13350
Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Atividade - Onde está o objeto que estava aqui?

POR: Jéssica Ribeiro Carnevale 30/11/2018
Código: EDI1_10UND03

1º ano / Educação Infantil

Atividade alinhada à BNCC:

(EI01ET03) Explorar o ambiente pela ação e observação, manipulando, experimentando e fazendo descobertas.

(EI01CG05) Utilizar os movimentos de preensão, encaixe e lançamento, ampliando suas possibilidades de manuseio de diferentes materiais e objetos.

(EI01EO02) Perceber as possibilidades e os limites de seu corpo nas brincadeiras e interações das quais participa.

Plano de atividade de Educação Infantil com atividades para Bebês sobre Exploração do ambiente pela ação e observação

Resumo

ilustracao

Os pequenos vão esconder e encontrar objetos em caixas com areia.

O que fazer antes?

Contextos prévios:

Antes de realizar esta atividade, recolha com as crianças na área externa alguns elementos da natureza, como folhas, gravetos, pedras, galhos, frutos etc. Esse momento não precisa ser imediatamente antes da realização do plano. O material pode ser recolhido ao longo do tempo, nas várias idas ao espaço externo.

Materiais:

Itens da natureza retirados da área externa, areia, peneiras, funis, panelinhas, recipientes de diversos tamanhos e profundidades (por exemplo: baldes, bacias, potes). A quantidade de recipientes vai variar conforme o número de alunos na turma (planeje aproximadamente três ou quatro crianças por recipiente).

Espaços:

Para realizar esta atividade, busque um local amplo e preferencialmente na área externa.

Tempo sugerido:

Aproximadamente 40 minutos.

Perguntas para guiar suas observações:

1. Como o bebê posiciona seu corpo para a exploração dos recipientes (deitado, sentado, com apoio, sem apoio, de pé etc)?

2. Como o bebê explora os objetos? Que tipos de interação o bebê desenvolve com os objetos encontrados (aperta, agarra, bate, segura etc)?

3. Com olhar atento, perceba: Como ele interage com outras crianças para compartilhar suas descobertas?


Para incluir todos:

Identifique barreiras físicas, comunicacionais ou relacionais que podem impedir que uma criança ou o grupo participe e aprenda. Reflita e proponha apoios para atender às necessidades e às diferenças de cada criança ou do grupo. Organize os recipientes próximos a todos os bebês, possibilitando aos que não se locomovem com autonomia se aproximar deles.

O que fazer durante?

1

Esconda os itens da natureza coletados na área externa dentro de alguns recipientes com areia antes de convidar os bebês para a atividade e separe um item para esconderna presença deles. Coloque volumes diferentes de areia nos recipientes, ou seja, alguns mais cheios e outros mais rasos. Na sala de referência dos bebês, explique ao grupo que vocês farão uma brincadeira de encontrar objetos. Vá com todo o grupo ao local organizado. Convide-os para descobrir o que são os recipientes espalhados pelo espaço. Essas orientações iniciais são para todos, mas, depois, é importante que sejam incentivados pelo professor junto a cada um dos pequenos grupos.

Disponibilize também uma caixa com materiais de largo alcance, por exemplo, potes, caixas e retalhos de tecido. Eles serão utilizados, caso necessário, como atividade alternativa ou quando alguns encerrarem a pesquisa exploratória. Dessa forma, os tempos e os espaços de cada um serão respeitados.

Possíveis falas do professor neste momento: Olha o que temos aqui, o que será que tem nesses potes? Vamos descobrir o que é? Vamos ver como podemos brincar com eles?

Possíveis ações das crianças neste momento: As crianças se aproximam dos recipientes de forma livre, para uma primeira pesquisa exploratória.


2

Tenha um olhar sensível e perceba em quais recipientes as crianças apresentaram mais interesse. A partir disso, organize grupos de três a quatro crianças, e entregueesses potes que mais chamaram atenção deles, para serem explorados. Instigue todo o grupo a descobrir o que tem dentro. Mediante interações entre os bebês e os objetos, aproxime-se, e, a partir da descoberta de um bebê, chame a atenção dos demais para sua ação. Valide-a, apoiando iniciativas nesse sentido.

Possíveis ações da criança neste momento: Um bebê se engaja num dos potes por um tempo, tentando remexer a areia com os dedos. Depois de algumas tentativas, encontra o graveto lá dentro e mexe nele, observando o movimento. Em seguida retira-o, levanta-o e balança-o, passando-o de uma mão para a outra.

Possíveis falas do professor neste momento: Olhem o que o amigo achou! O que será que é? Onde encontramos um graveto (por exemplo) como esse aqui na escola?

3

Os bebês que não se sentam podem ficar no colo de um adulto para estarem próximos ao recipiente. Os que engatinham podem ficar próximos aos recipientes mais baixos. Entretanto, caso queiram explorar outros recipientes e interagir com bebês de outros grupos, permita isso e valide suas iniciativas. Trata-se de um momento de interação e exploração. Aproveite cada descoberta das crianças para explorar o item encontrado conforme seu peso, formato, barulho etc. Proponha que as crianças mostrem suas descobertas umas às outras. Permita que os bebês brinquem livremente com a areia, a fim de experimentar e descobrir sensações. Para potencializar essa exploração e trazer mais prazer ao momento, disponibilize peneiras, funis e potes de variados tamanhos para as crianças manusearem junto com a areia.

Possíveis ações da criança neste momento: Um bebê explora a areia, retirando do recipiente alguns punhados. Tira e coloca suas mãos no pote, testando a profundidade dele, até que encontra algo diferente. Sua expressão facial demonstra surpresa e curiosidade. Ele então descobre algumas pedrinhas, retirando-as do recipiente.

Possíveis falas do professor neste momento: Você achou uma pedra! Será que ela é pesada? Balance-a para sentir o peso! O que você acha de passar para o amigo para ele ver se acha a pedra pesada também?

4

Vá um pouco em cada pequenogrupo para potencializar as descobertas das crianças. Proponha a brincadeira de “esconder e aparecer” com os itens cobertos de areia e peça aos bebês que os encontrem novamente. Depois, peça que os bebês os escondam para um amigo procurar. Outra maneira de potencializar a atividade é perguntar sobre o barulho que as folhas fazem quando as amassamos ou então solicitar que os bebês arremessem as pedrinhas, os gravetos e as folhas para longe ou dentro dos recipientes, para compararmos pesos e forças utilizadas. Assim o bebê poderá sentir a ação do seu corpo sobre um objeto e experimentar movimentos corporais.

Possíveis falas do professor neste momento: Nossa! Olhem a força que o amigo fez para arremessar a folha na bacia! Será que precisamos fazer a mesma força com esta pedra? E com este graveto?



Para finalizar:

Esteja atento ao tempo de interesse das crianças na proposta. Conforme for percebendo menos envolvimento por parte delas, compartilhe a próxima atividade. Convide-as para transportar a areia para o tanque da escola (ou para o local onde será armazenada), incentivando a participação de todos na organização do espaço e materiais.

Desdobramentos

Providencie potinhos e/ou panelinhas e utensílios de cozinha (de brinquedo ou não) para as crianças brincarem com a areia utilizada na atividade anterior. Os bebês poderão brincar de comidinha, de encher e esvaziar, de transportar de um recipiente para o outro etc. Convide crianças maiores para brincar com os bebês, combinando previamente com o professor de outra turma. A interação de crianças de diferentes idades irá enriquecer esse momento.

Engajando as famílias

Faça uma documentação pedagógica desta atividade por meio de fotos, vídeos e registros escritos. Busque registrar as descobertas, as reações, as sensações, os movimentos, as expressões faciais e corporais. Com eles, produza um mural e convide as famílias para a apreciação. Envie um bilhete, convidando-as para realizar a mesma proposta com os bebês em outros espaços, como na praça do bairro, no quintal de um familiar, num parque ou até mesmo na escola. Solicite às famílias que tragam contribuições para completar o mural, com mais fotos e registros. Para que os familiares entendam a proposta, prepare uma explicação simples e objetiva por escrito, em forma de bilhete, que poderá ser enviado na agenda e fixado no mural, juntamente com a documentação pedagógica que mostra o percurso do protagonismo dos bebês na pesquisa exploratória. Acesse aqui o modelo do bilhete.

Este plano de atividade foi elaborado pelo Time de Autores NOVA ESCOLA

 

Autor:  Jéssica Carnevale

Mentora: Keli Luca

Especialista do subgrupo etário: Ana Teresa Gavião

Campos de Experiência:  

O eu, o nós e o outro; corpo, gestos e movimentos; espaços, tempos, quantidades, relações e transformações.

Objetivos e códigos da Base
Centrais:

(EI01ET03) Explorar o ambiente pela ação e observação, manipulando, experimentando e fazendo descobertas.
(EI01CG05) Utilizar os movimentos de preensão, encaixe e lançamento, ampliando suas possibilidades de manuseio de diferentes materiais e objetos.

Transversal:

(EI01EO02) Perceber as possibilidades e os limites de seu corpo nas brincadeiras e interações das quais participa.

Abordagem didática: Os brinquedos podem proporcionar desafios para o desenvolvimento dos bebês (quando, por exemplo, aquele que ainda não engatinha estica o corpo para alcançar um objeto pelo qual se interessou). Por isso, é essencial escolher objetos adequados à faixa etária, às necessidades e aos interesses das crianças. Bolas, tecidos, caixas, cones e peças de encaixe são interessantes opções, pois permitem aos bebês manipular, mexer, brincar e se divertir! A participação do professor, apresentando os objetos às crianças e brincando junto, é uma maneira de construir vínculo e observar o processo de aprendizagem delas.

Apoiador Técnico


Compartilhe este conteúdo:

pinterest-color Created with Sketch. whatsapp-color

ATIVIDADES DESSA UNIDADE:

ATIVIDADE 03

Onde está o objeto que estava aqui?

VOCÊ ESTÁ AQUI

ATIVIDADES DESSA DISCIPLINA:

ATIVIDADES RELACIONADAS:

APRENDA MAIS COM ESTE CURSO EXCLUSIVO

Competências Gerais na BNCC

O curso, ministrado por Anna Penido, tem o objetivo de apoiar redes de ensino, escolas e professores no planejamento de práticas pedagógicas que desenvolvam as competências gerais.

Ver mais detalhes