15657
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Língua Portuguesa > 6º ano > Análise linguística/Semiótica

Plano de aula - Pontuação

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 6º ano do EF sobre Pontuação

Plano 02 de 3 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Kelli Cristina Olbi De Moraes

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é segunda aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística e semiótica. A finalidade desse conjunto de planos é exercitar os sinais de exclamação, interrogação e ponto final dentro de cartas pessoais.

Materiais necessários: Computador conectado à internet, projetor multimídia, tela, quadro e cópias do texto.

Dificuldades antecipadas: Podem ocorrer questionamentos quanto à possibilidade de se utilizar distintos sinais de pontuação em uma mesma frase.

Referências sobre o assunto:

http://www.aulete.com.br/site.php?mdl=gramatica (acesso em 06/10/2018).

http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario (acesso em 06/10/2018).

POSSENTI, Sírio. Aprendendo a escrever (re) escrevenedo. Brasília: MEC; Campinas: IEL/Unicamp 2005. (acessado em 02/10/2018)

https://gutennews.com.br (acesso em 06/10/2018).

Pontuação: a gramática da legibilidade” de Telma Weisz. Disponível em http://ead.bauru.sp.gov.br/efront/www/content/lessons/46/Texto%20para%20leitura%20pontuacao-gramatica-legibilidade-weisz.pdf (acesso em 06/10/2018).

https://www.netflix.com/watch/80243761?trackId=200257859 (vide observação abaixo)

Atenção, professor: No momento em que este plano está sendo escrito, encontra-se à disposição na Netflix um documentário intitulado “Explicando”. Ele aborda assuntos diversificados, de um modo rápido e bastante acessível. Um das opções ofertadas pelo documentário refere-se à pontuação e se chama “!”. Se for de seu interesse, assista-o, considerando as informações que possam enriquecer seus planos de aula.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente a proposta da aula aos alunos e verifique o que já sabem a respeito da pontuação.

Introdução select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações:

  • Projete o slide e solicite que os alunos verifiquem as diferenças que a pontuação pode acarretar em frases com enunciados idênticos. Vale lembrá-los que, entre as várias regras presentes na pontuação, uma delas é a de que o ponto final, de exclamação e interrogação sempre aparecem ao final de frases.
  • Peça que algum estudante explique aos colegas as diferenças de sentido entre as frases I e II. Outro poderá fazer o mesmo com as frases III e IV.

Atenção, professor: Seguem sugestões de respostas para as atividades deste slide. Espera-se que o grupo chegue à conclusão de que a frase I, ao fazer uso do ponto final, introduz uma afirmação - ou seja, o emissor afirma a seu interlocutor que somente alguém se mudou. Na frase II, observa-se que o interlocutor faz uma pergunta em que demonstra querer saber se somente alguém se mudou. O mesmo efeito de sentido aparece na frase III, quando o interlocutor pergunta a outro se eles se verão em julho. Por fim, na frase IV, é notória a surpresa do interlocutor ao saber eles se verão somente em julho.

Atenção, professor:

