Seções | Caro Educador

Esforços somados para objetivos grandiosos

Educação integral e inclusão funcionam com intencionalidade e uma rede de profissionais

POR:
NOVA ESCOLA
MAGGI KRAUSE,

MAGGI KRAUSE,
Diretora de Redação

Segundo a editora Ana Ligia Scachetti, a menina que ilustra nossa capa só merece um rótulo: aluna. A surdez, que a diferencia das outras crianças, já foi uma dificuldade. Atualmente, é algo natural para sua escola e sua turma, que aprendeu a língua brasileira de sinais (Libras) para se comunicar com ela. Para que a inclusão se concretize de maneira a favorecer a criança e trazer benefícios para quem convive com ela, é preciso estruturar uma importante rede de apoio. Depois de estudar o assunto e procurar casos bem-sucedidos de quem conta com poucas ou muitas pessoas para incluir esses alunos, a repórter Anna Rachel Ferreira ouviu profissionais da área de saúde, pedagogos, família e colegas dos estudantes (leia aqui). Cada um com seu papel, eles se organizam de forma orquestrada com um só objetivo: acolher essas crianças e dar oportunidades para que avancem no estudo.

Oportunidades também são percebidas nas instituições que se adaptaram para oferecer Educação integral. Com mais tempo para se dedicar a disciplinas curriculares e atividades extras, pensadas para introduzir habilidades e motivar os jovens, esse modelo exige cuidados na gestão. Eles giram em torno da jornada ampliada, da extensão dos espaços e dos tipos de aprendizagem. Na reportagem de Raissa Pascoal, leia sobre bons exemplos de Palmas, Porto Alegre e Feira de Santana, na Bahia.

Em novembro, nossa equipe recebeu boas notícias: uma reportagem de GESTÃO ESCOLAR venceu o Prêmio Undime, em Webjornalismo, e a capa de fevereiro de NOVA ESCOLA foi a campeã do júri da Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER). Fechamos o mês festejando na cerimônia do Prêmio Educador Nota 10! Conheça o Educador do Ano aqui.

A equipe da Fundação Victor Civita: unida na festa do Prêmio Educador Nota 10. Foto: Fernando Gazinhato