15509
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para  

Plano de aula > Língua Portuguesa > 2º ano > Análise linguística/Semiótica

Plano de aula - Transcrevendo adivinhas e anedotas, para trabalhar a segmentação entre palavras, pontuação e usos de letras maiúsculas e minúsculas.

Plano de aula de Língua Portuguesa com atividades para 2º ano do EF sobre Transcrevendo adivinhas e anedotas, para trabalhar a segmentação entre palavras, pontuação e usos de letras maiúsculas e minúsculas.

Plano 03 de 3 • Clique aqui e veja todas as aulas desta sequência

Plano de aula alinhado à BNCC • POR: Ingrid Da Silva Ramalho

ESTE CONTEÚDO PODE SER USADO À DISTÂNCIA Ver Mais >
 

Sobre este plano select-down

Slide Plano Aula

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é a terceira aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística e semiótica. A finalidade desse conjunto de planos é trabalhar estruturas silábicas e convenções da Língua Portuguesa já conhecidas pelas crianças (usos de letras maiúsculas e minúsculas, segmentação entre palavras e pontuação) em textos de adivinhas e anedotas.

Materiais necessários: Quadro/projetor, giz/pincel, atividade antecipatória (adivinhas e anedotas trazidas pelas crianças como dever de casa). Atividade: acesse aqui

Dificuldades antecipadas: Dificuldades na organização de textos, decorrentes da incompreensão sobre estruturas silábicas e convenções ortográficas (usos de letra maiúscula, segmentação entre palavras e pontuação) ou da falta de familiaridade com os gêneros adivinhas e anedotas que podem ocasionar também dificuldades nas práticas de leitura e escrita.

Referências sobre o assunto:

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ. Secretaria de Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense - Produção Didático-Pedagógica. Volume II. 2012. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2012/2012_ufpr_port_pdp_roselis_rita_dybas.pdf>. Acesso em: 02 dez 2018.

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educação. Aprender os padrões da linguagem escrita de modo reflexivo - Recuperação Língua Portuguesa. Unidade III - Palavra Dialogada. São Paulo: 2011. Disponível em: <http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/16464.pdf>. Acesso em: 06 dez 2018.

Tema da aula select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 01 minuto

Orientações:

  • Projete ou leia o tema da aula para a turma.

Introdução select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 08 minutos

Orientações:

  • Tenha em mente que a habilidade da BNCC focada aqui, prevê o trabalho prévio com as crianças sobre estruturas silábicas e convenções da Língua Portuguesa, tais como, a segmentação convencional de palavras, usos de letras maiúsculas e minúsculas e pontuação. Portanto, a habilidade envolve diferentes conhecimentos gramaticais e foca no uso dessas estruturas nas produções textuais cotidianas dos/as estudantes. Para a sistematização dos conhecimentos sobre a ortografia deve haver uma progressão iniciada apenas após a compreensão da base alfabética, já a compreensão do sistema de pontuação deve acontecer pela análise da ocorrência em textos e pela reflexão sobre os sentidos provocados em textos de diferentes situações de escrita. Note que para o uso de letras maiúsculas e minúsculas, as crianças já devem então ter tido contato com diferentes tipos de letras, pois enquanto utilizam apenas a caixa alta em seus textos, distinção como essa não faz sentido.
  • Para esta aula é importante que os/as estudantes já tenham refletido sobre os gêneros adivinha e anedota e trabalhado com a análise e correção de textos escritos com algumas inadequações referentes às estruturas silábicas e convenções da Língua Portuguesa, tais como, segmentação convencional de palavras, pontuação (ponto final, ponto de exclamação e ponto de interrogação) e usos de letras maiúsculas e minúsculas.
  • A proposta de atividade para o desenvolvimento será realizada em duplas, portanto, organize a sala da forma como você costuma fazer, quando propõe atividades desse tipo.
  • Tendo em vista que em aulas anteriores os/as estudantes já devem ter trabalhado com as correções e análises de textos escritos abordando os aspectos trabalhados aqui (segmentação convencional de palavras, pontuação (ponto final, ponto de exclamação e ponto de interrogação) e usos de letras maiúsculas e minúsculas), a proposta da introdução trabalhará com a revisão oral desses conteúdos para servirem de subsídio aos/às estudantes no momento da transcrição dos textos que comporão o caderno de anedotas e adivinhas da turma. Caso julgue relevante, você pode pedir às crianças, como tarefa antecipatória, que tragam para essa aula (pode ser de memória, ou anotado em algum papel), uma anedota e uma adivinha que conhecem para realizarem a atividade proposta no desenvolvimento.
  • Evidencie a proposta da introdução para a turma: “Na aula de hoje nós vamos relembrar algumas coisas que vimos em aulas passadas.”, fomente questionamentos ao grande grupo retomando os gêneros adivinha e anedota, como, por exemplo: “Vocês poderiam me dizer ao menos uma semelhança entre os gêneros adivinha e anedota? E uma diferença, alguém lembram?”, espera-se que as crianças retomem que os dois gêneros trabalham com o humor e possuem a intenção de divertir e que enquanto a adivinha trabalha com uma charada, a anedota conta uma pequena história.
  • Ampliando os questionamentos relacionados aos aspectos que serão trabalhados nesta aula, pergunte: “Quando iniciamos a escrita de uma adivinha, anedota ou algum outro texto, como deve ser a letra inicial da primeira palavra?”, espera-se que as crianças digam que devemos utilizar letra maiúscula para iniciar os textos. Prossiga perguntando: “Quando transcrevemos as adivinhas, a primeira frase dela, que é uma pergunta, deve ser escrita usando qual ponto?”, espera-se que as crianças digam que nesse caso devemos utilizar o ponto de interrogação. Siga: “A graça de algumas adivinhas e anedotas está na pronúncia de algumas palavras, portanto, quando elas estão escritas, o que devemos fazer para que o/a leitor/a consiga identificar melhor quando começa e quando termina uma palavra?”, espera-se que as crianças digam que devemos deixar espaços em branco entre as palavras em um texto escrito. Pergunte também: “Quando nomes próprios, como ‘Joãozinho’, ‘Rosa’ e ‘Pedrinho’ estão em adivinhas e anedotas escritas, a primeira letra de cada um desses nomes deverá ter qual formato?”, espera-se que as crianças digam que os nomes próprios devem levar letras maiúsculas. Questione também: “No texto de uma adivinha escrita, a resposta pode apenas responder ao desafio feito ou demonstrar muito entusiasmo com a descoberta, quais sinais de pontuação devemos utilizar para cada um desses casos?”, espera-se que as crianças identifiquem que no primeiro caso o uso será de um ponto final e no segundo, de um ponto de exclamação. Corrija ou confirme as respostas dadas e, se necessário, fomente mais questionamentos ao grande grupo.

Desenvolvimento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • A proposta para o desenvolvimento é que as crianças, apesar de estarem organizadas em duplas, transcrevam individualmente as frases que compõem uma adivinha ou uma anedota trazida como atividade antecipatória. O/a estudante A contará para o/a estudante B a adivinha e a anedota que trouxe, logo após, o/a estudante B deverá escolher um dos dois textos para transcrever. Quando isso ocorrer, o/a estudante A lerá/falará novamente o texto, enquanto o/a outro/a deverá transcrevê-lo em uma folha (modelo disponibilizado) dada por você (essa folha comporá o livro de anedotas e adivinhas da turma, portanto, caso queira, você pode distribuir folhas coloridas). Depois disso, as crianças trocarão de posição.
  • A atividade com um texto conhecido é importante para que as crianças não foquem em descobrir as charadas trazidas pelas adivinhas ou fiquem preocupadas em exercer a interpretação mais profunda de anedotas, por exemplo, essas ações podem desviar o foco principal da análise e transcrição desses textos. Eventualmente, caso alguma criança não tenha realizado a tarefa antecipatória, prepare para ela textos que já foram trabalhados em aulas anteriores. Com essa atividade, as crianças poderão traçar uma relação mais próxima entre a modalidade oral e escrita da língua e com isso, analisarem melhor as funcionalidades das convenções da Língua Portuguesa que são trabalhadas aqui, além de visualizarem na língua escrita, gêneros que são inicialmente oralizados. Dessa forma, espera-se que ao produzir um texto escrito as crianças sistematizem os conhecimentos adquiridos em aulas anteriores.
  • Explique a atividade para as crianças: “Vocês trouxeram como atividade de casa uma adivinha e uma anedota, certo? Esses textos podem estar em seus cadernos ou em suas memórias. Em duplas, vocês deverão contar para o/a colega a sua adivinha e a sua anedota. A criança que te acompanhará na equipe, deverá escolher a adivinha ou a anedota para transcrever em uma folha que eu darei. Depois disso, a pessoa que escreveu o texto contará para a outra a adivinha e a anedota que trouxe e essa, por sua vez, também deverá escolher um dos textos trazidos pela sua dupla para transcrever em uma folha que entregarei. Em outra aula, quando eu trouxer os textos já corrigidos, vou colocá-los em um livro de adivinhas e anedotas da turma e cada criança poderá levá-lo um dia para casa e brincar com seus familiares e colegas”.
  • Dedique um tempo para explicar a atividade para as crianças, projetando/inserindo no quadro um texto. Logo após, evidencie: “Observem o exemplo do quadro. Na adivinha trazida de casa, uma criança trouxe o seguinte texto: ‘Por que Manuel colocou um saco de gelo em cima do dvd? Resposta: para congelar a imagem.’. O texto está correto? Incorreto? Por quê?”, espera-se que as crianças reconheçam que o texto está correto e justifiquem suas respostas ressaltando que os aspectos, como, segmentação convencional entre as palavras, a pontuação e os usos de letras maiúsculas e minúsculas estão adequados. Continue: “Nós já trabalhamos com as correções de adivinhas e anedotas. Vocês lembram dos cuidados que precisamos ter na hora de escrever um texto?”, espera-se que as crianças, novamente, retomem questões como segmentação convencional de palavras, usos adequados dos sinais de pontuação (ponto final, ponto de interrogação e ponto de exclamação) e os usos de letras maiúsculas e minúsculas.
  • Entregue as folhas para as crianças e durante o tempo de atividade, passe entre as cadeiras para observar e registrar as principais dificuldades dos/as estudantes e se necessário, trabalhá-las de forma mais aprofundada posteriormente. Oriente às crianças a ditarem a adivinha ou anedota ao amigo, caso ele tenha dificuldade em transcrevê-la apenas com a leitura feita.
  • Caso queira, além de entregar para as crianças folhas coloridas para que o livro de adivinhas e anedotas da turma ganhe um aspecto diferenciado, você pode propor que as crianças transcritoras das adivinhas e anedotas façam em suas folhas, desenhos relacionados aos textos que trabalharam.

Materiais complementares:

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ. Secretaria de Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense - Produção Didático-Pedagógica. Volume II. 2012. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2012/2012_ufpr_port_pdp_roselis_rita_dybas.pdf>. Acesso em: 02 dez 2018.

Atividade: acesse aqui

Fechamento select-down

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 11 minutos

Orientações:

  • O fechamento da aula será destinado à ouvir as considerações das crianças sobre a aula e retomar os conhecimentos revisados.
  • Inicie com questionamentos, como, por exemplo: “O que acharam da atividade?”; “Foi fácil transcrever o texto trazido pela sua dupla? Foi difícil? Por quais motivos?”; ouça as impressões das crianças, espera-se que elas compartilhem suas experiências durante a aula.
  • Pergunte aos/às estudantes: “Nas adivinhas e anedotas que transcreveram, onde vocês colocaram as letras maiúsculas?”, espera-se que as crianças digam que colocaram as letras maiúsculas em inícios de frases e nos nomes próprios.
  • Em relação à pontuação, prossiga: “Para que servem os pontos que aprendemos até aqui, ponto final, ponto de interrogação e ponto de exclamação? Vocês utilizaram esses sinais em seus textos? Como?”, espera-se que as crianças digam que utilizaram o ponto final para marcar o fim de uma frase declarativa, como, por exemplo, no fim da última frase da adivinha ou anedota. Espera-se também que as crianças digam que usaram o ponto de interrogação para marcar as perguntas trazidas pelas adivinhas ou nas anedotas nos diálogos entre personagem que traziam questionamentos e que utilizaram o ponto de exclamação para marcar a alegria de terem descoberto as respostas das adivinhas ou para expressar surpresa, ordem, súplica ou pedido nos textos das anedotas.
  • Sobre a segmentação convencional de palavras, questione: “Como vocês fizeram para separar as palavras nas adivinhas ou anedotas que transcreveram?”, espera-se que as crianças digam que para separar palavras em seus textos, deixaram espaços em branco entre elas. Corrija ou confirme as hipóteses levantadas pela turma.
  • De modo geral, pergunte: “Por que é importante colocarmos todos esses conhecimentos que vocês já adquiriram em um texto escrito?”, espera-se que as crianças digam que as letras maiúsculas e minúsculas além de ajudarem o/a leitor/a a perceber onde começa uma frase, ajudam a identificar se as palavras são substantivos comuns ou próprios (ainda que não expliquem dessa forma). Espera-se que sobre a pontuação, as crianças digam que, quando inseridas de maneira adequada, os sinais ajudam o/a leitor/a a compreender as intencionalidades das frases. Já sobre os os espaços em branco espera-se que as crianças reconheçam que além de facilitarem as leituras, marcam onde começam e onde terminam as palavra. Confirme ou corrija as hipóteses levantadas e se necessário, dê exemplos para as crianças retomando casos já vistos em aulas anteriores.
  • Recolha as atividades para uma correção mais minuciosa.
  • Como sugestão, você pode trabalhar ainda mais a oralidade dos alunos com base nas adivinhas e anedotas em uma aula posterior, quando você for apresentar o livro de adivinhas e anedotas da turma. Caso opte por essa proposta, diga para as crianças que, com base nas adivinhas e anedotas transcritas, elas devem ensaiar em casa uma apresentação de seus textos e podem no dia, irem caracterizadas com óculos divertidos, chapéus e outros adereços para participarem do ‘Show de calouros’ da turma.

Resumo da aula

download Baixar plano

Este slide não deve ser apresentado para os alunos, ele apenas resume o conteúdo da aula para que você, professor, possa se planejar.

Sobre esta aula: Esta é a terceira aula de um conjunto de 3 planos de aula com foco em análise linguística e semiótica. A finalidade desse conjunto de planos é trabalhar estruturas silábicas e convenções da Língua Portuguesa já conhecidas pelas crianças (usos de letras maiúsculas e minúsculas, segmentação entre palavras e pontuação) em textos de adivinhas e anedotas.

Materiais necessários: Quadro/projetor, giz/pincel, atividade antecipatória (adivinhas e anedotas trazidas pelas crianças como dever de casa). Atividade: acesse aqui

Dificuldades antecipadas: Dificuldades na organização de textos, decorrentes da incompreensão sobre estruturas silábicas e convenções ortográficas (usos de letra maiúscula, segmentação entre palavras e pontuação) ou da falta de familiaridade com os gêneros adivinhas e anedotas que podem ocasionar também dificuldades nas práticas de leitura e escrita.

Referências sobre o assunto:

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ. Secretaria de Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense - Produção Didático-Pedagógica. Volume II. 2012. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2012/2012_ufpr_port_pdp_roselis_rita_dybas.pdf>. Acesso em: 02 dez 2018.

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Educação. Aprender os padrões da linguagem escrita de modo reflexivo - Recuperação Língua Portuguesa. Unidade III - Palavra Dialogada. São Paulo: 2011. Disponível em: <http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/16464.pdf>. Acesso em: 06 dez 2018.

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 01 minuto

Orientações:

  • Projete ou leia o tema da aula para a turma.
Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 08 minutos

Orientações:

  • Tenha em mente que a habilidade da BNCC focada aqui, prevê o trabalho prévio com as crianças sobre estruturas silábicas e convenções da Língua Portuguesa, tais como, a segmentação convencional de palavras, usos de letras maiúsculas e minúsculas e pontuação. Portanto, a habilidade envolve diferentes conhecimentos gramaticais e foca no uso dessas estruturas nas produções textuais cotidianas dos/as estudantes. Para a sistematização dos conhecimentos sobre a ortografia deve haver uma progressão iniciada apenas após a compreensão da base alfabética, já a compreensão do sistema de pontuação deve acontecer pela análise da ocorrência em textos e pela reflexão sobre os sentidos provocados em textos de diferentes situações de escrita. Note que para o uso de letras maiúsculas e minúsculas, as crianças já devem então ter tido contato com diferentes tipos de letras, pois enquanto utilizam apenas a caixa alta em seus textos, distinção como essa não faz sentido.
  • Para esta aula é importante que os/as estudantes já tenham refletido sobre os gêneros adivinha e anedota e trabalhado com a análise e correção de textos escritos com algumas inadequações referentes às estruturas silábicas e convenções da Língua Portuguesa, tais como, segmentação convencional de palavras, pontuação (ponto final, ponto de exclamação e ponto de interrogação) e usos de letras maiúsculas e minúsculas.
  • A proposta de atividade para o desenvolvimento será realizada em duplas, portanto, organize a sala da forma como você costuma fazer, quando propõe atividades desse tipo.
  • Tendo em vista que em aulas anteriores os/as estudantes já devem ter trabalhado com as correções e análises de textos escritos abordando os aspectos trabalhados aqui (segmentação convencional de palavras, pontuação (ponto final, ponto de exclamação e ponto de interrogação) e usos de letras maiúsculas e minúsculas), a proposta da introdução trabalhará com a revisão oral desses conteúdos para servirem de subsídio aos/às estudantes no momento da transcrição dos textos que comporão o caderno de anedotas e adivinhas da turma. Caso julgue relevante, você pode pedir às crianças, como tarefa antecipatória, que tragam para essa aula (pode ser de memória, ou anotado em algum papel), uma anedota e uma adivinha que conhecem para realizarem a atividade proposta no desenvolvimento.
  • Evidencie a proposta da introdução para a turma: “Na aula de hoje nós vamos relembrar algumas coisas que vimos em aulas passadas.”, fomente questionamentos ao grande grupo retomando os gêneros adivinha e anedota, como, por exemplo: “Vocês poderiam me dizer ao menos uma semelhança entre os gêneros adivinha e anedota? E uma diferença, alguém lembram?”, espera-se que as crianças retomem que os dois gêneros trabalham com o humor e possuem a intenção de divertir e que enquanto a adivinha trabalha com uma charada, a anedota conta uma pequena história.
  • Ampliando os questionamentos relacionados aos aspectos que serão trabalhados nesta aula, pergunte: “Quando iniciamos a escrita de uma adivinha, anedota ou algum outro texto, como deve ser a letra inicial da primeira palavra?”, espera-se que as crianças digam que devemos utilizar letra maiúscula para iniciar os textos. Prossiga perguntando: “Quando transcrevemos as adivinhas, a primeira frase dela, que é uma pergunta, deve ser escrita usando qual ponto?”, espera-se que as crianças digam que nesse caso devemos utilizar o ponto de interrogação. Siga: “A graça de algumas adivinhas e anedotas está na pronúncia de algumas palavras, portanto, quando elas estão escritas, o que devemos fazer para que o/a leitor/a consiga identificar melhor quando começa e quando termina uma palavra?”, espera-se que as crianças digam que devemos deixar espaços em branco entre as palavras em um texto escrito. Pergunte também: “Quando nomes próprios, como ‘Joãozinho’, ‘Rosa’ e ‘Pedrinho’ estão em adivinhas e anedotas escritas, a primeira letra de cada um desses nomes deverá ter qual formato?”, espera-se que as crianças digam que os nomes próprios devem levar letras maiúsculas. Questione também: “No texto de uma adivinha escrita, a resposta pode apenas responder ao desafio feito ou demonstrar muito entusiasmo com a descoberta, quais sinais de pontuação devemos utilizar para cada um desses casos?”, espera-se que as crianças identifiquem que no primeiro caso o uso será de um ponto final e no segundo, de um ponto de exclamação. Corrija ou confirme as respostas dadas e, se necessário, fomente mais questionamentos ao grande grupo.
Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 30 minutos

Orientações:

  • A proposta para o desenvolvimento é que as crianças, apesar de estarem organizadas em duplas, transcrevam individualmente as frases que compõem uma adivinha ou uma anedota trazida como atividade antecipatória. O/a estudante A contará para o/a estudante B a adivinha e a anedota que trouxe, logo após, o/a estudante B deverá escolher um dos dois textos para transcrever. Quando isso ocorrer, o/a estudante A lerá/falará novamente o texto, enquanto o/a outro/a deverá transcrevê-lo em uma folha (modelo disponibilizado) dada por você (essa folha comporá o livro de anedotas e adivinhas da turma, portanto, caso queira, você pode distribuir folhas coloridas). Depois disso, as crianças trocarão de posição.
  • A atividade com um texto conhecido é importante para que as crianças não foquem em descobrir as charadas trazidas pelas adivinhas ou fiquem preocupadas em exercer a interpretação mais profunda de anedotas, por exemplo, essas ações podem desviar o foco principal da análise e transcrição desses textos. Eventualmente, caso alguma criança não tenha realizado a tarefa antecipatória, prepare para ela textos que já foram trabalhados em aulas anteriores. Com essa atividade, as crianças poderão traçar uma relação mais próxima entre a modalidade oral e escrita da língua e com isso, analisarem melhor as funcionalidades das convenções da Língua Portuguesa que são trabalhadas aqui, além de visualizarem na língua escrita, gêneros que são inicialmente oralizados. Dessa forma, espera-se que ao produzir um texto escrito as crianças sistematizem os conhecimentos adquiridos em aulas anteriores.
  • Explique a atividade para as crianças: “Vocês trouxeram como atividade de casa uma adivinha e uma anedota, certo? Esses textos podem estar em seus cadernos ou em suas memórias. Em duplas, vocês deverão contar para o/a colega a sua adivinha e a sua anedota. A criança que te acompanhará na equipe, deverá escolher a adivinha ou a anedota para transcrever em uma folha que eu darei. Depois disso, a pessoa que escreveu o texto contará para a outra a adivinha e a anedota que trouxe e essa, por sua vez, também deverá escolher um dos textos trazidos pela sua dupla para transcrever em uma folha que entregarei. Em outra aula, quando eu trouxer os textos já corrigidos, vou colocá-los em um livro de adivinhas e anedotas da turma e cada criança poderá levá-lo um dia para casa e brincar com seus familiares e colegas”.
  • Dedique um tempo para explicar a atividade para as crianças, projetando/inserindo no quadro um texto. Logo após, evidencie: “Observem o exemplo do quadro. Na adivinha trazida de casa, uma criança trouxe o seguinte texto: ‘Por que Manuel colocou um saco de gelo em cima do dvd? Resposta: para congelar a imagem.’. O texto está correto? Incorreto? Por quê?”, espera-se que as crianças reconheçam que o texto está correto e justifiquem suas respostas ressaltando que os aspectos, como, segmentação convencional entre as palavras, a pontuação e os usos de letras maiúsculas e minúsculas estão adequados. Continue: “Nós já trabalhamos com as correções de adivinhas e anedotas. Vocês lembram dos cuidados que precisamos ter na hora de escrever um texto?”, espera-se que as crianças, novamente, retomem questões como segmentação convencional de palavras, usos adequados dos sinais de pontuação (ponto final, ponto de interrogação e ponto de exclamação) e os usos de letras maiúsculas e minúsculas.
  • Entregue as folhas para as crianças e durante o tempo de atividade, passe entre as cadeiras para observar e registrar as principais dificuldades dos/as estudantes e se necessário, trabalhá-las de forma mais aprofundada posteriormente. Oriente às crianças a ditarem a adivinha ou anedota ao amigo, caso ele tenha dificuldade em transcrevê-la apenas com a leitura feita.
  • Caso queira, além de entregar para as crianças folhas coloridas para que o livro de adivinhas e anedotas da turma ganhe um aspecto diferenciado, você pode propor que as crianças transcritoras das adivinhas e anedotas façam em suas folhas, desenhos relacionados aos textos que trabalharam.

Materiais complementares:

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ. Secretaria de Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense - Produção Didático-Pedagógica. Volume II. 2012. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2012/2012_ufpr_port_pdp_roselis_rita_dybas.pdf>. Acesso em: 02 dez 2018.

Atividade: acesse aqui

Slide Plano Aula

Tempo sugerido: 11 minutos

Orientações:

  • O fechamento da aula será destinado à ouvir as considerações das crianças sobre a aula e retomar os conhecimentos revisados.
  • Inicie com questionamentos, como, por exemplo: “O que acharam da atividade?”; “Foi fácil transcrever o texto trazido pela sua dupla? Foi difícil? Por quais motivos?”; ouça as impressões das crianças, espera-se que elas compartilhem suas experiências durante a aula.
  • Pergunte aos/às estudantes: “Nas adivinhas e anedotas que transcreveram, onde vocês colocaram as letras maiúsculas?”, espera-se que as crianças digam que colocaram as letras maiúsculas em inícios de frases e nos nomes próprios.
  • Em relação à pontuação, prossiga: “Para que servem os pontos que aprendemos até aqui, ponto final, ponto de interrogação e ponto de exclamação? Vocês utilizaram esses sinais em seus textos? Como?”, espera-se que as crianças digam que utilizaram o ponto final para marcar o fim de uma frase declarativa, como, por exemplo, no fim da última frase da adivinha ou anedota. Espera-se também que as crianças digam que usaram o ponto de interrogação para marcar as perguntas trazidas pelas adivinhas ou nas anedotas nos diálogos entre personagem que traziam questionamentos e que utilizaram o ponto de exclamação para marcar a alegria de terem descoberto as respostas das adivinhas ou para expressar surpresa, ordem, súplica ou pedido nos textos das anedotas.
  • Sobre a segmentação convencional de palavras, questione: “Como vocês fizeram para separar as palavras nas adivinhas ou anedotas que transcreveram?”, espera-se que as crianças digam que para separar palavras em seus textos, deixaram espaços em branco entre elas. Corrija ou confirme as hipóteses levantadas pela turma.
  • De modo geral, pergunte: “Por que é importante colocarmos todos esses conhecimentos que vocês já adquiriram em um texto escrito?”, espera-se que as crianças digam que as letras maiúsculas e minúsculas além de ajudarem o/a leitor/a a perceber onde começa uma frase, ajudam a identificar se as palavras são substantivos comuns ou próprios (ainda que não expliquem dessa forma). Espera-se que sobre a pontuação, as crianças digam que, quando inseridas de maneira adequada, os sinais ajudam o/a leitor/a a compreender as intencionalidades das frases. Já sobre os os espaços em branco espera-se que as crianças reconheçam que além de facilitarem as leituras, marcam onde começam e onde terminam as palavra. Confirme ou corrija as hipóteses levantadas e se necessário, dê exemplos para as crianças retomando casos já vistos em aulas anteriores.
  • Recolha as atividades para uma correção mais minuciosa.
  • Como sugestão, você pode trabalhar ainda mais a oralidade dos alunos com base nas adivinhas e anedotas em uma aula posterior, quando você for apresentar o livro de adivinhas e anedotas da turma. Caso opte por essa proposta, diga para as crianças que, com base nas adivinhas e anedotas transcritas, elas devem ensaiar em casa uma apresentação de seus textos e podem no dia, irem caracterizadas com óculos divertidos, chapéus e outros adereços para participarem do ‘Show de calouros’ da turma.
Slide Plano Aula

Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

PRÓXIMAS AULAS:

AULAS DE Análise linguística/Semiótica do 2º ano :

2º ano / Língua Portuguesa / Análise linguística/Semiótica

MAIS AULAS DE Língua Portuguesa do 2º ano:

2º ano / Língua Portuguesa / Análise linguística/Semiótica

Planos de aula para desenvolver a habilidade EF02LP01 da BNCC

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes

Encontre outros planos de Língua Portuguesa

Encontre planos de aula para outras disciplinas

Baixar plano