta ou indireta.

Fonte das imagens: Localização e limites das APPs. Disponível em: <http://www.ciflorestas.com.br/cartilha/APP-localizacao-e-limites_protecao-conservacao-dos-recursos-hidricos-dos-ecossistemas-aquaticos.html>. Acesso em: 26 jan 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 5 minutos

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Rio Paraopeba na divisa dos municípios de Betim e São Joaquim de Bicas em Minas Gerais.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Rio Paraopeba na divisa dos municípios de Betim e São Joaquim de Bicas em Minas Gerais.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Rio Paraopeba na divisa dos municípios de Betim e São Joaquim de Bicas em Minas Gerais.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Slide Plano Aula

Orientações: As imagens retratam: o encontro das águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus; trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais; marginal Tietê em São Paulo; Cânions no Rio São Francisco, na cidade de Canindé de São Francisco, Sergipe.

Como é possível observar nas imagens, as áreas marginais de rios apresentam diferentes usos. Algumas mais preservadas outras mais degradadas. Portanto, a necessidade de monitorar as APPs surge devido às alterações antropogênicas em áreas que antes eram ocupadas por vegetação natural e que passaram a ser urbanizadas ou usadas para cultivos agrícolas intensivos. Como a capacidade de infiltração de água muda com a impermeabilização, o monitoramento das APPs tem como objetivo garantir da produção de água nessas áreas. Pergunte aos alunos se conhecem outras APPs além das áreas marginais de cursos d’água. Se disserem que sim, pergunte quais. Caso as respostas não corresponda com o que se espera, como topos de morro, entorno de lagos e lagoas naturais, manguezais, dunas e restingas, exponha para eles a existência destes outros tipos de APPs.

Como adequar à sua realidade: Peça para os alunos observarem as imagens. Pergunte se elas remetem a uma localidade conhecida ou se apresentam uma situação que faz parte da sua realidade.

Fonte das imagens dos slides 6 a 9:

Fonte slide 6: O Encontro das Águas na confluência dos rios Solimões e Negro, perto de Manaus. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Amazonas#/media/File:Meeting_of_waters_from_the_air_manaus_brazil.JPG>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 7: Trecho do rio São Francisco entre os municípios de Ponto Chique e Pirapora, Minas Gerais Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:RioSaoFrancisco.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte slide 8: Marginal do Tietê. Wikipedia. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_Tiet%C3%AA#/media/File:Marginal_tiet%C3%AA.jpg>. Acesso em: 25 jan 2019.

Fonte: Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Rio_S%C3%A3o_Francisco#/media/File:Canind%C3%A9_de_S%C3%A3o_Francisco-002.jpg. Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos

Orientações: Imprima a folha de atividades disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/bTrUJ9j7QmurBSFx9Q4rZrQrDetgS5a4UDdh3j9DfZqcTDttTKZ8kuVXmEc2/geo6-10und06-atividade-da-acao-propositiva.pdf

Entregue para a turma o Art. 4º do CAPÍTULO II do Código Florestal que trata da delimitação das Áreas de Preservação Permanente. A resolução da atividade está disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/BNE2huyvEm6vzsYVuKPnUyfKHTHapDX2gwrnpVjd3KrxQw9NWR3dZDqPUQfn/geo6-10und06-resolucao-da-atividade-da-acao-propositiva.pdf

Conceda um tempo de 5 minutos para que os alunos possam ler as diretrizes do Código Florestal disponível na folha 1 da atividade (Atividade 1). Recolha a folha ao término do tempo determinado e entregue para as equipes a folha de atividades com as situações hipotéticas, disponível na folha 2 da atividade (Atividade 2). Peça que eles recortem as caixas de textos com as situações hipotéticas, após responder se as APPs atendem ou não as normativas do Código Florestal. As caixas de textos recordadas devem ser usadas na atividade da Sistematização.

Para você saber mais:

Para os efeitos da Lei 12.651/2012, considera-se Área de Preservação Permanente, em zonas rurais ou urbanas:

I - as faixas marginais de qualquer curso d’água natural perene e intermitente, excluídos os efêmeros, desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima de:

a) 30 (trinta) metros, para os cursos d’água de menos de 10 (dez) metros de largura;

b) 50 (cinquenta) metros, para os cursos d’água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinquenta) metros de largura;

c) 100 (cem) metros, para os cursos d’água que tenham de 50 (cinquenta) a 200 (duzentos) metros de largura;

d) 200 (duzentos) metros, para os cursos d’água que tenham de 200 (duzentos) a 600 (seiscentos) metros de largura;

e) 500 (quinhentos) metros, para os cursos d’água que tenham largura superior a 600 (seiscentos) metros;

II - as áreas no entorno dos lagos e lagoas naturais, em faixa com largura mínima de:

a) 100 (cem) metros, em zonas rurais, exceto para o corpo d’água com até 20 (vinte) hectares de superfície, cuja faixa marginal será de 50 (cinquenta) metros;

b) 30 (trinta) metros, em zonas urbanas;

Fonte da imagem: Reserva Legal. FREPESP. Disponível em: <http://frepesp.org.br/frepesp-16-anos-entrevista-zeze-zakia/reserva-legal-2/>. Acesso em: 02 fev 2019.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 22 minutos

Orientações: Devolva a folha com as normativas para as equipes. Na folha de atividade disponível no link: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/jYUyG6AsaBrZ5xmdb3AZYx4yk5RZb8pDGBhw3wFHAcFbjRWqb9wfvrG4HczK/geo6-10und06-atividade-da-sistematizacao.pdf

As equipes devem associar as situações hipotéticas com as normativas, buscando uma correspondência entre elas. Se consideram que se trata de uma APP conservada, e que portanto devem manter a área conservada, então devem colar a caixa de texto abaixo do ícone “curtir”; se consideram que a APP está degradada, portanto, é necessário recuperar a área, devem colar a caixa de texto abaixo do ícone “não curtir”. Ao finalizar, retomar as normativas e apresentar para a turma as razões pelas quais as APPs analisadas devem ser mantidas conservadas ou recuperadas.

Como adequar à sua realidade: Utilize imagens na composição dos slides que remetam à realidade da comunidade local.

Fonte da imagem: Divulgados os resultados do projeto de preservação e recuperação da mata ciliar do rio São Francisco. Últimas Notícias. Disponível em: <https://www.ultimasnoticias.inf.br/noticia/divulgado-os-resultados-do-projeto-de-preservacao-e-recuperacao-da-mata-ciliar-do-rio-sao-francisco/>. Acesso em: 03 fev 2019.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Unidade do 6º ano :

MAIS AULAS DE Geografia do 6º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF06GE10 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Geografia

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano