Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Matéria de capa | Comunidade | Reportagens


Por: Wellington Soares, Carla Almeida, Laís Semis e Renan Simão

De norte a sul, violência nas escolas

Além do Rio, Manaus sofre com o entorno violento. A solução possível: aproximar a comunidade

Uma escola amedrontada Os portões arrombados da EM Themistocles Pinheiro Gadelha, em Manaus, são o indicativo do problema e da solução. Em um contexto violento, as escolas tendem a se fechar, quando a abertura e a confiança na comunidade são o melhor caminho para tornar o local mais seguro.

Uma panela de pressão, 6 quilos de açúcar, 30 quilos de frango, três extintores de incêndio, 42 telhas. Material de construção. Máquina de cortar grama. Monitor de computador, aparelho de DVD, microfone, 12 projetores, câmera fotográfica, notebooks, dez tablets. Material esportivo. Ar-condicionado.

A lista de itens roubados na EM Themistocles Pinheiro Gadelha, em Manaus, não para de crescer. "Passamos por tempos de terror aqui. Em 2014, em um único mês tivemos 21 assaltos", relembra a diretora Daniele Almeida dos Santos, que assumiu a escola em julho de 2013.

A pilha de 60 boletins de ocorrência acumulados por ela segue aumentando. "Segunda-feira eu já chego aflita. Às vezes, é uma coisa simples, como alguém que invadiu a quadra. Mas, em outras, pode ser que todo nosso equipamento, material de limpeza ou merenda tenham sido levados", relata a diretora.

Não são apenas as funções de apoio que sofreram. Recursos de sala também sumiram. A escola começou o ano letivo sem uma única caixa de som e sem projetores porque tudo foi roubado. "O pedagógico sente porque são professores sem recursos para trabalhar em sala. Gera um clima de insatisfação na equipe", conta a diretora Daniele.

Situação semelhante se repete por boa parte das escolas da capital amazonense e por outras cidades. Agressões, ameaças e roubos no entorno também fazem parte da vida de 84% dos estudantes. É o que aponta um estudo da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), do Ministério da Educação e da Organização dos Estados Interamericanos que entrevistou jovens do Fundamental 2 e do Ensino Médio em escolas de Maceió, Fortaleza, Vitória, Salvador, São Luís, Belém e Belo Horizonte, sete das capitais mais violentas do país.

O problema, evidentemente, não se restringe a elas. Nos noticiários mais recentes, esteve em destaque o caso do Rio de Janeiro. No primeiro semestre, uma em cada quatro escolas tiveram que fechar ou interromper aulas por causa da violência, como tiroteios, assaltos ou operações policiais. Pelo menos 129,5 mil alunos foram afetados pelas interrupções.

Caso de polícia
Em Manaus, roubos e invasões são constantes, como mostram os 60 boletins de ocorrência acumulados pela diretora Daniele. Apesar das ações para melhorar a segurança, a violência que mais atinge a escola é aquela que está fora dos limites controlados pela gestora.

Escola aberta contra a violência

A quadra da Themistocles está sempre fechada. Isso porque, após o furto de 42 telhas - para facilitar a invasão à escola -, a estrutura do espaço ficou comprometida. "Nossa quadra é invadida diariamente. São pessoas que vêm para se esconder, fazer uso de entorpecentes, namorar ou mesmo assaltar a escola", diz Daniele. De acordo com Miriam Abramovay, coordenadora de Juventude e Políticas Públicas da Flacso, a depredação ocorre porque as pessoas não se sentem pertencentes ao local: "A escola é um bem público. Quando ela se torna um lugar de proteção, também se torna um lugar protegido".

Reverter a situação é difícil. Afinal, a escola reflete as questões de segurança do ambiente em que está inserida. Caren Ruotti, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da USP, aponta um caminho: "O que a gente tem de exemplos mais positivos em segurança são as escolas que se abrem para a comunidade. Não são as que se fecham, que colocam grades e vigilância".

O ideal é que a segurança das escolas seja como nas cidades: funciona sob os "olhos da rua", como conceitualizou Jane Jacobs em seu livro Morte e Vida de Grandes Cidades. Isso significa ter diferentes pessoas - mesmo sendo desconhecidas - observando os locais públicos. Essa providência funciona como uma medida de manutenção de segurança e liberdade.

Como conseguir isso? Exemplos de boas práticas seriam deixar os espaços da escola abertos e chamar as famílias para participar do dia a dia da instituição. É o que acontece na EM Professor Waldir Garcia, também na capital amazonense. Os horários de uso da quadra foram definidos no início, em reunião entre escola e comunidade. A penalidade - decidida conjuntamente - para quem não cumpre as regras é a perda do horário. "Não sofremos com roubos ou depredações porque eles cuidam do nosso espaço, e essa relação é muito boa", diz a diretora Lúcia Cristina Santos.

Em São Paulo, após duas décadas comandando a EM Campos Salles em Heliópolis, o diretor aposentado Braz Nogueira tem muito a compartilhar sobre o dia a dia em uma das maiores favelas da metrópole. Ele foi além da abertura da quadra: por anos dividiu as chaves da escola com a comunidade - pais, líderes comunitários e representantes de igrejas católicas e evangélicas. "Eu tinha 12 conjuntos de chaves que eram compartilhados com esses grupos", relata. "A escola é da comunidade. Ela é muito mais deles do que foi minha como diretor", afirma Braz.

4 RESPOSTAS SOBRE COMO ENFRENTAR A VIOLÊNCIA

1 QUANDO CHAMAR A POLÍCIA?

Nas situações categorizadas como crime pelo Código Penal: entrada de armas na escola, ameaças efetivas, perseguições contra alunos, invasões de criminosos, entre outras. "Não se pode acionar a polícia para resolver conflitos cotidianos. Isso é péssimo porque as pessoas perdem a confiança nesse espaço, em que passam grande parte da vida delas", explica Miriam Abramovay.

2 PALESTRAS COM A POLÍCIA SÃO INDICADAS E SÃO EFETIVAS?

Melhor evitar. É preferível convidar especialistas em temas como drogas e violência. "Os jovens desconfiam da polícia porque ela costuma ser violenta com eles", explica Miriam. Braz Nogueira completa: "Escola e comunidade têm de assumir o que é de solução pedagógica. O meu trabalho com a Guarda Municipal, por exemplo, foi para evitar conflitos da guarda com os alunos".

3 COMO LIDAR COM O USO DE DROGAS DENTRO DO ESPAÇO ESCOLAR?

O mais indicado é ter uma conversa franca com os alunos flagrados. "É preciso deixar claro que a escola não é espaço para isso", defende Miriam. Adotar políticas de repressão, como impedir o uso dos banheiros, não resolve. "A maioria dos alunos não é usuária de drogas, mas eles também acabam sendo impactados por essas medidas", diz a especialista.

4 PODE NEGOCIAR COM TRAFICANTE?

Não. A gestão é a responsável por definir horários de abertura e fechamento, assim como dias letivos e o uso dos espaços da escola. Mas todas as pessoas interessadas no cotidiano da escola percisam ser chamadas para contribuir em reuniões com a comunidade. "Negociar e conversar são coisas diferentes", defende Miriam. Braz concorda: "Não interessa se é traficante. Se é da comunidade, eu tenho que me aproximar".

 

Fotos: LAÍS SEMIS

Compartilhe este conteúdo: