Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Ainda tem dúvidas sobre o caso Bolsonaro? NOVA ESCOLA esclarece!

Vídeo de NOVA ESCOLA apontou equívocos do deputado federal e suscitou críticas e questionamentos à revista. Leia quatro esclarecimentos sobre a questão

POR:
Rodrigo Ratier
Vídeo postado pelo deputado Jair Bolsonaro em sua página no Facebook divulga informações incorretas   Foto: Reprodução/Facebook

O papel de NOVA ESCOLA é estar ao lado dos 2 milhões de professores e professoras do Brasil. Além de oferecer reportagens sobre Educação, mostrar a realidade da sala de aula e oferecer serviços e produtos para os educadores, nosso papel também é contribuir com as discussões sobre a área. Na última sexta-feira (15/01/16), fizemos isso separando fatos de boatos. NOVA ESCOLA publicou um vídeo checando informações divulgadas pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) em sua página oficial no Facebook.

 
As redes sociais colaboram para a proliferação de boatos e notícias falsas. Cada vez mais gente está checando informações antes de compartilhá-las. Porém, o imenso volume de notícias torna inviável que cada um verifique tudo que chega a sua timeline. E, nessa área, o jornalismo pode ajudar, e muito. Em NOVA ESCOLA, separamos diariamente o fato do falso, mostramos fontes e dados confiáveis, fomentamos a discussão e possibilitamos que cada um forme sua opinião com segurança na área de Educação. 

Depois do nosso vídeo, o deputado Bolsonaro voltou com novos argumentos e críticas à revista. Seus apoiadores também. Por isso, alguns dos nossos leitores questionaram nossas afirmações no vídeo. Como nosso compromisso é apenas com pessoas e com a Educação de qualidade, vamos esclarecer mais algumas coisas:

1) Bolsonaro não desmentiu a revista 
No primeiro vídeo, Bolsonaro nos faz algumas acusações. Nós respondemos e mostramos os erros do parlamentar. Mais tarde, ele volta à carga e diz que vai nos desmentir mais uma vez. Isso não acontece (e, se tivesse acontecido, não teríamos problema nenhum em admitir).

2) A foto de Romeo 
Bolsonaro diz que nós exploramos a imagem do menino Romeo na nossa capa. Não é verdade. Nós temos autorização de uso de imagem do britânico Romeo Clarke, de 5 anos, que estampa a publicação vestido com uma fantasia de princesa. Os responsáveis pela criança apoiam a escolha do menino, que decidiu ir vestido de princesa a um projeto de contraturno na cidade de Rugby, no Reino Unido.

Do ponto de vista pedagógico, a revista mantém sua posição de convidar os educadores para uma reflexão sobre gênero e sexualidade, tema que faz parte da realidade das escolas públicas. Situações similares às do menino Romeo são comuns nas instituições brasileiras. 

3) Relação com o governo 
Alguns apoiadores do deputado contestaram a independência de NOVA ESCOLA em relação ao governo. Em nosso mural e no inbox do Facebook, recebemos dezenas de memes, prints de tela e links suspeitos. Então, vamos lá. 

Um deles mostra uma lista de revistas para professores distribuídas às bibliotecas das escolas públicas. NOVA ESCOLA não faz parte dessa lista de publicações desde dezembro de 2014 e, por opção própria, não participa do atual edital de seleção de revistas. Portanto, é falsa a informação veiculada por seguidores de Bolsonaro. É correto afirmar que "NOVA ESCOLA não vende nenhuma revista ao Governo Federal", como fizemos no vídeo.

As informações sobre o programa de compra de revistas pedagógicas, chamado PNBE-Periódicos, são públicas.Você encontra a lista de revistas selecionadas entre 2010 e 2012, o montante repassado a cada uma das editoras em 2013 e o edital de seleção de periódicos pedagógicos para o triênio 2016-2018 que, vale ressaltar, não conta com a participação de NOVA ESCOLA.

4) Biblioteca pública e biblioteca das escolas 
Muitos apoiadores do parlamentar têm espalhado uma lista para sustentar a versão de que a obra "Aparelho Sexual e Cia." estaria chegando às escolas. É mentira. 

Esta lista é do Programa Livro Aberto. Financiada pelo governo federal, esta lista é elaborada por especialistas em avaliação de acervos. O programa esteve em vigor apenas entre 2004 e 2012 e se destinava para bibliotecas públicas (que servem à comunidade, em várias cidades do país) e não para bibliotecas escolares. Qual é a diferença? 

As bibliotecas escolares servem aos alunos, professores, funcionários e pais e familiares. Elas têm foco no projeto pedagógico da escola. As bibliotecas públicas estão em vários pontos do país e oferecem informação e leitura para todos os públicos. Você pode gostar ou desgostar dos livros, mas cada biblioteca serve a um propósito diferente. 

Por tudo isso, é correto dizer que "A obra não consta de nenhum programa de distribuição de material didático", como fizemos no vídeo.

Se você tiver mais alguma dúvida, mais alguma questão, é só falar. O único compromisso de NOVA ESCOLA é com uma Educação de qualidade para todos os brasileiros. Aliás, se você tiver dúvidas sobre Educação sexual, visite nossa página especial e não deixe de acompanhar, em breve, uma palestra online sobre o assunto. Fique ligado!

 

Publicado em janeiro de 2016

 

Tags