Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
RDRevista Digital

Nova Escola

Nesta área você encontrará todo o acervo da revista de maneira organizada e em formato digital

Seções | Prêmio | Em Dia


Por: Jacqueline Hamine, Pedro Annunciato, Paula Peres e Ana Ligia Scachetti

Gestor paulista é Educador do Ano de 2015

Diego Mahfouz Faria Lima recebeu o troféu de Educador do Ano de 2015 em cerimônia realizada em 30 de novembro

Diego Mahfouz Faria Lima. Foto: Fernando Gazinhato

O diretor Diego Mahfouz Faria Lima foi eleito pelo júri de especialistas e recebeu o troféu de Educador do Ano de 2015 pelo projeto Minha Escola: Reconstrução Coletiva. Durante 2014, ele mobilizou toda a comunidade para recuperar a EM Darcy Ribeiro, em São José do Rio Preto, a 450 quilômetros de São Paulo. "O gestor nunca atua sozinho. Um trabalho como esse só pode dar certo quando você sensibiliza sua equipe e abre o diálogo com os alunos", disse.

 

A cantora Tiê.  Foto: Fernando Gazinhato

A cerimônia de entrega do Prêmio Educador Nota 10, realizado pela Fundação Victor Civita (FVC) em parceria com a Fundação Roberto Marinho (FRM), aconteceu no Centro Brasileiro Britânico, em São Paulo, em 30 de novembro, e teve a cantora Tiê como atração musical. A jornalista Sandra Annenberg foi a mestre de cerimônias da noite que reconheceu Diego e nove professores de seis estados brasileiros.

No evento, Victor Civita Neto, presidente da FVC, ressaltou a importância dessa iniciativa para a valorização da Educação brasileira. "O prêmio atinge sua maioridade este ano, quando também comemoramos os 30 anos da Fundação. Escolhemos o caleidoscópio para ilustrar o tema porque ele está em constante movimento, assim como a vida escolar."

Educadores Nota 10 com Victor Civita Neto.  Foto: Fernando Gazinhato

"Cadê a receita para avançar a participação no PIB? Cadê o voto, aqui, para aumentar a receita? Se não tiver mais verba para a Educação, não adianta cobrar o investimento que não podemos fazer. Nós temos um problema geral de financiamento."

 ALOIZIO MERCADANTE, ministro da Educação, em audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados


CUSTO POR ALUNO

O MEC reviu o valor anual mínimo por aluno no ano de 2015: 2.545,31 reais. Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, 
Piauí e Rio Grande do Norte receberam repasses adicionais do Fundeb por não terem conseguido alcançar o montante necessário com recursos próprios.

Fonte: MEC

PNAD

As pedras no caminho escolar

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2014 (Pnad) mostra que o acesso das crianças de 4 a 5 anos à Educação Infantil melhorou, mas isso ainda não se refletiu nas etapas seguintes. Das pessoas de 15 a 17 anos, 15,7% estão fora da escola. Os indicadores apontam que o problema começa na alta taxa de distorção idade-série do Fundamental, superior a 40% entre adolescentes de 13 a 16 anos (veja os gráficos abaixo). "Além do trabalho infantil, a má qualidade da aprendizagem, associada à política de reprovação, desestimula o aluno e aumenta a evasão", avalia Maria de Salete Silva, especialista em políticas públicas educacionais. "Colocamos os pequenos na escola, mas muitos não são alfabetizados na idade certa. Isso causa prejuízos e ajuda a explicar o resultado desastroso nas séries finais."


"Ninguém do governo nos procurou. Não teve diálogo nenhum, nada foi explicado. (...) Escola pública é um direito meu, é um direito de quem paga imposto e de quem quer estudar. Essa luta não é pela Fernão Dias, é por todas as escolas."

THAYNÁ KOGA, 16 anos, aluna do 1º ano do Ensino Médio e porta-voz do grupo que ocupou a EE Fernão Dias Paes, em São Paulo


BULLYING

Agora a prevenção é lei

A presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei Nº 13.185, que define as situações de agressão física, psicológica e moral que podem ser consideradas bullying. O texto encarrega escolas, clubes e agremiações a adotar medidas de prevenção e combate às agressões. Para Luciene Tognetta, coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral (Gepem), da Unicamp, a lei promove avanços ao indicar a conscientização dos agressores, em vez de puni-los, propor a prevenção e mencionar a preparação dos professores para resolver conflitos. "Daqui para a frente, devemos cobrar políticas públicas que garantam uma formação adequada aos docentes sobre o bullying", afirma.