Se lhe parecer necessário, ressalte ao grupo que frases soltas admite que o leitor as pontue do modo que melhor lhe convém, segundo sua vontade ou necessidade. Já dentro de um texto, esta liberdade não é possível, uma vez que as frases que o compõem devem estar articuladas contribuindo para sua coesão.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • Este slide só deverá ser projetado no momento da correção da atividade realizada em folha à parte.
  • Está reproduzido no slide uma carta pessoal.
  • Distribua a cada aluno uma cópia do texto e solicite que, após uma leitura minuciosa, pontuem-na adequadamente, considerando tudo o que já aprenderam sobre os sinais de pontuação.
  • Você poderá fornecer “pistas” aos alunos, como por exemplo, as letras maiúsculas sempre aparecem após o ponto final ou com o uso de nomes próprios.
  • Esta atividade poderá ser feita individualmente, em dupla ou em grupos. Verifique a possibilidade que melhor atenda às suas necessidades e às do grupo.
  • Concluída a leitura da carta e a exercitação da pontuação, projete-a e solicite que os estudantes verifiquem quais sinais a autora utilizou no texto original. Peça que comparem com os sinais que eles utilizaram. Possivelmente haverá divergência entre os sinais utilizados por ambos. Analise cada caso, sempre evidenciando as possíveis alterações que a troca dos sinais acarreta ao texto. Explique ao grupo que, enquanto a pontuação é uma representação gráfica que aparece no papel, a entonação nada mais é do que a pontuação que colocamos em um texto falado.
  • É importante que fique claro ao grupo que os sinais de pontuação são imprescindíveis para que a comunicação se efetive de forma satisfatória, colaborando assim para o entendimento do texto por parte do leitor. Ainda que os sinais de pontuação sejam o foco deste plano, seguem algumas sugestões referentes ao gênero carta. Se lhe parecer oportuno, poderá abordá-las em sala.
  • Apresente sucintamente este gênero textual dizendo que, ainda que esteja em desuso nos dias atuais, a carta já foi um importante instrumento de comunicação, portadora de boas ou más notícias. Pergunte ao grupo:
  • Quem já escreveu uma carta? Quem já recebeu uma?
  • Como se chama quem envia uma carta? E quem recebe?
  • Que dados são imprescindíveis em uma carta?
  • Como as cartas chegam até seus destinos?
  • As cartas tratam de um tema específico?
  • Qual a carta mais antiga de que já ouviram falar?
  • Alguém já pegou alguma cartinha de Natal no correio?
  • O whatsapp e o e-mail podem ser considerados um tipo de “carta da atualidade” ? Em caso afirmativo, o que os diferencia?
  • Seguem possíveis respostas para as perguntas:
  • Resposta pessoal.
  • Quem envia uma carta se chama remetente e quem a recebe se chama destinatário.
  • São imprescindíveis na carta os seguintes dados (tanto do remetente quanto do destinatário): Nome, endereço, bairro, cidade, estado e código postal.
  • As cartas, na maioria das vezes, são entregues pelos Correios.
  • Não. Cada carta trata de um tema que seja do interesse do remetente e do destinatário.
  • Resposta pessoal. A mais antiga de que já ouvi falar é a “Carta de Caminha”. É considerada a “certidão” de nascimento do Brasil.
  • Resposta pessoal.
  • Sim, a diferença entre eles e a carta é o suporte utilizado (celular, notebook, papel) e o modo como são escritos. O e-mail, ainda que seja um modo de comunicação mais informal, apresenta uma maior formalidade na linguagem se comparado ao whatsapp. Já a linguagem presente na carta pode ser formal ou informal; dependendo do assunto, do grau de intimidade e da intenção de quem a escreve e de quem a recebe.
  • Verifique junto ao grupo o tipo de linguagem utilizada na carta. Pergunte à turma se é formal ou informal. Espera-se que eles respondam que a linguagem é informal.

Materiais complementares: Carta sem pontuação para impressão.

Fechamento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos

Orientações:

  • Projete o slide de fechamento e solicite que os alunos registrem suas respostas no caderno.
  • Aproveite a carta dos slides 4 e 5 para explorar ao máximo os sinais de pontuação. Você poderá sugerir as seguintes atividades:
  • Logo no início da carta, no trecho “Oi, Amanda!”, aparece um ponto de exclamação. O que este sinal sugere na relação das duas amigas?
  • No 1º parágrafo da carta, as letras maiúsculas e minúsculas são utilizadas de modo aleatório. Por que isso acontece? Reescreva o fragmento respeitando as regras da gramática normativa da língua.
  • A frase “Só você se mudou.” aparece escrita com ponto final. Que sinal poderia ser utilizado sem que houvesse alteração de sentido?
  • Logo em seguida, aparece o fragmento “Amiga, realmente. Você vai fazer muita falta neste ano!” Que outros sinais de pontuação poderiam ser utilizados de modo que o sentido do trecho permanecesse o mesmo?
  • No finalzinho da carta aparece “A escola aí é legal?”. Como este mesmo fragmento poderia ser reescrito utilizando-se um ponto final, sem que a frase mude de sentido?

Atenção, professor: Seguem algumas sugestões de respostas para as perguntas feitas anteriormente:

  • O ponto de exclamação sugere intimidade entre ambas e uma forte carga sentimental da parte de Raquel.
  • As letras maiúsculas são utilizadas de modo aleatório para reafirmar a despreocupação com a escrita da carta e a relação de intimidade entre os garotos. Uma possível reescrita seria: ”Puxa! É tempo, hein?”
  • “Só você se mudou…” ou “Só você se mudou!”
  • “Amiga, realmente, você vai fazer muita falta neste ano!” ou “Amiga, realmente, você vai fazer muita falta neste ano.”
  • “Gostaria de saber se a escola aí é legal.”

Pode ser que os estudantes queiram utilizar vários sinais de exclamação simultaneamente como um recurso que reforça uma determinada ideia. Vale destacar que, em se tratando de uma troca de cartas entre amigos, não há nenhum tipo de problema nesta escolha.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é segunda aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística e semiótica. A finalidade desse conjunto de planos é exercitar os sinais de exclamação, interrogação e ponto final dentro de cartas pessoais.

Materiais necessários: Computador conectado à internet, projetor multimídia, tela, quadro e cópias do texto.

Dificuldades antecipadas: Podem ocorrer questionamentos quanto à possibilidade de se utilizar distintos sinais de pontuação em uma mesma frase.

Referências sobre o assunto:

http://www.aulete.com.br/site.php?mdl=gramatica (acesso em 06/10/2018).

http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario (acesso em 06/10/2018).

POSSENTI, Sírio. Aprendendo a escrever (re) escrevenedo. Brasília: MEC; Campinas: IEL/Unicamp 2005. (acessado em 02/10/2018)

https://gutennews.com.br (acesso em 06/10/2018).

Pontuação: a gramática da legibilidade” de Telma Weisz. Disponível em http://ead.bauru.sp.gov.br/efront/www/content/lessons/46/Texto%20para%20leitura%20pontuacao-gramatica-legibilidade-weisz.pdf (acesso em 06/10/2018).

https://www.netflix.com/watch/80243761?trackId=200257859 (vide observação abaixo)

Atenção, professor: No momento em que este plano está sendo escrito, encontra-se à disposição na Netflix um documentário intitulado “Explicando”. Ele aborda assuntos diversificados, de um modo rápido e bastante acessível. Um das opções ofertadas pelo documentário refere-se à pontuação e se chama “!”. Se for de seu interesse, assista-o, considerando as informações que possam enriquecer seus planos de aula.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 2 minutos

Orientações: Apresente a proposta da aula aos alunos e verifique o que já sabem a respeito da pontuação.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 10 minutos

Orientações:

  • Projete o slide e solicite que os alunos verifiquem as diferenças que a pontuação pode acarretar em frases com enunciados idênticos. Vale lembrá-los que, entre as várias regras presentes na pontuação, uma delas é a de que o ponto final, de exclamação e interrogação sempre aparecem ao final de frases.
  • Peça que algum estudante explique aos colegas as diferenças de sentido entre as frases I e II. Outro poderá fazer o mesmo com as frases III e IV.

Atenção, professor: Seguem sugestões de respostas para as atividades deste slide. Espera-se que o grupo chegue à conclusão de que a frase I, ao fazer uso do ponto final, introduz uma afirmação - ou seja, o emissor afirma a seu interlocutor que somente alguém se mudou. Na frase II, observa-se que o interlocutor faz uma pergunta em que demonstra querer saber se somente alguém se mudou. O mesmo efeito de sentido aparece na frase III, quando o interlocutor pergunta a outro se eles se verão em julho. Por fim, na frase IV, é notória a surpresa do interlocutor ao saber eles se verão somente em julho.

Atenção, professor:

Se lhe parecer necessário, ressalte ao grupo que frases soltas admite que o leitor as pontue do modo que melhor lhe convém, segundo sua vontade ou necessidade. Já dentro de um texto, esta liberdade não é possível, uma vez que as frases que o compõem devem estar articuladas contribuindo para sua coesão.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • Este slide só deverá ser projetado no momento da correção da atividade realizada em folha à parte.
  • Está reproduzido no slide uma carta pessoal.
  • Distribua a cada aluno uma cópia do texto e solicite que, após uma leitura minuciosa, pontuem-na adequadamente, considerando tudo o que já aprenderam sobre os sinais de pontuação.
  • Você poderá fornecer “pistas” aos alunos, como por exemplo, as letras maiúsculas sempre aparecem após o ponto final ou com o uso de nomes próprios.
  • Esta atividade poderá ser feita individualmente, em dupla ou em grupos. Verifique a possibilidade que melhor atenda às suas necessidades e às do grupo.
  • Concluída a leitura da carta e a exercitação da pontuação, projete-a e solicite que os estudantes verifiquem quais sinais a autora utilizou no texto original. Peça que comparem com os sinais que eles utilizaram. Possivelmente haverá divergência entre os sinais utilizados por ambos. Analise cada caso, sempre evidenciando as possíveis alterações que a troca dos sinais acarreta ao texto. Explique ao grupo que, enquanto a pontuação é uma representação gráfica que aparece no papel, a entonação nada mais é do que a pontuação que colocamos em um texto falado.
  • É importante que fique claro ao grupo que os sinais de pontuação são imprescindíveis para que a comunicação se efetive de forma satisfatória, colaborando assim para o entendimento do texto por parte do leitor. Ainda que os sinais de pontuação sejam o foco deste plano, seguem algumas sugestões referentes ao gênero carta. Se lhe parecer oportuno, poderá abordá-las em sala.
  • Apresente sucintamente este gênero textual dizendo que, ainda que esteja em desuso nos dias atuais, a carta já foi um importante instrumento de comunicação, portadora de boas ou más notícias. Pergunte ao grupo:
  • Quem já escreveu uma carta? Quem já recebeu uma?
  • Como se chama quem envia uma carta? E quem recebe?
  • Que dados são imprescindíveis em uma carta?
  • Como as cartas chegam até seus destinos?
  • As cartas tratam de um tema específico?
  • Qual a carta mais antiga de que já ouviram falar?
  • Alguém já pegou alguma cartinha de Natal no correio?
  • O whatsapp e o e-mail podem ser considerados um tipo de “carta da atualidade” ? Em caso afirmativo, o que os diferencia?
  • Seguem possíveis respostas para as perguntas:
  • Resposta pessoal.
  • Quem envia uma carta se chama remetente e quem a recebe se chama destinatário.
  • São imprescindíveis na carta os seguintes dados (tanto do remetente quanto do destinatário): Nome, endereço, bairro, cidade, estado e código postal.
  • As cartas, na maioria das vezes, são entregues pelos Correios.
  • Não. Cada carta trata de um tema que seja do interesse do remetente e do destinatário.
  • Resposta pessoal. A mais antiga de que já ouvi falar é a “Carta de Caminha”. É considerada a “certidão” de nascimento do Brasil.
  • Resposta pessoal.
  • Sim, a diferença entre eles e a carta é o suporte utilizado (celular, notebook, papel) e o modo como são escritos. O e-mail, ainda que seja um modo de comunicação mais informal, apresenta uma maior formalidade na linguagem se comparado ao whatsapp. Já a linguagem presente na carta pode ser formal ou informal; dependendo do assunto, do grau de intimidade e da intenção de quem a escreve e de quem a recebe.
  • Verifique junto ao grupo o tipo de linguagem utilizada na carta. Pergunte à turma se é formal ou informal. Espera-se que eles respondam que a linguagem é informal.

Materiais complementares: Carta sem pontuação para impressão.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 8 minutos

Orientações:

  • Projete o slide de fechamento e solicite que os alunos registrem suas respostas no caderno.
  • Aproveite a carta dos slides 4 e 5 para explorar ao máximo os sinais de pontuação. Você poderá sugerir as seguintes atividades:
  • Logo no início da carta, no trecho “Oi, Amanda!”, aparece um ponto de exclamação. O que este sinal sugere na relação das duas amigas?
  • No 1º parágrafo da carta, as letras maiúsculas e minúsculas são utilizadas de modo aleatório. Por que isso acontece? Reescreva o fragmento respeitando as regras da gramática normativa da língua.
  • A frase “Só você se mudou.” aparece escrita com ponto final. Que sinal poderia ser utilizado sem que houvesse alteração de sentido?
  • Logo em seguida, aparece o fragmento “Amiga, realmente. Você vai fazer muita falta neste ano!” Que outros sinais de pontuação poderiam ser utilizados de modo que o sentido do trecho permanecesse o mesmo?
  • No finalzinho da carta aparece “A escola aí é legal?”. Como este mesmo fragmento poderia ser reescrito utilizando-se um ponto final, sem que a frase mude de sentido?

Atenção, professor: Seguem algumas sugestões de respostas para as perguntas feitas anteriormente:

  • O ponto de exclamação sugere intimidade entre ambas e uma forte carga sentimental da parte de Raquel.
  • As letras maiúsculas são utilizadas de modo aleatório para reafirmar a despreocupação com a escrita da carta e a relação de intimidade entre os garotos. Uma possível reescrita seria: ”Puxa! É tempo, hein?”
  • “Só você se mudou…” ou “Só você se mudou!”
  • “Amiga, realmente, você vai fazer muita falta neste ano!” ou “Amiga, realmente, você vai fazer muita falta neste ano.”
  • “Gostaria de saber se a escola aí é legal.”

Pode ser que os estudantes queiram utilizar vários sinais de exclamação simultaneamente como um recurso que reforça uma determinada ideia. Vale destacar que, em se tratando de uma troca de cartas entre amigos, não há nenhum tipo de problema nesta escolha.

Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Análise linguística/Semiótica do 6º ano :

MAIS AULAS DE Língua Portuguesa do 6º ano:

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF67LP33 da BNCC

6º ano / Língua Portuguesa / Atividade de Sistematização

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Língua Portuguesa

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano