Sala de Aula | Língua Estrangeira | Inglês | Sala de aula

Esta canção merece um prêmio

Discuta a obra de Bob Dylan, ganhador do Nobel de Literatura, com base em uma de suas músicas

POR:
Wellington Soares e Patrick Cassimiro

A performance de Dylan é simples se comparada a de outras estrelas do rock de sua geração, e recebe influência da maneira como os poetas beat recitavam seus textos

O Prêmio Nobel de Literatura deste ano foi polêmico. Assim que a Academia Sueca divulgou o compositor americano Bob Dylan como o ganhador, críticas e elogios começaram a pipocas na imprensa e nas redes sociais. A principal dúvida: um prêmio de literatura pode ser dado a um músico? Segundo Adalberto Müller, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) e estudioso da obra do compositor, sim. Ele explica que, no trabalho de Dylan, a ênfase está na poesia. "A melodia serve como acompanhamento. Ele utiliza o gênero literário balada, surgido no fim da Idade Média", explica. Os trovadores do período medieval compunham poemas para ser lidos com uma música de fundo.

A geração beat americana recuperou a tradição trovadoresca e atribuiu a ela novos elementos: a crítica social e a incorporação de temas como a liberdade sexual são importantes aspectos da obra de escritores referência para Dylan, como Jack Kerouac (1922-1969), autor do clássico On The Road - Pé na Estrada, e o poeta e compositor Woody Guthrie (1912-1967).

Em sala, vale observar a performance do ganhador do Nobel, que se porta do mesmo modo que os autores nos quais se inspirou (um exemplo é a apresentação de Maggie's Farm de 1964), e analisar uma canção. Ao lado, leia comentários feitos por Adalberto sobre as estrofes 4 e 5 da balada It's Alright, Ma (I'm Only Bleeding). Destaque que o fundo musical se mantém igual nas estrofes: o que importa são as modificações na letra, que protesta contra o momento vivido pelos Estados Unidos de então.

 

FOCO NO PROTESTO

Nos trechos em destaque, fica evidente a revolta de Dylan contra o conservadorismo

 

IT'S ALRIGHT, MA (I'M ONLY BLEEDING)

(Bob Dylan, 1965)

A canção foi lançada no ano em que os Estados Unidos começaram a enviar tropas para o Vietnã, impulsionando protestos, e em que ocorreram grandes mobilizações por direitos civis, como as lideradas por Martin Luther King Jr. (1929-1968).

(...)

 

Disillusioned words like bullets bark

As human gods aim for their mark

Make everything from toy guns that spark

To flesh-colored Christs that glow in the dark

It's easy to see without looking too far

That not much is really sacred

 

Tradução Palavras cínicas disparam em uivos/ De deuses humanos criando seus mundos/ Com armas de brinquedo feitas pra adultos/ E Cristos coloridos que brilham no escuro/ É fácil perceber, sem procurar muito/ Hoje nada mais é sagrado

 

Comentário A canção faz um protesto nada explícito. Nessa estrofe, o autor direciona sua revolta a algumas religiões, que se promovem justamente em momentos de crise da sociedade usando falsas imagens de salvação.

 

While preachers preach of evil fates

Teachers teach that knowledge waits

Can lead to hundred-dollar plates

Goodness hides behind its gates

But even the president of the United States

Sometimes must have to stand naked

 

Tradução Pregadores pregam um destino infeliz/ Professores professam o saber da raiz/ O mapa da mina no quadro de giz/ A bondade se esconde na própria matriz/ Mas até o presidente de um grande país/ Às vezes precisa andar pelado

 

Comentário Aqui, Dylan critica a influência dessas religiões sobre o Estado e o sistema educacional. Esse contexto pode levar a uma vida de luxo, mas perde-se a possibilidade de conhecer o bem. "Se até o presidente dos Estados Unidos pode ser visto nu, nada mais resta de sagrado e de secreto", explica Adalberto Müller. A fé é um fato íntimo, pessoal, mas está sendo vendida como mercadoria, e está definindo inclusive os rumos políticos do mundo.


Consultoria: Adalberto Müller, professor do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense (UFF) e estudioso da obra de Bob Dylan. Tradução: Ivan Santana.

Imagem: Zé Otavio