Sala de Aula | GEOGRAFIA | Sala de aula

4 respostas sobre a crise econômica

Seus alunos certamente vão trazer o assunto para a classe. Veja sugestões de como dar os primeiros passos para a discussão

POR:
Wellington Soares, Pedro Annunciato e Alice Vasconcellos

 

Inflação, crise, desemprego, PIB, recessão... Nos últimos meses, foi impossível não se deparar com algumas dessas palavras. "É quase certo que a turma vai ter questões sobre o tema", afirma Alessandra Silva de Souza, mestre em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Quando elas surgirem, cabe ao professor avaliar se vale parar o conteúdo ou não. Ela explica que, às vezes, é melhor incentivar os alunos a pesquisar sozinhos e retomar a conversa mais tarde. 

Nos anos finais do Ensino Fundamental, os conteúdos ligados à economia global, que tradicionalmente aparecem nessa fase, oferecem uma boa oportunidade de entrar no assunto. Para Liliam Rosa Prado, especialista da Universidade Federal do Paraná, outro gancho possível é a análise de indicadores socioeconômicos diversos: "Crescimento econômico e desenvolvimento social estão muito atrelados, e cada vez mais se analisam esses dois aspectos em conjunto".

Há, no entanto, uma ressalva importante sobre a escolha de materiais. "O docente não deve ficar só no noticiário. Ele pode, sim, trazer periódicos e textos da internet, mas é importante ficar de olho em livros recentes, que permitam expandir a reflexão - sempre, é claro, observando a adequação da linguagem à faixa etária", alerta Liliam.

Abaixo, respondemos a quatro questões sobre o tema, para ajudar você a dar os primeiros passos na discussão com os alunos.


1 Como se originou a crise econômica?

Com dois movimentos. Primeiro, com a crise econômica mundial, caiu o preço de diversos produtos de exportação brasileiros, do petróleo ao aço. Segundo, a partir de 2011, houve um grande aumento dos gastos públicos. A situação se agravou quando o orçamento do Estado chegou ao limite e surgiu o risco de que ele não pagasse suas dívidas, o que gerou insegurança entre os empresários de que valia a pena investir. A economia do país entrou em
recessão: a produção e o lucro das empresas caíram. Com isso, aumentou o desemprego.

2 O que significa, na prática, a queda do PIB?

A redução desse indicador é quase sinônimo de desemprego. O Produto Interno Bruto (PIB) mede o que e quanto o país produz ao longo de um ano. Se ele cai, significa que os diversos setores estão produzindo menos e, portanto, demandam menos mão de obra. O resultado: demissões.

3 A corrupção é a culpada pela crise?

Não é possível afirmar isso. Seria necessário fazer pesquisas mais aprofundadas para avaliar o real impacto que os problemas enfrentados pelas empresas investigadas em operaçõs como a Lava Jato têm no conjunto da economia -e, ainda assim, os resultados seriam questionáveis, já que é difícil calcular com exatidão quanto dinheiro foi desviado dos cofres públicos.

4 A queda do PIB gerou aumento da inflação?

Não. Na verdade, a alta dos preços, que chegou a 11% em 2015, foi causada por outros fatores. Com o aumento da dívida, aumentaram os preços da energia elétrica e dos combustíveis. A valorização do dólar, provocada principalmente pelas dúvidas sobre a capacidade do Estado de pagar suas dívidas, contribuiu encarecendo os produtos importados. No momento, a recessão joga a favor da queda da inflação: com menos consumo, os preços das mercadorias caem.

 


Consultoria MAURO ROCHLIN, professor da FGV, em São Paulo. 
Fonte: Dicionário de Economia do Século XXI, de Paulo Sandroni 
Ilustração: Francisco Martins