Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Como educar para o uso consciente do WhatsApp

Telma Vinha comenta os desafios da Educação moral

POR:
NOVA ESCOLA
Telma Vinha,

Telma Vinha,
Professora de Psicologia Educacional da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

D esde os tempos do Orkut, a criação de perfis virtuais faz parte da vida de muitos estudantes. Esse hábito se intensificou com a popularização do Facebook e, agora, estamos diante de redes sociais com um caráter mais secreto. Existem aquelas que só podem ser acessadas quando alguém convida, como os grupos de WhastApp. Ou os diversos recursos de envio de textos, imagens e vídeos entre duas ou mais pessoas, como as funções de bate-papo disponíveis no próprio Face e no Snapchat. O sucesso dessas redes vem junto com o avanço dos celulares. Dados da pesquisa TIC Kids Online Brasil de 2013 indicam que 53% das crianças e dos adolescentes acessam a internet por seus smartphones.

Uma das preocupações é a exposição indevida, como o sexting, que significa a divulgação de conteúdos eróticos por celular, junção de duas palavras em inglês (sex + texting). As interações que ocorrem nesses ambientes afetam diretamente as relações escolares. Mas como orientar sobre o uso dessas ferramentas quando, pelo próprio caráter das novas redes, não sabemos o que nossos alunos estão compartilhando?

Muitas escolas tentam restringir o acesso aos aplicativos, mas isso não evita o mau uso. Mesmo que os pais instalem filtros de conteúdo nos aparelhos dos filhos, eles ainda podem recorrer aos celulares de amigos. Outras intervêm só depois que algo ocorre. É comum apelarem para punições (suspensões e expulsões), terceirizarem o problema (para a polícia ou a família) ou realizarem atividades pontuais, como palestras. Tais ações pouco contribuem para a formação dos alunos para o uso positivo da tecnologia, que também é responsabilidade da escola. Isso requer um trabalho estruturado e com ações educativas contínuas, como abrir um espaço permanente e sistematizado na grade horária para essa discussão.

É falsa a sensação de segurança dos grupos fechados. Tudo pode ser replicado na web.

A abordagem não deve ser culpabilizadora. Em vez disso, o objetivo é permitir aos alunos refletir sobre suas práticas. Eles devem debater as consequências e o alcance de suas ações para tomar decisões conscientes. Uma proposta é trabalhar com casos reais, que evidenciem as características do mundo virtual e nossa vulnerabilidade nesse espaço.

No caso do sexting, é fundamental discutir o conceito de privacidade num contexto digital. Há uma falsa sensação de segurança pelos grupos fechados. Porém, tudo no universo digital pode ser gravado e replicado por qualquer um. O melhor é não compartilhar nada que seja particular, mesmo para alguém de confiança. Há meninas que tiveram suas fotos divulgadas sem autorização por vingança.

Se queremos um uso positivo, consciente e respeitoso da tecnologia, o trabalho preventivo deve favorecer o desenvolvimento da autorregulação moral aquela que não depende de punição externa. A escola deve atuar para promover a ética em qualquer relação, real ou virtual.


Ilustração: Adriana Komura 

 

Tags

Guias