Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Sala de Aula | Língua Portuguesa | Sala de aula


Por: Patrick Cassimiro, Maggi Krause e Monise Cardoso

Na boca do povo, a coisa está preta

Sem nos darmos conta, usamos expressões com sentido pejorativo e, muitas vezes, racista. Repense o linguajar com a turma

Cansado de ouvir xingamentos entre os estudantes, o professor Luiz Henrique de Melo Rosa resolveu listar junto com eles os usados na EM Herbert Moses, no Rio de Janeiro. Entre 600 expressões e apelidos, descobriu 365 de cunho racista. "Isso me chocou, pois a maioria dos alunos é negra. Falta conhecimento das palavras e de consciência racial", conta o professor de Biologia, líder do projeto multidisciplinar Qual É a Graça? que se iniciou com uma exposição e seguiu com discussões sobre escravidão e preconceito. "A linguagem tem uma responsabilidade grande nas relações. É preciso ensinar desde bem cedo maneiras de falar do outro e com o outro sem reproduzir discriminações", defende Maria Edna de Menezes, autora da tese Reflexos Negros: a Imagem Social do Negro Através das Metáforas.

Dê uma olhada nas expressões ilustradas à abaixo. Sabia que todas são pejorativas? Basta refletir sobre sentidos escondidos no seu uso. "Quando alguém diz: 'Ele é um negro de alma branca', produz um enunciado falso, pois não se atribui cor à alma. Ele tem intenção de dizer outra coisa, de elogiar", afirma Vera Menezes, professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e autora do artigo Metáforas Negras.

Com o racismo implícito, essas expressões de provérbios, poemas, músicas, livros e faladas na rua merecem um trabalho criterioso em sala de aula (leia a sugestão abaixo) para pesar na consciência dos alunos "Não basta mudar a linguagem para que a discriminação deixe de existir." alerta José Luiz Fiorin, linguista da Universidade de São Paulo (USP). Revelar a origem racista por trás desse palavreado já é um bom começo.

POR TRÁS DESTAS PALAVRAS

Como não são explícitos, os termos são legitimizados socialmente

 

"Negro de alma branca"

Utilizada para dizer que, apesar da cor negra, o indivíduo carrega qualidades de pessoas brancas.

 

"Fulano tem um pé na cozinha"

Fala sobre alguém que tem origem negra. Remete ao período da escravidão, quando as mulheres ficavam restritas às cozinhas dos patrões

 

"Dia de branco"

Se refere a um dia de trabalho. Reforça a ideia de que negros são preguiçosos.

 

"A coisa tá preta"

Sinônimo de a situação está ruim. Faz analogia às condições miseráveis dos escravos vindos da África.

 

"Da cor do pecado"

Usada para elogiar pessoas negras, principalmente mulheres. Expressão hiperssexualizada, dá a entender que elas causam atração sexual fora do comum.

 

"Samba do crioulo doido"

Descreve situações de confusão ou trapalhada, liga o negro a bagunça, desorganização e falta de compromisso. A expressão é título do samba de Sérgio Porto, que satirizava o ensino de História do Brasil na época da ditadura.

 

"Não sou tua nega"

Serve para avisar que comigo não. Passa a sensação de que com as mulheres negras pode.

 

Da realidade para a aula

Proponha a leitura de um texto com algumas das expressões e levante um debate, questionando: há alguma palavra ou expressão diferenciada? O que elas têm em comum? Têm sentido pejorativo? Por quê? Você a utiliza? De alguma forma reproduz o discurso racista?

Peça que os alunos pesquisem entre os conhecidos esse tipo de expressões.

Monte um glossário com o resultado. É importante que a turma descreva em qual situação usa as palavras ou expressões.

Peça que os alunos, em grupos, procurem substitutos em dicionários.

Proponha a reescrita do texto utilizando os novos termos.

 


Ilustração: CATAPRETA