16453
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > História > 8º ano > Os processos de independência nas Américas

Plano de aula - A inauguração da escola de medicina do Rio de Janeiro

Plano de aula de História com atividades para 8º ano do EF sobre A inauguração da escola de medicina do Rio de Janeiro

Plano 02 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Daniele Shorne De Souza

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos . Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08H12, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Projetor para as imagens (ou impressões) Impressão dos documentos para os estudantes.

Material complementar:

Reportagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JPbXXskZWhAHydCHCUmgPXQ2j5c9vt37BHD6jN3dghPTBRtuzznjDqE64yMY/his8-12und02-medicinaufrj.pdf

Histórico sobre a Escola de Anatomia Cirúrgica e Medicina do Rio de Janeiro.

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vuj2PGanRMKE7tRM2sPwAFcjQmNmP5V98bF59YsGMdwhgC2Zhw2DfFSFmHQw/his8-12und02-verbeteescolademedicina.pdf

Fotomontagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JZZnWGENpVpaSU6hdYfzGApMRtM3QVNNs6tqy6FtvX9j8yJ36k7zBAtFQMkf/his8-12und02-cotasmedicina.pdf

Para você saber mais:

Verbete completo sobre a Escola de Medicina do Rio de Janeiro. Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde do Brasil (1832-930) casa Oswaldo cruz - Fiocruz.

Disponível em: http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/pt/verbetes/escancimerj.htm#historico Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Objetivo select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Apresente o tema aos alunos escrevendo-o no quadro ou lendo-o para a turma. Se estiver fazendo uso de projetor, apresente este slide e faça uma leitura coletiva.

Contexto select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Professor, neste momento a proposta é iniciar a aula discutindo a respeito da reportagem sobre o concorrido curso de Medicina da UFRJ, refletindo sobre o acesso aos cursos superiores no Brasil e sobre as profissões que os estudantes pretendem ter.

“Medicina na UFRJ é curso com maior nota de corte no Sisu”. EBC. 09/01/2014. Disponível em:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JPbXXskZWhAHydCHCUmgPXQ2j5c9vt37BHD6jN3dghPTBRtuzznjDqE64yMY/his8-12und02-medicinaufrj.pdf Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Para incentivar o diálogo, você pode propor algumas questões como:

  • Algum de vocês pretende ser médico?
  • Por que será que este curso é tão concorrido?
  • Como você acha que é a preparação para passar no vestibular do curso de Medicina?
  • Vocês têm alguém na família que é médico?
  • Quais profissões exigem cursos de nível superior?
  • Todas são tão concorridas quanto esta carreira?
  • Quantos de vocês têm pessoas com estudos superiores na família?
  • As carreiras que vocês pretendem desenvolver necessitam de estudos de nível superior?

Como adequar à sua realidade: Professor, procure saber se há o curso de Medicina e hospitais universitários na sua região, caso sim, é importante conversar com os alunos sobre quem tem acesso ao curso e aos hospitais públicos.

Vale também fazer o levantamento do preço da mensalidade do curso de Medicina na sua região para que os alunos percebam o quanto este curso é caro, quando feito em universidades particulares e que os estudantes que o frequentam devem fazê-lo em período integral, tornando muito difícil conseguir um emprego durante o período de faculdade.

Para você saber mais:

No Guia do Estudante as informações sobre o curso de Medicina descrevem a falta de vagas para residência médica e as dificuldades que o curso costuma apresentar. Disponível em: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/pordentrodasprofissoes/dez-fatos-sobre-o-curso-e-a-carreira-de-medicina/ Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Cursos mais caros e mais baratos do Brasil. Guia do Estudante. Disponível em: https://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/os-cursos-mais-caros-e-os-mais-baratos-do-brasil/ Acesso em: 22 de novembro de 2018.

Para saber mais sobre o Sisu, veja: Sisu - Sistema de Seleção Unificada. Disponível em: http://sisu.mec.gov.br/tire-suas-duvidas Acesso em: 22 de novembro de 2018.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Professor, solicite aos alunos que leiam em grupos o documento com o trecho sobre o histórico da escola anatômica, cirúrgica e médica do Rio de Janeiro, que dará origem à Escola de Medicina da UFRJ. Nesta etapa, o objetivo é que o estudante conheça o contexto de criação da primeira Escola de Medicina do Rio de Janeiro, associada à vinda da Corte.

Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica do Rio de Janeiro

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vuj2PGanRMKE7tRM2sPwAFcjQmNmP5V98bF59YsGMdwhgC2Zhw2DfFSFmHQw/his8-12und02-verbeteescolademedicina.pdf

Procure estimular um debate na turma com base em perguntas como:

  • Por que uma Escola de Medicina era importante para a cidade do Rio de Janeiro com a Corte aqui?
  • Por que os portugueses não haviam aberto uma Escola de Medicina no Rio de Janeiro antes?
  • Como ter Faculdade de Medicina no Rio de Janeiro era um sinal de mudança na educação oferecida no Brasil?
  • Como a vinda da Corte foi responsável por esta mudança?
  • Será que todos os colonos tinham acesso a esta Escola de Medicina? E os escravizados?
  • Quem poderia estudar e fazer este curso?
  • E hoje? Como é o acesso às Faculdades de Medicina no Brasil?

Como adequar à sua realidade: Poderão ser usados relatos dos próprios alunos se eles têm alguém da família que cursa Medicina ou se há algum relato de ex-alunos da escola que se disponham a conversar com a turma sobre como é cursar a Faculdade de Medicina. Também podem ser levantados relatos de alunos que tiveram que mudar de cidade para cursar Medicina ou fazer residência, já que as grandes faculdades estão localizadas em centros urbanos fazendo com que as pessoas de cidades pequenas precisem mudar-se para estudar.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Professor, neste momento leia e analise com os alunos o documento: “Carta de Sangria” (1820)

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/wfATVrmNSAUQHpHpnAnHXsKgVxkW2MBh5SdP7BKCMqz3f4Kq5yqJzR9aj8te/his8-12und02-carta-de-sangria.pdf

A sangria era um tipo de tratamento aplicado a pessoas doentes que consistia na retirada de sangue do paciente para o tratamento. É interessante observar que a carta é de 1820, quando já havia sido criada a Escola de Medicina no Rio de Janeiro, o que indica que naquele momento o exercício de práticas médicas ainda não era exclusividade dos médicos formados no Brasil, como pretendiam com a criação da instituição (conforme o verbete anterior). Algumas pessoas ainda recorriam àqueles que possuíam “Carta de Sangria” em vez de médicos e vemos nesta fonte que um escravizado adquiriu licença para fazer algumas práticas médicas (embora oficialmente o acesso ao ensino formal fosse destinado apenas aos cidadãos, ou seja, àqueles que eram descendentes de portugueses, e negado aos escravizados).

Para uma análise desta fonte que contemple estas reflexões, algumas questões que podem ser consideradas são:

  • O que a Carta de Sangria permitia?
  • Quem era a pessoa que recebia a licença para tais práticas médicas?
  • Quais as evidências de que um escravizado estava recebendo a Carta de Sangria?
  • Por que uma pessoa submetida a tais condições [escravizada] recebia licença para tais práticas?
  • Será que era uma situação comum?
  • Esta situação era condizente com o projeto de criação da Escola de Medicina visto anteriormente?

Para saber mais: Alguns textos de lei são importantes para compreender sobre o acesso dos escravizados à educação durante o século XIX.

Estas leis são posteriores às datas dos documentos, vale lembrar que até a Independência, em 1822, a lei que vigorava no Brasil era a mesma de Portugal, que permitia acesso à educação formal aos cidadãos portugueses (nascidos na colônia, porém filhos de portugueses).

Sobre a educação na colônia:

http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-72502009000200008 Acesso em: 2 de dezembro de 2018.

Leis posteriores que excluíram escravizados do processo de educação formal exemplo:

Decreto nº 1.331, de fevereiro de 1854

http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro-1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html

No artigo 69, dispõe sobre quem não podia ser matriculado nas escolas públicas, entre eles os escravizados.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Professor, a imagem deve ser projetada para que os alunos possam vê-la e as questões abaixo podem ser feitas para ajudar na interpretação da imagem:

  • O que está sendo representado na imagem?
  • Quais os elementos presentes na Carta de Sangria podemos identificar na imagem?
  • Qual foi o impacto que um curso de Medicina na colônia teve sobre o trabalho destes práticos?
  • A qual parcela da população a prática destas pessoas devia atender?
  • Seria possível que estas pessoas, mesmo com a experiência “médica” que tinham enquanto barbeiros e sangradores acessassem a Faculdade de Medicina?

A discussão sobre esta fonte poderá fazer com que os estudantes cheguem a algumas conclusões sobre a desigualdade de oportunidades de acesso ao ensino superior que iniciou no período colonial e se propaga nos dias atuais. Indicando por meio das fontes que pessoas negras, mesmo tendo os saberes necessários para a atuação como médicos-práticos, quando a “profissionalização” chegou, ela é oferecida apenas para a elite.

Fonte da imagem: DEBRET, Jean Baptiste [autor da aquarela original]; FRÉRES, Thyers, litogravura. Cirurgião negro. Litogravura. In: DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage historique et pittoresque au Brésil, vol. II. Paris: Firmin Didot Frères, 1835.

Disponível em: www.vistaminhapele.com.br/wp-content/uploads/2017/12/escravos_ventosas_Debret.jpg Acesso em: 17/12/2018.

Para você saber mais:

Artigo sobre barbeiros cirurgiões no período colonial http://www.scielo.br/pdf/rh/n176/2316-9141-rh-176-a03116.pdf Acesso em: 17 de dezembro de 2018.

sobre as cotas e o acesso ao ensino superior você poderá saber mais aqui:

http://portal.mec.gov.br/cotas/perguntas-frequentes.html Acesso em: 28 de novembro de 2018.

Para conhecer mais sobre a história da educação dos negros no Brasil.

http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2013/6853_4712.pdf Acesso em: 22 de novembro de 2018.

Esta entrevista traz um ponto de vista muito interessante sobre a exclusão dos negros no sistema de ensino formal.

https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/por-que-negros-foram-excluidos-do-ensino-nos-periodos-imperial-e-republicano-96aaka56heq7qxjdcyml7v7m6/ Acesso em: 2 de dezembro de 2018.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 17 minutos.

Orientações: Professor, no final da aula, espera-se que os estudantes possam identificar que a história do Ensino Superior de Medicina no Brasil remete a um contexto historicamente recente (cerca de 200 anos) e de como esta modalidade de educação em geral foi implementada de modo que não permitiu igual acesso por parte da população brasileira, atendendo a critérios socioeconômicos e raciais. A partir disso, a proposta é que possam também refletir sobre como este histórico de seletividade do ensino superior pode impactar até os tempos atuais.

Para que esta reflexão seja desenvolvida pela turma, você poderá expor a fotomontagem (mulher escravizada no XIX sobreposta com imagem atual de prática médica) e solicitar que os estudantes elaborem um texto explicativo para ela, que contemple a respeito de:

1) O contexto estudado no passado: Quando foi criado o curso de Medicina no Brasil, especialmente no Rio de Janeiro da corte imperial? Como era constituída a população do Rio de Janeiro naquele contexto? Quem podia ter acesso àquele curso? Quais práticas eram possibilitadas à grande parcela da população negra e escravizada?

2) O contexto atual: A disponibilidade de universidades no Brasil. Como é o acesso ao ensino superior? As dificuldades enfrentadas pela população mais pobre para o acesso. As dificuldades enfrentadas especificamente pela população negra, devido às desigualdades e ao racismo ainda existentes. O que pode ser feito para diminuir as desigualdades de oportunidades com relação ao acesso à Educação Superior das pessoas mais pobres e historicamente preteridas (negros, indígenas, mulheres) - as cotas étnico-raciais e sociais.

As reflexões desenvolvidas pelos alunos poderão ser registradas abaixo da imagem e expostas em um mural para que todos possam ter conhecimento. Esta atividade de Sistematização também poderá ter continuidade, com a proposição de que os estudantes elaborem as suas próprias fotomontagens, refletindo os conhecimentos desenvolvidos.

Material para a Sistematização (fotomontagem com espaço para elaboração de texto explicativo).

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JZZnWGENpVpaSU6hdYfzGApMRtM3QVNNs6tqy6FtvX9j8yJ36k7zBAtFQMkf/his8-12und02-cotasmedicina.pdf

Para saber mais:

Para aprofundamento destas discussões junto aos estudantes, há um interessante quadrinho que propõe a reflexão acerca da noção de meritocracia:
“On a Plate” [em português, De Bandeja] Revista Fórum. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/quadrinho-desconstroi-o-conceito-de-meritocracia/ Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Entenda como funcionam as cotas no vestibular. Universia Brasil. Disponível em:

http://noticias.universia.com.br/cultura/noticia/2017/10/16/1156162/entenda-funcionam-cotas-vestibular.html Acesso em: 28 de novembro de 2018.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Este plano está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos . Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF08H12, de História, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

Materiais necessários: Projetor para as imagens (ou impressões) Impressão dos documentos para os estudantes.

Material complementar:

Reportagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JPbXXskZWhAHydCHCUmgPXQ2j5c9vt37BHD6jN3dghPTBRtuzznjDqE64yMY/his8-12und02-medicinaufrj.pdf

Histórico sobre a Escola de Anatomia Cirúrgica e Medicina do Rio de Janeiro.

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vuj2PGanRMKE7tRM2sPwAFcjQmNmP5V98bF59YsGMdwhgC2Zhw2DfFSFmHQw/his8-12und02-verbeteescolademedicina.pdf

Fotomontagem:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JZZnWGENpVpaSU6hdYfzGApMRtM3QVNNs6tqy6FtvX9j8yJ36k7zBAtFQMkf/his8-12und02-cotasmedicina.pdf

Para você saber mais:

Verbete completo sobre a Escola de Medicina do Rio de Janeiro. Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde do Brasil (1832-930) casa Oswaldo cruz - Fiocruz.

Disponível em: http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/pt/verbetes/escancimerj.htm#historico Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos.

Orientações: Apresente o tema aos alunos escrevendo-o no quadro ou lendo-o para a turma. Se estiver fazendo uso de projetor, apresente este slide e faça uma leitura coletiva.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Professor, neste momento a proposta é iniciar a aula discutindo a respeito da reportagem sobre o concorrido curso de Medicina da UFRJ, refletindo sobre o acesso aos cursos superiores no Brasil e sobre as profissões que os estudantes pretendem ter.

“Medicina na UFRJ é curso com maior nota de corte no Sisu”. EBC. 09/01/2014. Disponível em:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JPbXXskZWhAHydCHCUmgPXQ2j5c9vt37BHD6jN3dghPTBRtuzznjDqE64yMY/his8-12und02-medicinaufrj.pdf Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Para incentivar o diálogo, você pode propor algumas questões como:

  • Algum de vocês pretende ser médico?
  • Por que será que este curso é tão concorrido?
  • Como você acha que é a preparação para passar no vestibular do curso de Medicina?
  • Vocês têm alguém na família que é médico?
  • Quais profissões exigem cursos de nível superior?
  • Todas são tão concorridas quanto esta carreira?
  • Quantos de vocês têm pessoas com estudos superiores na família?
  • As carreiras que vocês pretendem desenvolver necessitam de estudos de nível superior?

Como adequar à sua realidade: Professor, procure saber se há o curso de Medicina e hospitais universitários na sua região, caso sim, é importante conversar com os alunos sobre quem tem acesso ao curso e aos hospitais públicos.

Vale também fazer o levantamento do preço da mensalidade do curso de Medicina na sua região para que os alunos percebam o quanto este curso é caro, quando feito em universidades particulares e que os estudantes que o frequentam devem fazê-lo em período integral, tornando muito difícil conseguir um emprego durante o período de faculdade.

Para você saber mais:

No Guia do Estudante as informações sobre o curso de Medicina descrevem a falta de vagas para residência médica e as dificuldades que o curso costuma apresentar. Disponível em: https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/pordentrodasprofissoes/dez-fatos-sobre-o-curso-e-a-carreira-de-medicina/ Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Cursos mais caros e mais baratos do Brasil. Guia do Estudante. Disponível em: https://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/os-cursos-mais-caros-e-os-mais-baratos-do-brasil/ Acesso em: 22 de novembro de 2018.

Para saber mais sobre o Sisu, veja: Sisu - Sistema de Seleção Unificada. Disponível em: http://sisu.mec.gov.br/tire-suas-duvidas Acesso em: 22 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 15 minutos.

Orientações: Professor, solicite aos alunos que leiam em grupos o documento com o trecho sobre o histórico da escola anatômica, cirúrgica e médica do Rio de Janeiro, que dará origem à Escola de Medicina da UFRJ. Nesta etapa, o objetivo é que o estudante conheça o contexto de criação da primeira Escola de Medicina do Rio de Janeiro, associada à vinda da Corte.

Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica do Rio de Janeiro

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/vuj2PGanRMKE7tRM2sPwAFcjQmNmP5V98bF59YsGMdwhgC2Zhw2DfFSFmHQw/his8-12und02-verbeteescolademedicina.pdf

Procure estimular um debate na turma com base em perguntas como:

  • Por que uma Escola de Medicina era importante para a cidade do Rio de Janeiro com a Corte aqui?
  • Por que os portugueses não haviam aberto uma Escola de Medicina no Rio de Janeiro antes?
  • Como ter Faculdade de Medicina no Rio de Janeiro era um sinal de mudança na educação oferecida no Brasil?
  • Como a vinda da Corte foi responsável por esta mudança?
  • Será que todos os colonos tinham acesso a esta Escola de Medicina? E os escravizados?
  • Quem poderia estudar e fazer este curso?
  • E hoje? Como é o acesso às Faculdades de Medicina no Brasil?

Como adequar à sua realidade: Poderão ser usados relatos dos próprios alunos se eles têm alguém da família que cursa Medicina ou se há algum relato de ex-alunos da escola que se disponham a conversar com a turma sobre como é cursar a Faculdade de Medicina. Também podem ser levantados relatos de alunos que tiveram que mudar de cidade para cursar Medicina ou fazer residência, já que as grandes faculdades estão localizadas em centros urbanos fazendo com que as pessoas de cidades pequenas precisem mudar-se para estudar.

Slide Plano Aula

Orientações: Professor, neste momento leia e analise com os alunos o documento: “Carta de Sangria” (1820)

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/wfATVrmNSAUQHpHpnAnHXsKgVxkW2MBh5SdP7BKCMqz3f4Kq5yqJzR9aj8te/his8-12und02-carta-de-sangria.pdf

A sangria era um tipo de tratamento aplicado a pessoas doentes que consistia na retirada de sangue do paciente para o tratamento. É interessante observar que a carta é de 1820, quando já havia sido criada a Escola de Medicina no Rio de Janeiro, o que indica que naquele momento o exercício de práticas médicas ainda não era exclusividade dos médicos formados no Brasil, como pretendiam com a criação da instituição (conforme o verbete anterior). Algumas pessoas ainda recorriam àqueles que possuíam “Carta de Sangria” em vez de médicos e vemos nesta fonte que um escravizado adquiriu licença para fazer algumas práticas médicas (embora oficialmente o acesso ao ensino formal fosse destinado apenas aos cidadãos, ou seja, àqueles que eram descendentes de portugueses, e negado aos escravizados).

Para uma análise desta fonte que contemple estas reflexões, algumas questões que podem ser consideradas são:

  • O que a Carta de Sangria permitia?
  • Quem era a pessoa que recebia a licença para tais práticas médicas?
  • Quais as evidências de que um escravizado estava recebendo a Carta de Sangria?
  • Por que uma pessoa submetida a tais condições [escravizada] recebia licença para tais práticas?
  • Será que era uma situação comum?
  • Esta situação era condizente com o projeto de criação da Escola de Medicina visto anteriormente?

Para saber mais: Alguns textos de lei são importantes para compreender sobre o acesso dos escravizados à educação durante o século XIX.

Estas leis são posteriores às datas dos documentos, vale lembrar que até a Independência, em 1822, a lei que vigorava no Brasil era a mesma de Portugal, que permitia acesso à educação formal aos cidadãos portugueses (nascidos na colônia, porém filhos de portugueses).

Sobre a educação na colônia:

http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-72502009000200008 Acesso em: 2 de dezembro de 2018.

Leis posteriores que excluíram escravizados do processo de educação formal exemplo:

Decreto nº 1.331, de fevereiro de 1854

http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro-1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html

No artigo 69, dispõe sobre quem não podia ser matriculado nas escolas públicas, entre eles os escravizados.

Slide Plano Aula

Orientações: Professor, a imagem deve ser projetada para que os alunos possam vê-la e as questões abaixo podem ser feitas para ajudar na interpretação da imagem:

  • O que está sendo representado na imagem?
  • Quais os elementos presentes na Carta de Sangria podemos identificar na imagem?
  • Qual foi o impacto que um curso de Medicina na colônia teve sobre o trabalho destes práticos?
  • A qual parcela da população a prática destas pessoas devia atender?
  • Seria possível que estas pessoas, mesmo com a experiência “médica” que tinham enquanto barbeiros e sangradores acessassem a Faculdade de Medicina?

A discussão sobre esta fonte poderá fazer com que os estudantes cheguem a algumas conclusões sobre a desigualdade de oportunidades de acesso ao ensino superior que iniciou no período colonial e se propaga nos dias atuais. Indicando por meio das fontes que pessoas negras, mesmo tendo os saberes necessários para a atuação como médicos-práticos, quando a “profissionalização” chegou, ela é oferecida apenas para a elite.

Fonte da imagem: DEBRET, Jean Baptiste [autor da aquarela original]; FRÉRES, Thyers, litogravura. Cirurgião negro. Litogravura. In: DEBRET, Jean-Baptiste. Voyage historique et pittoresque au Brésil, vol. II. Paris: Firmin Didot Frères, 1835.

Disponível em: www.vistaminhapele.com.br/wp-content/uploads/2017/12/escravos_ventosas_Debret.jpg Acesso em: 17/12/2018.

Para você saber mais:

Artigo sobre barbeiros cirurgiões no período colonial http://www.scielo.br/pdf/rh/n176/2316-9141-rh-176-a03116.pdf Acesso em: 17 de dezembro de 2018.

sobre as cotas e o acesso ao ensino superior você poderá saber mais aqui:

http://portal.mec.gov.br/cotas/perguntas-frequentes.html Acesso em: 28 de novembro de 2018.

Para conhecer mais sobre a história da educação dos negros no Brasil.

http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2013/6853_4712.pdf Acesso em: 22 de novembro de 2018.

Esta entrevista traz um ponto de vista muito interessante sobre a exclusão dos negros no sistema de ensino formal.

https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/por-que-negros-foram-excluidos-do-ensino-nos-periodos-imperial-e-republicano-96aaka56heq7qxjdcyml7v7m6/ Acesso em: 2 de dezembro de 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 17 minutos.

Orientações: Professor, no final da aula, espera-se que os estudantes possam identificar que a história do Ensino Superior de Medicina no Brasil remete a um contexto historicamente recente (cerca de 200 anos) e de como esta modalidade de educação em geral foi implementada de modo que não permitiu igual acesso por parte da população brasileira, atendendo a critérios socioeconômicos e raciais. A partir disso, a proposta é que possam também refletir sobre como este histórico de seletividade do ensino superior pode impactar até os tempos atuais.

Para que esta reflexão seja desenvolvida pela turma, você poderá expor a fotomontagem (mulher escravizada no XIX sobreposta com imagem atual de prática médica) e solicitar que os estudantes elaborem um texto explicativo para ela, que contemple a respeito de:

1) O contexto estudado no passado: Quando foi criado o curso de Medicina no Brasil, especialmente no Rio de Janeiro da corte imperial? Como era constituída a população do Rio de Janeiro naquele contexto? Quem podia ter acesso àquele curso? Quais práticas eram possibilitadas à grande parcela da população negra e escravizada?

2) O contexto atual: A disponibilidade de universidades no Brasil. Como é o acesso ao ensino superior? As dificuldades enfrentadas pela população mais pobre para o acesso. As dificuldades enfrentadas especificamente pela população negra, devido às desigualdades e ao racismo ainda existentes. O que pode ser feito para diminuir as desigualdades de oportunidades com relação ao acesso à Educação Superior das pessoas mais pobres e historicamente preteridas (negros, indígenas, mulheres) - as cotas étnico-raciais e sociais.

As reflexões desenvolvidas pelos alunos poderão ser registradas abaixo da imagem e expostas em um mural para que todos possam ter conhecimento. Esta atividade de Sistematização também poderá ter continuidade, com a proposição de que os estudantes elaborem as suas próprias fotomontagens, refletindo os conhecimentos desenvolvidos.

Material para a Sistematização (fotomontagem com espaço para elaboração de texto explicativo).

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JZZnWGENpVpaSU6hdYfzGApMRtM3QVNNs6tqy6FtvX9j8yJ36k7zBAtFQMkf/his8-12und02-cotasmedicina.pdf

Para saber mais:

Para aprofundamento destas discussões junto aos estudantes, há um interessante quadrinho que propõe a reflexão acerca da noção de meritocracia:
“On a Plate” [em português, De Bandeja] Revista Fórum. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/quadrinho-desconstroi-o-conceito-de-meritocracia/ Acesso em: 20 de novembro de 2018.

Entenda como funcionam as cotas no vestibular. Universia Brasil. Disponível em:

http://noticias.universia.com.br/cultura/noticia/2017/10/16/1156162/entenda-funcionam-cotas-vestibular.html Acesso em: 28 de novembro de 2018.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Os processos de independência nas Américas do 8º ano :

MAIS AULAS DE História do 8º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF08HI12 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de História

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano