Sala de Aula | Educação Física | Sala de aula

Do game para a quadra

Como um professor levou o quadribol do universo de Harry Potter para as aulas de uma escola pública

POR:
Wellington Soares, Alice Vasconcellos e Monise Cardoso

"Fiz gol e o controle vibrava igual a torcida! Saí tremendo e nervoso." "Nunca pensei que jogaria videogame na aula!". Reações inusitadas para a aula de Educação Física, mas comuns na EE Ary Barroso, em São Paulo. Obra do professor Alan Queiroz, que viu nos games uma forma de envolver os alunos na prática de esportes. Para eleger o jogo trabalhado, o educador pediu sugestões à classe do 4º ano. Deu quadribol, praticado na série Harry Potter - que voltou à moda com o lançamento do livro Harry Potter e a Criança Amaldiçoada. O trabalho começou com a turma jogando Copa do Mundo de Quadribol - Harry Potter, para Playstation 2. "O game ajudou a explicar as regras e a levar o jogo para a quadra", diz Alan. A adaptação não é automática: a turma quebrou a cabeça para substituir as vassouras voadoras e as bolas mágicas. Confira as sugestões dos alunos.

 

TROCANDO AS BOLAS

Gole = 1 bola de corracha
Os joadores têm de acertar os círuclos no gol adversário

 

Balaços = 8 bolas de meia
São usadas pelos atiradores para eliminar os adversários

 

Pomos de ouro = 4 bolas de tênis
Lançadas pelo juiz, devem ser disputadas pelos pegadores

 


1. Entenda  

O quadribol é um misto de handebol e queimada. Cada time marca pontos lançando a bola nos bambolês presos às traves. Os atiradores nas laterais da quadra podem queimar os adversários que entram no campo de ataque. Quem é queimado sai do jogo.

2. Pontue

Cada gol vale 10 pontos. De tempos em tempos, o juiz lança o pomo  de ouro (abaixo), que vale 30 pontos para o time que pegá-lo.

3. Adapte

A turma logo percebeu que seria preciso abandonar a vassoura (que voa no game). O jeito foi passar  a bola com as mãos.  

4. Avalie

A turma deve exercitar  a imaginação ao adaptar o jogo. Nas partidas, é importante ouvir os colegas ao pensar estratégias táticas. Na aula de Alan, deu certo.

 


Ilustração: Marcus Penna