16348
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Geografia > 7º ano > Conexões e escalas

Plano de aula - (Trans) formação histórica do território brasileiro

Plano de aula de Geografia com atividades para 7° ano do Fundamental sobre Identificar a (trans) formação do território brasileiro resultante da dinâmica histórica de uso e ocupação

Plano 01 de 5 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Suellen Freitas Stefanon Dos Santos

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07GE02 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

A mencionada habilidade visa desenvolver a capacidade do aluno analisar a importância dos fluxos de uso e ocupação na formação socioeconômica e territorial, entendendo conflitos e tensões relacionadas a essa formação. Compreender que o território brasileiro é um espaço dinâmico, passível de ser transformado através das atividades humanas, é o objetivo principal deste plano. O recurso utilizado como testemunho dessa transformação é o mapa histórico. Por meio do uso e da comparação dos mapas históricos, é possível identificar a ampliação da área e das fronteiras brasileiras até o século XX.

O agrupamento sugerido para execução da etapa de Ação Propositiva é a formação de três grandes grupos para análise de três mapas sob a metodologia de Rotação por Estações. Se desejar, organize agrupamentos menores, disponibilizando para isso o número necessário de cópias impressas de cada mapa ou de livros didáticos que contenham mapas históricos.

Materiais necessários: quadro, mapas (históricos e atual) do Brasil, caderno de registro dos alunos, lápis e borracha.

Material complementar:

Atividade para impressão: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JydZkH8QDJwJDNmmkvUWNk3qbmKcc5GCT6WNVZCAtfydJDrWPARqQTWEpnyu/geo7-02und01-acao-propositiva-atividade.pdf

Link para os mapas:

Contextualização: Mapa Político do IBGE - https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_brasil/brasil_politico.pdf

Ação Propositiva:

Mapa 1. Brasil no Planisfério de Cantino - 1502 https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b5970559x/f1.item.r=CANTINO.langPT.zoom

Mapa 2. Terra Brasilis Atlas Miller - 1519 https://bndigital.bn.gov.br/artigos/terra-brasilis/

Mapa 3. Carta da Viação Férrea do Brasil - 1910 https://www.loc.gov/resource/g5401p.br000060/?r=-0.048,0.271,1.092,0.413,0

Caso não seja possível realizar a impressão dos mapas para a atividade da Ação Propositiva, escolha mapas à sua disposição utilizando os seguintes critérios:

  • Serem mapas do passado sobre o território brasileiro;
  • Possuírem elementos simbólicos do uso econômico e da ocupação populacional;
  • Demonstrarem a evolução da extensão territorial e das fronteiras.

Para você saber mais:

O território brasileiro atual formou-se através dos processos de ocupação e do desenvolvimento de atividades econômicas que tiveram início no período de colonização. Costuma-se, em bibliografia, dividir a história desse processo em quatro fases relacionadas aos séculos em que ocorreram: XVI, XVII, XVIII e XIX. Cada século possui suas particularidades, pois cada ciclo macroeconômico foi acompanhado de ciclos secundários e, consequentemente, de fluxos populacionais em direção ao interior daquele que, mais tarde, seria o território brasileiro. A exploração do pau-brasil e das drogas do sertão, o cultivo da cana-de-açúcar, a extração do ouro e o plantio do café são exemplos da evolução da economia brasileira, cuja distribuição espacial era, até século XIX, em formato de arquipélago. Para informações detalhadas sobre essa questão ver:

BOLIGIAN, Levon . et al. ?Geografia: espaço e vivência - 7º ano.? 5?ª ed. São Paulo: Atual, 2013 (capítulo 2);

THÉRY, Hervé e DE MELLO, Neli. Atlas do Brasil: Disparidades e dinâmicas do território. 3ª ed. São Paulo: EDUSP, 2018 (capítulo 2).

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Projete o tema aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

O percurso da aula visa contextualizar a conformação territorial atual do Brasil e problematizá-la como o resultado de processos históricos de apropriação de terras com a finalidade de ocupá-las e utilizá-las economicamente. O mapa histórico foi o recurso selecionado não apenas como registro espacializado das transformações territoriais, mas também para identificação de um discurso ideológico contido nele. Por isso, na etapa de Ação Propositiva, os alunos são convidados a realizar uma observação atenta, indicando algumas características linguísticas de cada mapa. Como uma maneira de sistematizar o conhecimento, os alunos comparam os mapas com a finalidade de compreender que o território atual é resultado de um processo histórico de construção.

Para você saber mais: Você poderá encontrar mais informações sobre o conceito de território em:

PENA, Rodolfo F. Alves. O que é território?. Brasil Escola. Disponível em https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/geografia/o-que-e-territorio.htm. Acesso em 16 de novembro de 2018.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Território na geografia de Milton Santos. São Paulo: Annablume, 2013.

Contextualização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos

Orientações: Por meio da projeção desse mapa ou da utilização de um mapa político do Brasil que estiver disponível em sua escola, inicie a etapa de contextualização perguntando aos alunos:

  • Qual território e como está sendo representado neste mapa?
  • O território brasileiro sempre teve essa “forma”?
  • Como podemos investigar as mudanças que aconteceram nas fronteiras, na extensão e na ocupação do território brasileiro?

Por meio dos questionamentos e do mapa, os alunos serão capazes de identificar o território brasileiro. A segunda pergunta deverá fomentar o debate sobre a formação do território: as fronteiras foram estabelecidas dessa maneira desde o período colonial ou houve um processo histórico de construção do território brasileiro? Conduzindo as falas pela ideia de que o território mudou devido ao avanço da ocupação e das atividades econômicas, valorize as possíveis maneiras de investigação que os alunos mencionem na questão 3 para identificar essa mudanças. Outras maneiras de identificar essas transformações é através do registro dos meios de comunicação, de documentos oficiais e de fotografias.

Mapa Político do IBGE - https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_brasil/brasil_politico.pdf

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/9GXZhbdPVAuREZJTJ2hESUUepyeGVjQ9KUQ3d4v6N2qyx498FkGK75BEBK9j/geo7-02und01-mapa-brasil-politico-ibge.pdf

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 15 e 20 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. E ao passo que for apresentando fomente que pensem nas características que os mapas apontam, relacione ao momento histórico e tipo de ocupação do solo que se dava, para instigar uma leitura visual do que os mapas tomam como referência. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 20 e 30 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 20 e 30 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Problematização select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 20 e 30 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 18 minutos

Orientações: Nesse momento, organize a sala em três grandes grupos com o objetivo inicial de destinar a cada grupo uma cópia de um dos mapas:

Mapa 1. Brasil no Planisfério de Cantino - 1502 https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b5970559x/f1.item.r=CANTINO.langPT.zoom

Mapa 2. Terra Brasilis Atlas Miller - 1519 https://bndigital.bn.gov.br/artigos/terra-brasilis/

Mapa 3. Carta da Viação Férrea do Brasil - 1910 https://www.loc.gov/resource/g5401p.br000060/?r=-0.048,0.271,1.092,0.413,0

A dinâmica aqui sugerida é inspirada na metodologia de Rotação por Estações, com 3 rodadas de 6 minutos. Embora os agrupamentos de alunos não se movam, os diferentes mapas se “moverão” passando por todos os grupos, de maneira que todos os alunos possam analisar cada um dos mapas.

Se julgar mais profícuo, organize agrupamentos menores, disponibilizando para isso o número necessário de cópias impressas de cada mapa ou de livros didáticos que contenham mapas históricos. Caso mantenha a proposta de rotação, alterne a distribuição de forma que seja possível cada grupo ter acesso aos três mapas.

Projete, escreva no quadro ou imprima as questões a serem respondidas pelos alunos a partir da observação dos mapas:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JydZkH8QDJwJDNmmkvUWNk3qbmKcc5GCT6WNVZCAtfydJDrWPARqQTWEpnyu/geo7-02und01-acao-propositiva-atividade.pdf

Cuide para que todos os grupos executem a atividade conforme sugerida na orientação, organizando o tempo para troca dos mapas. Circule pela sala, acompanhe o trabalho e tire dúvidas.

Ao final dessa etapa, cada grupo terá 3 conjuntos de resposta. Não esqueça de identificar numericamente os mapas ou nomeá-los.

Para você saber mais: Mais informações sobre a metodologia de Rotação por Estações são encontradas em:

SADDAKI, Claudio. Para uma aula diferente, aposte na Rotação por Estações de Aprendizagem. Nova Escola. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/3352/blog-aula-diferente-rotacao-estacoes-de-aprendizagem>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Instituto Crescer. Rotação por Estações - Planejando uma Aula Inovadora. 2018. (1m44s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QUBGupaKl3U>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Os elementos de mapa da cartografia convencional - título, escala, legenda, orientação e projeção cartográfica - podem não estar presentes nos mapas do passado. Contudo, são comuns elementos de decoração. Segundo Brian Harley, a decoração cartográfica não possui finalidade estritamente estética, mas revela a função ideológica dos mapas. Esses elementos podem ser “títulos, letras, molduras, vinhetas, dedicatórias, rosas dos ventos, bordados decorativos”. Portanto, na questão 3, os alunos identificarão também esses elementos.

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

Ação Propositiva select-down

Slide Plano Aula

Orientações: Nesse momento, organize a sala em três grandes grupos com o objetivo inicial de destinar a cada grupo uma cópia de um dos mapas:

Mapa 1. Brasil no Planisfério de Cantino - 1502 https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b5970559x/f1.item.r=CANTINO.langPT.zoom

Mapa 2. Terra Brasilis Atlas Miller - 1519 https://bndigital.bn.gov.br/artigos/terra-brasilis/

Mapa 3. Carta da Viação Férrea do Brasil - 1910 https://www.loc.gov/resource/g5401p.br000060/?r=-0.048,0.271,1.092,0.413,0

A dinâmica aqui sugerida é inspirada na metodologia de Rotação por Estações, com 3 rodadas de 6 minutos. Embora os agrupamentos de alunos não se movam, os diferentes mapas se “moverão” passando por todos os grupos, de maneira que todos os alunos possam analisar cada um dos mapas.

Se julgar mais profícuo, organize agrupamentos menores, disponibilizando para isso o número necessário de cópias impressas de cada mapa ou de livros didáticos que contenham mapas históricos. Caso mantenha a proposta de rotação, alterne a distribuição de forma que seja possível cada grupo ter acesso aos três mapas.

Projete, escreva no quadro ou imprima as questões a serem respondidas pelos alunos a partir da observação dos mapas:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JydZkH8QDJwJDNmmkvUWNk3qbmKcc5GCT6WNVZCAtfydJDrWPARqQTWEpnyu/geo7-02und01-acao-propositiva-atividade.pdf

Cuide para que todos os grupos executem a atividade conforme sugerida na orientação, organizando o tempo para troca dos mapas. Circule pela sala, acompanhe o trabalho e tire dúvidas.

Ao final dessa etapa, cada grupo terá 3 conjuntos de resposta. Não esqueça de identificar numericamente os mapas ou nomeá-los.

Para você saber mais: Mais informações sobre a metodologia de Rotação por Estações são encontradas em:

SADDAKI, Claudio. Para uma aula diferente, aposte na Rotação por Estações de Aprendizagem. Nova Escola. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/3352/blog-aula-diferente-rotacao-estacoes-de-aprendizagem>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Instituto Crescer. Rotação por Estações - Planejando uma Aula Inovadora. 2018. (1m44s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QUBGupaKl3U>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Os elementos de mapa da cartografia convencional - título, escala, legenda, orientação e projeção cartográfica - podem não estar presentes nos mapas do passado. Contudo, são comuns elementos de decoração. Segundo Brian Harley, a decoração cartográfica não possui finalidade estritamente estética, mas revela a função ideológica dos mapas. Esses elementos podem ser “títulos, letras, molduras, vinhetas, dedicatórias, rosas dos ventos, bordados decorativos”. Portanto, na questão 3, os alunos identificarão também esses elementos.

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

Sistematização select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos

Orientações: Realize um levantamento das respostas dadas pelos alunos na etapa de proposição, sistematizando-as de maneira coletiva e colaborativa no quadro. Você também pode chamar alunos ao quadro para responder. Essa é a oportunidade que eles terão de compartilhar as respostas e avaliá-las.

Sabendo, portanto, que os alunos compreenderam como identificar as mudanças territoriais através dos mapas, o resgate da questão inicial reformulada visa refletir sobre como a sequência de mapas do passado revela a expansão de fronteiras através do uso e ocupação do território. Estimule os alunos a exporem suas respostas para essa pergunta e promova uma conversa sobre esse assunto.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide em específico não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre este plano: Ele está previsto para ser realizado em uma aula de 50 minutos. Serão abordados aspectos que fazem parte do trabalho com a habilidade EF07GE02 de Geografia, que consta na BNCC. Como a habilidade deve ser desenvolvida ao longo de todo o ano, você observará que ela não será contemplada em sua totalidade aqui e que as propostas podem ter continuidade em aulas subsequentes.

A mencionada habilidade visa desenvolver a capacidade do aluno analisar a importância dos fluxos de uso e ocupação na formação socioeconômica e territorial, entendendo conflitos e tensões relacionadas a essa formação. Compreender que o território brasileiro é um espaço dinâmico, passível de ser transformado através das atividades humanas, é o objetivo principal deste plano. O recurso utilizado como testemunho dessa transformação é o mapa histórico. Por meio do uso e da comparação dos mapas históricos, é possível identificar a ampliação da área e das fronteiras brasileiras até o século XX.

O agrupamento sugerido para execução da etapa de Ação Propositiva é a formação de três grandes grupos para análise de três mapas sob a metodologia de Rotação por Estações. Se desejar, organize agrupamentos menores, disponibilizando para isso o número necessário de cópias impressas de cada mapa ou de livros didáticos que contenham mapas históricos.

Materiais necessários: quadro, mapas (históricos e atual) do Brasil, caderno de registro dos alunos, lápis e borracha.

Material complementar:

Atividade para impressão: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JydZkH8QDJwJDNmmkvUWNk3qbmKcc5GCT6WNVZCAtfydJDrWPARqQTWEpnyu/geo7-02und01-acao-propositiva-atividade.pdf

Link para os mapas:

Contextualização: Mapa Político do IBGE - https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_brasil/brasil_politico.pdf

Ação Propositiva:

Mapa 1. Brasil no Planisfério de Cantino - 1502 https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b5970559x/f1.item.r=CANTINO.langPT.zoom

Mapa 2. Terra Brasilis Atlas Miller - 1519 https://bndigital.bn.gov.br/artigos/terra-brasilis/

Mapa 3. Carta da Viação Férrea do Brasil - 1910 https://www.loc.gov/resource/g5401p.br000060/?r=-0.048,0.271,1.092,0.413,0

Caso não seja possível realizar a impressão dos mapas para a atividade da Ação Propositiva, escolha mapas à sua disposição utilizando os seguintes critérios:

  • Serem mapas do passado sobre o território brasileiro;
  • Possuírem elementos simbólicos do uso econômico e da ocupação populacional;
  • Demonstrarem a evolução da extensão territorial e das fronteiras.

Para você saber mais:

O território brasileiro atual formou-se através dos processos de ocupação e do desenvolvimento de atividades econômicas que tiveram início no período de colonização. Costuma-se, em bibliografia, dividir a história desse processo em quatro fases relacionadas aos séculos em que ocorreram: XVI, XVII, XVIII e XIX. Cada século possui suas particularidades, pois cada ciclo macroeconômico foi acompanhado de ciclos secundários e, consequentemente, de fluxos populacionais em direção ao interior daquele que, mais tarde, seria o território brasileiro. A exploração do pau-brasil e das drogas do sertão, o cultivo da cana-de-açúcar, a extração do ouro e o plantio do café são exemplos da evolução da economia brasileira, cuja distribuição espacial era, até século XIX, em formato de arquipélago. Para informações detalhadas sobre essa questão ver:

BOLIGIAN, Levon . et al. ?Geografia: espaço e vivência - 7º ano.? 5?ª ed. São Paulo: Atual, 2013 (capítulo 2);

THÉRY, Hervé e DE MELLO, Neli. Atlas do Brasil: Disparidades e dinâmicas do território. 3ª ed. São Paulo: EDUSP, 2018 (capítulo 2).

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Projete o tema aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

O percurso da aula visa contextualizar a conformação territorial atual do Brasil e problematizá-la como o resultado de processos históricos de apropriação de terras com a finalidade de ocupá-las e utilizá-las economicamente. O mapa histórico foi o recurso selecionado não apenas como registro espacializado das transformações territoriais, mas também para identificação de um discurso ideológico contido nele. Por isso, na etapa de Ação Propositiva, os alunos são convidados a realizar uma observação atenta, indicando algumas características linguísticas de cada mapa. Como uma maneira de sistematizar o conhecimento, os alunos comparam os mapas com a finalidade de compreender que o território atual é resultado de um processo histórico de construção.

Para você saber mais: Você poderá encontrar mais informações sobre o conceito de território em:

PENA, Rodolfo F. Alves. O que é território?. Brasil Escola. Disponível em https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/geografia/o-que-e-territorio.htm. Acesso em 16 de novembro de 2018.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Território na geografia de Milton Santos. São Paulo: Annablume, 2013.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 7 minutos

Orientações: Por meio da projeção desse mapa ou da utilização de um mapa político do Brasil que estiver disponível em sua escola, inicie a etapa de contextualização perguntando aos alunos:

  • Qual território e como está sendo representado neste mapa?
  • O território brasileiro sempre teve essa “forma”?
  • Como podemos investigar as mudanças que aconteceram nas fronteiras, na extensão e na ocupação do território brasileiro?

Por meio dos questionamentos e do mapa, os alunos serão capazes de identificar o território brasileiro. A segunda pergunta deverá fomentar o debate sobre a formação do território: as fronteiras foram estabelecidas dessa maneira desde o período colonial ou houve um processo histórico de construção do território brasileiro? Conduzindo as falas pela ideia de que o território mudou devido ao avanço da ocupação e das atividades econômicas, valorize as possíveis maneiras de investigação que os alunos mencionem na questão 3 para identificar essa mudanças. Outras maneiras de identificar essas transformações é através do registro dos meios de comunicação, de documentos oficiais e de fotografias.

Mapa Político do IBGE - https://atlasescolar.ibge.gov.br/images/atlas/mapas_brasil/brasil_politico.pdf

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/9GXZhbdPVAuREZJTJ2hESUUepyeGVjQ9KUQ3d4v6N2qyx498FkGK75BEBK9j/geo7-02und01-mapa-brasil-politico-ibge.pdf

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 3 minutos

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 15 e 20 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. E ao passo que for apresentando fomente que pensem nas características que os mapas apontam, relacione ao momento histórico e tipo de ocupação do solo que se dava, para instigar uma leitura visual do que os mapas tomam como referência. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Slide Plano Aula

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 20 e 30 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Slide Plano Aula

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 20 e 30 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Slide Plano Aula

Orientações: Projete a pergunta aos alunos, escreva no quadro ou fale para a turma.

Nesta etapa, mostre os três mapas do passado aos alunos, dedicando entre 20 e 30 segundos para transição entre cada slide. Peça aos alunos que observem com atenção os mapas. Esta é a oportunidade dos alunos terem um primeiro contato visual com os mapas, antes de analisá-los na etapa de Ação Propositiva.

Aproveite para reforçar o mapa como uma ferramenta que representa uma visão sobre o espaço geográfico, pois ele é elaborado por alguém, com o conhecimento contemporâneo disponível à sua criação. Sobretudo os históricos, os mapas testemunham mudanças territoriais e de fronteiras por meio da representação de símbolos - iconografia - e dos elementos cartográficos.

Se não for possível projetar os mapas, apresente a pergunta, explique a importância dos mapas e encaminhe a aula para Ação Propositiva.

Para você saber mais:

Como artifício metodológico, esse plano de aula compreende os mapas enquanto linguagem, pois, em sua capacidade discursiva, dotada de poder ideológico. O mapas são produtos de múltiplos contextos: do cartógrafo que o produziu; de outros mapas contemporâneos; e da sociedade. Portanto, ao analisar mapas históricos, é necessário ter em mente a necessidade de obter informações sobre esses contextos. Para referências sobre esse tema, ver:

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

HARLEY, J. B. La nueva naturaleza de los mapas: ensayos sobre la historia de la cartografía. México: Tezontle, 2005.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 18 minutos

Orientações: Nesse momento, organize a sala em três grandes grupos com o objetivo inicial de destinar a cada grupo uma cópia de um dos mapas:

Mapa 1. Brasil no Planisfério de Cantino - 1502 https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b5970559x/f1.item.r=CANTINO.langPT.zoom

Mapa 2. Terra Brasilis Atlas Miller - 1519 https://bndigital.bn.gov.br/artigos/terra-brasilis/

Mapa 3. Carta da Viação Férrea do Brasil - 1910 https://www.loc.gov/resource/g5401p.br000060/?r=-0.048,0.271,1.092,0.413,0

A dinâmica aqui sugerida é inspirada na metodologia de Rotação por Estações, com 3 rodadas de 6 minutos. Embora os agrupamentos de alunos não se movam, os diferentes mapas se “moverão” passando por todos os grupos, de maneira que todos os alunos possam analisar cada um dos mapas.

Se julgar mais profícuo, organize agrupamentos menores, disponibilizando para isso o número necessário de cópias impressas de cada mapa ou de livros didáticos que contenham mapas históricos. Caso mantenha a proposta de rotação, alterne a distribuição de forma que seja possível cada grupo ter acesso aos três mapas.

Projete, escreva no quadro ou imprima as questões a serem respondidas pelos alunos a partir da observação dos mapas:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JydZkH8QDJwJDNmmkvUWNk3qbmKcc5GCT6WNVZCAtfydJDrWPARqQTWEpnyu/geo7-02und01-acao-propositiva-atividade.pdf

Cuide para que todos os grupos executem a atividade conforme sugerida na orientação, organizando o tempo para troca dos mapas. Circule pela sala, acompanhe o trabalho e tire dúvidas.

Ao final dessa etapa, cada grupo terá 3 conjuntos de resposta. Não esqueça de identificar numericamente os mapas ou nomeá-los.

Para você saber mais: Mais informações sobre a metodologia de Rotação por Estações são encontradas em:

SADDAKI, Claudio. Para uma aula diferente, aposte na Rotação por Estações de Aprendizagem. Nova Escola. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/3352/blog-aula-diferente-rotacao-estacoes-de-aprendizagem>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Instituto Crescer. Rotação por Estações - Planejando uma Aula Inovadora. 2018. (1m44s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QUBGupaKl3U>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Os elementos de mapa da cartografia convencional - título, escala, legenda, orientação e projeção cartográfica - podem não estar presentes nos mapas do passado. Contudo, são comuns elementos de decoração. Segundo Brian Harley, a decoração cartográfica não possui finalidade estritamente estética, mas revela a função ideológica dos mapas. Esses elementos podem ser “títulos, letras, molduras, vinhetas, dedicatórias, rosas dos ventos, bordados decorativos”. Portanto, na questão 3, os alunos identificarão também esses elementos.

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

Slide Plano Aula

Orientações: Nesse momento, organize a sala em três grandes grupos com o objetivo inicial de destinar a cada grupo uma cópia de um dos mapas:

Mapa 1. Brasil no Planisfério de Cantino - 1502 https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b5970559x/f1.item.r=CANTINO.langPT.zoom

Mapa 2. Terra Brasilis Atlas Miller - 1519 https://bndigital.bn.gov.br/artigos/terra-brasilis/

Mapa 3. Carta da Viação Férrea do Brasil - 1910 https://www.loc.gov/resource/g5401p.br000060/?r=-0.048,0.271,1.092,0.413,0

A dinâmica aqui sugerida é inspirada na metodologia de Rotação por Estações, com 3 rodadas de 6 minutos. Embora os agrupamentos de alunos não se movam, os diferentes mapas se “moverão” passando por todos os grupos, de maneira que todos os alunos possam analisar cada um dos mapas.

Se julgar mais profícuo, organize agrupamentos menores, disponibilizando para isso o número necessário de cópias impressas de cada mapa ou de livros didáticos que contenham mapas históricos. Caso mantenha a proposta de rotação, alterne a distribuição de forma que seja possível cada grupo ter acesso aos três mapas.

Projete, escreva no quadro ou imprima as questões a serem respondidas pelos alunos a partir da observação dos mapas:

https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/JydZkH8QDJwJDNmmkvUWNk3qbmKcc5GCT6WNVZCAtfydJDrWPARqQTWEpnyu/geo7-02und01-acao-propositiva-atividade.pdf

Cuide para que todos os grupos executem a atividade conforme sugerida na orientação, organizando o tempo para troca dos mapas. Circule pela sala, acompanhe o trabalho e tire dúvidas.

Ao final dessa etapa, cada grupo terá 3 conjuntos de resposta. Não esqueça de identificar numericamente os mapas ou nomeá-los.

Para você saber mais: Mais informações sobre a metodologia de Rotação por Estações são encontradas em:

SADDAKI, Claudio. Para uma aula diferente, aposte na Rotação por Estações de Aprendizagem. Nova Escola. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/3352/blog-aula-diferente-rotacao-estacoes-de-aprendizagem>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Instituto Crescer. Rotação por Estações - Planejando uma Aula Inovadora. 2018. (1m44s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=QUBGupaKl3U>. Acesso em 14 de novembro de 2018.

Os elementos de mapa da cartografia convencional - título, escala, legenda, orientação e projeção cartográfica - podem não estar presentes nos mapas do passado. Contudo, são comuns elementos de decoração. Segundo Brian Harley, a decoração cartográfica não possui finalidade estritamente estética, mas revela a função ideológica dos mapas. Esses elementos podem ser “títulos, letras, molduras, vinhetas, dedicatórias, rosas dos ventos, bordados decorativos”. Portanto, na questão 3, os alunos identificarão também esses elementos.

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. In Peter Gould e Antoine Bailly. Le pouvoir des cartes et la cartographie. Paris, Antropos, 1995, p. 19-51. Traduzido por Mônica Balestrin Nunes. https://journals.openedition.org/confins/5724?lang=pt#tocto Acesso em: 11.nov.2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 20 minutos

Orientações: Realize um levantamento das respostas dadas pelos alunos na etapa de proposição, sistematizando-as de maneira coletiva e colaborativa no quadro. Você também pode chamar alunos ao quadro para responder. Essa é a oportunidade que eles terão de compartilhar as respostas e avaliá-las.

Sabendo, portanto, que os alunos compreenderam como identificar as mudanças territoriais através dos mapas, o resgate da questão inicial reformulada visa refletir sobre como a sequência de mapas do passado revela a expansão de fronteiras através do uso e ocupação do território. Estimule os alunos a exporem suas respostas para essa pergunta e promova uma conversa sobre esse assunto.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Conexões e escalas do 7º ano :

MAIS AULAS DE Geografia do 7º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF07GE02 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Geografia

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano