Sala de Aula | LEITURA | Pré-escola | Sala de aula

O que as ilustrações revelam sobre as histórias?

Como buscar as pistas dadas pelas imagens para interpretar a história

POR:
NOVA ESCOLA

 

 

As professoras Olindina Maria Ferreira da Cunha e Dirlene Alves de Brito, da Creche Central da Universidade de São Paulo (USP), na capital paulista, sempre incluem a leitura na rotina das crianças de 4 e 5 anos e buscam ampliar o repertório da turma com diferentes gêneros e histórias. A relação entre texto e ilustração nos livros infantis, contudo, não era um ponto que as educadoras desenvolviam na pré-escola. Com o objetivo de ajudá-las a mostrar aos pequenos como buscar as pistas dadas pelas imagens para interpretar a história, Ana Flávia Alonço Castanho, formadora de professores, visitou a sala e propôs uma atividade. Ela explicou às docentes que as ilustrações ocupam diferentes papéis nos livros: ajudam a enfatizar o que o texto diz, trazem dicas que não estão escritas para entender a narrativa e às vezes são dissociadas do texto. A obra escolhida para iniciar a roda, Meu Gato Mais Tonto do Mundo (Gilles Bachelet, 32 págs., Ed. Estação Liberdade, tel.11/ 3661-2881, 35 reais), traz essa última característica.

Ana Flávia foi lendo sem destacar que o texto falava sobre um gato, mas as imagens mostravam um elefante. Com isso, deu espaço para que as próprias crianças notassem que havia algo de estranho na história.

O grupo foi ficando intrigado e Ana Flávia continuou a leitura, sempre mostrando as páginas do livro. A primeira etapa da atividade terminou com uma conversa.

Tendo o cuidado de não validar de início as hipóteses dos pequenos e pedindo que argumentassem, a consultora os ajudou a descobrir que texto e ilustrações nem sempre querem dizer o mesmo.

Em seguida, a turma foi convidada a explorar diversas obras e descobrir que outras coisas interessantes as imagens nos dizem. O papel do educador nesse momento foi o de acompanhar a atividade, colocando-se à disposição de ler para quem pedisse.

Ao pedir que a turma socializasse as opiniões sobre as ilustrações de cada história, Ana Flávia garantiu que as descobertas fossem compartilhadas. Após a atividade, as educadoras, o coordenador pedagógico, Rodrigo Flauzino, e a formadora comentaram a importância de ter um olhar atento às inferências das crianças e de dar tempo para que elas explorem os livros e busquem pistas para interpretar as histórias.

Ficou claro para todos que o trabalho com leitura na Educação Infantil não pode ficar restrito ao que está escrito nos livros. É preciso dar um passo além e levar os pequenos a explorar o mundo imaginário criado pelo conjunto texto-ilustração.

Veja algumas indicações de bons livros para trabalhar a relação entre texto e imagem

Não!

Marta Altés, 28 págs., Brinque Book, tel. (11) 3857-1124, 32,30 reais
Um cãozinho conta, orgulhoso, como ajuda os moradores da casa nas tarefas diárias. As imagens, no entanto, revelam uma grande bagunça. Nessa desconexão proposital entre palavras e ilustrações reside o efeito de humor buscado pela autora. Ao longo da história, a família grita ?não?, ?não? e ?não?, tentando fazer com que o cachorro pare de arrancar roupas do varal ou destruir o jornal. Ele, no entanto, se sente prestigiado ao ouvir tantas vezes o que pensa 
ser seu nome.


Sem Título

Hervé Tullet, 72 págs., Ed. Cia. das Letrinhas, tel. (11) 3707-3500, 34,50 reais 
Os leitores apareceram antes da hora e o livro não está pronto! Assim começa uma divertida história, contada por personagens que ainda estão no rascunho e se parecem com desenhos infantis. Quando percebem que as crianças estão olhando, eles correm para chamar o autor e tentam inventar uma história, desenhando fadas, princesas e monstros. Essa brincadeira permeia as páginas e insere a turma no universo da criação literária.


O outro lado

Istvan Banyai, 44 págs., Ed. Cosac Naify, tel. (11) 3218-1444, 45 reais 
Conhecido por produzir narrativas intensas por meio apenas de imagens, o autor mostra, nesse livro, que uma mesma situação pode parecer completamente diferente de acordo com o ponto de vista. Ao passar os olhos pelas ilustrações, a criança entende que nem tudo é o que parece à primeira vista. Cenas do cotidiano são retratadas sob diferentes ângulos, mais próximas e mais distantes, abrindo outras perspectivas de leitura.


365 Pinguins 

Jean-Luc Fromental, 48 págs., Ed. Cia. das Letrinhas, tel. (11) 3707-3500, 47 reais 
Centenas de pinguins vão chegando à casa do personagem principal, que, desesperado, tenta encontrar espaço para abrigá-los. A cada página, o número aumenta exponencialmente. O autor não chega a representar 365 animais, mas joga com as ilustrações e com o projeto gráfico de modo a passar ao leitor a sensação de lotação. O livro, em si, é enorme, quem sabe o maior da biblioteca, e mesmo assim não cabem mais pinguins dentro dele.


Onde Vivem os Monstros 

Maurice Sendak, 40 págs., Ed. Cosac Naify, tel. (11) 3218-1444, 49,90 reais 
A viagem de um garotinho à terra dos monstros é o pano de fundo desse clássico da literatura infantil. Permeadas de significados, as ilustrações trazem pistas fundamentais para encontrar o real sentido da história. A narrativa dá a entender que o menino realmente sai de casa, mas detalhes, como os pés humanos dos monstros e a transformação do quarto em uma floresta, fazem os pequenos experimentar a possibilidade de tudo não passar de um sonho.


Uma Chapeuzinho Vermelho 

Marjolaine Leray, 48 págs., Ed. Cia. das Letrinhas, tel. (11) 3707-3500, 34 reais
Ilustrado apenas com linhas pretas e vermelhas, o livro se desenrola de forma delicada e apresenta uma Chapeuzinho diferente da que aparece nas histórias tradicionais. Enquanto as palavras dão um contorno de ingenuidade às atitudes da garota, as ilustrações vão deixando transparecer que ali existe uma menina astuta, capaz de se defender. Para chegar à riqueza dessa fábula, é fundamental atentar ao diálogo entre texto e imagem.


O Leão e o Camundongo 

Jerry Pinkney, 40 págs., WMF Martins Fontes, tel. (11) 3292-2660, 34 reais 
O encanto dessa história é potencializado pelas imagens, que retratam os personagens de forma oposta, um tão pequeno e indefeso e o outro grande e poderoso. Logo nas primeiras páginas, o ratinho aparece andando no que pensa ser um gramado. Como as cenas vão surgindo aos poucos, as crianças vivem emoções e sensações junto com o personagem, até que ele descubra que está em cima do leão.


O Livro do Foguete 

Peter Newell, 45 págs., Ed. Cosac Naify, tel. (11) 3218-1444, 45 reais
Um garotinho desastrado acende um morteiro no porão de seu prédio e ele atravessa cada um dos andares. No caminho até o céu, o foguete fura não apenas uma banheira e uma jarra de suco mas também as próprias páginas do livro. A ideia de criar um buraco de verdade é o grande trunfo da obra. Ao pegá-la nas mãos, a criança pequena fica até em dúvida: será que um foguete realmente passou por ali e rasgou o papel?


A Bruxa Salomé 

Audrey Wood e Don Wood, 32 págs., Ed. Ática, tel. (11) 3990-2100, 32,50 reais 
A mãe bem que avisou, mas as crianças não ouviram e deixaram a bruxa entrar. O desenrolar dessa aventura ganha vida por meio das ilustrações, que criam uma atmosfera de travessura e suspense. As informações citadas no texto vão ressurgindo nos desenhos das páginas seguintes e contribuem para organizar o enredo. Os alimentos em que as crianças se transformam, por exemplo, não são retomados textualmente a cada nova página, mas estão presentes nas ilustrações.


Até as Princesas Soltam Pum 

Ilan Brenman, 28 págs., Ed. Brinque Book, tel. (11) 3857-1124,36,30 reais 
Questionado por Laura sobre as princesas soltarem pum, seu pai começa uma grande viagem pelos cheiros que envolvem o universo dos contos de fada. O diálogo entre texto e imagem fica mais evidente na representação gráfica do pum, que perpassa as páginas como uma nuvem rebuscada, formada por letras. É como se essa fumaça dançasse entre os personagens e se fizesse presente em todo lugar.

 


Consultoria Ana Flávia Alonço Castanho, formadora de professores e orientadora pedagógica da Escola Criarte

Compartilhe este conteúdo: