Seções | Em Dia

Violência: depredação de escolas preocupa diretores

Pichação de muros, destruição nas dependências internas e dos banheiros são as principais ocorrências

POR:
Sophia Winkel, Paula Peres, Elisa Meirelles e NOVA ESCOLA

Em um ano, 16% das instituições de ensino brasileiras tiveram pichação de muros, 18% passaram por depredação das dependências internas e 26% vivenciaram destruição dos banheiros. A informação é dos questionários de diretores da Prova Brasil 2011. Luciene Tognetta, pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), explica que a violência de alunos contra a escola só se resolve quando eles se sentem parte dela. "Enquanto a gestão escolar não propuser a discussão de questões de convivência promovendo a participação dos estudantes, eles continuarão se sentindo não pertencentes ao ambiente."


PISA

Pensamento lógico é um desafio

A Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) e mostrou que os estudantes brasileiros têm dificuldade em resolver problemas de lógica e raciocínio. O exame avaliou meninos e meninas de 15 anos de 44 países e o Brasil ficou em 38º lugar. Para o matemático e pesquisador Ruben Klein, da Fundação Cesgranrio, o resultado é reflexo de um sistema que valoriza a memorização. "Para que os alunos desenvolvam essas habilidades, o professor precisa propor atividades que os façam raciocinar", diz ele.


10.902 crianças 

superdotadas ou com altas habilidades estão matriculadas em escolas regulares no país.

Fonte Censo Escolar 2012


Bullying

Entre os estudantes que se consideram muito gordos, 54,1% sofrem preconceito. Dos muito magros, 44,8% são vítimas de bullying e 26,1% o praticam. Os dados são do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2013.


Entrevista

Mariane Melo, Procuradora da República em Goiás e uma das fundadoras do projeto Ministério Público pela Educação (MPEduc) 

Quais os objetivos do MPEduc? 
Acompanhar a Educação oferecida na rede pública e recomendar melhorias. 

Como funciona o programa? 
Preparamos um diagnóstico dos municípios que aderem ao projeto, são 50 até agora. Coletamos dados e fazemos audiências com a comunidade. As escolas são visitadas e, conforme vemos problemas, propomos mudanças e estipulamos prazos. 

Em que ele inova? 
O projeto é como um aconselhamento extrajudicial, em que só há processos se os pedidos não são atendidos. O Poder Judiciário é lento. Via MPEduc, alcançamos resultados sem ter de entrar nessa esfera.


PNE 

O Plano Nacional de Educação (PNE) 2011-2020 foi aprovado pela comissão especial da Câmara dos Deputados. O país deverá investir 10% do Produto Interno Bruto (PIB) na área para custear gastos públicos e parcerias com o setor privado. A proposta segue para plenário.


Ditadura

Escola muda de nome

Ilustração: Raphael Salimena

 

O CE Presidente Emílio Garrastazu Médici, em Salvador, trocou de nome para CE do Stiep Carlos Marighella. "Havia um ressentimento em nossa escola porque fazíamos uma homenagem a um presidente que confrontou a liberdade e a democracia", explica a diretora Aldair Dantas. O novo nome foi definido democraticamente, por meio de uma eleição. Um relatório sobre esse processo foi a base do pedido de alteração enviado à Secretaria de Educação e aprovado.

Compartilhe este conteúdo: