Compartilhe:

Jornalismo

A valorização da carreira docente é um dos principais motivos de greve e alvo de várias políticas públicas. O PNE, por exemplo, tem como meta a equiparação do rendimento do professor ao das profissões com escolaridade equivalente. Um dos mecanismos para viabilizar esse objetivo é a Lei do Piso, de 2008. Mas, apesar de gerar avanços, ela tem sido alvo de críticas. Para o especialista em financiamento da Educação José Marcelino de Rezende Pinto, o valor alcançado ainda é baixo e alguns estados vêm sofrendo com o achatamento da carreira. O aprimoramento da fiscalização das redes, que era desejado, também não é uma realidade. A orientação é que a União ajude os entes federativos a se adequar, mas na prática isso é pouco efetivo. "É necessário colocar mais dinheiro no Fundeb. Proporcionalmente, áreas como o Fies têm recebido uma parcela maior e isso inviabiliza o cumprimento da lei", alerta Marcelino. Saiba mais sobre esse cenário abaixo.

A lei nos estados e no Distrito Federal

Apenas metade consegue atender à legislação de 2008

Fonte Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (Sase) do MEC

Evolução do piso (em %)

Reajuste está acima da inflação, mas valor ainda é baixo

Fontes IBGE e MEC

Docentes e outras profissões

O mínimo necessário e o piso de ocupações equivalentes são maiores

Fontes DIEESE e leis específicas

Um exemplo de carreira docente

Salário inicial (em reais) para jornada de 40 horas semanais em Coronel Fabriciano (MG)

Fonte Prefeitura Municipal
continuar lendo

Veja mais sobre

Últimas notícias